sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

FC Porto: o Clube a a SAD (I)

«O detalhe dos saldos das rubricas de “Clientes” em 30 de Setembro de 2011 e 30 de Junho de 2011 é o seguinte:


O saldo da rubrica “Clientes - conta não corrente – Futebol Clube do Porto” refere-se à parcela de médio e longo prazo da conta a receber do Futebol Clube do Porto.

O Conselho de Administração da FC Porto, SAD em conjunto com a Direcção do Clube, definiu um plano de acções para reduzir progressivamente a dívida, tendo o mesmo sido contratualizado em 30 de Junho de 2011. Este plano de pagamentos pressupõe a dotação do Clube de capacidade financeira através de um conjunto de medidas de diferentes naturezas, das quais:
(i) alteração do actual modelo operativo do Grupo Futebol Clube do Porto, baseado na transferência de proveitos relacionados com as rendas de espaços inseridos no Estádio Dragão para o Clube;
(ii) revisão da política de preços e redistribuição interna das receitas de quotização dos associados entre o Clube e a FC Porto, SAD; e
(iii) racionalização orçamental a médio prazo das modalidades sob a gestão do Clube.

Algumas destas medidas dependem ainda da aprovação de instituições financeiras, processo que se encontra em curso.

O mencionado plano, que estima a realização daquele montante ao longo de quinze anos, até ao exercício 2025/26, considera o vencimento de juros a uma taxa Euribor a 6 meses, acrescida de um spread de 6%.

O plano de pagamento pressupõe a liquidação de prestações semestrais (capital e juros), com vencimento em 31 de Dezembro e 30 de Junho de cada ano, de montante crescente, vencendo-se no exercício de 2011/2012 o montante de 177.312 Euros de capital e 1.022.688 Euros de juros, á taxa acima indicada. A médio e longo prazo, o vencimento daquelas prestações pode ser resumido da seguinte forma:


À data da posição da demonstração financeira, as contas a receber não correntes não se encontram vencidas e não foram registadas quaisquer perdas por imparidade sobre as mesmas.»


O texto e quadros anteriores foram extraídos do ponto 7 (CLIENTES) do Relatório e Contas Consolidado da FC Porto SAD, 1º Trimestre 2011/2012 (páginas 23 e 24).

Para já não me vou alargar em comentários, chamo apenas à atenção dos sócios do FC Porto (a maior parte dos quais tem pouco interesse e paciência para ler relatórios e contas) para o seguinte:

1) De acordo com este R&C, em 30/09/2011 o FC Porto clube devia à SAD 12.817.056 Euros;

2) O plano de pagamento definido pela Administração da SAD e pela Direcção do Clube (ou seja, basicamente as mesmas pessoas) para o pagamento deste valor estende-se por 15 anos (até ao exercício 2025/26), sendo estimado um montante total de juros de 9.183.672 Euros;

3) O juro a cobrar ao Clube será a taxa Euribor a 6 meses (na última semana ~1,7%), acrescida de um spread de 6%;

4) Uma das três medidas definidas para dotar o Clube de capacidade financeira é a "racionalização orçamental a médio prazo das modalidades sob a gestão do Clube" (fica ao critério de cada um a interpretação do que significa "racionalização orçamental").

Nota final: Voltarei a este assunto, da relação entre o Clube a a SAD, em próximos artigos.

10 comentários:

JON disse...

Muito pertinente José. E igualmente preocupante...

JOSE LIMA disse...

Caro José Correia
Vou tentar esclarecer algumas dúvidas do meu amigo quanto ao assunto referido neste artigo, pelo que, teremos que recuar ao último RC anual publicado (1 de Julho 2010 a 30 de Junho 2011).
Tudo tem a ver com a “articulação” entre o Clube e a SAD. Podemos começar por referir que, ao contrário da “instituição”, que “puxou” o Estádio para a SAD (sendo portanto o responsável pelas continhas deste bem), no nosso caso o Estádio do Dragão é pertença do Clube que, numa linguagem que toda a gente entenda, o “alugou” à SAD afim desta gerir a sua exploração comercial.
Quais são “grosso modo” as receitas do Clube e as Receitas da SAD?
Clube – Fica com 20% das Quotizações mais a exploração das modalidades.
SAD – Fica com 80% das Quotizações mais os Resultados de Exploração do Futebol Profissional, e das 4 Sub-Sociedades que a compõe: Porto-Comercial, Porto-Estádio, Porto-Seguro e Porto-Multimédia.
Naturalmente que os 20% das Quotizações, mesmo com os patrocínios existentes, não chegam para sustentar as principais modalidades (Hóquei, Basquetebol e Andebol) nem para as modalidades ditas amadoras onde devemos incluir todas as camadas jovens da formação, nomeadamente do futebol. Tem restado à SAD “compensar” o défice de Tesouraria do Clube (daí as referências a alguns salários em atraso) com “empréstimos”.
Ora, como as Receitas não aumentam, o Clube e a SAD (conforme o meu amigo refere na alínea 4), em diálogo, vão através dum empréstimo, logicamente da SAD ao Clube, resolver a situação. E claro que, como Sociedade, pode e deve, debitar juros.
Agora, a “explicação” das 3 medidas anunciadas:
(i) “alteração do actual modelo...” Significa “entregar/dar ao Clube a gestão de parte das actividades comerciais do Estádio.
(ii) “revisão da política de preços…” Significa redistribuir de forma diferente a percentagem dos 20% para o Clube e 80% para a SAD, ficando então 25% para o Clube e 75% para a SAD.
(iii) “racionalização orçamental…” Significa que não se pode gastar mais do que o valor líquido que houver de Receitas”
Nota – É muito lindo termos muitas modalidades a funcionar mas, no fim do mês, pode não haver dinheiro para os salários. Não podemos esquecer que a base disto tudo é o Clube. Foi ele que lançou a SAD, que por sua vez, criou outras Sociedades. Quando e se, uma SAD estourar, o Clube vai ao fundo com ela. Vide, por exemplo o caso do Boavista.
Abraço

José Correia disse...

JOSE LIMA disse...
Caro José Correia
Vou tentar esclarecer algumas dúvidas do meu amigo quanto ao assunto referido neste artigo


Caro José Lima, quais foram as dúvidas que eu apresentei no artigo?

José Correia disse...

JOSE LIMA disse...
“revisão da política de preços…” Significa redistribuir de forma diferente a percentagem dos 20% para o Clube e 80% para a SAD, ficando então 25% para o Clube e 75% para a SAD.

Sobre a forma como, desde 1997 (data da constituição da SAD), são distribuídas as cotas pagas pelos SÓCIOS do FC Porto Clube, irei falar oportunamente noutro artigo.

José Correia disse...

JOSE LIMA disse...
Tem restado à SAD “compensar” o défice de Tesouraria do Clube (daí as referências a alguns salários em atraso) com “empréstimos”.

O José Lima tem a certeza absoluta que os mais de 12 milhões de euros que o Clube deve à SAD, referem-se a empréstimos para compensar o défice de Tesouraria do Clube?
Sabe dizer-me qual era o valor desta divida há um ano atrás? E há cinco anos atrás?

José Correia disse...

JOSE LIMA disse...
o Estádio do Dragão é pertença do Clube que, numa linguagem que toda a gente entenda, o “alugou” à SAD afim desta gerir a sua exploração comercial

O José Lima sabe dizer-me quanto é que a SAD paga ao Clube anualmente por utilizar o estádio do Dragão nas dezenas de jogos oficiais que aí realiza por época?

O José Lima sabe dizer-me quanto é que a SAD, através da sua participada PortoEstadio, paga ao Clube em rendas anuais pela exploração dos espaços comerciais que existem no Estádio do Dragão (Clínica, Health Club, Rádio Popular, Café/Restaurante, agência bancária, agência de viagens, Parque de estacionamento)?

O José Lima sabe dizer-me quanto é que a SAD paga ao Clube de renda pelos espaços (escritórios) que a própria SAD e as suas participadas (PortoEstadio, PortoMultimedia, PortoSeguro, PortoComercial) ocupam no Estádio do Dragão?

É que eu estou cheio de pena da SAD, porque imagino que deve pagar ao Clube milhões de euros por ano em rendas, que depois o Clube desbarata em contratações milionárias de jogadores de Andebol e Hóquei em Patins, já para não falar nas comissões que o Clube deve pagar aos agentes desses jogadores...

JOSE LIMA disse...

Caro José Correia
Penso que teve conhecimento dum Seminário organizado pela Liga há cerca de 1 ano, onde são explicadas http://www.apestadios.pt/pdf/FGomes.pdf (a partir do slide nº 10) as articulações entre o Clube, a Sad e as suas societárias, a Euroantas, e a Banca.
Tudo fez parte do chamado Project Finance entre estas entidades aquando da construção do Estádio do Dragão, e é da “repartição” das várias actividades que surgem as dívidas entre o Porto/Clube e a Sad.
Compreendo onde quer chegar mas, salvo melhor opinião, o assunto, por demasiado complexo, deve ser discutido no local próprio, ou seja nas Assembleias-Gerais, quer do Clube, quer da SAD.
Abraço

Alexandre Burmester disse...

O nosso caro amigo JOSE LIMA far-nos-á o favor de não nos dizer, volta e meia, o que é que devemos e o que é não devemos discutir aqui, ok?

Um abraço

José Correia disse...

JOSE LIMA disse...
Seminário organizado pela Liga há cerca de 1 ano, onde são explicadas http://www.apestadios.pt/pdf/FGomes.pdf (a partir do slide nº 10) as articulações entre o Clube, a Sad e as suas societárias, a Euroantas, e a Banca.

Caro José Lima, muito obrigado por ter chamado à atenção para este seminário e para a apresentação que o Dr. Fernando Gomes fez acerca do Project Finance do Estádio do Dragão.
Nesta relação desigual entre o Clube e a SAD é um dos assuntos de que irei falar.

José Correia disse...

JOSE LIMA disse...
o assunto, por demasiado complexo, deve ser discutido no local próprio, ou seja nas Assembleias-Gerais, quer do Clube, quer da SAD

Infelizmente, este assunto - o Project Finance do Estádio do Dragão - foi muito insuficientemente explicado aos sócios do FC Porto, incluindo nas AG's dedicadas ao assunto.

O assunto é complexo? Talvez, quando falar dele procurarei fazê-lo de forma simples, para que todos entendam.