quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

A influência da arbitragem

28 Setembro de 2011, Zenit x FC Porto
Em cima do intervalo, com o jogo empatado (1-1), Fucile ajeitou uma bola com o braço, viu o 2º cartão amarelo e foi expulso. Apesar do lance ter sido disputado no centro do relvado e muito longe de qualquer uma das balizas, o inglês Howard Webb (um "especialista" a mostrar cartões vermelhos a jogadores do FC Porto), não hesitou em expulsá-lo.



6 Dezembro de 2011, FC Porto x Zenit
Em cima do intervalo, com o jogo empatado (0-0), Defour foi atingido violentamente por uma patada de Viktor Fayzulin. O jogador do Zenit já tinha um cartão amarelo, mas o árbitro espanhol Carlos Velasco Carballo não quis mostrar-lhe o 2º cartão amarelo, evitando que a equipa russa ficasse reduzida a 10 elementos durante toda a 2ª parte (tal como aconteceu aos dragões em S. Petersburgo).

Steven Defour teve de ser substituído ao intervalo, devido a ter sofrido uma contusão muscular na face anterior da coxa esquerda e, segundo os prognósticos, só estará em condições de voltar à competição em Janeiro.



O afastamento do FC Porto do seu habitat natural - a Liga dos Campeões - deve-se, essencialmente, a erros próprios. Contudo, alguém tem dúvidas que os diferentes critérios de Howard Webb e Carlos Velasco Carballo, foram decisivos para o desfecho final destes dois jogos?

9 comentários:

Esimest Korda disse...

Fernando no Inter, Ricky Álvarez no FC Porto?

miguel disse...

Alguém tem duvidas que a única razão chama-se incompetência!!!!!

Luís Negroni disse...

Arbitragens bem piores na época passada - Supertaça, Besiktas na Turquia, Sevilha no Dragão, scp em alvalade, slb na luz apagada(x2), etc. - e ultrapassámos sempre tudo, nada nos deitou abaixo.

As arbitragens estão para lá do controlo do Porto (embora se imponha criticá-las fortemente quando ultrapassam certos limites). A única coisa que é possível fazer, com a liderança certa, com a atitude certa, é ser mais forte que elas. Uma coisa que começou a ser feita no Porto, já lá vão mais de 30 anos, por Pedroto.

PS Com Vítor Pereira, o 2º período, do 2º parágrafo, deste comentário, obviamente, não se aplica.

reine margot disse...

Ainda bem que o Luis Negroni trouxe o jogo do sevilha no dragão à baila: -não devemos ter visto o mesmo jogo! nesse jogo perdemos e falhámos vezes sem conta até de baliza aberta; valeu o resultado do jogo lá, nada houve a apontar ao árbitro.
só que no ano passado, a nível da defesa, tivemos sorte como há muito anos não se via... lembro-me de ter comentado para o lado: "se fosse no ano anterior, cada atraso do rolando teria dado golo na própria baliza"...porque nesse jogo estivemos a um passo de deixar a liga! Com o que desperdiçamos (hulk foi mestre no desperdicio ) foi a estrelinha do mestre andré que nos acudiu!
Treta, essa de termos que jogar melhor que as arbitragens! As arbitragens é que têm de ser boas!
E, esta do jogo co o Zenit não foi...

José Correia disse...

reine margot disse...
Ainda bem que o Luis Negroni trouxe o jogo do sevilha no dragão à baila: -não devemos ter visto o mesmo jogo! nesse jogo perdemos e falhámos vezes sem conta até de baliza aberta; valeu o resultado do jogo lá, nada houve a apontar ao árbitro.

No FC Porto x Sevilha nada houve a apontar ao árbitro?!!!
Caro(a) reine margot, não sei que jogo terá visto, mas de certeza que não estamos a falar do mesmo FC Porto x Sevilha, apitado por Howard Webb.

«Logo aos 3' ficaram muitas dúvidas no lance entre Hulk e Navarro, com o brasileiro a queixar-se de uma grande penalidade que parece mesmo ter existido. Aos 37', Alexis fez uma gravata a Hulk, mas o inglês perdoou-lhe o segundo amarelo. Só lho mostraria aos 77', depois de mais uma falta sobre o Incrível, que também se queixou de falta no lance dividido com Fazio aos 70'. Antes disso ignorou uma agressão de Perotti a Fucile. Em contrapartida, o inglês não teve quaisquer contemplações em relação a Álvaro Pereira, que viu o vermelho directo por falta sobre Medel.»
in ojogo.pt, 24/02/2011

José Correia disse...

É praticamente unânime a análise à arbitragem de Howard Webb, da qual eu destacaria os seguintes lances:

Minuto 21 – Alexis perde a cabeça a atinge violentamente Moutinho. Em vez de vermelho, Howard Webb condescendeu e mostrou apenas o cartão amarelo ao defesa do Sevilha.

Minuto 37 – Alexis agarra Hulk pela camisola, de forma ostensiva, à entrada da área. O árbitro viu, marcou a falta, mas ao contrário do que se impunha, não mostrou o segundo cartão amarelo ao defesa do Sevilha.

Minuto 65 – Agressão nítida a Fucile! Perotti dá um murro na barriga do lateral-direito do FC Porto. Uma agressão que, convenientemente, passou despercebida aos cinco árbitros.

Minuto 71 – Na primeira jogada mais dura protagonizada por um jogador do FC Porto, rua! O cartão vermelho directo a Álvaro Pereira até se poderia aceitar, se o critério anterior do árbitro tivesse sido rigoroso, mas perante o que tinha sido o seu juízo em entradas duríssimas às pernas de Moutinho e Belluschi, é uma decisão incompreensível, para não dizer inaceitável.

Minuto 76 – Após mais uma vez ter sido ultrapassado por Hulk, Alexis obrigou Howard Webb a mostrar-lhe o 2º cartão amarelo (com 40 minutos de atraso), ao agarrar novamente o Incrível pela camisola. De facto, por mais boa vontade que tivesse (e tinha!), era impossível ao árbitro inglês continuar a fazer vista grossa.


Howard Webb é um árbitro profissional, considerado pela UEFA e FIFA um dos melhores da actualidade, tendo sido nomeado para as finais da última Liga dos Campeões e do Campeonato do Mundo. Assim sendo, como é que se explica que um árbitro deste calibre tenha protagonizado uma arbitragem miserável como a da última quarta-feira?

Bem, Angel María Villar Llona, presidente da Real Federación Española de Fútbol, é também terceiro vice-presidente da UEFA, bem como, presidente dos Comités de Arbitragem da UEFA e da FIFA.

Percebo que para um árbitro com aspirações, seja sempre bom agradar a Angel Villar...
E, já agora, a monsieur Platini...

in 'Reflexão Portista' (26/02/2011)
http://reflexaoportista.blogspot.com/2011/02/agradar-quem-manda.html

Luís Negroni disse...

Reine margot,

a arbitragem do Porto x Zenit não foi boa, concordo completamente. Não consigo perceber, é como é que, na arbitragem do Porto x Sevilha "nada houve a apontar ao árbitro". Quem viu os 2 jogos, sabe perfeitamente, que a arbitragem do Porto x Sevilha foi muito pior que a do Porto x Zenit. A não ser que uma tenha sido má, porque a vítima foi o "pobrezinho" do Vítor Pereira, e a outra já tenha sido boa, porque a vítima foi o "traidor" do Villas Boas.

Também não consigo perceber, como é que se pode tentar fazer passar a mensagem, de que tudo o que foi ganho na época passada, se deveu a sorte, muita sorte, paletes de sorte, e de que o muito que já foi perdido esta época, se deveu a azar, muito azar, montanhas de azar. Ultrapassa a minha capacidade de compreensão, por mais que me esforce.

reine margot disse...

Negroni, amigo, não disse nada disso que escreveu aí que eu disse... se toma o todo pela parte, e se eu falo em sorte (que houve) e o Luis acha que eu justifico a época com sorte, então, está ok...não tenho argumentos mais!

já agora, eu não sou o adversário. nem o vp. mas as arbitragens às vezes são...

Luís Negroni disse...

Reine margot, disse disse. "só que no ano passado, a nível da defesa, tivemos sorte como há muito anos não se via", foi exactamente o que você disse.

E o VP está a ser ainda pior "adversário" que as arbitragens.