quinta-feira, 12 de abril de 2012

Manha nada querido para Jesus

«Como nos negócios, o sucesso em alta competição mede-se por resultados (...)
Dentro de poucos dias, a temporada benfiquista completa-se com a final da Taça da Liga, repetindo a desconsolada despedida de Coimbra, a tornar-se um clássico para quem tanto promete (...)
Pode parecer extemporâneo, mas a menos de dois meses do final da época, os responsáveis do clube têm de ser rápidos e precisos a definir a opção de futuro. Precisam considerar se Jorge Jesus tem capacidade e margem de confiança para uma quarta temporada (...)
Depois do que se assistiu nas últimas semanas, o ciclo terá chegado ao fim. Jesus deixou cair a equipa e não mostra capacidade para a reerguer (...). A máquina implacável e profícua da estação outono-inverno tornou-se na mais previsível e improdutiva, repetindo jogos sobre jogos sem capacidade de fazer golos: nas últimas cinco saídas da Liga ficou quatro vezes em branco (Guimarães, Coimbra, Olhão, Alvalade). As sucessivas derrotas são indisfarçáveis e o assomo dos últimos minutos em Londres, numa partida em que podia ter sido goleado, apenas ajudou a ganhar algum tempo, embora já sem a ilusão das “notas artísticas”.
Em fundo deste desmoronamento brutal vai subindo o tom da queixa das arbitragens e a denúncia de conspirações tenebrosas, completamente fora de tom quando se trata do principal apoiante do atual poder federativo e de um clube recentemente galardoado pela UEFA com a benesse máxima de emprestar o palco ao jogo europeu do ano. Não se pode estar simultaneamente dentro e fora do sistema, não se pode ter um orçamento de 50 milhões e só perceber que o futebol é um negócio quando chega a fatura.»
João Querido Manha, Record, 11/04/2012


No futebol passa-se de bestial a besta (e vice-versa) num instantinho e, por isso, não me surpreende que o Querido Manha, jornalista benfiquista (e anti-portista!), escreva uma crónica neste tom e tendo o atual treinador do slb como alvo a abater.

Pois eu, acerca do treinador Jorge Jesus, continuo a pensar o mesmo: é (sempre foi) muito mais garganta que resultados.
E assusta-me ouvir alguns adeptos portistas dizer que, no caso de o "mestre da tática" ser despedido do slb, poderia ser uma opção a considerar, para substituir Vítor Pereira no comando técnico da equipa do FC Porto. Suspeito que a única coisa em que íamos melhorar era na animação das conferências de imprensa…

4 comentários:

JON disse...

Tenho um medo que me pelo de pensar que ele possa treinar o nosso clube! Até me dá a volta ao estômago!

Em menor grau, o Paulo Bento é outro que me assusta que venha a treinar o Porto. Não gosto do senhor, nem do seu estilo, nem do seu futebol.

Fernando Tavares disse...

Caro Correia
Se essa situaçºao ou seja o JJ vir treinar o FCPorto seria o motivo para rasgar definitivamente o cartão e desligar-me do futebol!
Não acredito que Pinto da Costa tivesse um vislumbre tão abstruso como esse de o " padrada" vir treinar o nosso clube Boua - Bai - Ela!
cpt.
ft

Moura Bessa disse...

200% de acordo com o teor do post e do comentário do JON. Deus e o Papa nos livrem...

AZUL DRAGÃO disse...

..."E assusta-me ouvir alguns adeptos portistas dizer que, no caso de o "mestre da tática" ser despedido do slb, poderia ser uma opção a considerar, para substituir Vítor Pereira no comando técnico da equipa do FC Porto."...


Só de imaginar ...
ainda me dá um avc !