quinta-feira, 31 de maio de 2012

Adeptos de sofa'

Costuma dizer-se (e foi bandeira de campanha para a atribuicao do Euro 2004) que os portugueses "adoram futebol".

Ca' eu tenho as minhas duvidas de que gostem assim tanto como isso. Eu diria mais que os portugueses gostam sim dos 3 grandes - e ainda mais concretamente como "voyeurs" (seja no sofa', lendo jornais, ou na Internet).

Vem isto a proposito das assistencias nos diferentes estadios por essa Europa fora. A media da Liga portuguesa, como se ve^ no grafico seguinte, e' a 13a na Europa (ficando atras da belga e da Suica ou ate' mesmo das 2as ligas alemas e inglesa).

Ora isso nao sera' certamente por termos estadios pequeninos, bem pelo contrario (a capacidade media dos estadios portugueses e' bem mais alta que na Suica ou Belgica, por exemplo). Quanto 'a populacao do pais, a correlacao e' tenue mas se ate' admito que isso explique um pouco que haja menos gente do que nos grandes paises, ja' nao serve de explicacao em relacao 'a Belgica, Suica ou Escocia (as duas ultimas com uma populacao claramente inferior 'a portuguesa).

A nivel de clubes, o FCP fica-se pela 40a posicao na Europa, isto quando temos mais de 1 milhao de adeptos a menos de 30min do estadio, o que e' muito mais do que pode dizer a esmagadora maioria dos clubes que ficaram 'a nossa frente (so' para dar alguns exemplos, e de salientar que sao clubes com muito pouco sucesso: Newcastle, Sunderland, B. Moenchengladbach ou Kaiserslautern).

De salientar que muitos destes clubes tem uma taxa de ocupacao media superior a 99% (!), comparado com 67% no nosso caso... esses clubes mais gente meteriam no estadio se este tivesse maior capacidade . E ja' nao falo de clubes como o U Leiria, o Beira Mar ou a Academica, com optimos estadios (sim, a UDL mudou, mas ja' no estadio M. Pessoa tinham em media 2mil de assistencia), sem concorrencia local, e com uns 150mil habitantes num raio de pouco mais de 10km.

Nao fugindo 'a polemica, o que eu acho e' que os portugueses gostam em particular muito de uma coisa (que nao o futebol): arranjar desculpas. Quando confrontados com estes numeros, ouve-se todo o tipo de desculpas: por exemplo, antes era a lenga-lenga das condicoes do estadio e dos acessos, mas e' irrefutavel que nesse aspecto estamos hoje no top europeu. Fala-se tambem amiude da fraca qualidade do espectaculo, mas como explicar isso quando estamos no 6o lugar do ranking de clubes da UEFA e quando se ve^ que ha' mais gente nos estadios na Suica, Belgica ou Escocia? Fala-se tambem dos "altos" precos, mas mesmo ajustando para o poder de compra os bilhetes (e em particular os lugares anuais) em Portugal sao pouco diferentes do que ve^ em muitos paises europeus que ficaram 'a nossa frente. Ate' ja' vi muita gente a queixar-se da chuva ou do frio no Dragao (deviam vir comigo a um estadio belga descoberto com  neve a cair...)!

A principal desculpa hoje em dia e' de facto o fraco poder de compra. Ora como ja' disse os lugares anuais nao so' custam mais ou menos a mesma coisa que em outros paises (ja' aplicando um factor para o nivel de vida), como sao em valor absoluto acessiveis para uns 80% da populacao que reside na Grande Lisboa ou Grande Porto, ou em Braga/Aveiro/Guimaraes/Leiria.

Para mim a prova dos nove se se gosta realmente de uma coisa ou nao reside nas decisoes que se tomam aquando de escolhas entre alternativas. Ora o que eu constato e' que no momento da verdade um estudante (ou tantos outros) nao quer cortar em 2 saidas por mes 'a noite, ou numa jantarada, ou em idas ao cinema, de forma a pagar um lugar anual.

Estao no seu pleno direito, claro. Nao me venham e' depois dizer que "adoram o futebol", ou ate' mesmo o seu clube. Conheco muitissimos mais exemplos fora de Portugal do que dentro de gente que faz pequenos (ou ate' mesmo grandes) sacrificios para ir apoiar o seu clube ao estadio, independentemente do tempo, da hora do jogo ou da acessibilidade ao estadio - e nao estou a falar sequer de "Ultras", mas sim de adeptos comuns.

Para terminar: apesar do que escrevi, acho que ha' sim senhor mais medidas que podiam ser tomadas pelos clubes (e Liga) de forma a levar mais gente aos estadios (como os horarios, flexibilidade nos lugares anuais, etc). Mas isso e' um pormenor na situacao geral comparativa.

22 comentários:

InVicturioso disse...

Acho o Post extremamente pertinente. Embora não me pareça que razão para a desertação dos estádios seja a falta de paixão dos portugueses pelo futebol.

Eu vivo na Alemanha e sei explicar-lhe exactamente porque é que a média assistências neste país é tão alta. E as razões são várias:

- é um país demográficamente extremamente bem distribuído: a maior cidade alemã, Berlim, tem pouco mais de 3 milhões de habitantes;

- os horários: quem é que não gostaria de ir à bola num Domingo às 15 horas por exemplo? Com possiblidade de levar mulher e filhos? Eu neste momento pensaria 2 vezes antes de levar a minha mulher a ver um Porto x Benfica no Dragão...

- poder de compra é sem dúvida um factor preponderante nesta altura;

- mas o PRINCIPAL factor é o seguinte: aqui na Alemanha, os habitantes de uma qualquer cidade, apoiam o clube local, seja ele qual for. Não existe esta coisa que existe em Portugal de nascer no Porto e ser do Benfica, nascer em Lisboa e ser do Porto. Aqui quem vive em Berlin é do Hertha, quem vive em Bremen é do Weder Bremen e quem vive em Kaiserslautern é do Kaiserslautern. A título de exemplo: o Karlsruhe SC estava há 3 épocas na Bundesliga, o estádio estava sempre cheio. Desceu para a segunda divisão, o estádio continuou sempre cheio. Este ano voltou a descer e o estádio continuará certamente sempre cheio.

Franco Baresi disse...

(vai parecer uma desculpa)
No meu caso, tenho lugar anual mas desperdiço-o por causa dos horários que são sempre de modo a inviabilizar uma instituição em portuguesa: jantar com a família ao fim-de-semana. Já não me lembro de ver um jogo no Dragão a começar e acabar de dia (penso que foi na 2ª época do Mourinho).

Luchugo disse...

So true... infelizmente.

Nightwish disse...

Malhar nos outros para mostrar superioridade, um novo nível no RP.
Gostava muito de ver essas comparações com o poder de compra, gostava...

José Rodrigues disse...

Invicturioso,

de facto uma enorme diferenca e' o amor ao clube da terra. A falta de bairrismo (no bom sentido) em Portugal e' para mim gritante e quase incompreensivel.

Mesmo q ate' compreenda q um adepto de Aveiro ou Coimbra tenha preferencia por um dos grandes, isso nao invalida q possa ir na mesma apoiar o clube da terra ao estadio. Como diria o Marco Paulo, e’ bem possivel “ter dois amores” neste caso.

Mesmo assim quem professar grande amor ao futebol tem a oportunidade de ir ver um jogo do Beira Mar, etc mesmo q nao apoiem o clube local, mas o facto e' q nao vao.

De qq forma esta e' uma razao para achar ridiculo o argumento (a proposito do alargamento) de q com mais equipas "espalhamos o futebol pelo pais": tendo em conta q os clubes extra q vamos ter costumam meter em media umas 2 mil pessoas no estadio, a % de portugueses q seria beneficiada e' ridiculamente baixa.

José Rodrigues disse...

Nightwish disse: "Malhar nos outros para mostrar superioridade, um novo nível no RP."

LOL, ja' sabia q o artigo ia ser polemico e nao me ia fazer nada popular, mas posso bem com isso.

Pareceu-me um topico relevante, e limito-me a dar a minha opiniao sobre o assunto. Para "mostrar superioridade" nao e' de certeza, ate' porque nao costumo ir ver os jogos do FCP, o q e' um facto (ainda q viver a 2000km explique um bocadinho...).

"Gostava muito de ver essas comparações com o poder de compra, gostava..."

Caro Nightwish, so' para dar um exemplo de um clube sem concorrencia, com optimo estadio, numa zona com mais de 100mil habitantes e q nao costuma meter mais do q 3mil pessoas na bancada (media ja' muito inflacionada pela visita dos grandes): Beira Mar.

O custo de quotas + lugar anual para a superior e' de 100 euros (75 para estudantes > 18 anos; 50 se menor).

Isso da' uma media de uns 5 euros por jogo, ou menos. C-I-N-C-O euros.

Ha' certamente muita gente q vive muito 'a rasca financeiramente, mas a esmagadora maioria da populacao em Aveiro e arredores pode certamente gastar 5 euros de 2 em 2 semanas... estamos a falar do preco de um menu McDonalds de 2 em 2 semanas. Q.E.D.

joão...pode ser....ferreira disse...

Ir tendo dinheiro para a gestão corrente no dia-a-dia é completamente diferente do que tê-lo para um acto isolado. A juntar a isso são os custos paralelos. Quem vive a 10 min do estádio tem custos completamente diferentes de quem demora a 50 minutos dos estádios. Outra questão é: horários incoveninetes? sim...aposto que se no Dagrão se jogasse às 15h00 ou às 16H00 de sabádo e domingo para além de trazer mais adeptos ao estádio, poderia trazer mais novos adeptos (adeptos com filhos que não os levam ao estádio porque o jogo FCP contra os do desportivo de mira é ás 21.30 de um dia qualquer de dezembro ou janeiro com 2 graus de temperatura. Nem vão os pais porque têm que estar com os filhos, nem os filhos por causa do frio, e etc. Se fosse às horas que referenciei até o Dolce vita ao lado do dragão ou nos outros estádios em Portugal com situações semelhantes os adeptos de estádio iriam ao estádio e a restante familia tinha esta alternativas de passear por ali. As transmissões dos jogos são o verdadeiro problema desta questão por sobreposição....liguem a sportTv ao Sabádo e Domingo...esta empresa transmite jogos de outras ligas que jogam à tarde...e cmo é obvio condiciona a transmissão dos jogos da liga portuguesa para os horários a que conhecemos. E claro que têm de aceitar o que lhes é "sugerido" em termos de horários porque há contas para pagar.
Hotelaria, comércio, e muito mais lucraria com jogos à tarde...

José Rodrigues disse...

"Ir tendo dinheiro para a gestão corrente no dia-a-dia é completamente diferente do que tê-lo para um acto isolado."

Querem dizer-me q poucos portugueses tem disponibilidade para avancar uns 100 euros de uma vez para a epoca toda??

Alias, mesmo comprando bilhetes individuais jogo-a-jogo pouco mais se paga.

José Rodrigues disse...

"Quem vive a 10 min do estádio tem custos completamente diferentes de quem demora a 50 minutos dos estádios."

Certo, mas porque carga de agua se traz 'a baila quem vive a 50min do estadio?

A 15min de carro seja do estadio de Aveiro, do de Coimbra ou do de Leiria vivem mais de 100mil pessoas.

A 15mins de carro do Dragao (ou 30mins de metro) vive mais de 1 milhao de pessoas.

Mesmo quem viva a 30km do Dragao, se partilhar o carro com mais 3 pessoas fica-lhe 2 euros ida-e-volta a cada um em gasolina.

Nao, meu caro: os estadios nao estao vazios (ou meio vazios) por causa de quem vive a 50min de carro deles, mas sim porque quem vive muito perto nao poe la' os pes.

José Rodrigues disse...

"Outra questão é: horários incoveninetes?"

Concordo que os horarios podiam ser mais interessantes e isso levava mais gente aos estadios.

Mas isso so' explica muuuito ligeiramente: nao me acredito minimamente q o Dragao enchesse sistematicamente se os jogos fossem 'a tarde.

Alem disso em outros paises q enchem estadios tb ha' muitos jogos 'a noite, sendo alias paises onde ha' mais criancas que em Portugal (e q se deitam mais cedo)... e nos jogos 'a tarde, nos paises onde isso acontece, tb nao costumo ver as bancas cheias de criancas.

O facto e' que ha' sem qualquer duvida mais de 1 milhao de portistas q vivem perto do Dragao, mas so' uns 3% deles e' q vao ver os jogos, em media.

Certamente nao me vao convencer q e' por causa do horario q os restantes 97% nao aparecem...

Eu nestas coisas sinceramente fico "desarmado" quando falo com adeptos de um Newcastle, Anderlecht, B. Dortmund, PSV, ou ate' mesmo um Genk - clubes q enchem sistematicamente o estadio e tem menos adeptos num raio de 30km do estadio. Fica aqui um exemplo do q um deles respondeu 'a questao do "jantar com os filhos":

"So you miss dinner with your children once every 2 weeks. So what??"

Lamento, mas em termos de verdadeiro amor ao clube, os adeptos do FCP nao entram (em media) sequer no top100 europeu. E' a minha opiniao.

Mas esse mal nao e' so' do FCP, e' generalizado em Portugal (a maior excepcao sera' mesmo os adeptos do Guimaraes, um clube q mete sistematicamente no estadio 10% a 20% do nr total de adeptos, mesmo quando anda na mo' de baixo).

Nelson Carvalho disse...

Penso que a resposta a este tema é parcialmente indicada no início deste artigo. Sim, os portugueses gostam de futebol. Mas apreciam-no sobre uma perspetiva muito fundamentalista, de acordo com os seus padrões clubísticos, que em Portugal apenas se resume em 3 frentes.

Essa influência exacerbada dita os comportamentos dos adeptos; Se a equipa está bem, eles vão ao estádio; Se a equipa está na mó de baixo, ficam em casa. Há uma correlação clara entre o rendimento das equipas e assistências nos seus recintos, gerando um fator de volatilidade nas suas médias.

Esta postura é uma questão cultural, que vai muito além do futebol. A sociedade portuguesa, no seu geral, mesmo que se identifique com alguma coisa (neste caso um clube de futebol), raramente é capaz de demonstrar uma ligação incondicional, independente dos seus resultados. Os humores dos portugueses no futebol são proporcionalmente influenciados perante as prestações das suas equipas, mesmo que nunca deixem gostar delas.

Essa é maior diferença do português perante um inglês ou alemão. Os estrangeiros obviamente idolatram os seus clubes, mas amam do mesmo modo o jogo em si. Nós, simplesmente amamos os nossos clubes e a paixão e entusiamos pelo jogo vai variando consoante as alegrias que a nossa equipa nos gera.

Não é por acaso que apesar de termos muitos programas televisivos ou radiofónicos (além da imprensa) dedicados ao futebol, poucos falem do jogo em si, centrando-se nas tricas e guerras de alecrim e manjerona. O fundamentalismo clubístico sobrepõe-se ao futebol e, a meu ver, gera comportamentos contraproducentes ao mercado desportivo nacional.

mlmsilva disse...

Concordo com o ponto de vista que existe mais um amor ao clube que um amor ao jogo. Basta ver na altura dos festejos com as ruas cheias boa parte daquelas pessoas nunca foi ao estádio assistir a um jogo e muita das vezes nem os vê na televisão, mas quando chega altura de festejar estão prontos.

A selecção no EURO ou Mundial ainda é um caso mais extremo acho fascinante quando vejo pessoas a ir ver os jogo nos ecrãs gigantes junto com a multidão e a vibrar e o resto do ano nunca viram um único jogo nem sequer na televisão, claramente não tem qualquer interesse no jogo é só por ser uma festa e por ser Portugal.

Jorge disse...

Concordo e a desculpa do poder de compra nao serve, ja que o fenomeno se verifica ao longo dos anos, mesmo nos periodos em que os portugueses tiveram melhor poder de compra, e em todos os desportos, mesmo naqueles em que um bilhete e a deslocacao ao clube local nao sao caros.
Eu acho que os portugueses nao gostam de desporto ou do espectaculo desportivo, gostam e de apoiar quem ganhe.
No futebol apoiam os tres grandes porque sao aqueles que ganham mais jogos e trofeus. Os clubes que ganham mais tambem ganham mais adeptos, os clubes locais pequenos, mesmo tendo bons futebolistas ou jogando bom futebol nao teem adeptos porque os locais nao gostam de ir a bola e preferem ficar em casa a torcer por um clube que ganhe.
Em todo o mundo, as equipas que ganham atraem mais adeptos, mas ha uma larga percentagem de espectadores que vai a bola (ou a outros desportos) porque gosta do desporto em si e gosta de ir ver jogos ao vivo, puxar por uma equipa e gozar o jogo quer a equipa perca quer ganhe (tendo mais prazer caso a equipa ganhe obviamente).
Em Portugal, nos meus tempos, so havia adeptos da Maratona quando a Rosa Mota ou o Carlos Lopes ganhavam medalhas, as pessoa puxavam pelo Mamede quando ele batia recordes do mundo e diziam mal dele quando nao ganhava medalhas nas grandes competicoes. Nao havia amor pelo atletismo, mas sim pelo sucesso.
Se calhar muitos "adeptos" nem sequer prestam grande atencao aos jogos em casa, tentam ver os golos e as repeticoes, veem o resultado e o resumo para depois se poderem vangloriar no dia seguinte da vitoria do seu clube ou ir para a Avenida dos Aliados abanar a bandeira.
Nem todos os adeptos sao assim mas ha mais amor pelo clube que ganha do que pelo desporto e pelo espectaculo futebolistico. Ha mais amor ao sucesso do que gostar de ir a bola, puxar pela equipa e gozar o espectaculo.

Jorge disse...

O comentario do Nelson Carvalho esta na mouche.

José Rodrigues disse...

Jorge disse: "Nem todos os adeptos sao assim mas ha mais amor pelo clube que ganha do que pelo desporto e pelo espectaculo futebolistico."

Touche'. Ora nem mais.

Em todo o lado ha' todo o tipo de adeptos, mas em Portugal ha' muitos mais adeptos desse tipo.

Alias, isso ve-se mesmo entre quem vai ao estadio: como estou farto de apontar muitos adeptos comportam-se no estadio como "espectadores de um produto (vitoria e golos)" e nao como "adeptos", facilmente assobiando e so' aplaudindo ou puxando pela equipa quando estamos a ganhar (i.e. quando menos e' preciso).

Sem querer armar-me em psicologia, pergunto-me se esta mentalidade nao corresponde em certa medida a resquicios da ditadura (e monarquia anteriormente), nomeadamente uma certa tendencia portuguesa para subserviencia e fascinio com o poder (sendo "poder" neste caso "vitorias"), tendencia incentivada por quem manda em Portugal ao longo de decadas e ate' mesmo seculos.

Jorge disse...

O fascinio pelo ouro, pela ostentacao de riqueza e nao pela beleza intrinseca das coisas e das pessoas...

PB disse...

Falando por mim, sou de Lisboa e nunca tive oportunidade de ir ver o FC Porto ao Dragão.
Apesar de o querer fazer faz vários anos, os horários para a maior parte dos jogos não ajudam nada. É que um jogo que comece às 20h30, só vai acabar depois das 22h! Não é muito motivador pensar que a essa hora ainda tenho uma viagem de cerca de 3h pela frente. Ainda menos motivador é ter que ir de carro, porque a essa hora já não há APs para Lisboa.
Bem que gostava de ir, mas enquanto não houver um jogo que comece às 15h ou 16h é-me de todo impossível.

Luchugo disse...

Neste momento a percepção de quem usualmente não vai aos estádios é: Para quê ir lá se posso estar confortável no sofá a ver o mesmo (ou melhor) que os outros que lá vão para o frio? E correr o risco de ser agredido? E chegar a casa depois da meia noite quando tenho que ir para o trabalho às 6 da matina? E ainda por cima poder vir de lá aborrecido porque o meu clube joga para o "pontinho"?

Porque não sugerir ao clube que realize, vá lá, 1 jogo por mês a começar à 15-16h com bilhetes a preços acessíveis para crianças e jovens estudantes até aos 16 anos?

Porque não incluir o preço do metro/autocarro/comboio no preço do bilhete (bilhetes especiais)?

Porque não acrescentar valor à experiência de ir ao estádio incluindo no preço dos bilhetes uma sandes (prego/hot-dog/hamburger) e uma bebida?

Porque não fazer destes jogos uma festa ainda maior ocupando os momentos pré-jogo com variedades e concursos para os espectadores nas bancadas - exemplos: sorteiam-se 3 lugares para os adeptos tentarem marcar um penalti ao Redes de serviço; 1 lugar para ir ao túnel estar com os jogadores nos momentos antes do jogo; 1 lugar para ir assistir ao jogo num camarote VIP com uma ex-glória do clube, etc etc.

Se a pesca não abunda, os pescadores têm forçosamente que ser mais engenhosos a tentar fisgar peixe.

A única coisa para a qual ainda não consigo pensar numa solução é fazer ver a todos os intervenientes no espectáculo, desde público a jogadores, treinadores, dirigentes e árbitros, que perder, tal como empatar ou ganhar, fazem parte do jogo e que desde que as equipas joguem para ganhar o jogo - em vez de para não perderem - e os jogadores derem o seu melhor, então terão mais chances de ver os estádios cheios, porque, como em tudo na vida, se o producto fôr bom, os clientes aparecem.

David Duarte disse...

Lembro-me de ser miudo e de ir ver o Ginàsio de Alcobaça com o meu pai à tarde, de pagarmos quinhentos paus (jà hà muito que não usava esta expressão) e o estàdio estar quase cheio (por volta de 2.500 pessoas). E isto num jogo de... distrital! (hoje na terceira divisão o estàdio està vazio).

Se formos ao youtube ver jogos da primeira divisão dos anos 80, inicio de 90, sem os grandes, vemos que os estadios estão bem compostos (Barcelos, Guimarães, Braga, o Màrio Duarte de Aveiro, o São Luis de Faro, etc...).

Seria interessante analizar a segunda metade dos anos 90 para perceber as razões que levaram a que os estadios estivessem mais vazios. Parece-me que foi nesse periodo que algo aconteceu para que tenhamos agora esta situação (e antes o hegemonia dos grandes jà existia por isso penso que tal se deve a outro factor).

José Correia disse...

David Duarte disse...
Seria interessante analizar a segunda metade dos anos 90 para perceber as razões que levaram a que os estadios estivessem mais vazios. Parece-me que foi nesse periodo que algo aconteceu para que tenhamos agora esta situação (e antes o hegemonia dos grandes jà existia por isso penso que tal se deve a outro factor).

Quando é que começaram a ser transmitidos pela TV todos os jogos dos chamados 'três grandes'?

José Correia disse...

Apesar de clubes como o Leiria e Beira Mar, esta época o número de espectadores nos estádios aumentou relativamente à época passada.

David Duarte disse...

Pois José Correia. Foi a questão que me coloquei. Quando é que os jogos passaram a ser regularmente transmitidos. Quando era miudo e não ia ver o ginasio de alcobaça passava a tarde de domingo a digerir o meu almoço com os relatos dos jogos. Hoje as jornadas começam às sextas e acabam por vezes às terças. E com jogos sempre à noite não para que o pessoal va ao estadio mas oara ver no sofá com a sporttv. As causas dos estadios vazios são evidentes. (e já agora, Portugal está em 5o no raking UEFA e não em 6o José Rodrigues... E mesmo com hipoteses de ultrapassar a Italia em 2013-2014)