quarta-feira, 18 de julho de 2012

Um centralismo que espezinha e sufoca


«(...) A ausência dessa entidade política [instâncias regionais] deu nisto: o Estado não conhece a sua própria rede de serviços, nem sabe o que foi encerrando nos últimos anos. O que encerrou, em parcos sete anos, foi só isto: 3481 escolas, 700 extensões de saúde, 9 maternidades e 16 urgências. Os distritos interiores das regiões Norte e Centro foram os mais penalizados por este pernicioso efeito da macrocefalia que decide fechar serviços sem discutir a sua relevância com a mesma pressa com que aprova a construção de mamarrachos para satisfazer egos e evitar querelas autárquicas.

Sobre o tema já fizeram discussões muitas e já produziram documentos bastantes. Nenhum deles tem a capacidade de, em escassos dois minutos e 45 segundos, sintetizar o que está em causa. Segue-se um resumo, em tradução livre, de uma cena do inefável "Sim, senhor ministro" (série da BBC, 1980-84).

Bernard Wooley (BW), secretário particular do ministro, fala com Humphrey Aplleby (HA), secretário do ministro.

BW - Acho que está na altura de pensar nos governos locais...

HA - Acha mesmo? Uma vez criadas genuínas e democráticas comunidades locais, isso não parará!...

BW - Como assim?

HA - Claro que não parará! Uma vez estabelecidas, insistirão em ter mais poder. E os políticos não as conseguirão parar. Por isso, teríamos governos regionais.

BW - E isso é um problema?

HA - O que acontece se, havendo umas terras abandonadas, por exemplo em Nottingham, nos chega alguma proposta para a criação de um hospital ou de um aeroporto?

BW - Montamos um comité interdepartamental: departamento da saúde, da educação, dos transportes, das finanças... Pedimos papéis, marcamos reuniões, discutimos, revemos tudo uma e outra vez...

HA - Precisamente: meses de trabalho frutífero que nos levam a uma conclusão madura. Se tivermos governos regionais, eles decidem tudo em Nottingham, provavelmente num par de reuniões. Completamente amadores!...

BW - É a cidade deles...

HA - E o que nos acontece a nós?

BW - Teremos menos trabalho!

HA - Muito menos trabalho (...) e muito menos poder! Se as pessoas corretas não têm poder, sabe o que acontece? As pessoas erradas passam a tê-lo... Políticos, conselheiros, eleitores normais...

BW - E não é suposto ser assim?

HA - Esta é a democracia britânica! E a democracia britânica reconhece que é necessário um sistema para tratar das coisas importantes da vida e não as deixar nas mãos dos bárbaros. Coisas como a ópera, a lei, as universidades... Nós somos esse sistema!
(...)»
Paulo Ferreira
JN, 18/07/2012

----------

700 extensões de saúde, 9 maternidades e 16 urgências em apenas sete anos!
Para quem não sabe, só na cidade de Lisboa, sem contar com os concelhos limítrofes, há nove hospitais do Estado:
- Hospital de Santa Maria
- Hospital de S. José
- Hospital D. Estefânia
- Hospital Egas Moniz
- Hospital dos Capuchos
- Hospital de Santa Marta
- Hospital S. Francisco Xavier
- Hospital Curry Cabral
- Hospital Pulido Valente
E quando se fala, não em fechar, mas em deslocalizar os serviços e profissionais da Maternidade Alfredo da Costa para um destes hospitais, vejam a guerra que isso deu e o eco que teve na comunicação social, também ela, na sua esmagadora maioria, ao serviço do centralismo do qual se alimenta.

Foi neste triste país que, há 36 anos atrás, dois homens ergueram a sua voz contra a macrocefalia de Lisboa: José Maria Pedroto e Jorge Nuno Pinto da Costa.
Juntos revolucionaram a cultura e mentalidade que tolhia o FC Porto, o qual, a partir daí, se assumiu num baluarte na luta contra os "direitos adquiridos" dos clubes da capital.
Aquele que era um simpático clube regional passou a ser o alvo da comunicação social lisboeta e, por via disso, rapidamente se transformou no clube mais difamado e odiado de Portugal.
Mas, largos dias têm 100 anos e, por mais batalhas que se percam, a guerra por um país mais equitativo, mais social e geograficamente equilibrado e mais justo acabará por ser vencida.
É também por isso que eu sou do Futebol Clube do Porto.

25 comentários:

Azul ao Sul disse...

O mesmo vale para mim, apesar de ser algarvio!

Alex F.
Azul ao Sul

Do meu canto disse...

Não são 8, mas sim 9 hospitais, falta na lista o Hospital Pulido Valente

JOSE LIMA disse...

Bom tema caro amigo
Olhe! Hoje apeteceu-me desfazer o MST por causa do último artigo na BOLHA. Estou farto dele. Se quiser dê uma saltada até ao http://misticaazulebranca.blogspot.pt/
Não percebo o que querem mais do nosso presidente...
Abraço

Anónimo disse...

Muito bom, parabéns.

Anónimo disse...

não se esqueçam do IPO - Lisboa, tambén é Hospital e é do Estado.
Isto para não falar do Concelho de Cascais que tem 3 Hospitais do Estado.
O novo Hospital de Cascais e os dois Hospitais da Misericórdia de Lisboa (Que é do Estado): Hospital de Santa Ana e o Hospital do Alcoitão.

Carrela disse...

Excelente artigo (+1) e um sentimento muito partilhado!

KOSTA DE ALHABAITE disse...

Muito bem! Esta é também a minha luta contra o colonialismo lisboeta!

Anónimo disse...

De facto, há muita ignorancia no norte... continuam a acreditar numa "guerra" que nao existe nem nunca existiu! Mas... em 36 anos muito pouco mudou, pois muita gente ainda sabe qual a cultura dessa gente (PC)... para serem um baluarte precisam do apoio das massas e nao de "títulos" comprados... por isso o BENFICA continua e continuará a ser o MAIOR e MELHOR de Portugal... é uma dor que custa ao PC e a todos os seguidores mas, tenham paciencia! Ah... eu sou do norte e sou do BENFICA... aliás como a maioria das pessoas que aí vivem! Continuem a viver numa ilusao, que o PC é que é o "salvador"... em 36 anos o poder continuou em Lisboa e o dinheiro também... o PC nao fez nada, só conversa para estúpidos e para ele próprio encher os bolsos! Houve a possibilidade de uma regionalizacao (que eu aprovo) e o que aconteceu? O que fez o PC por isso? Nada.... continua tudo na mesma... e o PC sorridente a ver os papalvos a serem comidos de cebolada! Continuem a acreditar e nao facam nada contra o Governo (e nao contra o Benfica...) que depois vao ver onde para o dinheiro... em Lisboa e no bolso do PC... claro!

Costa disse...

@Anónimo,
Concordo contigo !

De facto, há muita ignorancia no norte.
És o exemplo disso mesmo.

Os mercados atacam Portugal com juros altíssimos e o que é que o PC fez ?!
Nada!!

A Troika impõe o plano de austeridade e o que fez o PC ?!
Nada !!

O desemprego já vai a caminho dos 16% e o que fez o PC ?!
Nada !!

Chove no Porto em pleno mês de Julho e o que é que o PC fez ?!
Nada !!

Quando a Troika impuser a tributação em sede de IRS da estupidez humana, vais passar fome.

Mefistófeles disse...

"Ah... eu sou do norte e sou do BENFICA... aliás como a maioria das pessoas que aí vivem".

Amigo, trate-se que bem precisa.

Anónimo disse...

Sr Anónimo, esse discurso inteligente e coerente que inclui lá pelo meio a frase típica da carneirada é mesmo de alguém que no mínimo será um visionário. Esse clube simplesmente não é o melhor de Portugal porque não ganha nada. O melhor é sem duvida o FCP que no futuro será o maior também, e sabe porquê? Porque o clube de carnide não ganha titulos, não ganha nada, e pior ainda, passa a vida a ser humilhado pelo maior rival, o FCP.
Continue a ser comido você pelo mascador e pelo pneus, olhe, pode ser que vá para o Brasil para as manões de luxo que ele anda por lá a construir com dinheiro vindo sei lá de onde.

Anónimo disse...

O NOrte, o Centro, o Algarve etc,não podem esperar que filhos da terra com "espirito COLONIZADO" defendam e exigam um tratamento igual à "Região de Lisboa e Vale do Tejo" .

No fundo o que se pretende é que se "olhe" para todas as Regiões do País com um Minimo de Justiça e Equidade e isso só é possivel através da Regionalização ou no minimo de uma verdadeira (e não a fingir) Descentralização.

Anónimo disse...

O país está a fechar nas zonas longe do poder

As sucessivas políticas de encerramento de serviços públicos penalizam sobretudo os distritos interiores do Norte e do Centro. É o Estado a fechar-se ao Interior e a recuar nas funções sociais. in JN
---

Mais um exemplo da FEROCIDADE do CENTRALISMO do qual o futebol também não escapa.

Anónimo disse...

Como OUTROS nasceste aqui por "engano" ...

Filipe Sousa disse...

De facto, há muita ignorância mas não é só no norte; grassa pelo país de norte a sul - e o comentário anterior é mais um exemplo. Só mesmo um ignorante é que poderia dar o Benfica, como antí-tese do Porto e do Pinto da Costa. Num país onde pouco ou nada se consegue sem trapaça, quão idiota é preciso ser para se acreditar que só o impoluto Benfica é que é diferente, com o seu passado de presidentes condenados e presos? Conseguem desviar-se dos pingos de chuva? Santa paciência. O Pinto da Costa não é nenhum santo, e não aceito que um borra-botas qualquer, quem tem um condenado como presidente do seu clube, insinue que os adeptos do Porto o vêem como "salvador". Isso sim, é ignorância - ou pior, má-fé.

Anónimo disse...

Se na Grande Lisboa não é facil um jovem arranjar emprego "qualificado" no resto do país quase que se pode dizer que não tem hipotese nenhuma...

Anónimo disse...

Basta lembrar o lamentavel episodio do "RED BULL" (aviões) para se perceber a FEROCIDADE DO CENTRALISMO.

NO "Centralismo" há uma Região que fica com 90% dos recursos e distribui o restante por todas as outras (que lamentavelmente não têm VOZ) ?!

Anónimo disse...

Centralismo, o novo colonialismo?


“Os governos de Lisboa, tendo perdido os territórios ultramarinos, contentam-se agora com colonizar e espoliar o resto do continente. O centralismo é a principal razão da nossa pobreza e maior causa da crise económica que actualmente sofremos.”
Por PMOrais em Junho 2010

Anónimo disse...

Lembrar também os milhares de postos de TrABALHO PERDIDOS no Grande Porto (e não só) pela Centralização dos serviços na Grande Lisboa na Banca,Seguros,CTT, EDP etc ou o que passou com Ivestimento Publico nos ultimos 20 anos, ou que se passou com a utilização dos Fundos Europeus e os riscos que corre actualmente a Região Nortenha com as modificações de Gestão que pelos vistos o "centralismo" quer implementar no Aeroporto Sá Carneiro e no Porto Leixões etc,etc...

Anónimo disse...

Centralismo: Agora são os portos !


Rui Moreira: "Não podemos perder Leixões"

Os planos do Governo para centralizar a gestão dos portos nacionais esbarram de frente com a Associação Comercial do Porto. Em defesa da gestão de proximidade do porto, o presidente Rui Moreira desfia argumentos: Leixões é tão bem gerido que dá lucro suficiente para pagar ao Estado e financiar investimentos que levaram a um crescimento exponencial das cargas movimentadas, possível graças a uma ligação estreita entre os responsáveis pelo porto e toda a comunidade portuária.

Uma gestão a partir de Lisboa, acredita Rui Moreira, iria usar os lucros de Leixões para pagar o prejuízo de outras infra-estruturas, deitando por terra a estratégia que lhe permitiu tornar-se um dos principais factores de competitividade da região.
---

E qualquer dia o Aeroporto Sá Carneiro...

João Manuel Couto disse...

Todos os jornais ingleses noticiam que Hulk está a caminho do Tottenham depois daquele encontro com AVB e claro que o pasquim da queimada há começa a fazer referência ao assunto.

PS - De lamentar o que se está a passar na Madeira, esperemos que os portistas se safem da tragédia.

Abraço
J. Manuel Couto

JOSE LIMA disse...

Oxalá João, a "nossa" Lua Cintilante esteja bem...
Beijinho para ela
Abraço

Antonio Silva disse...

Essa mania que os benfiquistas têm de um dia proclamar que são a maioria em plena coutada portista (Cidade do Porto) para depois no dia seguinte dizerem que se sentem autênticos refugiados que mal podem sair de casa porque são logo confrontados pelas hostes bárbaras dos portistas.

Mente dum lampião: vazio absoluto.

José Correia disse...

São tantos, que até os lisboetas não os devem conhecer a todos...

José Correia disse...

O IPO-Lisboa, tal como o IPO-Porto, mais do que um hospital concelhio, ou metropolitano, é um hospital regional, que recebe doentes da região Centro/Sul de Portugal.
O problema da racionalização de custos na Saúde não está nos IPO's.