sábado, 18 de agosto de 2012

Com ou sem Hulk, parte 2

Introdução:

Achei muito útil e interessante o artigo do Luís. Permite que façamos o nosso juízo na base do que escreveu. Não vale a pena pensar muito, basta seguir o guião, embora vão encontrar muitos pontos em que não estou sintonizado com o autor. E isso é gratificante quando trocámos impressões sem complexos e com respeito.



"…. a nossa triste campanha europeia…."


O FCP não fez uma época em cheio em 2011/12, em qualquer das provas em que participou. Ganhou a supertaça e o campeonato, saiu prematuramente da CL, foi eliminado pela AAC da Taça e pelo Benfica da Taça da Liga. Fomos a equipa que marcou mais golos e sofreu menos na prova mais importante do calendário desportivo. Como diz o nosso treinador: não são coisas que se comprem no supermercado, nem o futebol é um simples exercício de geometria que se traça no papel e uma boa gestão de activos consuma em vitórias ilimitadas.

O FCP saiu da CL por demérito, mas não ficou em primeiro lugar do grupo por um golo. O Manchester City aconteceu algo semelhante: saiu prematuramente da CL e foi eliminado depois pelo SCP que perdeu a taça para a AAC. O PSG mudou de treinador, uma espécie de VP lá do sítio, a meio da época, quando estava em primeiro lugar no campeonato que veio perder a favor do Montpellier, com um orçamento muito mais curto. O conceituado Ancelotti falhou, o sheik continua a pagar e este ano é que vai ser, com mais um contentor de reforços.
No futebol há mil opiniões sobre a mesma questão. Percebo a desilusão, não entendo a flagelação porque um “torneio curto” correu mal. Deve servir para memória futura, mas desconfio que a dureza da retórica vá influenciar o rumo dos acontecimentos da presente época futebolística. Afinal, uma derrota pode levar muita gente a conclusões precipitadas e passar aos oitavos da CL nunca é tarefa para o FCP vencer de caras.



"…. a vitória pode levar muita boa gente a conclusões precipitadas…"


Não temo que a vitória de sábado passado possa levar a conclusões precipitadas. Uma significativa percentagem de portistas mantém uma saudável dúvida quanto ao valor da equipa, tendo até em conta as vicissitudes na definição do plantel.

Estou expectante. O que me incomoda no FCP é o facto de uma equipa como a nossa que privilegia a posse o faça com baixa intensidade e as linhas pouco próximas, isto a atentar nas rotinas que o Barcelona pratica como suporte para tornar o modelo uma arma letal, para além da diferença na qualidade dos jogadores de ambas as equipas, mas para isso não há solução à vista.

Não somos fortes na pressão alta, perdemos muitos passes, a circulação no primeiro terço é excessiva, ganhamos poucas segundas bolas, não somos fortes nas bolas paradas e metemos pouca gente na zona de fogo. No jogo de sábado, fizemos muito mais faltas que a AAC e, pior, é que muitas delas foram feitas bem dentro do nosso meio campo. Obviamente que estas limitações são relativas e notam-se mais porque o FCP tende sempre a assumir o jogo, procura dominar em ataque continuado, como uma equipa grande que é, e nem sempre apresenta argumentos que o afirmem, nomeadamente, espante-se, contra as equipas pequenas que jogam fechadinhas cá trás e no erro do adversário. Quase que poderia dizer que o FCP é vítima da sua grandeza, pois (já) não é capaz de ser mais prudente e oportunista na gestão do jogo.

São os jogadores que se devem moldar ao sistema ou este deve ser balizado conforme as características do plantel e como dele pode ser retirado mais proveito? É uma velha questão que ainda não teve resposta. Seja como for, quer com o futebol de equipa pequena de JF, quer com o futebol de equipa grande de VP, temos produzido um nível exibicional que ficou aquém dos resultados, a meu ver.


".... Alguém fica mais jogador pelo simples facto de se treinar na selecção?"


Se o seleccionador se abrir ao diálogo com os treinadores das equipas fornecedoras dos jogadores e souber ouvir, acho que o jogador só ganha com a sua prestação ao serviço da selecção. Mais difícil é conciliar o interesse do clube com o da selecção, mas saímos muito mais prejudicados quando os nossos jogadores vão ao serviço de selecções estrangeiras que, em princípio, estarão mais indisponíveis para ouvir, quanto mais não seja por uma questão de “soberania”.
Miguel Lopes está melhor e é muito provável que tenha ganho confiança e serenidade pela via do reconhecimento que lhe foi concedido por Paulo Bento. Quando Sapu foi castigado e Fucille se lesionou, JF chamou à titularidade o Miguel que não deslumbrou mas não desiludiu. Por isso, fiquei um pouco espantado por ter sido dispensado. Porque é português, porque tinha (e tem) potencial para crescer e porque, jogando nas duas alas defensivas, se mostra duplamente útil. Acho que é de ficar e não sei se não será mais fiável que o Danilo para ocupar o lugar de defesa direito.


"…. No eixo da defesa está, uma vez mais, o nó górdio da questão,…. é pelo meio-campo que as coisas podem começar a falhar…."


Não sabemos ainda qual a composição da nossa defesa, mas creio que a seu tempo o VP vai optar por Danilo e Alex Sandro para jogar nas faixas. Maicon tem o lugar assegurado, tal como Otamendi que é mais lento, menos forte no jogo aéreo e tem como ponto forte jogar bem na antecipação. Tem evoluído favoravelmente desde que VP consolidou esta dupla.
Com Fernando ao seu melhor nível a transição defensiva tem nele o seu principal apoio, já que os alas recuam pouco e não são especialmente agressivos. Moutinho é um jogador imprescindível, pois embora não apareça tanto quanto gostava na última fase de construção, pressiona, defende, constrói e é o pendulo da equipa. Estes dois jogadores são muito importantes para manter o equilíbrio da equipa.

Lucho apareceu mais adiantado numa espécie de triangulo invertido do nosso meio campo. Percebo a ideia : Lucho sabe pressionar, ler o jogo e ainda é dos melhores na fase de construção. Falta-lhe rotação, duração e potência no um contra um, e com James disputa muitas vezes o mesmo terreno o que propicia um certo afunilamento na zona central do nosso ataque. Com Moutinho, provavelmente, tenderá jogar um pouco mais atrás, num 4x3x3 mais convencional.
Os jogadores do meio campo são muito experientes e este trio garante uma fiabilidade que será muito difícil de substituir. Depois de mim virá quem de mim bom fará. Não saias Moutinho. Defour é capaz de cobrir várias funções e com o SCB fez o seu melhor jogo na posição 6. Não maravilha , mas é um jogador de selecção e acho que vai ser muito útil na presente temporada.



"…. E, lá na frente, quais dos "dois" Jacksons é o mais verdadeiro…."


Jackson há só um e mais nenhum, e é um excelente reforço. É bom de bola, joga bem de costas, sabe tabelar, procura a bola para jogar e é bastante bom no jogo aéreo. Não é muito rápido, mas está longe de ser lento. Não perdeu golos feitos na pré-temporada, o que não invalida o facto de me parecer não ter um remate fácil e potente. A rever. Acredito que vá fazer uma boa época. Excelente quando estiver entrosado com a equipa e com o futebol português.

Pena é que quando sai para procurar a bola atrás, ninguém saiba ocupar o espaço que deixa. A James e a Atsu ainda faltam alguma experiência e rotinas de jogo, os homens do meio campo têm uma certa incapacidade de jogar nas proximidades da área. A manta é curta: não temos jogadores excepcionais.


"…. E chegamos ao primeiro jogador-chave: James …. Atsu tem pinta e, evidentemente, lugar assegurado no plantel…."


James é um excelente jogador e ainda com uma elevada margem de progressão. Contava que, sem Hulk na equipa, tivesse uma maior influência que não veio a confirmar, para já. Na época passada, fez os seus melhores jogos quando começou no banco. Esta época, parece ter ganho o estatuto de indiscutível, embora continue a esconder-se em momentos cruciais do jogo. Tem apetência para ser o 10 da equipa, lugar que está em vias de extinção. Os Riquelmes deste mundo não fizeram história na Europa. Não é muito rápido, nem agressivo o que compensa com o alto nível de jogo que é capaz de produzir: habilidade, criatividade, boa visão de jogo, remate e boa colocação de bola, embora seja um pouco vesgo do pé direito.
Vai explodir nesta época. O FCP bem precisa.

Atsu tem pinta, fez excelentes jogos, noutros nem tanto. No FCP-AAC, teve dificuldades em fugir à marcação cerrada que sofreu. Atsu dificilmente poderá tirar partido da sua força no duelo individual, porque sofrerá uma marcação cerrada de dois contra um, com o central pronto para a dobra se ainda assim conseguir passar. É uma aprendizagem que tem de saber fazer. Para já merece o apoio dos sócios, tem boa imprensa e isso é meio caminho andado. O resto está na sua cabeça e nos seus pés. Presumo que faça uma boa época.

O Hulk vai sair. Precisamos de receitas extraordinárias, a sua folha salarial é elevada e quer sair. Van Persie foi contratado por 30m€ e essa bitola deve servir de referência ao FCP. Para o ano será pior. O êxito desportivo também gera receitas, se estivermos na CL e continuarmos para além dos oitavos. É uma equação complicada, com várias incógnitas que não sei resolver.
Péssima é esta incerteza que tolhe a formação do plantel. Rolando e Alvaro devem sair nem que seja no quadro de um esquema idêntico ao que foi seguido relativamente a Guarin. Para Sapu e Beluschi há que encontrar soluções que honrem as partes. Leu-se que Djalma e Sereno estarão de saída por empréstimo, o que me parece positivo. Fernando, Moutinho e Hulk são demasiado preciosos para serem alienados a preços de saldo e não podemos ficar sem jogadores tão importantes, ao mesmo tempo.
A silly season já não é o que era. Temos de saber viver com isso.

3 comentários:

reine margot disse...

gostei bastante da sua leitura sobre a equipe, e vou, como muitos portistas aliás, concordando com quase tudo...
dá-me sobretudo alguma pena que não haja na equipe técnica quem potencie jogadores (como o fez o Jesualdo). Não me refiro especialmente aos jogadores portugueses, tanto me faz a nacionalidade, no porto são da nossa nação, refiro-me especialmente aos hulks desta vida que chegam "bruto"s e saíam grandes jogadores.
Alguma coisa funcionou mal.
A escolha do basquet, foi de voltar até à formação... será por aí... pela equipe B, onde vão vingar os que querem ser jogadores e não vedetas...
Porque a silly season não só não é o que já foi, como já se viu desde o ano passado que a fórmula de negócio do porto já deu; -há que mudar o chip, pois nada é mais simples do que abater quem não gosta de certos empresários... (por alguma razão, penso, o mendes esteve no "casamento IV" do nosso presidente...)
a partir do momento em que se chegou à conclusão que era necessário vender para sobreviver, não só vieram os páraquedistas jogadores e empresários, como é fácil saber como tirar o oxigénio à equipe.
e, é sabido, sem oxigénio não há CL... case closed!


José Correia disse...

Não tenho a certeza que uma dupla Maicon-Otamendi seja melhor que uma dupla Maicon-Mangala, mas Mangala é jovem e um investimento de oito milhões de euros - Otamendi - não pode ser desvalorizado semana após semana no banco de suplentes.

Rolando já não entra para estas contas porque, evidentemente, estou a presumir que vai ser vendido até ao dia 31 de Agosto.

José Correia disse...

Van Persie foi contratado por 30m€ e essa bitola deve servir de referência ao FCP

Eu considero o Hulk melhor que o Van Persie e, além disso, o Van Persie tem 29 anos, enquanto que o Hulk tem 26 anos.

Será uma tristeza ver o Hulk sair.
Será uma desilusão se sair por menos do que saiu Falcao (40 milhões de euros).