terça-feira, 28 de agosto de 2012

Plano B para a equipa B

Após os primeiros quatro jogos, e independentemente de objectivos classificativos mais ou menos ambiciosos que tenham sido definidos pela Administração da SAD (e eu não sei quais foram), não se pode dizer que as coisas estejam a correr bem à equipa B portista. De facto, zero vitórias, três empates e uma derrota são números maus e pouco habituais para o FC Porto, principalmente nos últimos 30 anos, seja no futebol ou em qualquer outra das modalidades do clube.





Mas afinal, após o falhanço da primeira experiência há uns anos atrás, qual o objectivo da FC Porto SAD ao retomar o projecto de uma equipa B?

Olhando para o plantel da equipa B, verifica-se que o mesmo inclui nove estrangeiros – um sérvio (Stefanovic), um zambiano (M’bola), um nigeriano (Mikel), um francês (Vion) e cinco brasileiros (Diogo Mateus, Victor Luís, Anderson Santos, Sebá e Dellatorre) –, dos quais seis têm sido habituais titulares.

E em termos de idades, a esmagadora maioria do plantel é constituída por jogadores nascidos em 1992 e 1993. As três excepções são o guarda-redes Stefanovic (1987), o defesa-central Zé António (1977) e o médio Pedro Moreira (1989).


Daqui conclui-se que a aposta é em jogadores de 19 e 20 anos, independentemente de serem portugueses ou estrangeiros. Mas, por aquilo que se tem visto, estamos ainda longe de algum destes jogadores poder dar o salto para a equipa principal.

Ora, não havendo jogadores que tenham, para já, demonstrado qualidade para serem chamados à equipa A, o Plano B poderia passar por “transferências” no sentido inverso, isto é, ir dando minutos em jogos da equipa B aos jogadores do plantel principal que não têm feito parte das escolhas de Vítor Pereira. Concretamente, estou a pensar em:
- Kadú (guarda-redes, data nascimento: 30-11-1994);
- Abdoulaye (defesa-central, 01-01-1991);
- Iturbe (médio ofensivo, 04-06-1993);
- Kelvin (extremo, 01-06-1993).

É sabido que todos os jogadores precisam de competição para evoluir e mais ainda quando são jovens. Nesse sentido, um campeonato disputado e intenso como é a II Liga, iria dar aos jogadores, que habitualmente não fazem parte da lista de convocados de Vítor Pereira, um andamento que seria muito útil, se e quando fosse necessário chamá-los a uma das competições (Campeonato, Taça de Portugal, Taça da Liga) em que a equipa principal vai estar envolvida.

De resto, parece-me óbvio que a articulação entre as equipas A e B tem de melhorar. A coisa tem de funcionar como uma espécie de vasos comunicantes, em que os que se destacarem na equipa B são chamados à equipa A (funcionando como um mecanismo de prémio e estimulo) e os menos utilizados da equipa principal poderão ganhar ritmo e competição em jogos da equipa B. Se tal não acontecer, receio bem que estejamos perante mais um "Projeto" que se irá revelar uma nova oportunidade perdida.

Nota: As fichas e fotos dos jogos da equipa B (clicar para as ampliar) são do jornal O JOGO.

26 comentários:

Anónimo disse...

O mercado ainda não fechou, o campeonato ainda vai em Agosto e assim acho precipitado qualquer Juizo ou balanço no momento actual do meu ponto de vista.

Jovens com 19 ou 20 anos a não ser que sejam muito acima da média é logico que mesmo que tenham muito bom potencial ainda não estão prontos para a A...

Anónimo disse...

"Como só foram disputados quatro jogos, tudo é muito extemporâneo. Eu estou contra a utilização de jogadores da equipa A. Este plantel está a trabalhar, é uma falta de respeito virem jogadores do plantel principal tirarem o lugar aos da equipa B. De forma esporádica, talvez faça sentido. Mas a questão deve ser, afinal para que serve a equipa B? É para trabalhar os jogadores muito jovens... ou é para 'dar ritmo de jogo' aos que não jogam da equipa principal? Nesta fase tão embrionária da época, definitivamente não faz sentido. A equipa B tem de assentar e se eventualmente após uma análise inicial se verificar que o plantel é curto para fazer uma época tranquila e fizer bem aos Kelvins ou Iturbes jogarem na B, então que o façam. Mas isto não deveria ser o modelo para a equipa B."
------
Li este comentário na net de um portista que levanta questões muito interessantes.

RBN disse...

Eu trocava o treinador da equipa B pelo Nuno Capucho, porque do que vi da equipa de Nuno Capucho, todos os jogadores sabem exatamente o que fazer em campo, misturando eficiencia, entreajuda e algum espetáculo.

Os sub-17 jogam entrosadíssimos, jogam pra frente e jogam com vontade.

A meu ver, os Bes com muitos estrangeiros é claro sintoma que os sub-17 com portugueses em maioria não terão muito futuro dentro do clube, o que é bastante preocupante para o clube, os adeptos e em geral para o próprio futebol luso.

Quando se vê por exemplo, sem clubites, muitos portugueses nos Bes dos 5L Barbies, que andam a jogar afinadinhos e a praticar bom futebol, torna-se ainda mais preocupante, porque o que se enxerga ali é claro aproveitamento das camadas de base, enquanto que no FCP, apenas Castro a muito custo, e depois de vários empréstimos a outros clubes, deverá integrar o plantel, se calhar para ter nº de nascidos no país para a lista da Champions.

Gosto do Dellatorre, mas gosto ainda mais do Sebá, e vejo neste último um substituto para Hulk, pois tem todas as qualidades para singrar na equipa principal, se tiver juízo.

Sou contra troca de treinadores durante a época, mas no caso dos Bes se daqui há um mês não melhorarem, Capucho neles.

Abraço.

José Correia disse...

Anónimo das 17:51 disse...
afinal para que serve a equipa B? É para trabalhar os jogadores muito jovens... ou é para 'dar ritmo de jogo' aos que não jogam da equipa principal?

Pode servir para as duas coisas.
Além disso, jogadores como Kadú, Abdoulaye, Iturbe e Kelvin são sensivelmente da mesma idade, ou até mais novos, que vários jogadores do plantel da equipa B.

José Correia disse...

Anónimo das 17:51 disse...
Este plantel está a trabalhar, é uma falta de respeito virem jogadores do plantel principal tirarem o lugar aos da equipa B.

Falta de respeito? Porquê?
A equipa B deve ser um espaço de integração, adaptação, desenvolvimento e melhoria das potencialidades dos jogadores do FC Porto, particularmente dos mais jovens.
Mas os objetivos da equipa B têm de estar articulados com os da equipa A, porque doutro modo não faz sentido haver uma equipa B.

Anónimo disse...


Que aproveitamento têm feito os vermelhos das suas camadas jovens?!...

José Rodrigues disse...

Zé António nascido em 1977?

Mas temos um jogador de 32 anos na B e q não foi lá parar como refugo da A??!

Mas quem é este gajo e como é q lá foi parar?? Desconheço por completo, admito.

John disse...

Não acho uma falta de respeito, tanto que, em caso de lesões, habitualmente os jogadores são utilizados nas equipas B para recuperarem a forma.

O que está em causa não é só o facto de estarem a trabalhar para..., etc etc, existem objetivos, e esses objetivos passam por uma boa posição no campeonato, devido às verbas em causa.

Já agora, os nomes referidos, são jogadores que fizeram pré-temporada e não conquistaram lugar na A, logo são, membros deste caso da B, só depois estão na lista de dispensa.

Não vejo nada contra a utilização de Iturbe, Kadu, Abdoulaye e Kelvin na equipa B, tanto que, só lhes faz bem. E se alguém da B merecer, que seja chamado para a A.

John disse...

O claro proveito das camadas jovens do Benfica que falas é qual?

O uso do Sidnei e do Jardel como se tem visto?

John disse...

Zé António é um jogador da casa, acho bem que lá esteja, alguém tem que impor algum respeito e maturidade em campo.

Luis disse...

Este post vem ao encontro do que o que já tenho dito por diversas ocasiões: O Iturbe e o Kelvin deviam ser emprestados, não vão ter espaço na equipa principal (nem que o Hulk saia) e a equipa B parece-me um espaço reduzido para os dois jovens extremos crescerem.

meirelesportuense disse...

O Sebá é um excelente jogador.Para mim é um grande candidato a um lugar no plantel principal do Porto.Ele e Dellatorre são jogadores excelentes.
A equipa esteve bem contra o Aves, só não tem experiência suficiente e alguém na linha média que a comande devidamente.
O Zé António foi jogador formado no Porto e correu vários Clubes estando agora -quanto a mim- a fazer um papel de "estabilizador" dentro do campo daquele grupo de jovens...Acho que se não jogarem, o Iturbe e o Kélvin podem dar o seu contributo na equipaB para em qualquer momento poderem aceder imediatamente à equipa principal...

meirelesportuense disse...

O próprio Stefanovic é um belíssimo guarda-redes.
Vejam os jogos independentemente dos resultados -é assim que eu tenho assistido aos jogos-, a equipa está ali para movimentar os jogadores, dar-lhes ritmo tático e tarimba competitiva...Não esqueçam que o PortoB -provavelmente- não pode sequer ganhar a competição.

ℙΣ₦₮∀ ➀➈➆➄℠ disse...

@ José Correia

por princípio, estou de acordo que haja intercâmbio (ou cada vez mais «vasos comunicantes») entre os diferentes escalões de formação do clube e a sua equipa principal.

porém, esse cenário (de jogadores da equipa principal poderem jogar na equipa B) - muito bonito, quase idílico até - esbarra no problema dos egos dos jogadores referidos: sinceramente não estou "a ver" um jogador de selecção, como o Iturbe, acatar de bom grado participar numas partidas da equipa B, com o que poderá interpretar como uma despromoção.

penso que este é o actual problema do nosso clube do coração: (pres)sentir que não há uma voz que controle os egos dos seus jogadores, chamando-os à Razão dos factos e da evidência de que, actualmente, no FC Porto, estarão bem melhor do que num qualquer Trabzonspor "ou isso" (e por muitos euros que lhes recheiem a carteira).

abr@ço
Miguel | Tomo II

Joao Goncalves disse...

Quem fez esse comentário é que não percebe nada de nada e só diz asneiras.

A equipa B é um veiculo de ligação à A e aos Sub 19.

Tal e qual são chamados miúdos dos Sub-19 para jogarem na B, também devem e vão ser chamados os jogadores não convocados para a A e assim como, os melhores vão ser chamados à A para provarem o seu valor.

Não existe plantel da equipa B, assim como não existe falta de respeito por ninguém, pois a B trabalha com regras próprias, inclusive de não poder subir de divisão e o objectivo de todo o jogador que está na B é poder ser chamado ao plantel A e mostrar lá valor, como é óbvio.

Para ainda contrariar mais a asneira desse comentário, basta relembrar que o Anderson foi contratado para a A e depois fez alguns jogos na B para ganhar rotina de jogo e ritmo europeu e só depois começou a integrar a A aos poucos.

http://fcpsempredragao.blogspot.pt/

Joao Goncalves disse...

Não é 32 é 35 anos e está lá para dar experiência e acima de tudo estar na ficha de jogo devido As regra da B.

http://fcpsempredragao.blogspot.pt/

Joao Goncalves disse...

Em relação ao comentado aqui acho demasiado cedo este tipo de post pela simples razão de que o mercado ainda não fechou.

Quero com isto dizer que os nomes que foram mencionados, obviamente vão fazer esse percurso, se ficarem no clube e esse é o grande se...

Até Castro, se cá ficar o deveria fazer assim como jogadores que se tenham lesionado por algum tempo, e que lá joguem para recuperar ritmo.

E já agora, trocar o Dellatorre com o Kleber de vez em quando, para irem rodando no ataque e o Dellatorre para ser usado na A que me parece uma solução decente.

Mas como disse, só depois de fechar o mercado podemos traçar cenários e falar de nomes, pois até lá, nem sabemos com que jogadores vamos contar até Janeiro

Anónimo disse...

Os vermelhos ao que parece utilizam jogadores como Jardel e Miguel Vitor e pessoalmente não vejo vantajens nisso numa equipa B.

Anónimo disse...

Stefanovic se é belíssimo então eu ando a ver mal. Tem sido frango atrás de frango! O empate com o Tondela é culpa dele única e exclusivamente!

Silva Pereira disse...

Boa noite,

Parece-me que as criticas são injustas ou então não viram os jogos.
Antes demais neste jogo com o Aves assistiu-se a uma arbitragem do mais reles que vi, digna de ficar num compêndio e do anedótico anti FCP, se isto é futuro estamos f….
Quanto à equipa e incluo os técnicos ainda a procissão vai no adro e já chovem as criticas.
Estou completamente de acordo com o Bernardino Barros (que tem comentado os jogos na Porto Canal), os jogadores do FCP demonstram falta de matreirice e o sector defensivo tem muito que melhorar as bolas paradas.
Sinceramente que tenho achado mais interessante os jogos do FCP B do que a maioria dos jogos da liga. Acho que é uma boa aprendizagem quando vejo equipas como o Aves (candidata a subir) e UM só preocupadas em defender e fazer anti jogo, e se vale alguma coisa contra essas equipas parecia que os que jogavam para subir era o FCP.
Vejo matéria prima de boa qualidade.
Nota : também gosto e muito do Capucho mas para já não vejo necessidade de troca.

José Rodrigues disse...

"O Zé António foi jogador formado no Porto e correu vários Clubes estando agora -quanto a mim- a fazer um papel de "estabilizador" dentro do campo daquele grupo de jovens..."

Nao me parece q faca sentido ir contratar de proposito um gajo aos 32 anos para desempenhar esse papel, sinceramente (tenha sido formado no FCP ou nao). Mesmo q venha a custo zero.

Haveria certamente outras solucoes para uma "estabilizacao" minima sem comprometer os 2 objectivos principais (formar jogadores para a A, e dar ritmo a jogadores da A).

José Correia disse...

Se um jogador que não fizer parte das escolhas habituais de Vítor Pereira, recusar, ou fizer cara feia, por jogar na equipa B, isso será muito mau sinal.

José Correia disse...

O ano de aprendizagem no Rio Ave potenciou a maturidade e a consciência tática de Kelvin. A ideia é defendida pelo pai do esquerdino ao Maisfutebol. Valdessir Oliveira assegura-nos, de resto, que o talentoso extremo vai ficar no plantel do F.C. Porto. Com ou sem Hulk.
«Falei com o meu filho ontem e ele está super animado. Disse-me que o Vítor Pereira esteve a falar com ele e que lhe garantiu que conta com ele (...) A conversa foi boa, franca. O treinador pediu para o Kelvin treinar bem, não desanimar e ouvir os ensinamentos dos mais velhos, como o Helton, o João Moutinho e o Hulk», acrescenta o pai e representante do atleta de 19 anos. (...)
A concorrência é forte e idas pontuais à equipa B não estão excluídas. «Ninguém nos colocou essa hipótese, mas não nos importamos. O importante é ficar no F.C. Porto e trabalhar diariamente às ordens do Vítor Pereira».
in Maisfutebol

meirelesportuense disse...

OK, aceito essa opinião, embora ache que haverá sempre interesse em ter dentro do campo um jogador mais maduro que faça o papel de capitão e líder do grupo...O José António não deve ser um jogador muito caro.Se veio a custo zero não sei.
O Stefanovic é também um jogador com uma idade um pouco mais elevada -embora não muito- e que tem também -na minha opinião- esse papel de estabilizador dentro do grupo.

meirelesportuense disse...

OK, aceito essa opinião, embora ache que haverá sempre interesse em ter dentro do campo um jogador mais maduro que faça o papel de capitão e líder do grupo...O José António não deve ser um jogador muito caro.Se veio a custo zero não sei.
O Stefanovic é também um jogador com uma idade um pouco mais elevada -embora não muito- e que tem também -na minha opinião- esse papel de estabilizador dentro do grupo.

José Rodrigues disse...

Ainda sobre o Ze' Antonio (com os seus 35 anos) e sobre o seu papel de "estabilizacao" dos "miudos"...

Fomos busca-lo agora para desempenha-lo por uma epoca? Nao se arranjava alguem mais jovem mas "maduro" (com uns 27 anos, por ex) para fazer esse papel com perspectivas de continuidade por uns bons 3 ou 4 anos??

Percebi a logica, mas o "bottom line" e' q nao compreendo q se va' contratar um gajo para a equipa B q ja' esteja com um pe' na reforma.