domingo, 30 de setembro de 2012

4º penalty em 5 jogos

Rio Ave x FC Porto, Bruno Esteves (AF Setúbal), 1 penalty por assinalar


FC Porto x Vitória Guimarães, Hugo Miguel (AF Lisboa), 1 penalty por assinalar


Gil Vicente x FC Porto, Duarte Gomes (AF Lisboa), 2 penalties por assinalar


Estes quatro penalties por assinalar têm algumas particularidades. Para além de um consenso alargado, ou mesmo unanimidade, de opiniões dos especialistas em relação aos mesmos, todos eles ocorreram em momentos das partidas em que os jogos estavam longe de estar decididos a favor do FC Porto. Aliás, em dois dos jogos (Barcelos e Vila do Conde), pode mesmo dizer-se que tiveram influência no resultado final e nos pontos que o FC Porto perdeu nesses desafios.

Mais. O penalty que o árbitro Hugo Miguel se recusou a assinalar a favor do FC Porto é quase tirado a papel químico do penalty que, a semana passada, foi assinalado a favor do slb em Coimbra e que, ainda por cima, ditou a expulsão de um jogador da Académica a 41 minutos do final do desafio.

Os dirigentes portistas têm estado muito calados, mas não há dúvida que o FC Porto foi, de longe, a equipa mais prejudicada pelas arbitragens neste primeiro 1/6 do campeonato.

8 comentários:

Silva Pereira disse...

Boa tarde,
É VERDADE QUE FICOU UM PENALTI POR MARCAR MAS O QUE É QUE ESTAVAM À ESPERA’
Escrevi á 8 dias que o VP o nomeador iria entrar ao serviço e que iremos ter o Duarte Gomes na 6ª J com o SCP e o Bruno Paixão na 7º no Estoril, por isso é que não entendo o treinador que não consegue passar das palavras, diz que é criticado todas as semanas mas até parece que é masoquista.
A minha convicção é que treinadores sem a matriz de vencedores/escola de até os comemos, treinadores cujo ADN está em ganhar um pontinho não servem para o FCP.
Quando ouço um treinador que dizia há um ano (após AVB) dizer vamos jogar com uma pressão ainda mais alta e passado um ano vejo que essa pressão é executada com os olhos a 1 / 2 metros de distância, dá para entender que tipo de treinos tem. Então falar em bolas paradas não deve existir no cardápio.
Já agora uma palavra para a equipa B, à 3º jornada dizia que se devia dar mais algum tempo, mas passado 7 jornadas e vejo que o site do FCP escrito que ao equipa continua sem sorte eu pergunto:
Uma equipa que tem uma vitória por 1-0. 3 derrotas e 4 empates e 6 golos marcados e 10 sofridos , não se desculpa com falta de sorte.
O que eu vi hoje foi uma equipa a trocar a bola no nosso meio campo devagar devagarinho e depois com jogadas de chutão para a frente sem sentido. Assisto a um treinador Rui Gomes com um ar de intelectual que parece que treina uma equipa de infantis, ingénua com laivos de vedetas, sem se criar jogadas de perigo, parece que no FCP estão a criar uma escola de betinhos sem garra.
Para finalizar se nestes 2 últimos jogos não se recorre ao Fabiano e mais alguns talvez o descalabro fosse maior.
Custa-me dizer isto ponham os olhos no Oceano e na sua equipa

Pedro disse...

Não é só a SAD que anda adormecida. A massa associativa e comentadores afectos ao Porto andam muito politicamente correctos. Isto enquanto o clube do regime vai continuando com a sua campanha de propaganda.

Luchugo disse...

Desculpem lá mas acho que não temos razões de queixa (aliás acho que isto é conversa de calimeros e traficantes de pneus) porque a responsabilidade do resultado é unicamente da nossa equipa que jogou como se o Rio Ave fosse um conjunto de mecos. Não foi e quase que nos ganhava (merecidamente, digo eu).

Eles sim ficaram com aquele fora de jogo (mal) assinalado ao João Tomás que 8 vezes em cada 10 teria dado golo.

Meus amigos, temos que admitir que contra equipas pequenas, os grandes são geralmente beneficiados, independentemente da cor da camisola. O problema é que achamos sempre que os outros grandes são sempre mais beneficiados do que nós. Ou porque acabam sempre a jogar contra 10 ou 9 ou porque têm sempre mais pénaltis marcados a seu favor... Mas isso são coisas que não podemos usar para justificar os nossos momentos menos bons.

Temos que falar quando ganhamos e não quando perdemos pontos porque senão lá se vai a credibilidade.

José Correia disse...

Desculpem lá mas acho que não temos razões de queixa (aliás acho que isto é conversa de calimeros e traficantes de pneus) porque a responsabilidade do resultado é unicamente da nossa equipa que jogou como se o Rio Ave fosse um conjunto de mecos.

Mas alguém disse que foi unicamente por não ter sido assinalado um penalty claro a poucos minutos do fim, que o FC Porto perdeu dois pontos em Vila do Conde?

José Correia disse...

Eles sim ficaram com aquele fora de jogo (mal) assinalado ao João Tomás que 8 vezes em cada 10 teria dado golo

Ai sim?
Por acaso, só na 2ª repetição do lance é que foi possível verificar que o fora-de-jogo tinha sido mal assinalado.
Além disso, e quanto às consequências do lance ("8 vezes em cada 10 teria dado golo"), quando o fiscal-de-linha interrompeu esse lance, foi notório que o Helton já estava mais perto da bola do que o João Tomás.

José Correia disse...

temos que admitir que contra equipas pequenas, os grandes são geralmente beneficiados, independentemente da cor da camisola

Que grande treta!
É incrível como perante FACTOS concretos, como os 4 penalties que ficaram por assinalar a favor do FC Porto em três jogos contra "equipas pequenas", ainda há quem diga coisas destas.

G. disse...

Concordo com as respostas do José Correia ao comentário anterior, no entanto não acho que devamos apostar na mesma política dos encarnados. O Porto, ao longo da sua história, para ganhar teve sempre de ser superior a si próprio, ao adversário e à equipa de arbitragem. Nos dois jogos que empatou, apesar dos erros de arbitragem, fomos uma sombra de nós próprios. Tudo bem que precisamos de uma arbitragem isenta e correcta nos dias em que as coisas nos correm menos bem, mas a atitude que vimos em campo não é atitude de jogadores à Porto nem tão pouco atitude de treinador à Porto. Procurar desculpas na arbitragem é com os encarnados, nós devemos apostar num diapasão diferente e começar por corrigir o que vai mal dentro da nossa equipa.

Luchugo disse...

José, tu podes ver as coisas assim, e eu compreendo-te. Dói-nos mais quando nos toca a nós e aos nossos. Mas aquilo que digo é tão válido em Portugal como em Espanha, Itália, Inglaterra, Alemanha, Russia ou Ilhas Fiji.

A nossa equipa não foi tão má quanto a quiseram pintar, mas pelo que (não) fez não merecia vencer este jogo.

Quanto ao lance do João Tomás vou ter que rever porque sinceramente não me apercebi do posicionamento do Hélton, mas que o lance foi grosseiramente mal assinalado lá isso foi, até porque o árbitro auxiliar se encontrava muito bem posicionado e não hesitou a levantar a bandeira.

O que eu quero dizer é que todos os árbitros erram, uns mais do que outros, sem dúvida, e muitos erraram e ainda irão errar contra o FC Porto. E nós estamos cientes disso e estamos atentos ao nível geral das arbitragens. Mas não podemos usar erros de arbitragem como desculpa para maus resultados.

Eu admito ter maus resultados e até admito erros de arbitragem, o que não admito é uma postura de constante 'sacudir água do capote" para me iludir a mim próprio que o problema nunca está connosco (á lá Galinheiro / Lagartedo)