terça-feira, 18 de setembro de 2012

A Lei do mais forte



É sempre muito bom, seja em que circunstância for, somar três pontos numa competição de nível tão elevado como é a Liga dos Campeões. O 0-2 definido já bem perto do final espelha melhor a décalage entre a equipa da casa e campeão português. O conjunto azul e branco esteve muito longe de fazer uma exibição de gala. Bastou-lhe gerir a posse de bola com segurança e ir aproveitando as fragilidades evidentes do setor recuado do adversário croata. Vitória saborosa, pois claro. Mas, por aquilo que se viu, tinha de ser obrigatória.

Com efeito, este Dínamo de Zagreb não demonstra melhoras da paupérrima prestação da Champions da temporada passada. Pouca capacidade na posse de bola e demasiada tremedeira ao sair da sua área cristalizam as limitações desta equipa sem andamento para esta competição. Vítor Pereira, mesmo assim, não facilitou e respeitou o adversário. Sinal claro através da inclusão de Miguel Lopes à direita, privilegiando a robustez defensiva. O português cumpriu e integrou-se em manobras ofensivas sempre que solicitado.

Bem cedo a equipa azul e branca chamou a si a condução do jogo. Num ritmo sempre pausado o FC Porto circulava a bola de forma confortável perante a inépcia pressionante adversária. James e Varela fletiram muitas vezes das laterais para dentro afunilando a construção portista. Mas, curiosamente, eram mais perigosos e desequilibradores quando alargavam o jogo pelas suas alas. Alex Sandro, o outro defesa lateral, foi igualmente importante nestas manobras.

Se ao domínio do encontro já nada faltava para os comandados de Vítor pereira fazer o que queriam, pecava a equipa nos poucos lances de finalização que criava. James ainda tentou fora de área uma vez e depois veio o brinde de Kelava onde Jackson Martinez resvalou para o lado anedótico do futebol. Sem tempo para a merecida risada – ou insulto de todo o dragão que se preze, Lucho deu vantagem às nossas cores, na sequência de um bom “raide” de Alex Sandro até á linha final. O capitão corrigia o que deveria ter sido confirmado pouco antes.

Ao regresso das cabines as bases do encontro foram-se mantendo inalteráveis, num domínio portista total, sem um perceptível incómodo dos homens da casa. Até ao minuto 65 tudo era simplificado e fácil de ordenar. Uma letargia que quase contagiou o dragão, passando depois por um par de sustos quando o discernimento se toldou, o Dínamo acelerou e nosso meio campo se perdeu. Helton foi resolvendo sempre com muito acerto e ainda lançou dois contra ataques venenosos.

Ainda assim durou pouco a investida croata. Em pouco mais de dez minutos o entusiasmo caseiro afrouxou e a crença na reviravolta no resultado era quase nula. Cristian Atsu, pouco incomodado com os humores do adversário, lançou-se ao ataque do golo da tranquilidade. Com uma bela arrancada e um passe certeiro pôs Defour à mercê do golo que viria a selar o resultado final. Finalmente, mais folgado, como poderia e deveria ter saído, mais cedo.

19 comentários:

Anónimo disse...

depois veio o brinde de Kelava onde Jackson Martinez resvalou para o lado anedótico do futebol.
_______________________

Penalty por marcar escandaloso.

Carlos Santos disse...

Artigo mesmo ao meu gosto: simples, claro, conciso e objectivo!

Está tudo dito, ou quase, pois acho que se deveria enaltecer o grande jogo do Comandante Lucho no dia em que recebeu a notícia da morte do seu pai!

Alexandre Burmester disse...

Fraquinho mas chegou.

Anónimo disse...

Obrigado Lucho.

Louro disse...

Fraquinho?..opera so no Scala de Milão!

José Lopes disse...

Vivo nos EUA e nao consegui melhor do que ouvir o relato e ver um resumo dos lances mais importantes. O Jackson foi displicente, mas foi completamente varrido pelo Tonel, que tinha de ir para a rua.

Guedesnet disse...

Também concordo com penalty escandaloso sobre o Martinez!

Costa disse...

"e depois veio o brinde de Kelava onde Jackson Martinez resvalou para o lado anedótico do futebol"

Não tenho a certeza, mas quero acreditar que este lado anedótico do futebol se refere ao arbitro...

Sansoni7 disse...

Olá
O resultado é um prémio merecido Para o presidente e para o capitão.
Um abraço para eles.

Costa, assino por baixo o seu post.

Uma dúvida: porque não jogou Danilo?

Cumprs
Augusto

José Correia disse...

O Jackson Martinez foi muito lento a executar mas, sem dúvida, o árbitro devia ter assinalado penalty e expulsado o Tonel.

José Correia disse...

A importância do Lucho na equipa do FC Porto excede, em muito, o seu mero desempenho futebolístico (que é bom).

Dragus Invictus disse...

Bom dia,

Ontem entramos com o pé direito na edição deste ano da Champions, cumprindo o objectivo que era a vitória.

Sem termos sido brilhantes, tivemos o domínio e controlo do jogo.

O adversário tentou valer-se das bolas paradas, pois só assim conseguia criar problemas na nossa defensiva.

O nosso trio de meio campo esteve muito bem, foi inteligente, e importante na conquista dos 3 pts. Lucho fez uma exibição à "El Comandante", Moutinho perfeito tácticamente e Defour muito bem a aproveitar a qualidade táctica e de leitura de jogo dos outros parceiros do miolo, e a saber assim quando podia com segurança participar nas manobras ofensivas. O golo apontado foi um prémio.

Helton fez uma exibição fantástica na altura que o Dínamo de bola parada criava mais perigo.

Alex Sandro, um dos melhores em campo, esteve muito bem, apesar da oposição ser fraca, nas subidas no corredor, pena que alguns cruzamentos acabem em nada.

Mais uma vez faltou um goleador à altura para que tivéssemos vencido tranquilamente.

Aquele falhanço de Jackson não é falta de adaptação, aquilo é azelhice.
Kleber como nos habituou, parece um coelho, corre corre sem sentido. Falha um golo e num excelente cruzamento de Atsu ao invés de acorrer à zona de finalização ... recua!

Trocava o Kleber pelo João Tomás!

Atsu na segunda metade, com Varela desgastado do jogo da selecção foi um desequilibrador. É um diamante em franca evolução.

Importante vitória, e agora na próxima jornada há que vencer o PSG e carimbar a passagem!

Abraço e boa semana

Paulo

pronunciadodragao.blogspot.pt

Pedro M. disse...

em relação ao lance do Jackson, mesmo sendo penalty claro, qualquer avançado que se preze tem de meter a bola lá dentro antes de o defesa ter a possibilidade de o derrubar.

RBN disse...

Lucho, não há palavras para descrever este verdadeiro ícone portista.As minhas sentidas condolencias.

Não gosto de bater no ceguinho, mas a dupla Kleber e Varela é de irritar até um monge tibetano.Tantas e tantas chances tiveram até agora, e continuam a não mostrar o porque de integrarem a lista de convocados.

2 anos consecutivos em má fase para Varela e 1 ano para Kleber é muita coisa para um clube como o FCP.

É como jogar com 1 a menos, enquanto os miúdos cheios de genica para mostrar serviço como Iturbe ou Kelvin não tem tido tantas oportunidades quanto as 2 nulidades.

Atsu em meia hora fez o triplo que varela no tempo em que esteve de corpo presente em campo.

Kleber nem comento.

O mistério Jackson continua.Ainda não tenho opinião formada sobre ele, que tanto mostra tiques de craque como de perna-de-pau.
Não tem (que ainda se tenha visto) killer instinct, não tem velocidade e seus movimentos parecem mas de um médio que um centroavante.

De resto, não fizemos mais que a nossa obrigação.
Se o melhor jogador deles é Tonel, tá tudo dito.

Rui Faria disse...

Ontem, o Lucho levitou sobre o relvado do Zabreg embalado pelo espírito do pai. As pernas não pesaram, a estamina inesgotável e a vontade de ganhar inquebrantável.

No minuto 41, Lucho pressentiu que o guarda-redes adversário largaria a bola e lhe entregaria a oportunidade para homenagear o pai. Nada, nem ninguém lhe impediria de marcar aquele golo tão especial e desejado.

Após o golo, Lucho olhou para o céu e uma estrela brilhava mais intensamente no bréu da noite. Naquele momento, Lucho encontrou, pela última vez, o seu pai que lhe sorria orgulhosamente e se despedia com um até breve. Naquele momento, o Lucho encontrou um conforto no seu coração que lhe minorou a dor.

Força, Lucho. Força, campeão.

Anónimo disse...

Como se o jogador ficou com pouco angulo e o terreno estava dificil.

Foi grande penalidade escandalosa não marcada.

Ozzy Bluesky disse...

Não sei porquê mas tive a sensação que passamos ao lado de uma goleada!!!
Fomos imperiais, fomos "colectivos", mas tivemos momentos que tambem fomos sobranceiros, daí o meu sabor a pouco no placard...
A minha salva de palmas para Lucho e Defour que dentro do colectivo sobressairam...

Tiago Araújo disse...

Lucho é o exemplo de profissionalismo e de um grande homem e que ajudou o FC Porto na vitória em Zagreb!

Obrigado! Obrigado Lucho!

Daniel Gonçalves disse...

Jackson não podia rematar de imediato, porque estava num ângulo difícil, portanto tinha de procurar uma melhor posição e "ajeitar" a bola, quando se preparava para rematar foi "varrido" pelo Tonel. Nãao censuro o nosso avançado porque não estava numa posição para rematar de primeira.