terça-feira, 25 de setembro de 2012

Tarzan e os macacos

O Benfica foi avisado do que poderia acontecer em Coimbra e sabemos que essa mensagem chegou a Vítor Pereira”, começou por afirmar Rui Gomes da Silva, em declarações prestadas à Antena 1.
Vejam-se os últimos cinco anos de arbitragem. Pedro Proença, Olegário Benquerença, Carlos Xistra, Soares Dias, João Capela, Hugo Miguel e Rui Silva. Será que e é tudo por mero acaso. Nunca se enganam contra um determinado clube, o FC Porto”.


Nem de propósito, no mesmo dia em que o “Tarzan” se juntou ao choradinho encarnado e veio a público berrar contra a arbitragem de Carlos Xistra no Académica x slb, dizendo que este era um dos árbitros que nunca erravam contra o FC Porto, o Record recordou vários casos de arbitragens polémicas de Carlos Xistra em 2011 e 2012.

Ora, uma dessas arbitragens vergonhosas foi precisamente num slb x FC Porto, disputado a 21 de abril de 2011:
«Benfica-FC Porto (1-3 para a Taça) – A nomeação de Xistra esteve longe de ser pacífica. O árbitro da Associação de Castelo Branco tinha estado no Sp. Braga-Benfica onde Javi García foi expulso e este simples facto e ainda o alarido daí resultante aconselhavam que não voltasse nessa temporada a cruzar-se com o Benfica.
Xistra voltou a fechar o jogo com um balanço negativo para os dragões, que reclamaram nomeadamente uma grande penalidade resultante de uma entrada de Jardel sobre Hulk na área do Benfica, coma agravante de, nesse lance, o Incrível ter visto o cartão amarelo por alegada simulação. Ainda na 1.ª parte, os azuis e brancos saíram com a convicção que Luisão agrediu Otamendi em plena área de rigor do Benfica. No cardápio das queixas portistas registou-se ainda o cartão amarelo mostrado a Alvaro Pereira, num lance em que o lateral-esquerdo não chega sequer a tocar em Maxi Pereira. Um cartão mostrado muito cedo e que de certa forma inibiu o belicoso lateral portista. Também Cristian Rodríguez viu um cartão amarelo, aos 31’, que os responsáveis dos dragões consideram não ter qualquer sentido.»
in record.pt


Mas há mais, muito mais. Por exemplo…

Como diz o meu amigo Alexandre Burmester, e eu estou de acordo, este Rui Gomes da Silva é a pior espécie de benfiquista, é um benfiquista do Porto. Sempre, ou quase sempre, que abre a boca para falar de futebol, já se sabe que o que vai sair dali é um conjunto de dislates, barbaridades e provocações, mas enquanto houver “macacos” que se babam a ouvir o que ele diz, não hão-de faltar pés de microfone a fazer de jornalistas.

17 comentários:

RBN disse...

RBN 24 de Setembro de 2012 19:45

«O aziado,
incendiário,
filho de uma prostituta,
sem-vergonha,
safado,
ordinário,
filho de uma égua,
palhaço,
maxwell "faro fino agente 86" smart,
o nojento rui gomes da silva, depois do que andou a chorar na imprensa ao dizer que o slbarbies foi avisado e que o aviso chegou ao vitor pereira da arbitragem, só tem uma coisa a fazer:

queixar-se a quem de direito, dizer quem o avisou antecipadamente que ia ser prejudicado, para que, no local próprio, essa personagem possa abrir o bico e dizer tudo. Se não o fizer, se apenas ficar por este folclore típico para as bandas da Luz, então as entidades que dirigem o futebol português têm a obrigação de tomar providências, agindo em conformidade.

Eu ainda sugeria melhor:hoje á noite no «dia seguinte» da sic noticias, o palhaço lampião que dê nome aos bois(ou ao boi), que diga quem avisou.

Terá tomates para isso?»

Hoje, 25 de setembro, pergunto eu:
Alguém sabe QUEM AVISOU os 5L Barbies de que iam "ser prejudicados" em Coimbra?

Não, porque o tarzan não tem tomates, é um merdas incendiário que, assim com a suposta agressão no Porto, deve ter inventado esse tal "aviso"!

Penso que até mesmo os lampiões deviam estar ansiosos por saber QUEM AVISOU, mas o pirômano fugiu sempre da pergunta.

O Guilherme Aguiar perdeu uma chance única de desmascarar, desmentir e humilhar de uma vez por todas esse filho de uma jumenta, que na próxima 2ª feira vai voltar a destilar veneno contra o FCP.

Mas esse choradinho tem uma razão de ser:já estão preparando terreno para condicionar a arbitragem em Paços de Ferreira, onde não podem sequer empatar sob risco de ficarem ainda mais distantes do líder e serem alcançados pelo Braga.

Vai uma aposta?

tp disse...

Na imagem já identifiquei o Gomes da Selva, o Cervan e o Vieira. Mas quem é o tipo com o cacho de bananas ?

Antonio Silva disse...

Se ele ainda tiver os dentes todos não poderá ser o Proença, ó tp.

Anónimo disse...

http://tribunaportista.blogspot.pt/2012/09/dragon-force-importancia-para-formacao.html

Merece leitura.

Sansoni7 disse...

Olá

" ...mas enquanto houver “macacos” que se babam a ouvir o que ele diz, não hão-de faltar pés de microfone a fazer de jornalistas. "

Sublime...simplesmente sublime.
Cumprs
Augusto

Seismilhoesum disse...

Eu sou benfiquista e tenho vergonha do que esse senhor diz, e como o diz. Não é verdade que não tenha também prejudicado o "clube rival"! Embora seja verdade que o faz menos. E nesse jogo da Taça, por exemplo, o segundo golo é um fora de jogo escandaloso.

João disse...

E o vosso penalti é o quê?

Antonio Silva disse...

Tão escandaloso que ninguém se queixou até verem a repetição no sofá.

Carlos disse...

escandaloso foi o fora de jogo de uma vitória por 1x0 na luz
fora de jogo de saviola e golo de urreta se não me engano

e o fora de jogo do david luiz frente ao braga que o próprio recordo como o melhor golo da carreira?

portolaw disse...

estes benfiquistas do Porto que representam a agremiação nas TV's nem se apercebem (ou talvez sim...) do ridículo que fazem, pois estão ali, apenas, porque preenchem dois requisitos fixados pela agremiação:
- são da cidade do Porto ou de perto;
- são do mais bronco e verrinoso que se possa arranjar.

Luís disse...

O bichano anda desesperado!

Rui Faria disse...

Numa visita ao zoológico, Pinto da Costa levou algumas bananas que distribuiu a 3 macacos, que já foram identificados aqui no blogue. Ao primeiro, deu a metade do que levou e mais meia banana; ao segundo, a metade do restante e mais meia banana; ao terceiro, a metade do restante e mais meia banana. Se, assim, ele distribuiu todas as bananas que havia levado, quantas recebeu o segundo macaco?

Rui Faria disse...

Pinto da Costa, Fernando Gomes, Godinho Lopes e três macacos (um grande, o Orelhas, e dois pequenos, Gomes da Selva e Cervan) precisam atravessar o rio Douro. Porém, só está à disposição um barco rabelo, que comporta só dois corpos (independente do tamanho), e apenas os humanos, ou o macaco maior, o Orelhas, são fortes o suficiente para remá-lo. Além disso, o número de macacos nunca poderá ser maior do que o número de humanos na mesma margem do rio, ou os macacos atacarão os humanos.

Como atravessar o rio sem que nenhum dos seis se machuque?

RCBC disse...

No futebol, como em tudo na vida, há limites para tudo. E para o fanatismo doentio e nojento também há…

Mas essa “coisa” (a que apenas por boa vontade se pode chamar de ser humano) ultrapassa todos os limites possíveis e imaginários da nojeira, da ordinarice, da mentira, da falta de seriedade, etc, etc…

Essa “coisa” é o ser mais aberrante, repugnante e porco que o sol cobre… Nunca vi nada assim… Em todas as anormalidades que saem da boca dessa “coisa” apenas se vê ódio ao FC Porto… Só tenho pena de uma coisa, que a pseudo agressão que esta besta diz ter sofrido não tenha sido uma valente sova que o partisse aqueles dentes todos… Assim, sem dentes, pelo menos diria menos asneiras…

Mário Faria disse...

... O que esse espectáculo (o futebol) nos coloca diante dos olhos e dos ouvidos é uma poderosa máquina de propaganda de atitudes indignas, alcandoradas a procedimentos habituais e legítimos, com a apologia da banalidade da fala, dizendo hoje uma coisa e amanhã outra, da mentira, à mentira habilidosa, a uma preocupante incitação à violência individual e colectiva, por aí adiante...”

Pacheco Pereira, que muito respeito por ser um espírito livre, escreveu o texto acima. A generalização que faz relativamente ao futebol é provavelmente injusta, mas muita certeira relativamente a alguns artistas que se pavoneiam nas diferente estruturas ao serviço do dito ou na comunicação social.
Gomes da Silva é provavelmente das figuras mais asquerosas do panorama desportivo português. Não percebo como uma pessoa com a sua notoriedade – vá-se lá saber porquê – se sujeite a ser o sabujo de serviço e que o SLB o albergue e o admita para constituir a tropa de choque bem vestida, engravatada e que se movimenta bem junto das instâncias do poder, e que parece ser pessoa relevante numa das lojas maçónicas que servem de fonte de recrutamento para formar governos e afins.
Um ex-dirigente do SCP terá usado a espionagem como método para colher informação e dela se servir em proveito próprio e do seu clube. O NOW e o escândalo dos secretas cá do burgo são a prova que podemos esperar que o pior aconteça no futebol português e que métodos, que só aos serviços de segurança compete sob a supervisão do ministério público, constituam uma tentação para os que transitam com ligeireza nos corredores do poder e dos clubes, na maior impunidade. Esta denúncia de Gomes da Silva deve ter seguimento na FPF. Tem que ficar claro – uma vez que a suspeição foi lançada como um facto consumado - o que o SLB sabe e qual foi o mensageiro. Seguir as pistas e colher os factos. E julgar no âmbito desportivo os prevaricadores. Obviamente que o CJ da FPF já demonstrou a sua sabedoria e isenção. Mas não temos melhor e a ele caberá agir em conformidade, ou seja : fazer justiça.
O país está em fúria pois as dificuldades com que os portugueses se defrontam são mais que muitas. Atirar achas para a fogueira é perigoso. Já tivemos demasiados incêndios e não precisamos de mais. O ódio que Gomes da Silva destila e o incitamento à violência que as suas palavras inspiram têm de merecer uma resposta por parte da entidade federativa. Não se pode cuspir para o ar face a tais incitamentos.

Daniel Gonçalves disse...

Mário Faria disse "como uma pessoa com a sua notoriedade – vá-se lá saber porquê..." A notoriedade construída por Rui Gomes da Silva em nada é devida ao mérito ou ao valor - seja ele político, académico, humano ou social -, mas sim a cumplicidades e «relações» de poder típicas de um regime político caracterizado pelo caciquismo e nepotismo partidário como é o caso português, sendo que a Maçonaria - como justamente o Mário Faria apontou - é um dos melhores exemplos.
Todas as posições de relevo, que Rui Gomes da Silva alcançou na sociedade portuguesa, ficaram-se a dever a compadrios sem que lhe fosse exigido provas de mérito ou prestação de contas pelos actos e comportamentos adoptados. Quando foi Deputado nunca passou de um indivíduo sem iniciativa, nunca demonstrando qualquer sinal de espírito livre e capaz de autonomia no pensamento, mas temos de reconhecer as limitações intelectuais do mesmo também não o permitiriam.
Quando alcançou o lugar de vice-presidente - sem ter sido eleito ou mandatado pelos militantes, apenas aproveitando um vazio de poder criado pela saída abrupta de Durão Barroso- do PSD demonstrou de que massa era feita: perseguição a militantes que não concordavam com a posição dele ou da direcção que ele entendia ser a "correcta" (o caso de Marcelo Rebelo de Sousa é o mais conhecido); abusos de poder; sinecuras distribuídas pelos bajuladores.
Uma pessoa como Rui Gomes da Silva é o lado perverso do regime político português (mesmo um regime democrático tem efeitos perversos, apesar das melhores intenções e de eu o considerar o menos imperfeito de todos os regimes) onde um histórico de desrespeito pelo próximo ou por outros que pensam de maneira diferente, sem veneração pelas regras estipuladas, que sempre viveu das benesses do nepotismo partidário aliado a um ódio visceral pelo clube adversário (o FC Porto) deram naquilo que, todas as semanas, vemos nos ecrãs, e ontem novamente aos microfones dos media: um caluniador que não respeita os vínculos legais, que não permitem difamações em vão, versado na instigação de ódio e dos instintos primários da população.

Não possui uma mentalidade adequada a um regime democrático caracterizado pela tolerância de espírito e respeito pelo outro. Não tivesse Rui Gomes da Silva nascido em Portugal, mas sim na Alemanha hitleriana ou no regime estalinista e teria sido um excelente candidadto a director da STAZI ou do NKVD.

Louro disse...

Esse Sr. é apenas o maior incendiário do futebol portugues!
Não me admira que um dia destes leve mais uns tabefes.