segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Se não fosse o árbitro...



Quem não viu o FC Porto x SCP e leu apenas os títulos dos jornais lisboetas, até pode acreditar que foi o árbitro que parou a "máquina demolidora" sportinguista, mas a realidade dos factos foi bem diferente.


As estatísticas dos jogos não dizem tudo, mas dão uma ajuda e, no caso do clássico de ontem, constata-se que:
Na posse de bola foi 55% - 45%
Nos cantos foi 6 - 3 (o dobro a favor do FC Porto)
Nos remates foi 19 - 6 (mais do triplo!)
Nos remates ao poste/barra foi 2 - 0
Nos golos foi 2 - 0

Acresce dizer que o SCP teve apenas dois remates enquadrados com a baliza, o primeiro dos quais já na 2ª parte. Mais. O único lance com algum perigo dos calimeros no jogo todo foi num livre lateral (na sequência de uma pseudo falta do Alex Sandro, que até provocou a sua saída por lesão), ao minuto 80 (!), em que o Helton estava bem colocado e fez uma boa defesa.

Aliás, o jogo de ontem foi, de todos os jogos oficiais desta época, aquele em que a equipa adversária do FC Porto teve menos oportunidades de golo. E isto apesar das lesões que obrigaram às saídas de dois elementos da defesa portista (Maicon e Alex Sandro) e à utilização de uma dupla de centrais inédita a partir do minuto 15. Penso que isso quer dizer alguma coisa e dá uma ideia do que foi o "rolo compressor" leonino, apenas, claro está, parado pela arbitragem...

Mas, se não houvesse árbitros, o que é que os duques deste Mundo haveriam de dizer?

Imagens: ojogo.pt

14 comentários:

Anónimo disse...

Se não fosse o árbitro o Sporting tinha empatado 1-0...

Anónimo disse...

Depois do resultado da Hungria (e de outros resultados negativos) onde estavam ???!!!...

Anónimo disse...

Só lamento que ainda hajam nortenhos que comprem a Bola e o Record. Todos deveriamos ter vergonha de gastar dinheiro com esses trafulhas.

Silva Pereira disse...

Boa tarde,
Tenho para mim que desta vez o afrouxar do FCP, foi devido (desta vez) a 2 razões:
1ª A saída de Maicon e a consequente entrada de Mangala. Relativamente à lesão 2 reparos 1 do lado SCP não lançou a bola fora e o mais grave para mim a distração dos jogadores do FCP que quando recuperaram a bola não fizeram o mesmo.
2º Foi notório que os jogadores diminuíram o ritmo do jogo em consequência do registado no ponto anterior e ao tremendo desgaste do jogo com o PSG que penso que esteve na origem das lesões do Maicon e Alex.
Quanto ao jogo reparo que voltou o JM a marcar as bolas paradas e daí não origina nada. O ser um bom pianista não quer dizer que toque bem harpa.
Quanto á tão falada arbitragem mais do mesmo, quando são marcados penaltis a favor do FCP mesmo podendo ser interpretado a favor ou contra, os mesmos de sempre fazem um alarido do costume, quando os penaltis não são marcados a nosso favor (Gil Vicente, Rio Ave, etc.) aí não há alarido. Imaginem que o penalti marcado aos 83 minutos (10 contra 10) fosse por acaso aos 7 minutos e o lance do Jackson aos 83 minutos o que se diria. Enfim é o mesmo de sempre.

Uma nota: tem que se treinar o Jackson a ser mais rápido a reagir e rematar mais. Eu sei que veio de um país da pachorrice e da sesta mas é tempo de acordar

Mefistófeles disse...

Como dizia PdC aqui há alguns anos atrás a um jornalista, a propósito de algumas alarvidades do mesmo personagem: " Que quer que lhe diga ? Só me saem duques..."
Actualíssimo.

Anónimo disse...

O director do Jornal A bola não tem vergonha na cara, porque senão, não tinha autorizado uma capa daquelas. Vergonhosa aquela primeira página, dizia-me um benfiquista (dos sérios)há pouco tempo.

Ozzy Bluesky disse...

O futebol é a unica actividade humana onde há 22 gajos pretensamente honestos e um virtual grandessissimo gatuno!

Guedesnet disse...

Eu sou Portista, moro no sul... e não compro a bola!!!

Daniel Gonçalves disse...

O resultado final do jogo, e o facto de o 2º golo do FC Porto resultar de um penalty (cuja falta que lhe dá origem eles aproveitam para especular), caiu bem no tácito intento dos dirigentes sportinguistas: sair do Dragão com uma vitória moral.
Ter perdido apenas por 2-0 e atirando a responsabilidade pelo facto de não terem conseguido empatar o jogo ou de terem sofrido o 2º golo, aquele que "mata" o jogo, para as decisões da arbitragem serve perfeitamente para desviar as atenções das deficiências do plantel sportinguista, de não terem um treinador à altura dos desafios. Esta estratégia permite que os adeptos não peçam responsabilidades aos dirigentes mas se virem para outros factores, como a arbitragem. Simultâneamente permite uma vitimização da equipa, assim como um escape psicológico, a culpa da derrota não é dos jogadores mas sim de terceiros, tornando-se mais fácil - em teoria ou em abstracto - uma recuperação mental para os próximos jogos, conseguindo-se também um fortalecimento moral da equipa.

Carlos disse...

já somos dois !!

João disse...

Mesmo. Parece que há pessoal que tem gosto em financiar o anti-portismo militante destes pasquins

David Duarte disse...

Se hà uma coisa que o Record e a Bola manifestaram nos titulos foi a facilidade com a qual o Porto ganhou ao Sporting. Não ver isto é, das duas uma : ou mà fé ou pura e simplesmente não ter lido os jornais.

Depois existem as reacções ao jogo da parte dos responsàveis do Porto e do Sporting. Sabendo que os responsaveis do Sporting criticaram a arbitragem, é normal que tenham sido essas as citações publicadas.

Não està aqui em causa a qualidade, ou falta dela, dos jornais em causa, mas mais uma victimização que vê teorias do complot em tudo.

David Duarte disse...

Sinceramente, estive agora a rever as capas dos jornais e não vejo diferença alguma entre os jornais Record e O Jogo em termos de texto. Jà A Bola... é o jornal que é...

Andre Correia disse...

Gostava de fazer uma pergunta fora deste tema .....gostaria de saber qual é o passivo do Porto Clube e o passivo do Porto Sad separadamente .......se alguem me puder responder agradeço ...obrigado