sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Como encarar a Taça da Liga?


Agora que os jogos da Taça da Liga se aproximam, coloca-se a questão do costume: como encará-la?

De soslaio, com tem sido costume (mas nem sempre)? Ou é mesmo para tentar ganhar?

Bem sei que quem lá está costuma usar o chavão de que «é tudo para ganhar», mas a prova do algodão vê-se nas escolhas do treinador (e no esforço que os jogadores colocam em campo). Como se viu em Braga para a Taça de Portugal, alias.

Para mim é claro que é mesmo para tentar ganhar, ainda que não a qualquer custo. Claro que a prioridade vai – e de muito longe - para o campeonato e LC, mas para mim a seguir a essas competições a TL merece tanta atenção como uma Taça de Portugal (TP). Não tem a mesma História/longevidade, mas dá tanto ou mais dinheiro; e um título oficial é um título oficial. Mais: em teoria será tão ou mais difícil de ganhar como uma TP, em média. Além disso, é o único «caneco» que falta na coleção. E finalmente: depois da eliminacao da TP o calendario fica mais desanuviado.

O que me leva ao seguinte:

1)      É de jogar com um misto de titulares e 2as escolhas. Não só para poupar titulares (mas sem compremeter a valia da equipa), mas também porque sou da opinião que numa equipa composta só (ou quase) de 2as escolhas os jogadores não ficam a ganhar nada.

Bem pelo contrário, a falta de rotinas e de bons jogadores «ao lado» pode levar a que evoluam pouco e que alguns jogadores fiquem mesmo «queimados» (nao nos esquecamos que a valia de uma equipa e' muito mais do que a soma das valias individuais dos jogadores). Quantas vezes já se viu comentários do género: «Estão a ver? O jogador x teve uma oportunidade mas não a aproveitou!». Como em Braga, alias.

Mais: se no passado argumentava-se que ao menos assim as 2as escolhas ganhavam ritmo, agora temos também uma equipa B (e na Honra...) onde o podem fazer.

2)      O tal misto de titulares e 2as escolhas terá que ser determinado jogo-a-jogo, em função da sobrecarga dos titulares e do(s) jogo(s) que se segue(m). Cabe ao treinador identificar quem ao certo, ele que os segue diaramente. Em princípio penso que se deve evitar ao máximo ter mais do que uns 3 ou 4 segundas escolhas na equipa inicial (o que não invalida que conforme o jogo decorra possam entrar mais 3), a não ser que passado poucos dias haja um jogo crucial para o campeonato ou LC. 

Ora olhando para o calendário das próximas semanas, parece-me que não ha' razões para não dar o litro (ou perto disso, descansando um ou outro jogador que mais necessite) nos dois primeiros jogos, até porque temos um interregno na LC. Aliás, até faz bem aos jogadores que joguem em Estoril após um interregno de 2 semanas (e após as batatas de Natal).

Já o jogo no «galinheiro» pode levar a que faça muito sentido poupar jogadores no jogo contra o Setúbal (até por causa de possíveis lesões). Mas isso reforça ainda mais o ponto de dar o litro nos dois primeiros jogos, de forma a que o 3º jogo possa ser encarado de forma relaxada (acima de tudo pelo treinador nas suas escolhas, nem tanto por quem estiver em campo).

6 comentários:

miguel87 disse...

Para mim o onze tipo da taça da liga seria o seguinte:
Kadu; David, Abdoulaye, Tiago Ferreira, Quiño; Fernando, Castro, Pedro Moreira; Iturbe, Kelvin e Kleber.

Joaquim Lima disse...

Na minha opinião a Taça da Liga (TL) deve ser encarada pelo clube, à partida, como uma competição secundária. É o que sucede na maioria dos clubes de topo da europa na mesma competição nas suas ligas, pois campeonato, Champions e Taça já dão uma carga de jogos enorme numa época (+ jogos de selecção).

Se tivesse que optar por ganhar Taça de Portugal ou TL, não pensava duas vezes: Taça de Portugal (TP)! Acho que o dinheiro que a TL não cobre o prestígio da TP.

Agora que o Porto já foi eliminado da TP, essa prova (à partida secundária) tem que estar num dos objectivos desta época! Se o Porto estivesse em todas as frentes, acho que deveria jogar a TL apenas com segundas escolhas. Uma vez que a pergunta foi colocada após a eliminação da TP, acho que o Porto deve jogar com titulares + 2as escolhas, nos termos em que o José Rodrigues referiu: 3/4 2as escolhas dependendo do jogo, do calendário e da condição física dos titulares.

Este tem que ser o ano do Porto levantar o tal caneco (juntamente com o do campeonato e supertaça de Portugal)!

José Rodrigues disse...

Eu acho q e' totalmente pacifico entre todos os adeptos, dirigentes, treinador e jogadores q e' uma competicao secundaria. Mas ser uma competicao secundaria nao quer necessariamente dizer q nos vamos "cagar" para a competicao, pardon my French... e e' ai' q as opinioes comecam a divergir.

Para mim ser uma competicao secundaria quer apenas dizer q nao vamos fazer nela nenhum esforco q comprometa significativamente a possibilidade de sucesso nas competicoes mais importantes.

Ora isso so' pode ser analizado jogo a jogo, em funcao do contexto do mesmo, do calendario e de cada jogador.

Para mim cataloga-la como "secundaria" quer dizer tem menos prioridade mas e' para tentar ganhar na mesma (mas com condicionantes). Decidir-se cegamente 'a partida q e' em geral para rodar muitos suplentes e' equivalente a dizer q nem secundaria e'; q nao e' DE TODO para tentar ganhar.

José Correia disse...

«É mais um episódio do conflito (agora aberto) entre a Olivedesportos e a Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP). A empresa de Joaquim Oliveira enviou ontem uma carta à Liga, informando da rescisão, com justa causa, do contrato de transmissão dos jogos da Taça da Liga.

A Liga e a Olivedesportos tinham assinado em 2010 um contrato por quatro temporadas, em que a empresa de Joaquim Oliveira assumiu a responsabilidade de transmitir os jogos em canal fechado e de encontrar um patrocinador para a prova, que está órfã desde o abandono da Bwin, proibida pelos tribunais de ter contratos de patrocínio e/ou publicidade em Portugal.

O mesmo acordo previa a obrigação de a Liga encontrar um canal de TV em sinal aberto para transmitir os jogos desta competição, algo fundamental para encontrar um patrocinador. Ao que o PÚBLICO apurou, o mesmo acordo incluía uma cláusula que fazia caducar este contrato caso não houvesse um parceiro televisivo em sinal aberto — a SIC foi o parceiro da Liga nas últimas duas épocas, mas nesta temporada desistiu de o fazer.
(...)
Segundo informações recolhidas pelo PÚBLICO, a TVI pagará na actual temporada e na próxima menos de 50 mil euros por cada jogo da Taça da Liga. Este valor é três a quatro vezes inferior, ao montante que a SIC pagou nas últimas duas épocas: menos de 200 mil euros por cada encontro.

Esta diferença de valores, associada à inexistência de um patrocinador, está a causar desagrado junto dos clubes, que sempre viram como principal interesse da Taça da Liga o facto de a prova distribuir prémios financeiros
in PUBLICO.pt

Andre Correia disse...

Vamos deixar de ser orgulhosos e ganhar a taca que contribui com 1 milhao de euros e mantem ou aumenta a distancia em numero de titulos...para alem disso ja fomos eliminados da taca de portugal e da champions mais uma ou 2 fases e vamos...o VP ja brincou km os adeptos em braga , k nao goze mais connosco na taca da liga e ganhe akela merda

alex disse...

Acabei de escrever há pouco no blogue http://paixaopeloporto.blogspot.pt/
precisamente o mesmo sobre a gestão do plantel: terá de fazer alinhar 3 ou 4 jogadores secundários na equipa principal não só nos jogos das taças mas também em alguns do campeonato!