quinta-feira, 31 de maio de 2012

Adeptos de sofa'

Costuma dizer-se (e foi bandeira de campanha para a atribuicao do Euro 2004) que os portugueses "adoram futebol".

Ca' eu tenho as minhas duvidas de que gostem assim tanto como isso. Eu diria mais que os portugueses gostam sim dos 3 grandes - e ainda mais concretamente como "voyeurs" (seja no sofa', lendo jornais, ou na Internet).

Vem isto a proposito das assistencias nos diferentes estadios por essa Europa fora. A media da Liga portuguesa, como se ve^ no grafico seguinte, e' a 13a na Europa (ficando atras da belga e da Suica ou ate' mesmo das 2as ligas alemas e inglesa).

Ora isso nao sera' certamente por termos estadios pequeninos, bem pelo contrario (a capacidade media dos estadios portugueses e' bem mais alta que na Suica ou Belgica, por exemplo). Quanto 'a populacao do pais, a correlacao e' tenue mas se ate' admito que isso explique um pouco que haja menos gente do que nos grandes paises, ja' nao serve de explicacao em relacao 'a Belgica, Suica ou Escocia (as duas ultimas com uma populacao claramente inferior 'a portuguesa).

A nivel de clubes, o FCP fica-se pela 40a posicao na Europa, isto quando temos mais de 1 milhao de adeptos a menos de 30min do estadio, o que e' muito mais do que pode dizer a esmagadora maioria dos clubes que ficaram 'a nossa frente (so' para dar alguns exemplos, e de salientar que sao clubes com muito pouco sucesso: Newcastle, Sunderland, B. Moenchengladbach ou Kaiserslautern).

De salientar que muitos destes clubes tem uma taxa de ocupacao media superior a 99% (!), comparado com 67% no nosso caso... esses clubes mais gente meteriam no estadio se este tivesse maior capacidade . E ja' nao falo de clubes como o U Leiria, o Beira Mar ou a Academica, com optimos estadios (sim, a UDL mudou, mas ja' no estadio M. Pessoa tinham em media 2mil de assistencia), sem concorrencia local, e com uns 150mil habitantes num raio de pouco mais de 10km.

Nao fugindo 'a polemica, o que eu acho e' que os portugueses gostam em particular muito de uma coisa (que nao o futebol): arranjar desculpas. Quando confrontados com estes numeros, ouve-se todo o tipo de desculpas: por exemplo, antes era a lenga-lenga das condicoes do estadio e dos acessos, mas e' irrefutavel que nesse aspecto estamos hoje no top europeu. Fala-se tambem amiude da fraca qualidade do espectaculo, mas como explicar isso quando estamos no 6o lugar do ranking de clubes da UEFA e quando se ve^ que ha' mais gente nos estadios na Suica, Belgica ou Escocia? Fala-se tambem dos "altos" precos, mas mesmo ajustando para o poder de compra os bilhetes (e em particular os lugares anuais) em Portugal sao pouco diferentes do que ve^ em muitos paises europeus que ficaram 'a nossa frente. Ate' ja' vi muita gente a queixar-se da chuva ou do frio no Dragao (deviam vir comigo a um estadio belga descoberto com  neve a cair...)!

A principal desculpa hoje em dia e' de facto o fraco poder de compra. Ora como ja' disse os lugares anuais nao so' custam mais ou menos a mesma coisa que em outros paises (ja' aplicando um factor para o nivel de vida), como sao em valor absoluto acessiveis para uns 80% da populacao que reside na Grande Lisboa ou Grande Porto, ou em Braga/Aveiro/Guimaraes/Leiria.

Para mim a prova dos nove se se gosta realmente de uma coisa ou nao reside nas decisoes que se tomam aquando de escolhas entre alternativas. Ora o que eu constato e' que no momento da verdade um estudante (ou tantos outros) nao quer cortar em 2 saidas por mes 'a noite, ou numa jantarada, ou em idas ao cinema, de forma a pagar um lugar anual.

Estao no seu pleno direito, claro. Nao me venham e' depois dizer que "adoram o futebol", ou ate' mesmo o seu clube. Conheco muitissimos mais exemplos fora de Portugal do que dentro de gente que faz pequenos (ou ate' mesmo grandes) sacrificios para ir apoiar o seu clube ao estadio, independentemente do tempo, da hora do jogo ou da acessibilidade ao estadio - e nao estou a falar sequer de "Ultras", mas sim de adeptos comuns.

Para terminar: apesar do que escrevi, acho que ha' sim senhor mais medidas que podiam ser tomadas pelos clubes (e Liga) de forma a levar mais gente aos estadios (como os horarios, flexibilidade nos lugares anuais, etc). Mas isso e' um pormenor na situacao geral comparativa.

quarta-feira, 30 de maio de 2012

Baía e as mentiras de Scolari

Ontem à noite, logo a seguir ao telejornal, a RTP brindou o país com uma extensa entrevista efetuada a Luís Felipe Scolari, entrevista essa que no dia/horas anteriores andou a promover à custa do anti-portismo nacional. De facto, o chamariz desta entrevista foram as “revelações” de Scolari acerca das razões que o levaram a não convocar Vítor Baía para a Seleção Nacional.
E que explicações foram essas?
Bem, Scolari contou uma história que, segundo ele, se terá passado na véspera de um Belenenses x FC Porto, supostamente o primeiro jogo a que assistiu como selecionador de Portugal (no início de 2003):

No dia anterior [ao Belenenses x FC Porto], tive um encontro com as lideranças do Porto, técnico e presidente

Disseram-me que o Vítor Baía não estava mais nos planos do clube, não jogaria mais e que estava em conflito com o seu treinador [José Mourinho] e com a direção

Foi o presidente do Porto que me disse isto. A partir daí passei a olhar com outros olhos para o Vítor Baía

Quem jogou esse jogo [Belenenses x FC Porto] foi o Nuno Espirito Santo

Um mês ou dois depois [o Vítor Baía] voltou a jogar no Porto

O jornalista da RTP ouviu estas afirmações impávido e sereno, mas o comum dos adeptos não precisa de ter grande memória para se lembrar de outras explicações apresentadas por Scolari (para o afastamento de Vítor Baía da seleção nacional). Primeiro, e durante anos, foi a tese da opção técnica.

5 de Setembro de 2008. No fecho do Fórum de Treinadores de Elite da UEFA, em Nyon, na Suíça, Luiz Felipe Scolari (na altura treinador do Chelsea) afirmou:
As escolhas que fiz na época [em que era selecionador de Portugal] e as que faço agora são de acordo com as minhas convicções. Já falei 120 vezes a mesma coisa, que foi por opção técnica. Quem quiser que entenda, se não quiser que se dane.

No entanto, em Dezembro passado a razão principal deixou de ser técnica e passou a ser de balneário, com o ónus pelo afastamento de Baía a ser atirado para cima de Gilberto Madail.

30 de Dezembro de 2011. Em resposta a declarações de Gilberto Madail, acerca do afastamento de Vítor Baía da seleção nacional, Acaz Felleger, assessor de Luís Felipe Scolari, afirmou em entrevista à RTP:
Scolari perguntou a Madail sobre o Vítor Baía e foi-lhe dito pelo presidente que não era um bom atleta de balneário, que não criava bom ambiente

Uns dias depois, Madail refutou completamente estas declarações: “Surpreenderam-me essas declarações do senhor Scolari. Eu seria incapaz de me intrometer em algo que é da responsabilidade do selecionador. E ele sabe muito bem que nunca tive essa conversa com ele.

Finalmente, nove anos e meio após ter sido contratado pela FPF, Scolari chegou à mãe de todas as explicações e aquela que, indiscutivelmente, mais agrada ao país desportivo: o principal culpado pelo afastamento de Baía foi o maquiavélico Pinto da Costa!

Mas será esta explicação mais verosímil que as anteriores?
É fácil constatar que as afirmações de Scolari estão cheias de falsidades.

14 de Dezembro de 2002. O presidente da FPF, Gilberto Madaíl, completou 58 anos e Scolari veio a Lisboa para assinar contrato como selecionador de Portugal. No evento, que teve ampla cobertura mediática (e foi transmitido em direto no sítio da FPF na Internet), esteve presente Luís Filipe Vieira, na altura presidente da SAD do slb.

19 de Janeiro de 2003. Disputou-se, no Restelo, o Belenenses x FC Porto, da jornada 18, do campeonato 2002/03.

Será que nesse dia Scolari já estava em Lisboa a trabalhar como selecionador?
Será que na véspera (18/01/2003) se encontrou com o treinador e dirigentes do FC Porto? Onde?
Convido os jornalistas sérios a investigarem, mas uma coisa é facílima de apurar (eu demorei dois minutos): quem defendeu a baliza dos dragões nesse jogo não foi Nuno Espirito Santo, mas sim… Vítor Baía! (o tal que, segundo Scolari, lhe foi dito que não jogaria mais pelo FC Porto, porque estava em conflito com o seu treinador e com a direção)

É verdade que Vítor Baía teve um desentendimento com José Mourinho num treino à porta fechada, mas isso foi no dia 22 de Setembro de 2002 e, após ter sido colocado a treinar à parte, o conflito ficou sanado no dia 17 de Outubro de 2002 (três meses ANTES do Belenenses x FC Porto referido por Scolari).

Na realidade, Baía voltou à baliza do FC Porto, não quando o Scolari disse na entrevista à RTP (“um mês ou dois depois [do Belenenses x FC Porto] voltou a jogar no Porto”), mas muito antes do devoto de Nossa Senhora de Caravaggio ter posto os pés em Portugal. E, para desgosto do clube de fans do Ricardo, foi com o Vítor na baliza que o FC Porto venceu o campeonato, a final da Taça de Portugal e a Taça UEFA dessa época (2002/03), já para não falar na Liga dos Campeões no ano seguinte.

Pois é, querendo, apanha-se mais depressa um mentiroso do que um coxo. O problema é que, neste caso, isso estragava os títulos e manchetes anti-Porto que esta entrevista a Scolari proporcionou.

P.S. Que Scolari, para ser popular e para agradar aos seus amigalhaços portugas, avance com explicações mirabolantes, desdizendo-se a si próprio, é algo que não me surpreende minimamente. Agora, que um jornalista cruze o Atlântico para ir a São Paulo entrevistar Scolari, ouça estas afirmações e nem sequer o confronte com as contradições evidentes e diferentes “explicações” anteriores, é algo que remete para outro tipo de considerações.
Em primeiro lugar, o que motivou a entrevista ao ex-ex-selecionador de Portugal nesta altura? O ex-selecionador (Carlos Queiroz) também vai ser entrevistado ou isso não convém?
Em segundo lugar, tendo a RTP um correspondente no Brasil, qual a necessidade de enviar propositadamente um jornalista de Lisboa, algo que implicou uma viagem de 16 mil quilómetros (ida e volta)? Pelos vistos, e apesar da Troika, na televisão pública continua a haver oceanos de dinheiro para esbanjar nestas “missões especiais”…
Em terceiro lugar, porque razão foi escolhido o jornalista Hélder Conduto? Por estar habituado a confraternizar com treinadores de futebol? Por ser amigo de Scolari desde os tempos em que o homem das bandeirinhas fazia campanhas de milhões para o BPN? Por, em entrevistas anteriores, já ter mostrado uma elevada capacidade para “conduzir eficazmente” entrevistas polémicas que envolvam insinuações ou acusações a elementos do FC Porto?

terça-feira, 29 de maio de 2012

Quanto vale um jogador

Volta e meia vejo pessoal a sair-se com frases do genero “o jogador “x” valia mais do que aquilo por que foi vendido”, o que sinceramente me surpreende e diverte em certa medida. O exemplo mais recente foi o de Joao Pereira, com um amigo meu a dizer que “valia sempre pelo menos 6 milhoes!”.

Eu sei que isto e’ um cliché’, mas nao deixa de ser a verdade pura e dura: um jogador vale aquilo que alguem estiver disposto a pagar por ele desde que seja suficiente para convencer o clube vendedor, ponto final paragrafo.

O mundo do futebol e' o mundo da lei da oferta e da procura por excelencia. Os jogadores nao sao barris de petroleo com uma cotacao publica: o valor do seu passe depende de muitas coisas, principalmente mas nao so’ (e por ordem decrescente):

1) o poder negocial de quem vende (um clube como o Real so' vende um jogador q queira manter se lhes oferecerem muuuuuuuuuuitissimo dinheiro, por ex)

2) a concorrencia entre clubes pela aquisicao do jogador (quanto menos, mais baixo e’ o valor da venda)

3) o arcaboico financeiro de quem compra

4) o seu valor desportivo

5) o CV

6) a idade

7) o salario actual

8) a duracao do contrato (acordao Webb...)

9) a posicao

10) a vontade do jogador em ir para o clube que o quer comprar (por ex se houver 2 ofertas, com o FC Kabul no Afeganistao a oferecer 50 milhoes e o A. Madrid a oferecer nao mais do que 10, o mais certo e' q o jogador va' para Madrid precisamente por causa disto - desde q os 10 milhoes sejam minimamente aceitaveis para quem vende, claro)

Tudo destilado, a conclusao e' que o desvio padrao e' IMENSO. Tanto temos um defesa direito a ser vendido por 10 milhoes, como outro que 'a 1a vista tem valor desportivo parecido mas so' e' vendido por 3...

O SCP podia ter esperado pelo fim do Euro? Bem, presumo q tendo as calcas na mao calcularam q mais valia um passaro na mao do que dois a voar.

O JP podia valorizar com o Euro? Pois podia, *se* as coisas lhe corressem muito bem a ele *e* 'a seleccao. A probabilidade disso acontecer nao e' assim tao grande como isso (e mesmo assim dificilmente se valorizava muitissimo mais, a nao ser que fosse considerado o melhor lateral do Euro ou coisa que lhe valha). De resto joga numa posicao em que raras sao as grandes vendas, tem um CV modesto, jogava no 4o classificado do campeonato portugues onde nao deu tanto nas vistas como isso, o salario nao deve ser propriamente baixo, e ja’ nao e’ propriamente jovem.

Ah, mas e’ titular da seleccao? Pois e’, mas tambem o Postiga e’ capaz de o ser e nao e’ por ai’ que vale uma fortuna. Ser titular por Portugal nao faz automaticamente disparar a cotacao, ainda mais quando (como neste caso) e’ mais titular por falta de concorrencia forte do que por merito proprio.

Cachecol do FC Porto no Rock in Rio Lisboa

Chester Bennington, vocalista dos Linkin Park, com o cachecol do FC Porto no Rock in Rio Lisboa 2012.

segunda-feira, 28 de maio de 2012

Comunicar não é com ele...


... e nesta estrevista a OJOGO Vitor Pereira mostrou-nos porquê.

Quando esteve em apuros, Vitor Pereira desprezou invariavelmente os sócios e escudou-se no "apoio da estrutura". Na verdade foi essa estrutura que o segurou nas alturas mais difíceis e que foi apagando todos os fogos. Em Janeiro, e depois de eliminados sem chama nem glória da Liga dos Campeões, a SAD comprou o ponta-de-lança Marc Janko (para substituir Kléber, que VP tinha considerado "ser suficiente" para substituir Falcao) e despachou de uma vez Guarín, Belluschi, Walter e Sousa, os jogadores alegadamente mais problemáticos.

Convinha que Vitor Pereira não se esquecesse das constantes visitas de Pinto da Costa ao balneário e da contratação de Lucho em Janeiro, medidas que visaram impor respeito e disciplina no balneário, algo que aparentemente o treinador não foi capaz de fazer sozinho.

Admitir erros é útil mas não parece ser suficiente. O caminho percorrido ao longo desta época aconselha mais humildade e modéstia. Será que o treinador aprendeu a lição?

Inauguração das Antas

Hoje faria 60 anos e como recentemente apareceu este vídeo da inauguração no You Tube é o mote ideal para recordá-lo:

domingo, 27 de maio de 2012

Recordações de Viena (IV)




Coisas 'esquisitas' 25 anos depois

A cal a "saltar" sempre que a bola passava por uma linha.

Os atrasos para os guarda-redes.

Não sair de campo após assistência médica.

O árbitro não indicar o tempo extra.

Camisola virgens de publicidade.

Ler coisas como: “A partir do momento em que recebemos no estágio um telex deles, ficámos com mais força.”

Lembrar-me que vi o jogo nos jardins do Palácio - para ficar mais perto dos Aliados para a festa - e havia restaurante e coisas que tais por lá. E que fui a pé do Oliveira Martins para lá.

O Presidente da Câmara do Porto estava em Viena.

Recordações de Viena (III)



Até os comemos!

Estamos a jogar muito abaixo daquilo que sabemos, é necessário outra atitude para a 2ª parte.

Mas estou com fé de que vamos dar a volta a isto, aposto no 2-1.

Porra! A bwin (e companhias) não estão a aceitar apostas para o jogo. Era desta que ficava rico.

Recordações de Viena (II)




Recordações de Viena (I)







O dia de maior glória da nossa história


Estava quente, naquela manhã de 27 Maio de 1987.
Ainda as finais se disputavam, felizmente, nas mágicas quartas-feiras.
Seria uma data que qualquer portista jamais esqueceria.

Ainda na véspera, ouvíamos, à noite, a "Bola Branca" na "RR".
Sem net, era a única forma de, na altura, ficarmos a par das últimas, directamente do hotel em Viena.
O último jornal na TV limitara-se a um "Esperemos que a notícia de abertura de amanhã seja a vitória do FCP!".
Jaime Pacheco seria o único jogador a ficar de fora, dizia-se. E, assim, fomos todos dormir.

Saberíamos mais tarde que, naquela mesma madrugada, Madjer estava a meditar em todas as fintas e dribles que poderia fazer no dia seguinte. Não queria deixar nada ao acaso. Confessou-o no seu livro "Madjer, l'artist".

No dia D, acordamos com o programa de manhã da RTP.
Ainda por lá não se dançava música-pimba com cachecóis à mistura, mas o vidente de serviço assegurava que os ventos estariam de feição para as nossas cores. "Não era um garantia, mas...".

E como foi difícil trabalhar ou ir para as aulas naquele dia.
Nunca mais eram as 19h15...
E tudo muito quente continuou, naquela esplêndida tarde de sol.

Como habitualmente na altura, a emissão da RTP começaria praticamente em cima do apito inicial.
Ninguém se via nas ruas da baixa. Silêncio se fez. Era o jogo das nossas vidas.

E o resto é História.

Discurso do rei Artur ao intervalo: "Daqui a 45 minutos não há bola que foi à trave e, por azar, não entrou; não haverá também desculpas com o árbitro nem outras quaisquer. Daqui a 45 minutos, vocês são Campeões da Europa ou não!".

Frasco, Juary e Madjer. Madjer e Juary. 10 minutos intermináveis, mas o Mly lá nos acalmava um pouco. 
Apito final.

Pinto da Costa a desmaiar, ainda no camarote, e o João Pinto a não largar o caneco nem por nada. "Um rapaz como eu com a Taça dos Campeões nas mãos!"
E eis a a foto de família dos vencedores: os saudosos Teles Roxo e Zé Beto. Também nomes, agora algo "estranhos", como D'Onofrio, Álvaro Braga Júnior ou mesmo Octávio. O grande Dr. Domingos Gomes: "Destas fotos, já ninguém me poderá retirar". Casagrande, que não chegou a ser preciso. Festas, um júnior, que ainda andava pelo "Alexandre" a estudar. O "Moreno" e o Rodolfo Moura. O Prof. João Mota. Até o inefável Delano Vieira lá pelo Prater circulava.

Os grandes favoritos, esses que até se davam ao luxo de jogar com o veterano Hoeness, para a sua despedida, perdiam ali mesmo ao pé de sua casa.
Mais derrotas muito penosas, em finais europeias, se seguiriam para este Bayern.

E pronto, os noticiários começariam mesmo com a frase mais bonita que um adepto pode desejar ouvir: "Boa noite, o FCP é Campeão Europeu!".

E depois aquela multidão imensa nos Aliados.
Até Domingos Paciência, júnior já famoso de tantas vezes ser chamado ao plantel principal, por lá andava.

Poucas horas se dormiriam.
Os atletas ainda chegariam a aparecer no relvado das Antas, já a madrugada ia bem alta, mas meio tímidos.

E eram primeiras-páginas de chorar de orgulho, as do dia seguinte:
"Porto, Rei da Europa", no "JN".
Até mesmo o Alfredo Farinha d'"A Bola", que teria levado a pá para Viena, se renderia ao "Danúbio Azul".

Crianças festejavam, felizes, jogando à bola pelas ruas e escolas do Porto.
Importante mesmo, naquele dia 28, era marcar um golo de calcanhar.

Foi preciso esperar até ao Domingo seguinte para voltar a sentir grandes emoções.
Último jogo do campeonato contra o Elvas. Grande enchente nas Antas. Já de manhã, Juary e Madjer, abraçados na capa do Record, asseguravam: "Heróis só nos filmes!".

E era vê-los, todos ali, a entrarem em campo com a Taça dos Campeões nas mãos. Afinal, tudo aquilo tinha sido mesmo verdade.

Goleada das antigas. Madjer e Futre poupados, jogariam apenas meia-parte. Chegou e sobrou.


1986/87 escrito a letras de ouro.

Meses depois e com tempo para reflectir, ainda a muitos custava acreditar que tudo tinha acontecido assim mesmo: de modo tão perfeito.

Em 27 Maio de 1987 tudo mudou. 
Nunca mais seriamos os mesmos.

Foi assim - II

O conjunto de relatos que fui reunindo ao longo destes anos sobre Viena (e a caminhada até lá):
   

Salvo erro boa parte disto veio do blog Pobo do Norte, por isso aqui ficam os créditos.

sábado, 26 de maio de 2012

Hulk a valorizar-se

««Hulk scored two and his presence forced Niki Zimling to turn into his own goal as Denmark lost 3-1 to Brazil in Hamburg in their first warm-up game for UEFA EURO 2012. More than 40,000 Danish spectators were in the stands, but the FC Porto forward did not take long to silence them, firing in early before compelling Zimling into a costly mistake and hitting the third before the break. (...). The game was only eight minutes old when the powerful Hulk, who hit four goals in six UEFA Champions League games for his club this term, latched on to a pass and rifled a long-range shot over a stranded Thomas Sørensen.»
in www.uefa.com

«Porto star Hulk was the inspiration for Brazil as he led the team to a 3-1 victory over Denmark, which began the game in disarray but finished it giving Mano Menezes' team all sorts of problems at the back. The striker struck twice in the first half as the Selecao looked to be cruising to victory, Niki Zimling's own goal putting the Danes 3-0 down at the break.»
in sports.yahoo.com»


«A seleção olímpica do Brasil, com Hulk em plano de destaque, bateu a Dinamarca, adversária de Portugal no Euro-2012, por 3-1, num jogo particular no Arena de Hamburgo, na Alemanha, com José Mourinho a assistir. O avançado do F.C. Porto estreou-se a marcar pela seleção, com dois golos, e esteve ainda no lance do terceiro. (...)
O Brasil, com uma seleção muito jovem, que se está a preparar para os Jogos Olímpicos de Londres, além de Hulk, jogou ainda com Danilo no lado direito da defesa, enquanto Alex Sandro entrou no decorrer da segunda parte para o lugar de Marcelo.»
Maisfutebol


Num cenário em que a saída de Hulk parece ser, infelizmente (para os portistas), cada vez mais provável, acredito que o valor recorde de uma transferência do futebol português, estabelecido há um ano atrás por Radamel Falcao (40 milhões de euros), irá ser batido nas próximas semanas.




Fotos: EPA

Andam de mão estendida


Há várias formas de investir no Sporting e temos o objetivo de até final do mês apresentar uma parceria para potenciar a marca. Não há dinheiro em Portugal e por isso andamos por todo o mundo, já estivemos em Angola e na China, agora vamos estar na Índia.
Godinho Lopes, 22/05/2012


Esta semana, pela boca do seu presidente, ficamos a saber que o SCP está com a corda na garganta e andam pelo Mundo de mão estendida. De facto, depois das várias engenharias financeiras (envolvendo o clube, o estádio e outras empresas do grupo), andam à procura de um “investidor” (leia-se milionário, disposto a esbanjar umas massas). O problema é arranjar alguém interessado em investir num clube perdedor, mal governado, sem visibilidade e integrado num mercado pequeno.
Contudo, estou convencido que se aparecesse o tal D. Sebastião, os viscondes de Alvalade estariam até dispostos a abdicar do controlo da SAD.
Para já, abdicaram de um campeão do Mundo (Polga) e venderam um titular da selecção portuguesa (João Pereira) por pouco mais de 3 milhões de euros...

sexta-feira, 25 de maio de 2012

Saber encaixar…

Confrontado com as imagens que mostram as atitudes provocatórias e inqualificáveis que teve no final do FC Porto x slb, o treinador de basquetebol do clube do regime já reagiu e, em declarações à agência Lusa, afirmou:
As pessoas têm de saber encaixar quando ganham e quando perdem. Ganhámos, ficámos contentes, fomos melhores nos momentos decisivos dos jogos e mais competentes. Agora, essas coisas... Não vi imagens nenhumas. Não vejo o canal do FC Porto, nem leio o site. Festejei como é normal... Esse gesto, se calhar, era a explicar um bloqueio, não sei


Estas pseudo-explicações de Carlos Lisboa são surrealistas mas, perante as imagens que o país inteiro pôde ver, eu imagino que ele saiba encaixar muito bem…

P.S. «Depois de ver as imagens da polémica do FC Porto-Benfica em basquetebol, devo acrescentar dois pontos ao que escrevi e foi hoje publicado na edição papel do jornal [Record]:
1. Para quem o viu jogar e o admirou como um atleta de referência da modalidade, o comportamento de Carlos Lisboa é uma desagradável revelação além de profundamente lamentável e é natural que tenha incendiado o ambiente do pavilhão do Dragão.
2. Espera-se que as atitudes de Carlos Lisboa não passem impunes aos órgãos de justiça da federação de basquetebol e que Luís Filipe Vieira saiba reconhecer que não é com exemplos destes que vai ganhar a "guerra".»
António Magalhães, director-adjunto do Record

Resposta ao leitor

A resposta do FC Porto ao “mais forte apelo à violência no desporto de que há memória em Portugal”, que ontem foi lido por Luís Filipe Vieira, está com muito nível, mas temo que a linguagem utilizada seja demasiado erudita para “o leitor” e para a maior parte dos seus apaniguados.
De facto, expressões como “textos a fingir de anjos e arcanjos”, “pneus de inveja”, “nem o camião nem os títulos são roubados” ou “forma como o leitor enriqueceu” foram bem engendradas, mas são algo intrincadas e remetem para factos e situações que alguns ignoram e outros teimam em ignorar.

Ficamos à espera da contra-réplica do arcanjo Gabriel, mas desta vez pode ser ele a ler…

FC Porto, de Viena a Dublin em 35 histórias saídas da alma

No próximo domingo será apresentado, no mítico café Guarany, na Avenida dos Aliados, o livro "Porto 1987-2012, 25 anos no topo do Mundo!".

Trata-se de um projecto coordenado por João Nuno Coelho (autor dos livros "República, Desporto e Imprensa", "A Paixão do Povo", entre outros), um portista confesso que reuniu outros 34 "ilustres" azuis e brancos para contarem, em discurso directo, como viveram os jogos mais emblemáticos da história do nosso clube nos últimos 25 anos, desde a Final da Taça dos Campeões de Viena até hoje. 

Por lá andam textos deliciosos do Carlos Tê, Hélder Pacheco, Miguel Guedes, Rui Moreira, Jorge Bertocchini, Álvaro Costa e, sem que se entenda muito bem porquê, também um texto meu sobre o FC Porto vs SS Lazio, na minha humilde opinião o melhor jogo que vi fazer ao nosso FCP na vida.

O livro estará à venda a partir de segunda-feira nas livrarias, mas no domingo, como uma ocasião especial, será distribuído com o Jornal de Noticias ou O Jogo, ao preço de 8,50 euros (mais o preço do jornal).

Para aqueles que quiserem passar uma tarde diferente, conversando com os autores (por motivos pessoais eu não poderei estar presente) e relembrando em tertúlia, apresentada pelo Hernâni "Bitaites" Gonçalves, as muitas conquistas logradas por todos desde que Madjer se lembrou de inventar aquele calcanhar, são todos muito bem vindos!


quinta-feira, 24 de maio de 2012

Não gosto deles!

Há um texto que encontrei há uns anos no blog Douro Azul, que já publiquei aqui no RP, mas que me vem à memória sempre que as putas ofendidas arrotam postas de pescada.
Há no 'benfiquismo' uma certa característica, infelizmente pouco abonatória, de certos comportamentos que caracterizam o que existe de pior na sociedade portuguesa. Eu sei, eu sei, que entre os seus adeptos há bons e maus, há os que são honestos e os vigaristas, há os pacifistas cordatos e os violentos, agressivos e destrambelhados, há de tudo um pouco, afinal, como noutros clubes, a começar pelo meu. No entanto, quanto a mim, existem algumas referências que, na generalidade, atravessam o colectivo dos adeptos, sejam eles cultos ou iletrados, ricos ou pobres, fundamentalistas fanáticos ou não, e aparecem como 'marca da casa', o seu verdadeiro 'ex-libris', (não, não é a famigerada divisa recuperada dos mosqueteiros !): são, por natureza, habituais destorcedores dos factos (e da mais comezinha realidade), os quais apresentam sempre à medida das suas conveniências e dos seus interesses; são presunçosos e arrogantes, sem uma centelha de humildade, incapazes de reconhecer o mérito alheio, mesmo quando ele é por demais evidente; são invejosos e mesquinhos, destilando ódio e grosseria (fiquei chocado com os comentários inseridos por alguns lampiões no blog de 'O Dragão', elucidativos, afinal, da maneira de estar desses energúmenos); são idólatras e passadistas que, à falta de presente, se entretêm a relembrar e a glorificar o passado e os seus ídolos, como se de um espaço mítico se tratasse; e sobretudo, oh sobretudo, para além de arruaceiros, são uns provocadores inveterados em que o orgulho e a vaidade se entrelaçam com a ignorância, os chavões de sobrevivência e a má-fé. Tudo suportado por uma abjecta campanha da comunicação social que os protege e acirra. É assim o 'benfiquismo'. São assim os 'benfiquistas'. Não gosto deles.

Uma campanha de desinformação à Goebbels

Perante a monstruosa campanha de manipulação (digna de Paul Joseph Goebbels), que a comunicação social ao serviço do clube do regime tem vindo a fazer desde ontem à noite, aqui está um vídeo que PROVA, de forma inequívoca, quem provocou os adeptos presentes no Dragão Caixa, incendiou o ambiente e esteve na origem dos incidentes verificados no final do jogo de basquetebol entre o FC Porto e o slb.


Por outro lado, como o subserviente Mário Saldanha já veio a correr dizer que a Federação ia abrir um inquérito, ficamos à espera para ver qual vai ser a punição que irá sofrer o inqualificável treinador do clube do regime.

A classificação da "Liga Real"

Tanta treta acerca da "verdade desportiva", tanta conversa sobre as arbitragens e afinal, na classificação da "Liga Real"...


... onde é que o FC Porto foi favorecido e o slb prejudicado?

quarta-feira, 23 de maio de 2012

Porto Canal, 1 - FPB (+ A Bola), 0

A Federação Portuguesa de Basquetebol enviou, esta manhã, cartas para o FC Porto e para a Porto Canal a não autorizar a transmissão do quinto e decisivo encontro da final da Liga de basquetebol - a disputar entre portistas e Benfica, esta noite, no Dragão Caixa - por aquele operador parceiro do clube, segundo revelou A BOLA Mário Saldanha, presidente da FPB.
Segundo o mesmo dirigente, a única estação televisiva autorizada a transmitir o direto do desafio seria a SportTv, ao abrigo de «um protocolo também assinado pelo FC Porto a 1 de Outubro de 2011, que ainda continua em vigor», e que confere ao canal de Joaquim Oliveira um direito de preferência.

As missivas enviadas pela Federação servem de resposta a uma comunicação do FC Porto, na qual a FPB era informada «da proibição da transmissão pela SportTv» do decisivo encontro, adiantou o mesmo responsável. Mais. A Federação sublinhou na missiva enviada para a Administração da SAD portista que «a violação do referido protocolo não deixará de causar prejuízos graves a terceiros, nomeadamente a SportTv» e que o FC Porto «será responsabilizado por todo e qualquer prejuízo» resultante da proibição levantada ao operador de conteúdos desportivos.

Face a esta polémica, dada em primeira mão pela edição em papel de A BOLA de hoje, «a Federação Portuguesa de Basquetebol não se fará representar por nenhum dos seus membros» esta noite, no Dragão Caixa, garantiu, ainda, Mário Saldanha, que se mostra «surpreendido e triste com esta decisão da SAD do FC Porto, quando a FPB sempre mostrou disponibilidade para o diálogo».
in abola.pt


A Federação Portuguesa de Basquetebol (FPB) não enviará esta quarta-feira qualquer responsável ao Dragão Caixa, onde FC Porto e Benfica discutem o título nacional no quinto e último jogo da final do playoff.
A decisão, confirmada à agência Lusa pelo presidente da FPB, Mário Saldanha, foi tomada depois do FC Porto ter informado terça-feira o organismo que não permitia a transmissão televisiva do jogo pela SportTV, como estava estipulado no protocolo assinado entre clube e federação.

Fonte do FC Porto confirmou à Lusa que o jogo decisivo do campeonato, marcado para as 20 e 30, será transmitido pelo Porto Canal, recusando fazer qualquer outro comentário sobre o assunto.

"O Porto Canal não está autorizado pela federação a transmitir o jogo. Esta situação pode ter, e vai ter, consequências", assegurou Mário Saldanha.

Do lado do Benfica, fonte do clube da Luz disse à Lusa ser "inaceitável a entidade que superintende o basquetebol em Portugal não marcar presença no jogo, em vez de punir o FC Porto por esta atitude".

Mário Saldanha reconheceu que eventuais consequências desportivas "só o Conselho de Disciplina apurará", mas que esta decisão do FC Porto "configura no incumprimento do que estava estabelecido e as instalações podem não estar em condições, no seu todo, para acolher o jogo".
"Para não se prejudicar a modalidade, autorizámos que o jogo se faça e que seja homologado. Hoje há campeão!", garantiu Mário Saldanha, acrescentando que o troféu será entregue pelo diretor da prova, Pinto Alberto.
O presidente da FPB insistiu que no protocolo assinado pela SAD do FC Porto, Porto Canal e federação, o direito de transmissão televisiva do jogo de hoje era atribuído à SportTV, o que não irá suceder e poderá implicar pedidos de indemnizações.
"Temos um outro protocolo com a SportTV. Ficamos em incumprimento e a SportTV poderá mover-nos um processo por termos cumprido e lesado os seus anunciantes. Nós também prejudicamos os nossos patrocinadores", admitiu Mário Saldanha.
in record.pt


Que eu saiba, os jogos dos encarnados em casa foram transmitidos pela benfica TV, sem que tivesse havido qualquer objeção por parte da Federação Portuguesa de Basquetebol (FPB).

Por isso, o insignificante Mário Saldanha escusa de fazer ameaças e não precisa de se preocupar com a SportTv, porque estou certo que eventuais problemas serão adequadamente resolvidos pelos senhores Pinto da Costa e Joaquim Oliveira.

De resto, é interessante que tenha sido o jornal semi-oficial do slb - A Bola - a dar a notícia em primeira mão (parece ser também o órgão de comunicação social oficioso da FPB...).

Quanto à transmissão televisiva, vai ser mesmo no Porto Canal e, já que o presidente da FPB amuou e não vem ao Dragão Caixa, pode sintonizar a sua TV no canal 13 da ZON...

Porto Canal em expansão

O Porto Canal estabeleceu um acordo com a operadora angolana ZAP (operadora com a qual a ZON tem uma parceria) e, a partir deste Verão, vai passar a ser visto em Angola e Moçambique.

Em declarações ao semanário Grande Porto, Júlio Magalhães, diretor-geral do Porto Canal, afirmou:

Os PALOP são países estratégicos para o Porto Canal e para o FC Porto. É uma oportunidade para expandir a marca e para levarmos os nossos conteúdos a países onde há cada vez mais adeptos do clube.

(Semanário Grande Porto, 11/05/2012)

Aos poucos, parece que o Porto Canal começa a crescer em audiências e a expandir-se para outros mercados. São sinais animadores.

P.S. Quem não conseguiu arranjar bilhete para o jogo de logo à noite entre dragões e encarnados, que irá decidir o campeão nacional de basquetebol, poderá acompanhar o 5º e último jogo dos play-offs precisamente no Porto Canal, a partir das 20h30.

terça-feira, 22 de maio de 2012

Do Colombo a Munique

9 de Agosto de 2011…

«O árbitro de futebol Pedro Proença foi agredido nesta segunda-feira [09/08/2011] com uma cabeçada no Centro Comercial Colombo, quando se preparava para jantar, depois de terminar o treino de ginásio, tendo sofrido ferimentos na boca e partido dois dentes. “O indivíduo deve ter perdido a cabeça e, do nada, começou a agredir-me. Falou qualquer coisa do Benfica”, explicou ao JN o árbitro internacional. “Tenho dois dentes para renovar”.»
in JN

«“Sócio cativo do Benfica”. Foi assim que Américo, de 32 anos, se apresentou na esquadra da PSP do Colombo, na noite de segunda-feira [09/08/2011], depois de ter dado uma cabeçada ao árbitro Pedro Proença, em plena zona pública do segundo piso do Centro Comercial Colombo (…) Segundo apurou o DN, no último derby da Segunda Circular, a 2 de Março de 2011, o benfiquista Américo foi um dos desordeiros identificados pelo Corpo de Intervenção da PSP.»
in www.dn.pt


2 de Março de 2012…

No terceiro golo do FC Porto, o Maicon estava fora de jogo. Eu no banco vi logo. Se o árbitro assistente não assinalou, não foi porque não viu, foi porque não quis
Jorge Jesus, 02/03/2012


Maio de 2012...

«Proença é o melhor árbitro da melhor geração de árbitros que Portugal já teve. (…) Em Portugal, Pedro Proença é apenas um dos árbitros que dirigentes incompetentes, treinadores fracos e adeptos fanáticos criticam. E, no caso destes últimos, até agridem.
Os adeptos são sobretudo o espelho dos dirigentes. As palavras dos treinadores são as mais ouvidas. Enquanto os responsáveis dos clubes não forem severamente punidos pelas coisas estúpidas e graves que dizem sobre os árbitros, nunca haverá uma competição séria, credível e respeitada. E todos continuarão a ficar muitos surpreendidos por a UEFA ignorar a gritaria no nosso quintal e descobrir um bom árbitro em Portugal.»
Luís Sobral, 13/05/2012
in Maisfutebol


«O internacional português [Pedro Proença] (…) mostrou estar à altura dos acontecimentos, e desmentiu de forma categórica todos os que agoiraram que não corresponderia a um jogo com esta importância. (…) O árbitro é, por norma, o bode expiatório (…). No caso de Proença, a final de Munique e a nomeação para o Euro’2012 só deixa bem claro que os dirigentes portugueses se limitam a encontrar desculpas para os seus próprios erros
Miguel Pedro Vieira, 19/05/2012
in record.pt


No jogo mais importante e mediático do futebol mundial (a nível de clubes), a equipa de arbitragem liderada por Pedro Proença foi, sem dúvida, a melhor das três equipas presentes no Allianz Arena de Munique.
Cometeu erros? Naturalmente, como seria quase inevitável em 120 minutos intensamente disputados entre alemães e ingleses e com o resultado sempre em aberto, mas não me parece que tenha cometido erros clamorosos e muito menos com influência no resultado.
Aliás, é um bom indicador o facto da arbitragem desta final não ter sido objeto de qualquer destaque na imprensa internacional da especialidade e, pelo contrário, a mesma tenha merecido elogios de elementos quer do Bayern, quer do Chelsea, como o próprio Pedro Proença revelou na chegada ao aeroporto de Lisboa.

Imagino, portanto, a desilusão de todos aqueles (e eram muitos) que auguravam uma arbitragem desastrosa, a qual viesse confirmar as suas teses ridículo-conspirativas acerca deste árbitro (só faltou dizerem que a nomeação de Proença para a final da Liga dos Campeões tinha o dedo de Pinto da Costa…).

Significa isto que não há árbitros maus em Portugal? Claro que há, incluindo aqueles que dão sucessivas mostras de apitar sob influência de uma forte paixão clubista (neste aspeto, o destaque vai inteirinho para Bruno Paixão e Duarte Gomes, mas destes dois o slb nunca se queixa…).

Mas então, porque razão é que Pedro Proença se tornou um alvo a abater?
Porque, apesar de ser sócio do slb, está mais preocupado com a sua carreira do que em agradar ao clube do regime. De outro modo, este não teria sido o seu 16.º jogo da Champions e o quinto (!) nesta temporada (arbitrou o Olympiakos-Marselha, o Villarreal-Manchester City e o Lille-Trabzonspor, todos na fase de grupos, e o Inter-Marselha dos oitavos-de-final).

Por tudo isto, e apesar do forte empenho de diversos agentes ligados ao slb, ou ao serviço dos encarnados de Lisboa, não vai ser fácil convencer a UEFA que os árbitros portugueses são todos uma cambada de bandidos e que o bicampeonato ganho pelo FC Porto foi um tributo destes mesmos árbitros.

segunda-feira, 21 de maio de 2012

Caminata e a falta de perspectiva de futuro da nossa formação

O FC Porto sagrou-se campeão de Juniores B mas num dia de celebrações merecidas há sempre o outro lado da moeda. Um dos melhores jogadores da equipa, João Caminata, está previsivelmente a caminho de Londres.

O jogador madeirense que recrutamos ao Marítimo acaba contrato este ano e o seu agente já anunciou ao site inglês The Elastico que no final do ano é muito provável que o jogador assine pelo Chelsea. Renovar-se-ia a ponte área que existe entre os dois clubes - o Chelsea venceu a sua primeira Champions no último sábado com três ex-portistas no plantel - mas desta vez sem a habitual entrada de dinheiro vivo que tem feito dos ingleses um dos nossos melhores parceiros de negócios. Como sucedeu com Nuno Morais, que chegou ao clube no mesmo ano que Mourinho mas onde não teve oportunidades, acabando por actuar no APOEL onde se destacou este ano na Champions, é mais um jogador que decide emigrar antes de sentir o que é vestir a camisola da primeira equipa.


Caminata é uma dessas promessas do nosso sistema de formação que, por um motivo ou outro, nunca chegam à primeira equipa. Ou porque abandonam o clube antes para procurar oportunidades noutras paragens - entre pressões de empresários e promessas não cumpridas pelo clube - ou porque o próprio clube os envolve numa espiral de empréstimos que acabam com a história antes dela mesmo ter começado.

Quem segue o futebol de formação do clube, em especial a equipa treinada por Nuno Capucho que acaba de sagrar-se campeã nacional, diz que este era, claramente, a mais destacada individualidade da equipa. Não é a única promessa da equipa - e o nosso sistema de formação tem gerado bons jogadores que inexplicavelmente desaparecem - mas, como disse Capucho no final do jogo, se não existe por parte do clube a estratégia de lhes dar minutos ao mais alto nível, o mais natural é que os jogadores percam a ilusão e procurem a solução noutras paragens.

O projecto da equipa B na Liga Vitalis podia ter sido um incentivo mais para que estes miúdos de 16, 17 e 18 anos, trabalhem a pensar que terão direito a lutar por um lugar na primeira equipa, em vez de serem emprestados enquanto chegam "contentores" de jogadores estrangeiros que ficam um ou dois anos e depois seguem o seu caminho com pouco lucro para as arcas do clube.

Caminata no Chelsea será um de muitos e talvez nunca chegue a dar o salto e tenha o mesmo destino de Morais. O problema é que o feedback que encontra no FC Porto, ele e tantos outros, não lhe deixa muitas oportunidades de futuro. Numa época onde a situação financeira é preocupante a todos os níveis, o FC Porto deveria apostar de forma mais séria e consciente na sua própria formação. Vencemos títulos para depois deixar escapar as jóias dos dedos e por meia dúzia de tostões.

Gostaria de ver alguns desses miúdos que ontem golearam o Vitória de Guimarães e venceram um titulo sem derrotas na última fase algum dia a vestir a camisola da equipa principal. O problema é que nos últimos anos temos somado vários títulos e depois, na hora de verdade, nenhum jogador passa do estágio de pré-temporada. Nessa situação vivia o Barcelona, como disseram tantas vezes Xavi, Iniesta ou Puyol, antes da chegada de Van Gaal, e agora o clube catalão é um símbolo internacional de aposta na cantera. Talvez mais cedo do que tarde o FC Porto pense em seguir esse caminho e quando os Caminatas do futuro saiam, que seja pela porta grande, com muitos números no livro de cheques e o coração dos adeptos ganho para o resto das suas vidas. Não há muito tempo era assim que o clube trabalhava.



Um golo do outro Mundo



O que é que o melhor ponta-de-lança mundial da atualidade está a fazer no Atletico Madrid?
Os "tubarões" europeus - Chelsea, Real Madrid, Barcelona, ... - estão à espera de quê?

SMS do dia

Vitor Pereira. Roberto Di Matteo. Pedro Emanuel.

André Villas-Boas pode ter sido despedido do Chelsea e não ter tido o melhor ano (apesar de oficialmente ser campeão europeu) mas não há nada como ser adjunto daquele que foi colaborador do Special One.

Todos os três colaboradores do portuense no último ano natural venceram um titulo de prestigio esta época. Liga Sagres, Champions League e Taça de Portugal.

É caso para dizer (maliciosamente) que, para triunfar no futebol, não está nada mal começar como adjunto de AVB.

domingo, 20 de maio de 2012

Porquê?

Por que motivo este ano a final do playoff de basquetebol é à melhor de 3 5?

Por que motivo se marca um jogo que podia ter dado o título à mesma hora da final da Taça de Portugal em futebol?

É assim que querem promover o basquetebol?

Anatomia dos falhados



Alguém se lembra a viagem avermelhada do arraial à humilhação na temporada passada? A “escuridão” de um campeonato? O enxovalho na Taça? Ou até o arrear perante o Braga quando já efusivamente celebravam o embarque para Dublin? Pois é, tudo isso são resquícios de avulsos pensamentos que a imprensa lisboeta muito fez por ignorar e conseguiu limpar da discussão da atualidade.

Durante largos períodos desta época o futebol foi lindo, majestoso e incrivelmente bem jogado. Candeia encarnada que seguia à frente alumiava duas ou mais vezes. Tantas quantas fossem precisas até conseguirem cegar. E com Sá Pinto em território de leão finalmente a obra ficava bem entregue ao seu criador. Nem que o campeonato tenha sido a mesma mediania ou a liga Europa se tenha esfumado perante um qualquer adversário de ocasião.

Sem necessitar de apelos, mesmo no mais aterrador dos cenários, a prestimosa comunicação social da capital nunca se rogou a esforços. Por cada título que caiu um arbitro se cruxificou! E se ao sacrifício não bastou, os papagaios de serviço souberam fazer render o protagonismo não conseguido dentro daquelas quatro linhas onde tudo verdadeiramente se decide.

A vitória da Académica esta tarde. Ou se melhor o dissermos, a derrota do Sporting em Oeiras, é uma ode perfeita aos falhados do futebol português. Aqueles, os que escudam os próprios desaires na influência alheia, na mesquinhes de pensamento e na incapacidade de tributar mérito aos que triunfam.

Parabéns Pedro Emanuel pelo título conquistado. E obrigado Briosa por ajudares a rescrever a anatomia dos falhados!

sábado, 19 de maio de 2012

Quem brinca com fogo...


"A F.C. Porto, Futebol SAD, apresentou ao Presidente do Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol uma "participação disciplinar" contra o Marítimo, pedindo a descida de divisão dos insulares.De acordo com um documento a que a agência Lusa teve acesso, o FC Porto queixa-se à FPF do facto de o clube insular, que terminou o último campeonato da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) no quinto lugar, ter recorrido para os tribunais comuns no "caso Kléber"."
Desde que o FC Porto mostrou interesse em contratar o Kleber que a directiva do Marítimo tem feito de tudo para sujar o bom nome do clube. No final, Djalma e Kléber, como é óbvio, vieram para o FC Porto e ajudaram à conquista do bicampeonato enquanto que o Marítimo, curiosamente, não se safou muito mal sem eles, alcançando o 5º lugar e a consequente participação nas provas da UEFA.

Nesse cenário o lógico seria que Carlos Pereira, o presidente dos madeirenses, se tivesse calado ou, pelo menos, mantivesse uma politica de low profile na gestão de um caso onde, claramente, não tem razão absolutamente nenhuma. Mas não.
A sua filiação encarnada é bem conhecida e a sua postura de ataque constante ao FC Porto faz lembrar e muito o que fez o Vitória de Guimarães há uns anos quando, igualmente por pressões da directiva encarnada, tentaram fazer de tudo para que a UEFA e o senhor Platini expulsassem o FCP das provas europeias. Deram-se mal e, curiosamente, hoje vivem em estado de sitio, não tendo nem dinheiro para se poder inscrever nas provas europeias onde tanto queriam estar naquela época.



Com o Marítimo é a mesma lenga-lenga. Os insulares protestaram, protestaram e protestaram, chamaram de tudo ao jogador, ao agente deste, ao seu verdadeiro clube (o Atlético de Mineiro) e ao FC Porto. Tinham um pré-acordo com o Sporting sobre um jogador que ainda não era deles (o brasileiro estava apenas emprestado) e de repente o interesse do FC Porto, que negociou directamente com os brasileiros, destroçou os seus planos.

Mas essas queixas e insultos não foram apenas tema de entrevistas oportunistas aos jornais. Em Novembro do ano passado, num acto de loucura desportiva, foram apresentar queixa no tribunal comum. Ora se eu acho ridículo que os tribunais desportivos sejam um mundo à parte, o certo é que essa lei imposta pela FIFA às suas federações é para todos. Quando o Gil Vicente se queixou nos tribunais no celebre caso Mateus, o Belenenses encontrou o pretexto perfeito para conseguir na secretaria o que não logrou em campo. O resultado foi a despromoção dos gilistas. O Belenenses não tardou muito em segui-los, mas isso é outra história. É curioso que o presidente do Marítimo já saiu a declarar que não fez mais do que o FC Porto aquando do caso Apito Dourado sem se lembrar que foi Pinto da Costa, e não o clube, quem realmente recorreu da sentença, ganhando o caso. O clube não se imutou e esses seis pontos nunca nos foram devolvidos.

A directiva do FC Porto tomou a decisão certa ao apresentar queixa na FPF contra a atitude insolente e contra as leis do jogo em Portugal tomada pelo Marítimo. Se quiseram jogar com o fogo agora não se queixem de que acabam queimados. Se a lógica desportiva em Portugal fizesse sentido, o Marítimo acabava o ano na Liga Vitalis. Veremos se as influências politicas de Alberto João Jardim e o papel de Fernando Gomes na gestão da Federação (que vai procurar evitar um conflito deste género a todo o custo depois do braço de ferro com a Liga a propósito do alargamento) salvam o pescoço ao presidente do Marítimo. Senão já sabem, o Feirense agradece!


Foi assim - I

Daqui a um bocado começa em Munique a final da L. Campeões e como estas duas palavras trazem grande recordações:

Um Euro sem expectativas de negócio

Todos sabemos que em ano de Europeu os grandes negócios para quem compra fazem-se antes do torneio terminar e para quem vende, depois. À medida que a prova se vai desenvolvendo alguns passes de jogadores sobem ou baixam com a velocidade de um dia de caos em Wall Street.

Está claro que os grandes clubes sabem que jogadores valem o quê e não é uma prova de quatro meses que vai dizer se este é bom ou mau jogador. O problema está nos clubes que vendem e sobretudo nos empresários que procuram as suas comissões e que usam estes torneios como pretexto para fazer mais uns cobres.

Em 2004 lembro-me que o FC Porto já tinha contratado o Seitaridis antes da Grécia se sagrar campeã da Europa, uma jogada que podia ter sido magistral se o lateral tivesse jogado no Dragão tão bem como fez pelos helénicos. Mas muitos se lembram que no final do torneio o Real Madrid, como sempre, já nos queria pagar bem mais por ele do que realmente depois conseguimos sacar ao Atlético de Madrid quando o vendemos.

O FC Porto tem 5 jogadores em prova e nenhum deles, talvez com a excepção de João Moutinho, com o cartel de indispensável para o projecto do próximo ano. Rolando, Varela, Miguel Lopes e Beto são jogadores com os quais a SAD pode procurar fazer encaixe e esta seria uma boa oportunidade para lográ-lo não fosse por dois pequenos problemas: não se prevê que nenhum deles realmente jogue, especialmente se Portugal se ficar pela Fase de Grupos. E porque, está claro, temos actualmente um deficit de jogadores portugueses para inscrever nas provas da UEFA, como se viu este ano, e não interessa muito ao clube desprender-se de jogadores que podem ser úteis a preencher o plantel do próximo ano.

Sendo assim, exceptuando o caso Moutinho, este Europeu serve-nos de muito pouco porque nem o mercado preferencial da SAD é o europeu - como se tem visto nos últimos oito anos - nem nos convém esperar pelo final da prova para contratar ucranianos, polacos, russos, checos, suecos, irlandeses ou croatas com os preços inflacionados (e isso que há por lá muitos jogadores interessantes).



sexta-feira, 18 de maio de 2012

Coldplay no Estádio do Dragão








Coldplay ao Vivo, no Estádio do Dragão. É hoje!