terça-feira, 1 de janeiro de 2013

A Taça da Liga é para quê?


Vítor Pereira surpreendeu, fazendo alinhar de início praticamente todo o onze titular, no jogo de anteontem na Amoreira frente ao Estoril. Numa competição que é tradicionalmente abordada como uma forma de dar minutos aos jogadores menos utilizados, o FC Porto parece empenhado em fazer algo mais. Resta saber se foi uma decisão planeada ou se surge como consequência da eliminação prematura da Taça de Portugal em Braga. Apesar de terem jogado praticamente todos os titulares (a excepção foi Kelvin, pela indisponibilidade de James) a equipa mostrou-se – mais uma vez – lenta e previsível nos seus processos ofensivos. Continua a jogar-se com pouca intensidade no meio campo e com pouca objectividade nas alas, onde Varela continua a demonstrar uma bipolaridade exibicional preocupante e Kelvin está pouco entrosado com a equipa.

Ao intervalo saiu Jackson Martinez. Pelo que foi tornado público o jogador ter-se-á ressentido de uma “mialgia de esforço”. Sem Kléber, que está lesionado e deverá manter-se afastado das opções por um período prolongado, ter um só ponta-de-lança é pouco. E está visto que não funcionam adaptações. O FC Porto precisa de ir ao mercado agora em Janeiro, isto se quiser garantir qualidade no plantel para suprir eventuais ausências do colombiano.

A Taça SLB continua a ser a mesma palhaçada de outros anos. Porque não há edições desta Taça sem brindes, anteontem, o Clube do Regime conseguiu um lisonjeiro empate em Moreira de Cónegos graças um penalty-fantasma marcado depois de mais uma queda teatral de Cardozo. Foi com incidências destas, ao longo dos últimos anos, que a Liga conseguiu entregar 4 troféus ao slb e descredibilizar por completo uma competição que este ano nem sequer conseguiu arranjar um patrocinador. Porque será que não há empresas interessadas em ver o seu nome associado à Taça da Liga?

Seria muito mais interessante não sujeitar o campeonato a quatro paragens em apenas cinco meses, e repor o número de equipas em 18, aumentando o número de jornadas para 34, acabando de vez com a “Farsa” da Liga. Para compensar o slb de sucessos desportivos cessantes, a Liga poderia organizar uma cerimónia de cariz anual, com um jogo de exibição entre o slb e outro clube que pugnasse pela “verdade desportiva”, apitado pelo João ‘pode ser’ Ferreira, sendo no final a Taça entregue ao Clube do Regime. As vantagens são óbvias: seriamos poupados a penalties salvadores para o slb em vários jogos (seriam apenas marcados nesse jogo de exibição) e; devido à sua estrondosa capacidade de captação de massas, o slb venderia os direitos televisivos desse jogo encaixando muitos milhões de euros e lotando o Estádio do Algarve. Seria uma bonita festa, um “hino” ao futebol, uma oportunidade única para juntar nos camarotes VIP personalidades como Devesa Neto, Paulo Paraty, Ricardo Costa, Cunha Leal, Joaquim Evangelista, Maria José Morgado, Bruno Paixão, Querido Manha, Carlos Daniel, Duarte Gomes, Hermínio Loureiro, Laurentino Dias e, claro, Lucílio Baptista.

15 comentários:

Anónimo disse...

Bom dia e bom ano novo para toda a gente em geral em especial para todos os Portistas, muito obrigado pelo exclente artigo, concordo com tudo só falta na lista de ingrumes mais alguns nomes que se prestam bajular o clube dos coisinhos, enfim em frente somos Porto e vamos continuar a ganhar contra tudo e contra todas esses bajuladores.Otimo dia de Ano Novo.

Duarte disse...

"e repor o número de equipas em 18"

O alargamento, para mim, é uma coisa óbvia e urgente há muito tempo e com ele a Taça da Liga deixaria, em princípio, de fazer sentido (pelo menos neste formato).

Amphy disse...

Realmente é estranho, ir a Braga para a taça de Portugal com os suplentes e ir agora ao Estoril para a taça da liga com os titulares, principalmente tendo em conta que este jogo nem era necessário ganhar para seguir em frente. Suponho que se estivéssemos ainda na taça de Portugal, a importância dada a esta taça da liga seria menor. É que ficar fora das duas taças e cair para segundo lugar alimentava e de que maneira o ego dos rivais.

Dito isto, ainda bem que se ganhou o jogo.

Já agora, em relação à notícia que tem circulado nos últimos dias, não sei até que ponto a contratação do Izma será a melhor opção. Sim, estamos carenciados de um médio ofensivo, mas talvez fizesse mais sentido o Quaresma, com a colocação do James no meio, quando preciso. É que um jogador de 30 anos, com problemas físicos crónicos não me parece que vá envelhecer da melhor forma. Ainda por cima com um contrato de 3 anos e meio, sabe-se lá a que preço. Repetição do caso Rodriguez? Pelo contrário, devido à grande técnica que tem, e caso tivesse motivação, considero que o Quaresma seria muito interessante durante vários anos, mesmo com menor velocidade. O salário pode ser um problema mas talvez fosse encarado de melhor forma pelo resto do grupo.

Ainda por cima, vamos lá a ver que jogadores se dão em troca. Pode ajudar a despachar alguns pesos mortos do clube, mas espero que não mais que isso.

Amphy disse...

Corrijo:

Ainda bem que não se perdeu o jogo.

miguel_canada disse...

A taça da liga foi criada com o objectivo único de permitir ao benfas ganhar pelo menos um troféu por ano. Esta verdade é indesmentível e intocável pelo que ver o FCPorto a fazer um esforço para retirar o que for desta competição irrita-me profundamente. Eu entendo este súbito interesse pela taça da bejeca que funciona agora como um balsamo para fazer esquecer a taça de Portugal mas insisto.... não vale a pena.

José Correia disse...

Vítor Pereira surpreendeu, fazendo alinhar de início praticamente todo o onze titular, no jogo de anteontem na Amoreira frente ao Estoril. Numa competição que é tradicionalmente abordada como uma forma de dar minutos aos jogadores menos utilizados, o FC Porto parece empenhado em fazer algo mais.

A Taça da Liga continua a servir para aquilo que sempre serviu: gestão do plantel.

Há ocasiões onde esta gestão do plantel passa por dar minutos aos jogadores menos utilizados e há outras, como foi o caso dos últimos dois jogos, onde é importante dar minutos e ritmo de jogo aos habituais titulares (devido ao adiamento do V. Setúbal x FC Porto, às férias de Natal e às 3 semanas de paragem do Campeonato).

Manuel disse...

Ok, o Benfica jogou mal mas, porra!, os 2 penalties foram claros! Ao menos sejam honestos! Toda a gente está de acordo nesse ponto.



José Correia disse...

E, devido à próxima ausência do Atsu na CAN, este jogo no Estoril também serviu para testar o Kelvin a titular, integrado no onze principal.
Os resultados ficaram à vista de todos.

José Correia disse...

E ainda...
... também serviu para que os adeptos portistas e, principalmente a Administração da SAD, visse o que é (será) o FC Porto se tiver de jogar com o Varela a ponta-de-lança, devido à falta de alternativas para o Jackson Martinez.

José Correia disse...

Em resumo, penso que este Estoril x FC Porto para a Taça da Liga foi muito útil.

Joao Goncalves disse...

Completamente em desacordo com o alargamento... Seria a pior medida do futebol português.

Aliás... uma redução é urgente, pois a 1ª divisão já é patética e o numero de atletas com ordenados em atraso então tornam as coisas irracionais.

Deveríamos urgentemente rever o numero de equipas para 10 ou 12... e meter a 2 mãos subindo para 44 jogos por ano e acabava-se (ou reetruturava-se) a Taça da liga.

Os clubes precisam é de jogar, pois os jogadores no final do mes recebem os seus ordenados na mesma e se o clube não joga não tem receitas e é sempre a descer.

A melhor maneira de reduzir o passivo é haver mais jogos para gerar mais receitas seja pelo publico, seja por transmissões televisivas.

Em resumo, e para diminuir as dificuldades dos clubes portugueses, cada mês deveriam jogar 6 vezes, sendo que as equipas nas competições Europeias subiriam esse numero para 8 vezes.

Os jogadores são pagos para jogar e é nisso que se tem que concentrar.

Em relação à Taça da Liga, esta estrutura deveria ser banida de imediato.

Passando a uma 1ª Eliminatória a 2 mãos para as equipas da Segunda Liga e de seguida entrar a metade inferior da tabela da 1ª liga do ano anterior, seguindo-se as restantes equipas da 1ª Divisão.

Isto tudo sempre em eliminatórias de duas mãos para gerar mais receitas.

Está na hora de parar de se olhar para o futebol como se olhasse-mos para prima-donas.

Futebol é um negócio, onde os seus executantes são pagos a peso de ouro para jogarem e uma equipa ter 60 jogos por ano deveria ser normal... Para isso é que um plantel tem 23/26 jogadores + equipa B.

É preciso rentabilizar o dinheiro que se paga pelos jogadores e rentabiliza-se a mete-los a jogar e não a treinar.

Joao Goncalves disse...

Completamente em desacordo com o alargamento... Seria a pior medida do futebol português.

Aliás... uma redução é urgente, pois a 1ª divisão já é patética e o numero de atletas com ordenados em atraso então tornam as coisas irracionais.

Deveríamos urgentemente rever o numero de equipas para 10 ou 12... e meter a 2 mãos subindo para 44 jogos por ano e acabava-se (ou reetruturava-se) a Taça da liga.

Os clubes precisam é de jogar, pois os jogadores no final do mes recebem os seus ordenados na mesma e se o clube não joga não tem receitas e é sempre a descer.

A melhor maneira de reduzir o passivo é haver mais jogos para gerar mais receitas seja pelo publico, seja por transmissões televisivas.

Em resumo, e para diminuir as dificuldades dos clubes portugueses, cada mês deveriam jogar 6 vezes, sendo que as equipas nas competições Europeias subiriam esse numero para 8 vezes.

Os jogadores são pagos para jogar e é nisso que se tem que concentrar.

Em relação à Taça da Liga, esta estrutura deveria ser banida de imediato.

Passando a uma 1ª Eliminatória a 2 mãos para as equipas da Segunda Liga e de seguida entrar a metade inferior da tabela da 1ª liga do ano anterior, seguindo-se as restantes equipas da 1ª Divisão.

Isto tudo sempre em eliminatórias de duas mãos para gerar mais receitas.

Está na hora de parar de se olhar para o futebol como se olhasse-mos para prima-donas.

Futebol é um negócio, onde os seus executantes são pagos a peso de ouro para jogarem e uma equipa ter 60 jogos por ano deveria ser normal... Para isso é que um plantel tem 23/26 jogadores + equipa B.

É preciso rentabilizar o dinheiro que se paga pelos jogadores e rentabiliza-se a mete-los a jogar e não a treinar.

Anónimo disse...

Nunca concordei e vou continuar a não concordar com esta atitude que muitos portistas demonstram ter que é ignorar a taça da liga e minimizar quem a ganha. a taça da liga serve para ganhar, ainda por cima é bem incentivada em termos financeiros. até sinto vergonha alheia quando vejo os típicos comentários a dizer que é uma taça para o benfica ganhar alguma coisa. se o benfica tem ganho é porque tem sido mais competente. a mentalidade portista não se deve dar a este luxo. o porto deve lutar para vencer tudo, seja taças velhas, taças novas, taças da amizade, tudo.

Juca

Nelson disse...

Uma reflexão sobre a Taça da Liga, mais conhecida como o nado-morto do futebol português: http://umlugarcativo.wordpress.com/2013/01/02/numeros-de-uma-morte-anunciada/

Sérgio Mayor de Andrade disse...

Nunca comemorarei uma eventual vitória do FCP no Urino...perdão, "taça" da liga!
Proponho, aliás que se funda essa taça com o Copo Eusébio...
No entanto, Nuno, tenho de reclamar.
Esqueceste-te de incluir na tribuna ICC O Leonor Pinhão...