sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

Os enigmas de Rui Moreira

Para muitos adeptos portistas, o nome de Rui Moreira oferece um consenso pouco habitual fora da estrutura actual da SAD, quando se trata de falar da sucessão do maior presidente desportivo da história do futebol, a par de Santiago Bernabeu. O que leva que um sector de sócios do FC Porto pense que este empresário da Invicta é o homem certo para suceder a Pinto da Costa na cadeira de sonho do Dragão?

Rui Moreira tem a seu favor três elementos que quase sempre se procuram e poucas vezes se encontram em potenciais candidatos. É um homem da cidade e do clube desde sempre, seguidor confesso, adepto de bancada e sem medo de dizer publicamente o que pensa sobre a gestão do clube. É também uma figura pública, não tanto pelo seu trabalho ao serviço da Associação Comercial do Porto, mas pelo seu papel de cronista e convidado de programas televisivos para representar a facção azul e branca. Dele disse Pinto da Costa, quando em 2010 lhe entregou o Dragão de Ouro ao Sócio do Ano que "com a sua inteligência esteve lá a defender o FC Porto, mas não como um simples recadeiro, sem receber mensagens no telefone a meio do programa de outros, tendo mostrado a dignidade de dizer basta ao fartar vilanagem".

Educado, correcto mas directo, a sua postura, principalmente quando abandonou o programa da RTP Trio de Ataque, valeu-lhe o apoio de muitos sectores entre os adeptos, cientes que o sucessor de Pinto da Costa não pode ter medo de mandar as farpas necessárias para manter os rivais na ordem.
É, também, uma das poucas figuras consensuais de um Norte perdido de referentes públicos. A sua postura de defesa da autonomia do porto de Leixões, do aeroporto Sá Carneiro e o seu posicionamento favorável à regionalização vem de encontro com a massa adepta mais tradicional que vê no clube um reflexo da cidade do Porto e, por extensão, da região norte.



Mas o seu nome gera também muitas dúvidas. Sobretudo porque nunca escondeu a sua ambição política.
Nestas últimas semanas o seu nome voltou à baila com força, por motivo das eleições autárquicas deste ano. Politicamente conservador, associado historicamente ao CDS, Moreira sonha tanto com a cadeira de presidente do FC Porto como com a da Câmara Municipal da cidade. Durante os anos de gestão de Rui Rio foi sempre falado como um opositor capaz de reunir à sua volta toda a oposição mas acabou por desmarcar-se de todas as corridas, ciente que o apoio esmagador da direita valeria ao presidente em funções a renovação no cargo. Mas Luís Filipe Menezes, o candidato da coligação PSD-CDS, gera muitas dúvidas aos portuenses e há uma vazio político, que uma candidatura aparentemente independente, mas com muitos apoios partidários, pode explorar. Moreira sabe-o, conhece a sua popularidade e pode ser tentado a avançar. Se vencer, seguramente será presidente da autarquia entre quatro a oito anos, o que o invalidaria como candidato à presidência do clube. E se perde?
Bem, ninguém gosta de votar em candidatos perdedores. Uma derrota nas urnas, especialmente se for clara,  pode ferir para sempre a sua imagem junto do associado portista e inviabilizar qualquer ideia de sucessão a Pinto da Costa.

Rui Moreira é também cronista no jornal A Bola. Para muitos sócios e adeptos portistas, isso não deixa de ser um sacrilégio, como Miguel Sousa Tavares bem sabe, e mesmo que o seu discurso seja previsivelmente o da defesa do clube num jornal de prestigio, a verdade é que poucos podem entender essa parceria a não ser da perspectiva do mais básico populismo mediático. Um populismo que funciona bem em modelos como o do Benfica mas que encontrará seguramente uma resistência tenaz no "tribunal" portista.

E afinal, Rui Moreira é um gestor de futebol reconhecido?
Foi membro do Conselho Consultivo do FC Porto mas não se lhe conhece nenhum acto de gestão interno que tenha saído de uma proposta sua. Escreve e fala fluentemente sobre futebol mas nunca mostrando um nível de conhecimento de gestão desportiva superior a muitos outros cronistas azuis e brancos. É um empresário de sucesso, sem dúvida, e o seu papel como presidente da ACP recebeu sempre bastantes elogios, mas não é o mesmo mexer-se no mundo empresarial tradicional do que no universo e no submundo futebolístico  onde é preciso sujar as mãos muito mais vezes do que se quer. Rui Moreira seria um candidato interessante com uma equipa de gestores de futebol atrás de provas dadas. Poderia ser capaz de unir à sua volta os mais acérrimos nortenhos (aqueles que querem que o Olhanense perca com o Gil Vicente só por ser do Sul) e alguns dos pintistas confessos, mas será capaz de o fazer sozinho?

E no fim de contas, não parece que esse sonho de consagração política como símbolo unificador das distintas sensibilidades nortenhas, a través de um cargo no panorama regional, uma velha memória do antecessor de Pinto da Costa, o também homem forte do CDS no Porto, Américo de Sá, de quem José Maria Pedroto disse um dia que queria entrar na Assembleia da República (onde era, precisamente, deputado eleito pelo Porto) com a cabeça de Pinto da Costa numa bandeja para acalmar os centristas? Será Rui Moreira um presidente capaz de se comprometer a 100% com o futuro do clube, como muitos esperam, ou haverá sempre um canto da sereia ao virar da esquina para uma das grandes figuras presentes da Invicta?


Outros artigos nesta série: 
A Sucessão: O Bibota

25 comentários:

Sansoni7 disse...

Olá
Estou certo que Rui Moreira será capaz de reunir uma equipa coesa e profissional para gerir o FCPorto e os seus destinos, mantendo-o na senda das vitórias.

Não estou certo que o prefira fazer, em detrimento de uma candidatura à Câmara do Porto.

Caberá aos portistas, se assim o entenderem, tentar convencê-lo de que o FCPorto deverá «falar» mais alto, na altura de fazer as suas opções.

Um abraço para Rui Moreira....e que não desista de lutar....

José Rodrigues disse...

Se RM se candidatar à CMP e perder, as suas hipóteses numa eleição no FCP baixam a pique, mas nao é por os portistas nao gostarem de perdedores: mas sim por o FCP ser para ele uma 2a prioridade, uma escolha de "recurso".

HULK 11M disse...

Rui Moreira sempre recusou candidatar-se à CMP, concorendo com Rui Rio. Agora que Rio não pode candidatar-se, ei-lo disposto a disputar a candidatura à CMP contra Meneses, juntando-se assim, novamente a Rui Rio, agora na sua cruzada contra o colega de partido. Rio sempre ostilizou o FCP. Meneses sempre foi um aliado do FCP. De que lado está Moreira? Ao lado de Rio... sempre!
Rui Moreira, apesar de portista, jamais levará o meu voto, seja na CMP seja no FCP

Hélder disse...

Não é de agora, mas de há uns anos a esta parte, que venho dizendo, que Rui Moreira, será o sucessor natural de Jorge Nuno Pinto da Costa.

Sansoni7 disse...

Olá
Não sei se Rui Moreira estará assim tão perto de Rui Rio....

Cumprs
Augusto

reine margot disse...

Pois, mas não era sobre isto, amigo incrível, que o texto falava...
E, já agora pergunto-lhe: Se Menezes que é sportinguista convicto e Rui Moreira que é portista dos sete costados, se candidatarem à Câmara, para qual penderá o apoio de Pinto da Costa ????

Franco Baresi disse...

Um facto para reflexão (como não podia deixar de ser): Nos blogs benfiquistas há um inusitado interesse pela hipotética candidatura de RM à CMP.
Pelos motivos expostos pelos anteriores comentadores a este post, uma candidatura à CMP tornar-se-á uma "no win situation" no que toca à sua sucessão a PdC.
Nos anteriormente mencionados blogs, sente-se que estão a torcer para que RM seja candidato à CMP. Pressentirão eles o perigo se RM se tornar sucessor de PdC?

Costa disse...

Credo !!
Deus nos livre...

Mário Faria disse...

O Alexandre abriu o debate sobre A Sucessão : o fim de um tabu. É um tema interessante que foi bem acolhido e que gerou salutar controvérsia. Ao tema foi acrescido uma série outros artigos sobre possíveis candidatos, em que pode caber quase todas as personalidades que quisermos do universo portista ou até outros : por razão de mérito ou por se aceitar que, embora servindo terceiros, são homens das casa.
Nada tenho contra o exercício e ele viverá sempre que os autores do RP o quiserem. Porém, não penso que o tabu da sucessão de PdC seja dada como finito pela sua simples proclamação, pois o que se anuncia é mais “uma vontade legítima e independente” de um grupo que gosta de pensar sobre o clube que “um facto real”. De facto, o nosso presidente tem gerido o clube segundo a sua agenda, praticamente sem oposição e nem sequer sabemos se vai ser mesmo candidato nas próximas eleições e quanto tempo ainda vai ficar. O que sabemos é que vai ficar enquanto quiser ou puder. A decisão partirá em função dele, por vontade dele ou por incapacidade dele. Ou seja : sempre “ele” como dominante do timing e do modo da sua sucessão. Ou seja : o tabu só “morre” quando PdC resolver deixar o FCP e tal facto for dado como consumado.

José Rodrigues disse...

Naturalmente esta discussão ainda vai ter umas quantas iterações. Mas nao vejo qualquer inconveniente discutir isto com eventuais anos de antecedência, a discussão com antecedência nao traz nenhum mal ao mundo, bem pelo contrario.

Miguel Lourenço Pereira disse...

Sansoni,

Eu sou dos que acredita que RM quer mais ser presidente da CMP do que do FCP, mas isso não invalida que acabe por ser um bom presidente se as condições não se reunirem para atacar a CMP!

Andre Correia disse...

La foi a taca da liga nao ha artigos que nos safam enfim o VP faz merda na taca de portugal a meter os putos o nosso diretor desportivo nao sabe os regulamentos e tbm faz merda na taca da liga ..... enfim palhacada autentica....o benfica agradece mais 2 exitos

Diogo disse...

Antes de mais, parabéns pela excelente série de artigos.
Quanto ao Rui Moreira, lembro-me de uma entrevista de Pinto da Costa ao expresso á cerca de 2 anos, em que PDC afirmava que via mais Rui Moreira como presidente da Câmara do Porto, quando confrontado com a questão da sucessão..
Considero que RM pode apresentar uma candidatura vencedora em qualquer das frentes. Ao contrário do que o artigo diz, o CDS não apoia o Menezes, e poderá muito bem apoiar RM, sempre na base da uma candidatura independente.
Saudações portistas


Miguel Lourenço Pereira disse...

Zé,

Acho que todos sabem que o RM tem mais interesse na CMP do que no FCP, mas se avançar e não houver uma forte oposição, não é por isso que irá perder.

Anónimo disse...

Reine, quando Felipe Menezes apresentou a intenção de se candidatar á CMP foi publico e notório o apoio de Pinto da Costa.

Anónimo disse...

Franco, na minha opinião o sentimento não é o "perigo" de RM se tornar presidente do FCP, mas sim que Menezes se torne presidente CMP.

Silva Pereira disse...

Boa tarde,
Excelente...
Nada acrescentar.
RM faz-me lembrar no provérbio," é como os melões só depois abertos é que se vê a qualidade"...
Espero que JNPC faça pelo menos mais um mandato dando tempo a muitas destas dúvidas ficarem esclarecidas.
Quem viu ontem (em diferido para não contar) aqueles energúmenos (exceto o prof. JMV) a vomitar verborreia (só sai merda daquelas cabeças) dos ditos vermelhos tripeiros liderados por Delgado e VS que se fazia de inocente adepto do Belenenses percebeu que quanto é importante este campeonato.
Os ataques ao FCP foram o de sempre e quando se vê aqueles 2 advogados e um deles até politico, confirma a minha ideia sobre essas espécimes.
Por isso é que não compreendo que o Rui Moreira alinhe com aquele pasquim.
Saudações portistas

Anónimo disse...

Este artigo do Miguel demonstra bem que o futuro de Rui Moreira está interligado com a sua vida e ambições politicas. Na minha opinião este é o seu principal handicap para se candidatar a uma futura presidência do clube. É sempre um exercicio de equilibrio tentar agradar a uns e a outros dentro e fora do circulo politico. Para ter sucesso numa ou outra area tem que ser livre de pensar e actuar num só sentido e não estar refém nem dependente de terceiros.
Vide o exemplo de Rui Rio goste-se ou não dele como presidente da CMP, ele, nunca se dobrou a nada nem a ninguém e pelos vistos a maioria dos Portuenses gostou dessa sua atitude, pois só assim compreende como ele foi sucessivamente eleito para presidente da CMP, mesmo com Pinto da Costa em polo contrário e que nunca deixou de o demonstrar publicamente o seu antagonismo a RR.

Felisberto Antonio Oliveira Costa disse...

Mais uma vez digo, redigo e tridigo, que uma leve insinuação de Pinto da Costa sobre o seu sucessor será esse o homem que pegará no leme do nosso clube.
Mas voltando á vaca fria, Rui Moreira, em pessoa, é um dos que me agradariam a presidente do FC PORTO. Vai ao Dragão (e regressa a casa) com a familia... de metro ( não vai de Mercedes nem BMW!!!!), não é peneirento nem anti-social, e tem perfeita noção do dia-a-dia dos portugueses!!!! Não o conheço pessoalmente mas vejo-o muitas vezes no metro aquando dos jogos no Dragão, e lá vai ele ensanduichado no meio da maralha sem perder a compostura!!!!
Mas, e aqui está um grand MAS... ouvi uma mosca que me disse que PC prefere para presidente, nada mais, nada menos que... Alexandre Pinto da Costa, seu filho!!!!!!!

Anónimo disse...

Rui Moreira faz-me lembrar o presidente que antecedeu PC, e que levou este a candidatar-se. As razões eram óbvias. Hoje, serão do conhecimento de alguns, mas de outros nem tanto.
O FCP não pode ser o cavalo de Tróia de ninguém. Além disso, o que aqui se expressa é uma opinião, não formatada. Apenas uma reflexão sem factos.

E Rui Moreira não tem perfil para um clube com as solicitações do FCP

Daniel Gonçalves disse...

Tenho algumas reticências sobre possíveis candidatos à Presidência do FC Porto que tenham passado pelas sedes partidárias ou pelos corredores do clientelismo político, no panorama nacional. Adquirem-se vícios e atitudes que podem condicionar uma presidência de clube desportivo. Alguns indivíduos podem passar pela vida política e terem sido imunes ao lado perverso dos corredores políticos, mas são casos raros. O facto de Rui Moreira ser independente e ter sido convidado – portanto a iniciativa veio do partido não foi ele a "pedir" apoio – a ser candidato à CMP, pode significar menos dependência do poder político e que não se tornará um cacique ou um submisso às ordens partidárias.
Quando falo num lado perverso da política português que pode influenciar um Presidente do clube – quando este foi um ex-político – falo em relações de vassalagem que condicionam a sua posterior actuação, por exemplo ser pressionado por antigos "favores" que ficaram por liquidar e que podem colocar os interesses do clube em lugar secundário face às pressões que se sofrem ou para não afrontar certos poderes instalados, ou ainda para não ferir antigos colegas da política. Também pode acontecer de a actuação desse Presidente, e portanto do clube, não se sentir totalmente à vontade ou sentir-se circunscrita, devido aos factores que mencionei, para se manobrar nos tabuleiros estratégicos ou nos diversos contextos (desportivos, sociais, económicos, políticos, culturais) institucionais, que são necessários para singrar e solidificar o poderio do FC Porto.

Considero preferível um candidato que, sem desprezar a vida partidária ou os políticos, mantenha uma certa distância estratégica e encare com verticalidade, autonomia e independência as personagens políticas nacionais, mas que se sinta à vontade para, se tal for necessário ou quando o clube for desrespeitado pelas instituições políticas, afrontar os poderes instalados. Esta distância estratégica de que falo não significa alheamento ou ignorância do que se passa nos corredores do poder, mas sim não se ser influenciado ou manobrado pela política. Se o Presidente do FC Porto for encarado pelos políticos como um “antigo colega” das lides do poder, podem-se sentir-se tentados a condicionar ou determinar esse mesmo Presidente e, portanto, o rumo do Clube.

JOSE LIMA disse...

Caro Felisberto Costa
O Alexandre?!? Já fez alguma coisa na vida? Não. O homem percebe de futebol? Não. É accionista? Não, só se for por herança. Tem alguma empatia com os sócios do Clube? Não. É gestor? Não. Esteve dezenas de anos incompatibilizado com o Pai? Sim.
Presidente do Futebol Clube do Porto só como anedota…
Cumprimentos

Anónimo disse...

Caro José Lima
O Alexandre já fez alguma coisa na vida? Já foi sócio do José Veiga quando este mamava á conta do FCP e mais recentemente com o Araújo. É verdade que nada percebe de futebol, mas é filho do presidente. É accionista? Como não o são a maioria dos elementos desta direcção. Não tem empáfia, nem é gestor, no último ponto tem a quem sair. Mas agora já não está incompatibilizado com o pai, tudo aconteceu com um dado momento conturbado da vida do pai, que o levou a reatar relações com o filho e a casar com a mãe da Joana, Silêncio acordado e justiça feita, logo veio o divórcio e com ele a alegria tropical.
Alex para presidente! Porque não. Basta olhar ao curriculum vitae e para o certificado das habilitações literárias do Vice e nada é impossível.

Sansoni7 disse...

Olá
Temo que Rui Moreira tenha contas antigas a saldar, o que eventuamente poderá fazer com que prefira ser Presidente da CMP a Presidente do FCP.
Vamos ver o que o Futuro nos reserva...
Cumprs
Auusto

Anónimo disse...

Continuo à espera do artigo sobre o potencial candidato António Salvador... :-)