quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Os nervos do Iturbe

"O Iturbe está com uma crise nervosa. É um menino. Há um ano e meio que estão a castigá-lo. Dizem-lhe para encontrar clube, ele encontra-o e agora dizem-lhe que não"
Augusto Paraja, agente do Iturbe à RR


Alguém decidiu chamar a Iturbe o "novo Messi".
A partir de aí, era previsível que algo assim fosse acontecer. O futebol está cheio de espertinhos que tentam ser os primeiros a adivinhar o futuro e catalogam de "novo x" todos os jogadores que vê. Algum dia irão acertar, mas pelo caminho deixam uma lista de erros grosseiros. No fundo é como o Pelé e as tentativas de adivinhar quem vai ganhar o próximo Mundial.

O Iturbe nunca iria ser o novo Messi porque, em primeiro lugar, nem sequer tem o mesmo estilo de jogo, nem se move da mesma forma e, claro, está mais perto da cultura potrera de um Di Maria do que do estilo de jogo enraizado na escola centro-europeu que os alunos da Masia aprendem de memória desde cedo. No fundo, Iturbe nem sequer é um produto argentino. Nasceu em Buenos Aires mas aos três anos já vivia no Paraguai (de onde são ambos os pais da criatura) e chegou a representar as selecções jovens paraguaias antes de decidir que lhe dava mais jeito ter um passaporte argentino. Foi no Cerro Porteño, um clube de nível paraguaio, e não na liga argentina que começou a chamar a atenção. Quem segue os campeonatos sul-americanos sabe que a liga paraguaia não pertence sequer ao top 6 do continente. Brilhar aí, com golos e assistências, é bem diferente do que crescer no clima de loucura e euforia do River Plate ou Buenos Aires, por exemplo.



Mas com esse rótulo chegou Iturbe. Os que se lembram dos dias em que nasciam "novos Maradonas" todos os anos (os Aimar, Saviola, Riquelme, Claudio Lopez até que lá apareceu o "tal", Messi) já desconfiavam do título. Porque sejamos sinceros, dos vários jogadores sul-americanos que chegaram ao clube nos últimos anos, nenhum podia gerar tantas dúvidas como ele. Já não falo dos erros de casting que foram Bolatti, Mareque, Farias e companhia. Tanto James, como Falcao, Lisandro, Anderson e Lucho eram figuras mundialmente conhecidas com provas dadas ao mais alto nível. E nenhum deles aterrou com esse rótulo no Dragão. Nem gerando tanta expectativa. Iturbe chegou com o rei na barriga e desde sempre pareceu claro que gostaria realmente de encarnar no papel. Com eles os problemas não são novidade. Quando começou a sentir-se estrela, exigiu uma brutal melhoria de contrato com o Cerro. Ao dizerem-lhe que não, abandonou o clube, viajou para a Argentina e tentou assinar pelo modesto Quilmes, mas as autoridades desportivas não lhe permitiram mudar de clube contra a vontade dos paraguaios e foi lá onde o FC Porto o foi buscar.

Agora que ser uma estrela no River Plate, por empréstimo. O agente do jogador diz que foi tratado abaixo de cão no Porto, que foi desprezado pelo técnico, que lhe fizeram saber que não ia jogar se não mudava de atitude e que agora não o deixam assinar pelo River Plate porque o FC Porto quer que um determinado empresário trate do negócio. E claro, Iturbe não quer regressar porque sabe que aqui teria de trabalhar mais e descansar menos, suar mais a camisola e entregar-se menos ao empresário que continua a insistir que estamos perante a nova maravilha do futebol mundial.

A mim, Iturbe, é o típico jogador que não me interessa em absoluto.
Além de ser tecnicamente um puzzle, com esse talento para o drible e a finta típica dos sul-americanos mas que depois gera um impacto nulo no jogo colectivo, tem claramente o perfil de futebolista problemático. Faz-me lembrar, salvas as devidas diferenças, Carlos Tevez e todo o seu historial de problemas, birras e discussões. Um adepto - e um dirigente - valoriza muito mais o perfil de um Christian Atsu, que veio do nada e trabalha, pouco a pouco para ser um jogador importante, do que essa divindade auto-imposta pelo argentino/paraguaio e o seu séquito de seguidores.

Iturbe tem mercado. Não muito, mas tem. Voltou a desiludir todos os que seguiram o Campeonato Sul-americano de sub-20, onde foi um fantasma do jogador que alguns diziam que podia vir a ser. Mas há clubes europeus e sul-americanos que não se importariam de o reciclar. Foi um activo relativamente caro para o que ofereceu mas que, pelo menos, se pode tentar conseguir de certa forma um reembolso do investimento. Mas terá de ser algo rápido e bem pensado, porque o resto do Mundo lê jornais, vê jogos pela televisão, tem olheiros e algum dia se darão conta que o "novo Messi" paraguaio/argentino não é mais do que um jogo de adivinhas que correu mal.


35 comentários:

Anónimo disse...

"Além de ser tecnicamente um puzzle"

É este tipo de vícios de escrita que torna as suas crónias do pior que há neste blog. Porque é que não se deixa de metáforas sem sentido e escreve com lógica. Você é o Iturbe da escrita, pode fazer uma crónica/jogada simples e eficaz mas prefere perder-se em rodriguinhos sem sentido e deitar tudo a perder.

Anónimo disse...

Boa análise. mas não concordo em algumas coisas. o Anderson quando chegou ao Porto gerou ainda mais expectativa que o iturbe e vinha rotulado de novo ronaldinho gaucho. e não desiludiu. Pelo menos enquanto jogou no porto deu a sensação que ele poderia vir a ser um jogador top mundial. Penso que as lesões e Alex Fergusson o estragaram.
O tipo de jogador que dizem que iturbe é faz falta. faz os adeptos sonhar e nem imaginam o quanto depende as receitas de bilheteira de ter jogadores no plantel. Como foram os casos de Quaresma, Deco e o próprio Anderson. Agora, o que parece de facto, é que o Iturbe é pouco inteligente a jogar e não aproveita as suas potencialidades, para além de não ter aprendido nada no tempo em que cá esteve.

Juca

Delindro disse...

Depois das declarações dele e do empresário vinha para cá treinar, treinar e treinar até ao fim do contrato. Relembrando-lhe claro que os treinos eram das 6h às 7h no Olival e sem direito a banho. Quando percebesse que aqui NÃO são os jogadores que mandam e se decidisse a pedir desculpas poderia se assim o entendesse quem manda no clube, estrutura directiva, voltar a ter oportunidade de envergar o manto sagrado.

Carlos Santos disse...

"Tanto James, como Falcao, Lisandro, Anderson e Lucho eram figuras mundialmente conhecidas com provas dadas ao mais alto nível."

Não poderia discordar mais desta frase. Aliás, se isto fosse verdade, é óbvio que eles não tinham vindo parar ao Porto, mas antes ao Chelsea, Barcelona, Real Madrid, etc.

Eu sei o que o Miguel vai dizer, que os tubarões não costumam ir buscar este tipo de jogadores "à origem". Pois bem e sabe porque é que não? Porque eles obviamente não tinham "provas dadas ao mais alto nível" como você o afirma.

Miguel Lourenço Pereira disse...

Caro Anónimo,

Lamento, mas nem Cristo agradou a todos!

Miguel Lourenço Pereira disse...

Juca,

A expectativa do Anderson era proporcional ao que ele já tinha conseguido como jogador. Ao contrário do Iturbe, o brasileiro tinha já atrás de si mais de meia Europa e com motivos, tinha realizado um arranque de carreira profissional como o Grémio não via, precisamente desde os dias de Ronaldinho, e se não fossem as lesões e a insistência de Ferguson em mudá-lo de posição, podia ter sido muito mais!

Miguel Lourenço Pereira disse...

Delindro,

Se tivesse custado 100 mil euros e não o conseguisse vender por mais do que isso, era o que merecia. Mas de um investimento à volta do milhão de euros espero que a SAD consiga, pelo menos, um retorno similar ao que se gastou porque, de momento, o menino ainda tem algum mercado!

Miguel Lourenço Pereira disse...

Carlos,

Defina ao mais alto nível? É só ganhar a Champions e disputar um Mundial?
O futebol é algo muito maior e mais complexo do que isso. Os grandes compram dois tipos de jogadores: nomes consagrados com anos de carreira ou promessas que os clubes de origem vendem a partir dos 15 milhões de euros e que os clubes médios, como o FC Porto, não se atrevem a comprar.

O Lisandro, o Lucho, o Falcao e o James tinham sido estrelas da liga da Argentina. Não é fácil, não é para todos e na imprensa europeia eram nomes muito conhecidos. O James brilhou com o Banfield, uma equipa pequena que ajudou a ganhar o primeiro título da história. O Lucho e o Lisandro eram jogadores de primeiro nível dentro da Argentina e o Falcao um goleador de provas dadas no River. Todos tinham mercado na Europa mas o FC Porto antecipou-se, a clubes como a Roma, o Palermo, o Napoli, o Lyon, que por sua vez foram buscar outros jogadores do mesmo perfil. Hoje são esses os jogadores que valem os 30 milhões no mercado, e valem-no porque tinham provas dadas na altura e as confirmaram na Europa.

O Anderson era um caso distinto, uma das muitas promessas do futebol brasileiro que, como o Diego ou o Robinho, tinha tudo para se transformar numa estrela mundial mas não conseguiu. Mas era o líder da selecção sub-20 brasileira, como foi depois o Neymar. Isso também é ter provas dadas ao mais alto nível, dentro da sua faixa etária ;-)!

Costa disse...

"...nem imaginam o quanto depende as receitas de bilheteira de ter jogadores no plantel como foram os casos de Quaresma, Deco e o próprio Anderson"

Talvez para aumentar as receitas de bilheteira faça mais falta haver dinheiro para comprar bilhetes, do que ter 11 Messis a jogar na equipa.

A não ser...
Que se tire (o pouco) dinheiro, das coisas essênciais para comprar bilhetes de futebol.

Convém ter noção da nossa realidade, sff...

Carlos Santos disse...

A questão é que você fala "à posteriori" caro Miguel, se as coisas fossem assim tão claras como você descreve, certamente os tubarões não teriam receio em comprar James e Falcões só porque custam menos de 15 milhões!

Apesar de tudo, foram apostas DE RISCO da SAD que correram muito bem e deram (podem vir a dar) retorno financeiro. Não me parece que fosse tão liquido que eles iam brilhar aqui como você quer fazer crer...

Anónimo disse...

De acordo com o que se escreve de Iturbe. Em total desacordo quando diz que Lisandros, Luchos, Andersons eram figuras mundialmente reconhecidas...meu deus...eram jogadores interessantes a despontar...daí a figuras mundialmente conhecidas vão largos passos...

E nunca na vida Fárias foi flop...teve apenas o azar de coexistir numa mesma equipa com Lisandro ou Falcao! Não fosse isso e seria recordado como deveria ser....e tanta falta que um Fárias nos fazia agora!

Dragão dos Diabos

José Rodrigues disse...

Antes de mais nada o Iturbe nao custou nada 1milhao: segundo o R&C pagámos 4.3M por 60% do passe. Ou seja, pelos vistos foram os próprios dirigentes q acharam q podia estar ali o novo Messi, nao sendo nada mas nada barato para a idade. Nao foi só hype da imprensa.

Em segundo lugar vi ainda muito pouco tempo de jogo do Iturbe por isso nao sei o q vale ao certo e nao consigo ter a opinião categórica q o Miguel tem. Tanto quanto sei, se calhar está ali um bom jogador (ou pelo menos suficientemente bom para pelo menos ser convocado mais vezes e jogar mais regularmente). Sendo assim nao sei se isso nao acontece porque nao merece, ou se é (como o agente acusa) por outras razoes.

Finalmente, nao me parece q o jogador e agente estejam a apontar para a Lua com imensa presunção... Para o q ele custou concordo com eles q devia ao menos jogar mais um pouco (ao nível de um Atsu por exemplo), isso nao me parece grande presunção (e todos os outros exemplos mencionados vindo da Argentina tiveram muitíssimo mais oportunidades, por isso a comparação parece-me algo descabida). O q nao invalida no entanto q tal nao aconteça porque ele nos treinos nao demonstra merecer mais, é possível (mas nao me parece certo).

José Rodrigues disse...

Para um Gulag, já! :-)

Digam-me sinceramente: q grande crime é q o rapaz cometeu em declarações para merecer tais castigos como o proposto acima?

Eu nunca lhe vi nada de mais nas declarações, já vi com outros jogadores declarações muitíssimo mais contundentes em situações semelhantes.

E estou apenas a reagir ao q o Delindro disse, ie q nao foi só o empresário q falou mal mas também o próprio jogador. Ora ao jogador eu nao vi nada de mais.

DC disse...

Era bom era que tivesse sido 1 milhão de euros.
O José Rodrigues aqui há uns tempos esclareceu-me que o Iturbe custou 6,5 milhões por 65% do passe, portanto é esse milhão multiplicado por 10, mais coisa menos coisa.

Grande barrete que enfiamos, mas a coisa que mais me incomoda é que não o emprestemos a um Braga, Rio Ave, ou clube do género para avaliarmos realmente se o rapaz jogando regularmente, pode ou não ser decisivo.
Mandá-lo para um campeonato sul-americano só lhe vai acentuar os vícios.

DC disse...

Tinha ideia que me tinha falado na altura em 65% por 6.5 milhões. Aproveito então para corrigir o meu comentário atrás.
Assim em vez dos 10 milhões são cerca de 7. De qualquer forma foi um grande investimento!

Miguel Lourenço Pereira disse...

Carlos,

Em relação ao James, por exemplo, não falei à posteriori. Escrevi sobre ele aquando do título do Banfield, antes de se saber que vinha para o FC Porto e já aí dizia claramente que tinha madeira de futebol top europeu. E não fui o único. A internet tem um arquivo delicioso de gente que segue o futebol internacional e não se fixa só na Europa e que fala antes da realidade suceder com propriedade e eu nem sou de longe o melhor e o mais bem informado nesse mundo.

Os tubarões não compram jogadores como o James, o Falcao e companhia por dois motivos muito fáceis de entender:
- não têm tempo
- gostam de comprar figuras top mundial porque entram numa dinâmica de merchandising, prestigio e impacto social que outros jogadores, célebres apenas em determinadas zonas do Mundo, não podem oferecer.

O primeiro ponto é claro. Um clube grande (falo do Barça, do Madrid, do Man Utd, do Milan, do Bayern, do Chelsea) quer jogadores que respondam de imediato, que sejam uma mais-valia já, não querem correr o risco de o processo de adaptação se prolongar demasiado tempo e que jogadores de outras realidades não se encontrem cómodos no futebol europeu. Sócrates falhou na Fiorentina, Maradona falhou no Barcelona, e ambos eram estrelas quando aterraram na Europa.
Hoje em dia começam a mudar um pouco de postura e cada vez vão arriscando mais, mas fazem isso com 1, 2 jogadores no máximo, não o podem fazer com todos (caso do Javier Hernandez, do Oscar, do Shaquiri...)

No segundo caso é ainda mais fácil. Entre Falcao e van Persie, o Man Utd tentará sempre comprar o van Persie, estrela consagrada nos palcos europeus, excelente producto de marketing e uma arma que rouba a um rival directo. Entre o James e o Alexis, o Barcelona foi atrás do Alexis porque há 3 anos que dava boa conta do recado da Udinese. Isso não significa que sejam melhores!

Todos os negócios são de risco e a SAD esteve muito bem nesses casos, antecipou-se a outros clubes que manejam bem o mercado sul-americano (como o Palermo, a Udinese, o Napoli, o PSG) e funcionou. Mas para mim é absolutamente liquido que iam funcionar e se não funcionassem poderia ser por mil motivos. E antes que diga que falo à posteriori, reafirmo o que já disse, gosto muito do Diego Reyes ;-)!

DC disse...

Aproveito para dizer que sei que o Iturbe não tinha no Porto uma vida nocturna propriamente tranquila e que um dos grandes companheiros de boa vida dele era o Cristian Rodriguez.
Talvez isso explique algumas das razões porque uns têm oportunidades e outros não.

Miguel Lourenço Pereira disse...

Dragão dos Diabos,

O Farias, pessoalmente, foi um dos avançados mais limitados que já vi. Pertence a essa escola dos Pizzi, Kaviedes e Klebers que ás vezes por aqui param.

Quando a ser mundialmente conhecidos, de novo, como tenho referido, depois do grau de conhecimento de cada um. Quando se vive num micro-cosmos tudo o que está fora é um enigma, passa em vários sectores da vida, o futebol é só mais um. Para muito boa gente, eram figuras mundialmente conhecidas!

Miguel Lourenço Pereira disse...

Ainda bem que me corriges Zé, sendo assim a situação é muito mais grave!

Miguel Lourenço Pereira disse...

Aí entramos num conflito entre a gestão desportiva e financeira do clube.

Se a SAD paga bom dinheiro por um jogador que nos treinos, e nas oportunidades que lhe dão com a primeira e segunda equipa, não rende, o que é melhor: deixá-lo jogar porque custou tanto dinheiro ou dar oportunidades a outros que a merecem mais durante a semana, apesar de serem de um perfil inferior?

Eu vi jogar o Iturbe no Cerro Porteño, vejo-o jogar com a selecção argentino e vi-o jogar com o FCP. Já quando chegou ao Porto discuti com várias pessoas que o rótulo de Messi era ridiculo, tendo em conta o estilo de jogo, o que não significava que não pudesse explodir num jogar realmente bom. Não foi o caso.

O importante agora será ver como não perder mais dinheiro nesta operação!

Anónimo disse...

"Talvez para aumentar as receitas de bilheteira faça mais falta haver dinheiro para comprar bilhetes, do que ter 11 Messis a jogar na equipa."

E alguém disse o contrário amigo Costa? o que disse foi que com jogadores mágicos/carismáticos as receitas de bilheteira aumentam quando comparadas quando não há desses jogadores. isto acontece estando ou não numa época de crise financeira.
é evidente que em anos normais os lugares ocupados são naturalmente maiores do que em anos de crise.

Juca

Miguel Lourenço Pereira disse...

DC,

Por isso no texto faço menção ao "treinar mais e descansar menos" ;-)!

Anónimo disse...

Eu pessoalmente concordo não na totalidade, mas em grande parte com as ideias expressas pelo Miguel. Sinceramente na minha opinião o "caso" Iturbe acima de tudo tem origem em três diferentes razões e destintas entre elas, mas que no seu conjunto potenciaram a não afirmação de Iturbe como jogador TOP.

1-Um enorme erro de casting por parte dos responsáveis do FCP, tendo em conta as verdadeiras qualidades e potencialidades de Iturbe.
2-A falta de capacidade por demais evidente em outras ocasiões de Vitor Pereira de potenciar jogadores. (Se já sabiamos que ela era bom a desvalorizar; também já sabemos que é mau a valorizar)
3-Para mim a mais importante neste e em futuros casos semelhantes e aqui deixo aqui uma noticia saida na CS em 16 Set 2012 para melhor compreenderem o que é esta 3ª razão.

“Iturbe só confia em Pinto da Costa”

O empresário de Iturbe, Augusto Paraja, disse ontem ter conhecimento de "movimentações para que o Iturbe mude de representante", mas garantiu que se trata do "desejo de uma só pessoa e não de toda a estrutura do FC Porto".

"É alguém com interesse nessa mudança, pois sabe que o Juan [Iturbe] tem um potencial inesgotável e que a sua imagem valerá ouro", afirmou, escusando-se a revelar nomes: "Antero Henrique? Não posso dizer quem é. Só lamento que esteja a pressionar para que o Iturbe não jogue, porque as coisas não seguem o rumo que deseja."

Segundo Augusto Paraja, o extremo, de 19 anos, "só se ri disto tudo". "Temos uma relação que ultrapassa o plano pessoal. Estou com ele desde miúdo, acompanhei o seu crescimento. Iturbe só confia em Pinto da Costa e é por causa dele que se mantém no FC Porto", vincou.

"Infelizmente, há gente boa e gente de m... em todos os clubes. O presidente do FC Porto é uma pessoa de bem e é quem mais confia na afirmação do Juan", reforçou.

A falta de oportunidades do extremo, que ainda não se estreou em jogos oficiais nesta época, continua a preocupar Paraja: "Ele não pode estar contente por não jogar. Precisa de minutos." Ainda assim, ressalvou, "a inscrição na Champions. Foi um passo em frente".

"Vamos ver o que acontece no primeiro semestre da época. Todos os dias tenho clubes grandes a perguntar por ele", concluiu, sem apontar os interessados.


Pyrokokus disse...

Muita coisa do que aqui foi escrito tem razão de ser.
Se ele merece mais minutos de jogo ou não é discutível, se a culpa é do VP (o homem tem sempre a culpa de tudo) também o é, mas para ser um jogador de TOP tem de haver trabalho e resultados desse trabalho, e sinceramente acho que neste caso tal não existe.
Posso estar a cometer uma grande injustiça, mas acho que ele nem na equipa B se impôs, quanto mais jogar na principal.
Se ele jogasse na principal era no mínimo injusto para alguns que têm dado o litro na B.

Se por acaso o VP desse oportunidades ao Iturbe devia haver aqui poucas criticas....

Falaram aqui do Anderson, esse andou nos escalões inferiores a levar porrada, e quando entrou na principal foi por estar preparado, e não pq vinha da america do sul e por isso tinha de jogar.

Carlos Santos disse...

"-A falta de capacidade por demais evidente em outras ocasiões de Vitor Pereira de potenciar jogadores. (Se já sabiamos que ela era bom a desvalorizar; também já sabemos que é mau a valorizar)"

Explique-me lá exactamente a que casos se está a referir. É que se o Vítor Pereira é assim tão bom a desvalorizar jogadores, porque é que jogadores como Maicon, A. Sandro, Mangala, Defour, Otamendi não têm parado de evoluir? Ou não concorda que eles estão agora a jogar melhor do que há 1 ano atrás?

Anónimo disse...

Do Planalto,digo e afirmo que o Itube ´
e um jogador ou vai ser um jogador de alto gabarito.Olhem para o que escrevo.Vi num Jogo particular no verao com o Celta de Vigo,em Viseu.Entrou na segunda parte deu um "show" de bola,marcou um golo,fitando todos que lhe apareceram a frente.Agora o problema do F.C.Do Porto é ter um treinador mediocre,sofrivel para um clube como o Porto.Iturbe nas mãos,de um treinador como Jesualdo Ferreira,teria lugar de "caras" na primeira equipa.Não interessa que um treinador saiba de taticas.E necessario que seja um psicólogocom os jovens jogadores.Coisa que um mediocro como VP nao tem capacidade.Vejam o tempo que ele admitiu na categoria de James,´só levando "porrada",comp levou é que James foi primeira escolha.

Felisberto Antonio Oliveira Costa disse...

O problema do Iturbe, se calhar nem é ter sido (mal) comparado a Messi. O problema do rapaz, é ter um empresário ganancioso, chulo, parasita e maldoso, que o quer sugar até á medula o quanto antes!!!!
Hoje em dia é ver miudos nos infantis e já com representantes desportivos!!!!!!

Daniel Gonçalves disse...

Relativamente ao Iturbe, ainda não tenho uma opinião segura sobre o seu real valor, mas não quero ver desperdiçado um jogador talentoso por incapacidade da estrutura do FC Porto.

O Farias não foi um flop, aqui discordo do Miguel. Farias cumpriu sempre muito bem o papel que lhe competia, que era ser o avançado suplente, quando entrava em campo quase sempre marcava, era o nosso «Juary» actual. Tívessemos nós agora um Farias como suplente do Jackson.

reine margot disse...

José Rodrigues, quando um jogador diz que quem manda são os jogadores, que não são os agentes, muito menos o presidente, acho que falou "plus qu'un tout "...
Neste particular mundo do futebol, acho que não angariou muitos fans com esta boutade, lá em todas as fantásticas equipes de topo do futebol mundial que o empresário confessa que lhe fazem a corte dia sim, dia não!...

Anónimo disse...

Quando digo desvalorizar digo por exemplo o caso do Alvaro Pereira que poderia ter saido por 30M e saiu por 10M; ou por ex o caso do Guarin que poderia ter saido por 25M e saiu por 13M; o caso do Rolando que já valeu 20M e agora vale quanto? O Fucile quanto valia e quanto vale? Quanto custou o Belushi e por quanto saiu? O próprio Hulk que Pinto da Costa disse que chegou a receber uma proposta no tempo do Villas-Boas no valor de 75M e saiu por 40M. E ainda só me referi a jogadores que sairam da época fantástica de VB Super Valorizados e que após dois a três meses com o VP estavam a valer menos 50%. Quanto a A.Sandro um jogador que custou 13M é normal que ele comece a mostrar qualquer coisa mais do que mostrou na época passada; o mesmo diria que deveria acontecer com Danilo 20M; mas se tivermos em conta o que ambos mostraram ao serviço do Santos, vê-se que o 1º está a chegar lá e outro retroceu e muito. Portanto aqui não vejo trabalho realizado por VP. O mesmo em relação a Mangala e Defour que não estão a jogar nem mais nem menos aquilo que demonstraram ao serviço do S.Liége. Otamendi a mesma coisa demonstra porque é que era selecionavel da Argentina e deixou de ser; mas aqui na minha opinião não há responsabilidade de VP; pois continua a bom nivel, mas igual ao que já tinha demonstrado. Deixei para último Maicon, porque este sim foi o único jogador verdadeiramente Potenciado e valorizado por Vitor Pereira. A isto se chama a excepção á regra.

Miguel Lourenço Pereira disse...

Anónimo,

Dizer o que o VP é responsável pela desvalorização do Alvaro, do Guartin, do Rolando, do Fucile e do Hulk é para rir?

Estamos a falar, no caso do Hulk, da maior transferência da história em Portugal, e se não saiu por 75 milhões foi porque a SAD não quis.
Estamos a falar do Alvaro e do Guarin, que a SAD não deixou sair quando eles queriam, que entraram em boicote interno durante meses até forçarem a saída (o Guarin até foi por empréstimo) patrocinada pela SAD.
Estamos a falar do Fucile, que nunca valeu nada - alguém viu alguma proposta oficial??? - e que continua sem valer nada.
Estamos a falar do Rolando, um jogador que teve ofertas no Verão e não quis sair, apesar da SAD lhe ter feito saber que não era opção, e que prefere ficar a cobrar e não jogar do que sair.

É de morrer a rir que alguém consiga descobrir um sinal de incompetência de um treinador num clube que é gerido totalmente por uma SAD com uma cabeça visivel e altamente admirada. Devo ter demorado meia hora a escrever este comentário porque não aguentava mais.

Miguel Lourenço Pereira disse...

"Não interessa que um treinador saiba de tácticas"

Caro Anónimo, obrigado por ter deitado por terra 100 anos de história do futebol , de Jimmy Hogan a Josep Guardiola.

Imperdível!

Anónimo disse...

De um outro anónimo

"É de morrer a rir que alguém consiga descobrir um sinal de incompetência de um treinador num clube que é gerido totalmente por uma SAD com uma cabeça visivel e altamente admirada"

Miguel quando dá esta resposta quer dizer o quê concretamente? Que a culpa e a incompetencia na desvalorização destes jogadores não é do Vitor Pereira, mas sim desta direcção e em especial do presidente Pinto da Costa? ("é gerido totalmente por uma SAD com uma cabeça visivel e altamente admirada")
Atenção que eu não concordo nem deixo de concordar consigo ou com o anónimo; só gostava é que ficasse bem esclarecida a sua ideia.
Se analisarmos bem a desvalorização desses activos e fazendo contas por alto; Desde a saida de VB e a entrada de VP para treinador principal, estamos a falar em cerca de 80M de euros que se perderam e sem dúvida que nesse caso podemos qualificar estes actos de péssima gestão.

Miguel Lourenço Pereira disse...

Anónimo,

No caso do Hulk não acredito que exista desvalorização, não acredito que tenha havido nenhuma oferta de 75 milhões e se não foi vendido então foi porque a SAD não quis, o treinador não tem nada a ver com isso, o Hulk continuou a ser o mesmo jogador.

Nos casos de Guarin, Alvaro Pereira e Belluschi, foram todas decisões da SAD. Como passou com Derlei, Maniche e Costinha, que em 2004 queriam sair no Verão e acabaram por sair em Dezembro por muito menos do que valiam pelo mesmo motivo que agora, rebelião interna e boicote no balneário. Nessa altura o VP não era o treinador mas a SAD era a mesma.

Parece-me muito claro. Uma coisa é que um jogador seja desvalorizado num clube gerido por um treinador, ou porque este embirra especialmente com alguém e não o põe a jogar. Não imagino que isso se aplique a nenhum jogador do plantel do FCP, salvo o Rolando, e mesmo no caso do Rolando a própria SAD teve ofertas, quis vendê-lo e foi o Rolando quem não quis sair. Que culpa tem a equipa técnica disso? Devia jogar no lugar de Maicon, Mangala ou Otamendi só por isso??

Péssima gestão, sem dúvida. Mas sem culpa nenhuma do técnico na minha opinião!

Anónimo disse...

Obrigado pelo esclarecimento. Eu sinceramente não sou apreciador das qualidades de Vitor Pereira, mas concordo da sua opinião em relação há desvalorização desses jogadores, a culpa é da direcção. Infelizmente VP não tem credenciais nem estofo para se impor a esses maus actos de gestão do plantel.