quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

"Sportinguista desde pequenino"

Levo muitos anos nisto para levar pouco a sério o que diga um jogador. São máquinas de reprodução sonora do que os adeptos querem ouvir, do que os agentes gostam que se ouça e nalguns casos acabam por ser colunas de presidentes ou treinadores. E, sinceramente, dá-me exactamente igual.

Mas quando o Miguel Lopes é apresentado em Alvalade dizendo que é "Sportinguista desde pequenino!" há uma coisa que me irrita profunda. Não se trata que o FC Porto, na sua política de contratar tudo o que é americano, se tenho esquecido progressivamente do mercado nacional. É também, que o clube esqueceu-se de que o que nos ajudou a ser grandes, quando ainda éramos Andrades, era a mística. A mística do nosso balneário, a mística de um grupo de jogadores que jogavam no FC Porto mas também eram do FC Porto.

Todos sabemos que tivemos grandes jogadores portugueses que não eram portistas.
O Inácio, o Futre, quiçá o António Oliveira, sabemos serem sportinguistas. O Hernâni, o grande Hernâni, só queria jogar no Benfica quando era pequeno e os mesmos rumores rondaram a carreira do Vitor Baía. É normal, é futebol.

Mas o que o clube procurava ter, sempre e inequivocamente, eram jogadores da casa, não só de formação mas portistas de coração. Jogadores que, quando a coisa ia mal, sentiam o orgulho na camisola e esforçavam-se mais porque lhes doía perder, custava empatar e só a vitória os fazia verdadeiramente felizes. Jogadores que comungavam com os adeptos um mesmo pensamento e que por isso, tantas vezes eram perdoados pelos adeptos quando as coisas saiam mal.



Olho para o plantel actual do FC Porto e assusto-me.
Não é de agora, é certo, mas a tendência tem vindo a piorar com os anos. E a SAD, que devia ser a primeira responsável em manter esse core de balneário, nada tem feito para inverter a situação. A formação, que devia nutrir-se de portistas, é deixada de lado e transforma-se num entra e sai de negócios que dão jeito ao empresário X ou Y. E a primeira equipa rende-se ao próximo grande talento sul-americano que somos capazes de encontrar.

Ninguém vai esperar que o Hulk, o Falcao, o Lucho, o Lisandro, o Anderson, o Pepe ou o Deco sejam do FCP desde pequeninos. Também não duvido que o clube os marcou tanto que muitos deles o sentem verdadeiramente agora no coração. Mas o que me irrita são os Miguel Lopes que vamos contratando.
Jogadores que chegam aqui e que sabemos que não vão ser titular. São jogadores complementares. São jogadores que deviam servir, precisamente, para fortalecer o grupo no balneário e, quando chamados, sentir que podem fazer a diferença, nem que seja por meia hora. Para esse perfil de jogador o coração vale tanto como a cabeça. E a SAD devia saber disso quando vai ao mercado e enche o banco de suplentes que, ainda para mais, são de outro clube que nada tem a ver com a nossa cultura.

Eu posso aceitar que Futre ou Hernâni não sejam portistas desde pequeninos porque em campo dão ao clube alegrias que muitos aspirantes portistas seriam incapazes. Mas para um jogador absolutamente mediano, absolutamente dispensável, isso devia ser uma das condições para fazer parte do plantel. Porque isto ainda é um clube de futebol não uma empresa multinacional.

Eu prefiro ter um banco de suplentes de miúdos da casa ou miúdos contratados ao Gil Vicente, mas que sintam o portismo como eu ou qualquer um de vocês. Se são actores secundários, que o sejam com sentimento, que dêem tudo pelo clube como eu ou qualquer um de vocês o daria se pudesse. Não é pedir muito, há muitos jogadores que são, reconhecidamente, portistas. Podem não ter o agente certo, mas têm o clube no coração.

Miguel Lopes da vida dispenso perfeitamente. Se é por um jogador como Izmailov, ainda mais. A relação de negócios que temos com Alvalade sempre nos foi favorável. Espero que este seja mais um caso, ainda que seja do Spartak desde que tem uso de razão!

44 comentários:

Anónimo disse...

Ò MLP se fosses director desportivo serias muito provavelmente um "teorico"...

Eu também quero o "ceu" mas não consigo...

reine margot disse...

Peço desculpa pelo preconceito, mas basta olhar para a cara deste gajo para se saber logo que nunca poderia ser jogador à porto... então quando abre a boca!
Infelizmente nem todos os que são portistas conseguem vingar no clube - como o Paulo Machado, etc... - é uma coisa suscetível de acontecer. Bem vistas as coisas, tanto me faz ter nascidos na América do sul, como p.ex. Deco e Lucho que nos amam de verdade, como tê-los nascidos na Sé! O espírito é que conta. E, espírito (=inteligência) foi coisa que este ML nunca teve... Em certos momentos quando entrava a jogar atirou-se a correr como um doido e a ser durão, achando que isso o faria um jogador querido pela afición ... pouco sorte. -
(manda saudades que é coisa que cá não deixas!)

Hugo disse...

Pois mas muitas vezes vemos os portistas a criticarem ferozmente o Castro.

Anónimo disse...

Concordo como o reine margot. o que interessa é vivam o portismo com intensidade tal como lucho.
Mas dá que pensar que o Porto sempre teve aquele jogador português com mística e normalmente capitão e normalmente defesa. e agora não tem. joão pinto, fernando couto, jorge costa, vitor baia...

Miguel Lourenço Pereira disse...

Reine,

Eu digo o mesmo no artigo, há jogadores que não são do clube mas que o sentem profundamente e criam ligações que perduram. E sou perfeitamente consciente de que não pode ser um dos primeiros critérios de contratação.

Mas é um espelho de como se abandonou a formação e também de como o peso do balneário, desse tipo de jogadores foi abandonado progressivamente pelos gestores em prole de indivíduos que, com todo o respeito, chegam aqui com bilhete de voo de ia já comprado, só não se sabe quando!

Miguel Lourenço Pereira disse...

Eu sou dos que defende que o lugar do Castro é no plantel do FCP. Pode não ser titular, pode fazer 10 jogos ao ano, mas é um perfil que quero no plantel!

Miguel Lourenço Pereira disse...

Anónimo,

Precisamente por isso, porque se abandonou a formação e o mercado interno, onde ainda há muitos jogadores que são, naturalmente, portistas. Só comprando jogadores pelo Mundo, é normal, que nenhum deles tenha essas características.

Pedro disse...

Eu por outro lado apenas quero jogadores que quando estao ao serviço do clube, dêem 100%, jogadores que quando cheguem ao clube passem a fazer parte integral dele.

Já agora, vejo sempre esta tendencia por parte dos adeptos defenderem que os da casa é que sao bons, é que devem ter prioridade, mas sao os mesmos que se as coisas nao começam logo a correr bem, passado meia dúzia de jogos, já estao a indicar a porta de saída porque nao têm categoria para vestir a camisola do clube.

Só por curiosidade dou um exemplo, que ainda esta semana li aqui, sobre o Djalma. Quando estava no clube, os adeptos estavam constantemente a indicar a porta de saída, nao vi ninguém a "chorar" a sua partida bem pelo contrário, até porque segundo muitos estava a tapar promessas como Kelvin, Atsu e Iturbe. Agora parece que há falta de alternativas para a frente de ataque e já se questiona a sua dispensa.

Esta semana o Porto acaba de se "livrar" de mais 2 inúteis, Miguel Lopes e Emídio Rafael, com poucos adeptos a questionarem a situaçao, e eu pergunto que alternativas ficamos para as laterais? Daqui a 1 mês estaremos aqui a discutir que o clube devia ter comprado mais alternativas para essas posiçoes?

O que vejo é muitos a questionarem à posteriori, a falta de soluçoes, mas todos a baterem palmas quando as actuais alternativas vao sendo corridas uma a uma.

DC disse...

O Castro é portista e é o pior jogador do plantel. E a única razão que vejo para estar no plantel é mesmo essa, ser portista.

Já o Miguel, que tal como todos os anos, foi escolhido para ser o bode expiatório dos adeptos, após meia época onde marcou 1 ou 2 golos e fez algumas assistências, garantiu-nos em fim de contrato um reforço importantíssimo para o meio-campo.
Além disso, enquanto esteve no Porto nunca ninguém o ouviu a reclamar, nunca foi mau profissional e pelo que vi deu sempre tudo o que tinha em campo (fosse muito ou pouco).

O que me irrita no Porto é a falta de qualidade na formação, mas irrita-me muito mais quando, das poucas vezes que conseguimos obter um valor interessante no mercado interno, por valores mais que compensatórios face á qualidade preço, veja críticas como esta. Como se o Miguel tivesse feito algum mal ao Porto, como se alguma vez tivesse sido mau profissional ou até mau jogador.

Era Sportinguista desde pequeno? E daí? Estou a saber disso agora quando chegou ao Sporting e isso quer dizer alguma coisa sobre a entrega dele.
O Bruno Alves era portista desde pequenino, era pena o pai/empresário dele não ser...

Não falta no Porto mística, não falta amor ao clube, porque olhamos para o Hélton e vemos isso presente nele. Ele que tantas vezes podia ter voltado ao Vasco se quisesse.
O que falta é aproveitar talentos portugueses, sejam da formação ou não. E Miguel Lopes para mim foi uma das poucas boas contratações no mercado interno que fizemos nos últimos 5 anos. Contratamos um jogador barato e desconhecido e que acabou por chegar à selecção.

E gostava de saber, sinceramente, que motivos tem o Miguel Lourenço Pereira para insinuar que o Miguel Lopes não deu tudo pelo clube. A mim parece-me uma crónica por pura embirração...

DC disse...

E deixe-me referir que acho no mínimo cómico que se ande a perguntar a um jogador qual o seu clube de coração antes de o contratar e que uma contratação possa ser abortada por causa disso!

Miguel Lourenço Pereira disse...

DC,

Eu não disse absolutamente nada disso.
Apenas referi a importância de ter jogadores da casa ou que sintam o clube como seu. Que para ter jogadores de banco ou de reserva, prefiro que sejam jogadores identificados e não jogadores contrariados ou "pontes" perpétuas.

Não se trata de averiguar o clube de coração antes de contratar, isso sabe-se perfeitamente dentro do meio. Trata-se, como faz o Barça ou o Espanyol, por exemplo, de ter jogadores com esse nível de identificação com uma forma de estar.

Miguel Lourenço Pereira disse...

DC,

"Não falta no FC Porto mística"?

Curioso, porque salvo o Hélton, precisamente, e o Lucho, desde Janeiro, não acredito que naquele balneário a mística abunde. Nem eu nem ninguém.

O Miguel Lopes é um defesa lateral absolutamente mediano, não é nem melhor nem pior que uma meia dúzia de jogadores portugueses que disputam a sua posição e foi praticamente intranscendente para o clube enquanto cá esteve. E a nível de treino, pelo que sei, não era propriamente dos jogadores mais "aplicados", digamos assim. Para ter um jogador dessas características o que defendo é que seja alguém que sinta a camisola. Para mim o Miguel Lopes nunca a sentiu.

Eu não tenho problemas se um jogador que faz a diferença no campo é de outro clube, é o mercado, quero é que o core do plantel sinta a camisola como sentiam os jogadores que desde 77 transformaram o FCP de Andrades em Dragões. Se custa assim tanto perceber, se tudo se resume a mercantilismo puro, então é certo que o FCP perdeu muitos dos valores que tinha há vinte anos. Curiosamente perder valores não está interligado com vencer. Um clube como o Barcelona ou como o Dortmund são o perfeito exemplo disso!

Miguel Lourenço Pereira disse...

Pedro,

Está em todo o seu direito. Conheço também muitos adeptos que não se importariam que os 25 jogadores do FCP tivessem nascido entre Rosario e Toronto. Eu não penso da mesma forma. Para mim o FCP é um clube com uma carga moral e social tremenda, como são dezenas de outros exemplos espalhados por esse Mundo fora. Uns levam-no ao extremo, outros adaptam-se ao mercado. O FCP transformou-se no extremo oposto, no desleixo absoluto da sua identificação com a cidade, com a região e com as pessoas que sentem uma clube forçosamente de uma forma diferente que vai sentir qualquer jogador que venha de fora.

Digam-me o que disserem, quando faltam cinco minutos para o fim, as pernas já se foram, o peito já não tem ar e é preciso ir mais além, há sempre um tipo de jogadores que dá tudo o que tem e o que não tem e não é o que ganha mais dinheiro, é o que joga futebol pelo prazer de jogar e o que se identifica plenamente com o símbolo que leva ao peito.

A hipocrisia social dos dias de hoje é que parece ter-se esquecido que afinal isto é mais do que um negócio. Para negócio, está a NBA e a mudança de equipa de cidade para cidade. Eu não estou a pedir um FC Porto igual a um Athletic Bilbao (que curiosamente utiliza um modelo que se adaptaria perfeitamente ao nosso mas que é um caso de extremismo puro), mas que essa identificação não se perca.

Anónimo disse...

Quero fazer apenas uma nota, nem sempre os negocios com o sporting foram favoraveis, alias não me esqueço que enviamos para o Sporting o Bino e o Rui Jorge (muito uteis no campeonato ganho pelo Inacio ao... Porto) em troca do Costinha (Guarda Redes) e do Peixe (ambos relativamente inuteis)
Alem dessa temos a troca Clayton/Ricardo Fernandes, que foi flop para os dois lados...

Pedro Albuquerque disse...

"Eu prefiro ter um banco de suplentes de miúdos da casa ou miúdos contratados ao Gil Vicente, mas que sintam o portismo como eu ou qualquer um de vocês. Miguel Lopes da vida dispenso eu."

Eu também gostaria de ter portistas na equipa. No futebol actual não é disponível.
Não vejo qualquer problema em o Miguel Lopes dizer o que disse quando foi para o Sporting.

Porque sei que enquanto não jogou no FC Porto (estando emprestado), disse várias vezes que queria jogar no FC Porto. E porque sei que quando jogou, jogou com o coração.

Pena este artigo a deitar abaixo um jogador que fez o passe para o único golo na Supertaça, fazendo-o lesionado, quando já não podia ser substituido.

Pedro disse...

Penso que há uma distinçao fundamental a fazer, o que o caro defende nao é a existencia de portistas no plantel mas sim jogadores da formaçao, que parecendo a mesma coisa nao é.

Mais, defende, como eu, que a formaçao neste momento no clube é inexistente, e isso para mim é um ponto fundamental que impede muitas outras coisas.
Só para dar um exemplo, impede ou torna inutil o recrutamento de jovens estrangeiros com potencial ( e falo aqui de jovens entre 16/18 anos) porque depois somos incapazes de concluir a sua formaçao.

O que o caro deseja é que apareçam jovens vindos da formaçao do clube, portistas ou nao, identificados com determinados valores e que possam ser seus mensageiros e portadores na equipa principal, e eu aqui acrescento, que sejam capazes de ser titulares na equipa principal porque se é apenas para serem alternativas baratas ao 11 nunca serao terao autoridade dentro do balneário. O Castro por mais anos que esteja lá, nunca terá "poder" dentro do balneário sendo apenas um nº no plantel.

Para concluir, tudo isto começa e acaba na área da formaçao. Se podemos dizer que nunca fomos nº1 nessa área, a realidade é que apesar disso ela funcionava de forma relativamente eficaz até à alguns anos atrás. Infelizmente alguém pensou que nao era suficiente e agora estamos nesta posiçao. Pior de tudo é que nao vejo ninguém dentro do clube a querer parar para pensar se este é ou nao o caminho correcto.

Miguel Lourenço Pereira disse...

O Peixe foi uma excelente troca, prefiro-o ao Bino qualquer dia da semana!

Miguel Lourenço Pereira disse...

Não é possível. Porquê, já se tentou?

É que há dezenas de clubes mundiais que têm jogadores no plantel que são formados ou comprados e também são, ou pelo afirmaram-no publicamente alguma vez, do clube em questão.

Miguel Lourenço Pereira disse...

Pedro,

Nada disso, eu falo das duas realidades, seja através da formação seja através de uma identificação de coração, de sempre, apesar de terem feito a formação no Aliados de Lordelo ou no Rio Ave!

reine margot disse...

Não acredito que isso para si defina a qualidade de um jogador! Também o Sereno teve aquela arrancada desde a defensiva contrária para cortar um lance de golo iminente, e, pronto ficamos por aqui... é um jogador normal, mas nós habituamo-nos a bem melhor!

DC disse...

E essa dos treinos sabe por quem? É que se é pelo amigo do tio do primo da filha do treinador adjunto isso para mim vale zero.

O Miguel, que eu tenha visto, nunca falhou ao Porto. Se era mediano ou não isso é discutível. Eu acho que ao preço que veio foi uma boa contratação e só foi pena não ter sido integrado uns anos antes no plantel.

Você defende que seja alguém que sinta a camisola mas defende o queê exactamente? Que se promova o David agora? É que o Fucile não é mais que mediano. É com o David que acha que podemos abordar com tranquilidade uma ausência do Danilo?
Já agora porque não vender um dos centrais e promover imediatamente o Tiago Ferreira? E quiçá o grande portista Zé António?

Uma coisa é querer gente da formação no plantel, duvido que exista algum adepto que não queira, outra é estar com romantismos de que podemos ter gente que sinta a camisola em vez do Miguel Lopes.

Se é assim dispense-se imediatamente Fucile, Fabiano, Defour, Varela, Abdoulaye, etc, etc, etc porque estes não são mais que medianos. E ou promovemos os juníores todos ou começamos a perguntar por aí quem é que é portista a sério e quer ir jogar para o Porto.


E já agora, porque continua no seu lirismo, como é que sabe que o Dortmund tem assim tantos adeptos do clube a jogar? É que dos 20 alemães que estão no plantel só CINCO é que não foram contratados a outros clubes. E esses 5 se calhar até nem são adeptos do clube!

O Barcelona é um caso à parte, mas se vier com Espanyol ou Bilbao por exemplo, eu pergunto-lhe 1º se sabe quantos habitantes tem Portugal e quantos são do Porto e quantos tem Espanha, e se gostava que o Porto lutasse pelos objectivos do Espanyol de Barcelona.

É como lhe digo, eu adorava que o Porto andasse a formar Xavis e Messis todos os dias, mas a realidade é bem diferente e se há jogadores baratos e com qualidade como o Miguel Lopes no mercado porque não os comprar? E comprava se pudesse ainda o Custódio, o Hugo Viana e o Éder, todos cheios de amor ao Porto...

DC disse...

O Barça o que fez foi investir monumentalmente na formação. O resultado foram jogadores de qualidade, ponto!
O Espanyol está em zona de descida, a identificação com a camisola está a correr bem pelos vistos.

Se você quer um modelo como o do Barça critique a formação, não critique contratações como a de Miguel Lopes.
Miguel Lopes foi contratado porque na formação temos o David que não tem qualidade nem para lhe apertar as botas.
Agora basicamente está a bater no rapaz como se ele fosse culpado de termos uma formação péssima. Tal como disse antes, foi o bode expiatório escolhido este ano.

Anónimo disse...

boas,

eu fica parvo com alguns artigos que leio neste blog... para ser franco, tambem me surpreendem alguns artigos no blog portistas de bancada!
que me interessa a mim, adepto e socio doente pelo fcp, que o miguel lopes ou outra merda qualquer sai do fcp e diga que é do clube que assinou desde pequenino. o que me interessa a mim é que enquanto jogadores do fcp cumpram.. e o ML cumpriu...por exemplo com um bom jogo em vila do conde em que foi fundamental para conseguirmos o empate. a partir do momento que saem do fcp... desculpem a linguagem mas quero que se fodam, digam bem ou digam mal!!
prefere ver o banco com miudos da casa??? claro, se tiverem qualidade senao rua com eles! o que eu quero é ganhar, seja com portugueses ou com esquimós!!!!
nao se esqueça que o fcp é uma sad cotada em bolsa... fala se no mexicano herrera para o meio campo. quanto a mim um grande jogador.. mas por esta ordem de ideias, é preferivel ter o castro no plantel do que ir buscar este grande jogador!!!
fui!!!

Anónimo disse...

Esta veio mesmo a calhar! http://www.abola.pt/nnh/ver.aspx?id=375379

Miguel Lourenço Pereira disse...

DC,

Ás vezes parece que tenho de fazer um desenho porque não consegues apanhar à primeira o que quero dizer.
Quando o clube contrata jogadores como o ML, que pouco acrescentam ao que já há, está a tapar a formação e com ela os jogadores que descrevo. Também ao contratar jogadores de um determinado perfil para reservas que não criam uma identificação com o clube estão a não contratar um jogador que cumpra esses requisitos.

O Lyon, o Dortmund, o Ajax, o Roma podiam ser outros exemplos, mas não vale a pena repetir-me, creio que a mensagem passou à primeira!

Miguel Lourenço Pereira disse...

DC,

Não adianta bater com a cabeça na parede que ela não parte.
A comparação do Bilbao e do Espanyol é absolutamente ridicula, estamos a falar de clubes de autonomias/paises com uma população inferior à de Portugal, não me venha com tretas.

Mas pronto, aqui o que fica claro é que há adeptos que não se importariam de ter um onze de benfiquistas e sportinguistas, de buenaerenses e amantes do Deportivo de Cali. É uma opinião tão respeitável como qualquer outra, mas não é a minha. Por isso quem assina o artigo sou eu!

PS: O dos treinos, como qualquer outra informação que afirmo aqui, é contrastada. Agora não sei se conhece algum jornalista que divulgue as suas fontes, porque se conhece, muito bom não deve ser!

Miguel Lourenço Pereira disse...

Para o Anónimo o FCP é uma SAD cotada em bolsa, para mim é um simbolo do Porto, do Norte de Portugal, um clube com uma missão cultural, politica e social como não há nenhum outro em Portugal.

Ficam claras as nossas divergências em como abordamos a vida, não é num jogador que vamos estar de acordo!

PS: Herrera é um jogador tremendo!

Miguel Lourenço Pereira disse...

Conheço esse video há anos. É normal, Castilla-la-Mancha é um feudo quase exclusivamente merengue há décadas!

GOD disse...

"Ò MLP se fosses director desportivo serias muito provavelmente um "teórico"...

Eu também quero o "céu" mas não consigo..." e define este artigo. Se vivêssemos apenas com o pensamento da "formação é que é" seriamos o Zbordém do Norte.Interessam bons jogadores que cumpram o seu papel e que ajudem o clube a limpar títulos atrás de títulos. Se forem portistas desde pequenos ainda melhor. O resto é lirismo...O ML cumpriu o que se esperava dele como jogador, falou demais nas férias de Natal e deram lhe o "estatuto" de titular que pediu...

JNorton disse...

Boa Noite Miguel Lourenço Pereira,
Se me permite uma pergunta.
Sabe por mero acaso e "apesar" dos titulos o que se passa no FCP simbolo do Norte com todas as missoes que refere ?
Nao sejamos ingenuos. Esses valores ja sao passado.
Nunca estivemos tao entregues aos compadrios de negocios e "lobbys" como hoje em dia....tudo o que nao personifica valores morais e com varias missoes.
JNorton

Pedro Albuquerque disse...

Acho que já tentamos. Já fomos melhores, mas actualmente não somos assim tão bons.
Vejamos os jogadores que saíram da cantera e não colaram.
Vieirinha
Helder Barbosa
Hugo Almeida
Márcio Sousa (Campeão Europeu nas camadas jovens)
Ivanildo
Nuno André Coelho
Bruno Vale
Hugo Ventura
Nuno Coelho
Bruno Gama

Hoje foi convocado o TóZé. Se ele disser que é adepto do Benfica desde pequenino deixa de ser bom jogador?

PS: Miguel Lopes foi o jogador, que estando em inferioridade física, fez a assistência para o golo da vitória do Jackson Martinez na Supertaça. Ou se já esqueceram?

José Rodrigues disse...

"Se vivêssemos apenas com o pensamento da "formação é que é" seriamos o Zbordém do Norte"

Eu sei q uma mentira mil vezes repetida pode parecer verdade, mas nao passa a ser verdade.

O Zbordem esta' onde esta' por causa de apostar na formacao? Bullshit. Eles estao onde estao APESAR de alguma aposta na formacao (mas muito menos do q se diz), q ajudou a adiar/mitigar o precipicio. Nao tivessem eles tido M Velosos, Nanis e Moutinhos e o estouro ja' tinha acontecido mais cedo.

Alem disso, se fosse um clube q apostasse tanto na formacao como dizem (e olhem para a equipa-tipo deles e digam-se se aquilo tem a formacao como espinha dorsal...), nao tinha acumulado uma divida colossal nem tinham feito enormes prejuizos como tem feito.

O problema e' uma incompetencia geral a nivel de gestao (principalmente nos ultimos 3 anos) e terem em geral falhado imenso no dinheiro q gastaram em contratacoes - nao so' desportivamente, como financeiramente: enquanto o FCP (e o slb) conseguem valorizar contratacoes e fazer grandes vendas, o SCP nao: TODAS as grandes vendas deles nos ultimos 10 anos foram de jogadores formados na casa, salvo erro.

DC disse...

Eu é que parece que tenho que fazer o tal desenho. Mas está a tapar que formação? Quem é que foi tapado pelo Miguel Lopes?

Você tem 4 ou 5 exemplos de jogadores que podiam ter ficado no Porto mas todos eles foram dispensados há uns 4 ou 5 anos, no tempo do Jesualdo.
Agora quem é que foi tapado? Diga lá, se faz favor. Ou também não o deixam revelar a fonte? Qual foi o jogador da formação do Porto, depois da geração do Vieirinha, que mostrou onde quer que fosse que tinha lugar no Porto e neste caso específico, a defesa direito do Porto?

DC disse...

O Hugo Almeida era sportinguista desde pequenino acho que não conta. O Ivanildo era capaz de ser do Petro de Luanda, o Bruno Gama é benfiquista e o Nuno Coelho também... Segundo a teoria do Miguel esses foram bem dispensados, ninguém quer gajos no plantel que não sejam portistas.

DC disse...

Já agora meu caro, a Catalunha tem 7 milhões de habitantes e o País Basco tem 3 milhões.
Portugal tem 10 milhões e a percentagem de portistas não é superior a 33% certamente.
Além disso, face ao envelhecimento da população em Portugal, provavelmente a percentagem de jogadores em idade de formação nessas regiões é superior à portuguesa.
Posto isto, se a comparação é ridícula, 1º o Miguel não a devia ter feito já que foi você que falou no Espanyol de Barcelona, 2º se calhar é um bocadinho mais ridículo ainda estar a dizer que o Porto tem mercado num país de 10 milhões de habitantes para ter gente da formação e o Espanyol numa região com 7 milhões já não tem.
Não sei, tem que tentar explicar melhor essas teorias porque acho que só você mesmo é que as percebe. Confesso que realmente algumas dão vontade de bater com a cabeça na parede!

Miguel Lourenço Pereira disse...

JNorton

Tenho completamente essa consciência o que mais motivos me dá para, sempre que possa, o denunciar activamente como portista que sente que esses valores não se devem hipotecar de nenhuma forma!

Miguel Lourenço Pereira disse...

DC,

O FCP teve durante alguns anos da sua formação um lateral direito que tinha um potencial tremendo chamado João Amorim. Foi dispensado.
Isso é só um exemplo. É que estão a falar do Miguel Lopes como se fosse o melhor direito da história do clube é trata-se de um jogador do mais normalito que há em Portugal!

Miguel Lourenço Pereira disse...

DC,

Força, talvez veja a "luz", mas cuidado, não vá romper a cabeça tentando!

Miguel Lourenço Pereira disse...

Querem perceber a ideia por detrás do artigo, força. Não querem perceber, força também. Isto é um espaço de debate e todas as opiniões me parecem válidas. Quando os comentários se limitam a dizer que uma opção no o é, não há debate. Há demagogia. Força com isso ;-)!

Joaquim Lima disse...

Já agora: que é feito do Fucile?!
Sempre gostei dele e com a saída do ML daria muito jeito ao FCP!

JNorton disse...

Miguel Lourenço Pereira,
Nao acha que esses valores ja foram hipotecados com muitos casos graves, como a vida "privada" do Presidente, como o caso Espregueira Mendes, ou outras ameaças fisicas e nao so a Portistas que unicamente teem opinioes diferentes da oficial do FCPORTO ?????
JNorton

DC disse...

João Amorim que agora está no 5LB? Esse deve transpirar portismo por todos os poros!

Isto para não mencionar que com esse potencial todo aos 21 anos nem na equipa B do 5LB conseguiu ficar e foi emprestado a um clube da 2ª B. Sem dúvida que nem pensava 2 vezes entre ele e o Miguel Lopes.

Miguel Lourenço Pereira disse...

JNOrton,

Sem dúvida, há muitas formas diferentes de hipotecar valores. Ninguém é perfeito mas dá-me a sensação de que ás vezes tudo está à venda para garantir o poder, dentro e fora!

JNorton disse...

Miguel Lourenço Pereira,
Nao é sensaçao. É verdade. Dentro e fora.
Sei bem o que digo.
Eu proprio fui alvo de ameaças. Mas nao mudei de opiniao.
Outros alvos de ameaças e mais poderosos ( mas muito mais) nao conseguem ser verticais.
O maior problema do FCPORTO é a eternizaçao por culpa propria do Presidente.
Os amigos dele anteontem, foram os inimigos dele ontem e hoje ja sao amigos....