quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

Os elogios a Vítor Pereira

«A frase de Vítor Pereira, na conferência de imprensa em Guimarães, é muito interessante. Disse o treinador do F.C. Porto que a equipa está como ele quer. E acrescentou algo do género demorou, mas agora está. A frase é dita depois de um mês de janeiro muito forte, com o campeão a empatar na Luz e a massacrar os últimos adversários que tiveram a infelicidade de passar perto.

As palavras de Vítor Pereira recordam-nos também duas evidências que por vezes esquecemos: as equipas têm sempre aspetos a melhorar e melhorar só se consegue com tempo, trabalho e serenidade. Além de competência, claro.

De facto este F.C. Porto está na melhor fase da época, muito seguro, maduro e mais alegre do que em muitos jogos da temporada transacta. Jackson Martinez e Moutinho são dois jogadores de evidente destaque. Mas em nenhum momento se pode dizer que a equipa depende deles. Pelo contrário, é por a equipa estar tão bem que eles sobressaem tanto, sobretudo o colombiano, melhor marcador da Liga. Aliás, creio que o que está a elevar a equipa é antes de mais o crescimento de futebolistas como Mangala, Alex Sandro ou Danilo. E o equilíbrio de Varela, imprescindível num período em que a equipa foi perdendo opções nas alas.

Os laterais acrescentam muito jogo sem que as subidas de ambos desalinhem a equipa (ao contrário do que sucede com Maxi Pereira no Benfica, por exemplo). O central francês tem sido importante no ataque, está mais adulto a defender e impressiona pelo poder físico. Vive uma daquelas fases em que parece crescer a cada jogo.

Como se não bastasse, Vítor Pereira começa a ganhar a aposta em Izmailov, estreou Liedson e está a trabalhar Seba, um jogador que tem deixado indicações muito interessantes.

Se mantiver este apuro de forma em fevereiro e conseguir acrescentar James à equação é legítimo esperar algo relevante na Liga dos Campeões.»
Luís Sobral
in Maisfutebol, 02-02-2013


«Uma jornada aparentemente sem história deixou que contar, sobretudo porque mostrou um FC Porto mais forte que nunca, com capacidade colectiva para esconder ausências individuais e uma qualidade táctica que ofensivamente castiga os adversários (com mobilidade, qualidade na troca de bola e... Jackson Martinez) e defensivamente passa jogos inteiros sem sobressalto (Guimarães foi mais um). Vítor Pereira terá, em definitivo, calado os críticos mais ferozes que várias vezes lhe sugeriram incompetência. Estavam enganados, embora muitos se esqueçam agora do que então disseram ou escreveram. Destaco quatro pontos de força do FC Porto actual:

1. Um modelo que garante eficácia em todos os momentos do jogo e que tem na qualidade do processo defensivo uma imagem de marca. Destaca-se a reacção à perda de bola, a capacidade de "abafar" o adversário, ou seja, uma transição defensiva muito forte, que permite recuperações rápidas e impedem o adversário de ser perigoso, mantendo-o distante da área portista. É uma equipa a quem é muito difícil marcar golos (em casa ainda só sofreu um);

2. Uma evolução significativa do processo ofensivo, com multiplicação de soluções e mais jogadores envolvidos (até Fernando) - seja perante equipas com blocos mais baixos ou mais subidos (como foi o Vitória) -, e trocas posicionais sucessivas que a tornam menos previsível do que era no passado. E com um avançado como Jackson, que tanto é eficaz na área como demolidor se tem espaço para acelerar (como teve em Guimarães), o adversário terá sempre dúvidas sobre o melhor modo de defender;

3. Força invulgar do jogo interior (zona central), com a técnica de recepção e passe a garantir troca de bola de qualidade mesmo em espaços reduzidos, potenciando uma posse objectiva, também pela capacidade de libertar os corredores para a vocação ofensiva de dois excelentes laterais (Alex Sandro mais talentoso, a caminho de ser dos melhores do mundo). É neste ponto que a comparação com o Barcelona faz mais sentido;

4. Muita eficácia na bola parada ofensiva, bem treinada, e com um Mangala invulgarmente poderoso a juntar-se a Jackson e Otamendi (ou Maicon) para dar a melhor sequência à qualidade dos cantos e sobretudo dos livres laterais de Moutinho (ou James).

Nada garante, no entanto, que o FC Porto vá ser campeão, já que o Benfica tem feito igualmente uma época de grande nível e promete luta até ao fim. E, já agora, o sucesso da carreira doméstica de qualquer dos candidatos até pode passar pelo maior ou menor investimento nas provas europeias e pela gestão do desgaste, físico e anímico, delas resultante. No entanto, e ao contrário do que parecia há um par de meses, é agora o FC Porto que parece em vantagem. E não apenas no goal average
Carlos Daniel
in Diário de Notícias, 06-02-2013



----------

É sempre agradável ouvir (ler) elogios destes, mais ainda se estivermos de acordo (como é o meu caso) e, fundamental, quando os elogios são justos e traduzem a realidade dos factos.

Para quem, como eu, se deliciou (e delicia) a ver jogar o Barcelona "inventado" por Guardiola, ver o meu FC Porto a jogar à Barça e, no final dos jogos, ouvir adversários conformados a comparar o FC Porto ao Barcelona ("o Porto está para liga portuguesa como o Barcelona para a espanhola", Alex, capitão do Vitória Guimarães), é algo de inolvidável.

Contudo... fico sempre um pouco apreensivo quando vejo tanta unanimidade nacional (abrangendo jornalistas e comentadores de outras cores clubísticas) em torno do FC Porto. Sinceramente, enquanto as coisas não estão decididas, prefiro ler parangonas do estilo "[o slb é uma] máquina trituradora" ou "[Jorge Jesus é um] exterminador implacável".

Espero bem que todas estas loas não contribuam para um adormecimento competitivo que, num campeonato como este, seria fatal.

Nota: Os destaques no texto a negrito são da minha responsabilidade.

13 comentários:

alex disse...

Ora aí está! Embora as apreciações correspondam à realidade é preciso ter cuidado e não nos deixarmos adormecer! É que o FCP só pode superar os árbitros nos seus jogos, nos do Benfica e nos dos adversários que defrontam na jornada seguinte o Benfica tudo tem vindo a ser feito para facilitar a vida ao grande de Lisboa. Para mim o que tem mais significado são dois desabafos de Jorge Jesus: " estamos a fazer um grande campeonato, mas o rival também está lá em cima", ou seja, reconhece que o Benfica, nem por isso, está mais próximo da conquista do título; " Em Janeiro o Benfica não ficou mais forte em nada", ou seja, depois não se admirem se o Benfica começar a perder terreno!

Nightwish disse...

E pronto, segundo a RTP também o SLB foi apanhado a utilizar jogadores fora do tempo na taça da liga.
Já estamos na meia final!

Joao Goncalves disse...

Eu fui um dos mais ávidos críticos de VP e não me custa nada admitir que estamos no bom caminho e que VP tem melhorado imenso.

Agora... não vamos embandeirar em arco... por exemplo, continuamos a ter um Internacional Uruguaio que não foi inscrito quando só temos 1 Defesa direito e um defesa esquerdo... Esse tipo de gestão que custou imensos M ao clube e que deveriam ter sido geridas de outra forma.

E mais... O Porto esteve excelente... em 2 jogos... e foi só isso.

Antes disso, jogou bem a espaços e a maior parte do resto do jogo era uma grande soneira.

Eu quero e espero, que a equipa continue a carburar a partir de agora, mas não nos vamos esquecer que foram apenas e SÓ 2 jogos.

Anónimo disse...

Não compreendo. Até há pouco tempo, neste mesmo blogue, Vitor Pereira era considerado um incompetente e morcão. Agora é elogiado. Por onde andam os peritos das tácticas e da gestão desportiva que por aqui escrevem? A sacudir a água do capote?

José Correia disse...

«Fernando Tordo, cantor e compositor, 64 anos (...) Sócio do Benfica há 60 anos, Fernando Tordo torce para que os encarnados se sagrem campeões nacionais de futebol, nesta época desportiva de 2012/2013, mas confessa, no entanto, que em seu entender "o FC Porto tem melhor equipa, melhor futebol do que o Benfica, atualmente", disse ao DN.»

José Correia disse...

Até há pouco tempo...

O que é "até há pouco tempo"?
Uma semana?
Quinze dias?
Um mês?
Dois meses?
Seis meses?
Um ano?

José Correia disse...

neste mesmo blogue, Vitor Pereira era considerado um incompetente e morcão

Considerado por quem?
Por pessoas, anónimas como o senhor(a), que vêm aqui comentar?
Por todos os co-autores do 'Reflexão Portista'?
Por alguns dos 14 co-autores do 'Reflexão Portista'?

José Correia disse...

Por onde andam os peritos das tácticas e da gestão desportiva que por aqui escrevem?

Eles andam por aí..., mas a maior parte deles não assina o que escreve com o seu próprio nome. Usam nicknames ou, como o senhor(a), preferem escrever sob anonimato.

Carrela disse...

Mangala faz a esquerda com competência assim como Maicon! Não vejo quel o "stress"!

José Correia disse...

«A derrota com o FC Porto faz parte do passado e, esclarece Rui Vitória, não deixou marcas no grupo.
"Temos noção da realidade. Nas últimas três épocas o FC Porto só perdeu um jogo, com o Gil Vicente".»

Joao Goncalves disse...

Com competência e sem profundidade...

Não existe stress assim como se jogar qualquer um desses Defesas Centrais a alas a equipa fica sem qualquer jogo nessa ala

Mangala tem muita vontade e está lá sempre no flanco de ataque mas continuidade de circulação de bola e centro para a área é 0... Maicon nem esse posicionamento mais "ofensivo" consegue ter.

São os famosos desenrascas que dão cabo de um sistema de jogo com o de VP, baseado em posse, trocas posicionais e técnica de passe de todos os jogadores que integram o processo ofensivo, incluindo os laterais.

Portanto sem stress nenhum da minha parte.

Nightwish disse...

Já agora, devia comentar...
Há um ano ou coisa que o valha, numa altura em que tive possibilidade de ver jogos com atenção, consegui perceber que o VP conseguia analisar bem os jogos e que tinhas ideias muito próprias e acertadas para a equipa. Implementá-las, moralizar os jogadores e demais etceteras é que é mais complicado de avaliar, até porque é notório o que VP não pode controlar no clube.
Dito isto, é com agrado que o vejo a conseguir jogar como sempre quis, à Porto campeão, e não tenho dúvidas que, em situações normais, será campeão, pois demonstra neste momento muito mais controlo sobre a equipa do que o Ai Jesus (embora o meu tempo para o futebol seja muito limitado). As novas contratações, além do gradual adaptamento dos jogadores existentes e talvez dos júniores, mesmo não sendo perfeitas, permitem colmatar buracos tácticos na equipa e a existência de maior liberdade para ser creativo na procura de soluções para as tácticas dos adversários.

alex disse...

Não nesta página, mas noutra fui um crítico acérrimo de Vitor Pereira, principalmente pelo seu discurso. Quem o ouvia falar até parecia que o FCP estava a fazer uma grande época, quando na realidade o clube estava fora da CL, fora da taça de Portugal, a 5 pontos do 1º lugar. A conquista do campeonato atenuou o desastre. O problema residiu principalmente na sabotagem que os descontentes por não terem saído provocaram. Pelo que salta à vista ( Guarin oferece um golo ao Barça, Álvaro Pereira e Rolando oferecem um golo em cada jogo ao City, o Fucile é expulso num jogo da CL infantilmente etc)talvez possamos fazer uma pequena ideia das dificuldades que certos jogadores terão criado ao trabalho de Vitor Pereira... Esta temporada as coisas estão a correr dentro da normalidade.