quarta-feira, 20 de março de 2013

Contas semestrais da FCP SAD


Foi publicado recentemente o R&C do 1º semestre de 12/13.

Para quem siga de relativamente perto estas questões, não há qualquer grande novidade nestes resultados. Houve, acima de tudo, a confirmação com dados concretos de algumas notícias que eram esperadas.

Mas não havendo grandes novidades (nem positivas nem negativas), a tendência para o futuro mais ou menos próximo é negativa, como ja' tinha mencionado anteriormente. Nos próximos anos vai ser preciso muito engenho para evitar uma «Anderlechtização» gradual do FCP (i.e. perda de competitividade europeia) - muito mais engenho do que tivémos na última década porque o desafio é maior (por razões acima de tudo internas, mas também algumas externas).

Começo pelos pontos positivos: acima de tudo (e isto é fraco consolo, mas tem a sua relevância para as competições internas), se o FCP (SAD) tem problemas o slb também os tem. O «buraco» de tesouraria deles a 1 ano é 3x maior do que o nosso (daí o anúncio de um empréstimo obrigacionista de 80M, que só tapa 1/3 desse «buraco»), ao mesmo tempo que têm uma grande dependência de mais-valias na venda de jogadores para se poder atingir um equilíbrio financeiro (no entanto estão melhores do que nós nesse aspecto, nomeadamente em cerca de 10M/ano, grosso modo).

Como de costume começo pelo topo, "helicopter view", colocando sempre a seguinte questão para tentar perceber a evolucão da situação estrutural: 

Quais seriam os resultados se não tivessemos vendido nenhum jogador no período em análise, e como se compara isso com a situação 1 ano antes?

A resposta é: teríamos feito 23M de prejuízo (i.e. 46M anualizados), comparado com 27.7M de prejuízo um ano antes. O valor em si é mau e francamente preocupante, para mais quando o passe de muitos dos nossos jogadores tem custado bem mais do que há uns anos (minimizando portanto o potencial de mais-valias). A evolução vs ano anterior é no entanto positiva, sendo fruto por inteiro da melhor campanha europeia (se esta tivesse sido idêntica à época anterior esse «buraco» teria mesmo aumentado em 1.2M). No entanto, comparado com a situação de há uns 5 ou 6 anos atrás esse buraco aumentou cerca de 20M (i.e. não ficou longe de duplicar); estamos portanto muito mais dependentes de mais-valias nas vendas de jogadores do que há uns anos.

Para o pessoal ter uma ideia: esses 46M é equivalente a ter que fazer em média praticamente 2 vendas como a do Hulk todos os anos (mais valias de 23.8M) de forma a não fazer prejuízo.

A nível de tesouraria, uma boa noticia (que não é novidade) - estamos menos apertados nos proximos 12 meses do q a 1 de Julho (sem surpresa, dado o empréstimo obrigacionista, as vendas de Verão, a negociação de novos empréstimos e a boa campanha na fase de grupos da LC). 

O buraco de curto prazo (dívidas a pagar até Dezembro menos creditos a receber no mesmo periodo) melhorou portanto para 60M negativos (era de 100M um ano antes). Continuamos portanto com a corda no pescoço (tanto grandes vendas de jogadores como novos empréstimos são inevitáveis nos próximos meses, para fechar o buraco), mas muito menos (o que explica como conseguimos evitar vender jogadores no defeso de Inverno, adiando isso para o Verão). 

No entanto isto foi conseguido à custa de passar dividas de curto prazo para longo prazo, acima de tudo (o passivo total baixou apenas 6M), com o reverso da moeda que o que pagamos em juros continua a aumentar (5.8M no primeiro semestre, contra 5.1M um ano antes). São mais de 10M/ano «atirados pela janela fora», de certa forma, uma enorme % das receitas estruturais de um FCP (e muito mais do que há uns anos, fruto tanto de juros mais altos como de um maior endividamento). Serve de pequeno consolo que o slb está ainda mais sobrecarregado nesse aspecto; tanto um como outro clube vão precisar de uma óptima gestão nos próximos anos se quiserem evitar a tal Anderlechtização gradual.

De resto o que menos me agrada é o aumento com os custos com pessoal, e já tinha falado nisso quando saiu o R&C do 1º trimestre. Apesar das saídas de Hulk e A. Pereira e um alegado saneamento de emprestados, gastamos mais 4M (aumento de quase 20%) em salários e encargos com o pessoal nestes 6 meses do que tínhamos gasto um ano antes - e nao foi só com o plantel, foi também com os administradores e restantes funcionarios.

Finalmente, de assinalar há 2 factores q enviesam a análise. O primeiro é na bilheteira, porque a SAD fica agora com menos $$ das quotas (25% em vez de 75%). Não consegui determinar qual é o impacto ao certo, mas presumo que ande entre 1 e 2M a menos para a SAD (se alguém souber ao certo, agradecia que esclarecessem). O segundo é no Corporate Hospitality, em que o aumento tanto de receitas como de custos em FSE e' artificial devido a uma mudança na forma como sao contabilizados (mas o impacto disso nos resultados totais da SAD é zero, ao contrario das quotas).

66 comentários:

Hugo disse...

Boa analise. Tambem fico preocupado como os custos com o pessoal aumentaram.
Daqui a pouco aparece ai o Manuel...

DC disse...

Daqui a pouco vem aí algum tolinho dizer que agora com a Premier na 5LBTV facturam já 500 milhões e pagam as dívidas todas.

No meio destas contas preocupantes, a única coisa positiva realmente é essa. É que os nossos rivais estão piores e que o nosso principal rival arriscou muito agora com a história da Premier e se lhe correr mal este negócio (como eu penso que vai correr) vão ter consequências graves.

Mas está visto que iremos gradualmente perder competitividade na Europa e que passar a fase de grupos vai passar a ser o objectivo realista a atingir.

Anónimo disse...

Olá,


Duas perguntas:
- Há ou não custos com pessoal migrados para os FSE?
- Os juros dos emprestimos feitos para a construção do estádio estão nestas contas?


Cumprimentos,

Cajó

Nightwish disse...

Gostava muito que os portistas e a direcção, que não são necessariamente a mesma coisa, ganhassem consciência de que é preciso cortar, porque já não há dinheiro no país nem plano para haver (excepto para as rendas para os de sempre).
Andar a pagar duas dezenas de milhões por um lateral, independentemente da qualidade, é opção insuportável. A continuar assim, já era.
Infelizmente, o aviso SCP vem tarde demais.

João Ferreira disse...

As contas do ...Ica pouco me interessam.
Interessam-me as do Porto. Todavia, é sempre bom comparar, para desmistificar as mentiras que a bem oleada máquina de propaganda vermelha inventa.

Quanto ao FCP, concordo com a análise. Todavia, acho que falta frisar aquele que é para mim o mais negativo dos aspectos das nossas contas, que é o facto de termos o futuro hipotecado. De facto, já recebemos antecipadamente algumas das verbas referentes ás próximas temporadas, nomeadamente, as que às transmissões televisivas dizem respeito, para além da quase da totalidade das receitas de anos futuros estarem hoje, já dadas como garantia para o bom cumprimento dos financiamentos bancários. Falo em receitas de TV, de bilheteira, de quotizações, de patrocínios e até, de prémios de Champions League.

José Rodrigues disse...

Nao me parece que o slb tenha arriscado assim tanto como isso com a treta da PL: a quantia em causa e´ relativamente pequena.

Eu diria que eles estao mais ou menos como nós, nao estao claramente piores (falo das SADs). A curto prazo têm um problema muito maior de tesouraria, mas isso resolve-se em boa parte com novos emprestimos (da banca, obrigacionistas e privados); mas isso tera´ como consequencia um aumento do q pagam em juros no servico da divida, q já é muito.

Por outro lado estruturalmente eles estao um pouco melhores: como disse nós precisamos de fazer uns 45M anuais de mais-valias para ficar no zero enquanto eles precisam de fazer «apenas» 35M. Isto quando (a meu ver) o potencial de mais-valias do plantel é de valores relativamente parecidos entre um e outro clube.

NB: esse «buraco» estrutural já toma em conta o q se paga em juros da divida.

José Rodrigues disse...

Ah, esqueci-me de acrescentar: como disse, estava a falar das SADs. Quanto aos clubes, mesmo faltando-me bastantes dados concretos estou convicto que o slb está claramente pior do q o FCP.

DC disse...

Sim, mas se juntarmos a esse valor da Premier todos os custos inerentes ao equipamento e pessoal e considerarmos que passarão a ter as receitas de TV apenas do próprio canal e não da Olivedesportos, acho uma operação algo arriscada.

Já agora, quando refere estruturalmente quer dizer que a SAD do Porto tem uma diferença entre custos e proveitos operacionais (sem venda de jogadores) superior em cerca de 10M à do 5LB, não é?

Anónimo disse...

isto sim é falar do nosso Porto com clareza, para que todos nós portistas que aqui visitam o blogue fiquemos esclarecidos.
Agora o que foi escrito aqui sobre o Antero Henrique é vergonhoso! Ao minimo deslize tudo está mal e mesmo aqueles que mais nos ajudam a ser melhores são criticados.

Gostava imenso de quem escreveu aquela porcaria que se candidata-se ao clube, gostava de ver o que ele fazia de melhor. Sinceramente tão cedo este blogue para mim,vai ser mais uma Reflexão como um Lampião

José Rodrigues disse...

Mas que confusao que aqui vai...

Em geral, para saber se o futuro é preocupante ou não basta-me os dados disponíveis no R&C.

Antes de mais nada, receitas antecipadas é uma coisa completamente diferente de garantias em emprestimos.

Começando pelo 2o ponto, nao há de anormal ou preocupante nas garantias bancarias: é completamente normal que assim seja em qualquer emprestimo bancario e nao se pode minimamente de falar em «hipotecar o futuro» por causa disso. Desde que vá havendo dinheiro para ir abatendo a dívida e os juros e q esses sejam comportáveis, tanto me dá que o dinheiro venha de receitas de bilheteira como de TV como de vendas de jogadores. Aliás, a bem dizer nem sequer se pode dizer (sem ser artificialmente) que parte das receitas é q é usada para pagar quais dívidas.

O q é preocupante não é as garantias dadas mas sim o volume total de empréstimos que temos e os juros que pagamos. Desde Gelsenkirchen, aumentámos o montante total de empréstimos para mais ou menos o DOBRO (sendo hoje uns 120M), com o que isso implica a nível de $$ gasto em juros.

Quanto ao 1o ponto, gostava de saber onde é q o João Ferreira foi buscar a informação, porque não a encontro no R&C. Mas de qual forma é pouco relevante porque as receitas e os custos são o que são (independentemente do prazo de pagamento) e estão reflectidos na demonstração de resultados.

José Correia disse...

Quais seriam os resultados se não tivéssemos vendido nenhum jogador no período em análise, e como se compara isso com a situação 1 ano antes?
A resposta é: teríamos feito 23M de prejuízo (i.e. 46M anualizados), comparado com 27.7M de prejuízo um ano antes.


Muito preocupante, sem dúvida.
Suponho/espero que a inversão iniciada esta época (2012/13), de gastar menos em contratações e contratar menos jogadores, fazendo regressar alguns dos emprestados (Castro, Abdoulaye Ba, Atsu, Kelvin) e/ou promovendo jogadores da equipa B, seja para continuar nas próximas épocas.

José Correia disse...

o que pagamos em juros continua a aumentar (5.8M no primeiro semestre, contra 5.1M um ano antes)

Atendendo ao Passivo acumulado da FC Porto SAD e à evolução das taxas de juro nos últimos anos, este aumento era previsível. Mas, o facto de ser previsível não faz com que seja menos preocupante.

Nesta atividade, parece-me irrealista um cenário de Passivo zero e Juros zero, mas um dos objetivos da Administração da SAD deveria ser uma redução significativa deste montante e a razão é muito simples: tudo o que é gasto em juros é dinheiro “deitado fora”, que não é investido na equipa.

José Correia disse...

Apesar das saídas de Hulk e A. Pereira e um alegado saneamento de emprestados, gastamos mais 4M (aumento de quase 20%) em salários e encargos com o pessoal nestes 6 meses do que tínhamos gasto um ano antes

O aumento de 4 MEuros corresponde ao 1º Semestre ou é uma extrapolação para o exercício completo (12 meses)?

Independentemente de outros aspetos, penso que a existência de uma equipa B (cerca de 20 jogadores + treinadores) é capaz de ser um dos principais motivos que explica o aumento dos encargos com o pessoal.

Esperemos é que o dinheiro gasto na equipa B seja rentável.

José Correia disse...

O primeiro é na bilheteira, porque a SAD fica agora com menos $$ das quotas (25% em vez de 75%)

Para além da questão das quotas dos associados do FC Porto (clube), a diminuição das receitas de bilheteira era previsível e as razões penso que são óbvias.
Infelizmente, penso que esta tendência se irá agravar nos próximos tempos.
Veremos quantos dragon seats serão vendidos para a época 2013/14.

José Rodrigues disse...

Preocupante é o facto de que apesar disso a massa salarial subiu 20%... nao temos os custos salariais minimamente sob controlo. Seja dirigentes, seja treinadores, seja jogadores. Já vai em mais de 50M/ano, quando em 03/04 era de 39.8M (incluindo chorudos bonus por ganhar a LC) e em 05/06 era de 34.6M. E por favor nao me venham dizer q este plantel é melhor do q o de essas épocas.

José Rodrigues disse...

Os 4M correspondem apenas ao 1o semestre (25.8-21.8). A continuar assim, vamos ter um aumento de 8M anuais (o q dá calafrios). Penso q a epoca vai acabar com um aumento algures a meio caminho (i.e. uns 6M), com uma ligeira recuperacao no 2o semestre.

José Correia disse...

Mas, já agora, penso que nem tudo teve (terá) uma evolução negativa nos próximos anos.

- Os prémios unitários pagos pela UEFA (por presença e desempenho desportivo na Liga dos Campeões) aumentaram.

- Em 08/04/2011, a FC Porto SAD prolongou o contrato de cedência dos direitos de transmissão televisiva até ao termo da época 2017/2018 (o anterior terminava em 2013/2014).

http://web3.cmvm.pt/sdi2004/emitentes/docs/FR32967.pdf

Este novo contrato prevê contrapartidas adicionais de 82,8 milhões de euros, o que significa quase 20,7 milhões de euros por cada uma das 4 épocas de prolongamento do contrato.
Ora, 20,7 milhões de euros por época (em média) significará um aumento muito significativo do valor que a FCP SAD recebeu no 1º Semestre de 2012/2013 (5,5 MEuros).

José Lopes disse...

Jose Rodrigues,

Obrigado pelo tempo gasto a traduzir o R&C para linguagem acessivel a qualquer um. Os seus posts com estas analises sao um servico prestado aos portistas (e nao so) que ca vem.

José Rodrigues disse...

Sim, pode ser q a equipa B explique o aumento de massa salarial com jogadores e treinadores, mas penso q apenas parcialmente (nao me quero acreditar q a equipa B custe 6M/ano só nisso já excluindo outras despesas... se fosse o caso tinham obrigacao de ganhar a 2a liga com uma perna às costas).

Mas já agora, a equipa B tambem explica porque é q os salarios e bonus dos orgaos sociais (ie administradores) subiram de 950mil para 1.3M (40%) em 6 meses??

Anónimo disse...

O que vejo por aqui é que a solução defendida corresponde à imagem do país: "um empobrecimento do plantel racional" neste caso apostando na prata da casa isto é em craques como o Kelvin, o Sebá e o Atsu para dar alguns exemplos. Será obviamente uma catastrofe e estará a chegar a sportinguização ao nosso glorioso clube. Já agora o Sr. José Rodrigues diz "o potencial de mais-valias do plantel é de valores relativamente parecidos entre um e outro clube". Não podia estar mais em desacordo e penso que mais que uma leitura objetiva o seu comentário reflete um desejo (que aliás partilho). Digo-lhe apenas que o Benfica tem uma plantel preparadissimo para perder 2/3 dos seus melhores jogadores tendo apenas que fazer pequenos arranjos. Nós se vendemos os que valem algum dinheiro ficamos depenados e com necessidade de voltar a investir de forma substancial. Por exemplo de saí Moutinho e Fernando é a catastrofe, metiamos agua em quase todos os sectores. Claro que alguns sonham com um meio campo com Castro de Defour mas infelizmente não percebem nada disto.
Concluindo este relatório só me deixa muito apreensivo em relação ao futuro, continuo a não entender para onde vão os milhoes ganhos (comissões?empresários?) e penso que deveriamos ter mais informação sobre o aumento do custo com pessoal: será que o Kelvin ganha mais que o HulK, o Tozé que o Guarin ou o Sebá que o Falcao...Acho que a equipa B não justifica tudo.

Saudações portistas,

Pedro Moreira

José Rodrigues disse...

«penso que nem tudo teve (terá) uma evolução negativa nos próximos anos.»

Pensas tu e penso eu... ;-)

Em lado nenhum disse ou deixei implicito que todas as rubricas teriam uma evolução negativa nos próximos anos, falei apenas do cômputo geral (e tendo já esses 2 factores em conta). Certo?

Mas se vamos fazer o balanço das tendências rubrica por rubrica, temos no campo oposto (com tendências negativas) a bilheteira, o merchandising, os juros e bem provavelmente também os patrocínios e o Corporate Hospitality. Portanto, no balanço global as tendências todas vão-se provavelmente anular umas às outras ou perto disso.

Já agora e quanto aos prémios da UEFA, eu não contava com o cu na galinha e espero que a SAD também não: nomeadamente, que a campanha europeia nas próximas épocas seja tão boa como este ano. Quem sabe, até pode ser que seja melhor, mas é no mínimo tão provável que seja pior como seja melhor, para mais tendo em conta que vamos ter que vender as jóias da coroa tendo pouco dinheiro para substitutos (menos do que no passado).

José Rodrigues disse...

Sim.

José Rodrigues disse...

Perdão, não é só tendo em conta os custos e proveitos «operacionais»: é TODOS os custos e proveitos excluindo apenas as mais-valias nas vendas (incl. portanto os juros, por exemplo, que tecnicamente não são custos «operacionais», embora ironicamente sejam entre todos dos custos mais previsíveis e regulares).

O valor em si desse indicador não quer dizer nada tecnicamente (até porque não exclui do lado dos custos a amortização dos passes comprados), mas dá a clara indicação de que até que ponto é que há dependência da(s) SAD(s) de mais-valias nas vendas de jogadores para ter o barco equilibrado.

José Rodrigues disse...

«O que vejo por aqui é que a solução defendida corresponde à imagem do país: "um empobrecimento do plantel racional"

Bem, não sei ao certo a que se refere o Pedro Moreira, mas ao artigo não é de certeza (não defendi lá QUALQUER solução, limitei-me a tirar a «fotografia» da situação como ela é).

Mas sim, eu defendo - entre outras coisas - uma aposta GRADUAL em mais ALGUMA prata da casa e jogadores relativamente baratos saídos do campeonato português (de forma a baixar a massa salarial e custo de passes) - principalmente em posições do plantel em que seja de esperar que joguem relativamente pouco tempo.

Há um risco desportivo nisso? Há, sim senhor (mas pode ser minimizado fazendo-o gradualmente e em posições do plantel secundárias, como por ex o Castro esta época). Mas não faze-lo corresponde também a um enorme risco, podendo levar a SAD a meio caminho da falência.

O P. Moreira prefere o quê? Ter que vender cada vez mais titulares todas as épocas, correndo o risco dos substitutos serem um flop com consequências desportivas catastróficas (por serem substituídos aos 4 de cada vez)? Comprar mais Danilos por 18M, na esperança de que assim se ganhe a LC (com o $$ que daí viria) ou q o jogador se valorize para os 50M? Fazer um milagre na área do merchandising ou subir os preços de bilheteira, no contexto económico de enorme aperto q temos (e vamos ter por anos) entre os adeptos?

Acima de tudo defendo contratações com MUITO mais critério do que nos últimos anos, especulando muito menos «para o futuro». Isto é, para as posições em q claramente estamos mais carentes ou vamos estar no próximo defeso. Para (algumas...) posiçoes mais secundárias, que se aproveite a equipa B e outros jogadores perto de custo zero.

Não entendo portanto porque se gastou agora 9M em mais um defesa central, quando estamos aí relativamente bem servidos (e continuaremos a estar mesmo se um Mangala for vendido) *e* se sabe que no Verao entre Moutinho, James e Jackson muito provavelmente 2 serão vendidos, com os buracos acrescidos que daí vêm (e já hoje temos um buraco a PDL, nem quero pensar quando Jackson sair).

E para terminar: defendo também medidas em outras áreas. Começando por exemplo pelo que se gasta com os administradores, em que o salário de base náo devia passar de uns 20mil euros/mês (muitissimo menos do que agora, mas um salario ja´ muito bem jeitoso), com o resto em bonus dependendo da performance desportiva, eventualmente chorudos se for muito boa; passando por uma mentalidade muito mais frugal em FSE, com custos fora de controlo; e acabando por exemplo num muito melhor trabalho na Porto Multimedia (q hoje em vez de ser uma «cash cow» como deveria ser, chega ao ponto de fazer prejuízo!).

D.Pedro disse...

Sem duvida boa analise e com equilibrio.

José Rodrigues disse...

«apostando na prata da casa isto é em craques como o Kelvin, o Sebá e o Atsu para dar alguns exemplos»

O Pedro teve imenso azar ao escolher esses exemplos, já que nenhum desses 3 é prata da casa... ;-)

Ok, com boa vontade digamos que o Atsu é, apesar de ter sido contratado aos 17 anos e meio (vá lá, ainda passou uma época nos juniores). Os outros dois, claramente não. Aliás, o Sebá nem sequer é jogador nosso (está emprestado) nem sequer é nada barato (a cláusula é de 5M).

Mas sim, defendo uma meia-dezena de jogadores como Ba, Atsu ou Castro como soluções de recurso no plantel (i.e. quando já há um par de soluções melhores para a mesma posição), «para fazer número» como se diz (e quem sabe evoluir e conquistar um lugar nos regularmente utilizados).

Servem perfeitamente para completar o plantel e sempre são uns bons 10M q gastamos a menos por ano (entre passes e salarios).

E já agora, esses jogadores da casa ou perto de custo zero idealmente q sejam bons, identificados e contratados relativamente cedo. Jogadores como F. Coentrao ou Lima (quando estava no Belenenses) podiam muito bem ter vindo parar ao FCP quando custavam tuta e meia, e certamente nao foi por nao termos bons olheiros em Portugal...

Luís Miguel disse...

O aumento dos custos com pessoal deve-se essencialmente a haver equipa BB, tornando-se assim irrelevante uma comparação dos valores totais em 31-12-2012 e 31-12-2011.

O mais relevante é que há uma evolução positiva no desequilíbrio financeiro corrente de 102,4 milhões de euros para ""apenas"" 60 milhões de euros entre 31-12-2011 e 31-12-2012. É preciso continuar no caminho para o equilíbrio financeiro corrente, pois, é isso, que facilitará a obtenção de financiamento a baixo custo.

O FCPORTO conseguiria mais facilmente alcançar os seus objectivos desportivos e financeiros, se implementasse uma estratégia que fizesse com que os seus jogadores renunciassem às selecções para estarem focados no FCPORTO.

José Rodrigues disse...

Fiquei agora «podre» ao reparar numa coisa no R&C que não tinha reparado da 1a vez...

A SAD (com um autentico chico-espertismo, mas retiro isto se me disserem q foi aprovado pelos socios, q eu saiba nao foi) com um mão dá mais dinheiro ao clube no q diz respeito às quotas (por iniciativa dos sócios) mas com a outra retira-lhe o mesmo dinheiro.

É q, em FSE, a rubrica «publicidade e propaganda» diminuiu o balanço negativo de 2.4M para 0.5M (nos 6 meses em causa), mas apenas e só porque «o FCP clube já nao tem direito a receitas relacionadas com suportes publicitários para as modalidades, que passaram a estar afectos somente à FCP SAD» [sic].

Ou seja, nao fosse esse roubo ao clube e os resultados seriam 2M piores.

José Rodrigues disse...

Bem, como ja' disse a ser verdade e' entao uma equipa B carissima, nao se compreende como nao vao destacados em primeiro lugar quando custam para ai' 3x mais do q outra equipa qualquer da Honra (com a eventual excepcao do slb B)... e fico tb admirado nesse caso q os administradores recebam 40% mais por existir uma equipa B, alguem q me explique a logica.

Quanto 'a franca melhoria no desequilibrio financeiro corrente, destaquei isso no artigo. Mas fico parvo ao ler o resto do comentario... e' isso q interessa acima de tudo?? E' assim q se facilita financiamento a baixo custo??!!!

Claramente NAO e' solucao nenhuma quando a maneira de diminuir esse desequilibrio e' aumentando o correspondente de longo prazo (ie mais de 1 ano), e ainda por cima quando os novos emprestimos de longo prazo sao a juros superiores a 8%!

Isso em bom portugues traduz-se por "chutar a bola para a frente e quem vier a seguir q se desemerde".

Essa melhoria ajuda apenas e so' a respirar nos proximos meses, com o custo de tornar a situacao daqui a 1, 2 ou 3 anos ainda pior.

Anónimo disse...

Em conclusão; futuro que nos espera não é nada animador.
Quanto as atenuantes, ou relativa alegria em relação ás contas do nosso principal rival, só posso dizer que com o mal dos outros posso eu bem. Mas na realidade não nos podemos esquecer que a marca "Benfica" tem muito mais potencialidades e muito mais mercado que a marca "FC Porto". Já para não falar que eles só agora começam a respirar depois de estarem quase mortos após a era Vale e Azevedo; enquanto nós, durante mais de 30 anos vivemos em estabilidade directiva, de gestão e de titulos, com muitos mais anos de LC e vendas milionárias... e no fim é isto que nos separa deles. Já para não falar que somos nós que estamos no fim do ciclo.

Pedro Góis.

P.S: Mais uma vez muito obrigado pelos esclarecimentos do José Rodrigues. Este sim um tema que vale mesmo a pena reflectir por todos nós.

Anónimo disse...

Tem calma Nightwish; até nesse ponto já estamos bem melhor. Até agora só comprámos um DC por 7M e pagámos mais 2M de comissões. È verdade que custou tanto como Jackson e que só vem na próxima época... mas está longe dos 13M pagos por Danilo e os 2M de comissões são bem menos que os 5M pagos pelas as de Danilo. E até já vamos buscar jogadores a custo zero como o Lucho e o Liedson; na verdade tem salários elevadissimos... mas como são jovens, ainda os vamos rentabilizar.

P.S: Desculpem lá a ironia; mas mais vale rir que chorar.

Pedro Góis

Anónimo disse...

Só com a saida de Hulk, foram menos 5M só em vencimentos por época. Preocupante sem dúvida e sem explicação plausivel. Como é possivel que ano para ano em geral, a qualidade do plantel seja inferior e os valores com a massa salarial aumentem. Como gostaria de saber qual a parte que é para jogadores e dirigentes. Mas num clube que o presidente e outros dirigentes ganham prémios chorudos por atingirem objectivos desportivos em vez de ojectivos económicos. Fica tudo compreendido. Qualquer dia até vão buscar a equipa do Barcelona e pagam o que tiverem de pagar; pois que vier a seguir que pague; que enquanto a equipa ganhar é só encher os bolsos.

Pedro Góis

Anónimo disse...

Bem analisado. Completamente de acordo.

Pedro Góis

Anónimo disse...

"Mas já agora, a equipa B tambem explica porque é q os salarios e bonus dos orgaos sociais (ie administradores) subiram de 950mil para 1.3M (40%) em 6 meses??"

Quanto? Como? estou desde já incrédulo; mas também revoltado com tudo isto. Como é possivel, num ano como este e que tantos portugueses e logo também portistas, estão a ter tantas dificuldades e alguns sabe-se lá o sacrificio que fazem para pagar as suas cotas e que tudo fazem para estarem presentes para apoiar a equipa!!! Um bocadinho de decoro e respeito, p.f

Anónimo disse...

Mas se a diminuição de receitas era previsível, também não deveria ser a diminuição e não o aumento dos salarios e bonus dos orgaos sociais??? Pois é.

Pedro Góis.

Anónimo disse...

Não é um serviço público, mas é no minimo um serviço de verdadeiro portismo. Da minha parte o meu agradecimento.

Pedro Góis.

Anónimo disse...

Sim eles de ano para ano têm perdido muitos e bons jogadores e tem conseguido a cada ano que passa, qualificar e equilibar o seu plantel (quem diria que há cerca de 10 anos, os tipos já estavam mortos).
Desde que JJ pegou na equipa, tem sido um fartote:
D.Luiz (Chelsea), F. Coentrão (R.M), Ramirez (Chelsea), Di Maria (R.M), Javi Garcia (M.C) e Witsel. São muitos e bons jogadores e olhamos para o actual plantel continua-se a ver um bom punhado de jogadores. Quanto a nós é como o Pedro escreveu:

"Por exemplo de saí Moutinho e Fernando é a catastrofe, metiamos agua em quase todos os sectores."

Os tipos perderam o JG e o Witesel, que estavam para eles como o Fernando e o Moutinho estão para nós e é o que se vê. Enzo, Matic já lá estão, mas ainda tem o Gaitan para fazer o lugar e o miúdo André Gomes.

No minimo preocupante.

Pedro Góis.

Anónimo disse...

"O FCPORTO conseguiria mais facilmente alcançar os seus objectivos desportivos e financeiros, se implementasse uma estratégia que fizesse com que os seus jogadores renunciassem às selecções para estarem focados no FCPORTO."

Luis; na minha opinião seria um caminho suicida, esse que defende. Em 1º lugar afastaria muitos jogadores de quererem vir para o Porto, pois como é natural, todos os jogadores querem defender as cores das suas selecção por motivos patrióticos, mas também de prestigio e claro ao estarem presentes nas grandes provas de futebol de selecções. Também se valorizam a si e ao clube que representam. Porque é que pensa que o FCP fez tudo ao seu alcance para naturalizar DECO e depois fazer tudo para que ele chega-se á nossa selecção, já que não ia á do Brasil. Desta forma não só conseguiu dar-lhe ainda mais visibilidade na montra internacional, o que levou a aumentar o seu valor. Já para não falar por exemplo se o James não fosse internacional e com um certo nº de jogos, o seu valor para o mercado inglês era nulo... pois é uma das condições necessárias para jogadores de fora da UE jogarem em Inglaterra.

MrFields disse...

A comparação com o SLB fica sempre bem em qualquer analise. Podemos morrer felizes desde que vejamos o nosso inimigo o inferno. Triste fado, cabeças pequenas...

João Ferreira disse...

Eu sei perfeitamente o que são garantias bancárias e sei perfeitamente o que é antecipação de receitas.

O que é preocupante é que nós temos grande parte do activo dado como garantia. E se, numa situação de aperto, tipo aquela dos atrasos do Atlético a pagar o Falcao, que se traduziu nos atrasos a pagar o Defour e o Mangala, arriscamo-nos a ficar na mão ou a pagar juros ainda mais elevados.

No que respeita ao 1º ponto, está na página 55, na nota 15. E não, não é irrelevante. De pouco adianta ter lucros, se não temos dinheiro. E a verdade, é que tivemos que ir buscar dinheiro que nos seria devido em épocas posteriores, para pagar dívidas da actual (ou de anteriores). E se isso não tem impacto na DR, tem-no, e de forma significativa, na tesouraria.

José Lopes disse...

José Rodrigues disse...

Como sublinhei a situação do slb serve de pouco consolo, mas objectivamente nao deixa de ter a sua relevância: é com eles q disputamos a conquista do campeonato ano após ano (e cada vez mais, porque o SCP afundou-se de vez e o Braga por bem q seja gerido, q é, só por milagre é q será um serio candidato ao título regularmente).

Mário Faria disse...

Obviamente que a situação financeira do FCP é preocupante.
Obviamente que se cometeram erros.
Obviamente que este défice de sustentabilidade já ocorria no reinado FCP e agravou-se com a SAD, desde a sua formação em finais de 90.
Achei que o FCP iria entrar numa fase de transição e que haveria uma maior cuidado em arrumar a casa, mas a “compra” do miúdo mexicano veio perturbar essa perspectica de mudança.
Dito isto, quando leio certos comentários fico com a ideia que seria fácil termos tanto êxito desportivo como tivemos ou até melhor, com orçamentos mais baixos, sem pagar altos salários, nem comissões, nem prémios de assinatura por prolongamento do vínculo contratual e sem “resolver” os humores dos atletas: porque não os poem a jogar, porque deixam correr o marfim até contrato expirar, porque adoram jogar nas selecções, porque o mercado português não dá visibilidade, porque….. e, neste quadro complicado, que poderíamos gerir todos estes interesses e conflitos, sem risco ou com o risco controlado, como se gerir uma equipa de futebol que compete ao mais alto nível e com uma intricada teia de interesse à sua volta fosse fácil, e que ao adeptos compreenderiam de maneira fácil medidas restritivas e um plantel que não fosse capaz de se bater para ser campeão e bater-se com mais argumentos na Europa. E em muitos que escrevem sobre estas questões, fica a ideia que estão convencidos que no FCP o despesismo é estrutural, os benefícios a terceiros e proveitos indevidos e inconfessáveis são norma.
Não penso nada disso, porque não tenho provas e, em definitivo, não conheço o negócio. Considero, porém, que a gestão no futebol foi muitas vezes louca porque temos de ganhar a todo o custo e os adeptos racionalizam pouco quando se apela à poupança. Sem ter conhecimentos técnicos que suportem o que vou dizer, é minha convicção que se a gestão do FCP fosse perfeita, o FCP não estaria na primeira divisão do futebol europeu, nem poderia ser de outra maneira num país periférico, pobre e com um mercado pequeno. Aliás, como acontece em todas as actividades económicas, salvo um ou outro caso de excelência.
Quem foi capaz de fazer mais do que FCP, na era moderna e num país da nossa dimensão ?
Quantos clubes por essa europa fora têm uma situação financeira controlada ?
O que fizeram os grandes gestores que estiveram ao serviço do futebol ?
É bem provável que o futebol tenha de seguir um rumo igual ao do país, ou seja o do empobrecimento, a não ser que os clubes e os seus proprietários ponham trancas à porta e digam “basta” aos salários absolutamente escandalosos que se praticam, o que de todo não acredito.

José Correia disse...

pode ser q a equipa B explique o aumento de massa salarial com jogadores e treinadores, mas penso q apenas parcialmente

Concerteza.
Mas quanto custará a equipa B?
Podemos especular.
O plantel é composto por 21 jogadores. Se cada um custar à SAD, em média, 100 mil euros por ano, só em jogadores seriam 2,1 milhões de euros.
Se juntarmos a Equipa Técnica, o Departamento Médico e o restante Staff, são mais 11 pessoas.
(www.fcporto.pt/JogadoresStaff/EquipaB/equipab.asp)

Assim sendo, não ficaria surpreendido se a equipa B representasse um encargo para a SAD de cerca de 3 milhões de euros por ano.

José Correia disse...

no campo oposto (com tendências negativas) a bilheteira, o merchandising, os juros e bem provavelmente também os patrocínios e o Corporate Hospitality

Nesta altura, uma parte significativa das receitas de Corporate Hospitality são canalizadas para o Project Finance do Estádio do Dragão.
Não sei ao certo até quando, mas quando terminar o Project Finance do Estádio, penso que a totalidade das receitas ficarão para a SAD.

José Correia disse...

quanto aos prémios da UEFA, eu não contava com o cu na galinha

Atenção, a UEFA aumentou quer o prémio de presença, quer os valores pagos por cada empate e vitória na fase de grupos.
Se depois o desempenho desportivo do FC Porto na LC vai ser melhor ou pior, isso é outra conversa.

Nicolau T disse...

Boas...

Tenho uma pequena dúvida e não sei se me podem esclarecer.. Quando é que o FCP "deixa" de pagar o Estádio do Dragão? Obrigado

José Rodrigues disse...

1) E' uma boa pergunta (no contexto da criacao da FCP Servicos Partilhados SA), 'a partida penso q deveria ser assim mas o R&C nao esclarece, nem se sabe quantas pessoas passaram a trabalhar o oficialmente para a Servicos Partilhados (mas estou certo que poucas). Penso q o impacto nos custos com pessoal deve ser bastante baixo.

O q se sabe ao certo e’ q no 1º semestre a SAD “comprou” 1.9M de servicos ‘a FCP S.P. SA e “vendeu-lhe” 170mil. O saldo negativo esta’ registrado em FSE, naturalmente, incl. na sub-rubrica “Trabalhos especializados”.

2) Nao, os juros dos emprestimos (ou o passivo dos emprestimos) para o estadio nao estao nas contas da SAD, mas sim da Euroantas. A SAD paga basicamente um aluguer anual 'a Euroantas pela utilizacao e exploracao do estadio, q por sua vez e' usado para abater a divida e pagar os juros.

José Rodrigues disse...

No q diz respeito a receitas antecipadas de TV, acho q o Joao Ferreira leu mal.

A SAD de facto recebeu algumas receitas antecipadas, mas num montante muito modesto (em % do q vamos ter a receber da Sportinveste): 1.5M (.875+.63) pelos direitos ate' 14/15. Um mero pormenor, na "big picture".

O q tb diz la' e' q 8M do contrato de TV de 14/15 a 17/18 ja' foram facturados 'a Sportinveste, mas nenhum desse dinheiro foi recebido (so' ha' adiantamentos do contrato ate' 14/15).

De resto e' normal q haja alguns adiantamentos, tanto a entrar como a sair; num sinal contrario, a SAD adiantou $$ ao clube/Euroantas.

José Rodrigues disse...

Como disse, acho plausivel q a equipa B explique parte do aumento de salarios. No entanto acho muito estranho q isso nao tenha sido mencionado DE TODO na explicacao dada pela SAD, ainda mais quando eles costumam preocupar-se em fazer spin nas mas noticias:

'O aumento verificado nos custos com o pessoal espelha não só o investimento da equipa com jogadores de elevada qualidade, a maioria deles internacionais pelas suas selecções, de forma a
garantir os melhores resultados desportivos, mas também a performance desportiva exemplar da equipa, o que leva ao pagamento de prémios de desempenho colectivo' [sic]

José Rodrigues disse...

O pagamento do estadio (project finance) so' vai estar concluido daqui a 6 anos (2018). Ja' faltou mais tempo, mas 6 anos e' ainda muito tempo.

Nao e' verdade q a partir de 2018 fiquem as receitas todas para a SAD (alias, era so' o q faltava! Enquanto o estadio for do clube, so' faltava q a SAD o usasse de borla para mais quando a SAD so' e' 40% do clube e o clube poucas outras receitas tem).

No minimo, continuara' a pagar 1M ate' ao fim do contrato (mais 15 anos), dinheiro q alias ja' foi adiantado em 2003. Mas a isso temos q acrescentar "um montante inferior [ao pago ate' 2018], indexado ao valor do servico da divida do ultimo ano (2018)".

Qual e' esse indice (1%? 50%? 99%?) nao sei nem me parece q esteja ja' estabelecido: a ser decidido mais tarde, presumo (e de proposito: em 2003 quiseram deixar margem de manobra em funcao do estado das contas do clube e SAD em 2018).

José Rodrigues disse...

A resposta esta' num comentario meu mais acima: 2018.

Salvo erro serao cerca de 4M/ano a mais q sobram para FCP clube e/ou SAD, a decidir.

Anónimo disse...

Pedro Gois, podes sempre fazer-te sócio do SLB.

Isto no caso de ainda não o seres, pois é com cada comentário, valha-me deus...

hurakatai disse...

Resumindo, temos funcionários da SAD cada vez mais ricos e uma SAD cada vez mais falida. O futuro será brilhante.

hurakatai disse...

Redução significativa do passivo? Porquê e para quê? Se podemos viver de luxos e esbanjar dinheiro por que motivo vamos apertar o cinto? Nem pensar nisso. Só porque os juros é dinheiro “deitado fora”? Não é o dinheiro do bolso deles, o que interessa os juros?

É por causa desta gestão financeira que sou e serei sempre anti-Pinto da Costa, apesar de o considerar um génio a nível de gestão desportiva e dos bastidores do futebol português. Como portista não me satisfaço apenas com resultados desportivos. Nunca vi nenhum clube ou SAD fechar por falta de resultados desportivos, mas por falta de dinheiro. Para lá caminhamos alegremente.

hurakatai disse...

Pois deveria, mas essa opção não agrada. Não dá jeito nenhum. A filosofia do "gasto e ganho o que quero, onde quero e como quero, e não tenho que dar satisfações a ninguém" não se adequa a restrições, nem diminuições. À grande e à francesa é muito melhor. Siga para bingo.

hurakatai disse...

O Danilo foi um negócio feito para benefício desportivo e financeiro da SAD? Há alguém ingénuo que acredite nisso?

hurakatai disse...

E então o VP não consegue fazer o mesmo que o JJ? "Pegar" em suplentes, torná-los titulares e valorizá-los? Há um ano atrás, quem eram o Matic e o Enzo? Toda a competência tem o seu limite, não é, VP?

hurakatai disse...

Zé,

Marco Bellini é que sabe. Bem que dizia ele que o segredo estava na "massa". Estes tipos da SAD são uns beneméritos, sem dúvida. FC Porto clube? O que é isso? Eu sou do tempo em o FC Porto estava acima de tudo e todos. Agora, outros valores (€€€€€€€) mais altos se levantam.

Luís Miguel disse...


Os objectivos da equipa BB são:

- lançar os jogadores da formação para o FUTEBOL PROFISSIONAL
- lançar os jogadores jovens recentemente contratados (Caballero é o último exemplo)
- rodar os jogadores da equipa AA
- Assegurar receitas com vendas dos jogadores da equipa BB e receitas através do mecanismo de solidariedade
- Ser um conteúdo do Porto Canal

Consequentemente a equipa BB deve ser encarada como um investimento. A sua rentabilização não pode ser verificada quando a curto prazo.

Sendo a Liga de Honra muito competitiva, o FCPORTO BB, de modo, a assegurar os objectivos anteriormente citados, não poderia arriscar uma eventual descida de divisão, além disso, os jogadores teriam que ser competitivos o suficiente para eventualmente poderem aspirar à equipa principal.

É completamente irrelevante a classificação desportiva do FCPORTO BB, desde que assegure a manutenção e estamos no bom caminho.

Financiamento

O equilíbrio financeiro só pode ser alcançado, resolvendo primeiro o desequilíbrio financeiro corrente e só depois o desequilíbrio financeiro não corrente a não ser que haja um brutal aumento do capital social, ou, pelo menos, uma emissão brutal de obrigações convertíveis em acções. Isto poderia significar a perca do controle da SAD, e aparentemente não é isso que os accionistas pretendem, ou ainda, vender quase todo o plantel, pagar dívidas e alcançar o equilíbrio financeiro corrente e não corrente à custa da competitividade da equipa.

Dinheiro será sempre necessário (para financiar o passivo e para manter a competitividade da equipa), e será sempre muito mais fácil e mais barato obtê-lo se, pelo menos, houver melhoria no actual desequilíbrio financeiro corrente.

Consegue arranjar alternativa melhor sem prejudicar a competitividade da equipa?

Anónimo

Suicida é pagar milhões em transferências e salários e depois deixar ir os jogadores para as selecções.

Discordo profundamente quando diz que os jogadores se valorizam nas selecções. Na minha opinião desvalorizam-se e prejudicam desportiva e financeiramente os clubes.

Os problemas dos clubes ingleses não são problema do FCPORTO.

Alexandre Burmester disse...

O aumento da massa salarial poderá estar essencialmente relacionado com o reaparecimento da equipa B, digo eu.

José Rodrigues disse...

"quando leio certos comentários fico com a ideia que seria fácil termos tanto êxito desportivo como tivemos ou até melhor, com orçamentos mais baixos, sem pagar altos salários, nem comissões, nem prémios de assinatura por prolongamento do vínculo contratual"

Bem, eu vejo as coisas muito simplesmente nos seguintes termos, em geral: os dirigentes tiveram na ultima decada "n" decisoes especificas em que podiam escolher:

1) correr um pouco de risco no curto prazo, sabendo que seriamos recompensados no medio prazo, ou

2) "chutar a bola para a frente" correndo zero risco no curto prazo, mas correndo grandes riscos no medio prazo.

Ambas as opcoes incluiam (algum) risco. Verifico que sistematicamente a escolha residiu na 2a opcao, a gestao tem sido sistematicamente feita olhando para a situacao de tesouraria imediata e nos proximos meses.

Ora se ha' alguem q tem/tinha credito para pensar para alem do imediato e eventualmente "encaixar" (aos olhos dos adeptos) um insucesso no imediato se tomassse a 1a opcao, esse alguem e' os presentes dirigentes e acima de tudo PdC. E e' essa falta de coragem e visao "a la chinesa" q me deixa desiludido com PdC: nao quis gastar credito politico, como se diz.

As direccoes futuras vao ter MUITO menos margem de manobra, seja quem for, e portanto maior tentacao para gerir apenas para o imediato. Ou seja, aumentando a probabilidade de eventualmente entrarmos numa espiral negativa. E PdC sabia isto muito bem.

De resto e sobre os detalhes, nao sei onde e' q o Mario leu aqui um comentario q fosse q defendesse q nao se pagasse altos salarios, q nao se pagasse comissoes e q nao se pagasse premios de renovacao, de forma a escrever o q escreveu. Eu nao vi nenhum...

Zefansa disse...

A formação dos planteis tem que ser alterada, o peso das amortizações chegou a um ponto astronómico acima dos 25M por ano.

Mas pior que isso é a forma errada (na minha opinião) como tem sido investido, acho que temos gasto demasiado em defesas e deixado o plantel órfão de bons avançados, sendo que não temos conseguido rentabilizar os defesas, se há uns anos conseguimos vender defesas por valores muito altos (carvalho pepe ze bo bruno alves) nos ultimos tempos apenas conseguimos fazer bastante dinheiro com avançados ( lisandro quaresma falcao hulk), A. pereira já não foi uma grande venda, rolando nem sequer conseguimos vender, fucile anda na B...
Temos que voltar a tentar encontrar defesas mais baratos e investir dinheiro em avançados e médios ofensivos.

Anónimo disse...

Quem não se lembra deste quarteto fantástico: Fucile(5M), B. Alves(0M), Rolando(1,5M), A.Pereira(5,5M) Total:12 Milhões.

Com este quarteto: Danilo(18M), Mangala(7,5M), Otamendi(8M), A.Sandro (13M). Total:46,5 Milhões.

A salientar que só o coxo do Danili, custou mais 6 Milhões que o quarteto fantástico. Até o A. Sandro custou mais 1 milhão que o Q.F.

E pelos vistos estes 46,5 milhões não chegaram para formar o quarteto defensivo... Já vem ai um jovem Mexicano, pela soma de 11 Milhões.

E não me venham com a conversa que é para cubrir uma saida futura. Então não há ainda no Banco mais dois centrais jovens, um com provas dadas e outro jovem.



Anónimo disse...

Será possivel o José Rodrigues descodificar para os mais leigos nestas coisas dos números; em quanto é que vai o custo de aquisição de J.Moutinho e James por exemplo. Estes dois jogadores são um caso paradigmático do que se passa no clube, quanto a aquisições diz respeito. A SAD comunica que compra determinado jogador por um valor aceitável; mas depois é um fartote de venda de parte do passe, recompra e toca a vender outra vez, e toca a comprar que uma pessoa até perde noção dos números envolvidos e isto sem contar que normalmente estas compras, vendas e recompras, estão sempre associados custos elevados para o FC Porto, com comissões, taxas, prémios de renovação etc... A final qual é a percentagem que o Porto detém de J.M e James e quanto é que neste momento vai o seu custo?

Abraço.

Zefansa disse...

O problema não é o JM ou o James que estando já em valores algo elevados são jogadores que rendem em campo e podem valer pelo menos o que custaram.

O problema é que se pagou 4M por 60% do iturbe e mais 4M por 90% do passe de kelvin ou seja 8M em 2 extremos que não são opção para a equipa, quando a equipa não tem jogadores de qualidade nessa posição.