quarta-feira, 6 de março de 2013

Falar dentro de campo...

(fonte: O JOGO)

Aos 25 anos e na sua 5ª época de azul-e-branco, o médio defensivo Fernando Reges sonha com a seleção canarinha e quer sair para um campeonato mais mediático do que o português.
Pois... mas já há clubes interessados?
E esses clubes têm dinheiro, carcanhol, massa, cheta, guita, pilim que se veja?
 
Suponho que se o FC Porto renovar o seu título de campeão nacional e, principalmente, se for longe na Liga dos Campeões, será mais provável atrair a atenção de alguns "tubarões" do futebol europeu (penso que o Fernando não quererá ir para a Ucrânia ou Rússia...), dos tais campeonatos mais mediáticos.
 
Para isso, para que a EQUIPA consiga alcançar as suas metas, valorizando os jogadores e potenciando as metas individuais, talvez fosse melhor pôr o NÓS à frente do EU. Ou seja, os jogadores, a começar pelos que querem emigrar à procura do el dorado, em vez de andarem a dar entrevistas destas, deveriam estar focados nos objetivos da EQUIPA e preocupados em "falar" dentro do campo.

11 comentários:

Dragão Anónimo disse...

Este post tem tanto de pertinente como de desnecessário. Embora seja verdade que o Nós tenha de ser posto sempre na frente do Eu numa equipa, não é menos verdade que o Fernando tem sido dos melhores em campo de forma constante. Acho que este reparo era desnecessário, apesar de também não gostar de ver os nossos jogadores a pedir para irem embora.

DC disse...

O problema é que salvo erro o Fernando só tem mais 1 ano de contrato.
Portanto, quem tem de "falar" agora é o Porto: ou se chega à frente com um grande salário e renova, ou vende-o (e provavelmente mal vendido).

Hugo Silva disse...

Fui só eu que vi o Fernando a remar contra a maré de mediocridade em alvalade? Que mal acabou o jogo, o homem despiu a camisola e furioso quis sair do campo o mais depressa possível, tal era a frustração de ver que outros não se entregaram da mesma maneira?

Ambição todos temos que ter. Compreendo-a perfeitamente. Ele não vai ser outro Paulo Assunção.

Luís Miguel disse...

José Correia de Reflexão Portista (RP) menciona que os jogadores em vez de darem entrevistas devem estar focados nos objectivos da equipa e "preocupados" em falar dentro do campo.

Na minha opinião, os jogadores estariam mais focados nos objectivos da equipa se renunciassem às selecções.

O FCPORTO deve implementar uma estratégia para que os seus jogadores renunciem às selecções.

Jogar nas selecções desvaloriza os jogadores e prejudica desportiva e financeiramente os clubes.

José Eduardo Costa disse...

Um jogador com o rendimento deste não tem que ser posto em causa por defender os seus interesses.

José Eduardo Costa disse...

Um jogador com o comportamento e rendimento deste não tem que ser posto em causa por defender os seus interesses.

Luís Miguel disse...

Não é o jogador que está a ser posto em causa.

O que está em causa é pagar milhões em transferências e salários e depois deixar ir os jogadores às selecções, ou seja, o que está em causa é se deixar ir os jogadores às selecções é a melhor estratégia para melhorar os resultados desportivos e financeiros do FCPORTO.

O que eu ponho em causa é a percepção tradicional de que ir às selecções valoriza os jogadores.

Na minha opinião, a simples disponibilização para representar as selecções desvaloriza os jogadores, quanto mais a efectiva representação dos jogadores pelas selecções.

José Correia disse...

Numa altura em que a equipa está (deve estar!) 100% focada nos dois grandes objetivos da época - campeonato e Liga dos Campeões - e em que se avizinham jogos dificeis, não me parece que tenha sido um bom timing para o Fernando dar uma entrevista a dizer que quer sair para um campeonato mais competitivo.

José Correia disse...

É naturalissimo que os jogadores tenham a ambição de sairem para clubes/campeonatos mais ricos.

Podem/devem é tratar desse assunto com algum recato, junto dos dirigentes da SAD. A não ser que o objetivo seja criar algum mal estar, de modo a verem a sua saída facilitada.

José Correia disse...

Os jogadores têm todo o direito em querer representar as respectivas seleções.
E, no caso dos jogadores não-comunitários, até convém que sejam convocados regularmente, de modo a puderem ser transferidos para clubes do mercado mais endinheirado - a Premier League.

Luís Miguel disse...

Cabe aos dirigentes do FCPORTO tomar as medidas adequadas para que os próprios jogadores renunciem às selecções.

Discordo profundamente, os jogadores do FCPORTO devem jogar exclusivamente no FCPORTO.

As eventuais restrições a não-comunitários, são problemas dos clubes ingleses.