domingo, 3 de março de 2013

Mudar de "chip"


Nem todos os jogos se podem vencer usando a táctica habitual, mesmo quando esta tem vindo a resultar.

Os últimos 5 anos provam que, independentemente de faltar este ou aquele jogador, da pior ou melhor forma conjuntural (quer a nossa, quer a do adversário), o FCP está a utilizar a fórmula errada em Alvalade.

Todos estes últimos resultados negativos tiveram até histórias semelhantes: aparente domínio das nossas cores mas, sejamos honestos, muito poucas claras oportunidades de golo. Aliás, tal como sucedeu no jogo de ontem, a nossa ansiedade acaba até por oferecer boas oportunidades ao scp de vencer estes clássicos. Neste de 2013, valeu-nos Hélton para evitar males maiores.

Mas, afinal, a falta de Moutinho foi ou não decisiva? Seria fácil e tentador responder afirmativamente. Porém, na época passada, com ele em campo, as coisas, até não foram assim muito diferentes.

Por paradoxal que possa parecer, terá sido mais sentida a falta de Mangala. E porquê, se até não sofremos golos? Pela dinâmica que o francês oferece. E falo de dinâmica ofensiva.

É verdade que Maicon, mesmo em baixo de forma, ainda assim consegue anular a maioria dos lances de ataque adversário. Porém, Mangala fá-lo de forma muito mais rápida, matando logo na origem os avanços contrários. Com isto, o FCP recupera de imediato a posse de bola, asfixiando o adversário em sucessivas vagas ofensivas. Assim se explicando as nossas mais recentes estatísticas neste domínio (70%, por vezes).
Pelo contrário, Maicon vai atrás do adversário, levando demasiado tempo a recuperar e, por vezes, cedendo até cantos e lançamentos desnecessários. Com isto, o FCP desgasta-se mais, fica mais tempo sem a bola e, pior, permite ao adversário ir ganhando confiança e aproximar-se mais da nossa baliza.

Regressando ao início, afinal por que não resulta, no estádio do scp, a nossa usualmente bem sucedida abordagem?

Sim, Defour não é Moutinho. Sim, Lucho cada vez se eclipsa mais e anda completamente sem imaginação enquanto ainda tem pernas. Sim, Danilo tarda a fazer uma grande exibição. Sim, Varela deveria ser imediatamente substituído mal nos apercebemos que está num daqueles seus tristes dias. E, sim, James está a léguas do James pré-lesão. Todavia, nem tudo isto explica plenamente a razão do nosso insucesso.
Aliás, ainda há escassas semanas, todos pasmávamos com a qualidade do nosso futebol perante tantas adversidades (lesões e não só). Chegou até a parecer que ninguém fazia realmente falta. Quem ia entrando a substituir um colega não operacional, cumpria quase sempre.

Contudo, tudo muda (e muito rápido) no futebol.

E não só por cá. Basta ver que o Barcelona passou, em dois tempos, de “melhor equipa de sempre” a um adversário a que até dá para vencer enquanto se vai poupando alguns elementos para futuros compromissos.

Neste desporto, é obrigatório inovar permanentemente.

Em Alvalade, os lances em que o FCP parecia criar mais perigo, eram aqueles mais “feios” (que equipas grandes como a nossa tentam, por mero complexo, evitar): bolas lançadas para a área desde o meio-campo.
A valia técnica de Jackson no um-para-um, aliada à pouca experiência dos “centrais” leoninos, poderia ter feito mais mossa que as nossas habituais tentativas de ir trocando bolas até se chegar à linha de fundo. Ainda para mais após a entrada de Liedson. Outro jogador virtuoso a quem deveriam ter sido dados mais minutos. Afinal para que veio ele se não para resolver jogos como o de ontem?

Com estes dois predadores em campo, simultaneamente, muitas mais bolas deveriam ter chegado à grande área contrária.
Não faz sentido colocar em campo tamanho poder de fogo e depois não mudar uma virgula na forma de jogar.

Jogos como os de Alvalade cheiram tanto a empate e são sempre tão repetitivos que clamam por uma nova abordagem.

18 comentários:

Duarte disse...

Excelente post, Luís. Sobretudo em relação à parte do Liedson, que já está a ser injustamente crucificado, sublinho tudo. Só acrescentaria que houve, nos minutos finais, uma tentativa de colocar mais vezes as bolas na área, mas os cruzamentos saíram todos, sem excepção, muito mal.

Agora com o Estoril, espero que VP tenha uma abordagem diferente, mesmo ao nível do onze. Não é entrar em poupanças, mas sim em rotatividade do plantel. Bem sei que as lesões que temos tido limitam esta ideia, mas num ou noutro caso é possível alterar-se algo. Caso contrário teremos a equipa presa por arames até final da época.

DC disse...

A nova abordagem já foi usada várias vezes esta época com a entrada de Liedson e tem resultado maravilhosamente...

Uma equipa que consegue atingir a competência no seu estilo de jogo que este Porto atingiu, tem é que ter confiança nele.
Ontem em Alvalade falhamos porque quisemos apressar as coisas em vez de jogar com calma e classe como sabemos. É preciso ter cabeça, começar a questionar o nosso estilo é errado e só nos pode prejudicar.

Anónimo disse...

“Nem todos os jogos se podem vencer usando a táctica habitual, mesmo quando esta tem vindo a resultar”… e vá lá explicar isso ao cabeçudo do VP.

“Todos estes últimos resultados negativos tiveram até histórias semelhantes: aparente domínio das nossas cores mas, sejamos honestos, muito poucas claras oportunidades de golo.”…e VP, ainda não percebeu e muitos de nós também não, que algumas vezes esse domínio é propositadamente consentido pelos adversários de forma a melhor explorar as fraquezas do modelo táctico implementado por VP. O que JJ fez na luz. VP criticou o pontapé para a frente, mas na realidade a única equipa a marcar de bola corrida foram os lampiões.

“Mas, afinal, a falta de Moutinho foi ou não decisiva? Seria fácil e tentador responder afirmativamente. Porém, na época passada, com ele em campo, as coisas, até não foram assim muito diferentes.”…na minha opinião até foram piores… ainda hoje me pergunto, como foi possível. Sinceramente, esta época a equipa do Porto elevou e muito a qualidade do futebol praticado.

“Sim, Defour não é Moutinho.”… Eu diria mais o actual Porto sem Moutinho, não é a mesma equipa. Desde a altura de VB que eu dizia que havia só dois jogadores insubstituíveis no FC Porto e que se saíssem iriam ser constantemente lembrados. Falcao e Moutinho, isto já na altura que todos achavam que o melhor jogador do Porto era o Hulk.

“Sim, Lucho cada vez se eclipsa mais e anda completamente sem imaginação enquanto ainda tem pernas.” O contrário é que era difícil de acontecer. Muito tem feito ele nesta fase da sua carreira. No ano passado foi essencial para resolver dentro do balneário as trapalhadas que o VP não conseguiu resolver; já no terreno de jogo a experiência e a voz de comando, nem sempre chegam.

“Sim, Danilo tarda a fazer uma grande exibição.” Temos que ter calma com este jovem, só cá está há um ano, é um dos mais bem pagos do plantel e só custou uns míseros 18 Milhões de euros (Desculpem lá a graçola, mas prefiro rir, a chorar)

“Sim, Varela deveria ser imediatamente substituído mal nos apercebemos que está num daqueles seus tristes dias.”… eu diria mesmo desconvocado.

“E, sim, James está a léguas do James pré-lesão.” Gostava de saber porquê!

“Contudo, tudo muda (e muito rápido) no futebol.”… menos o VP.

“Neste desporto, é obrigatório inovar permanentemente.” ...vão lá dizer isso ao VP.

“Em Alvalade, os lances em que o FCP parecia criar mais perigo, eram aqueles mais “feios” (que equipas grandes como a nossa tentam, por mero complexo, evitar): bolas lançadas para a área desde o meio-campo.”
Os lampiões de JJ, não se importaram de jogar assim contra nós, e acabaram por nos marcar dois golos em bola corrida e nós numa bola parada e numa oferta do Artur. No fim quem ficou incomodado com o pontapé para frente foi VP e não JJ. VP que não espere outra coisa no jogo do Dragão por parte dos lampiões se estes por alguma razão acharem que este é o melhor caminho para alcançar os seus objectivos.

“Não faz sentido colocar em campo tamanho poder de fogo e depois não mudar uma virgula na forma de jogar.” … cá para mim temos que em primeiro lugar explicar ao VP, o que é uma virgula.

De qualquer forma continuo a ter fé que vamos novamente ser campeões. Agora que o VP, se torne um bom treinador, já estamos no campo do impossivel.

Abraços.

Louro disse...

A equipa parece em nitida quebra fisica e começa a ser preocupante o nivel exibicional nos mais recentes jogos.
Moutinho e Mangala são insubstituiveis no atual plantel do Porto, Danilo não convence , Varela está a fazer uma época desastrosa e nem merece a titularidade- neste jogo perdeu todos os lances ofensivos da equipa!!!
James e Atsu entraram lentos e apáticos e Liedson não faz milagres em 10 mns e fez figura de corpo presente.
Neste momento o Chip esta mesmo a ficar gasto e a epoca pode ficar em risco, não dá para perceber a condição e a gestão fisica desta equipa, tal como não se percebe o numero irracional de bolas perdidas em ataque!
Tanto o Alex Sandro como o Atsu tiveram nos pés a hipotese de sentenciar mas quiseram rematar sem angulo e podiam ter sido mais eficazes.
Nesta partida apenas Fernando e Otamendi cerraram os dentes, os demais calçaram chinelos e isso não pode acontecer neste clube.
Relativamente ao arbitro lamenta-se a choraminguice dos calimeros , mas lembro a cotovelada do avançado Holandes ao Otamendi e
das 6 ou 7 faltas cometidas pelo Rinaudo quase todas merecedoras de amarelo e que passaram em claro...nem é por aí.

Pedro Ramos disse...

O problema é que muitas vezes vamos a Alvalade, como ontem, nao com um atitude de clássico mas de apenas mais um jogo como muitos outros deste campeonato com uma abordagem passiva e de expectativa.
Ora apesar de tudo, o Sporting costuma ser um pouco melhor que a maior parte das restantes equipas da nossa liga e basta-lhe uma atitude semelhante às restantes para conseguirem bons resultados contra o Porto, quem tiver memória sabe como foi o jogo ainda esta época no Dragao.
O Porto de ontem nao foi muito diferente de muitos outros jogos neste campeonato, simplesmente o adversário, sobretudo nestes jogos, é melhor que a maioria.

Diário de um Dragão disse...

DC, nem mais. Concordo em absoluto contigo. Não vamos agora retroceder...

O que o resto das pessoas não parece perceber, é que não se alia uma estratégia de pontapé para a frente com uma estratégia de posse e controlo.

A única coisa que o pontapé para a frente traria é a perda das qualidades do FC Porto. Menos posse, menos ocasiões, mais descontrolo e mais adversário, na esperança que num lance fortuito o golo apareça.

Não é preciso ir muito longe, basta ver quando o Porto tenta isso e ainda ontem tentou mais que uma vez. Resultado: bola perdida e mais tempo para o Porto não jogar.

Há aqui quem se enamore com as recentes derrotas do Barcelona, como se isso fosse demonstrativo de qualquer deficiência do modelo.

http://www.diariodeumdragao.pt/2013/03/sporting-cp-0-0-fc-porto-dois-pontos.html

Anónimo disse...

Francamente aquilo que esta a suceder é o que todos esperavamos face à escassez evidente de recursos. Andamos iludidos com meia duzia de exibições que se tiveram mérito também espelharam a mediocridade do campeonato. Vitor Pereira não deve ser crucificado porque é a primeira vitima das circunstancias. Mas também não pode ser ilibado porque é casmurro, não me parece motivar os jogadores de melhor forma e falha frequentemente na leitura técnica do jogo. Além de que, e isso é importantissimo nos tempos que correm, não consegue valorizar ninguém, antes pelo contrário. Agora o cerne do problema é a miséris deste plantel, o pior do nosso FCP nos últimos anos. Além da ausencia de banco, facto imperdoavel, mesmo o onze inicial tem carências. A defesa é boa com a excepção de Danilo que, como é obvio, é um flop e terá que ser vendido para minimizar o prejuizo. A defender é horrivel mas penso que ainda é pior a atacar: bola em Danilo é bola perdida, ou poque não sabe centrar, ou porque erra inumeros passes ou então porque tenta rematar do meio camo...enfim já não tenho esperanças. O meio campo tem Fernando e Moutinho que são jogadores de nivel mundial mas Lucho francamente, já não tem bagagem para isto. É claramente um sinal de que o FCP está na miséria económica porque de outra forma teria ido buscar alguém para o futuro. No ataque salva-se Jackson. Varela e Atsu serão dois suplentes razoaveis mas nada mais que isso. Finalmente James, evidentemente um craque. Mas pergunto, uma simples lesão muscular dá direito a um recuperação eterna. De quem´é a culpa: do departamento médico? do treinador que não lhe dá minutos obcecado que é em manter a equipa mesmo ganhando sem jogar nada? Um caso estranho. O jogo com o Sporting foi MISERAVEL e que ninguém tenha outra leitura porque menospreza a história do nosso clube. Não vi um passe a rasgar, uma finta, uma tabela...isto não é futebol. Estou muito preocupado com o futuro: vejo o Benfica com uma equipa para o futuro, a crescer nos meandros sujos do futebol e o nosso FCP a ficar para trás e a precisar de um grande investimento que não parece ter poder para fazer.
Temo estar a entrar num novo ciclo em que ganhará a equipa do regime, bem amparada pelo poder politico lisboeta.

Pedro Moreira

Anónimo disse...

Concordo que nao se pode alterar radicalmente uma filosofia e um principio de jogo identitario sobre prejuizo de maus resultados simplesmente por os jogadores nao se sentirem comodos e precisarem de tempo para assimilarem o novo modelo , tudo muito bem, mas agora quando nos apercebemos que nao existe um unico , repito um unico medio capaz de por si so criar problemas ou fazer passes de rotura como lhe queiram chamar e se entrega a responsabilidade criativa num jogador ja entradote e que esta a fazer a segunda passagem pelo clube, entao eu pergunto de quem e a culpa? Sera que temos que pagar alguma factura do titulo do ano passado? Isto nao era previsivel, ou seja um jogador que fica mais velho , rende menos e entao? a alternativa ? onde esta? onde esta? Lembro-me de um jogo na primeira volta contra o beira - mar onde esse tal James (que agora muitos apelidam de lento e de ter todos os defeitos possiveis e imaginarios ...) jogou no miolo e oh coincidencia das coincidencias , o jogo resolveu-se em 5 minutos. No final o nosso lider veio dizer que nao, que nao que nao podia ser, no proximo jogo la estava ele no degredo da ala, para abrir lugar ao do costume...
Ate o bellushi entrava de caras neste meio campo meus amigos , deixemo-nos de cantilenas, a classe e uma coisa que se tem ou nao se tem, e nesta equipa do Porto ha muito poucos jogadores com a capacidade de desiquilibrar uma partida truncada.
Ate ja tinha lido que a equipa agora funcionava melhor sem o Hulk....oh heresia das heresias, sera que nao tinhamos ganho o jogo ontem com a sua classe? nem que fosse a pegar na bola no meio campo e ir por ai fora e mandar um missil...quem e capaz de fazer isso no atual plantel?

cincoAzero disse...

Mais do mesmo na vitória da agremiação corrupta
http://oantilampiao.blogspot.pt/2013/03/houve-mao-beneficiar-agremiacao.html
http://www.dailymotion.com/video/xxxilu_40min_sport

KOSTA DE ALHABAITE disse...

Na mouche. "Vê-se" muito futebol nas palavras do Luis Carvalho. Boa apreciação técnica do que se passa nas nossa linhas. Muito bem!

Anónimo disse...

menos ocasiões?
Quer dizer nenhumas?

Anónimo disse...

Grande análise Luis Carvalho. Parabéns.
Parece que este Porto joga muito à bola mas não tem nervo pras estes jogos mais atabalhoados e mais duros. Talvez o Mangala Fizesse com que isso não se notasse tanto. mas já no jogo da luz aconteceu o mesmo. Para a mim a grande desilusão é mesmo Lucho porque já vai numa sequência de jogos horrivel. é pena, por ser o capitão, por ser adorado por mim e por quase todos e por simbolizar tanto no balneário. mas ele, no minimo precisa de descansar 2 jogos.

Juca

Mefistófeles disse...

Para mim, um dos principais problemas é que andamos a jogar com 10 há muito tempo. Já o Filipe Sousa o disse aqui e não há crónica do MST que não o mencione: Varela é uma autêntica nulidade e não se compreende que seja titular. Não dá uma sequência a um lance, chega a ser confrangedor !

Anónimo disse...

Outro dos principais problemas é o benfica ter mais pontos..o porto este ano tem +1 ponto que o ano passado...

Mário Faria disse...

Apesar de em muitos momentos do jogo a nossa equipa parecer que não tem soluções, e se enredar naquela teia que cria de passes e mais passes sem grande objectividade, não estou certo que o remédio seja apenas uma questão de "chip". Para jogo directo e chuveirinho ? Não, penso que essa é uma solução de último recurso e (só) nessa condição deve ser acolhida.
Apesar de todas as maleitas, basta atentar que o SLB está na liderança e com mais golos que o FCP, em função das duas grandes penalidades que Martinez falhou e que os jogadores do SLB concretizaram nos jogos com AAC e o SCBM. Os “ses” não dão pontos, mas não se pode escamotear a influência que podem ter. Acontecesse o contrário e estávamos à frente ou a par do SLB e com o mesmo número de golos e, então, estaríamos satisfeitos com a produção da equipa. Ainda que o número de oportunidades não correspondesse ao valor da posse, sempre diríamos que se marcámos bastante golos, não é errado concluir que temos tido um bom nível de eficácia.
Podemos fazer melhor ? Por mim gostaria que o FCP se exibisse mais regularmente com “um futebol mais contagiante”, mas acho que temos feito uma boa temporada, face ao valor e à dimensão do plantel, e à actual condição física dos jogadores. Digo que o “valor” do plantel é o que retiro da minha classificação qualitativa, e não dos custos subjacentes á sua formação. Danilo é provavelmente o jogador mais caro do plantel, e na minha perspectiva é um excelente jogador, mas que ainda não justificou o alto investimento feito.
O jogo contempla um conjunto de duelos, individuais e colectivos, técnicos e físicos. Quem desequilibra é o talento dos jogadores : criatividade, resistência e velocidade, enquadradas no modelo, que não escraviza e que os jogadores devem cumprir e saber tornear, em função das suas qualidades e da sua inspiração. Não vejo que o James jogue pior porque lhe dizem que não joga na posição 10, se já o fez bem porque tem “permissão” de jogar em zona mais interiores e próximas de Martinez, ou o Lucho apareça muito menos na área adversário porque o treinador insiste “na posse” e lhe diga, não entres, não entres.
O FCP não tem feito a rotação que a presença na CL obriga. Não temos muitas soluções e o SLB tem estado bem e quando não está lá aparece a “ajuda” da ordem, que equilibra a sua falta de inspiração.
Vamos passar uma fase complicada : o Estoril vem jogar como o SCP, e temos o Málaga que vai entrar com tudo e jogar de forma tão agressiva quanto o árbitro lhe deixar. Vamos esperar mais uma semana e dois dias, para uma avaliação mais cuidada. Até lá, alguma ponderação era bem vinda.

Joao Goncalves disse...

nós não passamos de bestas a bestiais num só dia nem o inverso.

Com VP num seremos bestias e dificilmente seremos bestas, isto torna VP melhor ou pior treinador? nem uma nem outra... é exactamente o mesmo que cá está deste a última época.

VP disse no jogo pós-Guimarães que a equipa finalmente está a jogar como queria... isso mudou? Claramente não!

O problema não é a equipa estar a jogar como VP quer, mas sim os adversários deixar VP jogar como quer longe da sua área e todos fechados atrás.

A dinâmica do meio campo é mesmo muito importante e aquele trio (acompanhado com o apoio dos alas) é tudo naquela equipa e em Alvalade e com o Olhanense e mesmo com O Rio Ave, não exisitiu.

Mas que chavão é este de "Dinâmica"?

É a capacidade que aquele trio tem de fazer jogadas ao 1º toque entre 3/4 jogadores rapidamente, desequilibrando o adversário e fazer um passe para uma zona livre para o remate/cruzamento/etc...

Se isso não acontece e devido ao futebol lento e previsível, que é táctico exactamente para não sofrer contra-ataques em desiquilibrio, não chega para furar as muralhas dos adversários.

Jogar contra o Porto de VP é fácil... basta colocar um defesa posicional e abdicar-se por completo do ataque, que fica entregue a 2/3 malucos que correm que se farta e as probabilidade de obter um empate são enormes.

Como resolver isto?

É fácil... é preciso a magia do 1º toque e do futebol rápido de troca de bola na fase anterior ao passe final... sem isso e sem as outras equipas terem ambição, vamos sempre ter muitas dificuldades.

É claro que se marcarmos logo cedo, todo o nosso futebol rendilhado aniquila o adversário... o problema é que não conseguimos produzir futebol por norma para marcarmos cedo.

Silva Pereira disse...

Boa tarde,
Excelente post.
Este jogo fez-me ponderar um tema que tenho abordado desde que o VP é treinador principal e de certa maneira fez-me corrigir o meu pensamento.
As bolas paradas têm sido geralmente marcadas por JM com uma eficácia quase nula e nesse sentido eu achava estranho ser sempre ele a marcar.
Por tal motivo foi um aspeto que estive muito atento e não sendo um jogo estatisticamente relevante deu-me para verificar que sem JM a coisa não melhorou, se é que não piorou (um canto a nosso favor quase ia dando um golo aos lagartos).
Por isso tenho que chegar à conclusão que este item o VP não deve dar muita relevância, pois é confrangedor que de tantos cantos (sem Mangala) não se crie perigo.
Esperava que com uma defesa tão fraquinha o FCP tirasse mais proveito destas jogadas que com equipas a jogar com o autocarro são fundamentais.

Anónimo disse...

o caríssimo Silva Pereira insiste nesta das bolas paradas e dos livres. Como é possivel insinuar que o JM marca mal os cantos? Se quiser faço-lhe uma estatistica de golos de cantos e/ou lances muito perigosos obtidos de cantos e livres. ia ficar impressionado.