quarta-feira, 10 de abril de 2013

10 jogos e uma derrota no... Dragão

(FC Barcelona x PSG, Maisfutebol)
 
O PSG foi empatar a Barcelona (1-1), na 2ª mão dos quartos-de-final da Liga dos Campeões, tendo sido eliminado pelo critério dos golos marcados fora (em Paris, há uma semana atrás, registou-se um empate por 2-2).
 
O jogo de hoje terminou com o Barça a queimar tempo e com os seus adeptos de rosto apreensivo, o que é ilustrativo das enormes dificuldades que a melhor equipa do Mundo sentiu para eliminar o PSG.
 
No final, o treinador do PSG, Carlo Ancelotti, ao comentar a campanha do clube parisiense na Liga dos Campeões, afirmou:
"Fizemos o possível para ganhar, jogámos bem e estivemos perto. Foi uma noite maravilhosa, mas podia ter sido fantástica se passássemos às semifinais. Estivemos bem e não nos arrependemos de nada. Saímos [da Liga dos Campeões] com dez jogos e uma derrota."
 
10 jogos, em que enfrentaram Dinamo Zagreb, Dinamo Kiev, FC Porto, Valência e Barcelona, e apenas uma derrota. Fraquinha esta equipa do PSG...
E o único clube que, na Liga dos Campeões, impôs uma derrota a este Qatar Saint Germain foi o... FC Porto!

27 comentários:

Anónimo disse...

Então mas as vitórias morais não são apanágio de outros clubes???

Miguel Lourenço Pereira disse...

E num jogo absolutamente brilhante, de parte a parte, um verdadeiro duelo europeu!

Anónimo disse...

Essa vitória foi real e não moral... 3 pontos=1 milhão

Hugo disse...

Isto não é uma vitória moral. É um facto

Pedro M. disse...

Essa foi uma vitória real mas vangloriarmo-nos por isso já é uma vitória moral.

não é este tipo de "factos" que vai tornar a nossa época melhor ou pior.

e a ir por aí, prefiro "gabar-me" de o Porto terminar este campeonato invicto (mesmo que fique em 2º)

Anónimo disse...

Pois, para muitos portistas, sempre tão lestos nas criticas, o PSG e o Malaga (por um triz não eliminou a sensação Dortmund!) não valiam nada e era uma vergonha para o FCP, perder ou ser eliminado por eles.
Enfim "catedraticos da bola"...

Anónimo disse...

Caro amigo,

Quero partilhar consigo e com os que aqui partilham o portismo, uma notícia (confirmadíssima) que me deixa mais uma vez com a suspeita de que o nosso Porto já não é o mesmo. Este ano o campeonato pode perder-se por alguma letargia. Silêncios, omissões e distrações.
Soube hoje também que o clube do regime, quando vendeu Witsel ao Zenit, exigiu ficar com opção de compra dos passes de Danny e de Bruno Alves. No caso do central, será ele o escolhido no caso da vende Garay. Não me entristeceria a ida de Danny para os vermelhos, mas a de Bruno Alves…
Entristece-me ainda mais que deixemos de ter o “golpe de asa” que só os campeões demosntram. No campo e fora dele.

Abraço

Dragão Azul

To13 disse...

E foi mais uma vitória que ajudou a passar a fase de grupos ;)

Empate moral foi aquele em Camp Nou dos mouros contra os putos do Barça.

Bluesky disse...

Comentei isto no post "O meu barbeiro informal" e fui criticado!!!!!
Pois é, uma equipa "sem treinador", sem "banco" e com contratações esquisitas (vulgo Liedson) e jogadores vulgares como o Varela, o Danilo, o Defour, e velhada como o Lucho e o Helton, foi até onde foram as milionárias equipas inglesas, francesas, holandesas e por aí fora até só ficar a nata da Europa: Barcelona, Real Madrid e Bayern Munique, sendo o Borussia uma especie de gigante anão...
Mas para os MST deste Mundo fizemos uma champions de merda!!!!

littbarski disse...

É uma vitória moral, no sentido de que é usada como barómetro da prestação do Porto na Champions. Isto é, o Porto foi eliminado nos oitavos-de-final por um estreante na prova, mas pelo menos ganhou um jogo ao PSG! Claro que perdeu o outro (e, consequentemente, o primeiro lugar do grupo). Só que esta parte não encaixa na estratégia de valorização de uma campanha mediana do Porto de Vítor Pereira na Champions.

Mas podia ser pior: na época passada teceram-se loas ao poderoso APOEL, que até eliminou o Lyon nos penalties...

Joao disse...

O problema não foi a campanha em si. O problema pelo menos para mim foi o facto do Porto ter jogado da maneira que jogou em Málaga, e sair da champions da maneira como saiu, simples. Aliás acho que quer o Porto quer o Benfica têm actualmente equipas fantásticas, e óptimos treinadores. Só que há dois pequenos detalhes: O VP é muito cagão, foi defender um resultado a Málaga. O Jesus é mais arriscado. O benfica tem melhor banco que o Porto. O 11 inicial do Porto é melhor que o do Benfica. Estou muito curioso para ver como o próximo ano vai ser planeado para as duas equipas porque de uma coisa estou certo o JJ se continuar assim não fica lá. O VP deve sair.

Anónimo disse...

Parece que alguns que falam aqui neste PSG que defrontou o Barça, se estão a esquecer que "este" PSG é muito superior como equipa e está muito mais bem trabalhada que o PSG que nos derrotou em Paris; e a equipa de Paris, já era um pouco melhor que aquele PSG que foi derrotado aqui no Dragão, uma equipa em formação, ainda a dar os primeiros passitos pela mão de um dos maiores estrategas do futebol mundial; C. Ancelotti. Já para não falar que o Barça sem Messi, é uma outra equipa bem diferente para pior, e este sò já entrou na 2 parte e vindo de uma lesão. Sinceramente querer comparar o PSG que foi vencido aqui no Dragão, com o actual PSG, é como querer comparar o Porto de V. Pereira, com o Porto de Villas-Boas.

O Anti Lampião disse...


Até entre eles usam e abusam da violência. É com os repórteres da sua televisão, o treinador da mascote, bombas de gasolina, etc

http://oantilampiao.blogspot.pt/2013/04/a-violencia-no-dna-da-agremiacao.html

Anónimo disse...

Caro Dragão Azul,

Se é verdade o que escreve, também eu fico triste. Ainda há umas poucas semanas atrás quando se começou a falar de mais uma possível venda milionária por parte do clube do regime, em concreto de Matic; o jogador referenciado para o substituir era o Rui Meireles.

Na verdade são dois jogadores que estão a andar para o final das suas carreiras. Penso que em termos futebolísticos, não seriam uma mais valia para os tipos da 2ª circular. Agora ao nível de estratégica de confronto ao poder do FC Porto, sem dúvida que poderia ser uma enorme mais valia e até devastadora para todos nós simples adeptos, que sempre vimos ambos jogadores como verdadeiros símbolos do que é um jogador á Porto.

E escrevo, poderia, porque não me esqueço que essa foi a estratégia que o presidente desde os anos noventa implementou para fazer o mesmo tipo de mossa ao universo do clube do regime. Infelizmente sem grande sucesso, porque de todos os jogadores “roubados” aos tipos, todos eram uns “coxos”, excepto dois que eram verdadeiros símbolos para os seus adeptos; Rui Águas e Dito, acabados de chegar ao Porto depois de terem acabo de estar presentes numa final da Taça dos campeões Europeus ao serviço do clube do regime.

Infelizmente esse único rombo que lhes fizemos na sua auto-estima, não só não os fortaleceu, como nos enfraqueceu. Dito e R. Águas, não só acabaram por ter um rendimento insuficiente ao esperado, como acabámos por perder esse campeonato a favor dos tipos, que acabaram por substituir esses jogadores por jogadores do calibre de um Ricardo, V. Paneira, e, o mão de ladrão: Vata; o tal PL que foi Bola de Prata nesse campeonato e que os levou pela mão a uma final europeia.

Portanto uma possível contratação de B. Alves e R. Meireles por parte do clube do regime; só poderá na minha opinião fazer um rombo emocional ao universo Portista, mas não desportivo.

Pedro Góis

P.S: Já agora ao relembrar estes factos, a não contratação de Lima e a polémica á volta da contratação de Liedson. Gostaria de salientar que para o pior erro em contratações que o Porto fez neste últimos 30 anos, foi precisamente a do “Cebola” Rodrigues ao clube do regime. Porquê? Por variadíssimos factores que só ajudaram a enfraquecer o FC Porto e a fortalecer os tipos da 2ª circular. Entre os quais destaco os seguintes:

• Não afectou em nada os tipos.
• Foi uma contratação caríssima, tendo em conta o valor pago 7M por 70% do passe, mais os cerca de 8M pagos em vencimentos e prémios ao longo das 4 temporadas em que ele esteve cá, mais no banco que em campo. Total de 15M.
• Rendimento desportivo quase nulo (Só convenceu na 1ª época e durante alguns meses)
• Permitiu ao clube do regime lançar definitivamente Di Maria e F. Coentrão, que foram essenciais para eles voltarem a vencer a Liga
• Permitiu igualmente, que o clube do regime com a sua venda, encaixasse um valor acima dos 60M e assim mostrar ao mundo do futebol, que não era “exclusivo” do Porto “Fabricar” grandes jogadores para jogarem nos melhores clubes do mundo. Abrindo-se assim um novo mercado para os tipos, que pelos vistos tem tirado bons proveitos. E ainda para mais deu-lhes um folgo financeiro, que eles não tinham, para começar um novo ciclo de contratações; mas agora de grande qualidade.
• Por fim; foi com a saída a custo zero do “Cebola”, mais a necessidade de arranjar dinheiro para pagar a contratação de Falcao ao Porto, que se criaram as condições necessárias para o A.M deixar sair o excelente Sálvio para os tipos. Um jogador que tem sido essencial na excelente temporada que a sua equipa está a fazer e que foi um dos jogadores mais desejados em tempos, pela direcção do Porto.

Anónimo disse...

Boa equipa sem dúvida. Que têm em comum Porto, Málaga e PSG ?

Anónimo disse...

Caro amigo,

O que me deixa apreensivo, não é o facto dos jogadores poderem ir para os encornados. O que me deixa triste é uma certa letargia que parece ter-se apoderado de quem dirige o nosso clube.
Aquela sagacidade que, tantas vezes, terá sido a pedra de toque para podermos ganhar, parece já não existir.

Oxalá esteja enganado, mas estaremos a assistir a um preocupante fim de ciclo.

Abraço

Dragão Azul

Anónimo disse...

Caro Dragão Azul,

Concordo completamente consigo. E infelizmente não está enganado, estamos mesmo em final de um ciclo que já vai em mais de 30 anos. O homem também é humano, logo não é eterno, por isso é natural que as suas capacidades físicas, quer intelectuais também estejam em declínio e que cada vez mais se reflictam na sua gestão. A par disso, os outros tipos estão em fase ascensional de um novo ciclo após o que terminou com o aldrabas V. Azevedo. E a conjugação destes dois ciclos, o nosso descendente e o deles ascendente, é que pode em muito a vir alterar o prato da balança para o lado de lá.

Atenção, que não é obrigatório que quando se fecha um ciclo, o que vem a seguir seja pior do que aquele que terminou; mas reconheçamos que é quase impossível na próxima década no mínimo aparecer um presidente como Pinto da Costa, ou melhor. Se tal acontecer, arriscamo-nos a ser eternos campeões. Lol.

Agora e encarando a realidade de frente; sinceramente quanto mais tempo levarmos a entrar num novo ciclo, mais tempo vamos levar a entrar num novo e na sua natural e esperada ascensão.

Abraço

Pedro Góis

bruno cláudio disse...

e perdemos em paris com um pato comprometedor do costume do helton. custou-nos o primeiro lugar, dinheiro e provavelmente chegar mais longe na champions.
para andar na champions, temos de ter um guarda redes de champions, é bem verdade!

João disse...

honestamente discordo um pouco de voces, acho que nao estamos assim tão mal.vamos a ver, assim num "gross view":
- Porto nos ultimos 4 anos, 3 presenças na champions e uma na Europa.
- Das 3 presenças duas passou a fase de grupos, na outra foi relegado para Europa, ganhando uma delas.
- assistiu a 3 treinadores diferentes, Jesualdo, AVB e VP. Sendo AVB o melhor deles dando-nos uma época de ouro.
- Sobrevivemos ao ano de ouro, ganhamos o campeonato a seguir com uma equipa ressacada.
- Temos perdido jogadores chave todos os anos, feito bons encaixes, e renovado a equipa. Acertando algumas contratações e falhando outras.
- A meu ver temos um plantel fantástico (a par do benfica que também o tem) que provavelmente sofrerá algumas alterações (contando com o nosso treinador)
- Estamos em 2º por demerito nosso (penalties falhados e um treinador que não soube motivar a equipa)

Posso continuar com os aspectos positivos.E claro que posso mencionar muitos negativos.

Agora uma coisa é certa, o que se está a passar é que o Benfica está em ascendente, esta a criar uma estrutura e claro está, também tem homens fortes por tras e o Porto está estável (mas já estamos assim aos anos).Será mais dificil ganhar titulos internos, visto a competição ser maior, forçando assim a um rigor maior na seleçao de jogadores e treinadores. Mas acho que não é assim tão mal.

Só tenho 2 coisas a apontar, e que deveriam ser mudadas:
- A marca Porto deveria ser mais forte, neste momento com os titulos ganhos e a forte presença na Europa deveriamos ter mais simpatizantes.
- O eterno medo que assola o adepto portista em qualuqer jogo, não interessa que ganhemos por 20-0, ainda pensamos que poderemos perder. Acho que os catalães sofrem do mesmo sindrome que nós nisso...Só o guardiola conseguiu inverter isso.

Abraço!

João Salvador

Miguel Dias disse...

Caro Pedro Góis,

a sua argumentação tem vários dislates:
"a (contratação) do “Cebola” Rodrigues ao clube do regime (...)só ajudaram a enfraquecer o FC Porto e a fortalecer os tipos da 2ª circular." (...) "Foi uma contratação caríssima" Não existem saldos no mercado futebolístico, o jogador, naquela altura, valia aqueles valores, fosse o FC Porto fosse outro clube qualquer a contratar, curiosamente os benfiquistas queriam dar esse valor pelo jogador, só que o FC Porto antecipou-se.
"Rendimento desportivo quase nulo" Falso, de facto na última temnporada pouco rendeu, mas também porque a concorrência foi maior.
"Permitiu ao clube do regime lançar definitivamente Di Maria e F. Coentrão..." FALSO. Na época em que Cristian Rodriguéz chegou ao FC Porto, F. Coentrão estava no Nacional da Madeira e por lá ficou essa temporada, e Coentrão é defesa esquerdo e não extremo esquerdo. Não existe qualquer relação causal entre a não permanência de Rodriguéz no plantel benfiquista e a valorização de f. Coentrão. Também não existe qualquer relação causal entre a saída de Rodriguéz do slb e a valorização de Di Maria, a primeira temporada deste foi miserável, e só explodiu com Jorge Jesus, e não quando foi colocado a jogar em 2009 numa eventual substituição do Rodriguéz. Aliás Di Maria acabaria por singrar independemente de Rodriguéz ficar no plantel benfiquista ou não. Também porque Di Maria só chegou ao slb 1 ano após a saída do uruguaio, portanto a sua correlação é falsa.

"Permitiu igualmente, que o clube do regime com a sua venda, encaixasse um valor acima dos 60M " Está a referir-se a que jogador???
"para começar um novo ciclo de contratações; mas agora de grande qualidade." No meio também surgiram muitos flops, como acontece com todos os clubes, seja honesto na argumentação.

"mais a necessidade de arranjar dinheiro para pagar a contratação de Falcao ao Porto, que se criaram as condições necessárias para o A.M deixar sair o excelente Sálvio para os tipos" Mais uma correlação falsa, está a afirmar que o Atlético Madrid vendeu unicamente o Sálvio para pagar o Falcão????? Os espanhóis tinham vários jogadores no plantel para ter lucro financeiro, assim como ganharam 2 Ligas Europas que lhes permitiu algum - não comparável com a Champions - dinheiro. E, mais importante de tudo, Sálvio foi vendido porque o treinador do Atlético o dispensou e não para gerar lucro, portanto Sálvio seria vendido mesmo que não existe um Falcão para pagar. A venda do argentino não tem relação causal com a necessidade de pagar Falcão.

Pedro Góis, a sua argumentação é baseada em propaganda benfiquista, e não possui qualquer fundamento, verosimilhança ou causalidade racional.

José Correia disse...

Pedro M. disse...
Essa foi uma vitória real mas vangloriarmo-nos por isso já é uma vitória moral

O FACTO de em 10 jogos para a Liga dos Campeões o PSG apenas ter perdido UM e ter sido no Dragão, tem dois significados:

1º) Este PSG, treinado por Ancelotti, e com jogadores como Ibrahimović, Pastore, Lavezzi, Thiago Silva, etc., não é uma equipa qualquer.

2º) Este FC Porto de Vítor Pereira, tão criticado pelos portistas e acusado de ser uma "equipa que não joga nada", foi capaz de fazer aquilo que, por exemplo, Valência e Barcelona não foram.

José Correia disse...

littbarski disse...
É uma vitória moral, no sentido de que é usada como barómetro da prestação do Porto na Champions. Isto é, o Porto foi eliminado nos oitavos-de-final por um estreante na prova, mas pelo menos ganhou um jogo ao PSG!

Que eu saiba, quem joga não é roupeiro, nem os dirigentes.

O "estreante" na prova - Málaga - tem à sua disposição um treinador (Manuel Pellegrini) e jogadores (Diego Lugano, Demichelis, Joaquín, Toulalan, Saviola, Júlio Baptista, Roque Santa Cruz, etc.) com imensa experiência e cada um deles com dezenas de jogos nas competições europeias.
Neste aspeto, não ficou em nada a perder para a jovem equipa do FC Porto (Danilo, Mangala, Alex Sandro, James, Atsu), bem pelo contrário.

littbarski disse...

«jogadores (Diego Lugano, Demichelis, Joaquín, Toulalan, Saviola, Júlio Baptista, Roque Santa Cruz, etc.) com imensa experiência e cada um deles com dezenas de jogos nas competições europeias»


Jogadores em fim de carreira e longe das equipas em que se notabilizaram (os que se notabilizaram).

A estreia do Málaga na Champions é relevante, não pela falta de experiência dos seus jogadores, como é óbvio, mas porque, mesmo investindo em Nistelrooys e quejandos, esta foi a primeira vez que o clube espanhol conseguiu apurar-se para a prova rainha da UEFA. E isto, sim, é um bom indicador do poderio do clube que eliminou o Porto. Mas... ganhámos um dos jogos e fomos a primeira equipa a vencer o Málaga, na Champions, esta época, não é verdade? Mais uma vitória moral.

Sinceramente, não vejo nada de relevante no desempenho europeu do Porto, esta época. Esteve perto do nível do Porto de Jesualdo que foi eliminado pelo Schalke. E digo perto porque pelo menos nessa época vencemos um grupo com uma verdadeira equipa de topo... Aliás, 2 dos 3 desempenhos fora de portas mais frustrantes da última década (tendo em conta os adversários que enfrentámos) aconteceram sob o comando de Vítor Pereira. Mais frustrante, só mesmo o Porto de Adriaanse (que, por cá, ainda assim, lá conseguiu a dobradinha, que é algo que, garantidamente, Vítor Pereira não conseguirá esta época). Isto, para mim, tem muito mais relevância do que uma vitória sobre o PSG...

Anónimo disse...

Caro Miguel Dias,

Acabo de chegar a casa vindo de Coimbra. Sò agora tive a ler o seu comentário; como deve calcular não estou nada bem disposto e também não estou com muita paciência para rebater o que escreveu de forma mais minuciosa,; tendo em conta que me acusou de ser desonesto na minha argumentação. Uma coisa é não concordar com a minha opinião e na base na qual a formei; da qual eu não tenho nada a opor; agora acusar-me de ser desonesto é que não. Assim deixo para uma altura que esteja bem mais disposto para lhe dar uma resposta á altura e sem baixar o nível. O que seria bem provável que acontecesse se lhe respondesse agora; pois sou daqueles que fica com mau fígado quando o Porto perde, nem que seja a garrafas de cerveja. Tenha uma boa noite, já que eu não vou conseguir dormir.

Anónimo disse...

Caro Miguel Dias,

Antes de mais, esclareço que quando eu considero esta a pior contratação dos últimos 30 anos; não é com intenções de colocar um ónus de responsabilidade em A ou B; é para mim, uma evidência tendo em consideração a realidade dos factos ocorridos á posteriori.


“Não existem saldos no mercado futebolístico, o jogador, naquela altura, valia aqueles valores, fosse o FC Porto fosse outro clube qualquer a contratar, curiosamente os benfiquistas queriam dar esse valor pelo jogador, só que o FC Porto antecipou-se.”

Eu quando me referi que a contratação foi por valores elevadíssimos; não estou só a referir os 7 milhões pagos por 70% do passe; mas também os cerca de 8 milhões que ele recebeu em honorários ao longo das 4 épocas em que representou o clube; o que dá um valor total de cerca de 15 Milhões de euros. O que na minha opinião é muito dinheiro, tendo em conta o seu rendimento desportivo durante o período de tempo em que representou o FC Porto, e ainda por cima saiu a custo zero. Mas se quiser ir de encontro á sua argumentação e sem o acusar de desonesto; informo-o que o clube do regime tinha uma opção de compra de cerca de 3,5M até um determinado período, mas que não veio a exercer. Posteriormente o clube do regime chegou até aos 6M, após muitos avanços e recuos. Foi nessa altura que apareceu o Porto disposto a cumprir as exigências dos empresários detentores do passe e acabou por contratar C.R pelos 7M exigidos. E ainda para mais oferecendo muito mais em vencimentos e prémios de jogo ao jogador.


“Falso, de facto na última temporada pouco rendeu, mas também porque a concorrência foi maior.”

Essa é a sua opinião, a minha é bem diferente; para mim um jogador que custou o que custou ao clube, tem que render muito mais do que ele rendeu. Recordo que ele só rendeu o esperado nos primeiros meses, depois começou a ser intermitente como aliás já tinha acontecido na sua passagem pelo clube do regime, por estar constantemente a lesionar-se. De facto com o aparecimento de concorrência qualificada, o homem quase que se eclipsou. O que só vem reforçar na minha opinião que CR foi caríssimo. E para mais durante os 4 anos esteve sempre no TOP 3 dos mais bem pagos.

"Permitiu ao clube do regime lançar definitivamente Di Maria e F. Coentrão..." FALSO. Na época em que Cristian Rodriguéz chegou ao FC Porto, F. Coentrão estava no Nacional da Madeira e por lá ficou essa temporada”


Pois é caro Miguel Dias, se eu avaliasse ou julgasse os outros de forma fácil como o senhor faz; agora estaria a acusá-lo de desonestidade intelectual.
Quando eu faço a correlação entre a saída de CR para o Porto e o lançamento de DM e FC como jogadores de top, porque foi precisamente com a saída de CR do clube do regime que se abriu a oportunidade de DM começar a ser o habitual titular (se CR continuasse era provável que não fosse, ou que nunca o viesse a ser, quem sabe. Por isso a minha opinião é feita com base em factos á posteriori e num espaço alargado de tempo). Quanto a FC, foi precisamente por CR e DM serem os preferidos para o lugar de médio-ala esquerdo; que ele ficou completamente tapado; o que levou que fosse emprestado em Janeiro de 2008 ao Nacional da Madeira… e como eu me lembro desse facto, como deve estar a imaginar depois dos golos que nos marcou ao seu serviço. E só mais tarde por diversos motivos é que ele voltou ao clube do regime. Mas lá está, teria acontecido o mesmo se o CR tivesse continuado lá? Claro que é mais fácil falar á posteriori. Reconheço.

Pedro Góis.

P.S: Continua

Anónimo disse...

(Continuação)

“Coentrão é defesa esquerdo e não extremo esquerdo”

Mas na altura que em que foi contratado, a sua posição era a mesma de CR e DM (FC, CR e DM foram todos contratados na época de 2007/08). FC e DM tinham até acabado de brilhar no Campeonato do Mundo de sub-20.


“Não existe qualquer relação causal entre a não permanência de Rodriguéz no plantel benfiquista e a valorização de f. Coentrão. Também não existe qualquer relação causal entre a saída de Rodriguéz do slb e a valorização de Di Maria”

Casual directa, não. Mas indirectamente, sim. Pois foi com a saída de CR do Clube do regime, que o destino deles ficou traçado de forma diferente do que se estava a perspectivar até então. Ou será que Jackson no Porto teria a mesma projecção e rendimento que está a ter, se por cá tivesse ficado o Falcao? Se calhar nem tinha sido contratado. Compreende o meu raciocínio? ou não!


“Aliás Di Maria acabaria por singrar independente de Rodriguéz ficar no plantel benfiquista ou não.”

Quem o pode afirmar? Lá está, por isso é que a base do meu raciocínio é feito á posteriori; pois foi com a saída de CR que se abriu espaço á titularidade de DM. Atenção que eu sou da opinião, e já na altura também o era, (tinha assistido a todos os jogos de Portugal e da Argentina nesse CM de sub-20) que tanto DM e FC eram potencialmente melhores que o CR.

“ Também porque Di Maria só chegou ao slb 1 ano após a saída do uruguaio, portanto a sua correlação é falsa.”

Aqui vou utilizar a sua expressão; FALSO. Di Maria, F. Coentrão e C. Rodriguez foram todos contratados na época de 2007/08, tal como Maxi. Como facilmente o pode comprovar. E olhe que aqui não é uma diferença de opiniões que nos separa, é mesmo de FACTOS VERDADEIROS e FALSOS.


"Permitiu igualmente, que o clube do regime com a sua venda, encaixasse um valor acima dos 60M " Está a referir-se a que jogador???

Não foi com um, mas sim os dois jogadores em questão: Di Maria e F. Coentrão para o RM.

"para começar um novo ciclo de contratações; mas agora de grande qualidade." No meio também surgiram muitos flops, como acontece com todos os clubes, seja honesto na argumentação.”

Só que até a essa altura os Flops eram em maior numero que as contratações de qualidade. Hoje é o contrário. È a grande diferença de se ter dinheiro para comprar ou não. Vá ver os valores pelos quais o clube do regime vendia e comprava os seus jogadores até essa altura, e depois da venda de DM. Na realidade o folgo financeiro passou a ser outro para melhor e sem as habituais idas á LC como nós.

Pedro Góis

P.S: Continua 2

Anónimo disse...

(Continua 2)

"mais a necessidade de arranjar dinheiro para pagar a contratação de Falcao ao Porto, que se criaram as condições necessárias para o A.M deixar sair o excelente Sálvio para os tipos" Mais uma correlação falsa, está a afirmar que o Atlético Madrid vendeu unicamente o Sálvio para pagar o Falcão?????”

Sim. Como foi público o AM estava com prestações em atraso para com a FCP Sad referentes á compra de Falcao. O AM a partir de determinada altura, alias reconhecido publicamente pelo seu director desportivo, Cerezo; que o AM necessitava de vender um ou mais jogadores por questões económicas e a possível venda era um dos estrangeiros no plantel que mais os poderia valer. Como ainda esta semana foi afirmado publicamente por Cerezo; Sálvio é um dos jogadores que mais lhe agrada e era uma sua aposta, como continua a ser, para ser um dos melhores do mundo nessa posição. Simeone, também não queria se desfazer dele; por isso, Salvio só sairia do AM se tivesse um substituto “barato”, e o encaixe pretendido fosse o suficiente para eles resolverem os seus conhecidos problemas de tesouraria. E isto no caso de não conseguirem vender outro jogador nessas condições… que não conseguiram.

Coincidência ou não, e após muitas noticias que davam Salvio no clube do regime. Tudo só se concretizou, após “Cebola” sair a custo zero para o AM e os tipos da 2ª circular, pagarem os 13M exigidos pelo AM; mais uma coincidência ou não, 12M era a prestação em atraso para com o Porto e que foi paga por essa altura.

Pedro Góis.

P.S: A argumentação é minha e é baseada, na análise que eu faço dos factos conhecidos á posteriori e até hoje. Mas cada um é livre de ter ou dar a sua opinião e concordar ou não com as dos outros.