sábado, 6 de abril de 2013

Liedson "explica" opções de Vítor Pereira

(Apresentação e comentário de O JOGO ao desempenho de Liedson no FC Porto x Rio Ave)
 
É sabido que Liedson tem 35 anos.
É sabido que no Brasil o futebol é jogado a um ritmo mais lento do que na Europa.
É também sabido que quando chegou ao Porto, em finais de Janeiro, Liedson vinha de uma paragem longa e estava em fase de pré-época.
No entanto, cerca de dois meses depois de ter chegado, e apesar de todas estas atenuantes, fiquei impressionado com o fraquissimo desempenho do levezinho no FC Porto x Rio Ave.
 
Os adeptos não assistem aos treinos e muitos deles questionavam por que razão Liedson não saía do banco de suplentes. Ora, se alguém tinha dúvidas, os 17 minutos que Liedson esteve em campo na passada quarta-feira, explicam cabalmente por que razão este ex-avançado do Sporting não tem sido opção para Vítor Pereira.

12 comentários:

José Portas disse...

Liedson já não tem idade para estas andanças. Já quando saiu do Sporting não servia para um clube com as aspirações do FC Porto, quanto mais agora.
Quem o contratou é que devia responder, por ele e pelo Izmailov. O FC Porto precisa de mais soluções ofensivas e devia ter investido nesse sector há muito tempo. Por exemplo, se tivéssemos contratado o Lima, hoje a história seria muito diferente. E dinheiro existe porque sem ele não tínhamos contratados o Reyes que nenhuma falta nos faz (independentemente de ser um grande jogador que acredito que é).

Pedro Ramos disse...

Pois, mas nao foi VP que disse que precisava de alguém como Liedson já conhecedor do campeonato portugues e que pudesse fazer a diferença no imediato em vez de um jogador novo que ao contrário dele precisaria de vários meses para se adaptar a uma nova realidade. Ou esse discurso reflete apenas a diferença entre um mero funcionário do clube e um treinador?
Continua a fazer-me confusao que por vezes se passe um bocado a ideia de que se os jogadores nao rendem ou nao estao em forma, a culpa é sempre deles, o treinador nada tem haver com o caso.

bruno cláudio disse...

para contratar o liedson, o joao tomas andava mais perto..

Anónimo disse...

É sabido desde o inicio da época e ainda para mais com a saida de Hulk, que o Porto tinha falta de anvançados em número e qualidade para enfrentar uma época tão longa e exigente em termos desportivos como esta. Jackson é bom, mas não era suficiente para uma equipa que estava presente em várias frentes e entre as quais a Liga dos campeões. Não foi necessário chegar a janeiro para se constatar tal facto.

É sabido que quando Hulk foi vendido, para muitos a melhor e a mais evidente solução para o substituir era Lima; é verdade que este não tem os 35 anos do Liedson, é mais novo 6 anos; mas é igualmente Brasileiro, só que não vinha de nenhuma lesão grave, nem jogava no futebol parado, paradinho do Brasil; jogava e encantava no SC Braga, por acaso o actual terceiro melhor clube Português nos últimos 5 anos e só custava 4 milhões, ou seja, menos 1 milhão que o valor pago em comissões por Danilo. Por razões que só o Presidente poderá explicar; Lima não só não veio para o Porto, como reforçou e comprovou toda a sua categoria no principal adversário do Porto ao titulo de Campeão Nacional.

Assim; aguardou-se o mercado de janeiro, para corrigir o que havia para corrigir desde o inicio da época. Quando todos estavam á espera que a direcção aposta-se num jogador jovem que pudesse substituir a contendo JR e com grande potencial de valorização e barato. A direcção resolve gastar 11 milhões num jovem defesa central Mexicano de reconhecidas qualidades para jogar só na próxima época. Quanto há potencial valorização; esta ficou um pouco mais mitigada tendo em conta o valor pago. E só depois é que foi contratada a potencial truta, tão desejada e necessária; muito bem caracterizada pelas seguintes palavras do José Correia.


"Liedson tem 35 anos.

É sabido que no Brasil o futebol é jogado a um ritmo mais lento do que na Europa.

É também sabido que quando chegou ao Porto, em finais de Janeiro, Liedson vinha de uma paragem longa e estava em fase de pré-época."

Esta contratação a par com a elevação do incapaz Vitor Pereira a treinador principal do Porto, mostra bem o que têm sido em termo de qualidade as últimas opções dos responsáveis que ao futebol diz respeito.

Nicolau T disse...

Boas...

Peço desculpa estar a perguntar isto, mas alguém me sabe dizer onde posse encontrar o número de sócios "pagantes" do FCP, no relatório e contas?

Obrigado

Anónimo disse...

Adianto em primeira mao que Paulo Fonseca tem um pre acordo com o Fcp. Sei de fonte proxima ligada ao treinador que se trata de um direito de opcao que podera ser exercido no final da epoca.

bruno cláudio disse...

falar do lima já cheira mal!
perdemos o lima quando ele jogava no belenenses..

Anónimo disse...

Bruno Claudio, temos que falar no Lima e mtas vezes para nao voltar a acontecer tao cedo, pelos vistos o Ghilas vai pelo mesmo caminho...
MPires

José Correia disse...

Liedson reclama uma elevada compensação à Tranquilidade, próxima de um milhão de euros, devido à incapacidade de 23% com que alega ter ficado após ser operado ao joelho esquerdo em 2009, quando jogava no Sporting.

O processo n.º 4367/12.0TTLSB, que opõe Liedson da Silva Muniz à seguradora do grupo Espírito Santo, corre no 4.º Juízo, 1.ª Secção, do Tribunal do Trabalho de Lisboa, sendo classificado como um "incidente de revisão da incapacidade ou da compensação".

Segundo revelou à Lusa uma fonte próxima do processo, que pediu para não ser identificada, Liedson considera ter ficado com uma incapacidade no joelho esquerdo de 23%, após ter sido submetido a uma intervenção cirúrgica ao menisco em dezembro de 2009. Caso o Tribunal do Trabalho lhe dê razão, a Tranquilidade poderá ter que pagar ao Levezinho uma verba na ordem de 1 milhão de euros, de acordo com a mesma fonte.

A agência Lusa apresentou a 22 de fevereiro, nos serviços competentes do tribunal, um requerimento a solicitar a consulta do processo, porém, apesar de ainda não haver uma decisão final da juíza responsável pelo caso, os advogados de ambas as partes opuseram-se a essa pretensão, devido às questões relacionadas com os dados clínicos em causa e o sigilo médico.

Contactada pela Lusa, fonte oficial da Tranquilidade disse que a companhia de seguros "não comenta casos concretos relacionados com segurados seus, informando apenas que esses casos estão no âmbito dos tribunais de trabalho, para apreciação das pretensões intentadas pelo jogador, conforme está previsto na lei para estas situações".

Por seu turno, questionada pela Lusa, fonte oficial do FC Porto escusou-se a comentar o assunto, uma vez que o clube não está envolvido diretamente no processo.

Apesar de vários esforços no sentido de entrar em contacto com Marcelo Robalinho, o agente FIFA do futebolista de 35 anos, que está a jogar no FC Porto por empréstimo do Flamengo, tal não foi possível até ao momento.

De acordo com a fonte próxima do processo, os especialistas clínicos da seguradora portuguesa não concordam com o grau de incapacidade reclamado pelo jogador, até porque Liedson prosseguiu a sua carreira desportiva ao mais alto nível no Sporting, tendo mais tarde sido transferido para o clube brasileiro Corinthians por 2,1 milhões de euros, em janeiro de 2011.

Em agosto de 2012, trocou o emblema paulista pelo Flamengo, clube que já tinha representado antes de ter assinado pelo Sporting em 2003, e que chegou a acordo com o FC Porto para a sua cedência por empréstimo com duração de seis meses.

Ora, conforme explicou à Lusa a referida fonte, a seguradora considera que o facto de Liedson ter passado com êxito os testes médicos nos vários clubes de topo que já representou desde que deixou o Sporting não é compatível com um grau de incapacidade no joelho como aquele que é reclamado pelo internacional português.

Certo é que Liedson voltou a ser operado ao joelho esquerdo no verão de 2011, quando já atuava no Corinthians, tendo sido submetido a uma artroscopia no hospital São Luiz, em São Paulo, regressando após algum tempo à competição.

Fonte: Lusa

Anónimo disse...

Vitor Pereira, Kleber, Walter, Pelé, Prediger, Liedson. De quem é a culpa de tantos erros de casting.

Pedro Albuquerque disse...

Faltam muitos outros aí, mas felizmente temos tido mais sucesso que falhanços.

Eu consigo perdoar esses falhanços pois sei que temos contratado bons jogadores, mas não consigo perceber contratações de jogadores como o Liedson, Izmailov (é muito bom jogador, mas não é novo).

Não quero um plantel novo, mas espero ver mais soluções para o ano. Soluções ao Varela, ao Alex Sandro (joga muito este míudo, mas não pode jogar todos os jogos), ao Moutinho, ao Jackson.

Olho para o plantel do Benfica no ataque e depois olho para o nosso e vejo Varela, Atsu, Izmailov, Kelvin (quando aparece) e mais nada.

Anónimo disse...

"Faltam muitos outros aí, mas felizmente temos tido mais sucesso que falhanços."

Consoante o ponto de vista. De memória assim é de facto, até porque os sucessos ficam mais facilmente gravados na memória do que os falhanços, que nada acrescentam á nossa história. E as vitórias desportivas assim o comprovam. Mas se atendermos ao que se gastou em compras e em vendas, se calhar chegamos á conclusão que o sucesso dá lugar ao insucesso. Porquê? Simples, o passivo não tem parado de aumentar, mesmo com tantas e variadas vendas milionárias. E dai só se pode concluir uma de duas coisas; as mais valias geradas nas vendas são bem inferiores ás menos valias das compras; ou então alguém anda a gerir mal há muito tempo o FC Porto, no seu todo.

Só como nota final; basta ir ver por exemplo o último relatório e contas da SAD, para se constatar que ainda andam por lá a pesar nas respectivas contas jogadores como Stepanov, Prediger, Pelé etc… o Valeri, por acaso deixou de constar á muito pouco.