quinta-feira, 25 de abril de 2013

Maxi, o clássico e o campeonato

(Maxi Pereira e Capel, slb x sporting, 2012/13)

(Maxi Pereira e Viola, slb x sporting, 2012/13)


«6. Que Maxi Pereira insiste na inconsciência e no abuso da agressividade para lá dos limites e que podia sozinho ter comprometido o clássico, e o campeonato. Só ainda não percebeu que André Almeida é mais fiável quem não quis perceber;»

Nota: Os destaques no texto a negrito são da minha responsabilidade.

8 comentários:

KOSTA DE ALHABAITE disse...

Repare, caro José Correia, o teor preocupado e até assustado das palavras do encornado de Paredes...

Miguel Correia disse...

Não entendo a implicância de alguns portistas em relação ao Carlos Daniel.
Admito que ele seja benfiquista, mas considero-o um jornalista/comentador imparcial para além de ser, claramente, quem melhor percebe e fala de futebol na TV.
Desculpem a sinceridade e , já agora para que não duvidas, sou mesmo portista.
Abraço

Anónimo disse...

Julgo não estar enganado se disser que vi processos por se oferecer uns bilhetes, um relogio, jogos como BeiraMar/FCP e FCP/Amadora em que passados em detalhe pelos especialistas de arbitragem (nada portistas...) praticamente não tinham erros de arbitragem e vejo jogos como o de Domingo, tão polemico, arbitragem horrorosa e nada se passa...

Roberto Tavares disse...

Digamos que o Carlinhos tem alguns momentos de lucidez. E consegue por vezes disfarçar muito bem.

Mas um jornalista que se reúna com o treinador principal do slb para um almoço sem que o objetivo seja uma simples entrevista e o local desta reunião, o restaurante de um barbudo qualquer, não pode ser de todo coincidência...

Pedro Albuquerque disse...

O Carlos Daniel não pode almoçar com quem quer e aonde bem lhe apetecer?

Estamos no Estado Novo ou numa democracia?

Daniel Gonçalves disse...

Caro Pedro Alburquerque,

Não está em causa o direito de almoçar onde quiser com quem quiser, mas sim o de respeitar a imparcialidade e a isenção que se exigem a um funcionário público, de acordo com o Código de Procedimento Administrativo. A RTP é uma instituição pública e estatal sustentada financeiramente pelos contribuintes portugueses.
Se um funcionário público, com a sua acção, favorecer uma entidade é abuso de poder, tráfico de influências que não condizem - e são sancionadas - com um Estado de Direito como o é a democracia portuguesa.
O cidadão Carlos Daniel, a nível particular, pode almoçar com quem bem entender, mas como exerce um cargo público deveria abster-se de participar em certas actividades que podem significar parcialidade ou favorecimento ilegítimo, portanto de acordo com esta visão um funcionário público almoçar com treinador de um clube (seja ele qual for) pode dar origem a suspeitas sobre a sua actividade.

Miguel Correia disse...

Daniel:
Concordo inteiramente com o seu argumento. Mas enquanto comentador ( a não ser que me tenha escapado algum episódio menos feliz), Carlos Daniel é top.
Já o vi elogiar de forma brilhante o Porto de Vilas Boas e inclusive, a certa altura da temporada, o de Vitor Pereira. Vejam igualmente como ele reagiu á polémica do Casagrande. Impecável.
Lembro-me, recentemente, de uma análise que ele fez às debilidades do Porto deste ano apontando a ausência de um jogo exterior da equipa como factor crucial para a falta de dinâmica atacante.
E vou mais longe, tomara que todos os programas desportivos tivessem comentadores como o Carlos Daniel ou Bruno Prata. Estão a um nível muito superior da cambada que anda na SIC e no mais futebol ( com excepção do Nuno Madureira.).
Peço desculpa se feri sensibilidades, mas é a minha opinião.
Abraço

Anónimo disse...

Sem dúvida, o carlos Daniel é de longe o que melhor comenta futebol, e isso de ser benfiquista e ver os seus comentários ainda me faz pensar que existem benfiquistas que sabem ver futebol, se não pensava que era tudo doente..