sábado, 18 de maio de 2013

Presidente do Paços, o homem do cheque

«Segundo apurou o GRANDE PORTO junto de um jogador que representa actualmente os "castores", no final do treino da passada terça-feira, no balneário, o presidente do clube, Carlos Barbosa, prometeu aos 14 jogadores que venham a ser utilizados pelo treinador Paulo Fonseca durante aquele que será o jogo do título, um prémio de 30 mil euros caso obtenham um resultado que não permita que os dragões revalidem o título. A notícia não foi bem recebida e gerou mesmo mal-estar junto dos jogadores pacenses e da própria estrutura do clube.
Carlos Barbosa, que o GP tentou contactar sem sucesso até ao fecho da edição, não revelou quem está por detrás dessa promessa, mas o GP sabe que além do prémio acenado aos jogadores, o próprio clube receberá também um cheque de cerca de 500 mil euros, caso a equipa obtenha um resultado positivo.

A verdade é que o grande beneficiado com uma vitória ou um empate do Paços de Ferreira será o Benfica, um clube com o qual os pacenses mantêm boas relações e realizado alguns negócios, como foi o caso das transferências de Luisinho e Mitchel para a Luz no último Verão, a troco de um milhão de euros e do empréstimo de Melgarejo aos "castores" na época passada.
Ainda na quarta-feira, Carlos Barbosa foi um dos convidados do Benfica para a final da Liga Europa, onde foi muito saudado pelos adeptos encarnados.»
in semanário GRANDE PORTO, 17-05-2013


Nada tenho contra o Futebol Clube Paços de Ferreira e muito menos contra os seus genuínos adeptos, bem pelo contrário. Mas espero que os dirigentes do FC Porto não esqueçam aquilo que a actual direcção do FC Paços Ferreira, e particularmente o seu presidente, têm feito esta semana, tendo em vista a "preparação eficaz" do jogo de amanhã.

Desde a saga dos bilhetes ao "doping financeiro", nada está a ser descurado. E não ficaria admirado que amanhã, quando chegasse ao estádio da Mata Real, a equipa do FC Porto fosse confrontada com uma relva alta e mal tratada.

Em condições normais, amanhã o único adversário seria uma valorosa equipa pacense, cujos objetivos já estão alcançados. Mas a realidade é outra e, para além da aliança entre Luís Filipe Vieira e Carlos Barbosa, a equipa do FC Porto vai enfrentar uma coligação de interesses fortíssima, que inclui um árbitro lisboeta e uma comunicação social fanatizada (conforme se viu na recente cobertura da final da Liga Europa). E até o reforço policial vem de Lisboa...

Nota: A foto e os destaques no texto a negrito são da minha responsabilidade.

6 comentários:

Sansoni7 disse...

Olá
Ontem campeões no andebol, hoje campeões no hóquei.
Amanhã, contra tudo e todos, campeões no futebol...é que é limpinho. :-)

Cumprs
Augusto

Anónimo disse...

a isto não se chama suborno/ corrupção?

ruibasto disse...

suborno era se fosse para perder...

Alexandre Burmester disse...

É este tipo de contextos, ambientes e pressões que costumam motivar-nos! Há muito que a eles estamos habituados! Vamos a eles como "Tarzões", para citar o o famoso Fernando Cabrita!

Anónimo disse...

Só um pequeno pormenor. Imaginem que o benfica paga ao Paços para ganhar ao FCPorto. Este ponto parece inocente à partida. Mas como se pode distinguir este pagamento deste acto em particular (jogo Paços- FCPorto) e não de outro acontecimento desta época em que o benfica jogou contra o Paços. Ou seja não se pode fazer queixa a algum lado que esse eventual pagamento foi para o Paços perder com o benfica. Faz sentido para alguém este meu argumento?

Anónimo disse...

Em teoria acho que faz mas na práctica não dará em nada até pela dificuldade em provar. Para mais em teoria também o facto de o Benfica ter comprado 2 jogadores aos Paços este ano e quase não os ter usado também podia ser considerado equivalente, ou ter emprestado o Megarejo o ano passado. Porque é que o Porto não compra hoje o (resto do) Josoé para ele não jogar? Também seria futchibol!