sexta-feira, 21 de junho de 2013

Atacar os problemas



A troca de Vítor Pereira por Paulo Fonseca só faz sentido se se traduzir numa melhoria de resultados.
Ora, estando a fasquia num patamar elevado, ao novo treinador será cobrado nova conquista do campeonato nacional e, por coerência, a chegada a uns quartos-de-final da Champions. De outra forma, não faria grande sentido esta alteração de comando técnico.
Podemos eventualmente discutir se o V.Pereira de 2013/14 faria pelo menos igual ao V.Pereira de 2012/13 (o qual esta longe de ser uma certeza) mas o facto é que esta substituição é mesmo de alto risco tendo em conta que, com apenas um terceiro lugar para mostrar, entramos mais no campo da fé do que propriamente da razão para comparar os dois treinadores.
Significa isto que se tratou de uma má escolha? Porventura não, se tivermos em conta que o sexto sentido de Pinto da Costa acerta mais vezes que o dos outros.
Porém, para o comum dos mortais, esta troca até se poderia justificar mas, para que isso acontecesse, o novo chefe deveria ser alguém num nível claramente acima ao de Vítor Pereira.

Não foi o caso, mas o que está feito já não tem retorno e, por isso, interessa agora olhar em frente e um bom começo para esta nova era será discutirmos os pontos em que temos que melhorar. É bom que haja um consenso mínimo sobre os nossos pontos críticos. O primeiro passo para a cura é localizarmos as partes “doentes”. Não há melhor timing para tal do que esta altura do defeso onde os pontos de vista não correm o risco de serem enviesados pelo resultado do último fim de semana.

As principais críticas ao nosso anterior treinador, centravam-se essencialmente em quatro aspectos:

1 - Futebol pouco atractivo, de muita posse e pouca definição no último terço do campo;
2 – Pouca rotação no “11” base, originando assim fadiga física e mental principalmente na zona do meio-campo;
3 – Aposta intermitente nas jovens promessas;
4 – Ambição limitada em diversos jogos europeus;

Relativamente ao ponto um, espera-se de Paulo Fonseca um futebol menos mastigado e com mais "killer-instinct" do que até aqui. O problema é que, até ao momento, na entrada e saída de jogadores parece que o problema se terá acentuado ao invés de ser corrigido. Continuamos à espera de reais alternativas às saídas de Moutinho e principalmente de James. Por muito valor potencial que possuam, Licá, Ricardo, Rodrigues, Josué, Carlos Eduardo e até mesmo Herrera, não são actualmente garantias do coisa alguma. Porventura, até, o mais certo é tratarem-se de apostas de futuro e não propriamente para a época que agora se inicia. Primeiro terão ainda um tempo de adaptação.
Se pensarmos que até James precisou de um ano até carburar em pleno…
Neste ponto inicial enquadra-se também a velha questão do ponta-de-lança. Urge uma alternativa válida a Jackson Martinez. Não podemos, de forma alguma, atravessar nova temporada a "rezar" para que o jogador não se lesione, ou pior, seja vendido durante as janelas de transferências. Aliás, se o 4-3-3 é para ser mantido, é praticamente obrigatória a existência de dois pontas-de-lança capazes no plantel.

O ponto 2 está ligado ao primeiro no sentido em que, apesar de todos estes novos reforços portugueses, continua a valer a ideia de que ainda falta um centro campista acima de qualquer suspeita, que tanto poderá ser o substituto para Moutinho como para o cada vez mais veterano Lucho. Na realidade, não poderá passar pela cabeça de ninguém que um clube com a ambição do nosso continue a depender de um Lucho que já não dura sequer até Marco/Abril.
Para já, o melhor que se antevê será um trio formado por Fernando-Herrera-Izmaylov.
Parece curto. Para mais, continuando a não haver certezas sobre a real capacidade física do russo.
Se, pelo contrário, o novo treinador apostar num meio-campo de quatro elementos, talvez a coisa possa estar mais equilibrada. Contudo, falta claramente ali um médio ofensivo com uma maior imaginação que as actuais alternativas.

Quanto à aposta nas jovens promessas (ponto 3), o final de época anterior deixou uma expectativa elevada. Do nada, a aposta tardia em Kelvin tornou-o inclusive no herói do titulo, isto apesar da sua "verdura" como extremo.
Trata-se, na realidade, de um dos maiores desafios para Paulo Fonseca: fazer crescer todos estes jovens que tanto prometiam quando chegaram ao Dragão. Para já uma má notícia: perdeu um dos mais importantes (Atsu). Porém, juntando as recentes compras na nossa liga, ao provável regresso de Iturbe, já muito terá com que se entreter.

A alínea final (Europa), parecendo secundaria à primeira vista, irá ser aquilo pelo qual muito provavelmente iremos medir e comparar esta nova "gerência" com as anteriores.
Se Paulo Fonseca, à imagem de Jesualdo e Vítor Pereira, encarar adversários como um Málaga ou um Zenit, com um receio tal que o leve a alterar bruscamente as ideias em que acredita nos restantes jogos, então será apenas "mais um" treinador do FCP. Mais um que não marcará a diferença entre um antes e um depois.
Não chega vencer campeonatos: há que deixar uma marca, um legado. Ou seja, há que entregar o clube num melhor estado do que aquele em que se encontrava quando chegou.

58 comentários:

José Rodrigues disse...

Opiniões são opiniões, mas discordo veementemente do parágrafo inicial. Para dar um termo de comparação, nao me parece q os adeptos do Bayern exijam melhor q a LC e o campeonato ganho com 20 pts de avanço de forma a poder-se dizer q Guardiola teve sucesso.

O termo de comparação para PF nao é o q VP fez no ultimo ano, mas sim (especulando, claro) o q se pensa q VP iria fazer este ano.

Pessoalmente "exijo" a PF o campeonato (nem q seja por meio ponto) e a passagem da fase de grupos da LC - o q já nao é pouco.

DC disse...

Espero sinceramente que o PF não esteja preocupado com o problema 1, ou seja o jogo de posse. Se começarmos a jogar em transições rápidas em vez do modelo seguríssimo e dominador que temos vamos sofrer muitos mais golos. Até podemos marcar mais (o que duvido) mas vamos perder mais jogos e provavelmente o campeonato.

Se PF for inteligente não fará alterações drásticas a um modelo que venceu 59 dos últimos 60 jogos.

Amphy disse...

Efetivamente é preciso dar condições ao treinador, nomeadamente jogadores, para que possa fazer um bom trabalho.

Julgo que era acertado assinar com Ghilas. Parece um Lisandro mais novo e mais barato. O problema é que se calhar é demasiado barato.

Tem de se reforçar as laterais (Fucile?) e resolver o problema do meio campo. Será que é desta que o Fernando sai?

Joao Goncalves disse...

Falta aì o maior ponto de todos, para mim, e foi o ponto em que sempre defendi a saída do VP:

- Desvalorização e alienação de activos.

Continua-se a falar que o VP não tinha opções e que lhe faltava banco mas esquecem-se de quem criticou essa situação foi ele e ninguém mais que ele.

É fácil esconderem-se por detrás da venda de Moutinho, James e Hulk e esquecer-nos que VP mandou e meteu de parte Bellushi, Sapunaru, Fucile, Guarin, Rolando.

No Porto, nunca se tinha visto jogadores que um ano eram titulares a serem dispensados a custo no ano seguinte ou a serem despachados em Dezembro como se tivessem raiva.

O pouco evolução dos jovens é algo que é grave também, mas a alienação de jogadores que tanta falta nos fizeram é bem pior.

Joao Goncalves disse...

Também tenho de acrescentar que discordo por completo da análise do plantel...

Se contratamos os maiores talentos que despontaram na liga Portuguesa no ano 2012/2013 como é que esses não são jogadores alternativas válidas a Lucho/Herrera?

Como é que se pode ignorar Josué/Carlos Alberto/Tiago Rodrigues para realizar essas funções? E o próprio Deffour?

Para termos todos os grandes talentos de 2012/2013 falta o Ghilas e não é só porque são contratados lá fora que são bons.

Contudo fica a faltar um ala de qualidade Internacional ou que que o Iturbe/Kelvin/Ricardo se assumam a titulares pois o Licá e o Varela devem-se intercalar.

Anónimo disse...

Eu acho piada e rio-me mesmo dos críticos de Vítor Pereira. Têm piada porque querem continuar a criticar e não têm argumentos. eu acho piada mas estas cenas dos anti-VP metem dó. Na sequência disso, estes portistas (tão ou mais portistas que eu não tenho dúvidas) deixam-se levar pelo seu ego e para justificarem as críticas ao VP vão ser os maiores defensores do Paulo Fonseca. Vai ser vê-los a justificarem tudo e mais alguma coisa ao homem. Espero que não haja nada para justificar. Eu, por outro lado, espero não seguir o caminho inverso e criticar só por criticar. Acho que vou conseguir. basta lembrar-me das cenas tristes que estes portistas fazem.
Como é óbvio, José Rodrigues, quando se muda é para melhorar ou fazer pelo menos igual. Paulo Fonseca tem a obrigação de ganhar o campeonato, uma das taças e atingir os quartos da champions. o futebol bonito não interessa.

Juca

Joao Goncalves disse...

Se o PF chegar ao Porto e em Dezembro estiver a despachar Lucho, Otamendi(se ainda cá andar), Varela e no verão a seguir, rescindir com Deffour, Izmailov, Castro então está a fazer exactamente o que o VP fez e para isso mais valia estar quieto...

Eu sempre fui critico de VP a partir do momento em que os jogadores começaram a demostrar instabilidade e começou a tão afamada "limpeza de balneário" que na maioria, foram os homens responsáveis pela liga vitorioso com 20 pontos do Benfica e por trazerem a Liga Europa para cá.

Para mim, qualquer treinador que é incompetente na gestão humana, não serve para treinar o meu clube.

Os dois defeitos que sempre apontei a VP foi esse e a pouca evolução da juventude e esse, para mim, sempre foi o factor decisivo.

Agora o que nunca me ouviu ou ouvirá dizer, é a criticar a maneira como a equipa jogava ou não, pois se tínhamos um futebol de controlo baseado na recuperação de bola e de construção em segurança, tinha de ser aquilo que acontecia em campo pois não jogamos sozinho e o adversário, sem bola, enfia-se na baliza como é óbvio.

VP cometeu muitos erros a nível de opções na 1ª época e cresceu imenso na 2ª época, tanto que os adeptos concordavam na maioria com as opções de substituições.

Ficou o amargo de boca nos Jogos com o Braga (Taças) e com o Malaga, que aí notou-se alguma falta de ambição(no jogo da taça de Portugal) e de estar perdido no banco e má preparação do jogo (em Malaga), mas isso foram apenas excepções onde a regra foi um Porto denominador, sufocante e com a bola.

A qualidade do jogo era maioritariamente má, as oportunidades reais de golo poucas, mas o adversário não tinha bola e quem acabava por ganhar éramos maioritariamente nós.

E como é óbvio Juca, quando se muda é para melhor mas não quer com isso dizer que seja melhorar resultados, mas sim para reforçar a estrutura.

Se o PC identificou falhas na estrutura/relação com os jogadores/treinador sem pulso, sem personalidade/ única equipa grande que não conseguiu tirar qualquer proveito da equipa B/etc.. o treinador tem de mudar... não são só os resultados presentes que contam mas sim os resultados futuros que é onde o Porto joga já que o presente é para Barcelona, Man Unt, Man City, Chelsea, etc...

DC disse...

James, Moutinho, Hulk, Maicon, Mangala, Jackson, Alex Sandro, Kelvin, Otamendi e até Castro. Todos estes valem mais depois de VP do que valiam antes de VP.

O resto, é a "narrativa" do costume.

DC disse...

Concordo com quase tudo, só não concordo com o último parágrafo. Para mim PF tem obrigação de ganhar o campeonato, provas a eliminar estão sujeitas a muitos factores, logo não podem ser consideradas uma obrigação.
Agora o campeonato onde realmente se vê quem é o melhor e não o que foi melhor num ou 2 jogos, esse, sendo o Porto tri-campeão, é OBRIGATÓRIO!

Joao Goncalves disse...

E então Falcao, Deco, Ricardo Carvalho, Quaresma, Paulo Ferreira, Cissokho, Raul Meireles, Bruno Alves, Lisandro, Lucho também foram vendidos pelo preço que foram por causa do VP?

É muito fácil atribuir a um treinador a valorização dos activos e esquecer que é a qualidade dos demais que valoriza os colegas e não qualquer treinador que venha a passar pelo clube.

O Porto sempre foi e continuará a ser (pelo menos enquanto PC e o mercado assim andar) um exportador de talentos por muitos M de Euros.

Com VP tivemos uma nova realidade que para além dessa vimos jogadores como Guarin, Álvaro Pereira, Sapunaru, Bellushi, Fucile, Rolando, passarem de serem pretendidos por vários M€ para metade ou mesmo 0.

Joao Goncalves disse...

Ah e dizer que Castro e Kelvin valem mais depois de VP é de rir DC sinceramente...

Castro vale menos este ano do que o ano passado depois de ter estado no Sporting Gijon e o Kelvin vale bem menos do que depois de Rio Ave e não é por ter jogado 5 minutos e marcado o golo do titulo que isso muda.

Anónimo disse...

É muito curioso este blogue, os mesmos que aqui gozavam com Vitor Pereira e com a sua cláusula de rescisão são os que agora têm saudades dele e começam a desancar... em Paulo Fonseca! Não é assim, meus caros?

João Rosa

Joao Goncalves disse...

Correcção DC... TETRA... TRI já somos ^^

alex disse...

No meu comentário anterior sobre Vitor Pereira faltou acrescentar que Vitor Pereira foi incapaz de impedir que o FCP, em casa, se visse a perder por 1 a zero pelo menos 3 vezes, e que o FCP atrasou-se no campeonato e saiu da Liga dos Campeões imediatamente a seguir a Vitor Pereira ter declarado, com grande satisfação, que finalmente o FCP estava a jogar como ele queria...

Duarte disse...

Moutinho, Otamendi, Hulk e James valorizaram imenso com VP, não há dúvida. Não eram nada, nem jogavam nada antes dele. A narrativa do costume, sem dúvida.

Fred disse...

Eu só espero que não seja mais um ano em que a SAD se "esquece" de contratar pelo menos 1 avançado.

Duarte disse...

"Vai ser vê-los a justificarem tudo e mais alguma coisa ao homem."

Bom, se isso acontecer (e espero que não aconteça) não será nem mais nem menos do que a realidade que já era prevalecente em relação a VP: todas as justificações e mais algumas, mil e uma teorias da conspiração e um sem número de desculpas esfarrapadas todos os dias. Para alguns, tudo serviu para ilibar Vítor Pereira das derrotas, do futebol entediante e das declarações surreais no pós-jogo. Portanto, se tal se manifestar agora, não haverá a menor diferença em relação ao que se passava com o antigo treinador.


"Eu, por outro lado, espero não seguir o caminho inverso e criticar só por criticar."

Ainda bem. Eu pela minha parte também me manterei fiel aos meus padrões, que não se compadecem com determinadas particularidades como ser-se português, nortenho e portista. Não vou arranjar desculpas e subterfúgios para coisas que considero ser, claramente, da responsabilidade do treinador. Isto mesmo tendo em conta que, em pouco mais de um mês, Paulo Fonseca já perdeu tantos jogadores da equipa titular como Vítor Pereira em dois anos, mas ainda é demasiado cedo para extrapolar e começarmos já com análises e comparações sobre algo que ainda nem sequer aconteceu.

"Paulo Fonseca tem a obrigação de ganhar o campeonato, uma das taças e atingir os quartos da champions. o futebol bonito não interessa."

Ponto prévio: o futebol bonito não lhe interessará a si, a mim interessa-me, e muito. Claro que o que quero em primeiro lugar é ganhar, mas aliado a isso quero ver bom futebol e não ser brindado com a quantidade de jogos aborrecidos (até uso um eufemismo) com que levei nos últimos dois anos. O Juca tem os seus critérios, eu tenho os meus.

Depois, o Juca começa logo por exigir aquilo que ainda não sabe se é exigível (e aqui concordo com o DC). Nada lhe garante que Paulo Fonseca vá ter a sorte de apanhar um Málaga nos oitavos de final da Champions. Se tal acontecer e a sorte nos bafejar de novo no sorteio, serei o primeiro a vir dizer que o Porto tem mais do que obrigação de, em qualquer circunstância, seguir para os quartos de final. Caso o adversário for um Bayern ou coisa que o valha, só por má-fé se pode alinhar em comparações com o trajecto do ano passado.

Ah e por falar nisso só mais uma coisa, porque é que o termo de comparação de Paulo Fonseca com Vítor Pereira há-de ser esta última época (2012/2013) e não a penúltima (2011/2012)?

Duarte disse...

"Ora, estando a fasquia num patamar elevado, ao novo treinador será cobrado nova conquista do campeonato nacional e, por coerência, a chegada a uns quartos-de-final da Champions. "

Será cobrada a chegada aos quartos da Champions se, por coerência, o adversário for um Málaga e se o termo de comparação for a segunda época de Vítor Pereira e não a primeira. Isto mesmo sabendo que a passagem na fase de grupos é sempre uma das prioridades, independentemente das comparações que possamos fazer com outros anos.

Não entendo também tanto nervosismo em torno do meio-campo. Parece-me ser o sector que temos mais bem preenchido. Se Fernando ficar eu não mexeria mais ali, a menos que o treinador considere que temos gente a mais (o que é bem provável). Se o polvo sair, a conversa é diferente e precisaremos de um trinco. De resto, eu só contrataria um extremo e um ponta de lança e tratava das dispensas/empréstimos para os excedentários (se bem que isso é algo que a pré-época ajudará a clarificar). A partir daqui, parece-me que ficamos com uma equipa muito boa e à altura das exigências habituais.

DC disse...

Repito porque parece que há quem não saiba ler português (se for preciso tradução arranja-se):

"James, Moutinho, Hulk, Maicon, Mangala, Jackson, Alex Sandro, Kelvin, Otamendi e até Castro. Todos estes valem mais depois de VP do que valiam antes de VP.

O resto, é a "narrativa" do costume."

Não disse que valem mais 1 euro ou 50 milhões de euros, não disse se foi por causa disto ou daquilo, não disse que antes não valiam nada, disse que valem mais, ponto!

Siga a "narrativa".

P.S. Cada vez compreendo mais a decisão de VP, se ele nas Arábias ainda tem que levar com estes antis imagine-se ter que os aturar mais uma época. Até eu já estou saturado.

DC disse...

Sim, ou isso ou foi quando o Moutinho se lesionou e se juntou ao James, mas isso comparado com a importância duma conferência de imprensa não interessa absolutamente nada.

Luchugo disse...

Vai ser impossível não comparar o trabalho de PF ao de VP. Seria bom se evitássemos comparar as 2 pessoas, ambos profissionais de sucesso, colegas de profissão.

Ninguém exige a PF mais do que a VP. VP fez o que lhe pediram mas por mais voltas que dêem se o FC Porto tivesse todos os treinadores do mundo à disposição e a decisão fosse nossa, quantos de nós escolheríamos VP para continuar (sem ser por teimosia)?

Acho que já é tempo de deixar a poeira da saída do VP assentar e apoiar um treinador jovem que vai necessitar de todo o nosso suporte. As batalhas a travar são a Sul, a Norte e a Leste, e como ninguém nos vai ajudar nem dar a mãozinha, quanto menos tiros nos pés andarmos a dar melhor.

Acho que a força de PF está exactamente numa das lacunas de VP que era a ligação aos jogadores. Perdemos um mestre da tática, ganhamos um guru da motivação.

A minha conclusão é que o nosso futebol vai ser muito mais emotivo e menos 'controlado'.

Vamos ver no que dá.

DC disse...

Qualquer clube do mundo que tivesse todos os treinadores do mundo à disposição só escolheria entre 3, 4 nomes no máximo: Guardiola, Mourinho, Klopp e Ancelotti. Portanto, não me parece muito lógico dizer isso em relação ao VP. Eu preferia 500 vezes mais o Guardiola ao AVB e acredito que ninguém com juízo o preferisse a Guardiola ou Mourinho. Não deixa por isso de ser grande treinador e ter-nos dado muitas alegrias.

Quanto ao apelidar PF de guru da motivação, parece-me no mínimo precoce. Até agora treinou jogadores de tostões, é muito diferente chegar a um balneário de jogadores milionários, alguns já armados em estrelas como o Iturbe.
Espero que corra bem, mas há que, pelo menos para já, ter moderação. Motivar um jogador que ganha 2000€ e nunca jogou na Champions para ganhar ao Olhanense ou ao Moreirense, não é a mesma coisa que motivar um jogador que ganha 150.000€ por mês e tem o Chelsea ou o Real Madrid a fazer-lhe elogios.

Duarte disse...

James, Hulk, Moutinho e Otamendi não valem mais agora com VP do que o que valiam em 2010/2011, nem se tornaram melhores jogadores com VP, ponto! Quanto ao resto, é óbvio que VP tem mérito inegável nos casos de Jackson, Mangala e Alex Sandro. Negar isto é errado, tal como errado é dizer-se que um Hulk se valorizou e tornou melhor jogador com Vítor Pereira.

Quanto à parte dos "antis", é tão básica e primária que nem irei retorquir. Apenas lhe digo que, no meu caso, apenas sou anti-benfica e chega-me perfeitamente. Estranho apenas como é que um treinador tão fantástico e que fez um trabalho a roçar o inigualável no Porto (nas palavras de alguns, claro) não tenha conseguido melhor do que a liga saudita.

Anónimo disse...

Gostava que o Danilo na pré-época fizesse alguns jogos a trinco, para realmente ver se ele naquela posição tem valor e se podemos confiar nele em caso de vender o Fernando.

De resto, pela conversa do Iturbe, creio mais que ele venha para desestabilizar do que outra coisa ...

P.S.: Temos que comprar o Ghilas!

Paulo disse...

Parece-me que esta discussão sobre Vitor Pereira é como discutir o sexo dos anjos,ou seja já não leva a lado nenhum.
Em relação ao que é pedido ao Paulo Fonseca ,é o que é pedido a qualquer treinador do FCP,ou seja que ganhe o campeonato e que passe a fase de grupos da LC .,estas são os grandes objectivos do clube,tudo o resto virá por acréscimo.
Mas é obvio que também se exigem bons espetaculos de futebol,e essa parece-me ser uma das razões para a mudança de treinador,porque apesar de em alguns jogos da epoca passada ,termos apresentado futebol de boa qualidade,outros houve em que o futebol practicado deixava algo a desejar e,é preciso lembrar a quebra de assistencia que o Dragão tem vindo a registar.
Quanto ao novo treinador ,temos de esperar para ver,lembrando porém que a força do futebol do Paços assentava na capacidade do seu meio campo pressionar e depois nas saídas rápidas para o ataque,salvaguardando com é obvio as devidas distancias,entre Paços e FCPorto, e temos também que esperar pela definição do plantel,e pela capacidade de gerir uma equipa que joga em várias frentes (gestão fisica e emocional) e.

Saudações Portistas

Paulo Almeida

Portista em Lisboa disse...

Caros amigos Portistas:
Espero que o Paulo Fonseca, mantenha o mesmo sistema de jogo apenas, com mais rigor nos passes, e um pouco mais ambicioso,ter a inteligência para alterar quando for necessário,a escolha dos jogadores tenho toda a confiança no próprio,e o nosso Presidente.
Cumprimento:

Joao Goncalves disse...

Subscrevo por completo Duarte!

DC disse...

O Jupp Heinckess foi campeão europeu e depois veio levar 7 para o 5LB e depois foi campeão europeu outra vez.
O que é que ir para a Liga Saudita implica na qualidade do VP?

Anónimo disse...

"Para alguns, tudo serviu para ilibar Vítor Pereira das derrotas, do futebol entediante e das declarações surreais no pós-jogo."

Quais derrotas? uma em 70 jogos? mais ridiculo que arranjar desculpas mirabolantes para uma derrota, é arranjar desculpas mirabolantes (x70) para as vitórias.

"o futebol bonito não lhe interessará a si, a mim interessa-me, e muito."

O futebol bonito não interessa porque é e sempre será relativo. você pode dizer que o estilo de jogo é enfadonho, eu posso dizer que gosto e vice-versa. E perdoa-me o abuso de não acreditar nessa maneira de pensar. Na altura de Villas-Boas fizemos jogos horríveis. Alguém se queixou no fim? Porquê? lá está!

"Paulo Fonseca já perdeu tantos jogadores da equipa titular como Vítor Pereira em dois anos"

Se quer já entrar nessas comparações, para ser justo honesto, tem que referir outros pontos como a qualidade e importância na equipa de Hulk e Falcao. Tem que referir a época em que apenas tinhamos kleber entre outras.Concordaremos os dois que ainda é cedo para isso.

"Nada lhe garante que Paulo Fonseca vá ter a sorte de apanhar um Málaga nos oitavos de final da Champions."

Para si o Málaga é fácil. Faz lembrar os benfiquistas que dizem que o Porto teve a sorte de encontrar o Monaco e Corunha na LC. Como se o futebol não fosse dinâmico ano após ano. Como se não fosse possível uma equipa ser das melhores da europa num ano e no ano passar a ser mediana. Nem vou relembrar que o finalista Dortmund venceu o fraco Malaga de uma forma milagrosa no ultimo segundo (ups, já relembrei).

"Ah e por falar nisso só mais uma coisa, porque é que o termo de comparação de Paulo Fonseca com Vítor Pereira há-de ser esta última época (2012/2013) e não a penúltima (2011/2012)?"

Pode ser a que quiser, desde que seja coerente. Eu não tenho preferência sobre treinadores. Para mim seria óptimo se Paulo Fonseca aniquilasse VP em resultados e estatísticas tanto numa época como noutra.

Juca

Portista Sec XXI disse...

Depois de tudo o que li não tenho muito mais acrescentar; são muitas as opiniões das quais partilho e outras tantas que não concordo, mas todas são respeitáveis tendo em conta tudo aquilo que a cada dos participantes avaliou o trabalho desenvolvido pelo Vítor Pereira no FC Porto e aquilo que espera do trabalho desenvolvido por parte da Paulo Fonseca. De uma coisa tenho eu a certeza; ontem com VP e amanhã com PF, independentemente da qualificação das criticas de cada um de nós em relação a ambos os treinadores; há sempre uma coisa que nos une: O sucesso do FC Porto. Agora o sucesso não é só medido pela vertente de troféus ganhos; hoje em dia no futebol profissional há outros factores que contribuem e muito para medir o sucesso de uma equipa. Um estádio semi-vazio na maioria dos jogos em que mais de metade dos presentes está bocejar ou a dormir, não é um factor positivo de certeza. Até porque sem bons espectáculos não há público e sem publico não há dinheiro e sem dinheiro não há artistas. Qual será a emoção de festejar uma vitória num estádio ás moscas!!! Venham de lá as vitórias e os bons espetaculos com emoção e paixão... é isto que é o futebol é isto que o povo gosta.

Duarte disse...

Danilo nunca foi nem nunca será um trinco, para isso mais vale deixá-lo a lateral. A sua posição de origem é de médio interior direito e será difícil vê-lo jogar aí num esquema puro de 4-3-3, mas pode ser que Paulo Fonseca tenha outras ideias.

Duarte disse...

"Quais derrotas? uma em 70 jogos?"

Não. As derrotas europeias e para outras competições nacionais que não o campeonato, para mim, também contam. E contam não só pelos números em si, mas igualmente pela valia dos adversários que nos derrotaram e pela forma como fomos vencidos. Mas para o campeonato pode também acrescentar os empates, que acabam quase por saber a derrota nalguns casos (imprecisão minha neste campo, confesso).

"O futebol bonito não interessa porque é e sempre será relativo. você pode dizer que o estilo de jogo é enfadonho, eu posso dizer que gosto e vice-versa."

Concordo, a subjectividade faz sempre parte destas análises. Mas aquilo que eu tenho por futebol bonito (que não será tão distante da opinião do comum apreciador de futebol) interessa-me bastante. Como disse, o Juca tem os seus padrões, eu tenho os meus. Adiante.

"a altura de Villas-Boas fizemos jogos horríveis. Alguém se queixou no fim? Porquê? lá está!"

Mais um ponto prévio: não peço nota artística todas as semanas. Porém, como referi no comentário a um post de aqui há dias, as boas exibições podem muito bem fazer parte da regra mais vezes do que o que tem sucedido nos últimos dois anos. Com AVB houve jogos fracos, como há com qualquer equipa deste planeta, mas também houve uma quantidade bem razoável de jogos de encher o olho a qualquer adepto do mundo. Aquilo que contou no fim com AVB foi não só o que ganhamos, mas também o modo como o fizemos.

"Se quer já entrar nessas comparações, para ser justo honesto, tem que referir outros pontos como a qualidade e importância na equipa de Hulk e Falcao. Tem que referir a época em que apenas tinhamos kleber entre outras.Concordaremos os dois que ainda é cedo para isso."

Como perder Moutinho é fundamental também. Da época em que só tínhamos Kléber e Walter no ataque (soluções curtas, é um facto) teria muito para dizer (até porque no que toca às outras posições tínhamos um dos melhores planteis de sempre e não foi só pela falta do goleador que as coisas falharam), mas não quero voltar a isso. É passado demais e já dei o que tinha a dar para esse peditório (acho até que já demos todos). E sim, tem razão, é cedíssimo para que possamos avaliar certas coisas (também já o disse anteriormente).

"Para si o Málaga é fácil. Faz lembrar os benfiquistas que dizem que o Porto teve a sorte de encontrar o Monaco e Corunha na LC. Como se o futebol não fosse dinâmico ano após ano. Como se não fosse possível uma equipa ser das melhores da europa num ano e no ano passar a ser mediana. Nem vou relembrar que o finalista Dortmund venceu o fraco Malaga de uma forma milagrosa no ultimo segundo (ups, já relembrei)."

Para mim, o Málaga é mais fraco que o Porto. O Málaga é uma equipa que tem Iscos e Julios Baptistas, mas também tem Antunes, Saviolas, Welligtons e Iturras. Se é mau? Claro que não, mas podíamos e devíamos ter passado. O Mónaco e o Corunha (ou o Villarreal em 2011) também eram boas equipas e nós cumprimos o nosso papel e conseguimos derrotá-las uma por uma. De qualquer forma, é preciso ver que o Depor eliminou a Juve e o Milan e o Mónaco fez o mesmo com Chelsea e Real Madrid.

O Málaga quase derrotou o Dortmund, mas ficou em 7º lugar na liga espanhola. O Málaga é um adversário perfeitamente ao alcance do FC Porto. Nuns oitavos de final da Champions, era difícil encontrar um rival mais fraco.

Duarte disse...

É sempre engraçado quando se querem transformar excepções em regras. O caso do Heynckes foi uma raridade e até lhe posso dar outra de barato chamada Frank Riijkaard. Depois, há um mar de grandes treinadores que, quando são preteridos ou saem de livre vontade, vão para clubes de média/grande dimensão.

Não me quero alongar mais neste assunto porque, como o Luís Carvalho disse, "interessa agora olhar em frente e um bom começo para esta nova era será discutirmos os pontos em que temos que melhorar". De qualquer modo, eu não disse que a ida de VP para a Arábia Saudita tinha implicações na sua qualidade. Apenas manifestei o meu espanto pelo facto de um treinador de quem tantos dizem tantas maravilhas (como se não houvesse outros treinadores do Porto a conseguir feitos idênticos e que não têm hoje direito aos mesmos louvores) não ter tido interessados de campeonatos mais aliciantes.

Para rematar, estou muito agradecido a VP pelos dois campeonatos e pelas duas supertaças. Não lhe retiro nenhum mérito por todos os títulos alcançados e outras qualidades que evidenciou. Agora, isto não me impede de lhe ter tecido críticas que acho justas e que fundamento (não há nenhuma espécie de motivação irracional na minha argumentação). Não, não sou seu fã incondicional, mas isso também não me faz entrar num espírito maniqueísta, em que as discussões em torno das suas competências/incompetências se tornam muitas vezes.

Miguel Lourenço Pereira disse...

Que mania agora da teoria da "valorização dos jogadores".

Que os administradores da SAD falem essa linguagem, tudo bem, agora os adeptos. O banco do FCP virou um supermercado?

Os treinadores têm multiplas missões. A primeira costuma ser ganhar jogos para ganhar títulos, algo que o VP fez regularmente. A segunda é a de criar um padrão de jogo identificativo e constante, que também o fez, e quanto mais estético melhor (pecou no último terço). Só depois é que vem a "potencialização". Mas essa é uma relação de duas partes. Se o jogador não colabora, os treinadores não fazem milagres. Aqui, em Manchester e na China. Quantos jogadores não mandou o Ferguson embora, ao estilo Forlan, porque não conseguiu comunicar com o jogador?

O VP foi um excelente gestor de grupo como se demonstrou com a vitória no segundo ano depois de ter recebido um balneário mimado por gente que se sentiu traída pelo AVB e pela SAD e que queria sair a todo o custo. Os Fucile, Belluschi, Guarin, Rolandos, Alvaros de que todos sentem tanta falta cavaram a sua própria sepultura no clube com a sua atitude. Alguns foram mal vendidos, mas o treinador não tem culpa. Foi o timing da venda, necessário para libertar o grupo de cancros na dinâmica colectiva, quem estabeleceu os seus preços. Os que ficaram, com o VP, nunca mais se queixaram, demonstraram estar à altura e com um plantel curto e descompensado, venceram a liga mais dificil dos últimos anos.

Se o Kelvin ou o Castro valem mais 1 euros com o VP ou sem ele? Não sei nem me interessa. Se o Iturbe é um menino mimado que nem o Mourinho o punha na ordem, que me interessa se o treinador é o Jesualdo, VP ou o AVB? Se os meninos mimados entraram em choque com a direcção e quiseram ter os seus contratos milionários nos Inters, que culpa tem o treinador? Querem ver agora que se o Defour bater o pé e o Fernando e o Mangala, o Paulo Fonseca vai ser um mau valorizador de jogadores!

Cresçam!

Duarte disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Duarte disse...

"O VP foi um excelente gestor de grupo como se demonstrou com a vitória no segundo ano depois de ter recebido um balneário mimado por gente que se sentiu traída pelo AVB e pela SAD e que queria sair a todo o custo."

A teorias da conspiração que são apresentadas como se de verdades insofismáveis se tratassem, fica difícil responder. De qualquer forma, esses casos fazem parte do passado e nem fui eu que agora toquei neles, logo não me interessa voltar ao mesmo.

Errata: no parêntesis que coloquei, no último parágrafo do comentário das 19:12, deve ler-se: (como se não tivesse havido outros ex-treinadores do Porto a ter conseguido feitos idênticos, mas que hoje não têm direito aos mesmos louvores). Peço desculpa pela imprecisão.

Mário Faria disse...

O Luís apresentou uma excelente base para uma boa conversa. Recebi o convite com prazer e passo a dar a minha opinião :
1)Reconheço que o FCP apresentou um futebol pouco atractivo em alguns jogos, mas tenho dúvidas que o plano do treinador se submetesse ao prazer da circulação da bola e não o complementasse com um conjunto de movimentos favoráveis a desmontar defesas superpovoadas e equipas que não querem jogar á bola. Poderia, ainda, justificar uma certa fragilidade ofensiva demonstrada com a falta de meios, nomeadamente a ausência de alas fortes e um meio campo pouco ousado em movimentos de ruptura e presença na última fase de construção, salvo Lucho nos seus melhores momentos. Poderia ainda aduzir a irregular presença de James em muitos jogos ou a hibernação de Varela numa parte substancial da prova. Porém, mais do que essa apreciação, importa reflectir sobre o modelo e a sua continuidade ou não. O FCP joga tradicionalmente em 4x3x3, e desde AVB mais em posse do que nas transições de Jesualdo. As equipas de formação e a B jogam segundo o mesmo modelo, apresentando as mesmas vantagens e defeitos da equipa principal. E, nesse contexto, é pertinente a meu ver definir se “o sistema” é para manter e tornar-se uma assinatura do clube, ou se vai ser sujeito a alterações de acordo com o estilo do(s) treinador(es) próximo(s). Pela minha parte, defendo o actual modelo e acho que o treinador se deve sujeitar a essa assinatura, introduzindo-lhe a sua versão, ou seja: as dinâmicas que lhe parecerem mais adequadas para o melhorar. Também, o recrutamento de novos jogadores deve ter em conta esses princípios de jogo e, por isso, entendo que o mercado fornecedor se centre preferencialmente no futebol da centro e sul da das Américas. Fico na expecativa porque não sei qual o rumo que vai ser definido e qual o papel do treinador na definição da estrutura do jogo e na selecção de recrutamento.
2)Como é possível fazer a rotação adequada se as alternativas eram escassas. Lucho já não aguenta os 90 minutos, mas foi determinante pois continua a ocupar os espaços como poucos: tem uma leitura de jogo e do tempo correctos e é indispensável no momento da pressão. Não tremeu a marcar a gp contra o Paços e foi do nosso trio do meio campo o mais concretizador, tendo sido substituído em alguns jogos para James poder ocupar o espaço mais central e próximo de Martinez. Moutinho foi o pendulo e Fernando o suporte para os quais o FCP não dispunha de alternativas credíveis e Defour teve de ser pau para toda a colher. Castro deu uma mãozinha e Ismaylov fez um bom jogo. Esta foi a rotação possível. Era difícil fazer mais e melhor!

Mário Faria disse...

3)A intermitência das jovens promessas é falha de quem ? De VP, do treinador da equipa B ou simplesmente é preciso dar tempo aos miúdos ? O nível de exigência no FCP é muito alto e não é fácil ganhar a titularidade porque a equipa base do FCP é (era) forte. Quem havia de sair (ser sacrificado) para tornar mais regular a presença dos miúdos ? Percebo que haja quem defenda que “quem não arrisca não petisca”, mas convenhamos que no futebol a complacência não é norma e se perdes estás lixado porque poucos aceitam as opções arriscadas se elas não resultam. Castro, mais maduro, mostrou-se esta época. A sua fixação na posição 8 parece ter ajudado a impor-se e ganhou espaço para se constituir como alternativa possível no futuro.
4)Essa da ambição limitada em alguns jogos é referenciada apenas porque as coisas correram mal, mas isso acontece na vida e no futebol. O treinador erra porque a infabilidade não consta do domínio humano. Pode até acontecer que o treinador faça tudo direitinho, desenhe um plano de jogo perfeito e depois os artistas (no campo) arrasam com o projecto ao marcarem golos na própria baliza. É muito difícil determinar onde começam as falhas do treinador e acabam os erro dos jogadores. O aferidor objectivo do valor do trabalho são os resultados conseguidos. Nessa perspectiva, que tem validade porque é mensurável, o VP perdeu algumas batalhas de cuja responsabilidade maior não se pode dissociar, tal como não lhe pode ser retirado o mérito maior pela conquista dos dois campeonatos, a não ser que se invoquem critérios subjectivos que cada um pode tomar na dose que quiser. Vítor Pereira fez bom trabalho na minha perspectiva e acho que o Paulo Fonseca vai encontrar boas condições para desenvolver o seu trabalho. Espero seja feliz no FCP.

João disse...

Já, chega, pá! Este é quê, o 3º post a chorar a saída do VP? Já se percebeu, queriam que o VP continuasse, já se percebeu que estão aziados com a decisão da SAD e querem bater pela enésima vez os vossos argumentos a favor do VP. Conseguem nomear o VP mais vezes do que do novo treinador num post sobre a época 2013/14! Passa-se alguma coisa na superpotência Al Ahli digna de registo ou já começam a confundir o FCP com a vossa preferência para treinador? "O VP é que era, agora vamos apoiamos o Fonseca incondicionalmente.. mas só se x, y, z" WE GET IT!

Agora,

"Apenas um 3º lugar para mostrar".. com o Paços. Não é preciso o sexto sentido de Pinto da Costa, qualquer conjunto de dois neurónios sabe distinguir "levar o Paços à Champions" de "levar o Santa Clara a ficar onde estava". Também levou o Pinhalnovense por 2x aos Quartos da Taça e o Paços às meias deste ano. Nunca foi apeado do SC Espinho, que me recorde.

O que vai conseguir fazer, não sei. Corre o risco de perder os dois jogadores mais importantes do núcleo duro - Moutinho e Fernando - antes de seguir para estágio. Se me conseguir manter acordado no estádio já estamos a progredir. Se tiver ao seu dispor o melhor 11 da Liga, como aconteceu com VP, exige-se que ganhe e que o faça categoricamente. Se conseguir substituir o Jackson aos 80' quando já estamos a ganhar por 2 ou 3 já estamos a progredir. Exige-se que potencie pelo menos alguns dos diversos putos de potencial EVIDENTE que temos por lá. Se conseguir fazer um jogador do Kelvin, ou do Iturbe, ou do Quino, ou do Tozé, ou do Tiago Ferreira, ou do Seri.. qualquer um. Meio, aliás. Nem isso, que não fiquem completamente estagnados durante duas épocas - já estamos a progredir. Que as assistências no estádio não tivessem a maior quebra registada em ano de campeonato ganho - já estávamos a progredir.

Já agora, a chegarem Herrera, Reyes, Bernard.. jogadores caríssimos de créditos mais do que firmados portanto, que os defensores do injustificável não se tenham de socorrer deles para dizer que o Paulo Fonseca evoluiu alguém, estaríamos a progredir de forma MUITO assinalável. Para variar um bocadinho.

João disse...

Gostei da lógica do Miguel Lourenço Pereira.

Todos os jogadores que não renderam com Vítor Pereira (Ferguson, pá!) pertencem a 3 grupos:

1) Os que queriam sair a todo o custo. Isto vai daqueles que evidentemente o queriam - Guarín, Rolando e Palito - até àqueles que o Miguel diz que queriam - todos os restantes - sem qualquer evidência que o suporte.

2) Os que "não sei nem me interessa". O que é sempre positivo..

e 3) Os putos mimados (Mourinho, pá!)

E depois deste argumentário digno da CERCI.. "Cresçam!"

A sério, Miguel. Mais noção nisso, sff.

Luchugo disse...

DC, então diga lá que lugar no ranking de treinadores na órbita do FC Porto ocupa VP neste momento?

Quanto ao segundo ponto o DC tem razão ao afirmar que é uma avaliação precoce,

Miguel Lourenço Pereira disse...

João,

Os jogadores pertencem a vários grupos, seja no Santos, no FC Porto ou no Unidos de Pequim. Mas curiosamente só ao VP é que fustigam por ser um mau gestor de balneário.

Parece-me mais do que evidente que há sempre jogadores a querer sair do FCP. Já sei que doi ao ego dos adeptos, mas eles são assim que se vai fazer. É preciso ir buscar os links dos empresários e dos jogadores que forçaram a saída na etapa pós AVB até ao final da 1º época do VP? Porque não creio que me tenha faltado nenhum.

Naturalmente há o núcleo duro do balneário, que é com quem o treinador, seja quem for, habitualmente trabalha, cria o seu grupo de confiança, que foi o que o VP fez com o Moutinho, o Helton, o Otamendi, o Jackson e mais tarde o Lucho (entre outros). Curiosamente isso também passa em todo o lado. O treinador que perde o controlo do balneário, como acusam o VP, é o que perde este grupo. Parece-me claro que não foi o caso.

E depois há sempre os meninos mimados que podem ser estrelas consagradas (à la Cristiano Ronaldo) ou putos com a mania que são estrelas precoces (à la Iturbe). Nenhum treinador, particularmente um que não é responsável pela prospecção e contratação, tem culpa de que existam e tem três opções. Ou os convence a mudar (o que necessita de esforço da outra parte), ou os coloca de lado ou os utiliza para sacar o máximo rendimento que possam oferecer. Foi o que se passou.

Portanto diz-me lá João, qual foi a parte que não percebeste, porque se te tenho de explicar em versão CERCI também o posso fazer (pá!)?

DC disse...

Isso depende muito do que considera um treinador na órbita do Porto. Eu o VP, dos que se falaram, só trocaria pelo Pellegrini.
Mas o Pellegrini não sei sequer se chegou a ser hipótese, lá está, tem que me definir o que é um treinador na órbita do Porto.

Embora lhe possa dizer que Domingos, Pedro Emanuel, Marco Silva, JJ e se calhar até Leonardo Jardim, nem na equipa B os queria.

DC disse...

Subscrevo inteiramente o comentário do Juca.

Já agora, o Málaga ficou em 7º porque sabia que podia ficar em 1º e não ia às competições europeias pois estava castigado pela UEFA. Antes do castigo, salvo erro, estavam em 3º ou 4º lugar e este ano venceram entre outros Real e Milan.

DC disse...

O Miguel disse tudo.

O mais engraçado é que aposto que esta gente que se atira ao VP é a mesma que diz que o balneário do Chelsea é que tramou o AVB ou que os espanhóis é que tramaram o Mourinho. Com o VP há sempre 2 pesos e 2 medidas.
Pelo menos isso ninguém lhe tira, nunca um treinador teve um grupo tão grande de adeptos a puxar pela cabeça para inventar teorias para o tramar.

Anónimo disse...

E o falado interesse do Everton?

Anónimo disse...

LOL Reyes, Bernard e Herrera jogadores de créditos firmados??!! Todos suplentes nas suas selecções, este gajo é doente!

Anónimo disse...

Sou mais um que nunca fui á bola e deixei de ir ao Dragão na 2ª época de Vitor Pereira como treinador do FC Porto. Agora a culpa de todo o mal não foi de vitor Pereira, como todo o sucesso alcançado não é devido á tão falada "estrutura". Os sucessos e os inssucessos bem podem ser repartidos por ambas as partes.

Há um factor que foi bem evidente na equipa do FC Porto durante esta época que muito ajudou á triste época efectuada e que é por todos reconhecido; o desiquilibrio do plantel, a falta de soluções para determinadas posições.

Como o R&C bem demonstrou, o FCP continua a ser a equipa que mais gasta e que tem o maior orçamento. Analisemos o seguinte, como é possivel uma equipa como o FCP que gastou 18 Milhões num LD não tenha um substituto á altura do mediano Danilo? Como é possivel que uma equipa como a do FCP após ter investido 13 Milhões num LE de categoria, não tenha um substituto nem que seja mediano. Como é possivel uma equipa como o FCP que gastou os milhões que gastou e que vendeu igualmente milhões em jogadores, só tenha um substituto mediano como Defour, para substituir á vez Fernando, Moutinho e ou velhinho e cansado Lucho. Como é possivel uma equipa como a do FCP tenha só um PL de seu nome jackson e no mercado de inverno vai contratar um DC por 9 milhões e que só vai cá chegar no próximo mês e vai buscar um Liedson e um Ismaylov para substituir quem? James!!! Convenhamos que o Vitor Pereira pode ser culpado de muita coisa, mas não foi o principal culpado de certeza e após tantos milhões gastos em jogadores de o plantel ser um dos mais desiquilibrados destes últimos anos. E com o Paulo Fonseca não vai ser diferente; o treinador é contratado para treinar tudo o resto é da responsabilidade da "estrutura" que pelos vistos só gosta de receber os louros, o resto que fique para o treinador.

João disse...

Faltou-lhe o Sapunaru - pediu para sair em Janeiro, depois de passar meia época a aquecer. Mostre-me lá quando é que o Fucile e o Belluschi fizeram o mesmo porque eu, honestamente, não me recordo.

"Fucile: «Ninguém quer sair» do FC Porto" (11-08-2011)

«O meu filho continua a ser jogador do F.C. Porto. O treinador não o quer, enfim. Não está contente com isso, pois sempre deu tudo pelo clube e nunca foi conflituoso. A decisão é apenas do clube. Já se sabe que no futebol o que menos importa é o bem-estar do ser humano».

O Fernando está magoado, sente que não merece isto. O meu marido está aí no Porto e diz-me que toda a gente pergunta por que não está no plantel do F.C. Porto. Nós também não sabemos»." Sílvia Belluschi (07-08-2012)

Mas isso é irrelevante, porque para o Miguel todos os jogadores que VP não soube aproveitar ou potenciar são culpados únicos pela situação. Ou não interessam.

Claro que o Miguel sabe tanto do balneário do Porto como eu de caça grossa mas os fanáticos são mesmo assim.

E se há coisa que não falta aos Pereirinhos desta tasca é fanatismo e factos pulled out of your asses, como esses.

Duarte disse...

O Málaga só agora viu confirmada a sua exclusão e, salvo erro, tal ainda não é definitivo. É uma equipa perfeitamente ao nosso alcance, banalíssima naquele contexto e uma das duas mais fracas que nos podiam cair em sorte nos oitavos de final da Champions.

Duarte disse...

São jogadores de créditos firmados à nossa condição, mas se o anónimo souber alguém melhor e mais em conta que duas jovens promessas do futebol latino-americano (um deles foi o melhor jogador do torneio de Toulon no ano passado) e um que é um craque no Brasil e até vai à selecção canarinha (não costuma ser para todos), faça o favor de dizer. Ficamos todos elucidados e, quem sabe, os incompetentes dos dirigentes portistas, que nunca ganharam nada nem percebem nada disto, seguem os seus preciosos conselhos.

Duarte disse...

Os desequilíbrios no plantel são relativizados pelos ainda maiores desequilíbrios no plantel do nosso rival. Eu sei que nós devemos concentrar-nos em nós e que isso não justifica um outro erro que indiscutivelmente tivemos, mas fica esta nota.

" da "estrutura" que pelos vistos só gosta de receber os louros, o resto que fique para o treinador. "

Sim, de facto a estrutura nunca deu a cara por Vítor Pereira e nunca o apoiou interna e externamente. É exactamente isso.

João disse...

Duarte, a bater teclar não vai lá. Para essa gente, primeiro passo é abrir o Paint.

Anónimo disse...

Málaga banalíssima. Este gajo é comediante?

Miguel Lourenço Pereira disse...

João,

Posso dizer exactamente o mesmo, mas na versão oposta, os anti-Pereirinhas desta tasca é fanatismo e factos pulled out of your asses, como esses de que os jogadores são perseguidos por esse diabo do VP!

;-)

Duarte disse...

Este "gajo", como diz o anónimo, dá a cara ao contrário de si. E mais, este gajo não tem por hábito responder a comentários que se limitam a enviesar propositadamente aquilo que é dito por outrem. Por isso, da próxima vez que se me quiser dirigir faça-o com conteúdo e, sobretudo, sem desvirtuar aquilo que escrevi.

Desta vez, abro uma excepção e respondo. Sim, o Málaga é uma equipa "banalíssima naquele contexto" (foi isto que eu disse, leu bem agora ou precisa de tradução?). Quer que repita? Está repetido. Entre Bayerns, Juventus, Barcelonas, Uniteds e companhias limitadas (que era o contexto que se nos afigurava aquando do sorteio), o Málaga é um adversário banal, ao nosso alcance e que devíamos ter eliminado. Ao invés fomos nós os eliminados, quando devíamos ter passado. O percurso europeu do Porto há dois anos foi medíocre e vergonhoso e na época passada ficou bastante aquém do que se lhe poderia exigir, em função do contexto e de tudo o que ele abrangeu. A Vítor Pereira aponto os insucessos europeus em ambas as épocas, da mesma forma que o felicito pelos êxitos de consumo interno nestes dois anos.

Siga para bingo. Este tema está mais do que pisado e repisado. Há quem adore VP e quem já tenha imensas saudades dele. Eu não o adoro, não sou seu apreciador enquanto treinador, acho que ele fez uma série de disparates incríveis enquanto cá esteve, mas também não nutro nenhum sentimento mesquinho pelo profissional em causa. Ele saiu como tantos outros saíram e Paulo Fonseca é o treinador. Interessam-me o presente e o futuro e esses, felizmente, já estão a ser preparados. Melhor ou pior, bem ou mal, cá estarei para avaliar e discutir. Até agora, de qualquer maneira, gosto muito dos sinais que temos tido.

João disse...

Lá está, aí é que se engana.. Como vos é, aliás habitual. Eu não tenho a mínima dúvida que o VP teve que lidar com um balneário adverso na 1ª época, como não me custa admitir que alguns dos putos tenham falta de tino e culpas no cartório por ficarem dois anos parados no tempo.

Da mesma forma que tenho a perfeita noção que vários dossiers foram mal geridos, o tratamento do Belluschi envergonha-me como adepto do meu clube. O que não alargo é a minha análise ao todo do plantel para servir o meu argumento.

Essa é a grande diferença.

Anónimo disse...

O Málaga ganhou ao Porto porque tinha um treinador, Pellegrini, que era muito melhor do que o VP. Não são apenas os jogadores que "jogam". Tão simples como isso.