terça-feira, 18 de junho de 2013

Ideias fortes acerca do “Tal Canal”

No passado sábado, durante o II Encontro da Bluegosfera, houve uma animada discussão em torno de três temas relacionados com o FC Porto.

(II Encontro da Bluegosfera - Painel 1)

No âmbito do Painel 1, cujo tema era o Porto Canal (“O Tal Canal”), três bloggers portistas expuseram as suas opiniões, a partir de perspectivas distintas, mas todas elas muito interessantes.
Para que aquilo que foi dito não fique confinado às quatro paredes do Auditório da Biblioteca Municipal de Espinho, fiz um apanhado de algumas das ideias fortes que foram transmitidas por estes bloggers.

Fernando Costa (Kosta de Alhabaite)

“Portugal ainda não se libertou da asserção queiroziana de que o país é Lisboa e o resto é paisagem”

“Subsiste uma visão centralista afunilada nos media portugueses”

“Um canal de clube não oferece nenhum conteúdo de interesse geral e de nada serve para aumentar o prestígio desse mesmo clube”

“A inclusão de espaços dedicados ao Clube num canal com programação generalista e independente é a opção correta e mais agregadora”

“A regionalização faz-se com boas instituições, não só a nível económico-financeiro, mas a nível da televisão, do jornalismo, dos jornais e das rádios locais”

“O FC Porto tem de ser capaz de se defender publicamente e de afirmar a nossa versão de uma forma mais abrangente e eficaz do que com comunicados no site oficial ou alfinetadas do Labaredas”

“A grelha do Porto Canal poderia conter um programa reunindo bloggers da bluegosfera”

“Não quero um Porto Canal trauliteiro, populista e demagogo, mas também não quero este Porto Canal mansinho, na onda da atual comunicação do Clube”

“O futuro terá de ser feito com agregação de interesses, iniciativas, realizações e objetivos de outras instituições locais e regionais aos mais diversos níveis”


Miguel Souto (Tribuna Portista)

“O Porto Canal é um bastião da região, sendo um canal de intervenção social, politica e económica”

“O Porto Canal é o nosso canal, contendo programação desportiva e relatando o dia-a-dia do clube”

“O Porto Canal deve assumir a defesa do clube, quer do ponto de vista institucional, quer do desportivo (em relação aos “capelas” do nosso futebol)”

“O Porto Canal deve envolver os adeptos e as casas do FC Porto, numa programação de promoção do clube”


Nelson Carvalho (Reflexão Portista)

“A comunicação do FC Porto está fora do centro de decisão nacional”

“As plataformas de comunicação do clube estão obsoletas”

“O Porto Canal deve ser um elemento de distinção do clube e aglutinador do universo portista”

“Não é possível dissociar a comunicação do clube da comunicação do canal”

“A comunicação do FC Porto deveria agregar uma plataforma conjunta online do FC Porto e Porto Canal”

“O Porto Canal deveria ser uma plataforma de contrapoder em relação ao centralismo desportivo e institucional do País”

“Porque não um espaço para os blogs do FC Porto para dar voz e força ao adepto?”

“Ao nível do merchandising, deveria ser aproveitada a agregação da estrutura de comunicação para apresentação/promoção de produtos da Loja Azul”

“Criar passatempos atrativos que promovam a procura dos canais de comunicação do FC Porto”

“O Porto Canal deve reforçar os conteúdos exclusivos e de qualidade relacionados com o FC Porto”

“O Porto Canal deve pautar-se por uma linha editorial credível”


P.S. No caso de ter deturpado (de forma involuntária) a opinião que foi transmitida, pedia ao Fernando Costa, ao Miguel Souto e ao Nelson Carvalho o favor de me corrigirem.

23 comentários:

Hulk disse...

O Porto Canal é 10x diferente (para melhor) que a BTV, mas há coisas que estamos a igualar, infelizmente. Não somos tão extremos, mas naquele fatídico Domingo que perdemos sub-19, Andebol e Hoquei (tudo para os rivais de Lx), simplesmente ELIMINARAM DA GRELHA o FlashPorto, o que é LAMENTÁVEL!!!! Mais valia falarem de berlinde ou peão, mas nunca alterar a grelha em cima do joelho pelo motivo de resultados desportivos!

SP

Joao Goncalves disse...

Eu para mim a Porto Canal ainda não me atraí por aí, mas também quase não ligo a box para ver seja lá o que for.

De qualquer maneira, e sendo um Portista sediado a Sul, o Canal Porto promove a região do norte com um cunho vincado na região que acaba por não interessar a um publico fora da região.

Claro que uso o Porto Canal para acompanhar os jogos e nada mais que isso e mesmo assim, tendo em conta que os jogos da B que é o que ainda via com alguma regularidade, apenas são transmitidos os caseiros, nem dá para criar o hábito de seguir com mais insistência.

Eu acho que diariamente à mesma hora, durante as 21:00 e 23:00 por exemplo, deveria haver um espaço Porto que deveria ter entrevistas a adeptos, bloggers, pessoas anónimas e conhecidas mas em estúdio não no meio da rua, para além do dia à dia do Porto.

Seria um espaço em que todo o passado/presente/futuro e tudo o que rodeia o nosso clube fosse ali tratado mas com pessoas inteligentes e responsáveis.

Um espaço diário e contínuo 5 dias por semana, poderia criar habituação e fidelização.

Anónimo disse...

Eu, que sou um portista em Lisboa, concordo perfeitamente com esta análise, em relação ao Porto Canal.

Portista Sec XXI disse...

Porto Canal deve ser um canal generalista?

Um tema muito interessante em debater sem dúvida nenhuma, quer pela diversidade de opiniões, quer pelos pontos de vista diferentes que este pode proporcionar no universo Portista, mas não só. Este é um tema que só por si é mais abrangente do que parece á primeira vista. É que hoje em dia também está na ordem do dia qual o papel e/ou como será o futuro das TV`s generalistas, numa época em que os hábitos e a forma de ver televisão está em plena metamorfose e em que os canais generalistas ainda não sabem bem como se vão adaptar a esta nova realidade, como os estudos mais recentes de audiência do público consumidor de TV revelam. A cada dia que passa é por demais evidente a fragmentação do público consumidor de TV por diferentes meios de visionamento e interesses específicos daquilo que quer ver e quando quer ver. Logo á partida e como tudo indica, um canal generalista estará mais longe de satisfazer todos aqueles que em dado momento procuram um determinado produto específico para ver. Como é o caso concreto de um adepto de um determinado clube, que como tal quer ver naquele preciso momento algo que tenha a ver e só com o seu clube e não um outro produto; dai que cada vez mais quem quer ver desporto em geral vê o que quer ver num canal especializado em desporto e o mesmo se passa com filmes, séries, documentários, música etc… ou seja, cada vez menos as pessoas estão á espera de ver aquilo que nos querem dar a ver; são mais proactivas, vão elas á procura daquilo que realmente querem ver.
Logo na minha opinião o futuro do Porto Canal não deve passar por ser um canal generalista.

Paulo disse...

Estão aqui excelentes sugestões que o FCP pode aproveitar para melhorar ainda mais ,quer o Porto Canal,quer toda a área de comunicação ligada ao clube.
Claro que sendo o Porto Canal um canal generalista,mas ao mesmo tempo de cariz regional , tem de ter critérios de programação que lhe permitam também conquistar audiências e ao mesmo tempo captar publicidade para se manter viável,logo nem todas estas sugestões podem ser aproveitadas .

Saudações Portistas
Paulo Almeida

Portista Sec XXI disse...

Porto Canal deve ser um canal regionalista?

Ao desempenhar este papel, o Porto Canal só teria que abraçar a filosofia de um canal generalista, mas focado claro está na vertente regional. Pergunto será esse o papel de um Canal que é detido e controlado pelo clube mais representativo da região, mas que não é de todo, a extrapolação das vontades e modo de sentir e de ser da grande parte da população dessa mesma região. Esta realidade para mim ficou bem evidente aquando do referendo sobre a regionalização em Portugal.

Portista Sec XXI disse...

Quanto ás opiniões dadas pelos bloggers mencionados; não concordo com todas elas. Então vejamos.

“Um canal de clube não oferece nenhum conteúdo de interesse geral e de nada serve para aumentar o prestígio desse mesmo clube”

Consoante o que definimos como conteúdo de interesse geral. Se tivermos em conta o que estava definido pela própria lei até o ex ministro Relvas a suspender temporariamente, com a justificação da crise em que o país vive. Um jogo FC Porto vs SL Benfica em futebol, não só estava enquadrado na lei de interesse geral em relação a transmissões em canal aberto de acontecimentos desportivos; como de certeza que uma transmissão do género iria e muito aumentar o prestigio e as audiências de um qualquer canal, neste caso o Porto Canal, logo o FC Porto.

“A inclusão de espaços dedicados ao Clube num canal com programação generalista e independente é a opção correta e mais agregadora.

Como referi e expliquei num post anterior, esta não de certeza a melhor forma de agregar o universo Portista.

Portista Sec XXI disse...

“A regionalização faz-se com boas instituições, não só a nível económico-financeiro, mas a nível da televisão, do jornalismo, dos jornais e das rádios locais”

Será a regionalização um dos objectivos alcançar pelo FC Porto como clube desportivo que é? Será a regionalização um desejo e/ou um objectivo a alcançar pela maioria dos adeptos e/ou sócios Portistas? Será que o FC Porto não é mais que uma arma de mão de determinados senhores, políticos, empresários e de outros interesses que nada têm haver com o FC Porto e muito menos com o desporto?

Eu acrescentaria o seguinte; um país uno e indivisível, faz-se e desenvolve-se com boas instituições, não só a nível económico-financeiro, mas também a nível de justiça, comunicacional e acima de tudo a nível social e onde a solidariedade e a liberdade democrática de decidir das suas gentes funcione realmente.

Portista Sec XXI disse...

“O futuro terá de ser feito com agregação de interesses, iniciativas, realizações e objetivos de outras instituições locais e regionais aos mais diversos níveis”

E as Nacionais? Será que crescemos tanto ao nível de resultados desportivos, mas que continuamos tacanhos em mentalidade? Continuamos assim tão pequeninos?

“O Porto Canal é um bastião da região, sendo um canal de intervenção social, politica e económica”

E esse deverá ser o papel ou a função a desempenhar pelo FC Porto como instituição desportiva que é? Ou devemos deixar esse papel para outras instituições que estão mais ligadas a esses assuntos extra desportivos, como é o caso dos partidos políticos, associações empresariais ou a Misericórdias por exemplo.

A intervenção da solidariedade social é a única que para mim faz todo o sentido, pois é uma área transversal a toda a sociedade e que em geral gera consensos e essa sim é uma área onde se pode conjugar a missão social de um clube ao serviço da população onde este está geograficamente inserido. Temos o exemplo da Fundação Benfica.

Portista Sec XXI disse...

"Eu, que sou um portista em Lisboa, concordo perfeitamente com esta análise, em relação ao Porto Canal."

Mas é um portista EM Lisboa, não DE Lisboa, certo. Já agora é portista e portuense, ou é portista de um outro ponto do país? Se é de que cidade ou região? Pois pode fazer toda a diferença para melhor se compreender a sua opinião

Portista Sec XXI disse...

"momento algo que tenha a ver" onde está "a ver" é "haver"

Exploder disse...

Como portista nascido e criado em Lisboa há trinta e oito anos gostaria que fosse reforçada a vertente clubística / futebolística do canal. Por vezes chegamos a ter mais informação /discussão sobre o Porto nos canais nacionais do que no porto canal. Não fosse o porto canal não acompanharia a equipa b e muito menos os escalões de formação

Portista Sec XXI disse...

Exploder, eu como portista e acérrimo defensor de uma estratégia de crescimento para o FC Porto que faça deste um verdadeiro clube de dimensão nacional e não o maior a nível regional, que pelos vistos é o máximo que esta direcção ambiciona e muitos dos seus adeptos. Gostaria que me respondesse ao seguinte:

O que é ser Lisboeta e Portista em Lisboa? É bem tratado? Qual é a reacção daqueles que não são igualmente Portistas.

O que sente como Lisboeta ser tratado como “mouro”, “magrebino” etc pelos seus correligionários portistas?

Como Portista, mas também Lisboeta, qual a sua opinião em relação á regionalização e se o FC Porto deve ser ou não uma bandeira politica da região?

Como vê ou sente os frequentes ataques da direcção do FCP a Lisboa, aos Lisboetas e há tão falada centralização do poder em Lisboa?

Por último acha que os adeptos dos clubes ai de Lisboa, são mais anti-FC Porto, ou mais Anti-Presidente do FCP?

O que o fez ser Portista? As vitórias do clube, e/ou a politica “anti-mouro”, “Anti-Lisboa”, ou outra.

Desculpe lá tanta pergunta, mas sinceramente acho que é importante ouvir a opinião que os adeptos Portistas não Portuenses tem sobre esta matéria que é mais cara para as gentes aqui da cidade.

Pedro Jesus disse...

Causa me algum espanto a critica a um canal de TV dirigido ao Norte do País e do Norte do País.É de facto um canal generalista,de caracter mais regional onde apenas e s´´o é gerido pelo Fc Porto mas não pertence de todo ao clube/SAD.A 1 de Agosto de 2011 foi feito o consorcio com a empresa dona do canal a espanhola Mediapro com opção de compra até 31 de Julho.Até lá,é assim.Caso haja a compra total e definitiva deve se fazer exigências.A quem não segue o canal aconselho a aproveitar alguns programas tais como Caminhos de História onde há um excelente historiador,na linha de José Hermano Saraiva.

Joao Goncalves disse...

Eu Sou Portista nascido em Coimbra e a morar no Algarve à 30 anos e como muitos outros adeptos do FCP, não temos qualquer ligação à região ou à cidade.

O Porto, à muito, que deixou de ser um clube regional, não querendo contudo dizer que a politica do Canal deve ser nacional... O que disse claramente acima é que deve haver um horário fixo para TODOS os adeptos e depois um horário em que sabemos que é para a região.

Assim se das 21:00 às 23:00 fosse TODOS os dias um espaço dedicado unicamente ao FCP seria 2 horas para todos os adeptos e não só para os adeptos/população regionais.

Exploder disse...

Ora cá vai.

O que é ser Lisboeta e Portista em Lisboa? É bem tratado? Qual é a reacção daqueles que não são igualmente Portistas.

Aqui há uns largos anos, numa entrevista ao Record que ainda hoje guardo algures, Miguel Sousa Tavares afirmou algo como isto: "É mais difícil ser portista em Lisboa que muçulmano na Bósnia-Herzegovina". Ora, na altura, em meados dos anos 90, em que o Porto já vinha tendo um ascendente sobre o Benfica que ia definhando, eu compreendi as palavras de MST, mas só em parte. A guerra nos Balcãs estava no auge, mas eu, como portista de/em Lisboa, não me sentia nem de perto, nem de longe ameaçado por me identificar como portista, mesmo no Estádio da Luz. Talvez até porque no meu grupo de amigos existiam outros portistas como eu, de Lisboa, apesar de os benfiquistas estarem em maioria. Era uma altura em que até ia ver os jogos do Benfica à Luz dado ter entrada gratuita por ser jogador federado. Por outro lado, ser do portista em Lisboa sempre foi uma grande satisfação, já que por cada vitória do FC Porto no campeonato, tinha o “prazer” de afirmar o meu portismo na minha cidade de Lisboa e assim poder trazer cada vez mais adeptos para o nosso clube.

Como o passar dos anos, porém, a animosidade perante os portistas em Lisboa, por parte dos fanáticos adeptos do Benfica (do Sporting nunca senti) cresceu proporcionalmente (talvez mesmo exponencialmente) com a cada vez mais vincada hegemonia do Porto em termos nacionais e internacionais. Por cada ano que o Porto é campeão, o benfiquista fanático sente fugir-lhe o chão debaixo dos pés e dispara para tudo quanto é lado. E nos últimos anos sinceramente não me sinto à vontade para andar de cachecol do FC Porto em Lisboa, nem tal permito aos meus filhos. Excepto no Colégio que tem um ambiente mais controlado lhes permito a identificação como portistas.

Como exemplo do que falo, nos últimos três anos, tenho ido comprar a revista Dragões ao mesmo quiosque, aqui sim num tom mais ou menos provocatório, já que na primeira vez que lá fui o senhor do quiosque demonstrou uma animosidade declarada em relação à minha compra, mesmo estando acompanhado pelos meus filhos. A partir daí tenho sempre o “prazer” de lá passar para trazer a revista.

Certamente é um dos tais benfiquistas fanáticos que desde o Apito Dourado começa e acaba a conversa chamando todo e qualquer portista de corrupto. Felizmente não são a maioria, mas sinceramente julgo que são perigosos e aparecem quando menos esperamos, pelo que tento ser o máximo low profile em locais onde não conheço as pessoas.

Felizmente, a maioria dos benfiquistas dão-me os parabéns pelas vitórias do FC Porto e reconhecem a sua superioridade quando têm que o fazer.

Resumindo, ser Portista em Lisboa é ter o melhor de dois mundos: ser adepto do melhor clube português e natural da cidade mais bonita de Portugal (sei que pelo menos quanto à primeira concordará!!) Se bem que sinceramente sinto falta de estar mais acompanhado nas vitórias.

O que sente como Lisboeta ser tratado como “mouro”, “magrebino” etc pelos seus correligionários portistas?

Sinceramente, não me sinto ofendido até porque não acho que seja pejorativo, tem a ver com “conversa de futebol”. Mas uma coisa é certa, tal tenderá a desaparecer à medida que as gentes do Norte se forem apercebendo da percentagem de portistas em Lisboa, em particular, e no Sul do país, em geral. Só eu e o meu irmão já contribuímos com mais dois portistas nascidos em Lisboa, cada um!

Por último acha que os adeptos dos clubes ai de Lisboa, são mais anti-FC Porto, ou mais Anti-Presidente do FCP?

Falando dos adeptos fanáticos, julgo que não há distinção entre uma coisa e outra. Para eles Pinto da Costa e FC Porto são uma e a mesma coisa. Quanto aos adeptos normais, apesar de tudo, valorizam o FCPorto e a gestão de Pinto da Costa, suspirando por um Pinto da Costa lampião ou lagarto.

Exploder disse...

Continuando...

Como Portista, mas também Lisboeta, qual a sua opinião em relação á regionalização e se o FC Porto deve ser ou não uma bandeira politica da região?

Como vê ou sente os frequentes ataques da direcção do FCP a Lisboa, aos Lisboetas e há tão falada centralização do poder em Lisboa?

Julgo que era inevitável a Pinto de Costa associar o sucesso do FCPorto ao ataque à centralização do poder em Lisboa. Mais do que uma estratégia consciente, julgo que era algo que inevitável. Porque na verdade, a marca FCPorto é a única que é imediatamente associada ao Norte. Se formos perguntar a um Lisboeta onde é a sede da Sonae ou da Unicer ou da Milaneza todos respondem que é em Lisboa. Mas passados trinta anos temos que começar a saber separar mais as águas: o Barcelona é um símbolo de uma região autónoma, mas nem por isso deixa de ter adeptos em todo o mundo. Ainda ontem quando via o Brasil México, na substituição do Hulk apareceu um adepto brasileiro com o boneco verde e com a camisola do FC Porto vestida! O FC Porto será sempre um símbolo da Região e será certamente cada vez mais um clube nacional e mundial. Assim haja títulos. Se não houver títulos, nem referência da Região será. Se o FC Porto não tivesse tido o sucesso que teve com Pinto da Costa e se o Benfica mantivesse a hegemonia, poderíamos dizer hoje que o FC Porto tinha mais adeptos na cidade do Porto que o Benfica e mesmo o Sporting? Ao fim e ao cabo tudo se resume ao sucesso desportivo, económico e social. Quanto mais instituições nortenhas tiverem sucesso a nível nacional, mais a região Norte será valorizada e mais poder terá para combater a centralização do poder em Lisboa.

E sim, sou de Lisboa e apoiante não só da descentralização, mas também da Regionalização. No triste referendo de há uns anos lutei para que a mesma fosse para a frente. Não foi possível. O resultado está à vista. Foi o compadrio nos corredores do poder de Lisboa, aqui bem perto de onde escrevo, na Praça do Comércio, ou nos grandes escritórios de advogados de Lisboa, ali logo subindo a Rua Augusta, o Rossio e os Restauradores, bem situados na Avenida da Liberdade, que nos trouxe as célebres parcerias público-privadas, a compra dos submarinos, o buraco do BPN, etc.

Só alguém fortemente ignorante pode ser contra a regionalização/descentralização porque tal iria favorecer o FCPorto ou o Porto. E só alguém muito ignorante poderá ser a favor da Regionalização só porque tal é desígnio do FC Porto. A regionalização e descentralização são essenciais para mudar um país macrocéfalo e profundamente desigual como é Portugal. Se o FC Porto representa tal objectivo? Sim. Se é o seu único papel? Não. No fim de tudo, para mim, continua a ser um clube de futebol pelo qual me apaixonei quando despertei para o futebol.

Exploder disse...

Continuando...

O que o fez ser Portista? As vitórias do clube, e/ou a politica “anti-mouro”, “Anti-Lisboa”, ou outra.

Certamente quando despertei para o futebol a primeira influência que tive foi o meu pai, portista, natural de Castro Daire, que migrou para Lisboa ainda miúdo, vítima da tal macrocefalia. Não é nem nunca foi um adepto sofredor. Consegue ser um adepto perfeito: o que vibra com as vitórias e consegue ficar indiferente às derrotas e por isso não sofre! Ou seja, tive muito mais “chatices” com o meu tio e primos Sportinguistas para ser do Sporting e que até me levavam a Alvalade, do que com o meu pai. Agora, pensando melhor e recuando trinta anos, o meu pai fê-lo mais pela calada! Lembro-me da primeira vez que vibramos juntos a ver o Porto: foi o Aberdeen 0 Porto 1 com o chapéu do Vermelhinho e quando sofremos juntos a ver a final da Taça das Taças. E depois a cor azul também não é de somenos importância! Claro que ter despertado para o futebol quando o Porto começou a ganhar e a ir longe nas competições europeias facilitou a minha vida!

Depois à medida que fui crescendo, tudo se encaixou perfeitamente: o FC Porto continuou a ganhar, e tal foi sempre por mim associado ao Portugal democrático e livre. Ao Portugal cosmopolita e europeu. Ao Portugal que surgiu após o 25 de Abril, mesmo com todos os seus defeitos. O Benfica, esse, sempre ao associei ao antigo regime, ao Fado, Fátima e Futebol, à centralização do poder em Lisboa. À televisão a preto e branco.

É esse combate à centralização do poder em Lisboa que Portugal ainda não ganhou! E que terá que ser a região Norte a continuar a liderar. Por isso, não sou do FC Porto contra Lisboa. Sou do FC Porto por Portugal!

E, já agora, também pelo pontapé na bola!

Agora já tem mais ou menos uma ideia de como é um portista lisboeta. Era assim que imaginava?

Portista Sec XXI disse...

Desde já os meus agradecimentos pela atenção prestada e pela paciência que teve em responder ás minhas questões. Quando as coloquei a minha intenção era a de ter uma resposta de um Portista Lisboeta de família totalmente Lisboeta e sem nenhum apego ao Porto cidade e mais concretamente ao FC Porto. No seu caso pelo menos o seu pai é originário do distrito de Viseu e é Portista. E pelo que vistos foi ele que de forma mais directa ou indirecta o levou a ser Portista e não as vitórias do FC Porto por si só. Na verdade, também eu conheço alguns portistas em Lisboa, alguns até são meus familiares; mas todos aqueles que eu conheço, são-no por uma simples razão; influência de pelo menos de um familiar directo que é Portista. Já aqui no grande Porto conheço principalmente muitos Benfiquistas Portuenses e Nortenhos, e alguns inclusive em que ambos os progenitores até são Portistas.

Quanto ás minhas perguntas, algumas tinham uma razão de ser em concreto. Por exemplo os meus familiares Portistas a viver em Lisboa (nem todos nascidos em Lisboa), nunca tiveram problemas por serem Portistas e nunca foram mal tratados física ou verbalmente quer na cidade, quer no estádio da Luz por exemplo. Só uma vez houve umas bocas em Alvalade por parte de elementos da Juventude Leonina; Já dois sobrinhos meus Lisboetas e Benfiquistas já foram agredidos fisicamente por exemplo por elementos dos Super Dragões num jogo no estádio das Antas (por incrível que pareça, ambos eram portistas e benfiquista e passaram a ser benfiquista no dia a seguir ao FC Porto ter ganho a final de contra o B.Munich em consequência do discurso Anti-Lisboa feito na altura por Pinto da Costa). Agora uma coisa é os adeptos comuns e outra bem diferente são elementos das claques, que como nós sabemos, estão normalmente infiltradas por elementos de má índole. Mas pelo o que me conta a sua experiencia é bem diferente. Em conclusão, há muito que ando a tentar compreender como é que após tantos anos (perto de 30) de domínio por parte do FC Porto e os consequentes títulos ganhos, a penetração do FC Porto em Portugal e nos portugueses está longe, muito longe de corresponder ao seu sucesso. E claro está que é por demais evidente que essa penetração não foi conseguida só por culpa a factores externos ao próprio FCP, como comunicação social etc…

Portista Sec XXI disse...

“Resumindo, ser Portista em Lisboa é ter o melhor de dois mundos: ser adepto do melhor clube português e natural da cidade mais bonita de Portugal (sei que pelo menos quanto à primeira concordará!!) Se bem que sinceramente sinto falta de estar mais acompanhado nas vitórias.”

Então junte-se a nós aqui no Porto. Mas fique sabendo que concordo plenamente consigo em relação em se ser adepto do FC Porto, mas igualmente em relação á cidade de Lisboa; para mim uma das mais bonitas se não a mais bonita da Europa. E olhe que eu sei do que falo, pois conheço muita cidade por esse mundo fora. Já para não falar das suas gentes, simpatiquíssimas e que sabem receber como ninguém. Claro que como qualquer grande cidade, os seus habitantes tem origens de diferentes lugares e culturas o que no caso de Lisboa, ajuda e muito acolher bem pessoas de diferentes países e culturas.

Portista Sec XXI disse...

O que sente como Lisboeta ser tratado como “mouro”, “magrebino” etc pelos seus correligionários portistas?
Sinceramente, não me sinto ofendido até porque não acho que seja pejorativo, tem a ver com “conversa de futebol”.

Que todos fossem como você. Pois conheço alguns e não só Lisboetas, que até não são Sportinguistas nem Benfiquistas, mas que passaram antipatizar com o FC Porto por causa desse discurso divisionista.

Portista Sec XXI disse...

Falando dos adeptos fanáticos, julgo que não há distinção entre uma coisa e outra. Para eles Pinto da Costa e FC Porto são uma e a mesma coisa. Quanto aos adeptos normais, apesar de tudo, valorizam o FCPorto e a gestão de Pinto da Costa, suspirando por um Pinto da Costa lampião ou lagarto.”

Na verdade antes do processo Apito Dourado, eram poucos os adeptos de outros clubes que eu conheço que não partilhavam dessa sua visão em relação a Pinto da Costa. Hoje e após esse dito processo e depois de tudo o que foi divulgado publicamente, sinceramente não há nenhum daqueles que eu conheça que continue a achar Pinto da Costa o presidente modelo; muito menos para estar á frente dos seus clubes. Mas isso é uma constatação que eu faço há muito, basta ir ler as opiniões dos adeptos desses clubes por essa blogosfera fora, antes e depois do processo Apito Dourado.

Portista Sec XXI disse...

Julgo que era inevitável a Pinto de Costa associar o sucesso do FCPorto ao ataque à centralização do poder em Lisboa. O que o fez ser Portista? As vitórias do clube, e/ou a politica “anti-mouro”, “Anti-Lisboa”, ou outra.
Eu como acho que os clubes desportivos são para quem gosta de seguir ou praticar desporto e os partidos políticos para quem gosta de política e muito menos gosto de promiscuidades. Logo não posso estar de acordo que o FC Porto sirva para outros fins se não os desportivos. Já agora e sem entrar em pormenores, dê uma vista de olhos ao número de deputados que tem sido eleitos para a AR e respectivas naturalidades, o mesmo pode fazer com os vários senhores que tem feito parte dos sucessivos governos e vai chegar á triste conclusão que é uma imensa maioria de senhores naturais de fora de Lisboa contra uma minoria natural de Lisboa que fazem a dita centralização do poder em Lisboa. E se formos ver quem governou o Portugal nesta última década os naturais da Beira Interior estão muito bem representados.