sexta-feira, 14 de junho de 2013

O adeus que o Vitor merecia

Imagino Antero, Vitor Pereira e Pinto da Costa num cenário do PortoCanal. Não há grandes sorrisos mas também não se vêm caras largas. Falam tranquilamente, entram em directo. Depois das perguntas da praxe do jornalista de serviço, Pinto da Costa comunica aos adeptos do clube que, de mútuo acordo, clube e treinador entenderam que o ciclo de três anos tinha chegado ao fim. Que era altura para um novo desafio para ambas as partes. Agradece a VP a dedicação, o ter abdicado de ser treinador principal para ser auxiliar de AVB e, sobretudo, de se ter negado a ir com ele para Londres e ficar a dirigir a nau, com sucesso desportivo inquestionável. Vitor Pereira agradece a confiança da estrutura, o apoio da directiva em todos os momentos. Há um olhar cúmplice, de sensação de dever cumprido para ambas as partes. Antero finalizando deixando a porta aberta no futuro para um treinador que tem tantos títulos como António Oliveira, Bobby Robson, Carlos Alberto Silva, José Mourinho e José Maria Pedroto. Títulos da estrutura, títulos do treinador, títulos de uma parceria que chegou ao fim.

Naturalmente, que isto é só fruto da minha imaginação.
A realidade é sempre mais crua que a fantasia. No mundo real não há espaço para a honestidade intelectual, para o cavalheirismo e para o reconhecimento do mérito. Salvo casos muito excepcionais, tudo é feito com frieza e distanciamento. E é pena que assim seja.
Porque o FC Porto é um clube grande no plano desportivo mas sempre o foi no plano humano. E a este adeus de Vitor Pereira faltou isso mesmo. Humanidade. Não se trata de que o técnico mereça ficar ou não - esse debate acabou, agora é remar em frente com o Paulo Fonseca - mas sim da forma como o clube decidiu dar por terminada uma relação profissional que se pode considerar, a muitos títulos, bem sucedida.
Vitor Pereira é portista. Sentido, do coração, de pequenino. Não precisou do discurso retórico da cadeira de sonho, não precisou de pôr-se de joelhos na Luz para reclamar um "roubo de igreja" ou de inventar que era um ser especial. Vitor Pereira foi ele mesmo, com os seus defeitos e virtudes (que tem muitas, como todos, em ambos campos). No final, mereceu apenas um comentário despectivo do homem que o foi buscar ao Santa Clara, que o manteve no posto quando a coisa esteve tremida em Dezembro de 2011, e que celebrou com ele dois títulos com os quais talvez a estrutura não tivesse a contar. Disse Pinto da Costa que o FCP tem um novo treinador porque o anterior quis ir para as Arábias, deixando entender que se tinha vendido. Não é assim.



Desde Março, quando o agente do VP e  o próprio souberam que o clube não tinha intenções de renovar, que o seu destino estava traçado. Sondaram-se treinadores internacionais e escolheu-se um técnico de perfil baixo, português e ambicioso. Pelo caminho, a vitória surpreendente no minuto Kelvin chegou a fazer alguns elementos do clube ponderar um voltar atrás. Montou-se um circo pouco habitual num clube tão profissional como este, exemplar na gestão da sucessão dos seus treinadores como nenhum outro. Alguém pensou em persuadir o treinador a ficar, para agradar a parte da galeria. Acabou por pesar a vontade de mudar para algo mais atractivo e o próprio despeito de um profissional que se sentiu desprezado quando as coisas não iam tão bem. Tudo isso é legitimo e futebol. O FCP tem todo o direito a não renovar com quem quer que seja e o VP tem todo o direito em não querer renovar e ir fazer o contrato da sua vida nas Arábias. Mas isso implica que não tenha direito a uma despedida à altura?
Quando AVB saiu, muitos - eu não, nunca eu - começaram a transformar o amor que lhe tinham por ódio e passou a ser o Libras-Boas. Mas nunca se viu do clube essa frieza e distanciamento com um treinador que, meses depois, veio recolher o Dragão de Ouro. Está claro que aqui há filhos e enteados. VP ficou, sofreu na pele o desgaste de um balneário destroçado pelas ambições de jogadores e empresários, e corrigiu o rumo. AVB foi-se embora. E no entanto, parece que ao primeiro há que dizer adeus e até logo e ao segundo, vê lá se voltas depressa. Curioso.

Esse pequeno gesto tinha dignificado, sobretudo, o clube.
Não é a primeira vez que PdC não renova com um campeão, homem da casa. Passou com Oliveira e não se perdeu o título seguinte. Um bom exemplo para deixar claro que os homens passam e a estrutura fica, o nosso sinal de sucesso. Não havia essa pergunta a contornar, pura e simplesmente porque isto é futebol. Mas da mesma forma que se utilizou, e bem, o Porto Canal para apresentar o novo mister, teria tido um orgulho imenso nos meus dirigentes se tivessem feito exactamente o mesmo, dias antes, para despedir o homem do bicampeonato que todos pensavam que seria de outra cor. Noutros clubes, noutras ligas, noutras sociedades, homenagens destas existem. É só preciso trazer um pouco mais de humanidade a um desporto-paixão cada vez mais tratado por quem o dirige com a frieza e cinismo de quem gere uma multinacional. O Vitor merecia ter tido outro adeus, os adeptos do FC Porto (principalmente os que lhe estão gratos, que são muitos, independentemente de que queiram que siga ou não) também. Só faltou que as pedras do Dragão tivessem tido um pouco mais de sentimento.

45 comentários:

Anónimo disse...

Miguel, uma só palavra:
Parabéns.....
Retratas fielmente um estado de espirito partilhado por muitos portistas. Até no mundo empresarial, quando um quadro ou colaborador importante sai, é emitido um comunicado a agradecer a colaboração e a desejar sucessos futuros.
Pelo que conheço do VP (é meu conterraneo), esse gesto marcaria-o. Seria importante.
Para o futuro, força Paulo Fonseca e boa sorte para ti Vitor.

JP

Miguel Lourenço Pereira disse...

Sem dúvida, muita sorte para alguém como o Vitor, que é da casa, e para o Paulo que entra, com uma missão dificil.

Precisamente por saber como é o VP - e saber o grande que sabe ser o PdC - tenho pena que esta pequena homenagem não se tenha produzido!

abraço

Anónimo disse...

Peço desculpa pelo completo off-topic que quero fazer... mas talvez um dos belos bloggers desta casa me possa satisfazer uma curiosidade:
Em 2011, foi anunciado um projecto, que consistia na construção de um mega centro de estagios no brasil, que serviria de escola de jogadores para alimentar o Porto. O investimento era bem grande (dezenas de milhoes de euros) e apadrinhado pelo Carlos Alberto Silva...
Em que ponto esta isso? esqueçido? congelado? descartado? em progresso?
http://www.maisfutebol.iol.pt/fcporto/dragao-fc-porto-fc-porto-carlos-alberto-silva-centro-de-treinos-dragao-dragao-brasil/1279164-1304.html

Anónimo disse...

Subscrevo. E acrescento (corrijam-me se estiver errado) que há outras duas personalidades portistas que mereciam outro tratamento por parte do clube quando terminaram as suas carreiras: Vitor Baía e Jorge Costa...

Amphy disse...

Efetivamente, creio que se tem falhado um pouco na hora da despedida. Tanto ao nível de treinadores como de jogadores. Mesmo que tenham vontade de sair, se o tempo que passaram no clube o assim justificar, deveria ser disponibilizado um comunicado com o respetivo reconhecimento. Uma nota no site era o mínimo. Pelo menos isso.

Entendo que este ciclo tinha terminado mas esta saída foi feia e este treinador (bem portista por sinal), merecia a meu ver um tratamento mais digno. Foi sempre profissional e defendeu o clube o melhor que sabia e podia.

Trata-se daquela máxima: "Se não estas connosco então estás contra nós."

Luchugo disse...

Eu tenho uma opinião diferente.

Nunca em clube nenhum se faz uma festa de despedida para um treinador campeão. Exemplo primeiríssimo o Bayrn Munique e Jupp Heynkes.

O que deveria ter acontecido e da maneira mais lógica seria VP, logo a seguir ao jogo com o Paços dizer que não continuava no Porto. Assim e "protegido" pelo clima de festa, o assunto ficava resolvido, mesmo que depois o revisitasse com mais calma.

Ora se isto não aconteceu foi porque ambas as partes - Porto e VP - ainda alimentaram a hipótese da continuação e isto é que estragou tudo.

Eu não isento o VP de responsabilidade neste desfecho. Se em Março sabia que não continuava então em Maio/Junho não hesitava e saía, mesmo com um proposta de renovação em cima da mesa. O Porto sai mal na fotografia porque hesitou, porque voltou atrás.

Ficaram, portanto todos mal vistos, mas amanhã já ninguém se lembra disto, PF é o Sr que se segue e o Porto continuará a vencer.

E até digo já aqui que se calhar VP ainda voltará ao Porto.

Anónimo disse...

Se calhar, tal como a AVB, farão a despedida na entrega dos dragões de ouro.

DC disse...

Muito bem!

Posso dizer que desde que me lembro de ser portista este foi o único momento em que tive raiva das declarações do meu presidente.
Declarações completamente escusadas, talvez azia por VP ter recusado o contrato, tentativa de virar os adeptos contra ele nesta questão, enfim...
Para ele, se houvesse justiça, no mínimo teria que haver um Dragão de Ouro.

Hugo disse...

Eu devo ser dos pouquíssimos portistas que acreditaram na vitória contra o sport lisboa e belgrado até ao último minuto da partida. Foi de uma fé inabalável que eu sabia que alguem ia fazer o 2-1.

Isso faz de mim mais portista que os outros que não acreditaram? Não faz.
Faz de mim bruxo? Muito menos.
Faz de mim um adepto irredutível? Faz. Desde os anos 80 em que eu me lembro de mim como gente e como adepto do Futebol Clube do Porto.


Foi nesse tempo que se criou a imagem dos jogadores à Porto; do jogar à Porto. A nossa imagem de marca de acreditar até ao último segundo, de sofrer, de lutar. De ganhar sem jogar bonito.

Profissionalmente e como pessoa vivo o meu dia-à-dia assim como eu aprendi há 30 anos atrás.


O VP para mim personifica isso tudo e custa-me ver tanta gente que é adepta do Futebol Clube do Porto hoje exactamente por termos jogado à Porto!
E hoje queremos esquecer o nosso passado, a nossa herança, o nosso legado(!) enquanto dizemos alegremente "este é o nosso destino". Pois o nosso destino teve um ponto de partida feitos por homens como o VP, que sem serem particularmente brilhantes, especiais, populares ou carismáticos, eram essencialmente homens de raça que sentiam e viviam o nosso clube.


Querem criticar o VP, critiquem. Mas até eu levar a crítica dessas pessoas a sério, vou pedir para levantarem o cú da cadeira e sacudirem as pipocas do colo e tentem fazer melhor que ele.

PS: e ainda estou para perceber como é que há portistas que queriam aquele verme desprezível que é o JJ a treinar o Futebol Clube do Porto quando há um ano atrás dizia que treinar o Futebol Clube do Porto era como dar um passo atrás na carreira. Portistas destes dispenso.


Obrigado Mister Vitor Pereira.
Boa sorte, Paulo Fonseca. Não tens nada a ver com isto e só te desejo muita felicidade ao comando do clube do meu coração.

DC disse...

Se ele hesitou na saída foi exactamente pelo amor que tem ao clube. Essa, acredito eu, foi a única razão que o fez ponderar.

Anónimo disse...

Em relação a Vitor Pereira recomendo a leitura do post "oculos de despedida" escrito pela Enid no blog Bibo Porto.
Infelizmente não sei exatamente como se processou continuidade ou não de Vitor Pereira.
Claro que era optimo que as coisas se tivessem passado como se descrevem neste post
mas estou convencido que no futuro VP verá o seu trabalho reconhecido,entretanto terá de se contentar com o agradecimento da maioria dos portistas anomimos.

Miguel Lourenço Pereira disse...

Luchugo,

O VP sabia que não queriam contar com ele desde Março. O clube tem as suas razões, não vou entrar nessa discussão. Mas só quando se lhe confirmou, de forma oficial, que não seria renovado, é que procurou um clube. Talvez porque podia acreditar que o sucesso viesse mudar a ideia da SAD, talvez por devoção ao clube, talvez porque queria ver como acabava o ano.

Se o clube entretanto mudou de opinião por questões meramente conjunturais, é normal que o treinador decida não seguir, se essa proposta de renovação foi real (e em que moldes, com que salário, com que condições). Ao mesmo tempo, o VP sabia que o clube ia vender x e que ia contratar y e tem todo o direito de querer continuar com o projecto nesses moldes. Por isso refiro no texto que há um fecho de ciclo, porque não é só VP que sai. É a estrutura de Dublin, em definitiva, que se vai embora.

Também não me surpreende que o VP volte ao FCP, mais tarde ou mais cedo, depende muito do que seja a sua carreira de aqui para a frente, mas duvido que o faça com o PdC como presidente.

Anónimo disse...

A forma como o treinador Vitor Pereira foi tratado pelo Presidente Pinto da Costa e Director Desportivo Antero Henrique, durante os dois anos em que esteve ao serviço do FC Porto, é o melhor tributo que lhe poderiam prestar.

Não tenho conhecimento que alguma vez o Victor Pereira não tenha sido defendido com unhas e dentes pela estrutura do clube, sempre que alguém tentava atacar a competência do treinador. Estiveram sempre com ele para o bem e para o mal.

Andarmos para aqui com lágrimas de "crocodilo" não faz parte, desde há muito, do “modus vivendi” dos responsáveis do FC Porto.

Recuem no tempo e tomem em atenção o que dizem todos os treinadores que estiveram, por bem, ao serviço do FC Porto e depois tirem as vossas conclusões.

Nuno Nunes disse...

Isto de dizer que o destino de VP estava traçado desde Março tem que se lhe diga. Mas, enfim...

Nunca houve homenagens a treinadores campeões na hora de saída. Por que motivo haveria agora? O AVB recebeu o Dragão de Ouro no fim do ano, quando já estava em Londres há largos meses. Quem é que garante que o VP não receberá o Dragão de Ouro como Treinador do Ano na próxima Gala dos Dragões?

Não concordo com o teor do artigo.

iur disse...

Seria uma despedida condizente com a grandeza de carácter de Vitor Pereira e pela sua fidelidade ao clube. E muito o merecia.

Abraço

Bluesky disse...

Há uns anos atrás, creio que no consulado de Manuel Damásio e a sua mulher Margarida Prieto, os avermelhados esmeravam-se em festas de homenagens a antigos atletas seus, que levou Pinto da Costa a dizer: no FC PORTO não somos um abrigo nem a Santa casa da Misericórdia, somos um clube ganhador!!!!
E bem antes de VP tivemos Pedroto que nem uma simples estatueta, nome de bancada ou algo do género tem no Dragão!!!!
E depois quem poderá afirmar que VP não será Dragão de Ouro?

Marco Morais disse...

Excelente post!!!

Miguel Lourenço Pereira disse...

Sinceramente não sei onde colide uma política e mentalidade ganhadora com o respeito com os profissionais que deram tudo pelo clube. São formas diferentes de entender o futebol. Em países como a Inglaterra fazem jogos de despedida e constroem estátuas, aqui mandam-se bocas.

O que reclamo para o VP é, naturalmente, extensível a todos os que deram a alma pelo clube. As vitórias destes 30 anos são da estrutura e de todos aqueles que deram forma ao projecto, em particular os jogadores e os treinadores. Parece que ás vezes existe algum medo, por parte da própria "estrutura" em pessoalizar em excesso o sucesso em personagens que vão e vêm, com receio que as pessoas pensem que o triunfo não é seu. Talvez por isso prefiram ignorar a história, ignorar o passado, ignorar quem deu tudo pelo FCP e mascará-lo com titulares de propaganda que sempre caem bem em alguns adeptos.

Que José Maria Pedroto não tenha uma estátua no Dragão é algo que só num clube como o FCP actual se entende. Que não tenha existido, em nenhum momento de todos estes anos, uma homenagem a alguém como Artur Jorge, Vitor Baía ou Jorge Costa (já nem falo de Mourinho, pelo teor das suas declarações depois da saída do clube e pelo pouco tempo que passou da saída de AVB) é algo com o qual não posso estar de acordo.

Dragão de Ouro? Há tantas personagens sem sentido que o têm que é um prémio sem valor nenhum!

Silva Pereira disse...

Boa tarde,
Concordo com o essencial , divirjo apenas nas conclusões, peço desculpa desde já se alguma coisa me escapou ou se interpretei corretamente.
AVB saiu em Agosto e como diz e muito bem posteriormente recebeu o Dragão Ouro, ora nada nos diz que o mesmo não venha a acontecer o mesmo com o VP (e na minha opinião merece).
Quanto ao FCP estar a procurar treinador em Março, desde já não vejo nada de anormal (o contrário é que seria estranho numa estrutura como o FCP), como todos sabemos o contrato termina em 30 Junho 2013, será que a maioria dos adeptos aceitariam a sua continuação se terminasse a época só com a conquista da Supertaça?
Depois que eu saiba (não foi público) se VP fez uma contraproposta, e se existiu o FCP concordava com as condições, falo objetivamente em valores e equipa técnica.O que eu calculo é que Paulo não deve ter um contrato superior ao que tinha VP e isso pode ter feito a diferença.
Já agora a época não terminou como o habitual? Festa de homenagem a toda a equipa de futebol incluindo VP.
Acho que tem havido muita contra informação e veneno de parte dos pasquins de costume para lançar a confusão.
Sinceramente como todos VP tem as suas virtudes e os seus defeitos, vai ficar na história do FCP como um treinador de sucesso e que merece o MEU BEM AJA, mas como sempre as pessoas mudam e o sucesso vai se repetindo.
Basta ver o exemplo do que a bola tv fez (ou não fez) ontem (13/06/2013) em cancelar o programa diário das 11:15 Revista da Imprensa Internacional (retomando hoje a edição) só para não ter que falar na gloriosa reportagem da Marca, para perceber que a próxima época será de maior ataques e manobras para que o slb ganhe.

Nuno Nunes disse...

Que não tenha existido, em nenhum momento de todos estes anos, uma homenagem a alguém como Artur Jorge, Vitor Baía ou Jorge Costa (já nem falo de Mourinho, pelo teor das suas declarações depois da saída do clube e pelo pouco tempo que passou da saída de AVB) é algo com o qual não posso estar de acordo.

Não é verdade. Por alturas dos 25 anos da vitória em Viena o FC Porto chamou todos os intervenientes e todos foram alvo de homenagem. Como é óbvio Artur Jorge esteve presente e mereceu rasgados elogios de Pinto da Costa.

Quanto a Vitor Baía e Jorge Costa, os capitães de Gelsenkirchen, o seu momento para serem reconhecidos pelo FC Porto irá chegar certamente.

Douro disse...

Anónimo14 de Junho de 2013 às 17:26

A forma como o treinador Vitor Pereira foi tratado pelo Presidente Pinto da Costa e Director Desportivo Antero Henrique, durante os dois anos em que esteve ao serviço do FC Porto, é o melhor tributo que lhe poderiam prestar.

Não tenho conhecimento que alguma vez o Victor Pereira não tenha sido defendido com unhas e dentes pela estrutura do clube, sempre que alguém tentava atacar a competência do treinador. Estiveram sempre com ele para o bem e para o mal.

Andarmos para aqui com lágrimas de "crocodilo" não faz parte, desde há muito, do “modus vivendi” dos responsáveis do FC Porto.

Recuem no tempo e tomem em atenção o que dizem todos os treinadores que estiveram, por bem, ao serviço do FC Porto e depois tirem as vossas conclusões.
____________

Totalmente de acordo.

jotajota disse...

Parabéns pelo excelente texto que subscrevo na íntegra.
Vitor Pereira conseguiu dois títulos arrancados a ferros em condições extremamente difíceis.Não vacilou nos momentos complicados demonstrando uma fibra e uma competência de que muitos duvidavam.
O seu portismo foi elemento decisivo nas conquistas alcançadas.
Espero que um dia voltemos a cruzar-nos com Vitor Pereira.

João disse...

Ter direito ao que os outros não tiveram. Porquê? Porque sim. Parece-me bem também.

João disse...

E o barbeiro do Alexandre Burmester que me espete com os Ricardos Tavares rente, por amor de deus. Se era essa a facada, estavam quietos. Logo para central, que não é onde temos20 gajos para dispensar nem nada.

Carlos Santos disse...

O Miguel tem sempre a mania que tem umas "inside informations" infalíveis...Aqui há uns tempos, era o Falcão que na verdade queria ficar no Porto, embora tenha afirmado publicamente e com todos os dentes que queria ir para o Atlético. Agora é o VP que sabia desde Março (lol...) que a SAD não contava com ele para a próxima época.
Ora eu duvido muitíssimo que isso seja verdade. Então você acha que a SAD ia cometar o erro de desmoralizar completamente o treinador em Março?! Ou acha que nessa altura a SAD já tinha desistido do Campeonato? Não faz sentido completamente nenhum.

De resto estou de acordo com o teor geral do artigo, esta despedida foi muito mal gerida pela SAD.

Miguel Lourenço Pereira disse...

Nuno,

Bem dito, uma homenagem colectiva. Não uma homenagem ao primeiro treinador tricampeão da história do clube, o homem que fez a ponte entre a era de Pedroto e a renovação que abriu caminho ao Penta. Quanto aos restantes jogadores, grandes capitães de mais de dez anos de serviço, não sei se irá chegar ou não. O que sei é que, claramente, já vai tarde!

DragaoPortista disse...

Please forgive the English text instead of Portuguese, long story...

Thank you for saying what has been on my mind but much more eloquently than I could have done it.

In England they have testimonials for players and it is a shame we don't have a similar approach with showing gratitude for exceptional performance.

VP and his agent were asked by FCP management to keep quiet about things (which they did) and instead of doing the same PDC let his usual high standards slip and made infantile remarks to the press. The only reason VP went to Al Ahli was because we did not want him. I am sure that he would have been the one to do what Mourinho and AVB could not which was to turn down big money from a bigger budget club let alone Al Ahli. It seems that his passion for FC porto were taken advantage off and he was not given the same importance as others. If FC Porto had made an offer to prolong his contract in March or even if they only decided to keep him because he won the league if PDC wanted him he would have stayed.

The fact that not only Mano Menezes but also Pellegrini said they were contacted by FCP to lead our team next season shows that we were looking for a manager long before VP left (I wonder who else was asked!). The context was never if "VP leaves " will you sign for us but rather will you manage us next season. When VP was asked to manage FC Porto it was as a backup to AVB not to to replace him regardless. VP must have known this the last few months yet managed to work professionally and efficiently despite hearing various people saying they were asked to replace him. This could not have been easy or made it any easier working with the players when they probably also knew he would not be staying.

The Dragao de Ouro is the least we can do to say thank you and make amends especially considering scum like Durao Barroso has received one.

I also really hope that we never approached JJ as this would have been a total slap in the face to VP especially if we did offer him 5 million euros per season... something i don't want to think PDC did. I never want to see that baboons arse in charge at FC Porto, not after all the crap he has said about the club. He is and ever shall be persona non grata.

Another good point I read in the comments was regarding Vitor Baia and Jorge Costa. I remember Baia saying he would love for Porto to play Barcalona in a testimonial for him and can't see why we have not done this before. This is how you create a culture and show new players that if you dedicate yourself to a club and turn down big money moves (even if that means going against your own ambitions) for love of club then there is some recognition from said club. That long after you have hung your boots there is still reciprocal love for a player.

Maybe PDC does not want to create a precedence and then have to do the same for others but this whole fiasco with VP as well as Baia have tarnished the great image that my hero PDC has in my mind.

Anónimo disse...

Este MLP a gente "convive" durante a época com ele e de repente virou sensível!!!
Que postal!

Anónimo disse...

Ò João 14 o Ricardo Tavares vem para defesa/esquerdo dos Juniores.

No futebol é assim qualquer adepto comenta mesmo sem saber o quê.

Miguel Lourenço Pereira disse...

Carlos,

Cada um acredita no que quer, uns no Pai Natal, outros na Fada Madrinha e outros na minha "inside information" ;-)!

Anónimo disse...

Isso não passava de uma golpada ao Estado brasileiro para ganhar dinheiro com a venda de terrenos, que não valem nada actualmente, que se valorizariam muito se o projecto fosse para a frente. Quem são os verdadeiros donos dos terrenos nunca se percebeu.

Ao fim e ao cabo a mesma coisa que aconteceu quando a cidade de Brasília foi construída, " in the middle of nowhere!!

Anónimo disse...

Esses já receberam condecorações do Presidente da República.

Luchugo disse...

Miguel, está a passar-te ao lado uma corrente filosófica completa chamada de "PintodaCostismo" na qual um dos principais pilares teórico-practicos é o que afirma que nenhum individuo é maior que o clube, nem mesmo o autor da teoria, que recusou liminarmente dar ao estádio o seu nome.

Homenagens ficam para momentos particulares (Dragões de Ouro) ou então para Ingleses que fazem um mundo da mais pequena conquista.

Luchugo disse...

Dragão Portista,

Como disse acima, a cultura do Futebol Clube do Porto é, desde que me conheço como Portista (trinta e muitos anos), "Clube acima dos indivíduos".

Baía é um dos futebolistas com mais títulos e sem dúvida merece todas as homenagens que lhe fizerem pela sua carreira como jogador, mas ainda assim Pinto da Costa, que recusou que dessem o seu nome ao estádio do Dragão, faz valer a teoria da superimposição do clube aos valores individuais.

VP fez bom trabalho, merece sem dúvida ser agraciado com o Dragão de Ouro, mas para mim nada mais. A questão da renovação é outro tema separado.

Miguel Lourenço Pereira disse...

Luchugo,

Se essa filosofia é incapaz de compaginar duas coisas perfeitamente complementares, então felizmente, está a passar-me ao lado. Não acredito ninguém em Manchester que pense que Matt Busby ou Alex Ferguson são maiores que o clube. Mas pronto, filosofias!

Luchugo disse...

DC, Tudo bem, o amor é muito bonito, mas VP é um profissional e tem de agir como um, não como mero adepto.

Luchugo disse...

Miguel,

Desculpa-me uma vez mais, mas desde algum tempo que o agente de VP mantinha conversas com o Everton (e possivelmente outros clubes).

A questão do sucesso este ano foi mesmo conjuntural, isto é, correu-lhe melhor do que ele próprio julgava. Lembra-te que ao minuto 91 no jogo do Dragão o slb era para todos os efeitos "campeão".

Dublin já tinha ido embora com AVB, Falcao e Hulk. VP introduziu toda uma equipa técnica que não esteve em Dublin, e se bem te recordas, em Janeiro da época 11-12 estávamos a 5 pontos do slb e o balneário era uma desgraça.

A SAD do FC Porto fez então o que faz melhor, segurou VP, deu-lhe Lucho e Janko, vendeu as "maçãs podres" e introduziu Paulinho Santos.

Ora mais apoio do que isto não estou a ver.

Se seguirmos o princípio da Lâmina de Ockham ("when you have two competing theories that make exactly the same predictions, the simpler one is the better.") não restarão muitas dúvidas de que o que realmete aconteceu foi algo muito simples: ambas as partes não chegaram a acordo e cada um vai à sua vidinha.

Miguel Lourenço Pereira disse...

Luchugo,

Em 1º lugar, que lógica teria que o nome do estádio fosse a de PdC? Tratam este assunto como algo digno da maior humildade quando a mim jamais me passaria pela cabeça. Se ainda fosse o nome de Pedroto.

Em 2º lugar, como referi acima e onde fizer falta, é perfeitamente possível conciliar ambas as coisas. Só quem tem medo de não controlar uma é que a exclui deliberadamente sob o fantasma de por em risco a missão colectiva. Ou isso ou clubes com o Manchester United, Real Madrid ou Liverpool são incapazes de competir ao mais alto nível como um colectivo de sucesso por respeitarem os seus simbolos!

Miguel Lourenço Pereira disse...

Luchugo,

Dublin foi embora definitivamente com James e Moutinho. Isso é um facto.
A SAD do FCP fez com VP o que deveria ter feito meses antes. Limpou os seus próprios erros de gestão ao não saber lidar com um plantel que chegou em grupo aos escritórios da direcção desportiva a pedir para se ir embora. O treinador tem culpa disso quando nem um avançado lhe deram?

Se a SAD quer montar uma estrutura onde tem a ultima palavra em tudo, não se pode depois dizer que ao treinador lhe deram algo mais do que lhes corresponde, que é uma equipa bem montada e um balneário satisfeito. O teu raciocinio deixa antever uma contradição. Afinal quem gere a política desportiva do clube? Porque, se a SAD não tivesse feito o que fez, teria feito um mal papel, se tivesse deixado cair o treinador, continuaria com o mesmo problema (passou em 2005, também por culpa da gestão da SAD) e se não tivesse dado a VP os reforços necessários, teria perdido o titulo por ter planeado mal a época. Não vejo em que ponto o VP possa entrar nessa equação se não como uma vitima colateral da gestão errada feita para essa época.

O agente do VP pode ter mantido contacto com mil clubes. O FCP tem todo o direito de mudar de treinador. Não coloco isso em causa em nenhum momento. Não é isso que está em debate. O que aqui se discute é se o clube não devia ter despedido um treinador bicampeão de outra forma. Eu, e não só pelo que vejo, acho que sim!

Nightwish disse...

Sem espinhas.

João disse...

"Qualquer adepto" sabe que o Tavares é central. A lateral também o Mangala e o Maicon jogam, continua a ser uma imbecilidade.

"Posição de raíz" - google it.

Luchugo disse...

Eu percebo o que queres dizer, mas nem VP foi despedido nem a SAD tem que lhe dar tratamento preferencial porque ele venceu o campeonato.

Repara, quando a 3 jornadas do fim estamos a 4 pontos do líder, é porque algo falhou naquela maquina. Mais a mais a praticar um futebol mecânico e pouco inspirado, com o abono de familia Jackson em contra-ciclo e poucas soluções alternativas para dar a volta ao texto.

A salvação veio pelo pé de Kelvin, o mais improvável dos heróis, o que também demonstra que estivemos perante um golpe da tal estrelinha da sorte que Mourinho tanto gosta de invocar.

O que a SAD deu ou deixou de dar a VP em termos de jogadores é um assunto pertinente mas a meu ver não justifica nem pode servir de desculpa de potenciais quebras de rendimento da equipa, até porque a equipa este ano (e também no ano passado) entrou geralmente mal nos jogos e teve sempre de corrigir ao intervalo. Nunca o FC Porto deu 45 minutos de avanço aos adversários tantas vezes como nas últimas 2 épocas.

Luchugo disse...

A mesma lógica que colou o nome de Giuseppe Meazza ao San Siro ou Cândido Oliveira à Supertaça Portuguesa. Muitas pessoas aprovam esse tipo de homenagem.

Eu penso que é uma 'filosofia' ou uma maneira de estar com a qual o clube se identifica neste momento - 99% dos votos - e é o que temos, goste-se mais ou menos.

José Rodrigues disse...

Eu nisto concordo com o Miguel.

No que diz respeito ao estadio, era so' o q faltava dar-lhe o nome de um presidente em exercicio! Uma vez q PdC se reforme, acho bem que se considere essa hipotese (e penso que PdC estara' mesmo 'a espera disso); ate' la' nem pensar.

De resto nao vejo porque fazer homenagens em casos EXCEPCIONAIS seja irreconciliavel com colocar o clube acima dos individuos. De todo. Alias, acho ridiculo pensar q ha' esse risco (nao faltam pequenas homenagens em todo o tipo de empresas e instituicoes sem q alguem se preocupe com isso (alias, se fosse o caso, acabe-se com os Dragoes de Ouro...).

Naturalmente que nao faz sentido fazer jogos de despedida a torto e a direito. No entanto ha' jogadores que pela longa ligacao ao FCP, pelo seu estatuto e pelo que ajudaram a conquistar merecem-na plenamente (e cada vez sao menos), principalmente se acabarem a carreira no FCP, com um jogo de despedida. Ex-capitaes como "Broas", Baia e J. Costa; e possivelmente Lucho a seguir. E Pedroto ja' merecia uma estatua ha' muito. Nao ha' q ter pejo nenhum em apontar "role models" para as geracoes futuras.

Acho q o FCP nao faz justica suficiente 'a sua Historia. Temos esses casos mas o mais gritante e' a historia do museu: acho INCONCEBIVEL q ha' ja' 10 anos q nao temos ao menos os trofeus principais expostos. Mesmo q o projecto principal demora-se mais tempo a resolver, NADA impedia q se colocassem os principais trofeus mais uma ou outra curiosidade e um PC touchscreen interactivo num espaco temporario e mais pequeno. Nada. A nao ser "vontade".

O q eu acho? PdC e' extremamente vaidoso e gosta q as luzes dos holofotes se virem apenas para ele...

Miguel Lourenço Pereira disse...

Luchugo,

Isso não está em causa e o que digo aqui do VP é extensível a todos os treinadores que sairam na mesma situação que ele (não estava eu cá para o comentar).

Futebolisticamente estamos de acordo e entendo que o ciclo de VP se tenha fechado, em Málaga e não nas últimas quatro rondas. Mas isso não invalida outra atitude na hora da despedida.

abraço