terça-feira, 4 de junho de 2013

Para variar, uma coisa diferente

Já vamos na terça-feira, mas ainda muito a tempo de referir os desaires de domingo. A razão porque isso vem à baila, é precisamente por serem desaires, coisas que não acontecem só aos outros, e também porque não devem ser ignoradas.

Sobre a derrota na Taça de Portugal em andebol, não há muito a dizer; ser pentacampeão não garante vitórias em todos os jogos, e desta vez calhou ser numa final. Destacaria as palavras do recém-eleito presidente do SCP, equipa vencedora (parabéns), ele que conquistou o seu primeiro troféu, e que como se sabe foi eleito precisamente pelo lugar de destaque a que prometou levar o andebol verde-e-branco: "Começámos um novo ciclo e que os outros comecem a habituar-se ao sabor da derrota. Quem pensava que mandava no desporto vai ter de começar a amargurar e habituar-se à derrota." - Falo por mim: estou cheio de medo!


Sobre a "final" do campeonato de juvenis, há que acima de tudo lamentar as cenas de pancadaria, também juvenil, no final da partida. Os jogadores do Benfica estão de parabéns pela vitória. Não sei se houve provocações ou não, por isso culpo todos em igual medida, quem provocou e quem respondeu. Quanto ao relato dos acontecimentos feito pelo Porto Canal, admito que possa ter sido parcial, mas não vou entrar na histeria dos inenarráveis adeptos do Benfica, que ficaram indignadíssimos com o mesmo - "isto é Jornalismo?". Bom, se é Jornalismo ou não, desconheço nem me interessa, mas fazer essa pergunta quando se tem uma Benfica TV, que para além de não fazer melhor ainda tem programas inteiramente dedicados a injuriar o presidente de outro clube, é fruto de uma de duas explicações: nunca assistiram à emissão do dito canal, ou sofrem de algum problema mental agudo.


Finalmente, sobre a final da Liga Europeia de hóquei, é inegável que custa perder o título, em casa, e frente a aquele adversário, mas outras oportunidades surgirão, e este resultado, espero eu, só dará mais arreganho no futuro. Se calhar foi isso que faltou. Tivessem sabido explorar a enésima e entediante fitinha proporcionada pela direcção do Benfica, e talvez o resultado fosse outro. Com mais um comunicado patético, aquele grupo de indivíduos lá se vai entretendo a reescrever a História, e numa penada apagou anos e anos (ou décadas) de inqualificáveis vergonhas que frequentemente rodeavam os jogos entre as duas equipas em Lisboa. Como que por artes mágicas, desapareceram as invasões de campo, as emboscadas a jogadores e os autocarros incendiados - a turba engole tudo sem pestanejar, e em menos de nada está a debitar a "cassete", já com os novos episódios incluídos. É perfeitamente idiota, no que toca ao fenómeno para-desportivo português, assumir uma posição de autoridade moral - não há inocentes, todos têm culpas, mas por qualquer razão que me ultrapassa - talvez um psiquitra saiba responder - os adeptos do Benfica, insistem em assumir essa posição - sempre vítimas, nunca réus.


O Desporto é isto: ganhar e perder. Não se pode ganhar sempre - nem isso teria grande piada - e é sempre uma oportunidade de colocar os pés no chão e corrigir o que possa ter estado menos bem/mal. Acima de tudo é preciso saber respeitar os resultados e os adversários, e não crucificar os treinadores no calor do momento. Na nossa história temos episódios de "apertos" a alguns treinadores, mas julgo que também nesse aspecto estamos a evoluir. Quem sabe, um dia chegaremos ao nível dos maiores, e em vez desses "apertos" nos fiquemos pelos insultos e cuspidelas.

11 comentários:

RBN disse...

Vi o andebol às mijinhas, vi um pouco do hoquei e vi a 2ª parte dos juvenis.

Nos juvenis, penso que o grande culpado pela confusão (e pelo empate, já lá vamos)é o guarda-redes Andorinha, que a meio da 2ª parte já estava de cabeça perdida, tendo mesmo se atirado sem bola pra cima dum lampiãozinho na linha de fundo da nossa grande área, e sem clubite, devia ter sido expulso logo ali por pura e simples agressão.Não foi.

Depois aos 79 minutos, enquanto formava a barreira, Andorinha provocava com palavras e gestos o lampiãozinho que bater o livre perigosíssimo dentro da nossa meia-lua.Nem em jogos a feijões entre solteiros e casados se faz uma coisa destas, quanto mais num jogo decisivo contra o maior rival.Resultado:Andorinha levou o golo do empate no canto onde devia estar.

E não satisfeito, mal acabou o jogo, sai ele em direção a qualquer coisa que vestisse vermelho para bater e agredir, começando aquela confusão que rodou o mundo.Se assim continuar de pavio curto, curta carreira terá, penso eu.

No hoquei, acho que houve atitude à lampião na maioria da bluegosfera (festejos antecipados, ovo no cu da galinha...), inclusive dos locutores do Portocanal, pelo facto de "jogarmos em casa" e pelo facto de termos goleado os encornados por 7-3 para o campeonato.Não pode.

O andebol, que vi a espaços, do que vi penso que o ex-porting fez a melhor exibição da época, nós nem por isso.Não vou pelo caminho da arbitragem, já que na época passada foi a mesma coisa e o FCP já devia estar prevenido e ter ido preparado para enfrentar todas as dificuldades.

Resumindo e concluindo, ganha-se e perde-se nos descontos, e nesta semana transacta calhou a nós o melão, mas nada que se compare ao inesquecivel e grande MELÃO que os encornados apanharam em sua "época de sonho":-)

Abraço.

porquinhodaindia disse...

Sensata análise!

Anónimo disse...

E sobre a vitória do basquetebol na luz contra tudo e contra todos, nada? Andam muito desatentos ou então só andam aqui para dizer mal.

reine margot disse...

Ainda bem que comentou os empurrões nos "mininos" porque temos mesmo que repudiar! Desatar à porrada no final de um jogo não faz sentido nenhum! Nem para os que não souberam festejar, nem para os que deveriam saber perder ! ... Enfim. Pode-se dizer que são novos e é assim mesmo, mas isso é muito tapar o sol com uma peneira...

Foi um mau fim de semana.
Ainda bem.
Por muito que custe e doa, como no hóquei, também nos ajuda a por os pés no chão.
Nada desta concorrência acabou este ano, e eles vão vir com tudo no próximo ano. Em todas as modalidades.

E, por falar nisso, este mau fim de semana, teve a vitória da Dragon Force e conquista do campeonato lá mesmo em Carnide, e conquista da Taça no Bilhar!

DC disse...

Não há que crucificar os treinadores, tudo bem. Mas a verdade é uma, Tó Neves chegou e perdeu um campeonato depois de mais de uma década a ganhar e agora perdeu uma final em casa.

Além disso, apesar do Porto ter melhores jogadores, tacticamente parece-me bastante mau, com poucas ideias, pouca capacidade de trocar a bola e criar jogadas colectivs.
Tenho saudades do Franklin!

Anónimo disse...

Que eu saiba não houve nenhuma equipa de basquete com o nome do FUTEBOL CLUBE DO PORTO que joga-se esta temporada na luz!!! A unica coisa que se soube em relação ao basquete no FC PORTO que foi extinto na época passada é que ainda há jogadores com salários em atraso e isto depois de se ter encaixado recentemente 70 milhões em transferencias de jogadores no futebol.

Anónimo disse...

Desculpem a ignorancia mas vivo no estranjeiro; mas o que tem essa Dragon Force haver com o FUTEBOL CLUBE DO PORTO? Se é uma equipa que representa o clube, não deveria ter competir com o nome de FCP e não um outro qualquer!

Portista Sec XXI disse...

O que mais me custou foi perder a final da liga europeia de hoquei em casa, após uma semana em que Pinto da Costa se fartou de atazanar e a gozar os benfiquistas na forma como eles tinham perdido. Ainda para mais como eu escrevi, um jogo em casa numa final, e reforço em casa, porque as finais são normalmente jogadas em campo neutro e com isto não estou a referir o espaço fisico nem geográfico, mas sim as condições de apoio dos adeptos das equipas em presença. Foi muito custoso ver cerca de 100 adeptos benfiquistas fazerem a festa num recinto que transbordava pelas custuras de adeptos portistas, ainda para mais quando esses adeptos só entraram e assistiram á 2ª parte do mesmo. É o que dá este já muito normal e velho habito por parte de dirigentes, atletas e grande parte de adeptos portistas, de nos momentos de GLORIA e que tem sido muitos, felizmente, em vez de comemorarem as vitórias e só as glorias alcançadas pelo clube, não. Acima de tudo parecem comemorar a derrota dos benfiquistas, tenham estes ou não estado directamente em disputa pelos titulos alcançados; esta evidencia é tão notória que após mais uma GLORIOSA vitória na liga deste ano, não há entrevista ou declaração de profissionais do clube, desde o Presidente a atletas a referir SEMPRE o nome do Benfica, seja de forma acintosa ou não. É uma evidencia que dá de facto para pensar, se a nossa grandeza só existe quando comparavel com a do Benfica.

Mário Faria disse...

Hóquei em Patins
O FCP começou a perder a final four na jornada do dia anterior. Alguns adeptos do FCP resolveram ameaçar os benquistas que assistiam ao jogo que aquela equipa disputava com o Barcelona, o que veio a proporcionar ao SLB uma “justa” posição de força, ameaçando não comparecer à final se não fossem satisfeitas determinadas condições: bilhetes e segurança. Pressionados pela própria equipa e cumpridas as exigências, o SLB foi a jogo, numa situação psicológica de vantagem. Tinham vencido a primeira batalha, que portistas desordeiros lhes ofereceram numa bandeja.
Quanto ao jogo diria que o SLB veio muito bem preparado, nomeadamente no aproveitamento das bolas paradas e na “especialização” do seu gr suplente na defesa dessas mesmas bolas paradas. Defender bem e criar vantagens nesses dois domínios de jogo, foi preponderante para vencer duas equipas que lhe são claramente superiores.
O FCP é uma equipa de ataque e defende menos bem. Edo é um excelente gr mas as suas exibições nos dois jogos foi bastante irregular, pois a grandes momentos que teve seguiram-se golos consentidos, em que pareceu desconcentrado, provavelmente por fadiga. Aprecio o trabalho de Tó Neves: arrisca, gosta do jogo de ataque e de um hóquei que privilegia a velocidade. Afinal, não é disso que gostamos ?
O comportamento durante o jogo e pós-derrota constituiu ma vitória do FCP, dos seus jogadores e de PdC e uma lição para o futuro. É tempo de o FCP e as forças vivas do clube se unirem para as boas lutas, quer seja para manter a ordem dentro das suas portas, quer seja para denunciar esse desaforo do impedimento de um grupo de portistas visitar a Lisboa a propósito de um jogo de hóquei patins. O que fez calar essas vozes, é um mistério para mim.
Andebol
Vi o jogo aos bocados e não gostei de alguns momentos por me ter parecido a equipa menos consistente e ambiciosa. No final do tempo regulamentar, Quintana demorou a pôr a bola em jogo, a que se seguiu uma interrupção saída da mesa, com o nosso treinador a mostrar sinais claros de insatisfação para como o nosso gr, aparentemente por essa demora na reposição da bola em jogo. O jogo foi retomado, o FCP tinha alguns segundos para tentar a vantagem e simplesmente desistiu ? atirando a bola fora. Não gostei desse conformismo ? da equipa perante as adversidades, nomeadamente das decisões da arbitragem em momentos cruciais do jogo.
Desse jogo e dessa vitória do SCP ocorreu um desentendimento entre Bruno de Carvalho e Adelino Caldeira que “reconheço” ser uma pessoa truculenta quando diverge em defesa dos seus pontos de vista ou na presunção da defesa do clube. Não sei o que aconteceu, nem estou muito interessado, mas acho que a atitude do SCP é desproporcionada e ocorre, provavelmente, porque carece desse tipo de sinal para disfarçar as debilidades do clube. Os viscondes mostram a sua raça.
Futebol
Os miúdos portaram-se mal e a punição deve seguir dentro de momentos. Acho que algumas sentenças são desajustadas e há quem seja muito severo e peça penas duras. Coutada seguiu as exigências do SLB e assinou um comunicado execrável para esclarecer uma atitude que compete à FPF no quadro da suas competências e, que por isso, não havia necessidade de relevar, e só percebo que tenha sido feita no quadro de reverência que sente necessidade de afirmar relativamente ao SLB.
Aos miúdos é exigida um nível competitivo elevado e a formação vive seduzida pelo negócio e vive das vitórias. Esse grau de exigência não explica tudo, mas compreendo alguns desvarios que acontecem ainda que a competição seja cumprida da forma mais amadora. Castigo sim e que sirva de exemplo e não de revolta.

Diogo Guimarães disse...

Por acaso houve um equipa reconhecida pelo FCP, chamada Dragon Force, composta por jogadores e treinada por treinadores pertencentes aos quadros do FCP, e foi campeã nacional de sub-20, na Luz. E a equipa sub-23 vai subir ao CNB1.

Anónimo disse...

Obrigado pelo esclarecimento. Mas foi reconhecida!!! Não é FCP? É um franchising? Representa o FCP? Afinal o que é esta Dragon Force. Ou é ou não FCP.