quinta-feira, 20 de junho de 2013

Vítor Pereira saiu de cabeça erguida

(30ª jornada, Paços Ferreira x FC Porto)

«(…) No reinado de 730 dias como treinador do FC Porto, Vítor Pereira recebeu inúmeros comentários desfavoráveis. Muitos justificados. A qualidade do futebol apresentado pelos “azuis e brancos” em alguns jogos foi medíocre, as eliminações na Taça de Portugal, em Coimbra e Braga, foram difíceis de digerir, a fase de grupos na Liga dos Campeões na primeira época fez lembrar os tempos de Co Adriaanse e do FC Artmedia. No entanto, no mais importante, no título mais cobiçado por qualquer adepto de um clube português, Vítor Pereira esteve irrepreensível a nível de resultados.
(…)
Da boca dos detractores do (ainda) treinador portista, é comum ouvir-se que “no FC Porto qualquer um é campeão”. São dados como exemplo outros técnicos, alegadamente pouco qualificados, que também conquistaram o “bi” como portistas. No entanto, ao contrário do que tantas vezes aconteceu no passado, desta vez ninguém pode dizer que o FC Porto é campeão por falta de comparência da concorrência.
Na época passada, mas principalmente nesta, Vítor Pereira teve que lutar contra um Benfica competente. Com um plantel vasto e de muita qualidade do meio-campo para a frente, e um treinador cuja qualidade está acima de qualquer suspeita, os “encarnados” pareceram sempre estar mais bem colocados para chegarem ao título. Mas na “hora H”, foi sempre Vítor Pereira o último a rir, mesmo não tendo as mesmas armas do adversário. Tanto este ano, como em 2012, o FC Porto fez o xeque-mate ao Benfica nos confrontos directos. Na época passada, na Luz; este ano, no Dragão. E essa medalha, tão desejada por qualquer portista, ninguém pode tirar a Vítor Pereira: para o campeonato, nunca perdeu frente ao grande rival


Um mês depois de Paços de Ferreira, parece-me que ainda é cedo para se contar a história toda da saída de Vítor Pereira.

Entretanto, quer na apresentação de Paulo Fonseca, quer numa entrevista ao JN, Pinto da Costa fez declarações pouco simpáticas para Vítor Pereira, mas da boca do ex-treinador do FC Porto não saiu qualquer remoque em relação ao Presidente ou a outros dirigentes do FC Porto. Nem uma palavra, que pudesse ser mal interpretada ou explorada pela comunicação social lisboeta.

Penso que mesmo os que não gostavam dele, reconhecerão que Vítor Pereira saiu do FC Porto como um Senhor, de cabeça erguida e com a satisfação da missão cumprida.
Estou convicto que um dia irá voltar e vai reentrar no Estádio do Dragão pela porta grande. E digo isto porque Vítor Pereira é um homem de fibra, competente, com provas dadas e… portista.

Como disse um dia Jorge Nuno Pinto da Costa, largos dias têm 100 anos.

P.S. O que me chamou à atenção na foto que ilustra este artigo é o facto de no momento da vitória, quando todo o grupo de trabalho festejava de forma eufórica a conquista do (TRI)campeonato, o principal responsável por essa vitória – o treinador Vítor Pereira – se ter colocado a um canto, na fila de trás, com uma expressão pensativa.

14 comentários:

DC disse...

Gostei muito da escolha das frases a negrito. Concordo em absoluto com o artigo, o VP esteve irrepreensível nesta saída, já o nosso presidente mostrou alguma azia e desconsideração o que só lhe ficou mal.

Quanto ao voltar ao Porto, sinceramente, com muita pena minha, não acredito devido à enorme pressão que sempre foi exercida sobre ele para sair por alguns adeptos. Sim, o nosso clube não é gerido por esses adeptos, mas essa pressão faz com que um falhanço do VP seja 10 vezes mais avolumado pelos adeptos do que o doutro treinador qualquer.

Paulo disse...

Talvez um dia se venha a conhecer a historia da saída de Vitor Pereira do FCP,mas a verdade é essa saiu de cabeça erguida, e custa-me que ás vezes fique a impressão de que somos um pouco ingratos.
Também nunca comunguei dessa ideia de que no FCP,qualquer treinador é campeão,gosto mais de pensar que somos mais vezes campeões porque quase sempre escolhemos os melhores ,quer sejam treinadores,jogadores ,dirigentes,adjuntos,medicos e até de que temos os melhres adeptos,mas nenhuma organização é perfeita nem infalivel, à sempre algo a melhorar e não se pode adormecer à sombra dos muitos titulos conquistados,posso concordo com a analise do jornalista do Publico e assim reconhecer o grande mérito de Viror Pereira nestes três titulos (o 1º como adjunto) conquistados.

Saudações Portistas

Paulo Almeida

Portista Sec XXI disse...

Eu sou um daqueles que nunca achei que o Vítor Pereira tivesse qualidades para ser treinador de uma equipa como o FC Porto; passados dois anos e dois títulos de campeão, a minha opinião mantém-se. Sempre defendi pelas informações que possuía, que Vítor Pereira tinha sido uma escolha de recurso e concretizada há última hora por parte da direcção. Como muitos sabem o “desejado” era outro. Sinceramente e tendo em conta o paupérrimo futebol apresentado pelo o FC Porto de Vítor Pereira, logo na 1ª época e tendo em conta outros factores também eles penalizantes para a sua imagem, como a falta de carisma, liderança no balneário etc… pensei, que mesmo vencendo a Liga e do modo como a venceu, que a direcção, rapidamente corrigisse o erro de casting. Não o fez na altura e no tempo certo. Deixou, passar mais uma época que em nada veio a acrescentar a tudo aquilo que todos nós conhecíamos de Vítor Pereira, se não mais um titulo de campeão sem glória e mérito; não nos podemos esquecer que o FCP que venceu o SLB aos 92 minutos de jogo com um golo fortuito de Kelvin, era uma equipa que andava a jogar uma vez por semana; enquanto o SLB desde há meses que jogava a um ritmo alucinante de 4 em 4 dias em média. Mas dito isto, sou também o primeiro a reconhecer, que depois de dois campeonatos na bagagem, mesmo sem saber ler, nem escrever e tendo em conta as vezes e a forma que o treinador e o grande Portista Vítor Pereira deu o peito ás balas para defender o FC Porto (uma defesa que deveria ter sido feita pelo presidente e/ou a direcção), acho no mínimo que ele deveria ter sido tratado de forma mais digna e respeitosa por parte do presidente do clube; o que infelizmente não aconteceu. Claro que as atitudes ficam para quem as pratica e neste ponto Vítor Pereira comportou-se como um verdadeiro senhor.

Quanto a esta frase do José Correia: “o treinador Vítor Pereira – se ter colocado a um canto, na fila de trás, com uma expressão pensativa.” Relembro que a profissão de um barbeiro não se faz com um só cliente, logo as informações privilegiadas que ele possa transmitir a um, também possa transmitir a outros e da forma como ele as sabe, de mesma forma outros tomaram igualmente conhecimento. Há muito que acabou o tempo em que nada transpirava cá para fora.

Já em relação a esta “mas da boca do ex-treinador do FC Porto não saiu qualquer remoque em relação ao Presidente ou a outros dirigentes do FC Porto. Nem uma palavra…” Não sei se será por muito tempo; é que pelo que se sabe e como afirmou o presidente; o contrato de Vítor Pereira está em vigor até ao dia 30 de Junho de 2013; logo está ainda debaixo da alçada disciplinar do FC Porto. Vamos ver como será no futuro.

alex disse...

A seu favor, Vitor Pereira tem o facto de ter de fazer muitos pontos para ser campeão.
Mas há várias situações em que falhou no discurso e no jogo jogado.
1 - " A liga dos campeões não é liga Europa", como se o FCP fosse um clube da liga Europa; Não conseguiu vencer em casa o Zenit: empate a zero, saída da liga dos campeões.
2 - " As pessoas esquecem-se o que fizemos na liga dos campeões", vitória em casa sobre o Malaga, graças a um único golo absolutamente fortuito e depois a consequente saída do liga dos campeões, mais uma vez afastados por um clube de 3ª linha.
3- Após vencer o Benfica na Luz, o FCP empata logo a seguir em casa com a Académica e volta a empatar em Paços de Ferreira, empates que podiam ter posto em causa a conquista do campeonato.
3 - Num jogo em que o FCP tinha a possibilidade de descolar e aumentar a pressão sobre o Benfica, empate em casa com o Olhanense; no último FCP - SLB em que Jorge Jesus abdicou de tentar ganhar o jogo, O FCP não podia chegar ao fim dos 90 minutos sem ter resolvido a partida, permitido que o campeonato pudesse ser ganho pelo Benfica. Em meu entendimento Vitor Pereira não encarnou o lema de Pinto da Costa: as finais não se jogam, ganham-se.

Anónimo disse...

Incrível esta onde que agora se gerou em torno de Vitor Pereira. Só não sei é onde essa onda de apoio estava após o jogo com o Málaga, por exemplo.

Anónimo disse...

Apoiar no momento da vitória, é fácil!
Quando se perde, é que é o "carago"!

Tanta choradeira!
O que sabem vocês do relacionamento de Pinto da Costa com Victor Pereira?

Pinto da Costa com azia?
Vão catar piolhos!

Desejo tudo de bom ao VP. Com os ovos que tinha, fez excelentes omeletes.Critiquei o VP quando errou, mas também estive com ele, p. ex. quando fomos eliminados pelo Málaga.

Bluesky disse...

Tambem acho incrivel esta "solidariedade" com Vitor Pereira!!!!
No FC PORTO os homens passam e o clube fica, sejam eles vencedores, perdedores ou uns simples "empatas"!!!!
Então nesse caso, o FC PORTO deve uma estátua a José Maria Pedroto, Artur Jorge e José Mourinho!!!!
No futebol continental europeu os ciclos são curtos e toda a gente sabe que são assim...
De qualquer modo VP foi o meu treinador, como Paulo Fonseca é o meu treinador, e desejo-lhe toda a sorte do Mundo na sua carreira.

Anónimo disse...

os abutres ainda continuam a voar à volta do Vitor Pereira. Para o ano vão haver derrotas e aposto que a culpa ainda vai ser dele.

Carlos Santos disse...

Fico triste, muito triste mesmo por constatar que o clube que eu amo tem adeptos como você.

"Deixou, passar mais uma época que em nada veio a acrescentar a tudo aquilo que todos nós conhecíamos de Vítor Pereira, se não mais um titulo de campeão sem glória e mérito"

Sem glória e mérito? Frente ao melhor slb dos últimos 20 anos? Mas você está mesmo a falar a sério?
Gostava de saber qual era o treinador que na sua opinião seria capaz de ter vencido este campeonato com uma perna às costas tendo em conta que o slb teve 1 derrota e nada mais.

"enquanto o SLB desde há meses que jogava a um ritmo alucinante de 4 em 4 dias em média"

E em quantos títulos resultou esse ritmo alucinante?

"não nos podemos esquecer que o FCP que venceu o SLB aos 92 minutos de jogo com um golo fortuito de Kelvin"

Quando é que os adeptos metem isto na cabeça: nós não tivemos nenhuma derrota o slb teve 1, a diferença entre ser campeão ou não seria SEMPRE num detalhe. Neste caso foi um golo aos 92 minutos. Não vale? O Kelvin não é nosso jogador?

Anónimo disse...

"...saiu de cabeça levantada", mas andou todo o ano com ela curvada! E foi mesmo por isso que recusou a renovação.

Costa disse...

"Fico triste, muito triste mesmo por constatar que o clube que eu amo tem adeptos como você"

@Carlos,
Chamar portista a um gajo que escreve isto é no mínimo arriscado...

Mário Faria disse...

VP é um tema fraturante, não há volta a dar. Considero que muita da crítica que lhe é dirigida é conversa da treta, porque as palavras correm ao sabor da ideia feita e tudo serve para a confirmar. Apesar disso, estou de acordo que o FCP apresentou um futebol aborrecido mais vezes do que gostaria, mas não reduzo o facto à sua incapacidade de treinar, convencer e rotinar os jogadores nas melhores práticas para obter os melhores efeitos. Até o golo marcado ao SLB que provocou a euforia geral é diminuído e rotulado de milagre, só para que ninguém confunda a bondade dos deuses com o mérito, ainda que remoto, de VP. Ora os grandes golos acontecem raramente e, por isso, percebo pouco o excesso de zelo na eleição da fortuna para explicar o golpe de morte de Kelvin, como se esse tipo de golos fosse determinado por ciência exacta ou pela sabedoria de treinadores geniais. Se mais não fora, VP foi arguto e corajoso ao colocar Kelvin em jogo, o resto foi obra do miúdo e é ele que vai ficar para a história. Não entendo esse prazer na desvalorização sistemática de VP, como não entendo a falta de carisma e capacidade motivacional que lhe é apontada para conduzir á vitória as tropas sob o seu comando quando ganhamos a guerra, ou a sua fragilidade comunicacional, quando esteve quase sempre muito bem e foi ele a dar o mote, a tocar a música e o JJ atrás da banda a seguir a pauta que VP escolheu.
VP saiu e considero que PdC não escolheu bem o momento para lhe deixar algumas indirectas. Porém, não valorizo o facto. São coisas que acontecem e se dizem. A poeira há-de assentar e as coisas compor-se-ão com naturalidade. PdC e VP depois de algum distanciamento gerado pela separação, reatarão de forma natural o relacionamento amigável, como pessoas sensatas que são.

Carlos Santos disse...

200% de acordo, caro Mário. E além disso, convém relembrar aos mais "esquecidos" que o slb no jogo do Dragão começou a fazer anti-jogo ao minuto 1' e começou a tirar avançados para defender o empate ao minuto 60'! Ja para nao falar que o golo deles, fruto de ressaltos, foi muito mais obra do acaso do que o golo do Kelvin!

Portista Sec XXI disse...

“Fico triste, muito triste mesmo por constatar que o clube que eu amo tem adeptos como você.”

Está no seu pleno direito de ficar triste; como eu estou no meu pleno direito de pensar como penso, sem hipocrisia e incongruência de qualquer espécie. Mesmo que o meu pensamento não corresponda há grande maioria ou não dos adeptos, incluindo o Carlos. Agora, não fui eu como simples sócio que tive a responsabilidade de dispensar o Vítor Pereira da forma triste que este foi dispensado. Essa responsabilidade é da direcção.

“Sem glória e mérito? Frente ao melhor slb dos últimos 20 anos? Mas você está mesmo a falar a sério?”

Estou a falar tão a sério, como igualmente foi real e séria a forma como a direcção do FC Porto dispensou o treinador Vítor Pereira do cargo de treinador após a conquista dos tais dois campeonatos ganhos ao melhor slb dos últimos 20. Dá que pensar.

“Gostava de saber qual era o treinador que na sua opinião seria capaz de ter vencido este campeonato com uma perna às costas tendo em conta que o slb teve 1 derrota e nada mais.”

Para mim o Mourinho ou até o Villas-Boas eram uma boa opção. Para a direcção pelos vistos basta o ex treinador do Paços de Ferreira. Quem sou eu para duvidar.

“E em quantos títulos resultou esse ritmo alucinante?”

Em ZERO e UM para o FC Porto. Felizmente para nós e para o VP, aquele adágio popular quem tudo quer tudo perde, mais uma vez se concretizou… mas aos 92 minutos, sem saber ler nem escrever, repito.

“Quando é que os adeptos metem isto na cabeça: nós não tivemos nenhuma derrota o slb teve 1, a diferença entre ser campeão ou não seria SEMPRE num detalhe. Neste caso foi um golo aos 92 minutos. Não vale? O Kelvin não é nosso jogador? “

Um detalhe esta época aos 92 minutos e um detalhe na época passada igualmente aos 92 ou 93 minutos. Pois é, foram dois detalhes de sorte de quem não sabe ler nem escrever que nos deram mais dois títulos. Bastava que a balança da sorte pendesse para o outro lado e a conversa era outra bem diferente daquela que estamos a ter agora. Já com o VB foi bem diferente; a sorte e os detalhes nem têm lugar na história. 5 Batatas para liga e 3 para a taça, ou seja, foram oito detalhes só alcance dos grandes leitores, mas igualmente dos grandes escritores. Tenho dito e claro foi indiscutivel por mim e pelo Carlos.