segunda-feira, 16 de setembro de 2013

A moralidade do FCP e a France2

Quando os jornais e as televisões portuguesas publicam artigos e reportagens sobre o FC Porto, o adepto azul-e-branco raramente espera algo positivo. É uma marca que vem de há muitos anos. A Bola, o Record e até O Jogo têm sido veículos predilectos para muitos interesses que estão por detrás de alguns dos capítulos mais desagradáveis do nosso futebol. A juntar a isso a tendência centralista e especulativa de alguma imprensa mainstream - e a falta de uma resposta à altura da imprensa regional e local, PortoCanal incluído - permitiu criar esse ambiente. Ou seja, para o adepto do FCP, uma má imagem do clube destas fontes vale pouco. Mas e se essa má imagem vem de fora, pensará o mesmo?

O canal francês France2 emitiu uma reportagem fabulosa sobre os podres do futebol mundial.
Uma dessas reportagens de investigação ao nível de programas como o Panorama da BBC - responsável por desmontar a corrupção da FIFA e do COI, por exemplo - e que analiss em detalhe a partir de uma perspectiva local para o espaço global como o futebol é hoje um negócio gerido por figuras perversas e que actuam nas sombras enquanto os adeptos se distraem com os jogos, os títulos, as desilusões. O trabalho jornalístico é de primeiro nível e a reportagem está a ser citada na imprensa de todo o Mundo como mais um exemplo de jornalismo de alto nível. Lamentavelmente para o FC Porto. Depois da emissão desta reportagem a nossa imagem pública internacional está bastante mais afectada.



Durante meia-hora o FC Porto é utilizado como exemplo para explicar como os fundos de investimento controlam hoje jogadores em todo o Mundo e, com eles, aumentam os seus interesses no desenrolar da temporada futebolística. O pretexto é o caso Mangala, internacional francês.
Podiam ter escolhido vários clubes na Europa. O FC Porto não é, de longe, o único que trabalha com fundos. Mas tem-no feito com regularidade e com sucesso nas vendas (aumentando as receitas de rentabilidade dos mesmos fundos e alguma inveja alheia, convenhamos) e o facto de contar com um internacional francês e ser presença regular na Champions League (e no vocabulário habitual do adepto do futebol) torna-o um alvo perfeito.
A reportagem analisa a forma como Mangala chegou ao FC Porto e o seu passe foi, meses depois, vendido a um fundo (33,3%, o mesmo valor de Defour que não entra nestas contas) o Doyen Group. Um fundo que ninguém sabe de quem é e que se dedica a tudo menos ao futebol. Os relvados servem, sobretudo, para a lavagem de dinheiro. Mais ainda, o programa destapa que o FC Porto deu - repito, DEU - 10% da receita de uma futura venda do francês a um grupo também desconhecido que, resulta, pertence a Luciano D´Onofrio, um empresário belga muito conhecido cá no burgo e tão exemplar que a própria FIFA - que não é propriamente flor que se cheire - o baniu de ser um agente oficial. Ora é fácil fazer as contas. Se Mangala sair por 30 milhões do FC Porto, 3 milhões são de Onofrio. Seja essa percentagem uma comissão que não podia ser paga legalmente (o que nos leva à pergunta, porque negoceia o FCP com agentes ilegais e sabendo-o não pode ser isso um eventual delito?), um favor antigo retribuído ou, pura e simplesmente, porque Luciano é um velho amigo de alguns membros da cúpula directiva do clube, o facto é que há 10% de um dos nossos melhores jogadores que não é nosso não porque tenha sido vendido mas sim dado. A um homem que, curiosamente, era o director-desportivo do Liege quando o mesmo jogador foi vendido. A palavra "suborno" poderia ser utilizada? Algum advogado seguramente não teria problemas em demonstra-lo!  Parece-me um dado suficientemente preocupante para alguém, de forma oficial, o venha a esclarecer.

Claro que a reportagem não fica só aqui.
Com imagens do Porto, do Dragão, do Olival, o FC Porto transmite também uma imagem de inflexibilidade que soa claramente a receio de que se descubram coisas que alguém não quer que sejam públicas. A meio de uma entrevista com o próprio jogador - que confessa que nem sequer sabia que 10% seus pertenciam a D´Onofrio e 33% à Doyen - a responsável de comunicação do clube proíbe-o de falar do seu próprio passe e contrato com o jornalista. Ante a sua estupefacção - a do jornalista, claro, porque o Mangala mostra-se obediente como não se esperaria outra coisa - a desculpa é que no FC Porto só os dirigentes falam de negócios. Algo entendível se o jornalista estivesse a pedir ao seu compatriota que comentasse a política de contratações do clube, o salário de um colega ou o valor de um negócio realizado no defeso. Mas a conversa com Mangala era sobre Mangala. E o jogador do FC Porto descobre que está proibido pelo clube para falar de si mesmo. Jogadores como gado podia dizer-se, jogadores como mercadoria como o próprio Mangala confessa. Nada mais.



No decorrer do trabalho fica claro que o FC Porto não comete nenhuma ilegalidade.
O próprio secretário-geral da FIFA, Jerome Valcke, confessa-o. Há demasiados buracos na legislação para poder castigar o clube ou o jogador. É a Doyen e, em maior medida, o próprio D´Onofrio, quem se movem em águas turvas neste negócio (como em tantos outros). Mas basta um pequeno ajuste legal e, de repente, negócios como este (e como tantos outros que fazemos) podem cair num buraco legal perigoso que homens como Platini (que também aparece em cena) poderiam aproveitar para aplicar uma jeitosa suspensão como a que já está a ser colocada em prática com clubes turcos ou em casos que envolvem o Financial Fair Play. Sem cometer nenhum crime legal parece-me evidente que, ao longo de trinta minutos, qualquer espectador deste documentário ficará com uma imagem do FC Porto como um clube que ultrapassa todos os códigos morais e éticos.

Comercializar com fundos, em vez de clubes. Oferecer percentagens de jogadores grátis a empresários que estão banidos pela própria FIFA. Proibir os jogadores de falarem do seu próprio contrato e da sua situação contratual com a imprensa do seu país. Comprar jogadores por inteiro para vendê-los às fatias. Tudo atitudes da SAD que tenho criticado habitualmente aqui e que agora são reflectidas na imprensa internacional com a isenção que sabemos que nunca vamos encontrar em Portugal. O clube que por um lado impressiona pela qualidade das suas vendas - protagonista de duas séries especiais com a Marca - é agora também o clube que desilude pelos seus métodos de compra, venda e as suas amizades perigosas.

Entendo que o FC Porto SAD deva realizar uma operação de charme na imprensa europeia porque reportagens como esta valem tanto para o público europeu como uma vitória contra o Paris Saint-Germain. Vender esta imagem, lá fora, onde se tomam as decisões importantes, é algo que devemos evitar. Que em Lisboa digam o que quiserem, isso já nem nos afecta (nem devia afectar). Que o digam em Paris ou, eventualmente, em Londres, Berlim ou Roma é outra história. Não somos o único clube do Mundo que se move em areias movediças, longe disso. Não somos nem os mais podres, nem os piores, nem os mais "mafiosos", nem os que manobramos amizades mais perigosas e muito menos os que temos o hábito de anunciar que vendemos jogadores que afinal continuam a ser nossos. Nem de longe nem de perto. Temos comunicados relativamente transparentes, temos o hábito de revelar que percentagens temos e a quem (e por quanto) vendemos o que não temos e isso é de louvar. Mas talvez não seja a transparência ou não o problema.

Tal como defende a reportagem - e eu subscrevo - o problema não é legal. É moral. A partir de aí entra a percepção de cada adepto. Pode haver os que entendam que é normal que o FCP tenha esta atitude. Pode haver até os que achem que não só é normal como desejável. Entendo também que exista gente que não gosta mas se resigna. O clube é de todos e a imagem manchada de um clube mancha a todos os seus adeptos. E tudo pela nossa forma de fazer (muitos) negócios. Para mim, a moralidade da gestão do FC Porto em muitos negócios deixa muito que desejar. E não é essa a imagem que eu quero que o Mundo tenha do meu clube quando há tantas coisas boas que podemos reivindicar como a nossa verdadeira imagem de marca.


PS: Para os que sabem francês, aqui podem ver o documentário completo. A parte afecta ao FC Porto arranca ao minuto 33 e prolonga-se até à hora e dois minutos de exibição.

187 comentários:

DC disse...

"No decorrer do trabalho fica claro que o FC Porto não comete nenhuma ilegalidade."

Ainda bem que no trabalho isso fica claro porque ao ler os primeiros parágrafos deste texto a falar de subornos, isso já não ficou nada claro para mim...


Quanto ao resto, numa altura em que estávamos com dificuldades de tesouraria, o fundo serviu para aliviar as contas e, quem sabe até, permitir pagar salários.
Já os 10% ao D'Onofrio não sei a que se referem, mas se isso significou que o Mangala assinou pelo Porto em vez de pelo 5LB, que era outro grande interessado, então preocupa-me pouco.

Num mundo onde ainda noutro dia o Real espetou 100 milhões num gajo que não vale mais de 30, há muito pouco espaço para moralidades. O mundo do futebol é uma selva e só quem se souber mexer é que sobrevive. Se isso não prejudicar o clube (ou seja se os dirigentes do Porto não andarem a meter dinheiro ao bolso), por mim tudo bem.

Joaquim Lima disse...

Concordo em completo com o que o DC diz.

Temos um clube como o Real Madrid que gasta quase 100 milhões num jogador, temos clubes em França que gastam numa época mais de 170 milhões, a liga inglesa que bateu o recorde de dinheiro investido, a segunda liga inglesa a gastar 4 vezes mais que os clubes brasileiros do primeiro escalão... No momento económico actual, faz sentido estas atitudes?

Relativamente ao Porto, se são esses negócios que permitem ao Porto ter um plantel com a categoria que tem tido nos últimos anos e em que o Porto não saia prejudicado, eu também vivo bem com isso. Obviamente preferia que o Porto fizesse negócios em que não tivesse que pagar comissões astronómicas sabe-se lá porquê... mas será isso possível? Os outros não o fazem? Ou o Porto fá-los e diz que e por quanto o faz, e os outros não? Acho que é mais isto!

Ricardo Moreira disse...

O problema é que dificilmente conseguimos equilibrar as contas... Depois o Porto paga comissões quer por vendas quer por compras... O Danilo ficou em 20 milhões de euros... Acham que vai dar lucro? Acham que vai ser vendido por 50 ou 40 milhões? Quem lucra com isto...

Anónimo disse...

Se prestarem bem atenção, há também um jogador do slb no doyengroup.

Anónimo disse...

Ricardo Moreira

20M?? se quando se fala do danilo se acrescentar sempre daqui a uns tempos foi mais caro que o bale..

Joaquim da Fonte disse...

Eu percebo que estas situações dos fundos são normais para clubes com pouca capacidade financeira e que necessitam partilhar os riscos de transferências. O que eu não percebo é como se dá uma mais valia potencial de 5 milhões de euros a um Sr. que nem agente FIFA é. É por isso que ganhamos os jogadores todos aos mouros, por cima do valor da transferência há sempre mais 10, 20 ou 30% de comissão para alguém que não se sabe muito bem quem é, de onde vem e para onde vai.

Já na altura da transferência do Danilo eu achei exagerado não só o valor pago pelo seu passe (por alguma razão nenhum fundo quis participar naquela loucura) mas igualmente o valor que foi pago em comissões e que correspondeu a cerca de 19% do valor total despendido.

Este é um tema que de certa forma vai entroncar naquilo que foi aqui discutido sobre o modelo de decisão das contratações do fc porto e do seu scouting. Qualquer empresário que esteja apertado sabe que se transferir um jogador para o fc porto pode tirar um dinheirinhos para ir de férias depois do mercado de transferências fechar.

A razão pelo qual eu desaprovo esta conduta vai muito para além da sua moralidade até porque essa deixou há muito de existir em tudo o que envolva dinheiro. O que me deixa apreensivo, é a sensação cada vez maior de que o clube está a ficar refém de empresários pela falta de financiamento dos bancos e a certeza de que os valores que se apregoam que entram, provenientes de transferências, são cada vez menores e os que saem cada vez mais avultados.

Anónimo disse...

O lampião chama-se OLA JOHN e há também o Labyad dos viscondes falidos!
Os negócios obscuros de roberto, ou ainda jovens futebolistas africanos que o slb vendeu a firmas inglesas não interessam.
E para aqui não vem que foi o D'Onofrio quem vendeu o Witsel ao benfas, porque não interessa, só interessam as "falcatruas" do FCP.
Lampiões e lagartos anunciam isto como se fosse a cura do cancro, mas como sempre, não fazem o trabalho de casa como deve de ser e não viram que ola john e labyad estão na mesma situação de mangala, portanto bico calado seus merdas verde-vermelhos da porra!!!

Anónimo disse...

E digo mais, ola john e labyad só não foram citados porque não são FRANCESES!!!

Sobre o tráfico de jogadores pobres africanos feito pelo slbosta, aqui vai.

"Envolvimento de empresa londrina na compra de direitos económicos de jogadores nas páginas da imprensa britânica
A venda da totalidade do passe de dois jogadores do Benfica B - o avançado João Mário Fernandes e o médio Luciano Teixeira, ambos de 19 anos - passou despercebida em Portugal.

A referência à "alienação em dezembro de 2012 de 100% dos direitos económicos" dos dois atletas, incluída na página 47 do recente Relatório e Contas (1º Semestre 2012/13) da Benfica SAD, no entanto, despertou a curiosidade de vários órgãos da comunicação social inglesa.

Segundo aquele documento, o adquirente - por Meuro 0,5 (ou 250 mil euros por cada jogador) - foi a sociedade britânica Robi Plus Limited, com sede em Londres. "O Benfica vendeu os direitos de dois adolescentes oriundos de um dos países mais pobres de África [Guiné-Bissau] a uma empresa britânica", lê-se num despacho da agência financeira Bloomberg, posteriormente retomado por vários jornais ingleses.

"Vendas deste tipo são proibidas pela Premier League e pela Ligue 1 francesa. Grande parte destes negócios é nublosa e pouco transparente e trata os jogadores como mercadorias, com os jovens atletas africanos e sul-americanos a serem particularmente vulneráveis a pressões", acrescenta.

Contactado pela agência, o Benfica não fez qualquer comentário. O proprietário da Robi Plus, Maurizio Delmenico, afirmou, por sua vez, não estar em condições de acrescentar qualquer nota relativamente à operação. Esta sociedade, recorde-se, detém igualmente 10% dos passes dos jogadores do FC Porto Eliaquim Mangala e Steven Defour.

Internacionais guineenses, João Mário e Luciano Fernandes são dois produtos do Étoile Lusitana (Dakar), um projeto de formação lançado por Luís Norton de Matos, em 2008, financiado em grande parte (70%) pelo Banco Efisa/BPN. Os dois jogadores foram contratados pelo Benfica em novembro de 2011.

Tanto João Mário (22 jogos, 703 minutos, dois golos) como Luciano (24 jogos, 1781 minutos) têm sido utilizados frequentemente na equipa do Benfica B, na II Liga - comandada, curiosamente, pelo mesmo Luís Norton de Matos."

Nightwish disse...

Nada de novo, por essas e por outras que cada vez menos quero saber de futebol. E do "desporto" em geral.

Luis C. disse...

Ou há moral ou comem todos...

Seria de uma ingenuidade atroz e lesivo dos superiores interesses do FCP e do seu domínio interno e exposição nas competições europeias que não fossem utilizados todos os veículos LEGAIS ( repito legais ) para tornar o plantel o mais competitivo possível.

Alguém acredita que jogadores internacionais como Mangala, Defour, Danilo, Alex Sandro etc etc estivessem no FCP se não se utilizasse este mecanismos LEGAL!!

Conversa de crianças esta...

Anónimo disse...

E o Rojo e o Defour. Falcão e Kondogbia.

Mas é feio efetivamente. E claro que devem haver muitas zonas cinzentas. Estes fundos gozam da complacência de todos, pois toda a gente fica a ganhar. Os adeptos porque a equipa ganha, o jogador porque se facilita a transferência para um clube melhor, a ganhar mais, o clube (aqui é discutível), a UEFA porque efetivamente o aumento do investimento está a trazer maior retorno.

RBN disse...

Ao ler/ver a reportagem que o arcanjo Gabriel 2 citou 'inocentemente' ontem no trio d'ataque(sim, temos o arcanjo 1 que é o Mr Burns dos Simpsons João Gabriel, e o 2 é o lagarto Jorge Gabriel), chego à mesma conclusão do anonimo das 10:23.

Os gajos são mesmo burros, burros de pai, mãe e parteira.

Omitiram aos telespectadores os nomes de adeus john e do la byad que estão em situação mais ou menos identica ao Mangala, como se nós portistas também não fossemos investigar e verificar tudo ao pormenor, como se eles fossem os espertalhões.

Não aprendem mesmo, são mesmo burros com a mania que sabem tudo, ainda bem.

Essa do Witsel que foi vendido aos encornados pelo D'Onofrio eu não sabia, mas pelos vistos, o D'Onofrio quando faz negócios com o FCP, é mafioso, bandido e vigarista.Quando é com os outros é tudo limpinho limpinho:-)

também não sabia destes "tráficos de seres humanos" para empresas inglesas, mas isso não interessa para o GORDOBERN nem para o aziado gomes da silva nem para a bosta nem para o rascord, certo?

Ora bem, Maicon marcou no galinheiro e a bosta publicou na capa FORA DE JOGO com letras tão grandes que os marcianos conseguiam enxergar sem telescópio.

Montero marcou na mesma situação ontem certo?
A bosta publicou FORA DE JOGO na capa?

NÃO, publicou MELHOR LEÃO DESTE SECULO!!!

Vamos ver o que o totó do GUilherme Aguiar vai dizer sobre isso, e como vai responder à reportagem da france 2, pois já sabemos que o aziado gomes da selva e o outro vão puxar pela reportagem, ora se vão:-)

Joaquim da Fonte disse...

E será dos superiores interesses do fc porto andar a distribuir dividendos por instituições sem cara e depois apresentar prejuízos mesmo após transferências de jogadores?

Será dos superiores interesses do fc porto contratar um 5º central por 9 milhões, vender metade do seu passe a outra entidade sem cara e depois negar à equipa um ponta de lança com dois joelhos ou um extremo para substituir o Hulk?

Já se sabe que muitos fundos têm servido para desafogar a tesouraria do clube. Eu gostaria que a relação entre o clube e esses fundos não evoluísse de cooperação para dependência até porque se sabe que nos tempos de hoje o dinheiro vence sempre.

A titulo de exemplo veja o que se está a passar lá em baixo devido à excessiva dependência de um clube em relação a um empresário. Os camiões chegam com o selo do mega empresário Mendes e ao clube só cabe aceitar todo o refugo que lá é depositado porque sabem que sem o dito sujeito não há vendas de 30 e 40 milhões. Não é isto que eu quero para o meu clube.

Anónimo disse...

O Mundo dos Negocios em qualquer área tem de ser legal agora moral ? Querem lá saber disso.

Muita hipocrisia nesta reportagem é só conhecer o mundo e lembrar mo nos do Monaco, Pari St.Germain, Chelsea, Manchester City etc


Muitos clubes da gama média/alta utilizam fundos e não vejo nada de muito especial nisso. A não ser assim da maneira que estão as regras a competitividade da LC fica reduzida a Barcelona ,Manchester etc.

Joao Goncalves disse...

Completamente de acordo Luis!

O Miguel está a fazer o papel de "virgem ofendida" que não lhe fica em nem mal apenas o está.

Se eu gosto disto? Claro que não! Se preferia ter os passes de todos os atletas pertencentes ao clube? Claro que sim! Agora também queria ganhar o Euromnilhões todas as semanas e não o faço...

Não se pode ter uma cara quando se elegia os grandes negócios que a SAD faz e depois ter-se outra e vir-se questionar com esta displicência a forma como os faz.

E já foi referido nos comentários, que todos procedem da mesma forma... ora se estamos num mercado global, certamente não foi ideia do Porto ou do benfica ou do sporting, começar a transaccionar os investimentos desta forma... assim como não foi ideia do Porto comprar jogadores a equipas da 4ª divisão Uruguaia.

O Dinheiro não está connosco, portanto quem tem o capital dita as regras do jogo.

Anónimo disse...

Eu quero ver como clubes da dimensão do FCP podem manter uma BOA competitividade sem "ajuda" de investidores neste caso fundos que partilham riscos convem não esquecer.

Não é bonito? Deixemos de super idealismos.

Existem coisas muito,muito, muito piores, nas sociedades, negócios, economia, politica etc.

Anónimo disse...

Um nao assunto, quando temos russos no Monaco e petrodolares dos emiratos no PSG que moral tem os franceses para criticar uma forma LEGAL de obter receitas e conseguir contratar jogadores que de outra forma seriam impossiveis de alcancar num campeonato periferico como o nosso ? E os 100 milhoes de Bale ? E o dinheiro que o russo mafioso injectou no chelsea desde que la entrou ? Chama-se a isso o que ?
MPires

Joao Goncalves disse...

Ah e Miguel,

Referes que Platini bla, bla, bla nos fundos... estás a falar do mesmo Platini que diz ser perfeitamente normal o Real pagar 100M€ por Bale? Ou perfeitamente normal o Monaco e PSG terem gasto quase 400M€ em reforços?

Ah pois é! O que é imoral para os pequenos se "safarem" e ao qual são obrigados a fazer, já é perfeitamente normal para os grandes e amigalhaços desse palhaço.

Nuno Queiroz disse...

O FC Porto de há muitos anos a esta parte mostrou ser apetecível para os fundos de investimento porque ganha mais vezes e está sempre na Champions. Os fundos sabem que investir num jogador com o Porto é geralmente sinónimo de lucro.
Até parece que é algo estranho o Mangala não poder falar sobre a sua transferência. Perguntem ao Gareth Bale quanto custou e como será paga a transferência.
Curioso os franceses falarem do Porto e esquecerem o PSG e Mónaco, principalemnte. Pelos vistos o PSG ofereceu ainda mais do que o Real pelo Bale mas este preferiu um cube mais importante. O Porto é um exemplo para os franceses, um clube de um pequeno país que faz negócios com toda a gente e exporta talentos para todos os campeonatos e mesmo assim ganha aquilo que nenhum clube francês foi capaz.
Outro facto muito importante: as contas do Porto são, provavelmente, das mais transparentes em todo o mundo. E falar-se em moralidade no futebol é relamente interessante ainda para mais no dia em que CR/ renova um contrato que, pasme-se, só terminava em 2015!!!! por mais 3 anos e a ganhar cerca de 20M€ por época.
Coitado do Mangala!

Edu disse...

É fácil perceber a questão dos 10%.
O gajo foi provavelmente o responsável pela venda de Mangala e Defour. Vendeu-os a um preço inferior com a promessa de o FC Porto pagar parte da diferença a ele. Ganhou o FC Porto que poupou em dois jogadores de qualidade e ganhou o gajo que somou umas massas.
Embora legal, é eticamente reprovável.

Portista de Vila do Conde disse...

Este blog que há anos consulto, hoje desceu muito fundo! Palha para burros lerem, pensava eu que só nos pasquins lisboetas! Mais uma vez todo o mal no mundo reside no grande clube chamado Futebol Clube do Porto!Os demais zelam-se pela verdade desportiva!EM QUE MUNDO VOÇÊS VIVEM?
Tanta maldade e mal dizer contra o nosso clube.
passem bem,todos os VERDADEIROS PORTISTAS ABRAÇO

Luís Miguel disse...

O valor total da aquisição do passe de Danilo foi de 17 839 131 euros por 100% dos direitos económicos em Julho de 2011.

Este valor é relativamente barato, pois além de permitir-nos ficar com Danilo, ultrapassando a Benfica, comparativamente com outros jogadores brasileiros transferidos pouco tempo depois (Lucas, Óscar, Neymar, Bernard, Marquinhos, etc.), verifica-se ser um excelente negócio.

Obviamente que há a expectativa de haver lucro no negócio e esta é reforçada com a presença do FCPORTO na CHAMPIONS LEAGUE e com as idades relativamente avançadas de Ivanovic (29), Lahm (29), Maicon (32), Daniel Alves (30), Zabaleta (28), Glen Johnson (29), Zaccardo (31), Jonathan (27), Mesto (31), Lichtsteiner (29), Arbeloa (30), Juanfran (28), quando Danilo tem apenas 22 anos.

O equilíbrio financeiro ainda não foi conseguido, mas tem vindo a melhorar sem perdermos a capacidade competitiva.

Portista de Vila do Conde disse...

Uma sugestão! Perguntem ao jornalista françês quem lhes deu todas essas dicas para esta reportagem!
Seria bastante curioso,não? HUMMM? HUMMM?

Anónimo disse...

Portista de Vila do Conde16 de Setembro de 2013 às 12:16

Uma sugestão! Perguntem ao jornalista françês quem lhes deu todas essas dicas para esta reportagem!
Seria bastante curioso,não? HUMMM? HUMMM?
---

Alguém da "Oposição" ou alguém da "capital centralista" ?

Anónimo disse...

Isso da conspiração pode ser tudo verdade, mas acompanho bastantes investigações francesas e eles quando mexem mexem a fundo. Veja mais algumas e até se vai pasmar.

Anónimo disse...

Mas pelos vistos vêm mal ao perto: Monaco,Paris t.Germain e se quiserem ao longe Anzi,Manchester City, Chelsea etc

E que tal a transferência do Robertinho ?

Portista de Vila do Conde disse...

Perdi agora um pouco do meu tempo,a ver a reportagem, e especialmente a parte em que se referem ao NGC!De facto, encomenda venenosa melhor é dificil!
E ainda nos preocupamos com inimigos externos?
OH,NGP, LARGOS DIAS TEM 100 ANOS!
OH Vítor Baía, como te entendemos:)

P.S. - só um pequeno aparte ao título da crónica que pela primeira vez em anos, me forçou a comentar algo neste blog que muito prezo" A moralidade do FCP..."
Pelo amor de Deus!
Abraço a todos os Verdadeiros Portistas

Jorge disse...

Em que medida é que o facto do autor do post pôr em causa a forma de negociar do clube o adjectiva como não sendo um verdadeiro Portista ? Ou agora, temos todos ,nós Portistas, que aceitar tudo o que os dirigentes do nosso clube fazem e afirmam tal carneiros em rebanho ? Eu acredito que ainda vivemos numa democracia, no país e no clube, e todos têm direito de expressar as suas opiniões.

É um facto que não usando estes estratagemas de pagamentos de comissões nos torna um clube menos competitivo, mas também não deixa de ser uma forma de trabalhar no mínimo éticamente reprovável independentemente se os nossos adversários o praticam da mesma forma ou não.

Pedro Albuquerque disse...

Atenção, o Real Madrid gastou 100 milhões no Bale. Mas vendeu jogadores no valor de pelo menos 115 milhões. Um coisa é comprar por 100 milhões e não vender, outra coisa é comprar por 100 milhões, mas ter 115 milhões de vendas para colmatar essa compra.

E o merchandising do Real Madrid é algo incrível.

O problema do FC Porto é que quando vende por 75 milhões e parece que depois temos que vender parte dos jogadores a fundo porque ficamos sem dinheiro para o dia-a-dia.

Pedro Albuquerque disse...

E quem vai dar 50 milhões por um lateral que joga na Liga Portuguesa?
E a menos que chegamos a umas meias-finais e o Danilo seja o Danilo que nunca foi, nunca o venderemos por 40 ou 50 milhões.

Principalmente quando nem ao Mundial vai.

Pedro Albuquerque disse...

Leram o artigo?

Falaram no FC Porto por causa do Managala que é jogador francês! Não falaram no FC Porto por ser o FC Porto, por si só!

Pedro Albuquerque disse...

O que tem em comum o France 2 e o Mangala?

Pedro Albuquerque disse...

De facto a blogoesfera só lê o que quer! E é muito fraco de espírito.

"Durante meia-hora o FC Porto é utilizado como exemplo para explicar como os fundos de investimento controlam hoje jogadores em todo o Mundo e, com eles, aumentam os seus interesses no desenrolar da temporada futebolística. O pretexto é o caso Mangala, internacional francês."

O que terá a France 2 e o Mangala em comum para o FC Porto ser alvo desta investigação? Hummm....


O autor deste artigo fala de algumas verdades, que alguns portistas que aqui vieram escrever comentários, querem negar e que muito mal podem fazer ao nosso clube.

Quero lembrar o seguinte aos nossos companheiros: o FC Porto vendeu por 70 milhões 2 jogadores, e nem assim, recompramos parte dos passes de outros jogadores, que nos poderia ser útil na altura de os vender. No próximo R&C espero ver uma diminuição do passivo, diminuição dos custos com pessoal e FSE.

sdf disse...

Bem visto, Luis Miguel, muito bem analisado! Falta é contar com outros defesas direitos jovens e com potencial igual e que podem eventualmente desvalorizar a venda do jogador e nesse aspecto ha mesmo risco do negocio poder sair caro e com prejuízo numa futura venda!

Pedro Ramos disse...

Nao me preocupa minimamente a imagem que possa ou nao passar para o exterior com esta reportagem.

Já há muito que esta negociatas que existem no clube me preocupam bastante.

A reportagem é exemplar daquilo que infelizmente é hoje o mundo financeiro no futebol. Os clubes que querem ter sucesso estao a enveredar por duas vias: vendem o clube por inteiro ou vendem os jogadores que ainda estao nos planteis "às postas", sempre como pano de fundo srs muito pouco recomendáveis. Falta saber qual é a pior soluçao.
(Existe ainda uma 3º via, mas só para alguns, que é o recurso a bancos falidos que continuam a patrocinar determinados clubes, mas isso já é conversa para outra altura).

Gostava que o meu clube mudasse esse paradigma, mesmo sabendo que os outros fazem o mesmo, daí pensar que, por exemplo, a formaçao portuguesa (nao confundir com tráfico de crianças) seja tao importante, algo que no clube nao parece existir (pelo menos para mim).

Anónimo disse...

Aconselha-se ao MLP que leia o artigo de Manuel Martins Sá na Bola "Em Espanha, tarda a justiça fiscal"...

Alguém que lho facilita que eu não consigo.

Anónimo disse...

ÒH JORGE isso não passa de uma lenga, lenda de pseudo independentes armados em supermoralistas investidos na qualidade sabe-se lá por quem...

DC disse...

Outra coisa ainda é comprar um por 100, mais outro por 36 mais outro por 10, mais outro por 25 e mais outro por 5.
Ou o Bale não se foi juntar ao Illarra, ao Carvajal, ao Isco e ao Casemiro?

São mais de 600 milhões de euros para ganhar um campeonato apenas e nenhuma Champions.

Joaquim Lima disse...

Sem estes fundos, o Porto teria um plantel do género do plantel do Sporting deste ano: meia dúzia de gajos emprestados ou comprados por menos de um milhão e jogadores da casa. Tudo bem que o Sporting está a começar bem o campeonato, mas já pensaram no que seria este Sporting a jogar contra Manchester, Barcelona, Real Madrid?

Sem estes fundos nunca teriamos/teremos um plantel com a qualidade que tem tido nos últimos anos. E com um plantel fraco, as aspirações na Europa teriam de ser bem mais modestas, com a consequente diminuição do cache que daí advém, e que muito jeito nos faz!

Miguel Lourenço Pereira disse...

O dicurso habitual dos adeptos não varia muito.

Quando se ganha - e muitos adeptos são movidos pelo prazer da vitória mais até do que a conexão ao clube - tudo se perdoa. Desde que não vá para o rival, desde que sejamos competitivos, se o outro faz eu também posso fazer....são argumentos esperados. E que possuem certa lógica pragmática. Mas com os quais estou em total desacordo.

DC,

Um suborno - em qualquer negócio - é quando duas partes negoceiam como instituçoes e depois uma parte, ligada a uma das duas instituiçoes, para facilitar o negócio, recebe por fora e a titulo pessoal, uma quantia x de dinheiro. Se algum juiz quiser, pode perfeitamente sacar a conclusao que o D´Onofrio - que nao pode fazer negocios como empresário - meteu 10% do Mangala ao bolso para facilitar a venda e nao os deu ao Liege do qual era assalariado.

Quanto a falar de que o Real Madrid, um clube que gera, ao ano 500 a 600 milhoe de lucro em x coisas, comparando-o com o FCP é sair da esfera da discussao. O Real pagou cerca de 200 milhoes em transferencias, meteu 130 ao bolso e tinha um orçamento de 100 milhoes para gastar. Tem uma divida brutal mas umas facilidades de pagamento similares e, tal como nós na nossa realidade, se tiver de abater a divida num mes, vendendo jogadores, nao terá problemas.

A moralidade de que falo nao se trata apenas de negociar com fundos ou gastar x em jogadores. É saber se é isso que queremos para o clube. Muitos adeptos parece que nao se incomodam, eu sim, é só a única diferença!

Miguel Lourenço Pereira disse...

A alguns amigos recomendo que vejam o documentário antes de comentar. Ajuda.

O Doyen aparece citado várias vezes como um clube ligado ao Sevilla, ao Atletico de Madrid, ao Benfica. Aparecem outros jogadores e outros casos. O FC Porto è o centro da reportagem porque nao só trabalha habitualmente com fundos como era o unico que tinha um titular da seleçao sub21 francesa (ja convocado para os A) e, portanto, uma forma mais adequada de criar um laço com a reportagem que tambem fala do Barcelona (via um miudo frances) e dos podres da FFF com os empresarios e o futebol juvenil!

Miguel Lourenço Pereira disse...

Joao,

"Não se pode ter uma cara quando se elegia os grandes negócios que a SAD faz e depois ter-se outra e vir-se questionar com esta displicência a forma como os faz."

Quando é que eu elogiei os negócios da SAD que envolvessem estas artimanhas sem as denunciar igualmente. Quantas vezes nao disse eu nos ultimos anos que prefiro o mesmo modelo de negócio de 2003 e que de certa forma se tentou implementar este ano aos negócios com o BMG, a Doyen, o fundo do Luxemburg ou um agente banido pela FIFA?

Quem lê parece que mudo de discurso, semana sim, semana nao.
Eu acredito que é possivel ganhar a liga e ser competitivo na Europa ao mesmo nivel que temos sido nos ultimos anos (ou seja, oitavos e adeus) com um modelo de negócio diferente. É a minha mais sincera conviçao, nao só porque se identifica com os meus ideais como ainda nao vi um só argumento sólido que me demonstre que ter um Danilo, um Alex Sandro ou um Bernard (como muitos queriam) nos faz superiores em comparaçao a ter outros jogadores que nao estejam envolvidos nesses esquemas.

Miguel Lourenço Pereira disse...

Boa competitividade?

Isso o que é, ser eliminados nos oitavos-de-final da Champions League? A sério?

Neste momento, no futebol actual, há poucas coisas piores que os fundos e alguns dos modelos de negócios citados na reportagem!

Portista de Vila do Conde disse...

A Moralidade do Futebol! Esse seria o título correto do post
Agora quando titulam no post " A moralidade do FCP"...
Mais uma vez vos peço a refletir muito bem,
"Perguntem ao jornalista françês quem lhes deu todas essas dicas para esta reportagem!" P.S. - Caro Jorge, carneiros não conheço no NGC,rebanhos também não...

se vamos por aí, estamos no blog do clube errado.

Abraço a todos os verdadeiros portistas




Miguel Lourenço Pereira disse...

MPires,

Um problema resolve-se apontando outros problemas ou resolve-se, resolvendo?

O futebol frances, que até â bem poucos anos era o mais limpo da Europa (Bez e Tapie foram presos sem nenhum problema, por exemplo) desde os últimos anos da era Sarkozy foi corrompido pela venda, literal, de muitos dos interesses franceses â Russia e ao Qatar. Certo.

Mas isso nao invalida que o resto esteja errado, ateporque a reportagem denuncia muitos problemas no proprio futebol frances (e o Mangala é protagonista da historia por ser frances). Quanto aos 100 milhoes de euros do Bale, como já expliquei atrás, foram pagos por um clube que gera 600 milhoes de mais valias e que vendeu 135 milhoes em jogadores-mais 100 que tinha para gastar.

Miguel Lourenço Pereira disse...

Joao,

Eu acho ridiculo o valor pago pelo RM pelo Bale e os negocios dos sheiks e dos czares, para mim é tao imoral como isto. E o Platini é a última pessoa do Mundo com nivel para falar do que quer que seja.

Portista de Vila do Conde disse...

Oh caro Pedro Albuquerque, sentes-te ofendido, por vir falar do teu presidente? HUMMM? HUMMM?

Miguel Lourenço Pereira disse...

Nuno,

Este assunto levanta dois debates.

UM, que ainda nao vi ninguem falar dele, é a consequencia â nossa imagem no exterior. É um problema, é preocupante, é para ignorar? Uma questao pertinente que tem a ver com o valor institucional da marca FCP.

A segunda é a de como fazemos negócios. Muitos esquecem-se que o Real paga em salarios e em passes o que paga porque tem cashflow para faze-lo. Nós vivemos de pedir emprestado e de comprometer receitas futuras para manter os livros mais ou menos equilibrados. Nao é a mesma realidade e nao entendo como é que há adeptos que querem que o clube de uma cidade pequena â escala das metropoles europeias e de um pais economicante atrasado compita com marcas mundiais que geram 500 milhoes por ano. É impossivel e o recorrer aos fundos nao vai nunca resolver esse problema. Nos recorremos a fundos, outros vendem-se ao melhor postor, mas o dinheiro e poder que geram esses gigantes permanece!

Miguel Lourenço Pereira disse...

Edu,

Sendo que o D Onofrio está suspenso pela FIFA, essa manobra nao seria legal. O D Onofrio era empregado do S. Liege, director desportivo, nao pode fazer comissao da venda de jogadores da sua equipa. O dinheiro tem de ir sempre, sempre para o clube. Qualquer advogado pode perfeitamente demonstrar que isso é suborno se se der ao trabalho de investigar - como fez a reportagem - que esse fundo é controlado pelo belga (o que é sempre o mais dificil de fazer)!

Miguel Lourenço Pereira disse...

Portista de Vila do Conde,

A France 2 nao é a BolaTV ou a CMTV.
Durante os ultimos anos receberem varios premios internacionais sobre investigaçoes do estilo em várias áreas. Na mesma reportagem (nao sei se a viu completa, recomendo) falam tambem do Barcelona (imaginem), da Federaçao Francesa (que ousados), de clubes franceses como o Marseille (um clube pequeno certamente) e do Sevilla. Tudo exemplos - que eles anunciam como tal, exemplos de muito mais coisas que passam - para ilustrar um trabalho de hora e meia.

Claro que para o adepto pensar que só se lembraram do FCP porque alguem em Lisboa os avisou, nao há muito mais a debater sobre este assunto! O texto é claro. Nao somos os unicos nem somos os piores, mas a mim preocupa-me o que somos e nao o que é o vizinho do 3´esquerdo!

DC disse...

D'Onofrio foi um intermediário da venda. Pode tanto considerar isso um suborno como dar milhões de euros ao Jorge Mendes ou ao Hulk para assinarem pelo Zenit.
Dinheiro ou percentagens a intermediários nestas transferências é o pão nosso de cada dia.

"Tem uma divida brutal mas umas facilidades de pagamento similares e, tal como nós na nossa realidade, se tiver de abater a divida num mes, vendendo jogadores, nao terá problemas."

Exactamente, tendo em conta que eles pedem emprestado ao banco o dinheiro que querem e que lhes apetece, não precisam de recorrer a fundos. Já nós, como a banca fechou a torneira, viramo-nos para esse lado. Teríamos outra opção, que era vender o clube a um sheik ou ao Abramovich e passar a depender do petróleo.

Por muito que se queira, com ou sem moral, basta olhar para a Champions e ver o tipo de clubes que aparecem nos oitavos:
- clubes que geram receitas absurdamente superiores às nossas, essencialmente por serem clubes de Inglaterra, Espanha ou Alemanha;
- clubes com relações privilegiadas com a banca, como Real e Barça (em menor escala);
- clubes de milionários (Paris SG, Man City, Chelsea, Shakhtar, Zenit...);
- clubes que recorrem aos tais fundos (Porto e Benfica).

Basta ver que, por exemplo, com excepção do Barça (mas o Barça tem dívidas enormes também e gasta milhões em contratações todos os anos), não há um clube na Champions conhecido pela política de formação. Por muito que se queira, as regras do jogo são estas. Ou se arranja forma de ter dinheiro, ou a Champions não é para nós.

Miguel Lourenço Pereira disse...

Joaquim,

Nao subscrevo essa filosofia. Sem os fundos poderiamos ter um plantel suficientemente competitivo para ser campeoes (logo ir á Champions). Nao vejo nenhum problema nisso. Muitos dos fundos recompram percentagens depois do negócio, nao antes. E quanto ao que fazemos nas provas europeias (passar de grupo em 2 e cair nos oitavos) nao variaria muito. Ou que pensam que sucederá a esta equipa se tiver de joga contra esses Barcelona, Real Madrid ou Bayern?

DC disse...

O argumento de ser eliminado aqui ou ali não é honesto.
A competitividade é que neste momento estamos no pote 1, a competitividade é que não somos uma equipa fácil para ninguém, nem espanhóis, nem italianos, nem ingleses...

Sem os jogadores dos fundos, se andássemos a jogar com Castros e companhia dificilmente passaríamos duma equipa banal.

Pedro Albuquerque disse...

E qual é o meu Presidente, só por curiosidade?

Anónimo disse...

E porque é que os fundos nunca compram parte dos passes de jogadores da formação?

E se os fundos só pagam parte do passe a preço de custo, porque é que não ajudam no valor das comissões? É que assim só o clube ou SAD é que as paga. Logo aí há um desconto brutal.

Paulo disse...

No fundo o que aqui está em questão é :
Será que vale a pena estarmos a negociar com fundos e empresários de procedencia duvidosa e pagar comissões ,e prémios,sabendo ser éticamente reprovável, mas também sabendo ser prática corrente no futebol ,nomeadamente nos nossos mais diretos concorrentes, para construir uma equipa para vencer o campeonato e chegar aos oitavos da Champions ou conseguiremos formar uma equipa que atinja os objectivos atrás apontados sem recorrer a esses fundos e empresários,utilizando os recursos financeiros que temos ao nosso dispor ?
Esta penso ser a questão já á muito levantada pelo Miguel .

Saudações Portistas

Paulo Almeida

Silva Pereira disse...

Boa tarde,
Antes de mais o Miguel Lourenço Pereira vive em que planeta? Na TERRA não deve ser.
1º Quando diz “… são refletidas na imprensa internacional com isenção… “ essa deve ser para rir é a mesma isenção com que vi nos média da capital macrocéfala.
2º Quando faz afirmações como “deu 10%”, “suborno” tem a consciência que é crime e se o afirma terá conhecimentos diretos então acho que deve transmiti-los há paladina da justiça e seus muchachos;
3º Também a afirmação “…dos relvados sevem para tudo…” se tem conhecimentos diretos e concretos deve antes de mais juntar esses conhecimentos aos referidos no ponto 2 e depois se forem referentes ao FCP questionar a SAD do FCP em assembleia;
Não posso deixar de comentar esse seu ataque contra os fundos e dizer o seguinte:
a) Antes de mais os fundos são necessários e compreendesse porque países como a França e RU estão contra eles porque assim os benfeitores (os oligarcas) que pelos vistos esses regurgitam dinheiro limpinho sem mácula dominariam a seu belo prazer os clubes tipo classe média como o FCP;
b) Depois existe várias entidades que são responsáveis pela vigilância dessa área e se existe algumas falhas devem ser corrigidas;
c) As transações dos jogadores – Diretos Desportivos- só se podem fazer entre clubes;
d) Os jogadores só são transferidos para os clubes se estiverem de acordo;
e) Por último que se calhar deveria ser o meu 1º ponto se houver alguma coisa ilegal e prejudicial para o FCP que se apure e se culpe os que os possíveis infratores.
Nota: fico com a sensação que a sua abordagem não foi isenta ate aprecia que estava a ler o MAISFUTEBOL ou a bolha. Mas talvez esteja a interpretar mal. Caso assim seja peço desde já as minhas desculpas

Joaquim da Fonte disse...

Se estamos no ponte 1 foi por aquilo que fizemos na liga europa e não naquilo que fizemos na liga dos campeões. Nas 5 épocas que contam para o coeficiente temos os seguintes resultados:

2008/2009 - Eliminados nos quartos pelo Manchester United
2009/2010 - Eliminados pelo Arsenal nos oitavos por 6-2
2010/2011 - Vencedores da liga europa
2011/2012 - Eliminados da fase de grupo da champions. Eliminados pelo Manchester City na liga europa
2012/2013 - Eliminados pelo Malaga nos oitavos da liga dos campeões

Esse argumento de que sem o fundo não teríamos competitividade é mentira. Não consta que a equipa do Mourinho tenha necessitado de fundos para o que quer que fosse. Mesmo o Jesualdo não precisou desses malfadados para levar o clube ao melhor resultado na liga dos campeões do pós-Mourinho.

Miguel Lourenço Pereira disse...

DC,

Escapa-lhe um detalhe. O Luciano D´Onofrio está suspenso pela FIFA. Nao tem licença, nao pode operar negócios como agente logo nao pode levar comissao. É isso que diferencia qualquer negócio com ele do que com outro agente que trabalhe com fundos (mas seja um agente FIFA oficial).

Quanto ao segundo ponto, é a realidade e temos é de a assumir, nao vender a alma ao diabo por conseguir fazer algo similar ao que podemos fazer sem esses negócios. Se com este esquema o FCP tivesse sido uma equipa capaz de dar cartas na Europa nos ultimos quatro anos - falo de Champions - podia ter razao mas limitamo-nos a passar dos grupos em apertos e a cair a seguir. Nao vejo um cenário diferente ao dos anos 90, por exemplo ou da era-pré Mou.

Miguel Lourenço Pereira disse...

O FCP - como o Benfica - subiu muitos lugares no ranking pelos desempenhos da UEFA (final ganha e eles meia-final e final perdida). Nao foi pela performance da Champions League nem num caso nem no outro.

Essa é a realidade. E para ser competitivo na EL, como o Braga ou o Basel demonstraram, nem é preciso muito!

Portanto sim, é o argumento mais honesto possível (partindo inclusive da premissa que nao jogamos contra ninguem de top top europeu)

Miguel Lourenço Pereira disse...

Qualquer pessoa que fale de "verdadeiros portistas" nao é adepto do FCP, é cidadao da Coreia do Norte. Como está o clima por aí?

Miguel Lourenço Pereira disse...

Exactamente e eu acredito perfeitamente que é possível chegar pelo segundo caminho aos mesmos titulos conquistados no prineiro, em campo.

Agora, se querem fazer as coisas "por outro lado" e estes negócios fazem parte dessa dinamica, é outra história. Mas eu nao tenho por hábito desfrutar de conquistas fora do campo como outros clubes estao habituados a conseguir!

Miguel Lourenço Pereira disse...

Silva Pereira,

Em primeiro lugar dá-me exactamente igual que pense se a minha abordagem é isenta, influenciada pelo MaisFutebol, pela Bola, pela FranceFootball ou pelo Diário das Beiras. Escrevo sobre futebol à demasiado tempo - aqui e noutros espaços - para ter de justificar a minha motivaçao. Se nao quis ler o 1 paragrafo, a culpa nao é minha.

Seguindo os seus simpaticos pontos de vista.

1) Da ultima vez que vi, era o planeta Terra. Mas posso estar enganado e entao já lhe digo uma coisa, a internet funciona no espaço sideral.
2) nao sou eu quem faz essas afirmaçoes, é a reportagem. Está nos RC que o FCP deu esses 10% de uma mais valia futura em venda. E se o fez a um empregado da equipa a quem contratou um jogador pagando-lhe por fora, a lei diz que é suborno.
3) Eu posso questionar o FC Porto, que é o clube do qual sou membro e sócio. Da SAD, da qual nao tive, nao tenho nem jamais terei uma só acçao, nao tenho porque questionar nada. Quanto ás AG do clube, aprendi com o tempo e as experiencias prévias de que sao espaços pouco abertos a opinioes alheias.
4) se acha que sao necessáros os fundos, parabens, está dentro do grupo de adeptos que citei no artigo e está em seu pleno direito. Eu nao acho. E nao preciso de dizer-lhe se vive bem com a sua consciencia â noite ou quando celebra um golo se sabe de onde esse golo vem. Cada um sabe de si.
5) totalmente de acordo, que as corrijam quanto antes para acabar com isto.
6) muito bem, conheço o regulamento.
7) salvo se assinarem contratos com fundos e empresários em que lhes dçáo carta branca para gerir a sua carreira em troca de um adiantamento financeiro, que passa regularnente na América do Sul (a começar pelo Falcaom por exemplo) mas sim, ninguem lhes aponta uma pistola â cabeça.
8) totalmente de acordo, gostaria bastante que algum juiz belga ou portugues - preferencialmente belga - pegasse no caso e apurasse se andamos a fazer as coisas fora da linha da legalidade. Seria muito positivo para a instituiçao!

PD_ Confundir a imprensa internacional (que se está a marimbar para as guerras Porto-Lisboa, para os 6 milhoes, o lisboa a arder, etc) com a imprensa nacional é algo que, para começar, já define todo o seu comentário!

Joao Goncalves disse...

Eu também queria acreditar na Abelha Maia e no Tio Patinhas mas já não tenho idade para isso...

E também queria ter a mesma perpectivas de carreira de ordenado, de reforma, de progressão na empresa, de subsidio de desemprego e apoios sociais e dos apoios comunitários de 2003, mas estamos em 2013 Miguel...

O Porto, como disse acima, moldou-se ao que o mercado permitiu... não foi o Porto que inventou os fundos assim como não foi o Porto que inventou a Lei Bosman!

Queres culpar alguém pelos fundos? Culpa o tribunal de trabalho europeu que com a Lei Bosman alterou por completo as regras do jogo e meteram os clubes periféricos como o Porto reféns dos fundos, empresários e de jogadores sem escrúpulos.

O Porto faz o que tem de fazer e ao contrário do que tu dizes, se mantivéssemos o modelo de negócio de 2003 estávamos era a lutar pelo 3º Lugar com o Braga.

Se não viste um só argumento sólido que ter um Alex Sandro faz diferença então nem sequer podemos continuar esta conversa... Pois já agora também defendes que ter um Jackson, um Mangala, um James ou um Moutinho, não faz qualquer diferença... já agora porque não contratamos o 11 todo do Paços de Ferreira e jogamos com eles? Já que não faz diferença nenhuma...

Joao Goncalves disse...

DC,

Ao menos ia-mos tentar dar luta ao Austria de Viena, mas como eles são de um Pais economicamente superior, provavelmente perderíamos os dois jogos com toda a normalidade é claro...

Joao Goncalves disse...

Miguel,

Estamos nós, simples mortais, a falar de algo que não percebemos patavina... basicamente é isto que está a acontecer. Isto são negócios com números completamente alucinantes, para nós que ganhamos 500€-1000€/mes.

O que o Porto faz é legal e correcto... os M€ que os fdp das empresas publicas ganham de bonus nos finais do ano com os meus e os teus descontos, enquanto que as pessoas que ganham 500 e 600€ são despedidas é que é ilegal, imoral e criminoso!

Nuno Queiroz disse...

Miguel: Eu até podia concordar com essa "moralidade" se não existissem todos os restantes casos por trás. Acredita que o Porto fez algo ilegal? Da forma como o Porto tem sido investigado por todos (cá dentro e lá fora) acha que se houvesse algo ilegal não tinha sido já público? Não Aceito que se ponha sempre em causa o Porto apenas porque faz negócios que em nada diferem dos restantes clubes mundiais. Ainda há pouco, a trasnferência do Neymar deu uma grande confusão. Viu alguém a pôr em causa o bom nome do Barça? Porque é q só o porto é criticado e ninguém fala dos despedimentos dos lagartos? Quero ver no que vai dar na UEFA.
Pode criticar esta política de contratações, está no seu direito. Agora estar a pôr em causa o nome do clube porque tem os seus negócios todos públicos e devidamente auditados não faz o mínimo sentido. Vá ver se os vermelhos, os Madrid, City, PSg, etc têm a mesma transparência.
O D´Onofrio faz negócios com o Porto há mais de 20 anos. E além disso era o presidente do Standard e que eu saiba, ninguém no Standard pôs em causa esses negócios. A única coisa foi o pagamento.

Joao Goncalves disse...

E como é que se forma uma equipa sem recorrer aos fundos mencionados?

Estou a ver o 11 deste ano...

Helton
Fucile - Maicon - Tiago Ferreira(?) - Quino
Castro - Fernando - Josué
Licá - Varela - Ghilas

Ou se quisermos ser um pouco mais simpáticos:

Helton
Fucile - Maicon - Pedro Ribeiro - Joaozinho
Castro - Fernando - Josué
Licá - Varela - Ghilas

Era este o 11 que ia bater o benfica e chegar aos 8º da Champions?

P.S.: O Lucho também não poderia ser que veio com o apoio de fundos ou % para empresários.

Belmino disse...

Os jornalista pegaram no FC Porto porque deve ser o único clube no mundo que tem as suas contas tão transparentes e expostas nos comunicados à CMVM e nos 'relatório e contas'. Acho que o FC Porto não tem nada a temer

Miguel Lourenço Pereira disse...

Joao,

Como disse antes, as vitórias cegam. Quando se ganha de uma forma pensa-se habitualmente que nao se pode ganhar de outra. E isso nao é verdade. O Barcelona poderia ganhar se tivesse um modelo diferente ao de cantera. E nós também.

Ninguém impediria o FCP de ter bons jogadores no plantel sem vender percentagens dos fundos e sem que isso signifique baixar ao nivel do Paços. Extremar dialogos nao leva a lado nenhum. O FC Porto descobriu o Cissokho, foi campeao europeu com o Nuno Valente, nenhum deles tao caro como o Alex Sandro. Os jogadores nao desapareceram, nós é que deixamos de procurar um perfil e apostamos por outro.

Com outro modelo o FCP seria campeao, estaria na Champions e faria sensivelmente o que faz agora. Nao tenho duvidas nenhumas!

Miguel Lourenço Pereira disse...

Joao,

Estando de acord, sobretudo na ultima parte, eu tiro o correcto da frase para subscreve-la a 100%. Para mim nao é.
Uma opiniao simples de um adepto e sócio, mas que nao deixa de ser a minha!

DC disse...

São de um país economicamente superior mas sem grande tradição futebolística. Se quer ser desonesto a esse ponto seja.

Agora pense no que seria o Porto com investimentos reduzidos e sem ter contratado nunca os jogadores que vieram em partilha de passes com fundos ou empresários como Falcao, Hulk, Lisandro, Anderson, Moutinho, Lucho, James, etc...
Imagine, por exemplo, que apostavamos apenas na prata da casa e a nossa equipa, neste momento, era composta por Ricardo Costa, Postiga, Vierinha, Paulo Machado, Bruno Gama, entre outros. Mas pense-os como titulares e não como alternativas.
Estaríamos em que patamar neste momento? Ao nível dum Anderlecht?
Aliás o Anderlecht já esteve a um nível superior ao do Porto e agora só aposta na formação. Estão fortes não estão? Parece-me até um excelente exemplo já que a selecção deles é fantástica e os clubes são medíocres.

DC disse...

Hélton salvo erro já teve uma parte do passe do Baidek, logo estaria fora. Maicon também tenho dúvidas sobre como se terá passado o negócio.

Era uma equipa fortíssima para atacar a taça da liga, mesmo que lhe acrescentássemos Ricardo Costa, Postiga, Bruno Alves, Paulo Machado ou Vieirinha.

Joaquim da Fonte disse...

Este seu comentário apresenta uma desonestidade intelectual atroz.

Obviamente que se a formação e o Scouting interno foi desprezado durante anos e detrimento da vinda de jogadores com qualidade comprovada como Tomás Costa, Lucas Mareque, Prediguer e afins obviamente que aos dias de hoje só poderíamos apresentar um onze dessa categoria.

Se por outro lado se tivessem aproveitado os jogadores da formação como Vieirinha e Paulo Machado e não se tivessem negligenciado grandes valores a nível de mercado interno como o Eder (foi a custo ZERO para Braga), o Lima (foi por 4,5 milhões para o Benfica) e o Antunes (eliminou-nos na liga dos campeões) talvez tivéssemos outro tipo de opções e uma equipa igualmente competitiva.

Anónimo disse...

Acho que o post aborda uma questão interessante e percebo as preocupações éticas do autor. Como portista, tão verdadeiro como os outros que concordam ou discordam, também gostava que o FCP não negociasse com fundos. Como também gostava de vencer os jogos sempre sem golos em fora de jogo ou penaltis mal assinalados a nosso favor, infelizmente, não vivemos num mundo ideal mas no real e, neste mundo, sem o recurso aos famigerados fundos, não me parece que tivessemos possibiliddes de manter uma equipa competitiva e vencedora como tem acontecido nos últimos anos.
Nota: Cada um de nós pode entender que o autor faz uma abordagem romântica da questão e ter opinião diferente, mas nem por isso deixa de ser pertinente e respeitável. No fundo, ele apela a uma reflexão, de resto de acordo com o nome do blog, o que é sempre importante. O número de comentários demonstra a sua razão.
Saudações portistas
Nelson Barbosa

Anónimo disse...

Nao pode levar comissao porque exactamente? O Futre levou comissao pela transferencia do Figo para o Madrid, e que eu saiba nao e' agente FIFA, muito menos do Figo. Colaborou com o negocio, teve direito a uma parte. Em quantas transferencias nao se passa o mesmo? Sejam pais, tios, irmaos, dirigentes, carpinteiros ou cozinheiros dos jogadores... tudo o que ajuda leva algum no final. E nao se fiquem pelo futebol, vejam EDPs e seja que negocio for... nao ha' nada de estranho aqui. Que o senhor tenha outras ligacoes com o clube que detem o passe... isso sao problemas que nao sao do FCP - de forma alguma! O FCP pagou o que era devido, ponto final!

A questao sobre quem esta' por tras destes fundos e' relevante, e se alguem anda a lavar dinheiro com tudo isto - e' possivel, mas nao e' esta reportagem que revela nada de concreto.

Para quem tao rapidamente critica os adeptos que nao concordam consigo de 'falta de espirito critico enquanto se ganha'... foi exactamente o que lhe faltou depois de ver esta reportagem.

Este artigo e' um lixo!

Nuno Queiroz disse...

Miguel: Essa coisa da nossa imagem tem muito que se lhe diga. A verdade é que aquando do apito dourado se falou muito disso. Achas que o Porto fez piores negócios por causa disso? O Mangala vai na terceira época oa serviço do Porto. Achas que não vai ser vendido por causa disso?
Se realmente tivesse um problema de credibilidade o Porto nunca teria vendido o que vendeu nos últimos anos nem comprado o que comprou. Porque a credibilidade também se vê nas compras.

Não gosto dos fundos como não gosto pedir emprestado dinheiro ao banco para comprar uma casa ou um carro mas se não for assim nem sequer compras.

O real, como os vermelhos cá em Portugal, têm um passivo gigantesco e são constantemente beneficiados por um estado centralista, lá como cá. O Porto não paga salários como o real mas tenta pagar de acordo com as suas possibilidades. mas por isso é que o Porto não tem por obrigação ganhar a Champions nem sequer ir além dos oitavos. E se não tivesses os fundos para ajudar e investisses só em jogadores muito baratos, eras capaz de num ano ser competitivo e no ano a seguir nem ir à Liga Europa (vide os lagartos).

Miguel Lourenço Pereira disse...

Joao,

Nao sabia que dos fundos aos "nao fundos" o salto fosse de tamanha qualidade. Vejo muitas equipas por esse Europa fora sem recorrer a fundos com onzes e jogadores interessantes mas parece que, de repente, o FCP só pode sobreviver com ajudas.

Se assim é, qual é o mérito da estrutura?

Miguel Lourenço Pereira disse...

DC,

Ainda bem que inclui o Hulk porque é o exemplo perfeito de como as coisas se podenm fazer de outra forma. Quando treinou no Vilanovense, se os nossos olheiros fossem tao bons como alguns dizem, teria assinado, integrado no plantel (duvido que no Japao tenha aprendido muito) e dado o salto para a equipa A como jogador formado em casa em vez de ter custado quase 20 milhoes de euros.

E como esses, tantos exemplos de jogadores que perdemos porque estavanos focado neste modelo. Agora pensem num plantel mais equilibrado, nais pensado, com salarios mais controlados, jogadores que nos custaram zero porque os descobrimos e formados. E agora pensem no dinheiro que sobra para gastar num, dois, tres bons jogadores no mercado. O futebol gere-se de muitas maneiras diferentes!

Silva Pereira disse...

Boa tarde,
Se não entendeu o meu último parágrafo paciência. Se o mesmo o leva a ser ofensivo paciência, provavelmente deve estar a olhar a um espelho e confunda o meu caráter com o seu.

Joao Goncalves disse...

Oh Joaquim, antes pelo contrário... o seu comentário é que apresenta uma desonestidade intelectual atroz.

Pois, basta olhar para o mercado nacional e perceber que a equipa que ali coloquei é das melhores que o nosso campeonato todos nos poderia providenciar.

E depois acho piada vires falar de jogadores de 5M€ como o Artur... mas achas que sem recursos a fundos tínhamos 5M€ para dar por um jogador? Ou sequer para competir com o Malaga por um jogador? Só em sonhos... isso sim, desonestidade intelectual.

E em relação ao Eder, só falta referir a maneira desonesta como ele foi parar a Braga...

Portanto a equipa acima colocada seria a melhor possível para o Porto e lutaríamos certamente pelo 3º Lugar e o acesso à liga europa.

Vocês gostam é de se esquecer que são jogadores como Jackson, Lucho, Alex Sandro, Mangala, Lisandro, Falcão e por aí adiante, que fazem a diferença e esses vieram com ajuda.

Miguel Lourenço Pereira disse...

Anónimo,

Ainda bem que o acha porque se acha comparável que uma terceira parte que nao está ligada nem ao Real nem ao Barcelona ter direito a uma comissao é o mesmo que ser directivo de um dos clubes que entram na negociaçao, e que depois cobre uma comissao por 10% da venda a mesma coisa, nao me admiro que pense que o artigo é um lixo. Tudo questoes de know-how!

Miguel Lourenço Pereira disse...

Nuno,

Eu vi uma reportagem
Nessa reportagem demonstrava-se, com provas, que um directivo de um clube com o qual negociamos e que está suspenso pela FIFA recebeu, atraves de um fundo do qual faz parte, 10% da venda futura de um jogador do seu ex-clube. Se até agora ninguém na justiça quis investigar este caso e descobrir que o tal dirigente - com quem lamentavelmente trabalhamos ha mais de 20 anos - era o dono desse fundo, é normal que nao exista ilegalidade provada. Mas parece-me evidente que, utilizando como prova a reportagem (e a info dos jornalistas) alguem o quiser fazer, o FCP nao fique muito bem na fotografia.

Eu critiquei o Barça no negócio Neymar, sou hiper-critico com os petrodolares qataris, russos, as compras de Mundiais, de clubes, etc. Já nem falo no circo montado lé em baixo. Mas esses nao sao os meus problemas porque nao sao os clubes para o qual eu contribuo, afectiva e economicamente. A minha preocupaçao exclusiva a nivel clubistico é o FC Porto. Nao vou escrever sobre galinhas.

E sim, ponho em causa tufdo aquilo que acho que está errado na gestao do FCP. Porque sou adepto, porque sou sócio, porque sofro quando perdenmos e alegro-me quando ganhamos mas sem perder o espirito critico â realidade onde o clube está agora e à imensa dificuldade que vamos ter para mudar essa dinamica!

Joaquim da Fonte disse...

Sem recursos a fundos vendemos Ricardo Carvalho por 30 milhões, Pepe por igual valor, Bosingwa por 20, Maniche por 16 milhões e a lista continua. Se não havia 5 milhões para dar pelo Lima foi porque o dinheiro do pós-gelsenkirchen foi atirado à rua... e foi mesmo.

Quanto ao antunes convém lembrar que o rapaz andou perdido pelo Paços de Ferreira até ser emprestado com opção de compra de 1 milhão de euros ao Málaga. Só falta dizer que sem fundos nem 1 milhão de euros temos para dar por um jogador.

Quanto ao Éder o treinador do rapaz era o Pedro e o clube a Académica, se ele não foi parar o fc porto foi porque não houve vontade para isso.

A equipa que apresentou foi juntar jogadores sem qualquer tipo de critério para tentar provar um ponto e isso meu caro é do mais desonesto que existe.

Seria possível formar uma excelente equipa com os jogadores que passaram ao longo destes 10 anos por Portugal. A titulo de exemplo passou por aqui um rapaz (por Penafiel) que hoje até é titular de um adversário nosso na Liga dos Campeões. É qualquer coisa Costa.

Miguel Lourenço Pereira disse...

Nuno,

Nao estamos a falar do mesmo. O Nuno fala de negócios, eu falo de imagem institucional. A imagem do FCP sofreu, como é nornal, com o Apito Dourado. Muitis dos livros que falam sobre corrupçao no futebol citam o caso como um dos mais claros de tempos recentes. Isso afecta a imagem de um clube. Pode nao afectar os negócios mas o FCP nao é uma multinacional de import/export, é um clube, com a sua história, prestigio e seguidores.

O Real tem um passivo que pode abater com 4 vendas, um crédito constante, gera mais valias de 600 milhoes de euros e gasta 40% do orçamento em salários. É outro mundo, continuam a insistir em comparar o incomporavel!

Anónimo disse...

Barracada era o Mangalla ser transferido para um clube Inglês com o passe a pertencer a vários proprietários com o O´noffre a cabeça.....Num cenário deste aconselhava todos os intervenientes a procurar novo clube....Pelo que tenho lido a Uefa questiona exastivamente a transferência e não a posse de passes de jogadores.
Por falar em transparência, Bale não foi aconselhado pelos Merengues a não falar da sua transferência?Mais da metade da transferência de Neymar não foram "luvas" igual ao Danilo (o clube vendedor -Santos- e o presidente não foram os mesmos)?

O actual modelo de négocio do ponto de vista desportivo garante vitórias ,trofeus e participações europeias de algum destaque para o orçamento que dispõem mas do ponto de vista financeiro mantem-se a mais de 10 anos numa angustiante falência técnica em que nem metade do capital social atingem.

A haver moralização no mundo do futebol no que diz respeito a transferências terá de ser para todos ,não admitindo clubes punidos como o nosso a servir de exemplo.
Não sou jurista e a questão dos 10% pertencentes ao O´noffre no máximo teria de dar explicações a CMVM mas nem isso se verificou.

Portista de Vila do Conde disse...

"Qualquer pessoa que fale de "verdadeiros portistas" nao é adepto do FCP, é cidadao da Coreia do Norte. Como está o clima por aí?"

Entendido, Caro Miguel.Lamentável, mas entendido!
Tudo de bom para si e todos os user`s deste blog .
Abraço

DC disse...

Miguel, o Hulk é um jogador que se destaca essencialmente à base do físico. Quando treinou no Vilanovense era ainda um adolescente e segundo os relatos, até com um físico abaixo do normal.
Portanto, não havia nenhum olheiro no mundo que pudesse prever uma evolução física assim. Porque tendo ele uma técnica relativamente boa, certamente que não seria por causa dela que ia impressionar olheiros de lado nenhum.
Portanto, parece-me bastante forçado estar constantemente a referir isso (já não é a primeira vez que leio). Uma coisa é descobrir um Messi a tratar a bola por tu aos 10 anos, outra coisa é prever que o Hulk ou o Mangala vão ser monstros quando eles têm 14 ou 15 anos.

Eu penso no dinheiro que sobra e verifico que provavelmente não sobra nenhum porque faltam as mais-valias que obtemos com jogadores contratados com a parceria de fundos. Se retirarmos os valores de compra e de venda desses jogadores das contas dos últimos anos, não tenho dúvidas que ficaríamos com as contas bem piores.

Miguel Lourenço Pereira disse...

DC,

Eu conheço bem o caso do Hulk porque, curiosamente, joguei no Vilanovense sensivelmente à mesma época. Estava muito longe (como era normal num adolescente) de ter o corpo que teve. Mas no Japão foi a única coisa que acrescentou ao que já tinha. Não cresceu a nível táctico nem técnico e para "ganhar músculo" podia tê-lo feito no Dragão. O scouting também é isso, prever o desenvolvimento de um jogador fisicamente, como aliás o Ferguson fez com o Ronaldo nos primeiros meses em que este esteve em Manchester, onde jogou muito pouco e treinou no ginásio muito.

E eu penso, como já foi citado abaixo, nas mais valias que foram feitas nos anos pré-fundos, assim como um 30 milhões R. Carvalho e Pepe, 20 milhões Paulo Ferreira, o caso do Cissokho e até do Postiga, Meireles, Maniche e Bruno Alves e de repente vejo dinheiro, muito dinheiro e zero fundos ao barulho. Como é, afinal?

DOURO disse...

Como vives em Espanha Ó MLP diz lá como o Madrid pagou o Bale ?!

Anónimo disse...

Não faltam CATEDRATICOS da GESTÃO DESPORTIVA por aqui!!! É só talentos...
e os verdadeiros portistas preocupados com a sucessão de PC...

Afinal com tanto talento o FCP vai conhecer o paraíso...

Anónimo disse...

Quando o homem sair - PC - campeonatos nem vê-los com uma massa adepta aburguesada e lunática e um país ferozmente centralista.

Alexandre Burmester disse...

Joaquim Lima,

A Premier League a a 2ª divisão inglesa gastam porque têm dinheiro para gastar. O problema não está em gastar, mas sim em ter meios para o fazer.

Fica assim tão surpreendido que a 2ª divisão inglesa gaste mais que a primeira brasileira? Eu não fico. A 2ª divisão inglesa é um dos sete ou oito campeonatos com maiores assistências da Europa, e o Brasil, apesar da propaganda, é ainda um país cujo PIB per capita é metade do de Portugal.

Alexandre Burmester disse...

Podemos ficar aqui a discutir este assunto eternamente - e este decerto é um daqueles artigos que vai ultrapassar a centena de comentários - mas neste ponto estou de acordo com o Platini: a posse múltipla de passes de jogadores deve ser banida. Quem tem unhas que toque guitarra.

Pedro Albuquerque disse...

Pegaram no FC Porto porque:
- Tem um jogador da Seleção A da França
- Tem um jogador da Selecção A da França com parte do passe associado a um fundo de carácter duvidoso.
- Temos uma reputação internacional no que toca a vender jogadores a preços altos
- Porque estamos com regularidade nos 1/8 de final da Liga dos Campeões.

Não é porque temos R&C transparentes na CMVM.

Pedro Albuquerque disse...

Para o Mangala ser transferido para o Inglaterra o passe tinha que estar na totalidade no FC Porto.

Duarte disse...

"Se não havia 5 milhões para dar pelo Lima foi porque o dinheiro do pós-gelsenkirchen foi atirado à rua... e foi mesmo."

Então não foi! Tanto que depois disso ganhamos 7 campeonatos em 9 possíveis e ainda deu para trazer mais uma Taça UEFA e uma Intercontinental para as vitrinas.

"A titulo de exemplo passou por aqui um rapaz (por Penafiel) que hoje até é titular de um adversário nosso na Liga dos Campeões. É qualquer coisa Costa."

É o Diego Costa, que o Jesualdo pediu, que o Porto quis e que o Braga não deixou sair por um preço condizente com o de um jogador do Penafiel (que na altura, ainda por cima, estava na segunda liga). E resta acrescentar também que o Diego Costa andou emprestado ao Albacete, ao Rayo Vallecano, ao Valladolid e ao Celta de Vigo até se afirmar finalmente no Atlético de Madrid.

Bluesky disse...

Como disse Lou Reed; este mundo é um jardim zoológico onde eu e tu estamos no lado errado da jaula!!!!

Filipe Sousa disse...

O MLP conseguiu escrever um artigo completo, sobre um tema melindroso, sem nunca recorrer ao argumento fácil e óbvio: "os outros também fazem". A julgar pela maioria dos comentários aqui publicados, aqueles que discordam do MLP, ainda têm muito, muito para aprender...

Daniel Gonçalves disse...

Miguel Lourenço Pereira disse às 15:01
"Quanto a falar de que o Real Madrid, um clube que gera, ao ano 500 a 600 milhoe de lucro em x coisas, comparando-o com o FCP é sair da esfera da discussao..."
e às 15:17 "Quanto aos 100 milhoes de euros do Bale (...) foram pagos por um clube que gera 600 milhoes de mais valias ..."

Miguel ainda que digas às 15:18 que o valor pago pelo Bale é imoral, com as tuas afirmações anteriores revelas um pensamento com uma dualidade de critérios, ou seja um Real Madrid ou outro gigante do futebol europeu pode funcionar e trabalhar com fundos, mas para um clube como o FC Porto (ou outro do mesmo nível) já é eticamente reprovável.
Se for superior a X valor não é imoral funcionar com fundos? Com Y valor nas vendas já é imoral? Se o FC Porto tivesse 600 ou 700 M €, como o Real Madrid, de mais valias e lucros não era imoral e já se podia comparar? Estas são as minhas deduções - que até podem ser grosseiras e erradas - das tuas palavras.

Anónimo disse...

A envidia é uma coisa terrivel...O Porto é criticado só e apenas por uma razao é um oasis num país de pigmeus.
Num tempo de depressao severa a nivel económico como é que um clube de um país pigmeu consegue ombrear, sim ombrear em diversos aspetos com os tubaroes?
É o unico , pelo menos no país pigmeu, que alia performances desportivas com resultados economicos mais que satisfatórios.
Isto meus amigos é que os deixa loucos.mai nada.

Sérgio disse...

Gostaria que o FCP não tivesse a colaboração de qualquer fundo, mas compreendo-a, como explicarei adiante. Gostaria ainda mais que não tivesse qualquer colaboração com fundos de origem duvidosa. O problema reside aí. Há fundos perfeitamente legítimos e outros que só servem para branquear dinheiro. Aí é que tem de existir moralidade e, sobretudo, regulação, mas para todos! Ao FCPorto compete receber o dinheiro, valorizar o jogador e, assim, gerar mais valias, para si e para os investidores, não lhe compete regular nem legislar nesse sentido. E se a FIFA e a UEFA não o fazem é porque alguns senhores responsáveis por essas entidades, International Board incluído, têm razões (quiçá pessoais ) para não o fazerem. Assim como deveria existir regulação nos clubes cujos proprietários também estão ligados a negócios e a fortunas de origem duvidosa (ou conhecida) mas que, também, cuja moralidade é diminuta. Obviamente que gostava de ver o FCP a jogar com 11 jogadores formados na formação e concordo que, a médio prazo, seja possível e quase obrigatório ter muitos jogadores da casa no plantel. Daí o projecto Dragon Force e o constante investimento na formação. Esta cedência actual aos fundos, na minha opinião, é provisória e visa somente a manutenção da competitividade a nível internacional neste período de crise económica mundial, de transição, para o que aí vem com Fair-Plays financeiros e etc que, no fundo, são ainda uma grande incógnita mas, para a qual o clube se estará a preparar, espero e acredito eu. Não temos talento na formação, nem financiamento da banca para manter a competitividade, sem os fundos, neste período. O que o FCPorto fez foi adaptar-se às regras que os mais poderosos criaram para, assim, ganhar tempo para fazer o que o Sr., eu e muitos mais aspiram. Uma equipa competitiva a nível internacional, com base na formação e no mercado nacional e com um ou outro investimento num jogador estrangeiro que faça mesmo a diferença. Isso leva tempo, não se pode construir uma casa pelo telhado!

Cumprimentos,

Anónimo disse...

Boa noite, antes de mais leio sempre com atenção os artigos publicados pelo Miguel Lourenço Pereira. Uma veze concordando outras nem tanto. Neste caso tenho que discordar do enquadramento. Isto porque os dados e repartições do passe são mais do que conhecidos e comunicados à CMVM.
Ou seja, também temos que ser criticados por termos as compras de passe bem detalhadas? Se não se gosta do agente em causa, é uma coisa, mas daí a por em causa a legalidade do negócio, vai uma grande diferença.
Não conheço o canal em causa, mas já agora pergunto se fizeram alguma reportagem sobre o fair lay financeiro do PSG e Mónaco, ou a origem das fortunas de cada um desses proprietários...

Pedro M.

Daniel Gonçalves disse...

Numa situação ideal não trabalharíamos com os fundos e os agentes, mas não foi o FC Porto que criou este mundo nem esta realidade, portanto para sobreviver temos de nos adaptar. Aos grandes/gigantes do futebol europeu não interessa que clubes como o FC POrto trabalhem com fundos, porque não querem concorrência, e nós só desta forma podemos ter a possibilidade de aguentar na Champions.

A moral não é para aqui chamada, e não confundir justiça com moral. Um sujeito, que eu reconheço ter sido um facínora e um sanguinário, afirmou em pleno século XX: "quando ouço a palavra cultura saco do meu revólver", espero que, no século XXI, não cheguemos ao ponto de dizer "quando ouço a palavra moral, saco do meu revólver".

João disse...

O MLP já disse tudo. Enquanto se for ganhando "são os fundos que trazem os craques", está tudo impecável, nada para ver aqui, andamento. Já não deve faltar muito para a sugestão imbecil que concorra à administração da SAD.

E os viscondes aqui tão perto.. Competir com o Real, Barcelona e Bayern não sei, nem essa é a ideia. Sei que contra a equipa de vedetas que da época passada, espetavam 3 ou 4 batatinhas e está já muito dito.

José Correia disse...

Conforme era de prever, a diferença de opiniões acerca deste assunto motivou uma discussão bastante acalorada na caixa de comentários. Nesta altura já são 104 comentários e imagino que a coisa não vá ficar por aqui.

Já agora, independentemente da opinião que cada um de nós tem acerca disto, há uma coisa que eu gostava de salientar: nunca vi em blogues benfiquistas ou sportinguistas um dos coautores publicar um artigo deste cariz, questionando de forma incisiva comportamentos do próprio clube, mas depois possibilitando na caixa de comentários uma discussão completamente aberta a todas as opiniões.

José Correia disse...

O pano de fundo deste artigo é a questão dos Fundos e dos Empresários (Agentes FIFA) nas negociações que envolvem jogadores.

Não é a primeira vez que o Miguel Lourenço Pereira aborda este assunto, quer em artigos, quer em comentários e, tal como já tive oportunidade de dizer das outras vezes, não partilho da visão do Miguel em relação aos Fundos, ou outras terceiras Partes, com quem a FCP SAD tem negociado e partilhado percentagens de passes de jogadores.

Relativamente a este caso, a única questão nova é a cedência de 10% dos direitos económicos do Mangala a uma terceira Parte, sem que se perceba porquê.
Mas o facto de uma determinada operação não ser perceptível, não significa que essa operação seja ilegal, nem a transforma, à partida, em algo altamente suspeito. Aliás, foi a própria FCP SAD que a comunicou à CMVM.

Miguel Lourenço Pereira disse...

São Daniel,

Eu acho imoral pagar 100 milhões por um jogador (e ridiculo no caso do Bale que, claramente, não os vale...mas esse é problema dos adeptos do Madrid). Acho que devia existir um mecanismo que controle os gastos no futebol.

No entanto, enquanto o FCP recorre a fundos quando precisa de encontrar cashflow, o Real Madrid gera dinheiro suficiente para poder permitir-se esta idiotez. Gasta 40% do orçamento em salários, está ao dia nos pagamentos de impostos (ao contrário de muitos clubes espanhóis), é o clube mais rico do Mundo segundo a Forbes, e fez um lucro anual á volta dos 500 milhões de euros. O Real não trabalha com Fundos. Trabalha com o dinheiro que gera. É o mesmo em relação ao FCP (se não utilizasse os fundos) com os Paços da nossa liga.

O FC Porto não. Como diz o meu amigo Alexandre num comentário por aqui, quem tem unhas toca guitarra. Eu tenho assumido que não podemos competir com esses argumentos financeiros. Mas não são os fundos que resolvem esse problema porque, se tivermos de jogar com o Barça, Real, Bayern e afins, provavelmente vamos perder da mesma forma. E como disse antes, creio que seria possível ter um plantel competitivo, para a nossa realidade e orçamento, sem recorrer a eles.

Consegui explicar-me bem?

Miguel Lourenço Pereira disse...

Anónimo,

Acha, sinceramente, que uma televisão francesa gasta tempo e dinheiro para fazer esta reportagem porque tem inveja do FCP?

A sério?

Miguel Lourenço Pereira disse...

Pedro,

Não é um problema de se se gosta do agente a ou b.
O agente em causa está PROIBIDO pela FIFA de fazer negócios. Não tem a licença obrigatória da FIFA para ser agente. Então, como director desportivo do S. Liege, vendeu um jogador e depois como particular - mas mantendo-se no cargo no clube - recebeu 10% da futura venda do jogador através de um fundo que é seu.

Ou seja, recebeu eventualmente uma comissão por um serviço que não pode prestar (e o FCP sabe-o porque a sua proibição é pública) e ás costas do clube para o qual trabalha.

Isto é como se o Pedro trabalha numa empresa e vai negociar com um provedor. O provedor assina contrato com a sua empresa e o negócio corre bem. Mas depois, um pouco mais à frente, decide compensá-lo a si directamente por fora por ter garantido que o negócio tenha corrido bem, sem que a sua empresa soubesse. A isso o que chamamos todos?

Miguel Lourenço Pereira disse...

São debates como este - independentemente do posicionamento - que dão mais sentido ao nome do espaço.

Uma reflexão necessária ainda que a maioria dos comentários sejam claramente favoráveis a seguir (nem que seja por pragmatismo) a política actual!

Miguel Lourenço Pereira disse...

"Mas o facto de uma determinada operação não ser perceptível, não significa que essa operação seja ilegal, nem a transforma, à partida, em algo altamente suspeito. Aliás, foi a própria FCP SAD que a comunicou à CMVM."

Exactamente. Por um pequeno detalhe.
Em ninguém momento se soube (ou se investigou, imagino, pela CMVM...como também não se investigaram negócios muito mais sujos a sul) que esse fundo em concreto pertencia ao D´Onofrio. Assumiu-se que era um Fundo - com o seu testa de ferro - e já está. O problema real está na informação dada pela reportagem da France2 que confirma, através do próprio, que o Fundo é seu. O que nos dá uma perspectiva totalmente diferente do caso.

Se eu não tivesse visto a reportagem não saberia que o Fundo é do D´Onofrio e pensaria que é apenas mais um caso de muitos de venda de percentagem a um fundo. Mas sabendo que é dele, o caso muda ligeiramente de figura!

Joao Goncalves disse...

Oh Joaquim... será que poderia-se formar uma equipa para lutar com Internacionais Argentinos, Brasileiros e agora toneladas de Sérvios mas Internacionais, que o benfica tem?

Se já assim, com as nossas potencias, é o que deus sabe e só os passamos por incompetência deles, fará se tivéssemos uma equipa formada com jogadores de 200m Euros... Havia de ser bonito a terminarmos constantemente a mais de 20 pontos do 1º lugar.

No nosso mundo existe uma regra... ou actualizas-te ou morrer... se o Porto não se tivesse actualizado estava morto competitivamente falando e se acabarem os fundos o Porto fará parte da próxima solucção que irá ser encontrada.

Anónimo disse...

Não haja dúvidas que a conquista da Liga dos Campeões em 2004 ficou atravessada na garganta de muita gente.
Pensava que isso apenas acontecia cá no nosso cantinho "à beira mar plantado", mas afinal essa "espinha" também incomodou outras gentes.

Já que os "chauvinistas" estão assim tanto preocupados com as nossas contratações, o que terão a dizer acerca do actual PSG?

Do que se passa em alguns clubes das terras de Sua Majestade nem vale a pena falar-se.

Joao Goncalves disse...

Miguel,

O Porto não descia ao nível do Paços, como é óbvio e o que disse foi uma figura de expressão, contudo não estaríamos ao nível do benfica de maneira nenhuma, se o nosso modelo não fosse o que é.

Onde temos tido as nossas maiores valias desportivas, são neste tipo de jogadores e é com a ajuda dos fundos que tivemos no Porto as nossas maiores estrelas que nos deram campeonatos.

Não tenho dúvida absolutamente nenhuma que é por sermos os 1º sempre a ver as oportunidades negocias, como esta questão dos fundos ou as parcerias de passes com empresários/jogadores, ou a % divididas com os clubes vendedores, que ganhamos mais vezes que os outros.

Temos estado à frente das engenharias financeiras e é isso que nos tem colocado no patamar em que estamos.

DC disse...

Como é Miguel, é com um Mourinho e um Deco. Se souber de outros por aí baratinhos avise por favor.
Um raio não cai duas vezes no mesmo sítio e um técnico capaz de ganhar a Champions com o Porto não aparece duas vezes numa geração.
Todas essas mais valias estão associadas a essa conquista ou acha que venderíamos o Paulo por mais de 10 milhões sem o Mourinho?

DC disse...

O Diego Costa não veio porque não houve dinheiro para o convencer. Sem os fundos ainda haveria menos. Qual é o ponto que tenta provar mesmo?
Que o Atlético de Madrid tem muito mais poder financeiro que nós, mesmo andando sempre meio perto da falência?

Já agora, o Maniche foi vendido para a Rússia com muito empresário metido ao meio portanto se era para ser totalmente "ético" vamos excluir esse negócio. E já agora que tal excluir também os negócios em que tivemos que pagar altas comissões ao Jorge Mendes? Olha, lá se vai o Carvalho, o Ferreira e o Pepe. Ficávamos sem vendas nao era?

JOSE LIMA disse...

Caros amigos
Conhecia vagamente estas “suspeitas” relacionadas com a aquisição dos nossos atletas Mangala e Défour, mas não lhes prestei grande atenção. No entanto fui verificar ao RC consolidado da época 2011/2012 (1 de Julho de 2011 a 30 de Junho de 2012) e os elementos que lá constam (pág. 57) e que são os únicos que interessam (o resto é um exercício de adivinhação) são os seguintes:
DÉFOUR - Direitos económicos 90%; Data de aquisição Ago-11; Vendedor: Standard de Liége; Final do contrato: Jun-16; Valor aquisição passe: 6.000.000; Prémio assinatura: 870.339; Encargos adicionais: 1.850.339; Valor total aquisição passe: 7.850.339
MANGALA – Direitos económicos 90%; Data de aquisição Ago-11; Vendedor: Standard de Liége; Final do contrato Jun-16; Valor aquisição passe 6.500.000; Prémio assinatura 000; Encargos adicionais 1.020.000; Valor total aquisição passe 7.520.000
Segundo o Regulamento de transferências da UEFA estão lá TODOS os elementos obrigatórios: Percentagem dos direitos detidos, Data, Vendedor, Prazo, Valor aquisição e Encargos.
Sendo a rubrica “Encargos adicionais” (sub-conta Aquisições, da Conta Activos Intangíveis – Valor do Plantel) referente a gastos relacionados com as aquisições de direitos económicos, nomeadamente, encargos com serviços de intermediação, serviços legais, prémios de assinatura de contrato, etc., não consigo vislumbrar onde estas aquisições sejam diferentes de quaisquer outras, do nosso ou de outros clubes, excepto claro, no nome das partes envolvidas. Vejam, no mesmo RC, as de Danilo, Kléber, e Janko, se não são igualzinhas, quanto às rubricas, ali representadas!
Como complemento posso dizer que a UEFA investigou em finais do ano passado, estas transferências, tendo o nosso clube dado as informações solicitadas, fornecendo ainda a identidade do possuidor dos restantes 10% dos direitos económicos (Robi Plus Ltd).
No desenvolvimento Miguel Lourenço Pereira, do qual sigo religiosamente os seus artigos, afirma:
“… Doyen Group um fundo que ninguém sabe de quem é” e “que se dedica a tudo menos ao futebol…”
Pergunto: O autor do artigo saberá de quem é o Benfica Star’s Fund? Não me venha dizer que é da "ESAF – Espírito Santo Fundos de Investimento Mobiliário S.A.". Esse é o gestor. Refiro-me aos donos, os investidores, os accionistas. Como será do seu conhecimento o Fundo foi criado com um capital inicial de 40M€ e sabemos vagamente que o clube da treta tem lá 15% naquela situação punida pelo Código das Sociedades Comerciais, faz negócio consigo próprio, (tira dum bolso e põe no outro), a Isabelinha também anda por lá, o Berardo do Museu, e o Jorge Mendes, claro. Quem são os outros? Seguindo o seu raciocínio pergunto: o que é que um fundo de um Banco (seja lá ele qual for) tem a ver com o Futebol, além de, neste caso, emprestar dinheiro à “instituição”?
É engraçado que quanto o nosso clube coloca jogadores nos Fundos, chamam-lhe: “dar”. Quanto é o clube da treta, chamam-lhe “encaixar”!
Resumindo e concluindo: nada de ilegal foi encontrado, bem pode a France2 continuar a divertir-se com estas minudências, próprias do Correio Manhoso ou dos Donos da Bola. A cena do jornalista a correr com um boneco de cartão é de ir às lágrimas. Para ser igual ao Nuno Luz só faltou levar com o saco do mijo em cima.
Abraço

Anónimo disse...

MLP que leia o artigo de Manuel Martins Sá na Bola "Em Espanha, tarda a justiça fiscal"...

Anónimo disse...

O Miguel L Pereira em Espanha só deve trabalhar com "anjinhos" num limbo qualquer, teve muita sorte...

Em que mundo vive?!

Mais do que respostas é a pergunta certa.

Anónimo disse...

Se calhar o mundo é pequeno e nada é verdadeiramente por acaso mesmo o que parece pouco provável...

Anónimo disse...

Acho curioso falarem no Real Madrid como exemplo quando este clube teve terrenos oferecidos no valord de 400 milhes de euros para impedir a bancarrota.
o q me parece é q o autor do post quer sol na eira e chuva no nabal.
Num contexto com lei Bosman, oligarcas e gigantes favorecidos com benesses públicas, o FCP teria de abdicar de usar as armas legais ao seu dispor e fazer o papel romântico de com a rapaziada cá do sítio fazer uma equipa q ganhasse ainda mais q as do sec.XXI e que esperasse q na fortuna de ter uma equipa vencedora está não fosse toda vendida num ano, obrigando segundo o seu modelo a ter de esperar 5 a 10 anos para com sorte repetir a façanha.
O q a direcção do Porto fez, após a excepcionalidade de 2004 foi perceber q dentro de portas e por muita formação e bom scouting interno q tivesse não havia matéria prima suficiente em curto espaço de tempo para repetir a façanha. Por esse motivo alargou a prospecção fora de portas, ,focada em jogadores q façam a diferença, o que obriga a mais capital e auxílio de financiadores q paetilhem o risco .
Dizer q este modelito não tem funcionado e q me parece risivel.
Há agora , não acha q o Real Madrid, pelos resultados q tem tido deveria apostar na formação tipo quinta del buitre e esquecer galacticos?
O maior legado de PC é acreditar que o céu é o limite e q não nos devemos deixar estar no lugar que os outros mais fortes acham q é o nosso destino

Miguel Lourenço Pereira disse...

Anónimo,

Se me fizer chegar leio com todo o gosto. Mas pelo título não me parece que seja fundamental. Espanha é um país com uma justiça fiscal penosa e tenho-o dito recorrentemente. Para citar um exemplo apenas, os nossos rivais da Champions ainda não pagaram o 100% do Forlan ao Villareal, um negócio que tem quase sete anos!

Anónimo disse...

Um negócio faz-se quando há um encontro de vontades. Se os intervenientes entendem que esse negócio é correcto, se todas as partes lucram com o negócio, se nenhum acto ilegal é cometido, eu pergunto: que raio têm os outros a ver com isso? Eu não me meto nos negócios do meu vizinho, por isso custa-me a perceber que os outros se metam nos meus! O S. Liége perdeu ou ganhou com o negócio Mangala? O Mangala perdeu ou ganhou com a transferência para o FCP? O FCP tem perdido ou tem ganho com a vinda do Mangala? Os adeptos do FCP têm perdido ou ganho com Mangala vestido de azul e branco? Os agentes perderam ou ganharam com o negócio? A mim parece-me que todos têm ganho!!! Quando assim é acho que se pode dizer que foi um bom negócio para todos. Claro que uns lucram mais que os outros, mas isso depende do seu valor e contributo para o negócio! Se nada de ilegal foi cometido, fica muito difícil fazer recriminações morais, pelo menos para mim que sempre tive aversão a moralismos e a moralistas!!!!

LIMPADOR

Bardock99 disse...

Nao concordo em nada com a reflexao, se hoje em dia o Futebol é um NEGOCIO de Bilioes, é normal e aceitavel que fundos/capitais privados/agentes de jogadores tenham um maior interesse na compra/venda dos jogadores.

O Clube em vez de pedir ajuda financeira aos bancos, que se a dessem era só emprestimo de dinheiro para depois cobrar juros altissimos, tem a colaboraçao de fundos que partilham o passe e que depois têm o interesse em que o jogador se valorize. Além disso o fundo tem uma rede de contatos no Futebol que te aproxima mais de uma venda mais rentavel do que aquela se nao fosse atraves do fundo. Mais, caso aconteça alguma coisa ao jogador (n problemas) o fundo se nao tiver nenhuma clausula que obrigue o Clube a comprar a si a % que detem do jogador (como no caso dos lampioes) no final poderá perder parte do seu investimento.

È uma situaçao win-lose-win para clubes que nao conseguem gerar riqueza suficiente e que querem competir ao mais alto nivel.

Nesta era Moderna, a ideia de acabar com fundos / capitais privados / agentes de jogadores é uma Utopia pois é atraves deles que entraram muitos mais MILHOEs para este Negocio que alimenta muitas bocas ... e quem é alimentado nao quer parar de comer!

Douro disse...

Parabéns ao José Lima e ao Bardock99 pelos comentários oportunos.

Douro disse...


Anónimo17 de Setembro de 2013 às 01:11

Acho curioso falarem no Real Madrid como exemplo quando este clube teve terrenos oferecidos no valord de 400 milhes de euros para impedir a bancarrota.
o q me parece é q o autor do post quer sol na eira e chuva no nabal.
Num contexto com lei Bosman, oligarcas e gigantes favorecidos com benesses públicas, o FCP teria de abdicar de usar as armas legais ao seu dispor e fazer o papel romântico de com a rapaziada cá do sítio fazer uma equipa q ganhasse ainda mais q as do sec.XXI e que esperasse q na fortuna de ter uma equipa vencedora está não fosse toda vendida num ano, obrigando segundo o seu modelo a ter de esperar 5 a 10 anos para com sorte repetir a façanha.
O q a direcção do Porto fez, após a excepcionalidade de 2004 foi perceber q dentro de portas e por muita formação e bom scouting interno q tivesse não havia matéria prima suficiente em curto espaço de tempo para repetir a façanha. Por esse motivo alargou a prospecção fora de portas, ,focada em jogadores q façam a diferença, o que obriga a mais capital e auxílio de financiadores q paetilhem o risco .
Dizer q este modelito não tem funcionado e q me parece risivel.
Há agora , não acha q o Real Madrid, pelos resultados q tem tido deveria apostar na formação tipo quinta del buitre e esquecer galacticos?
O maior legado de PC é acreditar que o céu é o limite e q não nos devemos deixar estar no lugar que os outros mais fortes acham q é o nosso destino
Responder


Anónimo17 de Setembro de 2013 às 02:15

Um negócio faz-se quando há um encontro de vontades. Se os intervenientes entendem que esse negócio é correcto, se todas as partes lucram com o negócio, se nenhum acto ilegal é cometido, eu pergunto: que raio têm os outros a ver com isso? Eu não me meto nos negócios do meu vizinho, por isso custa-me a perceber que os outros se metam nos meus! O S. Liége perdeu ou ganhou com o negócio Mangala? O Mangala perdeu ou ganhou com a transferência para o FCP? O FCP tem perdido ou tem ganho com a vinda do Mangala? Os adeptos do FCP têm perdido ou ganho com Mangala vestido de azul e branco? Os agentes perderam ou ganharam com o negócio? A mim parece-me que todos têm ganho!!! Quando assim é acho que se pode dizer que foi um bom negócio para todos. Claro que uns lucram mais que os outros, mas isso depende do seu valor e contributo para o negócio! Se nada de ilegal foi cometido, fica muito difícil fazer recriminações morais, pelo menos para mim que sempre tive aversão a moralismos e a moralistas!!!!

LIMPADOR
-----

Que EXCELENTES COMENTARIOS!!!

Anónimo disse...

Entendo esse ponto de vista, no entanto podemos "premiar" como queiramos quem foi nosso interlocutor num serviço prestado. Está bom de ver que é negócio não totalmente limpo, mas o que me choca é que se tenta diabolizar um assunto, que são as percentagens de passes dos jogadores, quando no futebol actual existem muitos, mas muitos mais problemas do que esse.
De qualquer das formas, agradeço a resposta.

Pedro M.

Anónimo disse...

Parabéns ao Miguel Lourenço Pereira por mais um artigo provocador, introspectivo.

Miguel, é normal que o pessoal se assuste. Gostam que a sua equipa ganhe e provavelmente acreditam que se alguma coisa mudar isso deixa de acontecer. Superstição pura.

Negócios com fundos manhosos? Não obrigado. Diamantes de sangue? Não obrigado. Claro que há quem não se importe desde que tenha o diamante no fim a um bom preço, mas não é para mim.

O problema aqui é que o Miguel nem precisou de puxar por toda a sua criatividade para escolher o tema dado que se tratou de uma reacção a algo que estava a ser falado lá fora. Quem quiser enterrar a cabeça na areia está à vontade, mas não acho que a administração esteja em posição de poder fazer isso.

Por fim, quero deixar o meu repudio por expressões como: "Nosso Grande Presidente" ou "Verdadeiros Portistas". Parece efetivamente algo retirado do manual "Como ser uma ovelha num rebanho" publicado numa Coreia do Norte.

Joaquim da Fonte disse...

DC

O ponto que eu tento provar é que por este país e por muitos outros passam jogadores com muito potencial que ao fc porto só cabe descobrir cedo, potenciar e vender para destinos que paguem bem tanto ao jogador como ao clube. O que se passa actualmente é que despejamos 16 milhões num lateral direito vindo do Brasil que já era conhecido por toda a gente e olhamos para o lado e vemos o Lewandowski (esse mesmo) a ir para o Dortmund por 4,5 milhões de euros. O Hulk andou a treinar a 10 minutos do estádio do Dragão e ninguém quis saber dele. O lima andou anos e anos desterrado no Braga com uma cláusula baixa e os escolhidos foram o gordinho Walter e o cepo Kléber.

E desengane-se se acha que o meu problema são os agentes FIFA. Os agentes fazem o papel para o qual estão mandatados e até acho justo que recebam compensação adequada pelo trabalho que desempenharam (quando escrevo remuneração justa não estou a considerar 3 milhões de euros em comissões, 20% do montante total do negócio Danilo, como uma remuneração justa) . Algo completamente diferente é o que tem vindo a suceder com os fundos. O fc porto contrata jogadores, vende percentagens dos passes, compra mais tarde essas percentagens de passes por valores inflacionados (a titulo de exemplo os 33% do passe do Mangala custariam entre 8 a 14 milhões de euros) e com isso tudo conseguimos manter a competitividade, é certo, mas também continuamos a ter passivo e nos últimos tempos até prejuízos. Esta política de andar sempre nas mãos dos fundos é o princípio da casa de penhores e um dia vai rebentar, tal como rebentou a república.

Joaquim da Fonte disse...

João

Por acaso o fc porto até começou a temporada com dois jogadores, portugueses, contratados ao Estoril e ao Paços de Ferreira e que não eram internacionais até há poucos dias. Portanto alguém na administração está manifestamente em desacordo consigo.

Enquanto nós andávamos a rebentar 13 (16) milhões num jogador chamado Danilo, mais para o centro da Europa o Dortmund estava a contratar o Robert Lewandowski por 4,5 (?!) milhões de euros. No futebol é possível fazer mais com menos recursos mas para isso e preciso apostar na formação, no talento precoce, apostarem na antecipação, não é esperar que os rapazes ganhem competições internacionais para depois os irem buscar. A titulo de exemplo, garanto-lhe que jogadores como o Alex Sandro, o Danilo, o Bernard (este não veio) teriam sido mais baratos se tivessem sido abordados na altura certa que é o mesmo que dizer muitos meses antes do Santos e do Atlético Mineiro vencerem a copa libertadores. Quem diz para os brasileiros diz para os mexicanos que alguém descobriu quando os viu jogar nos jogos olímpicos, torneio que o México acabou por vencer.

Eu espero que esta actualização não faça com que o fc porto fique nas mãos dos fundos para comer... se é que já não está.

DC disse...

Joaquim, já pensou que se não fossem os empresários e as altas comissões que o Porto está obrigado (sim, obrigado porque sem o Jorge Mendes alguém acredita que o Moutinho e o James estivessem onde estão?) a pagar, o Porto nem precisava de fundos para nada?
O dinheiro que o Porto vai buscar aos fundos é praticamente o que deixa nas mãos dos empresários.

É o mundo do futebol. Claro que agora é fácil dizer que o Hulk, o Lima e outros que tal estavam aqui ao lado. Depois das coisas acontecerem é tudo muito fácil. Era tão fácil ir buscar um puto baixinho argentino a Rosário, era tão fácil ir buscar um puto magrito à Madeira...
Agora deixemo-nos do que era tão fácil e foquemo-nos no que é real! Sem os sul-americanos seríamos uma equipa banal, ponto! Não há sequer hipótese de discussão sobre isso. E se, hoje em dia, não se vão buscar jogadores de qualidade, a mercado nenhum, por uns trocos, temos que jogar com as leis do jogo. E as leis do jogo incluem empresários, fundos, magnatas do petróleo e tudo o mais.

Não gostam? Têm 2 hipóteses: ou apoiar uma equipa das distritais ou ver jogos dos anos 90. É que na 1ª liga portuguesa, até o Arouca deve ter negócios com empresários e fundos.

DC disse...

" o Danilo, o Bernard (este não veio) teriam sido mais baratos se tivessem sido abordados na altura certa que é o mesmo que dizer muitos meses antes do Santos e do Atlético Mineiro vencerem a copa libertadores"

E desculpe Joaquim, mas esta afirmação demonstra uma ingenuidade brutal. Você sabe que não é só o Porto que anda neste jogo não sabe? É que se sabe, devia saber que tanto o Santos como o Atlético, cientes das possibilidades de ganhar essa competição, rejeitaram negociar esses jogadores antes do final da competição. Sabe que não é só o Porto chegar lá e dizer "eu quero, eu posso, eu mando".

Da mesma forma essa história do Lewandowski é engraçada. Tem noção do investimento que implicava ao Porto ter olheiros na Polónia? E para quE? para ir buscar um jogador de qualidade de 10 em 10 anos? Quer comparar o Dortmund, que é vizinho dos polacos, ao Porto? Porque não foi o Dortmund buscar o Jackson e o James quando eram baratos em vez de se ter mostrado interessado quando já valiam 30 milhões? Acha que um clube pode estar presente em todos os mercados mundiais?

O Porto é dos clubes com uma observação mais eficiente na América do Sul, não o é na Europa. E se calhar não é na Europa porque o mercado é mais caro e com menos talentos. E se o Porto andasse a disputar talentos europeus com Dortmund, Juventus ou outros que tal, ia falhar os alvos todos.

É preciso ter noção das coisas. Falam como se o mundo fosse uma provincia e fosse só mandar um olheiro dar uma corrida para observar todos os bons jogadores no mundo.

Joaquim da Fonte disse...

DC

O preço de ter um olheiro na Polónia é o mesmo de ter um olheiro no Japão, os 750€ mês da subscrição da Wyscout.
Sabe porque razão o Dortmund não foi buscar o James e o Jackson quando eles ainda eram baratos? Primeiro porque têm limitação de extracomunitários (coisa que deixou de acontecer em Portugal), segundo porque provavelmente já conhecem todo o mundo paralelo que existe por detrás da contratação de um jogador sul-americano, terceiro porque apostam verdadeiramente na formação e quarto porque olham com desconfiança para jogadores que vêm directamente de campeonatos pouco competitivos como os Sul-americanos.

Essa de que não existem jogadores bons na europa e são todos caros é uma falácia. O Walter custou 6 milhões de euros na América do Sul e o Lewandowski e o Lima custaram 4,5 na Europa. O Danilo custou 16 milhões na América do Sul e não me lembro de nenhum lateral direito europeu que tenha custado próximo desse valor.

O nicho de mercado do fc porto tem que ser a antecipação em mercados baratos (leste europeu, áfrica, venezuela, Colômbia, etc). Quando diz que o Fc Porto tem uma observação eficiente na América do Sul não é curioso que o Quintero tenha que ter vindo para Europa para ser contratado pelo fc porto? Curioso não é?

O mundo é uma província devido aos meios existentes que permitem com meia dúzia de cliques permitem assistir a dezenas de horas de jogo de jogadores em todas as partes do mundo sem que se pague mais do que a mensalidade do serviço. Só é preciso é vontade e competência para gastar tempo a observar jogadores ao invés de esperar que eles nos sejam sugeridos por empresários, fundos, BMG's, etc.

Nuno de Campos disse...

Nada de ilegal foi encontrado, mas quando um negócio se faz com uma empresa off-shore, isso acontece porque se quer encobrir a identidade dos intervenientes, fugir ao fisco ou lavar dinheiro. Ninguém gasta centenas de milhar a criar uma cadeia de empresas off-shore se não tiver um motivo muito escuso para esconder, como por exemplo estarem os mesmos indivíduos dos dois lados do negócio - a comprar e a vender - prejudicando as entidades envolvidas para proveito próprio.

Eu vou muito mais além do que o MLP defendendo que as empresas off-shore e os paraísos fiscais deviam acabar, e mais tarde ou mais cedo acabam. Sem essa forma de encobrir a verdadeira dimensão e as implicações dos negócios com fundos deixasse de existir, ou estes negócios se deixavam de fazer ou se tornavam completamente transparentes.

Fala-se muito nas comissões na altura da vendas de jogadores e das operações com fundos durante os contratos, mas no caso do nosso clube - porque o que fazem os outros não me interessa minimamente - preocupa-me também que quando se compra um jovem jogador, o seu passe já esteja nessa altura parcialmente no poder de fundos de investimento. Alguém que se quer manter anónimo ganha dinheiro quando o nosso clube compra.

Miguel Lourenço Pereira disse...

João,

Uma vez mais, repito, não acredito nessa teoria.
O FC Porto seria igualmente competitivo lá fora e dominador cá dentro se em vez dos Fundos optasse por uma política desportiva diferente que poderia levar a perder um par de jogadores que podiam perfeitamente ser compensados por outros de menor custo e sem necessidade de revender percentagens a posteriori!

Miguel Lourenço Pereira disse...

DC,

Sem o Mourinho vendemos o Meireles, vendemos o Maniche, vendemos o Pepe, vendemos o Anderson, vendemos o Raul, vendemos o Bruno...pff

O Mourinho comprou 2 jogadores ao FCP. A soma do investimento do Mourinho no FC Porto é proporcional à do Pepe-Anderson.

Miguel Lourenço Pereira disse...

DC,

Os teus comentários, mesmo sem estar de acordo, possuem sempre uma dose de realismo ou hiper-pragmatismo. Mas é falso dizer que na Europa nao existe qualidade e negocios mais acessiveis do que na Europa.

Posso fazer-te uma lista - ou entao podes ver qualquer lista online das movimentaçoes dos clubes europeus, mesmo ao nivel do FCP para excluir outros - e vez "n" jogadores de qualidade por valores muito inferiores ao que pagamos.

Hºa oito anos a America do Sul era a nossa coutada e de poucos mais. O Brasil nao era uma potencia mundial, os jogadores vinham baratos e vendiam-se bem. Hoje passa o oposto. As vendas mais caras (Neymar, Lucas, Oscar, Bernard, Danilo, Paulinho e afins) chegam todas do Brasil. Ninguém teve dinheiro para o Damião, por exemplo. Os seus equivalentes europeus (belgas, nórdicos, da europa central e de leste) tornaram-se muito mais atraentes para quem nao tem dinheiro e o FCP preferiu manter-se na América mas mudar-se para o México e a Colombia, mas só em casos pontuais e com jogadores que, salvo o Jackson e desculpa, qualquer olheiro europeu ja conhecia.

A diferença é que na Europa ninguém vai pagar o que nós pagamos pelo Reyes, Herrera e companhia porque há europeus a preço mais acessivel.
É possivel sobreviver sem os sul-americanos, a questão é querer e saber como!

Miguel Lourenço Pereira disse...

Pedro,

Se essa pessoa está sob contrato do clube a quem se contratou o jogador e recebe por fora, não, não podemos premiar como queiramos o interlocutor. Não se não queremos ser acusado de ter subornado o interlocutor para facilitar o negócio que PODE - repito, PODE - ter sido o que sucedeu!

Miguel Lourenço Pereira disse...

Anónimo,

Eu, ao contrário de alguns adeptos, sou consciente das nossas limitações e sei perfeitamente que, quando a era PdC acabar, alguém vai pagar as consequencias desta politica desportiva. PdC é um presidente excepcional, unico e irrepetível e habituar-se a isso é o primeiro passo para entender que esta hegemonia de 30 longos anos algum dia vai acabar. E quando acabar convém ter os pés no chão para não acabar como tantos outros clubes.

" q a direcção do Porto fez, após a excepcionalidade de 2004 foi perceber q dentro de portas e por muita formação e bom scouting interno q tivesse não havia matéria prima suficiente em curto espaço de tempo para repetir a façanha."

Lá fora também nao encontraram forma de repetir a façanha, portanto onde está a diferença? Acho muito bem que se alargue o scouting, isso não está em discussão. Aliás, descobrimos jogadores (que muitos já conheciamos) de grande nivel. Outra coisa é - podemos pagá-los, mante-los sem comprometer as nossas finanças a médio prazo? Com o passivo que temos e o aumento da massa salarial e dos gastos no mercado, não me parece.

Quanto ao Real, eu não disse nem direi jamais que é um modelo a seguir. O que disse foi que gera dinheiro suficiente para poder permitir-se a esses luxos, porque os pode pagar, ora com o dinheiro ora com o dinheiro que lhe dão ou emprestam. Como a nós não nos dão nada nem nos emprestam nada, temos de usar o que temos e não endividar-nos para depois acabar com um sarilho dos diabos quando a "mama" acabar!

Miguel Lourenço Pereira disse...

Limpador,

Gosto que repita várias vezes a expressão do "se nada de ilegal foi cometido" porque essa é a questão. Algo de ilegal foi realmente cometido se o FCP deu 10% ao homem pago pelo Liege - e banido pela FIFA para negociar e lucrar com negócios a titulo particular - para fazer esse negócio. A única diferença de agora para quando se oficializou o negócio é que já se sabe que esse fundo é do D´Onofrio, algo que ninguém investigou á época!

Meireles disse...

quem escreve neste blog não tem noção nenhuma das coisas. Não têm conhecimento de causa, só falam bem quando é para dizer mal dos outros

Roberto H Santos disse...

Boa tarde, sou leitor assíduo, nunca intervim mesmo não concordando com muitas opiniões mas desta vez não consegui ficar indiferente a este artigo.

A minha crítica a este blog encontra neste post um bom exemplo, tal como havia pessoas que não gostavam do Vitór Pereira porque era engraçado não gostar, neste blog critica-se o FCP porque é sinal de independencia, de espirito crítico e não são groupies do "papão" Papa Pinto da Costa.
Ou seja, com isto quero dizer que certos autores do blog estão à espera de um artigo de jornal, documentário ou boato para poder dar mais uma machadada numa organização que tem bastantes defeitos contudo será aquela que em Portugal melhor funciona. Não invalida portanto a crítica construtiva para que se reduzam os defeitos mas não me parece o caso. Quando vendemos nós, somos nós que impomos as condições (e a moralidade dos negócios), por sua vez, quando compramos, temos de “comer” as condições qie nos são impostas.
Depois acho curioso que se refira que por ser um documentário estrangeiro é credível. Para mim é inconcebível que neste espaço seja dado mais destaque e credibilidade a um detractor do que a algum apoiante (ambos têm a sua fé, a favor ou contra, logo tanto se pode questionar a verdade de um como a do outro).

1. Como é que nós contratamos jogadores? por termos um equipamento bonito?? ou será porque pagamos um ordenado maior e possibilitamos ao jogador dar o salto para um grande clube. Usamos o nosso charme e dinheiro para recrutar jogadores que obviamente não são portistas.

2. Porque é que nos vendem a nós os jogadores?? porque nos sabemos mexer no mercado e fomos dos primeiros clubes a estar abertos às novas formas de negociar. Pagar comissões? Algum clube compra sem comissões? Neste caso, em vez de pagar antecipadamente será paga no momento da venda, ou seja, os 10% por acaso vão valer alguma coisa, mas também nos valeram ter o jogador de azul em vez de encornado. No caso do Danilo era preferivel não pagar comissões no acto da compra mas sim na venda. Partilhar riscos com fundos é sempre mau? Veja-se o caso do Walter.

(A questão do Mangala não poder falar da sua situação no clube (percentagem do passe) é tão admissível quanto a existência do seu empresário para tratar de assuntos que o próprio jogador poderia fazer, como negociar salários e prémios. Nos dias que correm o jogador joga e todas as outras questões estão fora da sua competencia, umas por iniciativa própria entregando o cargo ao seu empresário e outras porque a entidade patronal se reserva ao direito de confidencialidade profissional, que tanto quanto sei, não é ilegal nem imoral).

Toda a gente fala no Lima no benfica quando poderia vir para o FCP, e aí já não é criticável que o negócio do Lima se tenha efectuado à custa de negócios paralelos.
Mais, um negócio efectuado a Sul com televisões, fundos, empresas do Estado ou onde o Estado injecta capital são excelentes negócios com gestores com uma grande visão e poder de antecipação aos demais, no Norte, esses mesmos actos seriam considerados de corrupção, e porventura este blog viria dar cobertura a essas teorias.

Em suma, concordo com o "Anónimo16 de Setembro de 2013 às 17:45" que diz que o artigo é um lixo no entanto dada a sua tendência para não acertar um acento diria que podia e devia ter assinado com o seu verdadeiro nome pois o conteúdo e a forma do comentário são bastante conhecidos para o esconder no anonimato.

Miguel Lourenço Pereira disse...

Roberto,

Qualquer comentário e opinião é sempre bem vindo para abrir o debate a novos pontos de vista. Nem eu, como co-autor, nem seguramente os meus colegas temos a pretensão de estar sempre certos e portarmos a luz que os demais devem seguir.

Se no caso das comissões a empresários me parece um tema bastante consensual, o que o amigo se esquece é que está a falar do Mangala como um negócio normal, com um empresário que leva a sua comissão esquecendo - Propositadamente ou não, por ignorancia é impossível porque já o disse várias vezes - que esse senhor não é agente FIFA, logo não pode negociar (por um lado) e (por outro) era empregado do clube com quem estavamos nós a negociar com toda a normalidade do Mundo.

Portanto, enquanto o amigo não entender que o que está a dizer não coincide com a realidade do debate, entenda que ponha em questão qualquer afirmação que possa fazer sobre o que pode ou não pode ser considerado como lixo. Um comentário longo nem sempre corresponde a um comentário acertado, para isso é preciso começar por acertar nos factos.

DC disse...

Miguel, sublinhando que estou a comentar sem ver o documentário, o que você disse foi que o D'onofrio recebeu uma percentagem de 10% ou que um fundo em que o D'onofrio tem uma participação recebeu os 10%?

É que são coisas totalmente diferentes e parece-me que o que aconteceu foi a 2ª.

DC disse...

"Algo de ilegal foi realmente cometido se o FCP deu 10% ao homem pago pelo Liege - e banido pela FIFA para negociar e lucrar com negócios a titulo particular - para fazer esse negócio."

Agora está a contradizer o que disse no artigo. Afinal fica claro ou não fica claro?
"No decorrer do trabalho fica claro que o FC Porto não comete nenhuma ilegalidade."

DC disse...

Miguel, essa realidade é coisa de há 3, 4 anos para cá com a melhoria económica do Brasil. Coisa que provavelmente será de pouca dura porque essa melhoria está baseada mais em especulação do que outra coisa, mas isso é outro assunto.

Concordo que foi necessária uma adaptação e por isso o Porto se virou para a Colombia. Agora, não tenho dúvidas é que, toda a estrutura que o Porto montou na América do Sul, com uma rede de olheiros, empresários e até parcerias com clubes não se faz de hoje para amanhã e nem se faz sem grandes custos.
E a pergunta é? Vale a pena colocar essa rede na América do Sul e apostar numa rede europeia?
Eu, face a sermos claramente um dos clubes que melhor se movimenta naquele continente e na Europa sermos apenas "mais um" entre centenas de clubes com potencial económico, acho sinceramente que não.
Os clubes alemães e ingleses têm um domínio fortíssimo no futebol do norte e leste europeu. Os espanhóis e italianos sobre o centro da europa. Acho que seria extremamente difícil ao Porto competir por jogadores nesta área.
Depois temos os mercados asiáticos e africanos, mas esses têm enormes condicionantes (e temos apostado bastante no africano até, com pouquíssimos frutos).

Poderíamos optar por abordar com mais força o mercado europeu, mas aí, ao contrário de na América do Sul, não traríamos os melhores jogadores. Traríamos as 2as ou 3as escolhas e isso iria reflectir-se na nossa equipa. Um exemplo apenas, Alex Sandro se tivesse aparecido na Suíça ou na Bélgica, nunca teria vindo para o Porto sem italianos ou ingleses lhe oferecerem muito mais dinheiro.

DC disse...

"O preço de ter um olheiro na Polónia é o mesmo de ter um olheiro no Japão, os 750€ mês da subscrição da Wyscout."

O Porto tem uma estrutura montada na América do Sul, não tem um olheiro nem dois. E uma estrutura montada na Polónia dar-nos-ia o quê? Quantos jogadores polacos teriam lugar no Porto? Além dos 3 do Dortmund há mais algum?

"Primeiro porque têm limitação de extracomunitários"
Esta afirmação não vou refutar mas tenho muitas dúvidas porque me lembro do Dortmund com meia dezena de brasileiros há uns anos.

"terceiro porque apostam verdadeiramente na formação"
Isto, desculpe lá, mas é treta porque o Aubameyang, o Mkhitarian e o Sokratis (3 contratações deste ano) são todos estrangeiros. Em vez deles podia perfeitamente ter sido Jackson, James e Mangala.

"olham com desconfiança para jogadores que vêm directamente de campeonatos pouco competitivos como os Sul-americanos."
Ora aí está uma das vantagens competitivas do Porto. Concordo consigo e por causa desta questão é que o Porto traz enormes jogadores sem que ingleses, espanhóis ou alemães se antecipem. Porque eles preferem gastar mais dinheiro depois de os verem adaptar-se em Portugal.

"Quando diz que o Fc Porto tem uma observação eficiente na América do Sul não é curioso que o Quintero tenha que ter vindo para Europa para ser contratado pelo fc porto?"
Não é curioso, nem muito nem pouco. Quando ele veio para o Pescara o Porto tinha o James. Faria sentido arriscar 7 ou 8 milhões num jogador que não teria espaço?

"O mundo é uma província devido aos meios existentes que permitem com meia dúzia de cliques permitem assistir a dezenas de horas de jogo de jogadores em todas as partes do mundo sem que se pague mais do que a mensalidade do serviço."
Meu caro, acha que um departamento de scouting serve para isso? Se assim fosse bastava um departamento com 50 televisões na torre das Antas a ver futebol todo o dia. Acha que é assim que as coisas funcionam. Acha que se descobre um Kelvin a ver TV? Acha que um Deco (que nem fomos nós a descobrir) se descobre pela TV? Um grande clube, com um grande departamento de scouting, conhece o jogador antes dele chegar aos jogos transmitidos pela TV.


DC disse...

Há um Porto antes de Mourinho e depois de Mourinho ao nível de vendas.
Antes de Mourinho a nossa maior venda tinha sido o Jardel por cerca de 15M de euros. Depois de Mourinho vendemos um defesa direito por um valor superior ao maior goleador do mundo à data. Vendemos um Postiga por um preço semelhante ao do Jardel!!!

Depois disso ganhamos fama e apareceu Jorge Mendes. Todos esses negócios que referiu têm em comum Jorge Mendes. O homem que vendeu o Bebé por 8 milhões ao Man Utd, não nos esqueçamos. Mourinho e Cristiano tornaram o Jorge Mendes no maior empresário do mundo, a partir daí a nossa relação com ele foi sem dúvida frutífera. Agora não tenho a mínima dúvida que foram as conquistas europeias de Mourinho que iniciaram esse fenómeno.

José Correia disse...

está a falar do Mangala como um negócio normal, com um empresário que leva a sua comissão...

Miguel, que eu saiba, em lado nenhum está demonstrado que o D'onofrio recebeu (directa ou indirectamente não interessa) uma percentagem do passe do Mangala a título de ter intermediado um negócio como empresário.

Aliás, como o José Lima referiu num comentário acima, os encargos oficiais referentes à intermediação do negócio estão devidamente definidos, de acordo com o regulamento de transferências da FIFA, e nada têm a ver com estes 10%.

Miguel Lourenço Pereira disse...

DC e Zé,

O D´Onofrio, na reportagem, e estamos aqui a falar da reportagem, surge como o principal membro do fundo a quem pagamos essa futura percentagem de venda liquida do Mangala.

Eu não digo que o D´Onofrio recebeu directamente do FCP (ou vai receber) absolutamente nada. Apenas que o fundo onde ele é o maior beneficiário o receberá. Ora, para mim a equação é muito simples.

Legalmente o D´Onofrio está vetado pela FIFA para trabalhar como agente (e cobrar comissões por isso). Neste negócio ele não quebra a punição da FIFA porque, em nenhum momento, surge como empresário do Mangala. No entanto, cobra um 10% da venda liquida do jogador como poderia cobrar o seu empresário (que já teve, oficialmente, segundo o RC, a sua quota), através de um Fundo do qual é figura maioritária. Não quebra a lei FIFA mas deixa claro que qualquer advogado, procurador ou juiz belga - na posse agora de uma informação nova, disponibilizada pelo trabalho jornalistico da reportagem, que é a sua participação maioritária no tal fundo - pode perfeitamente acusá-lo a ele (e ao FCP) de ter participado num caso de suborno.

Não quer dizer que alguém o vá fazer alguma vez. Mas eu sou advogado, belga, apresento um requerimento judicial em Liege relativamente a este caso e - com a posse da documentação conseguida pelos jornalistas da France2 - e não tenho muitas dificuldades em provar a um juiz que esses 10% foram uma comissão que, a titulo pessoal, o D´Onofrio legalmente não pode receber enquanto trabalhador de uma das partes interessadas.

Se querem ficar com a semântica, isso é outra conversa!

Miguel Lourenço Pereira disse...

Aliás, é fácil dar a volta ao caso:

Luis Filipe Vieira, supostamente, cobra uma comissão através de um fundo por vender um jogador (ponha-se Roberto ou X) a um clube (ponha-se Atlético de Madrid ou X) e isso aos vossos olhos é o que?

Parte interessada no negócio via institucional (como o D Onofrio), recebe por fora - e através de um Fundo - uma comissao jeitosa por facilitar o negocio (como D´Onofrio) sem poder recebe-la como agente FIFA de forma oficial porque não o é (como D´Onofrio).

Neste caso diriam que estamos a falar de um exemplo de corrupção? E não é tão corrupto o SL Benfica que vende, o seu empregado que facilita e recebe por isso (porque o Vieira, como o D´Onofrio, são empregados do clube), o homem no Atlético que faz a ponte no negócio e o próprio Atlético porque é consciente da realidade?

Não há, em muitos portistas, uma dupla vara de medir quando se trata da mesma realidade? Tenho lido aqui "n" comentários de portistas (e eu, ao contrário de muitos, não ponho em causa que quem pense de forma diferente é tão portista quanto eu) que justificam a nossa política com o facto dos outros fazerem o mesmo, em particular o Benfica. Então façam o favor de utilizar o mesmo argumento ao contrário e quando o Benfica faz um negócio das mesmas caracteristicas, sejam coerentes. Ou aqui todos fazem as coisas bem e ninguém é corrupto (claro que não) ou somos todos e há quem durma bem com isso e quem não!

Eu, se não repararam já, sou do segundo grupo, por muitas Champions que perca!

Miguel Lourenço Pereira disse...

DC,

Não existe nenhuma ilegalidade demonstrada, pelo menos nas leis da FIFA - que são quem rege o jogo. Mas, como já disse várias vezes aqui, não vejo nenhuma dificuldade para que um advogado/procurador/juiz pegue no caso com esta nova informação e transforme isto num suborno legalmente demonstrado, com a respectiva punição (sobretudo, sobretudo, para o d´Onofrio)!

Miguel Lourenço Pereira disse...

DC,

O problema é que o FC Porto na América do Sul já é um entre muitos. Temos o Man Utd, o Arsenal, o Chelsea, o Barcelona, o Real Madrid a contratar jogadores que antes seriam exclusivamente nossos:
Exemplos?
Varela do Uruguai, Chicarito do México, Vela do México, Óscar do Brasil, Araujo da Argentina, Casemiro do Brasil, etc... e apenas cito de memória.

Hoje em dia já não é tão liquido que possamos ter os melhores, sem inflacionar em excesso o que pagamos (em compra e salário). O Danilo é o melhor lateral direito do Brasil, é o Alex Sandro? Vamos ver o mercado europeu.
É o Alex tão melhor que o Ricardo Rodriguez que estava há um ano no Zurich, que está no Wolfsburg e tem o United, Milan e Madrid atrás dele? É o Danilo tão melhor que o GebreSelassie que justifique que por ele tenhamos pago 15 milhões mais (custou 2 milhões ao W. Bremen)?

Estou só a dar dois exemplos de jogadores que jogam em ligas periféricas europeias (Suiça e R. Checa), em clubes de 2º linha e que custam muito, muito menos do que pagamos por algumas importações da América do Sul e cuja diferença no rendimento desportivo não me parece justificar a diferença do dinheiro que se gasta. Há muitos mais e podiamos ficar aqui o dia todo, posição por posição e chegar á conclusão que, para um sul-americano que trazemos (e, cuidado, não estou a dizer para desligar a rede, nem deixar de lá ir porque sim, apenas medir melhor a oportunidade de custo e rentabilidade e comparar com o que há lá fora) há um europeu (ou jogador a actuar na Europa) tão bom ou igual de rentável.

Podemos apostar noutros mercados? Claro que sim. Naturalmente tardará muito tempo a criar essa rede e em alguns casos concordo, não se justifica. África, por exemplo, parece-me desnecessário, sempre e quando estejemos atentos à Europa. O caso do Bony é um exemplo. Impossível de descobrir em África mas fácil de ver no Venlo o que era. Ou do Lacina Traoré, a jogar no Cluj. Entre outros. Na Ásia, só o mercado japonês me desperta interesse real mas está controlado pelos alemães.

Gostei da inflexão para o México - apesar dos riscos que também levantei - até porque na Colombia não é bem um hub, não fomos lá buscar ninguém (um na Argentina, um no México e outro em Itália) mas para o lugar do Reyes dou-lhe 5 defesas europeus de igual projecção e que custam menos.

São opções e respeito as opções da SAD, mas só peço é que não me digam que não existe alternativa para ser competitivo olhando para outros mercados, porque isso não é verdade. Custa trabalho, há um risco e nem todos sairão bem. Mas já sairam tantos mal do mercado brasileiro que não vejo onde possa estar a diferença!

Miguel Lourenço Pereira disse...

DC,

Uma coisa é o papel do Mourinho como treinador. Outra é dizer que só por ele vendemos jogadores. Está claro que um campeão europeu desperta mais atenção do que outros clubes. É lógico. Mas com o Mourinho, propriamente dito, apenas vendemos 3 jogadores (4, se contamos com o Jorge Andrade) e tudo o resto foi consequência desses prestigio recuperado.

Quanto ao Mendes, é inevitável a associação com ele, não só pelo estatuto que tem mas também porque ele começou agarrado ás pernas do FCP. Mas eu não ponho em causa os negócios com empresários, estamos a falar de fundos e empresários suspensos, são questões diferentes.

José Correia disse...

Miguel, vamos por partes.

1) A comissão de intermediação da transferência do Mangala para o FC Porto foi declarada de acordo com o regulamento de transferências.

2) Posteriormente, há um Fundo a quem foi cedido 10% de uma futura venda liquida do Mangala (as razões desta cedência não estão esclarecidas).

3) O D´Onofrio é um dos membros deste Fundo.

Sendo estes os factos, como é que tu consegues concluir e, mais do que isso, provar (!) que aqui houve um suborno?
Sinceramente, não percebi.

José Correia disse...

Ainda ninguém falou nisso, mas convém não esquecer, que 10% de uma futura venda liquida do Mangala só se traduzirão em dinheiro para o Fundo (e indiretamente para o D´Onofrio, se ele continuar a ser membro desse Fundo), se essa venda se concretizar. Isto parece uma verdade de la Palice, mas é a realidade.

Quando negócios como este do Mangala são feitos, quem garante que o jogador se vai valorizar e ser transferido com mais-valias? (veja-se os casos do Walter e do Kléber)
Quem garante que o jogador não tem uma lesão grave? (veja-se o caso do Bruno Moraes)
Quem garante que o jogador não sai no final do contrato e a custo zero (veja-se o caso do Cristian Rodriguez ou, esperemos que não, o caso do Fernando)

Miguel Lourenço Pereira disse...

Zé,

Eu é que ainda não percebi como é que não percebes o que eu estou a dizer.

Se o D´Onofrio tem contrato com o clube que vende o jogador - e parte da negociação como director desportivo - e depois recebe, uma vez completado o negócio (com as comissões pagas, oficialmente, ao agente oficial do Mangala) direito a 10% de uma futura venda (podem ser 3 milhões ou 300 mil euros, dá-me igual) parece-me evidente que esse Fundo não foi escolhido por mera casualidade. Tu (e quem quiser) queres acreditar que sim, que é pura casualidade que tenha sido esse e não um Fundo cujo o principal beneficiário tivesse sido peça chave na negociação? Tudo bem. Para mim, continua a ser uma situação perfeitamente evidente e comparável aos casos do LFV e alguns negócios com Granadas e Atléticos!

Roberto H Santos disse...

Miguel,
Não vi o documentário e portanto admito falhas ou omissões no meu comentário, no entanto, não era essa a questão que pretendia debater. O FCP fez o negócio possível para adquirir um bom jogador e sujeitou-se a algumas condicionantes (obscuras, admito) impostas pelo vendedor tal como o Mónaco o terá feito ao comprar o Moutinho mais o James.

Se o FCP se pôs a jeito? Sim, mas não foi o Porto que agiu com conflito de interesses mas sim o D'Onofrio. O FCP sabia? É questionável e desmentível.

Não me acredito que o Standard de Liege quando ameaçou o FCP de queixa na FIFA por falta de pagamento não estivesse seguro quanto ao negócio pois dessa forma tratar-se-ia de um tiro no pé.

Questiono ainda a importância dada a um documentário. Não o vi e portanto não me refiro a este em particular mas não podemos assumir como verdadeiro algo que se intitule por documentário ou cientifico como se de uma religião se tratasse. Agora até para vender um detergente se coloca um senhor de bata branca que diz ter feito testes cientificos e o público sem conhecer nenhum teste crê na veracidade do mesmo. Com os documentários passa-se exactamente o mesmo, por exemplo, uma verdade inconveniente tounou-se numa mentira conveniente para o Al Gore.

Peço desculpa pela extensão dos meus comentários. Quanto ao acertar nos factos ou não, é relativo, e tudo não passam de opiniões, neste caso a minha.

José Correia disse...

Tu (e quem quiser) queres acreditar que sim...

Miguel, o que está em causa nesta nossa pequena discussão não é aquilo que tu, eu ou seja quem for acredita.
Tu disseste que não tens dificuldade em provar a um juiz que esses 10% foram uma comissão ilegal.
Como é que tu provas isso?
Não se trata acreditar, mas sim de provar!

Anónimo disse...

Essa de andar com um boneco de cartão, com a imagem do Mangala, diz bem da "honestidade" jornalística desses palhaços.
Essa atitude é uma falta de respeito para com o Mangala ou qualquer outro ser humano.

Afinal a SIC e os "Porcos da Bola" fizeram escola nesta Europa caquéctica.


Rui Valente disse...

Se tudo o que aqui vem escrito se resume a questões de ordem moral[como diz o autor], começo a acreditar que o "paraíso" existe em qualquer contexto, ou lugar. Quiçá próximo do habitat natural do autor deste post, ou da sua área profissional. Tanta coisa teria de ouvir se não me faltasse a paciência para aturar certos iluminados...

Miguel Lourenço Pereira disse...

Zé,

Se uma parte, empregada por uma empresa/instituição, está envolvida num negócio a titular assalariado com outra parte empresa/instituição e é um dos veiculos que permite o negócio, à posteriori recebe uma percentagem desse mesmo jogador negociado, através de um fundo num off-shore - ou seja, fora do que possa receber via empresa/instituição que lhe paga - seja o meio futebolistico, empresarial ou bancário, estamos a falar de um possível suborno!

Miguel Lourenço Pereira disse...

"uestiono ainda a importância dada a um documentário. Não o vi e portanto não me refiro a este em particular mas não podemos assumir como verdadeiro algo que se intitule por documentário ou cientifico como se de uma religião se tratasse. Agora até para vender um detergente se coloca um senhor de bata branca que diz ter feito testes cientificos e o público sem conhecer nenhum teste crê na veracidade do mesmo. Com os documentários passa-se exactamente o mesmo, por exemplo, uma verdade inconveniente tounou-se numa mentira conveniente para o Al Gore."

Tudo é questionável.
Eu no documentário vi provas em formato papel, vi testemunhos em directo de pessoas envolvidas. E, sobretudo, vi o trabalho de uma equipa de reportagem que faz o mesmo com outros temas muito mais sérios como os diamantes de sangue, corrupção em bancos, em governos, em multinacionais, casos de segregação racial, etc... Para mim, juntamente com o Panorama da BBC, é o documentário com maior credibilidade em toda a Europa. Se fosse uma reportagem de um canal de segunda de alguém que não conheço permitir-me-ia duvidar um pouco mais!

JOSE LIMA disse...

Responsáveis do Reflexão Portista
Deixem-me felicitá-los pelo excelente leque de comentadores que tem este blogue.
Não queria individualizar nenhum nome. São todos muito bons.
Grande abraço portista

Anónimo disse...

Ok Miguel!
Pontos de vista diferentes e esclarecidos!
Bom trabalho, continuo a ser leitor assíduo deste blog!

Pedro M.

Anónimo disse...

O documentário com melhor credibilidade em toda a Europa? Essa afirmação pressupõe que viu todos os programas de todos os canais no continente, o que eu duvido seriamente.

A reportagem da France 2 é do género "docutainment", produzida com o propósito de informar e divertir simultaneamente, o que explica as cenas ridículas do jornalista a percorrer várias cidades europeias com uma fotografia em tamanho natural do Mangala.

Nuno de Campos disse...

A questão aqui nem tem muito a ver com o documentário. O documentário é apenas relevante pelo facto de se tratar de uma plataforma com credibilidade acima de qualquer suspeita que viu, estudou e provou aquilo que a maioria dos Portistas teme já há algum tempo.

Quem segue de perto a evolução do nosso clube percebeu que a estratégia de contratações e o modelo de negócio mudaram depois de Gelsenkirchen. Disto poucos discordam.

A verdadeira questão é saber-se quem realmente beneficia com essa mudança: se é o clube, desportivamente e financeiramente, se são os que, dos mais diversos modos e nos mais variados papeis, se envolvem nos negócios.

Essa é a questão, difícil e dura, que o Miguel insiste em relembrar, e que nós como Portistas todos queremos, irracionalmente, de uma forma ou de outra esquecer. Comparem-se os resultados na CL de 87 a 2004, e, depois de mudado o paradigma, de 2004 até hoje.

Fica aqui perguntas a respeito de um jogador que eu muito admiro pelo seu Portismo, entrega, e por um conjunto de apetências que nunca puderam ser desenvolvidas - André Castro.

Se o seu passe fosse parcialmente detido por um fundo, teria sido emprestado ao Olhanense, ao Gijon, e agora a um clube Turco cujo nome nem me atrevo a escrever? Se tivesse tido na equipa principal a experiência de centenas de jogos que João Moutinho teve no Sporting, desde os 17 anos, em que patamar evolutivo estaria agora? E essas oportunidades não apareceram porquê? A resposta passa por nomes como Tomás Costa, Prediger, Bollati, Defour, Herrera.

É isto que queremos para os jovens Portistas que fazem a sua formação no clube? É este o modelo que garante a estabilidade financeira a longo prazo do FC Porto?

DC disse...

Miguel, para provar não pode haver "se" ou "possível", tem que haver afirmações e dados concretos. Está a colocar hipóteses e ao mesmo tempo a dizer que as pode provar, o que não faz grande sentido.

DC disse...

Miguel, posso concordar com o Utd que sim, tem feito bastantes negócios e se nota que tem uma rede de observação competente na América do Sul.

Já o Arsenal contratar o melhor marcador do campeonato mundial de sub-20 a mim não me demonstra uma presença forte na América do Sul. Demonstra sim, uma observação a esse torneio e uma contratação já com o jogador inflaccionado.
Idem para o Óscar do Brasil que foi contratado depois dum grande torneio com a selecção jovem do Brasil. Não confundamos observações em torneios importantes de selecções jovens com o que o Porto faz na América do Sul. O Jackson se tinha ido alguma vez À selecção tinha sido em turismo.
O araújo foi pedido pelo AVB, quem sabe se nem foi consequência duma observação nossa.
O Casemiro é outro que já era titular no São Paulo e nas selecções jovens há muito tempo.
Estou a falar de descobrir talentos, não estou a falar de contratar titulares dos sub-21 das selecções. Isso qualquer equipa com dinheiro faz, nem precisa de os observar muito.

Quanto à sua pergunta sobre o Alex, só lhe digo que sim, é o melhor jogador do mundo naquela posição para a sua idade a enorme distância e vai rentabilizar cada cêntimo gasto pelo Porto.
O Danilo se não é o melhor do mundo naquela posição com 20 anos, está entre os 5 melhores tranquilamente. Melhor que o Gebreselassie é de certeza absoluta.

Ainda bem que falou no Lacina porque o Porto esteve interessado e perdeu. É bom que se perceba que na Europa somos apenas um entre muitos.

José Correia disse...

estamos a falar de um possível suborno...

Como também é possível que a razão seja outra.

Miguel, o que não me parece correcto é que tu partas daquilo que tu próprio dizes ser uma possibilidade (porque, como ficou óbvio de toda esta discussão, nem a reportagem do France 2, nem tu tens provas de que houve nisto alguma ilegalidade), para afirmares, de forma peremptória, que não tens dificuldade em provar a um juiz que esses 10% foram uma comissão ilegal.

Nuno Queiroz disse...

Miguel: você mete os pés pelas mãos, desculpe a expressão, só para atacar os negócios do Porto. Diz que é o fundo quem tem a percentagem do passe, depois diz que é o D'Onofrio, depois diz que é o D'Onofrio por intermédio do fundo... etc. etc. etc.
O que tem o Porto a ver se o fundo é do D'Onofrio, do Vieira ou quem sabe do Passos Coelho?
Você pode questionar a moralidade (eu tb questiono embora perceba que nos tempos que correm não há grandes alternativas) agora dizer que prova facilmente que há subornos??? com estes dados novos? Mas você acha que a polícia não sabe?
Desculpe mas está a perder-se um grande advogado (se calhar até o é). você devia ir para o Ministério Público e ajudar a Morgadinha e outros que não conseguem provar nada, nem em casos como o BPN :)

Nuno Queiroz disse...

Eu também gostava muito que o Porto tivesse só portugueses na equipa e um treinador português, portista. Mas hoje vivemos num mundo globalizado e acha que sem esses investimentos seria possível ter bons jogadores? E qual seria o jogador, mesmo formado no clube, que queria jogar no Porto sabendo que um outro clube lhe oferecia um ordenado 10X maior? Num tempo em que o dinheiro é que manda, vamos ser românticos....

O Castro merecia mais oportunidades, sim. Mas o Bollati tb teve muito poucas e regressou à Argentina para ser o jogador mais valioso do campeonato. O Defour é internacional belga e ainda na semana passada foi elogiado e no Porto tem sido um jogador importante e não é por este ano. Além disso, não se acerta em todos os jogadores que se contrata, infelizmente.
Eu, como adepto, sou realista e digo: quero vitórias.

Miguel Lourenço Pereira disse...

Zé,

A mim a reportagem da France2 deixou claro que o D´Onofrio controla esse Fundo. A partir de aí as peças montam-se sozinhas.

Nuno,

Semântica. O 10% do passe pertence ao fundo que é do D´Onofrio. Não é assim tão complicado. Cada um pensa o que quiser, está no seu legitimo direito. Curiosamente quando não aparece nenhuma prova criminal contra o LFV não os vejo tão preocupados com os detalhes legais de se está provado ou não.

Miguel Lourenço Pereira disse...

DC,

O Danilo e o Alex não eram internacionais jovens com o Brasil? O Quintero não chegou ao FCP via ter sido o melhor jogador do torneio sub-20? O James não era campeão argentino em título com um clube de bairro? O Lucho e o Lisandro não eram jogadores mais do que conhecidos na Argentina e na América Latina. O Reyes e o Herrera não vieram depois dos Jogos Olimpicos, que venceram? O Anderson não era a estrela dos sub-19 brasileiros?

Salvo o Jackson, que grande descoberta de talentos é que fizemos que seja diferente desses casos como o Vela?

Miguel Lourenço Pereira disse...

Anónimo,

Eu não vi todos os documentários de todos os canais do continente como quem vota para "n" prémios não viu tudo. Mas tenho, por questões profissionais, um conhecimento bastante alargado dos documentários de investigação que se produzem na Europa. E, a meu entender, e gostava de ver provas que refutassem o contrário (erros nas investigações, falhas graves na produção, ausência de reconhecimento pelos pares, ...) os documentários de investigação da France2, em conjunto com os da BBC - a serie Panorama sobretudo - são dos melhores e mais credíveis da Europa. E não é por usar um cartaz tamanho natural do Mangala que isso muda.

Miguel Lourenço Pereira disse...

Para mim aliás, a questão é fácil.

Não sou quem para fazer juizos de valor e moral a não ser dos meus próprios portanto entendo que qualquer adeptos/sócio/portista que comenta entenda o que bem entender sobre este caso (e todos os outros). Não há nada ilegal até se provar o contrário, é um direito que nos assiste a todos. O que eu tenho dito, de forma repetida, é que vejo indicios de prova suficientes para que essa ilegalidade se prove. Tudo o resto é semântica judicial e penal, e como em todos os casos julgados, a defesa terá os seus argumentos e a acusação outros. Não acredito que isto alguma vez seja julgado, portanto estou a falar desde o meu ponto de vista. Eu acho que há indicios de suburno neste caso e acho que se poderia provar com relativa facilidade. Mas isso sou eu.

O que me parece curioso, e já para não andar a repetir-me em cada comentário, é que quando aparecem negócios parecidos (ou quase iguais de suspeitos) em Lisboa, os mesmos que aqui dizem que não encontram nada ilegal (imoral talvez, mas é a vida, como têm dito) já não têm o mesmo problema em apontar o dedo e chamar isto e aquilo ás portas que negoceiam. Eu não tenho dúvidas que se cometem ilegalidades em ambos lados - como noutros países, noutros clubes, não somos nem muito melhores, nem muito piores que a maioria - mas sou coerente e não uso duas varas de medir se é o meu clube, o meu rival ou o clube da esquina.

Quem entende que tudo o que FCP faz, seja o "Apito Dourado", os negócios com fundos off-shores, agentes banidos da FIFA, etc.. são totalmente limpos, transparentes e absolutamente legais está no seu pleno direito e seguramente terá motivos para pensar o mesmo. Não acredito que alguém esteja aqui de má fé. O que já não entendo é que basta mudar as cores, os emblemas e os protagonistas e tudo é questionável. Não nos faz nada mal um pouco de auto-critica. Por isso somos os melhores em Portugal há 30 longos, longos anos. Porque sabemos (ou sabíamos) avaliar o que fazíamos mal e corrigir antes que o erro levasse a melhor, coisa que os nossos rivais, em vários momentos, não souberam fazer.

That´s it!

Miguel Lourenço Pereira disse...

DC,

"Ainda bem que falou no Lacina porque o Porto esteve interessado e perdeu. É bom que se perceba que na Europa somos apenas um entre muitos."

Na América do Sul, assim de repente, lembro-me que também perdemos...o Bernard, o Pastore...ou ganhamos sempre?

Nuno Queiroz disse...

Eu também não gosto de ver o meu clube associado a Apitos, off-shores e agentes Fifa banidos mas a verdade é que, e por exemplo, no Apito Dourado, os tribunais ilibaram liminarmente Pinto da Costa e o FC Porto. E se é verdade que criticamos muito os vermelhos qdo são coisas semelhantes é porque quando se trata do Porto os casos têm destaque de primeira página e os deles nem se fala. Ou queres comparar o que se disse do caso Roberto ou das escutas do Vieira com aquilo que foi feito ao Porto e a Pinto da Costa. E eu não ponho as mãos no fogo pelo Presidente mas tb não ponho pelos outros. Só exijo tratamentos iguais para casos iguais quer da justiça quer dos media ainda por cima subsidiados por todos nós.
Podes pensar o contrário mas eu critico muito vários negócios da SAD e uma série de coisas que não gosto e que conheço e sei que se passam no clube. E acredita que sou crítico de uma série de contratações que se fizeram e do pouco espaço deixado aos jovens portugueses. Mas também não acredito em tudo o que vem nos jornais e nas TV's.
Já agora uma pergunta? O Luciano D'Onofrio é o único dono do fundo?

Miguel Lourenço Pereira disse...

Nuno,

O D´Onofrio não é o único dono do fundo, só o maioritário.

Eu, quando falo, quando dou a minha opinião, estou-me, em bom português, a lixar para o destaque que a imprensa dá a isto ou aquilo. Aliás, abri o texto alertando precisamente para isso, que a reportagem não vinha de um meio que está contaminado de por si. Se os Media enfocam mais os casos de corrupção e gestão do FCP porque vende mais e calam os de outros clubes, é algo denunciável - e acho que qualquer portista tem feito isso desde o início dos tempos - mas não invalida nem os nossos problemas nem que sejam similares aquelas que nós condenamos.

O que eu tenho lido aqui é pessoas que num caso dizem uma coisa, quando se trata do FCP dizem outra e a situação, se não é igual, é bastante similar. A isso chama-se coerência, independentemente se a notícia é ou não capa do jornal. E dizer que cometemos erros não é dar razão a outros clubes porque eles cometem tantos ou mais do que nós.

Quanto ao Apito Dourado, parece-me mais do que evidente que tanto o clube como o PDC foi ilibado principalmente porque as escutas foram consideradas ilegais, por não contar com a autorização judicial necessária. Essa é a lei. Não sei se poderiamos dizer o mesmo se tivessem sido tidas como prova no julgamento. O mesmo é válido para o LFV!

DC disse...

Alex Sandro era suplente do Leo, o James era tão conhecido como são os actuais campeões do San Lorenzo (quais???), o Lisandro e o Lucho eram razoavelmente conhecidos, embora não o suficiente para se falarem como alvos de grandes equipas europeias e o Anderson estava contratado antes do grande torneio de sub-19 que fez (ao contrário do Vela que foi contratado depois do torneio pelo Arsenal).

Além desses? Kelvin, Fucile, Otamendi (sim jogava na selecção mas era a DD e agora é o melhor central em Portugal), Fernando, Falcao (nunca ninguém o avaliaria como o super avançado que é actualmente), Jardel (idem), Carlos Alberto ou Ibson. Certamente haverá mais que não me ocorrem agora. Mas todos estes são jogadores que depois de chegarem ao Porto passaram a valer o dobro pelo menos.

Sim perdemos Bernard e Pastore com perderíamos o Neymar se o tivessemos tentado. Uma coisa é tentar jogadores relativamente desconhecidos, outra é jogadores já seguidos por meio mundo.

DC disse...

E não me parece que o Lacina tivesse 1% do reconhecimento do Bernard quando assinou pelo Anzhi

Miguel Lourenço Pereira disse...

DC,

O Alex Sandro já era conhecido como uma das maiores promessas entre os laterais brasileiros desde que apareceu no Atlético Paraneense. O mesmo é válido para o Danilo, ainda que jogasse habitualmente de interior direito, como tenho dito "n" vezes.
O James Rodriguez era a estrela do Banfield, houve dezenas de artigos (meus também) na imprensa europeia sobre ele quando o Banfield ganhou o título antecipando a viagem para a Europa. Estava em todas as listas do World Soccer, IBWM como um dos 50 jogadores jovens a seguir.
O Lisandro e o Lucho eram jogadores consolidados dentro do mercado argentino.
O Anderson estava contratado antes do torneio mas, mesmo antes do torneio, já era a maior promessa do futebol brasileiro da época, quando jogava pelo Grémio. O torneio apenas o confirmou.
O Falcao era tão pouco conhecido que a base de dados do FM - reconhecidamente uma das mais acertadas, ainda que não perfeita, do Mundo o tenha tido como um dos melhores avançados do Mundo em potência quando estava no River Plate durante dois anos consecutivos. Essa base de dados, por certo, é usada em exclusivo por muitos clubes.
O Jardel tinha ganho uma Libertadores (com o Cruzeiro) e à época foi uma das contratações mais caras que me lembro em Portugal, um pouco como o Luis Fabiano (que deu mal no FCP mas depois funcionou muito bem em Sevilla).
O Otamendi era internacional (na posição errada, de acordo) mas estava referenciado.

Portanto, onde estão todos esses absolutamente desconhecidos que somos capazes de descobrir antes de toda a gente?
Não quero invalidar o nosso bom trabalho - menos de scounting e mais de captação para vir para o FCP - mas temos tendência para o exagero.

Fernando? Sim. Jackson? Sim. Kelvin? Veremos. Quantos mais?
Não há muitos mais, em especial porque hoje é cada vez mais fácil que qualquer um conheça os jogadores muito antes da sua "explosão" definitiva. Exemplo? O Markovic do Benfica é conhecido há 3 anos por quem segue o futebol da Europa de Leste e a imprensa trata-o como se tivesse saído de uma pedra. O seu sucessor, no Partizan, tem 17 anos, o mesmos que o croata Halilovic. Se algum deles vier para o FCP daqui a dois anos (seriam bons negócios), não me digam que os descobrimos do nada por favor.

DC disse...

Miguel esse argumento do FM é muuuuuuuuuito forçado.
Sim, ele era um jogador com potencial no FM 2008. Tinha potencial de -9 (sendo que -10 é o atribuído aos jovens que acreditam que vão ser os melhores do mundo).
Mas além do Falcao havia mais umas boas dezenas de jogadores com -9. Avançados como Le Tallec, Nsue ou Altidore ao nível do Falcao nesta lista.
Portanto, se vai por aí, como diz o outro, vai dar uma grande volta

http://coolsmurf.wordpress.com/2007/11/24/football-manager-2008-complete-scouting-list/

Aliás, desta lista, certamente foram mais os jogadores que nunca deram em nada (e por nada digo jogadores de topo) do que os que deram.

Repare também que jogadores como Cavani ou Balotelli já tinham potencial fixado e não variável como acontecia com o Falcao.

Essa da base de dados do FM ser das mais acertadas também é engraçada. Que o diga o Evandro Roncatto ou o Sherman Cardenas.

Já agora, quer mais uma excelente descoberta do nosso scouting (não aproveitada mas isso não é culpa do departamento de scouting)? Thiago Silva, o melhor central do mundo.

Miguel Lourenço Pereira disse...

DC,

Que a base de dados não seja perfeita - como até disse no comentário anterior - isso sei eu, sabe o DC e sabe toda a gente. Mas é a base de dados pública - e estou a excluir aquelas pelas quais os clubes pagam muito dinheiro para ter acesso (apesar de haver uma versão gold vendida a determinados clubes) - mais correcta que conheço.

Depois, estamos a falar de jogadores numa idade que podem dar ou não. A qualidade pode existir mas a cabeça não acompanhar e há dezenas de casos de jogadores com futebol nos pés e nada na cabeça, o que acaba por (com as lesões) fazer com que, por exemplo, o Giovanni dos Santos tenha tardado tantos anos a parecer outra vez um jogador muito interessante quando em 2007 o comparavam com o próprio Messi.

Nessa lista houve jogadores que falharam e o Falcao não. Tivemos bem, tivemos sorte. Mas isso não contesta o meu argumento, de que era um nome conhecido (se tivessemos contratado o Le Tallec e ele tivesse tido a cabeça no sitio como o Falcao, o argumento era o mesmo, mudando o protagonista) perfeitamente em 2008.

A do Thiago é mais outro bom exemplo de um jogador que já era internacional em todas as camadas jovens do Brasil antes de ter chegado ao Porto. Portanto, não o foram buscar a Alagoas, perdido na selva.

O DC quer continuar a insistir que nós descobrimos jogadores debaixo das pedras e não é verdade. Aliás, para quem se gaba ter controlado o mercado sul-americano a esmagadora maioria destes jogadores são mais do que obrigatórios ter debaixo de olho da mesma forma que quem contra a Europa de Leste sabe que a próxima geração sérvia, romena e ucraniana tem um potencial tremendo. Se o FCP fosse agora descobrir o melhor jogador jovem da Etiopia sim que me surpreenderia agradavelmente.

Conhecemos o meio mas não descobrimos nada que não seja fácil de ser "descoberto". Repito, o mérito está no risco de apostar num potencial que pode não se concretizar e acertar tantas vezes, não em "descobrir jogadores que ninguém conhece". Mas isso é válido em qualquer mercado do mundo!

DC disse...

Se para o Miguel o argumento é que se tinha jogado nas selecções jovens já era conhecido então desisto. Pelos sub-16,17,18,19 do Brasil passam centenas, senão milhares de jogadores. Desses milhares apenas uns 50 se tornam seleccionáveis para a A.
O Porto teve a grande capacidade de descobrir o Thiago ou o Fernando numa altura em que nenhum clube de topo do mundo estava interessado neles (e a prova disso são os valores irrisórios pagos), mas o Miguel acha que isso não significa nada, que é fácil de fazer.

Contra argumentos assim (FM ou Etiópia lol) não estou aqui a fazer nada...

Anónimo disse...

O Danilo nunca irá ser vendido por mais de 20M€. A não ser que explodisse. É um defesa mas não é um Roberto Carlos.