quarta-feira, 4 de setembro de 2013

As (reais) expectativas do FCP nas noites europeias

Acabou o fantasma do mercado. O plantel está finalmente definido. Salvo um acidente de última hora (este ano altamente improvável) os que estão são os que vão ficar até Janeiro. Ao mesmo tempo já sabemos com quem vamos ter de competir para alcançar os Oitavos de Final da Champions, o objectivo habitual da SAD ano atrás ano. E não vão ser pêras doces. A tudo isto sai a primeira lista oficial do clube para participar na prova e como continuamos com o eterno problema da ausência de prata da casa, a lista só conta com 21 jogadores. Não há espaço para o homem do golo do título (Kelvin), para o médio em melhor forma dos B (Carlos Eduardo) nem para o guarda-redes que ninguém entende porque foi contratado (Bolat).

Estamos a quinze dias de arrancar as novas noites europeias do ano. E os problemas continuam a ser os mesmos. E as dúvidas dos adeptos também. Afinal, a que pode/deve aspirar o FC Porto quando joga na Europa?

Há três formas possíveis de avaliar o que esperar de uma equipa na Europa.
São variáveis que nada definem, por si só, mas que deixam as suas pistas. Nenhuma delas é preto no branco. O dinheiro não compra tudo (que o diga o Manchester City, por exemplo) mas ajuda. Como o Zé Rodrigues aqui adiantou bem, nenhuma equipa fora do top 20 das maiores fortunas da Europa alcançou as meias-finais da competição dos últimos cinco anos. E nós não pertencemos a esse grupo. Também é certo que, por outro lado, muitas outras equipas mais modestas (do SL Benfica ao APOEL) estiveram nesse periodo de tempo nos Quartos, essa fasquia que não alcançamos desde 2009.

Por outro lado está a experiência. Não é por acaso que na Champions, quando é a doer, estão quase sempre os mesmos. O acumular de jogos internacionais é muito importante para realizar uma boa prova. Algumas presenças de equipas funcionam como cometas (o Málaga é o melhor exemplo) mas a consistência ajuda a perceber os truques à prova e a conhecer as realidades com que nos deparamos. Aí somos imbativeis, um dos clubes com mais participações. Aliás, esse tem sido o parte da base do sucesso do clube. Um ciclo vicioso entre os títulos nacionais e as presenças regulares na fase de grupos. Primeiro porque era preciso ganhar a liga para aí chegar (alguém ainda se lembra da eliminação com o Anderlecht?) e para ser campeão dava jeito os milhões que se conseguiam nos jogos. Esse ciclo alimentou também clubes como o Lyon, o Ajax ou o Rosenborg.



Por fim está o mais básico: a qualidade do plantel.
Uma equipa com dinheiro nem sempre tem o plantel mais equilibrado. Uma equipa sem dinheiro raramente tem um plantel capaz de lutar por algo. Uma equipa com experiência pode ter um plantel fraco no presente e uma equipa com um bom plantel actualmente pode não ter jogos nas costas há largos anos (por isso tínhamos a Nápoles e Dortmund no pote 3). O FC Porto tem um plantel que não se coaduna com o de um cabeça-de-serie. Há jogadores de topo, jovens com boa margem de progressão e futebolistas medianos. Temos uma equipa capaz de lutar pelo apuramento mas que não dá nenhuma garantia absoluta de o conseguir à partida (dentro do que é o futebol). Essa é a realidade.

Olhamos para os planteis dos rivais e vemos que são parecidos aos nossos. Entre FC Porto, Zenit e Atlético a diferença não é muito grande. O Zenit tem mais dinheiro mas tem talvez o grupo mais descompensado, o pior ambiente, um treinador questionado e uma massa de adeptos frustrada pela incapacidade de rever títulos recentes com tanto dinheiro gasto. Witsel, Hulk, Luis Neto e Danny vieram da liga portuguesa, pagos a peso de ouro, e podiam ter lugar no nosso plantel mas nenhum deles é uma estrela mundial. Já o Atlético vive, sobretudo, da sua organização. É uma equipa solidária, difícil de bater. Não jogam especialmente bem mas competem como poucos. Também não contam com estrelas, mas Diego Costa não está demasiado longe do que é Jackson, Arda Turan do que pode fazer Lucho e o trabalho de Koke, Mario Suarez e Villa está por cima do que podem fazer Josué, Defour e Varela. E depois está Courtois, um dos melhores guarda-redes do Mundo, um seguro de vida. E Simeone que, longe de ser um génio táctico, é um líder capaz de levar os seus jogadores à batalha e sair vencedor sem baixar os braços. É o melhor treinador, com diferença, dos três. E no entanto o Atlético é o clube que tem menos dinheiro (está penhorado e só se move no mercado graças à influência e o apoio de Jorge Mendes) e experiência na Champions tem dos três (apesar de ser bicampeão da Europa League, sabem que o abismo entre as duas provas é imenso).

Ao contrário da temporada passada, onde a diferença abismal com o PSG (em orçamento, plantel e treinador) foi esbatida brilhantemente no Dragão, e a superioridade com os dois Dinamo (de Kiev e Zagreb) não deixava muitas margem para dúvidas, este ano a competição vai ser muito mais exigente e os seis pontos com o FK Austria Viena serão absolutamente fundamentais para decidir quem segue em frente. O grande problema que tem Paulo Fonseca é, no entanto, a dificuldade de competir na mais exigente competição do mundo quando se disputa, semanalmente, jogos a brincar no campeonato.


O primeiro passo para ter uma equipa competitiva na Europa é disputar uma liga exigente.
Uma realidade que obriga a ter um plantel largo, com opções, a pensar nas duas provas. Uma realidade que mentaliza os jogadores que têm de jogar a sério semana sim e semana também e não só de quinze em quinze dias. E isso, há muitos anos, que o FC Porto não é forçado a fazer. A Liga Sagres é cada vez mais uma anedota competitiva. Por muito boa que seja uma equipa, acabar três temporadas com uma só derrota em noventa jogos competitivos não é sinal de brilhantes. É também um sinal evidente de falta de rivais à altura. O FC Porto disputa dois jogos sérios ao ano, quatro ou cinco eventualmente mais complicados. E o resto é para cumprir calendário. São jogos que podem tornar-se chatos (como em Felgueiras) mas cuja obrigação de ganhar é evidente tal como a desmotivação dos jogadores. É muito difícil criar uma dinâmica ascendente - com uma condição física óptima, uma rotina de jogo orientada para as exigências da alta competição, um grupo altamente motivado - quando se alternam noites europeias com jogos contra dois mil adeptos em Barcelos. É a nossa realidade. Ocasionalmente, e só ocasionalmente, haverá honrosas excepções. Mesmo na etapa Mourinho, é preciso não esquecer que o Sporting era um rival mais do que digno, o Benfica uma equipa perigosa e o Boavista estava no seu melhor ciclo histórico, uns furos bem acima do que pode fazer agora o Braga. Agora a liga é cada vez mais a dois, decidida em pequenos detalhes e no confronto directo. E essa realidade é difícil de compaginar com uma mentalidade ganhadora lá fora, especialmente contra equipas de maior orçamento (Zenit) e uma mentalidade mais agressiva, também consequência da realidade da sua liga (como foi o Málaga e será o Atlético).

Pode o FC Porto ganhar o grupo contra estes rivais e fazer jus ao estatuto de cabeça-de-serie?
Claro que pode. Tem 360 minutos de máxima exigência contra dois rivais sérios. Mas o plantel tem lacunas, particularmente um extremo capaz de resolver jogos. E sobretudo, falta-lhe experiência europeia para desligar a cabeça de rivais como o Setúbal e pensar num duelo intenso em Madrid, contra 50 mil fanáticos ou uma longa e complicada viagem à Rússia. A realidade é essa, e consequência da situação económica do clube - a ausência de um plantel de maior qualidade - e do estado do país, que destruiu a competitividade da liga. Será difícil cumprir aquele que para mim devia ser o objectivo do clube - os Quartos. Para lá chegar é preciso mudar o "chip" e a mentalidade de quem dirige. Com o que temos na mão, com um novo sistema, um treinador inexperiente, muitos jogadores novos e uma liga que é um handicaap até Dezembro, tanto podemos ganhar o grupo como terminar em terceiros. Nenhum desses cenários seria surpreendente.

Pessoalmente confio na passagem aos Oitavos, em segundo lugar, atrás dos espanhóis. Mas mais pela irregularidade defensiva do Zenit do que pelo aquilo que o plano de Paulo Fonseca e o plantel inscrito me inspira. Para os dirigentes, cumprir esse objectivo será motivo de felicitação. Para mim será mais um ano perdido. E o preço a pagar por mais um Tri, Tetra ou Penta num campeonato cada vez mais fácil de ganhar e mais difícil de apreciar!

PS: Já sei que a final é na Luz, já sei que há uma tendência proclive para o "fanatismo" que acredita que os astros se vão conjugar para que o FC Porto seja campeão europeu nas fronhas do rival, que o Pinto da Costa vai ser santificado no acto e tudo o mais. Esqueçam isso. A sério. Se acontecer (e que bom que era) que seja uma surpresa e não uma obsessão!

55 comentários:

Mário Faria disse...

Estou furioso por PF não ter incluído Kelvin na lista dos 21 para a CL. Kelvin foi um herói improvável, mas vive no coração dos portistas. Não matem esse tempo, nem se cansem de lhe dar oportunidades. Como entender que seja rejeitado e Izmailov premiado ? Não percebo e, por isso, ainda fico mais furioso.

Anónimo disse...

E ainda por cima parece que o Izmailov quando entra que está a fazer um frete. Que barrete. E ao ter de dar minutos a este, vai roubar minutos que podia dar a outros mais novos ou com mais vontade.

Anónimo disse...

Este artigo está muito bom. os meus parabéns!

DC disse...

"nem para o guarda-redes que ninguém entende porque foi contratado (Bolat)."

Acho que não há muita coisa por entender. Hélton sai para o ano, abriu-se uma oportunidade de negócio a custo zero dum jogador referenciado, foi aproveitada. Para o ano, quase de certeza serão Fabiano e Bolat a disputar a baliza.
Além disso, acredito que Bolat não saiu já por empréstimo para que o Porto possa acompanhar de perto a recuperação da lesão.

"mas Diego Costa não está demasiado longe do que é Jackson, Arda Turan do que pode fazer Lucho e o trabalho de Koke, Mario Suarez e Villa está por cima do que podem fazer Josué, Defour e Varela"

Aqui acho que fez uma batotazinha. Villa deve ser comparado a Jackson, na minha opinião e aí o Porto fica a ganhar (pensando só na última época de Villa, antes da lesão era fabuloso.). Diego Costa poderá ser comparado a algum dos extremos ou a Ghilas, mas como Ghilas não joga fica mais difícil.
Já Koke e Mário Suarez, sinceramente não gosto. Muita raça tudo bem, mas já lá vai o tempo dos Paulinhos Santos. Não têm a técnica do Josué ou do Defour e um Herrera integrado pode ser bem melhor.

"E Simeone que, longe de ser um génio táctico, é um líder capaz de levar os seus jogadores à batalha e sair vencedor sem baixar os braços. É o melhor treinador, com diferença, dos três."

Outra afirmação que, para mim, não é assim tão clara. Simeone consegue realmente incutir muita vontade, muita luta. Já tacticamentenão sei se vale assim tanto. Andar sustentado num fabuloso Falcao não me esclareceu as dúvidas. Quero ver o que valerá na Champions onde os árbitros não deixam "bater" tanto como no campeonato espanhol. O que ele fez na Supertaça Espanhola por exemplo, daria na Champions direito a uns 10 amarelos e uns 3 ou 4 vermelhos.


Posto isto, acho que temos equipa para passar e ponto final. Só alguém muito crente ou iludido pode pensar em vencer a Champions. Este ano não sei como a equipa evoluirá mas sei que, neste momento seríamos esmagados, pelo menos por Bayern, Barcelona e Real. Com Dortmund, Chelsea, United, Juventus ou City o provável seria perdermos bem. Com as outras teríamos muitas dificuldades.
Nem que o Paulo Fonseca fosse milagreiro venceríamos a Champions. Esperemos que consiga pelo menos fazer evoluir a equipa para passar o grupo e quem sabe mais uma eliminatória.

Miguel Lourenço Pereira disse...

DC,

Há dezenas de guarda-redes mais capacitados que o Bolat para defender a baliza do FC Porto. Se foi nele que se pensou realmente para disputar com o Fabiano a sucessão do Hélton, o brasileiro pode estar tranquilo que o lugar é dele.

O Diego Costa tem sido o homem-golo do Atlético, desde o final da última época. No esquema do Simeone existirá uma constante troca de posições entre Costa e Villa, descaindo sempre um para o flanco, pelo que estão os dois ao mesmo nível. O Villa pré-lesão era um killer de excepção, agora imagino que terá baixado uns furos mas continua a ser um dos grandes avançados da Europa, especialmente em work-rate. O Diego é um jogador diferente mas que cresceu muito com o Simeone. Quanto aos médios, a técnica que o Josué tem é rapidamente anulada pela disciplina, know-how táctico e disponibilidade tanto do Koke como do Mário. Estão na mesma franja etária e a diferença competitiva ainda é grande, mas pode encurtar-se.

Como disse, o Simeone tacticamente não é nenhum artista (o Spaletti e o Fonseca desde logo que também não). Mas dos três é aquele que encarna melhor o papel de treinador-lider, guerreiro que nestes duelos de alta tensão melhor funciona.

Joao Goncalves disse...

Sim Bolat é estúpido, ridiculo e inexplicável a não ser que o Porto pensasse que contratou o Borat... isso explicaria algumas coisas lol

Agora a sério, Bolat não faz sentido nenhum devido essencialmente a Kadu.

José Rodrigues disse...

Acima de tudo parece-me q Izmailov tem concorrência mais complicada do q Kelvin.

Nao é nada garantido q daqui a 2 meses Licá, Josué, Varela e Ricardo estejam todos em melhor forma/ sejam mais úteis q Kelvin.

Idem aspas para C. Eduardo em relação à sua concorrência (principalmente Izmailov), mas em menor medida.

Joao Goncalves disse...

É um artigo interessante mas muito estranho para a altura em que é não achas Miguel?

Ora vejamos... este é melhor que aquele o outro pior que este e amanhã será melhor que o que foi pior antes...

O Porto tem 4 jogos oficiais com este treinador e Josué é Licá tem 4 jogos na equipa do Porto e nada mais que isso...

Se estamos a ver o mesmo prisma da pré-época em que estes dois jogadores não tinham quase espaço no plantel, quanto mais no 11, então o que escreves-te acima tem todo o cabimento... caso contrário, temos que esperar para ver.

Estamos num processo evolutivo dentro de um 4-2-3-1 que não víamos à muito por estas bandas... Jogadores como Herrera e Quintero, iram ganhar o seu espaço quando tiverem mais adaptados à cultura Porto e ao futebol europeu (no caso de Herrera).

O que estamos hoje a observar são 4 jogos de uma equipa que ainda nem as rotinas tem aprimoradas e nem todos os jogadores integrados tão pouco.

A verdade que analisas-te sobre o campeonato português é indesmentível e limita a nossa capacidade exterior com certeza assim como a necessidade de realizar encaixes limita a consolidação de valores seguros na nossa equipa, mas a isso já estamos habituados.

Agora não podemos analisar o Porto já com uma sub-análise transversal para 4 meses...

Muita coisa vai acontecer e o calendário da CL foi-nos muito favorável nesse sentido, pois só em Novembro é que vamos apanhar as grandes dificuldades fora e aì a equipa tem obrigação de estar muito mais entrosada do que actualmente e a mostrar mais qualidade.

José Rodrigues disse...

Quanto à longa viagem à Rússia, isso só é minimamente relevante para o jogo seguinte do campeonato. É q A Madrid tem também essa longa viagem, e o Zénit tem por sua vez duas longas viagens ao Porto e Madrid. Estamos quites...

De resto para mim à partida antecipo enorme equilíbrio entre as 3 equipas, nao dou favoritismo ao AM. Dou 66.6% de probabilidade de se apurar a cada um dos três (33.3% x 2 lugares).

Miguel Lourenço Pereira disse...

O nosso maior handicaap com o Zenit (que pode revelar-se positivo) é que sejam os dois jogos seguidos. Sem margem para erro. Zero ou um ponto em dois jogos, dificultam muito o apuramento porque ficamos imediatamente com uma desvantagem de 5 ou 6 para um dos rivais directos.

Pelo contrário, 6 ou 4 pontos nesses dois jogos, aliados à esperada vitória em Viena, garantem que chegamos com 9/7 pontos aos últimos dois jogos (mesmo perdendo com o Atlético), o que me parece suficiente, com uma vitória sobre o FK Austria em casa, para seguir em frente!

José Rodrigues disse...

Ainda quanto a Bolat...

O FCP contratou Beto para curto/médio prazo e descartou, idem aspas para Bracalli, idem aspas para Pawel. E por relativamente baixo q tenha sido o custo também nao foi zero (entre passe, comissões, prémio de assinatura, salários e eventual prémio de rescisão).

Porque é acham q desta vez vai ser diferente, para mais num jogador vindo de lesão grave? Pelo q vi nao me parece q seja melhor do q qq um desses, principalmente os 2 primeiros (alias, para mim o Beto é claramente melhor).

Pedro Albuquerque disse...

Suponho que o Miguel deve ter visto dezenas de jogos do Bolat para dizer que o guarda-redes não serve para o FC Porto.

Joao Goncalves disse...

José,

Eu compreendo perfeitamente as exclusões do Kelvin e Carlos Eduardo.

No caso do Carlos Eduardo é por causa do Herrera, Josué e Quintero (e até Izmailov numa medida menos relevante)... e já era completamente previsível... poderíamos ter emprestado Carlos em vez do Tiago para termos 22 na Champions? Podíamos, mas o Carlos está muito mais evoluído que o Tiago e o Tiago era só mesmo para fazer numero o Carlos pode ser que jogue um ou outro jogo no campeonato e comece a mostrar a qualidade que tem demonstrado na B.

Em Relação ao Kelvin é mais complicado, mas acho que ficou o Izmailov pela experiência destas andanças...

Alguém do perfil do Kelvin pode vir a fazer falta? O PF acha que não pois ainda falta-lhe cultura táctica e melhor decisão e penso que aqui está o principal factor anti-Kelvin.

Josué e Quintero são muito melhores que Kelvin no capitulo da decisão e aquilo que Kelvin poderia dar ao jogo que é imprevisibilidade, tarda em amadurecer de forma eficaz e boa para a equipa... infelizmente...

Assim o PF optou por 2 extremos com capacidade de trabalho defensivo (Varela e Licá), 2 falsos extremos com técnica, visão de jogo e muito boa decisão (Quintero e Josué), 1 extremo jovem chitado e que pode jogar a DD com qualidade - e foi por isso que ele foi inscrito na CL e que ficou no plantel (Ricardo) e um Wild Card diferente de todos os outros, que sabe guardar a bola e construir jogo de forma completamente distinto dos outros 4 (Izmailov).

José Rodrigues disse...

Ah, esqueci-me de dizer: apesar das duvidas compreendo muito melhor a contratação do Bolat do q compreendi a do Pawel. Essa sim, foi um autentico mistério, o gajo nao tinha mostrado absolutamente nada de interessante (para alem da concorrência q já tínhamos sob contrato).

Joao Goncalves disse...

O calendário não poderia ser melhor e não tenhamos qualquer duvida acerca disso...

Ir a Viena de inicio e receber os dois adversários directos em casa numa altura em que tacticamente continuamos a adaptarmo-nos a esta nova realidade é ouro sobre azul.

Acredito plenamente que consigamos 7-9 pontos nestes 1ºs 3 jogos e depois é só carimbar no Dragão na jornada 5.

Agora sim... é obrigatória ganhar em Viena... isso não tenhamos qualquer duvida! Sem isso estamos tramados.

Pedro Albuquerque disse...

"Witsel, Hulk, Luis Neto e Danny vieram da liga portuguesa, pagos a peso de ouro, e podiam ter lugar no nosso plantel mas nenhum deles é uma estrela mundial."

O Danny e o Luis Neto não vieram da Liga Portuguesa para o Zenit pagos a peso de ouro. O Danny foi pago a peso de ouro depois de jogar no Dinamo de Moscovo.
O Luis Neto custou 7 milhões de euros e veio do Siena.


A Champions League terá uma dificuldade acrescida face ao calendário que se conjuga com o calendário do campeonato nacional. Vejamos:
Depois de irmos à Áustria, temos uma deslocação difícil ao Estoril.
Depois do jogo do Zenit em casa, temos um derby face ao Sporting no Dragão, sendo que de seguida vamos a Lisboa jogar com o Belenenses e depois mais um jogo com o Zenit.
O último jogo da Champions é precedido de um derby do norte face ao Braga (que nos tem causado dificuldades nos últimos 2 anos, onde ganhamos por 3-2), sendo que depois temos que ir aos Arcos onde empatamos.

O calendário podia ser pior, mas não é de fácil. Será necessário uma boa frescura física.

DC disse...

Porque é que acho que vai ser diferente? Porque estamos a falar dum jogador internacional, referenciado mesmo depois da lesão por clubes da Premier League e que já teve inclusive antes da lesão propostas de Arsenal e Man Utd.

Resumindo, Kiezek e Bracalli não jogam sequer na mesma liga dele.

O Beto é um jogador super irregular, não percebo qual a sustentação para dizer que é melhor que Bolat.

Quanto ao custo, os prémios de assinatura existem tanto a custo zero como noutros custos. Se o Porto considera o Bolat realmente um bom jogador só tinha que aproveitar a oportunidade de negócio. Hoje em dia não há guarda-redes de qualidade a menos de 5, 6 milhões de euros, portanto pareceu-me um bom negócio.

Quanto ao que diz o Miguel, se o Fabiano é ou não melhor veremos, agora para suceder a Hélton é bom que tenhamos uma luta acesa pela baliza para evitar possíveis lesões, quebras psicológicas, etc de algum deles.

Hugo disse...

Bom artigo. Nao percebo mesmo como Kelvin fica de fora e Izmailov entra na lista . Ja me contento com os oitavos com este plantel

Miguel Lourenço Pereira disse...

Pedro,

Não sou olheiro profissional, mas já vi jogos suficientes do Bolat, sobretudo no Liege, para poder dar a minha opinião, que é isso mesmo, a minha opinião. E na minha opinião o Bolat não é um GR que eu queira na minha equipa. É fácil. O Paulo quer? O Antero quer? Força, são eles que geram a equipa, não eu. Mas a minha opinião não tem porque mudar por isso!

Quanto à sucessão do Helton, eu gostei do que vi do Fabiano, tanto no Olhanense como quando foi chamado a jogar. É suficiente para ser titular do FCP? Não sei. O Helton quando chegou tinha já muitos minutos nas pernas e notava-se a léguas que era muito bom. Antes dele tivemos todo o drama entre etapas do Baía e ninguém diz que não volte a passar. Aliás o Bolat tem tudo para ser um Woszniak, Eriksson ou Kralj, todos eles internacionais, já agora!

Miguel Lourenço Pereira disse...

João,

Estranho?
É um artigo que sai depois de fechar o mercado (para não ter surpresas) e quando se sabem os rivais. Um artigo que sai a 15 dias do 1º jogo oficial da Champions League, um espaço de tempo muito curto para o que vimos nestes últimos dias (e com paragem de seleções) seja radicalmente diferente do que vamos ver, pelo menos nas primeiras duas jornadas.

O Atlético é uma equipa in crescendo há mais de ano e meio. Facto.
O Zenit é uma equipa extremamente irregular, com capacidade suficiente para decidir jogos mas com um hábito crónico de complicar o fácil. Facto.
Essas tendências estão aí e esses são os nossos rivais.

Nós? Uma incógnita. Para nós e para eles.
Ninguém sabe ao certo se o Fernando vai atinar com o duplo-pivot ou se o Herrera vai começar a jogar. Se o Quintero tira o lugar ao Lucho (ou ao Varela) de uma vez por todas em Setembro/Outubro e demonstra em 90 minutos o que tem demonstrado em 30. Nem ninguém sabe como reagirá debaixo de pressão o Paulo, em jogos a doer e não a feijões, como serão os 26 da liga de este ano que vai ter de ganhar para ser campeão.

Portanto, qual é o momento perfeito para uma análise ao que vai acontecer? Quando já aconteceu? Durante o momento em que acontece? Aí naturalmente poderão discutir-se outras coisas, mas a festa das noites europeias arranca já e agora isto é o que há (a meu ver) sobre a mesa!

Miguel Lourenço Pereira disse...

Pedro,

"Vieram da liga portuguesa" pode ser utilizado como foram transferidos directamente da liga portuguesa ou têm um passado de origem profissional na liga portuguesa. E 7 milhões por um central não são, propriamente, trocos. Mas se isso é o mais sério, ok!

Quanto ao calendário, com a liga portuguesa que temos, é de longe mais favorável que desfavorável sendo que são os dois jogos com o Zenit que vão decidir tudo. Seis a quatro pontos nesse duplo confronto (mais os seis do FK Austria) garantem o segundo lugar. Qualquer outro cenário deixa tudo para o último dia...com o Atleti!

Anónimo disse...

"Alguém do perfil do Kelvin pode vir a fazer falta? O PF acha que não pois ainda falta-lhe cultura táctica"


Será que não há um treinador que consiga incutir cultura tática ao Kelvin? É que ele na teoria tem tudo o que se procurava de extra num bernard ou num vitinho. Capacidade de explosão, mudança de velocidade, remate, finta...

Chame-se o Carlos Brito que trabalhou com ele no Rio Ave para uns treinos específicos. E um barbeiro para lhe aparar o mohawk.

Ricardo Rodrigues disse...

Sinceramente não entendo como dizem frases do género: "Já me contento com os oitavos com este plantel", não é este plantel mais equilibrado e com mais soluções que o anterior?
Tudo bem que temos um grupo mais complicado que o da época anterior, mas passando o grupo porque não pensar em chegar aos 4.ºs, claro que tudo dependerá de quem nos calhar em sorte, mas não é difícil.

José Rodrigues disse...

DC,

antes de mais vivo na Belgica e vi jogos do Bolat para alem de resumos (certamente mais do q o A Henrique, já agora).

E o q vi foi um GR interessante mas nada de extraordinario; vi um GR q me pareceu abaixo de um Beto e ao nivel de um Bracalli (mas certamente acima de um Pawel).

Havia clubes ingleses de peso interessados nele? Nao sei, mas sei q a a ser verdade entao:

1) o interesse de um Arsenal ou Man Utd nao foi assim tao forte como isso, porque se fosse de certeza q nos ganhavam a corrida

2) a haver interesse concreto de clubes da Premier League o salario para o convencer a ir para o FCP deve ser bem jeitoso, deve...

DC disse...

Arsenal e Utd fizeram abordagens, tal como no caso do Defour. É comum neles esse tipo de relação com os jogadores.

Quanto ao Bolat, teve tudo praticamente certo com o Fulham até aparecer o Porto. O interesse foi concreto, portanto.

http://www1.skysports.com/football/news/11681/8358088/Fulham-close-to-sealing-deal-for-Sinan-Bolat-but-deal-is-not-yet-agreed

Eu confesso que conheço pouco do Bolat, mas li que tinha bom jogo de pés e que era um guarda-redes seguro e tranquilo. Um clube com o estilo de jogo do Porto não precisa dum guarda-redes que defenda bolas impossíves, precisa sim dum redes capaz de fazer duas ou três defesas por jogo e que possa apoiar o início de construção com os pés. Fabiano com os pés é horrível e por isso duvido que alguma vez ganhe o lugar. Só por isso, porque o acho brilhante dentro dos postes. Mas no Porto o jogo de pés faz muita diferença.

Joao Goncalves disse...

O que disse acima é que é um momento estranho para fazeres premonições

Se tivéssemos o VP, tudo bem e perfeitamente normal... com o PF, nova táctica e jogadores claramente a adaptarem-se à nova realidade, não podemos tirar ilações das nossas reais possibilidades.

Eu diria que o momento ideal para isso, será depois do jogo com o Atlético de Madrid (que vou fazer 700Km para o ver e ai da equipa que não se esfole para os comer).

Alem disso, neste momento as forças estão repartidas, mas temos o melhor plantel potencial, querendo com isto dizer Herrera e Quintero.

Um Onze com Helton, Danilo, Mangala, Otamendi, Alex Sandro, Fernando, Herrera, Lucho, Quintero, Varela e Jackson seria um 11 muito interessante de maior contenção... sendo que um 11 baseado em Fernando, Lucho, Quintero, Josue, Licá e Jackson é um 11 mais nervoso e ainda se trocarmos Josué com Varela, fica mais esticado.

Ou seja, se Herrera e Quintero se adaptarem ou o treinador apostar neles, podemos ficar com um 11 muito bom e sendo mesmo o melhor 11 do grupo... daí ter tido que as interrogações são várias e que nos saiu o melhor calendário possível e imaginável

Joao Goncalves disse...

Oh Miguel!

Que história é essa de andares a assumir a derrota com o Atlético no Dragão?

Já começas a chatear um bocado com isso...

Miguel Lourenço Pereira disse...

João,

Eu não assumi absolutamente nada.
O FC Porto em casa tem de assumir-se como favorito, como o foi contra o Málaga e venceu (por menos do que merecia). Mas se há equipa, no grupo, que pode ganhar bem no Dragão é o Atlético.

Se ganharmos, bem. Se não ganharmos, não será nenhuma surpresa.

É preciso começar pedir autorização para ter opinião aqui?

Miguel Lourenço Pereira disse...

Premonições?

Agora chamam-se assim? O que é isto, curso de zandinguismo?

Isto não é mais do que uma análise à situação real e actual do FC Porto, dos seus rivais e do handicaap que é jogar numa liga como a nossa em comparação com outras equipas da Europa.

Vamos jogar ao FM? Imaginar tácticas perfeitas, jogadores em grande estado de forma e treinadores capazes de lances geniais?

Ter o melhor plantel potencial está muito bem para os próximos anos. Mas os jogos são agora e vão ser a doer. E o Quintero e o Josué vão ter nas pernas a jogadores habituados a competir com Messi, Ronaldo, Iniesta, Ozil e Isco. Há potencial no plantel? Ninguém o nega. É para resultados imediatos? Acho que não.

Será que se passamos, em Novembro, podemos ter tempo e madurez para enfrentar os Oitavos de outra forma? Claro que sim. Mas é preciso chegar lá e o grupo não é propriamente o do ano passado. A margem de erro é cada vez menor e falta a experiência de Moutinho, a capacidade de decisão de Hulk e a habituação de James a estes jogos que Josué, Licá e Quintero ainda não têm.

PS: Eu também conto estar no Calderon!

Silva Pereira disse...

Boa tarde,
Concordo em geral com o seu texto, no entanto umas pequenas considerações.
Cheguei a opinar que Fabiano (inicio da época anterior) deveria ocupar a posição, mas fui perdendo a ideia e neste momento tenho como convicção que Fabiano a continuar a demonstrar a insegurança, a falta de jeito que tem em jogar com os pés e a ter a tremedeira (erros) que demonstrou com o Aves leva-me a pensar que a contratação de Bolat não foi mero acaso.
Quanto aos nossos adversários digo o seguinte o AM era o que menos desejava do pote 2.
Costumo ver os jogos do AM desde a ida de Falcao e verifico que cada vez se tornou um adversário mais solidário, matreiro e coeso há imagem do seu treinador, faz-me lembrar o espirito do FCP de João Pinto e C&A que jogavam até há exaustão (e não só). Acho até que na atual equipa do FCP só talvez o Mangala esteja a esse nível de antes quebrar do que torcer.
A minha esperança é a de que arbitragem na LC não permita o excesso de agressividade que se permite em Espanha e em especial nos jogos entre as equipas do AM / RM / Barcelona.
Quanto há referência do dinheiro não sei o que pretende dizer, o que sei é que o AM tem um orçamento superior ao FCP, que paga ordenados muito mais elevados, joga numa liga do topo e por tudo isso consegue atrair Falcao.
O que espero na LC é o FCP ganhe na Áustria, não perca em casa com o AM, faça pelo menos mais 7 pontos nos 3 jogos seguintes para não necessitarmos do último jogo para nos apurarmos.

Bluesky disse...

Bem sei que o FC PORTO e qualquer outra equipa portuguesa, holandesa, belga, romena, sérvia, russa ou croata - enfim de países tecnicamente evoluídos em futebol - não pode ser favorita a ganhar a Champions, no meio dos tubarões ingleses, es panhóis e alemães - os franceses são hibridos para mim.
Contudo como portista e até como racional, não vejo qual o motivo de ser o FC PORTO a ficar em 2º!!!! Porque não 1º? É impossivel?

Sobre a compra de Bolat, só quero dizer uma coisa. Lembram-se de Baía quando era nosso guarda-redes e até mesmo quando saiu para o Barcelona? Parecia um eucalipto. Secava tudo á volta dele. Com Helton é igual... até ao dia em que irá aparcer um guarda-redes digno desse nome (que não vejo no plantel, nem tão pouco no futebol português).

Anónimo disse...

«Kelvin não pode ser herói uma vez, falta-lhe alguma maturidade» - Carlos Brito

Kelvin, herói do tricampeonato dos dragões, está a viver um início de época... para esquecer. Ainda sem minutos no campeonato, o extremo brasileiro ficou de fora da lista que o FC Porto enviou à UEFA.

Carlos Brito, que treinou o jogador na época 2011/2012 no Rio Ave, sublinha que o jovem de 20 anos tem de ser mais regular.

«Tive a oportunidade de dizer na época passada que o Kelvin era ainda um menino. Não digo no sentido negativo mas falta-lhe alguma maturidade. Tenho esperança que o Kelvin se vá afirmar de uma vez por todas. Tem de dar continuidade, não ser herói uma vez. Falta-lhe alguma maturidade mas mais tarde ou mais cedo vai ser uma mais-valia», sublinhou o experiente treinador em declarações à Antena 1.

E marcou ao Braga...

Anónimo disse...

Se o Hulk titular do escrete, e com uma carreira que fala por si, nao é uma estrela mundial entao desculpem lá, depois do messi do cristiano e do neymar e agora do bale, sim do bale porque apesar das idiotices do blater e do palhatini este bale vale bem o que custou e vai demonstrá-lo, como dizia se Hulk nao é estrela mundial entao o bayern ganhou a champions do ano pasado sem estrelas mundiais....

João disse...

Do que tenho visto do Fabiano desde que chegou, venha o Bolat, venha qualquer coisa.. mas não mo ponham, principalmente aqueles tijolos dos pés, à frente da baliza

João disse...

O Miguel já sabe uma série de coisas em relação a Paulo Fonseca com 4 golos disputados. Que o Simeone é o melhor (com diferença) dos três, tacticamente não é nenhum artista mas o outros dois também não..

As coisas que você sabe depois de 4 jogos com jogadores e tácticas completamente novas.

Joao Goncalves disse...

Não mas se quiseres um boletim de Sócio do Atlético de Madrid arranja-se...

Custa-me ver portistas como tu, alheados da realidade das coisas...

Se existe equipa que pode ganhar no Dragão é o slb... é isso que dizes e pensas quando o slb vem ao Dragão?

O slb é uma equipa perfeitamente capaz de eliminar o Atlético de Madrid, não achas? Ou também achas que Simeone é o melhor do Mundo e arredores que perdeu a Supertaça com o Barça a jogar à slb no Dragão e tudo?

Epah! Haja coerência!

Se temos equipa para bater a concorrência nacional e acabarmos campeões, não somos favoritos a ganhar ao Atlético em casa? Se fosse a ti nem ia ao Dragão, que ninguém precisa de derrotistas lá dentro.

O Atlético pode ganhar no Dragão? Claro que pode... como qualquer uma das equipas que estão na Liga Portuguesa... estatisticamente podem.

É favorito? De maneira nenhuma! Favoritos no Dragão só existem 3 equipas no mundo... Barça, Real Madrid e Bayern... todas as outras vem cá arriar as calcinhas como fizeram o PSG e o Málaga e depois chegaram aos Quartos de Final sendo eliminados por infelicidade ambos...

Fora de casa, até na Russia não somos favoritos muito menos em Madrid, agora em casa estás a falar de uma equipa em que a última derrota na CL remonta a 09/10 com o Chelsea e na Liga Europa na em 11/12 com o Man City e todos sabemos o que essas equipas tiveram que suar para sair daqui com as vitórias.

Miguel Lourenço Pereira disse...

Bluesky,

Não é impossível, em absoluto. Também não é descabido acabar em 3º.
Como o Zé Rodrigues disse em cima, e com o qual estou totalmente de acordo, este grupo está muito equilibrado e vai ser decidido por detalhes. Pode correr bem, pode correr mal. O FC Porto pode ganhar os dois jogos ao Zenit e perder com o Atlético. Pode perder os dois jogos com o Zenit e ganhar ao Atletico. Pode ganhar os quatro, empatar os quatro, perder um e ganhar um a cada. Não vejo, à partida, nenhum resultado claro nesses seis jogos.

Pessoalmente acho que dos três o Atlético está ligeiramente à frente dos outros mas veremos como corre.

Quanto ao Bolat, já citei os casos de Wosniak, Erikson e Kralj precisamente porque imagino que a sucessão de Helton seja um processo similar. Desde que o Helton chegou ao clube já passaram por aqui vários guarda-redes e nenhum aguentou a concorrência. Quando sair, apesar de alguns frangos comprometedores, vai ser um vazio muito dificil de parar.

Joao Goncalves disse...

Miguel,

Claro que temos senão porque raio andamos neste blog? Vamos mudar de clube para o Real, Man City ou Chelsea não (isto para fugir a cores vermelhas)?

O nosso plantel está muito bem e recomenda-se... prova? 4 jogos na Liga portuguesa onde 3 os adversários nem se mexeram.

Ora isto é o que se pretende... o duplo pivot está afinado? Não!

Josué e Licá tem andamento? Não sabes tu nem eu, mas certamente Varela o tem.

E é isto que estou a dizer! Tu não podes depreender ou analisar seja o que for, sem ver os jogadores sobre a pressão de um palco como a CL.

Análises para consumo interno... certamente dá para fazer e mesmo assim precisamos de uma amostra de 6 jogos pelo menos para tirar melhores ilações.

Análises da CL, se queres basear no que se tem visto para o campeonato temos... é claro que temos! Mas é algo diferente que só se pode analisar em claro depois do jogo com o Atlético de Madrid

Joao Goncalves disse...

Respondendo do teu P.S.: Para mim 700Km é para estar no Dragão e não no Calderon

Anónimo disse...

Bem, só queria aqui lembrar a alguns que o futebol também é negócio, também é contabilidade. E no caso do Bolat, está-se mesmo a ver que foi para tapar ou pagar qualquer buraco no deve e haver a nível de uma qualquer rúbrica de contabilidade.
Para os que não atingem à 1ª, lembrar o caso do jogador Bébé que até era do Belenenses e depois já era do V. Guimaraes e depois foi vendido por 9 milhões ao MU e que agora é emprestado ao Paços Ferreira. Tudo isso numa joga joga de saldo de contas em aberto entre o Empresário Jorge Mendes e o MU. Assim, no caso do Bolat poderá ser a mesma coisa. às vezes é preciso meter nomes de jogadores ao barulho como moeda de troca de negócios que o comum dos adeptos não atinge nem está por dentro dos pormenores. Outro ex., concreto. Veja-se o negócio do Pizzi que brilhou no Paços e que o Braga vendeu ao Atlético Madrid para a seguir ser emprestado ao Deportivo para a seguir ser comprado pelo Benfica que logo o emprestadou ao Espanhol!
Assim que esqueçam lá o Bolat. Pois não conta para o totobola.

Joao Goncalves disse...

Anónimo,

Nem o Carlos Brito conseguiu... o Kelvin no Rio Ave era maioritariamente suplente

Eu vejo todos os jogos da equipa B e quando a bola chega ao Kelvin é raro o lance em que ele toma uma decisão bem tomada ou faz uma jogada de envolvimento com um colega... normalmente é sempre remates disparatados de longe ou perdas de bola inconsequentes.

Tem melhorado no aspecto de apoio defensivo e das movimentações para receber passes dos colegas em ruptura mas depois mostra uma terrível finalização dentro da área.

Kelvin é um jogador que tem de aprender a jogar em equipa e em começar uma jogada com um objectivo definido e não começar a jogada com um de dois pensamentos... "vou rematar fora da área" ou "vou fintar este que está à frente e depois logo se vê"...

Resolvendo isto temos um Kelvin diferente o pior é... resolver...

Czarli disse...

Serei o único a achar que o Bolat e o puto novo que veio foi apenas para mostrar peito ao Standard depois das bocas que mandaram o ano passado pelo suposto atrasado no pagamento do Defour e do Mangala?

Czarli disse...

Bom texto, mas não concordo com o Atlético que "Também não contam com estrelas". Uma equipa que tem no plantel o melhor marcador da La Roja, jogador campeão mundial e europeu de selecções e campeão europeu de clubes, tem obrigatoriamente de ser "estrela". Fora outros jogadores que esse facto seja mais ou menos discutível, tem claramente jogadores de alto nível.

Também me custa ver lá o Izmaylov. Estamos a pagar um salário milionário para os resultados que todos nós sabemos. Não friso o facto de estar ou não estar na lista, simplesmente custa-me ver tal jogador no plantel, quando poderiam estar outros.

D. disse...

Mais um excelente artigo, MLP. Obrigado. É verdade que o campeonato português condiciona muito o ritmo competitivo do plantel do FCP. No entanto, é preciso também reconhecer que o sucesso recente do FCP depende em grande parte da sua integração nesse mesmo campeonato pouco competitivo, que lhe assegura presença regular na Champions.

Uma solução óbvia (mas talvez inviável?...) seria a integração do Porto, juntamente com as três ou quatro melhores equipas portuguesas, numa taça ibérica. Há alguma razão conhecida para essa proposta nunca ter sido avançada pelo Porto? (Se calhar até já foi mas eu não estou ao corrente...)

DC disse...

O Bale vale 100 milhões? Um gajo que marcou 20 golos e nunca ganhou nada na vida vale 100 milhões?

Então só admito vender o Jackson por 150!

Miguel Lourenço Pereira disse...

João,

Não posso?
Cada vez que alguém escreve sobre um Mundial e um Europeu dias antes de começar a prova está a fazer o quê? Todos os blogs, sites e jornais que estão a antecipar a Champions estão a fazer o quê?

Por poder, eu posso fazer as análises que quiser, não é isso que está em causa. Temos jogadores no plantel com zero - ZERO - experiência em jogos europeus. Jogadores com alguma (Alex Sandro, Danilo, Defour, Mangala, Jackson) e jogadores com muita (Helton, Lucho, Otamendi, Varela). Naturalmente que a forma como encaram os jogos pode variar, podemos ter surpresas e decepções. Mas é fácil ver que no plantel do Atlético de Madrid só o Villa tem jogos de Champions a sério. E no entanto para mim está em vantagem comparando com Zenit onde há muitos mais minutos europeus nas pernas. Esse não é o critério exclusivo para tentar perceber o que se vai passar.

"O nosso plantel está muito bem e recomenda-se... prova? 4 jogos na Liga portuguesa onde 3 os adversários nem se mexeram."

Continuar a falar de jogos europeus e sacar jogos de um campeonato sem interesse nenhum, isso sim não faz sentido.

"o duplo pivot está afinado? Não!"

E em jogos europeus é mais importante do que nunca e o primeiro vai acontecer daqui a 15 dias, com uma semana de treino pós jogos internacionais. Evoluirá realmente?

"Josué e Licá tem andamento? Não sabes tu nem eu, mas certamente Varela o tem."

A mesma dúvida se podia por em muitos dos jogadores da era Mourinho que responderam muito bem. E Varela pode ter andamento e experiência mas há muito tempo que não tem ritmo para isto.

PS: Eu não disse que não. Mas não vou ver um jogo ao Calderon a pensar que vamos levar no pelo. Só a diferença de preços nos bilhetes com o Dragão sai-me mais barato ir de avião ao Porto ver o jogo em casa!

Miguel Lourenço Pereira disse...

João,

Esse argumento de primária tem uma piada. Não se concorda, é-se do rival. Se eu quiser ser sócio do Atlético de Madrid E do FC Porto (ou do Getafe) que diabos tens tu a ver com isso?

Por saber perfeitamente o que vale este Atleti é que não estou nada alheado das coisas. Passou o mesmo com o Málaga o ano passado. Tantos bitaites, tanta gente eufórica e o Miguel a por as coisas em perspectiva e no final - também por culpa própria - afinal passou o Málaga.

Eu não disse que o Atlético ia ganhar no Dragão. Disse que podia perfeitamente acontecer. Não digo isso do FK Austria. E o Benfica pode perfeitamente ganhar no Dragão. Perfeitamente. Aliás, ao Atlético um empate basta para ser um bom resultado, o mesmo que o Benfica tinha até ao 92 minutos do ano passado. Mas se falamos em realidades...

Nem tu, nem ninguém, tem moral ou carta de alvedrio para dizer quem deve ou não deve, pode ou não pode ir ao Dragão. Quem paga quotas e bilhetes e vai, tem o direito de pensar como quiser, manifestar-se como quiser. É o estádio do Dragão ou o comicio de Nuremberga?

PS: "Só há 3 equipas no Mundo favoritas no Dragão"? Não sei o que é, mas eu quero disso que tu tomas!

Miguel Lourenço Pereira disse...

O Hulk uma estrela mundial?

Este rapaz toma o mesmo que o João ;-)!

Miguel Lourenço Pereira disse...

João,

Obrigado ;-)!

Miguel Lourenço Pereira disse...

Czarli,

Antes da lesão, de acordo. Desde 2011 que o Villa está muito longe de ser uma estrela. Aliás, neste plantel, está atrás do Diego Costa na minha opinião em influência no jogo da equipa!

Miguel Lourenço Pereira disse...

Não vejo nenhum elemento a favor da criação da chamada taça ou liga ibérica. Além do mais, a UEFA é uma organização que organiza provas de federações e nunca permitiria, como não sucede com o Benelux, por exemplo, essas misturas.

Quanto ao primeiro ponto, sem dúvida. O FC Porto entrou num ciclo em que o dinheiro da Champions lhe permitiu ganhar vantagem interna para ser campeão e voltar à Champions de forma sucessiva. Quando foi preciso jogar pré-eliminatórias, a coisa complicou-se.

DC disse...

Miguel, se tivermos em conta que já defrontamos no Dragão Arsenal, Liverpool, Chelsea, Man Utd, PSG, Sevilha, CSKA, Shakhtar, Zenit, Atlético, Inter, etc... e que já os vencemos a todos, compreendo a frase do João de que só essas 3 equipas são favoritas no Dragão.

Mas distingo claramente o que é ser favorito do que é ter o favoritismo repartido, como na maior parte desses casos.
Agora, acho que é óbvio que em casa somos fortíssimos contra qualquer equipa do mundo.

Mas concordo consigo de que o Atlético pode perfeitamente vencer no Dragão tal como o Zenit. E não renego sequer a hipótese de surpresas depois do que vi acontecer com Artmedia ou Apoel.

Miguel Lourenço Pereira disse...

DC,

Precisamente.
Uma coisa é o discurso populista de que pelo Dragão não passa ninguém salvo dois ou três e outra é o realismo. Que somos muito, muito fortes em casa, ninguém duvida. Nem aqui nem na Europa. Mas isso não nos torna invenciveis e a história não joga. Uma equipa que se revele frágil está exposta a quebrar recordes. Há um lote de equipas que podem perfeitamente chegar ao Porto e dizer (para fora ou para dentro) eu posso ganhar aqui. Outra coisa é que o façam.

Não acho racional achar que o FC Porto tem de ganhar em casa (ou não pode perder) com equipas como o Chelsea, o Dortmund, a Juventus, o Manchester City e até o PSG, Arsenal, AC Milan ou Atlético de Madrid. Temos mais opções do que contra Bayern, Real e Barcelona? Talvez. Mas são jogos a 50%-50% da mesma forma que entendo que esses clubes não vejam com bons olhos receber o FCP em sua casa. Temos o nosso prestigio e merecemos tê-lo.

Se formos pelo populismo fácil do aqui ninguém manda, que está bem para mandar uns bitaites e para motivar os jogadores, então ainda corremos o risco de algum dia vir cá o Bayern, o Real e o Barça empatar por casualidades do destino e então temos o João a dizer que no Dragão não vem ganhar ninguém.

José Lopes disse...

Miguel, complicou-se tambem porque jogamos essas eliminatorias em anos em que tinhamos equipas sofriveis. Lembro-me bem do jogo em casa contra o Anderlecht em 2000 e depois e' lembrar o que foi essa epoca. O mesmo se pode dizer da seguinte em que ate eliminamos o Grasshoppers.

Miguel Lourenço Pereira disse...

José,

Actualmente como está o play-off, uma equipa como a que nós tinhamos em Agosto (que é quando se joga), inexperiente, com um treinador novo e muita juventude apanha um rival mais experiente e passa por muitos problemas!