quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Reavivando o espírito Calabote

De vez em quando os portistas são “presenteados” com arbitragens vergonhosas que fazem lembrar os tempos desse monstro da arbitragem que dá pelo nome de Inocêncio Calabote. A última dessas arbitragens escandalosas tinha ocorrido em Barcelos, em 28/01/2012, quando Bruno Paixão apitou o Gil Vicente x FC Porto naquela que foi a última derrota do FC Porto para jogos na Liga. O Gil venceu por 2-1 com a preciosa ajuda da paixão de Bruno.

Nesse jogo de Janeiro de 2012 houve a registar (i) que o livre para o primeiro golo do Gil nasceu de uma falta inexistente, (ii) que Defour foi atingido com violência no nariz dentro da grande área gilista e que não foi marcado penalty contra os da casa, (iii) que o centro para a área portista onde Otamendi deu mão na bola (e nesse caso foi marcado penalty!) foi feito por um jogador em claro fora-de-jogo, e (iv) que o avançado Kléber foi travado pelo guarda-redes do Gil dentro da área, o que seria mais um penalty e que não foi marcado. Foram 4 lances críticos com influência directa no resultado.

Ao longo dos últimos quinze anos têm aparecido árbitros que teimam em reavivar o espírito de Calabote, com arbitragens tendenciosas e com erros (muito) grosseiros. A lista é longa e das suas performances temos dado nota no Reflexão Portista:


Agora temos mais um artista para fazer parte do quadro de honra do SLB: Rui Silva

No Domingo passado, na deslocação à Amoreira para jogar com o Estoril, em jogo da 5ª jornada da Liga, o FC Porto voltou a ser alvo de uma arbitragem habilidosa e tendenciosa, desta vez por parte desse Rui Silva, um indivíduo que já foi suspenso pela FPF por 20 meses no âmbito do processo Apito Dourado.


Desde cedo que o árbitro condicionou o comportamento e a exibição dos jogadores do FC Porto marcando faltas sem qualquer critério. Sempre que um jogador estorilista sentia contacto do adversário atirava-se para a “piscina”. O FC Porto tem mais de 20 faltas enquanto o Estoril nem chegou à dezena. Espectáculo lamentável de uma equipa de quem dizem maravilhas e mais lamentável ainda de um árbitro que se quer, naturalmente, imparcial. Num jogo com um resultado final equilibrado acaba por ser muito estranho que uma das equipas tenha cometido o triplo das faltas. O cúmulo de uma noite para esquecer (ou para relembrar) foi o penalty assinalado contra o FC Porto por mão na bola de Otamendi, quando este se encontrava completamente fora da grande área! Surgia assim o primeiro golo fantasma.


Aos 30 e aos 60 minutos o árbitro mostrou cartões amarelos a Mangala e a Alex Sandro, por faltas normais na disputa de bola, sendo decisões manifestamente exageradas e que condicionaram a posterior actuação destes jogadores. Aos 80 minutos veio o corolário de uma actuação brilhante, com o golo do empate do Estoril a surgir de um jogador que estava em posição irregular. E estava feito o segundo golo fantasma que deu um empate ao Estoril e deixou Marco Silva radiante. De notar que o treinador do Estoril chamou, com todas as letras, “fdp” a Paulo Fonseca, tendo o treinador do FC Porto optado por “dar a outra face”.

Uma noite de sonho para os cânones benfiquistas de arbitragem. Rui Silva terá a partir de agora, e à semelhança de Bruno Paixão, uma carreira fulgurante. Não admiraria muito que chegue rapidamente a internacional.
   

20 comentários:

Nuno Nunes disse...

Também há Calabotes em Espanha. O Real Madrid ganhou ontem ao Elche com um penalty fantasma quando já passava um minuto do tempo de descontos:
http://www.youtube.com/watch?v=B44qz1sR314

Anónimo disse...

o porto tem que passar ao ataque, e ja devia ter exigido que este labrego vendido nao arbitre mais o nosso clube. A maquina do clube de salazar esta sempre presente, e de tao pressionados que estao, vai valer tudo...temos que ser mais agressivos fora das 4 linhas senao os saudosistas do fascismo passeiam-se. Ha alturas que temos de chamar de tudo aqueles fascistas. Ja andam a manipular e a accionar todo o tipo de corrupcao para ver se o Jorge Jesus nao leva o castigo merecido. Temos que passar ao ataque, nao se esquecam que lidamos com gente a quem andamos ha decadas a entalar, perdoem-me a expressao mas eles ja nem conseguem andar com tanto entalanco. Eu tambem ficaria desesperado. Portista de Lisboa

Anónimo disse...

Inocêncio Calabote é, tal como o nome indica, inocente, tanto quanto Jorge Jesus.

Paulo Pinto disse...

Caros portistas,

Concordo que o FCP foi prejudicado escandalosamente no lance da grande penalidade e na amostragem absolutamente desnecessária de alguns cartões amarelos. Quanto ao lance do segundo golo do Estoril em que parece haver fora de jogo é um erro que se aceita, já que só com a repetição se consegue perceber.

Também já sabemos que imprensa, quase toda ela ao serviço do clube do regime gastará toneladas de OMO para branquear os prejuízos do FCP e empolar algum eventual benefício.

Mas meus amigos, não é isto que acontece à décadas!? O que nos deve preocupar efetivamente é a forma miserável como o FCP tem jogado, isso sim é novidade!!!
Mesmo no passado mais recente quando as exibições não eram brilhantes, os adversários nem cheiravam a bola. E agora qualquer Estoril ou Austria de Viena nos encosta às cordas!

Calabotes sempre existiram e continuarão a existir, mas o hábito de justificar o insucesso com as arbitragens é uma especialidade dos calimeros e das galinhas (e que nós tantas vezes criticamos), não sigamos por esse caminho dos invejosos e medíocres.

Se o FCP tivesse feito uma grande exibição, tivesse tido um domínio avassalador, com bolas no poste e grandes defesas do guarda redes do Estoril, se fosse um daqueles jogos em que a equipa faz de tudo para ganhar mas por capricho a bola não que entrar, aí sim deveríamos mostrar a nossa indignação com a arbitragem. Para já devemos é exigir que FCP jogue mais à bola, porque temos equipa para isso.

Abraço.

Nuno Nunes disse...

Caro Paulo Pinto,

A má exibição na Amoreira foi a primeira coisa a merecer destaque neste blog. Só no dia seguinte foi publicado um artigo com a análise à arbitragem.

No entanto, imparcialidade no desempenho do árbitro é essencial e é algo que o FC Porto tem de exigir, quer jogue bem ou mal. Aliás, essa é quase uma situação precedente. Sem Calabotes a apitar os nossos jogos temos mais condições para ganhar e fazer exibições convincentes.

Apitar 25 faltas contra nós e menos de 10 contra o Estoril condiciona muito a nossa exibição. Não houve assim tanta disparidade na forma (faltosa) de abordar os lances divididos. Não é possível assumir o jogo se a cada lance disputado o adversário se atira para o chão e o árbitro vai na fita, que foi o que aconteceu. Já para não falar no penalty, digno de figurar nos videos caricatos do Youtube ou do WATT's da Eurosport.

Nuno Queiroz disse...

É bom que nos lembremos que todos os anos isto acontece. Mas, tal como na célebre derrota com o Gil Vicente em que o Porto jogou muito pouco também contra o Estoril fizemos um jogo fraquinho. Mas também sabemos que são muitas vezes os jogos em que jogamos pouco mas ganhamos que fazem os campeões.

O jogo contra o Estoril é realmente fraco mas diga-se também que o árbitro teve influência decisiva no desenrolar do jogo. E junto aos vários lances o inicial protagonizado por Otamendi. Pessoalmente acho que o árbitro devia ter marcado falta e mostrado o cartão amarelo (embora pudesse ser vermelho) sendo que, ao contrário do que dizem, a falta não é assim tão evidente até porque não tenho a certeza de que Otamendi tenha tocado o avançado. Acontece que, a partir daí foi um festival do árbitro. Todo o jogador de amarelo que se atirasse para o chão era concedida falta e o jogador do Porto em alguns casos amarelado. Quer o amarelo a Mangala quer ao Alex Sandro são inacreditáveis. Aliás, é só ir ver o que se passou com o Paços de Ferreira (em que, segundo os gayvotas, o Porto foi beneficiado - só ostava de saber em quê?) em que o defesa esquerdo do Paços, já amarelado, ceifou o jogador do Porto que entrava pelo lado direito e não foi expulso nem ninguém disse nada - e isto foi antes do golo do Porto.

Na mão na bola do Otamendi, é incrível a marcação do penalti (na televisão vê-se logo, em jogada corrida, que é fora da área) dando de barato que marcasse a falta apesar do fora de jogo claro. Também no 2º golo do Estoril mesmo com o Mangala supostamente a dar condição, falta o 2º jogador uma vez que me parece que o jogador do Estoril está à frente do Helton.

Mas, para além destas jogadas decisivas temos ainda o condicionar o jogo todo com faltas que não existiam e com um deixar andar do guarda-redes do Estoril.

Uma palavra para o Marco Silva. Acho que é um bom treinador mas ainda estava traumatizado por ter sido um dos responsáveis pelo "quase" campeonato do benfas na épocaa passada. Imagino a pressão dos Lobinhos, Gosmas da Silva, Bieiras e outros defenestrados brumelhos aziados sobre o Marco e daí o extravasar exagerado. Para quem treina o Estoril, não deve ser fácil.

PORTO SEMPRE!

Anónimo disse...

O Rui Silva foi castigado ao que parece.
E o clube ou dirigente?
Será como diz Bernardino Barros ,um daqueles clubes que nunca são suspeitos de nada ?!

DC disse...

E fosse só isso...
https://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=K7f-lznBs0o#t=108

Vamos com 5 ou 6 jornadas e já decidiram quem vai ser campeão em Espanha. Quem investe 100M num jogador que não vale um terço não pode arriscar não ganhar nada, de novo.

Nicolau T disse...

Boas...

Acho que temos de ser superiores a isto tudo... É certo que o FCP foi prejudicado na Amoreira, tal como foi em 2011 em Barcelos, mas não nos podemos esquecer que também virão os jogos em que seremos beneficiados e aí todos ficam sem palavras...

Eu como portista não gosto de entrar pelas desculpas às más exibições, através das arbitragens. Não foi assim que fui habituado e acho que essa atitude é característica dos adeptos da 2ª Circular... o FCP não está onde está por causa de fazer choradinho, bem pelo contrário... O FCP está onde está por causa do clima de "guerrilha" (com as devidas distâncias) verbal que criava aos adversários e a pressão que daí advinha...

Por isso é que vejo com agrado que o BdC está a pedir para ser mal recebido no Dragão, pois não tenho dúvidas que o será certamente... Não com violência física, como é óbvio, mas com imensa pressão vinda dos adeptos portistas, que quando querem conseguem criar ambientes de difícil digestão...

Resumindo... O FCP, jogadores e equipa técnica têm de se focalizar no que realmente interessa, que é ganhar jogos.. Aproximam-se aí jogos complicados ( Atl Madrid) e o FCP não se pode apresentar como se apresentou na Amoreira.. Somos Porto e como tal exigimos mais entrega.

Cmpts

Anónimo disse...

E o “chinês” de Santarém?

Nuno Nunes, em 1978 ou não eras nascido ou ainda eras muito bébé, porque essa história da finalíssima da Taça de Portugal, no campo de Oeiras, arbitrada pelo Mário Luís, é inesquecível.

HULK 11M disse...

Neste "quadro de deshonra" falta incluir o auxiliar que acompanhou o ataque do FCP na 2a. parte e que é o responsável pelos erros mais graves: invenção do penalty e amarelos ao Mangala e Alex Sandro! Atenção ao homem em nomeações futuras...
Para completar as "encomendas": soube-se agora que os incidentes em que se envolveu Jorge Jesus com a Polícia em pleno relvado não constam do relatório dos árbitros nem do delegado da Liga!!!! Incrível não é? Lembram-se dos casos dos túneis da Luz e Braga???

Ruca disse...

É realmente incrível... é para vermos como as coisas estão a ser feitas "pelo outro lado". Aliás, nunca deixaram de o ser. É por isso que nunca podemos descansar fora das 4 linhas.
A falsa modéstia e hipocrisia de dirigentes e adeptos da vermelhada e, agora, lagartada, é de tal forma ridícula que tem que nos dar cada vez mais vontade de os arrumar em qualquer desporto, em qualquer campo, mesmo quando parece fácil de o fazer.
É por isso que me incomodam os assobios e criticas fáceis de adeptos Portistas à equipa, quando não há razões para tal. Quando o NGP sair, não podemos perder a união em torno de um propósito e uma identidade vencedora que nos é característica. Temos que a continuar a fortalecer para vencer e arrumar com tudo o que é mouro lampiurso ou laga(y)rto das "grandes decisões". Isto é só futebol, sim, mas às vezes também é mais do que isso.

Nuno Nunes disse...

O artigo sobre esse árbitro está aqui no RP:
http://www.reflexaoportista.pt/2008/03/dicionario-sistema-mario-luis.html

alex disse...

Não será que a atitude do Marco Silva se deve antes a um certo despeito por, aparentemente, ter sido preterido pelo FCP a favor de Paulo Fonseca?

Paulo Pinto disse...

Caro Nuno Nunes,

Concordo plenamente que o FCP deve exigir imparcialidade por parte dos árbitros, aliás, todas as equipas o devem fazer.

O que eu penso é que não será pela arbitragem que o FCP será ou não campeão, esse objectivo só será alcançado se formos competentes, que é aliás a nossa imagem de marca.

Eu sou da opinião que o FCP não é nem mais beneficiado ou prejudicado do que os outros, todas as equipas (principalmente
os grandes) têm benefícios e prejuízos ao longo da época, será a qualidade e competência de cada um que fará a diferença.

O que existe sim, e contra isso devemos lutar, é enorme diferença de tratamento dos erros de arbitragem por parte da comunicação social (na sua esmagadora maioria radicada em Lisboa), quando esses erros envolvem o FCP ou os seus rivais, com o objectivo de passar a mensagem que o nosso clube é mais beneficiado que os outros, lembro que há canais de televisão que têm programas semanais unica e exclusivamente esse objectivo, nomeadamente a SIC Noticias que ao Domingo à noite dá duas horas de antena a um....nem sei que lhe chamar, para poder debitar a sua ladainha de anti portista primário sem qualquer direito a contraditório.

Isto sim é revoltante e tudo devemos fazer para denunciar este 'jornalismo' de sarjeta.

Grande abraço.

Anónimo disse...

Faltou referir a falta marcada ao Fernando quando cabeceia para grande defesa do GR na 1ª parte. Se a bola entrava... o árbitro bem pode agradecer ao GR do Estoril.

Todos somos beneficiados e prejudicados, mas há arbitragens e arbitragens. Há já algum tempo que não me recordo de ver o Porto ser beneficiado desta forma para se andar a dizer que quando o formos vamos ficar sem palavras. Estou para ver quando vamos ser beneficiados desta forma para a balança ficar equilibrada.

JOSE LIMA disse...

Caro Nuno Nunes
Como eu referi no II Encontro da Bluegosfera, estive em Torres Vedras à espera que acabasse o jogo do clube da treta com a CUF.
O meu maior gozo como portista foi ter ganho o campeonato nesse ano.
Abraço e cumprimentos pelos seus recentes artigos

Anónimo disse...

http://economico.sapo.pt/noticias/readers-digest-lisboa-e-a-cidade-menos-honesta-do-mundo_177931.HTML

João disse...

Nesse Gil vs. Porto não ficou por marcar outro penalty sobre o Mangala? O do Kléber é só o penalty por marcar mais escandaloso em Portugal desde Campo Maior mas tenho quase a certeza que foram 2.

RBN disse...

Estou muito admirado, mas muito admirado pelo facto de ninguém no Sporting, do tratador da relva ao presidente, ter feito qualquer comentário sobre a "equipa de ballet" que o franguinho presidente da AFL escreveu na sua página do facebook, a respeito do jogo Sporting 0 - sl bosta 2.
E mais admirado fiquei pelo facto de o vosso presidente sentar-se à mesma mesa do referido franguinho no aniversário da AFL, e digo franguinho porque como toda a gente já percebeu, o franguinho é lampião da pior espécie tipo tarzan gomes da selva.
E mais ainda fico admirado pelo facto do frangote dizer "Lisboa vai voltar a dominar o futebol portugues, custe o custar, doa a quem doer", e ninguém do Sporting, do tratador do lixo ao Stromp, ter-lhe perguntado se estava se referindo à Lisboa ou ao clube do coração.
Mas isto não interessa, certo?O Sporting pode passar por equipa de ballet no facebook do frangote racista, desde que o Caldeira seja punido por alegadamente "agredir" um frangote que primeiro disse que APENAS LEVANTOU O PUNHO, depois no aniversário a AFL, perguntou se NÃO PODIA COMEMORAR EFUSIVAMENTE OS GOLOS DOS CLUBES DA SUA PARÓQUIA, além de ter dito MURRO, depois virou PALMADA e no aniversário da AFL, disse COBARDEMENTE AGREDIDO.
Num camarote pequeno, mas abarrotado de gente, quase que à altura do relvado, será que os jornalistas, camaras de tv e fotógrafos não iam notar que qualquer coisa grave estava a acontecer e dirigiam atenções para o local, como o fazem nos casos de brigas de adeptos ou jogadores, invasões de campo e etc?
Parece que depois do tarzan gomes da selva ter dito que foi "cobardemente agredido no Porto" num sábado, e ao invés de ir à policia prestar queixas, ligou imediamente à redacção da Bola e teve honras de 1ª página no domingo, sendo que na 2ª aparece no Dia seguinte sem uma marca ou nódoa negra da "cobarde agressão", temos outro caso semelhante onde com quase 400 agentes da autoridade presentes no estádio, o franguinho também não apresentou queixa, preferindo em primeiro lugar, contar tudo aos jornais.
Se calhar não devia ficar admirado, afinal anda tudo a tentar branquear o que se passou em Guimarães, e nada melhor que um franguinho "agredido" para desviar atenções do impune do costume, o catedrático, que se for punido, deverá pegar gancho em junho, julho ou agosto, ou num castigo cirúrgico que acabe mesmo a tempo de estar no banco para dirigir a equipa num jogo importantíssimo.
Não foi assim com a agressão ao Luís Alberto do Nacional, em que o agredido pegou 30 dias e o chiclas apenas 11 dias, mesmo a tempo de dirigir a equipa na 2ª mão da taça em 2010/2011?Não foi assim com o limpinho limpinho?Não foi assim com os dirigentes do Marítimo no galinheiro?