segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Lutar, ganhar e convencer


A vitória prometida do SCP afinal não se concretizou, apesar das múltiplas promessas e “ameaças” de jornalistas, comentadores, treinadores, jogadores e de outros pensadores, todos eles sábios em futebol e muito isentos, porque nunca olham à cor da camisola. Vencemos contra ventos e marés; o adversário saiu cabisbaixo porque acreditava que chegava ao Dragão e nos ia esmagar.

E como chegámos à vitória, que parecia não constar da ementa, poderá ter muitas leituras, mas fixo em dois pontos fundamentais: tacticamente a equipa esteve muito bem e o resto foi a superior qualidade dos nossos jogadores.

Não fizemos um jogo de embalar nem de maravilhar, mas o FCP jogou com intensidade e bateu-se contra uma equipa que se esforçou, aconchegada num primado de superioridade, sufragado pelos mesmos de sempre. Não sei o que escrevem as estatísticas, mas acho que a vitória, embora suada, foi de todo merecida. As finais são para ganhar e esse foi o guião que cuidamos de perseguir. Vencer era o mais importante, pelos pontos e para atenuar o alvoroço que andava por aí.

Na primeira parte o domínio e a superioridade do FCP foi clara, enquanto no segundo tempo o jogo foi mais dividido. O SCP subiu um pouco mais as linhas e fomos menos activos na zona de pressão. Demos um pouco mais de liberdade a William Carvalho que pautou o jogo em função da maior liberdade que passou a dispor. E nessa altura o controlo não foi tão eficaz.
Sofremos o empate, mas um momento de inspiração de Danilo fez toda a diferença, e passámos para a frente. Apesar de alguns ataques do SCP com algum perigo, voltámos a marcar e resolvemos o jogo numa transição rápida, o que saúdo porque não é muito normal este movimento sair com êxito na nossa equipa.

Vitória justíssima, e um bom jogo porque teve os ingredientes necessários para assim o classificar: luta, intensidade, empenho e bons momentos. Nem vou realçar que ainda perdemos demasiados passes e que a alguns jogadores ainda queima a bola. Muito contente com a vitória, a exibição e a capacidade de lutar e sofrer demonstrado pela equipa.

Boa arbitragem. Das individualidades destaco o Varela que tão “mal estimado é” e esteve a grande altura. Danilo marcou um golo portentoso. Herrera ainda não se adaptou ao jogo mais posicional e de controlo da bola, mas vai melhorar e constituir-se num bom reforço. Os restantes estiveram bem.

E depois do “desastre” do Zenit, brilhou uma luz de esperança. O futebol tem a inusitada função de nos demonstrar que as verdades no futebol são pouco duradouras. Esta vitória tão saborosa, associada à visita do Museu que cumpri no dia inauguração, amaciou, e de que maneira, as sombras que pairavam por aí. Obrigado FCP. Um pouco de alegria dá sempre jeito!

25 comentários:

Nuno Nunes disse...

Grande texto Mário!
A vitória, e a exibição, vieram dar tranquilidade e confiança ao grupo de trabalho. Também é importante neste momento porque se avizinham jogos decisivos na Liga dos Campeões.

O Sporting tem uma equipa bem organizada tacticamente mas Leonardo Jardim quis esticar uma manta curta e jogou de peito aberto no Dragão. Julgou que tinha uma equipa do calibre de um Atlético ou de um Zenit.

O que me continua a preocupar no FC Porto são as transições ofensivas. A equipa tem uma enorme dificuldade a sair com a bola controlada a partir da zona defensiva. A bola circula entre os defesas, vai para o Fernando ou para o Herrera e acaba invariavelmente nos pés do Otamendi que, ou demora uma eternidade a largá-la (até porque nunca existem linhas de passe, ninguém se mexe) e chuta prá frente ou se deixa abalroar por um adversário e sai asneira.

Lucho está sempre 20 metros adiantado, não participa no jogo de construção, Varela é claramente um extremo e acaba por ser o Josué que confere algum equilíbrio aquela zona quando deriva para o centro do terreno. Ontem, depois de alcançado o 2-1, foi a primeira vez que vi o sistema 4x2x3x1 a funcionar com efectividade. O treinador terá que trabalhar muito mais as saídas para o ataque.

rbn disse...

O ex-porting melhorou bastante em 1 ano.

Para se ter uma idéia, na época transacta segundo os comentadeiros, "jogaram olhos nos olhos", mas deram o 1º remate em direcção à baliza aos 80 minutos!!!
Ontem, o 1º remate foi aos 60 minutos, o charuto(ou chouriço?) que deu o empate onde até aí, nada o fizeram por merecer.

Sempre escrevi aqui que o maior medo que tenho quando se joga contra equipas fraquinhas é o "golo fortuito no 1º (ou único) remate à nossa baliza".Foi o que aconteceu ontem.

Também sempre escrevi aqui que Danilo a nº 8 (ou na ponta-direita) devia ser testado, com Fucile a lateral.Na 1ª parte, ele investiu por ali, mas falhou o último passe cortado por um lagarto.Na 2ª parte, também por ali, fez o 2º golo.

Herrera na minha opinião fez um jogaço.

Varela fez uma exibição para o MST dizer que "por pura sorte a bola veio ter com ele, e com a sorte de estar no sítio certo, a bola por sorte bateu no sítio certo da cabeça do Varela e por sorte, foi uma assistencia na medida certa para Lucho marcar o 3º":-)

Entretanto, o que realmente queria dizer é que a tónica dos comentadeiros logo mais será a violencia antes do jogo, deixando a derrota do lagartinho falante em 2º plano.

E não se admire se os comentadeiros do império(principalmente o dr cutty sark ou o tarzan gosma da selva, de quem tudo pode se esperar) vierem dizer que os 50 ou 100 arruaceiros foram culpa do NGP, ilibando o lagartinho falante(ou falastrão) de qualquer responsabilidade sobre ter dito que queria "ambiente hostil, ser mal recebido, não tenho medo, meu pai está gagá", enfim palavras meigas para "tentar serenar os ánimos" um mês antes do clássico.

E como não podia deixar de ser, o manhoso aziado anti-porto publicou na capa do seu papel higienico: "leões recebidos à pedrada".Onde foi?

3 secos e rabinho entre as pernas, ó lagartinho falante!!!

António Teixeira disse...

Caro Mário,

Parabéns pelo texto cuidadoso e ponderado, e parabéns também ao FC Porto por esta alegria.
E é isto, este Porto, jogando mal ou bem, parece que, por vezes, tem coração. É capaz, pelo menos a mim, de esperançar o sonho das grandes glórias e, ao mesmo tempo, de fazer descer o adepto aos sinuosos caminhos do submundo. Será, segundo creio, um Porto forte nos momentos em que é preciso ser forte, tal como já se havia visto contra o Zenit; não deixará de ser um Porto fraco em outros momentos, especialmente naqueles em que se lhe não pede a superação. Mas veremos o que aí virá.

Caro Nuno Nunes,

Concordo e muito consigo, mas pela resposta do treinador no pós-jogo, parece-me que a questão da transição ofensiva e da circulação nesse momento está a ser trabalhada, visto que foi um dos aspectos que ele referiu. Acho que o treinador está a crescer, bem como a equipa, e julgo que a nível de recuperação e equilíbrio está bem melhor, especialmente na transição para bloco. Sobre o Otamendi, o eterno Cristo, você diz, e muito bem, que não há linhas de passe; sem querer desculpar o jogador que até tem estado bem abaixo do que sabe, os adeptos deveriam, a meu ver, atentar nessa questão, que ontem até foi bem evidente.

Cumprimentos,
António Teixeira

Czarli disse...

Fizemos um grande jogo, principalmente tendo em conta as ultimas exibições e a derrota de terça feira, mas não posso deixar de questionar onde andarão os iluminados que dizem que o Lucho já só serve para 30m de jogo?

Gostei imenso do jogo do Herrera, pode e irá melhorar em muita coisa mas com ele em campo a equipa ganha algo que o Defour nunca conseguiu dar. Agressividade, verticalidade e poder de choque.

O Varela mostrou que é jogador de jogos grandes e sem duvida o nosso melhor extremo (não que isso seja positivo).

O Helton dá os seus frangos na CL mas nos clássicos nacionais mostra o porquê de ser o melhor GR da nossa liga.

Danilo e Alex Sandro monstruosos e não percebo o porquê do PF não lhes dar mais liberdade para subir.

Espero que o PF tenha aberto os definitivamente os olhos e apercebido que o Fernando é para jogar sozinho.

Josué uma vez mais a jogar em zonas centrais e a incutir uma dinâmica muito boa. É no centro que tem de jogar, mesmo que começando como falso extremo.

O Lucho é um luxo, não há melhor slogan para o El Comandante. Um velho dizem uns, no entanto, dois jogos numa semana e em ambos foi dos melhores.

O Jackson não marcou mas deu-se muito ao jogo colectivo e ainda está no 3º golo.

O Mangala melhorou com os minutos no entanto o Otamendi está realmente numa fase má. Merecia sentar-se no banco uns jogos para abrir a pestana.

Finalmente o PF mostrou alguma qualidade para treinador de equipa grande. A entrada do Licá foi muito bem vista, e foi planeada ainda com 1-0.

O Defour entrou bem para secar o miolo e o Ghilas correu mas já não teve tempo para mais.

Espero que mantenham a atitude e que se confirme a subida de forma.

Nelson Barbosa disse...

Bom jogo, excelente vitória. Não houve nenhum jogador que estivesse mal, mas alguns em especial os "velhos", exibiram-se a um nível muito elevado. Fernando numa semana faz dois jogos fabulosos, varrendo todo aquele meio campo de uma forma simplesmente impressionante, sem fazer uma única falta! Varela completamente demolidor, por si só, aterrorizou a defesa sportinguista e, Lucho..., bem, Lucho, é preciso estar no estádio para se perceber verdadeiramente que a palavra Comandante, é o adjectivo perfeito para definir o seu papel na equipa e compreender a razão pela qual nenhum treinador prescinde dele.
Parece-me que a equipa começa a assimilar melhor o modelo de jogo que o treinador pretende, menos controlo e mais rapidez na saída para a baliza adversária, mas ainda erra bastante passes. Evidentemente que para este tipo de jogo há que arriscar mais, logo a possibilidade de errar é maior, mas estou mais optimista que há umas semanas atrás.

Pedro ramos disse...

1- Vitória inquestionável do Porto, seguido do branqueamento absolutamente brutal em toda a CS, transformando uma vitória normal e clara numa nao derrota do Sporting. Entao a forma como continua-se a tentar contar o que se passou fora das 4 linhas é das coisas mais baixas que alguma vez vi na nossa CS.

2- Sobre o que realmente interessa dentro das 4 linhas, confesso que a exibiçao nao me entusiasmou particularmente. Ao contrário do Mário ainda nao vejo uma luz de esperança, mas pode ser culpa da minha condiçao de céptico.
Continuei a ver os mesmos erros e defeitos de sempre, e vi sobretudo uma vitória do querer dos jogadores e da sua superior qualidade em relaçao ao adversário. A equipa viveu muito no limbo e se fosse contra uma equipa com outra qualidade nao sei se o resultado nao poderia ser adverso. Sim o Sporting tem organizaçao mas falta-lhe ainda bastante qualidade.

PF, para mim, ainda nao consegue ser uma mais valia, e a equipa ainda nao é superior ao conjunto das suas individualidades. Ontem ficou demonstrado que para o campeonato chega mas nas competiçoes europeias fica muito curto.

Faço votos que o Mário tenha razao e se possa abrir uma janela de esperança.

DC disse...

Fizemos um bom jogo até ao 1-0 e depois do 1-1 e um jogo medíocre entre o 1-0 e o 1-1 onde inclusivamente fomos nós a correr atrás da bola sem qualquer domínio ou controlo do jogo.
Continuo sem perceber porque baixamos tanto as linhas depois de marcar. Não dá para fazer isso só depois do 2-0? Às tantas era mais seguro...

Quanto às individualidades, Danilo mais uma vez a provar o grande jogar que é (apesar de ainda ter que levar com comentários a pedir o Fucile), Varela também muito bem (outro que também tem um clube de fãs muito giro), Lucho bem, Josué raçudo, a defesa em bom plano. Fiquei desiludido com o Herrera que deve ter falhado sozinho mais passes do que o resto da equipa toda junta. Muito trabalho pela frente tem este menino mas nota-se que tem potencial.

Resumindo, este Porto parece chegar para quase todas as encomendas internas, mas continua a ter algumas características que para mim não são fáceis de entender. O Sporting viu-se que não é candidato a nada, a minha esperança é que também o 5LB se apresente a um nível médio-baixo no resto do campeonato.

José Correia disse...

a equipa ainda nao é superior ao conjunto das suas individualidades

Inteiramente de acordo.
A vitória de ontem foi muito mais alicerçada em iniciativas das individualidades - Alex Sandro, Danilo, Lucho - do que num colectivo forte e coeso.

José Correia disse...

Ontem ficou demonstrado que para o campeonato chega mas nas competiçoes europeias fica muito curto

Vamos ver...

José Correia disse...

... nos pés do Otamendi que, ou demora uma eternidade a largá-la (até porque nunca existem linhas de passe, ninguém se mexe) e chuta prá frente ou se deixa abalroar por um adversário e sai asneira

Na minha opinião, este é um dos principais problemas da equipa atual do FC Porto.

José Correia disse...

Fizemos um bom jogo até ao 1-0 e depois do 1-1 e um jogo medíocre entre o 1-0 e o 1-1

Também partilho desta visão.
Aliás, quantas oportunidades de golo é que o FC Porto criou entre o 1-0 e o 1-1?
Sinceramente, não me lembro de nenhuma, a não ser que, com boa vontade, consideremos o remate de fora da área do Josué à figura do Rui Patricio como uma oportunidade de golo.

José Correia disse...

Fiquei desiludido com o Herrera que deve ter falhado sozinho mais passes do que o resto da equipa toda junta. Muito trabalho pela frente tem este menino mas nota-se que tem potencial

Até cerca dos 30 minutos, contei 5 passes falhados pelo Herrera, daqueles em que ele passou a bola diretamente para um jogador adversário.
Mas, tal como o DC, também vejo no Herrera características interessantes, que poderão fazer dele um grande médio no... futebol europeu.

Miguel Lourenço Pereira disse...

Talvez a inauguração do museu tenha levantado o optimismo porque o jogo em si não justifica a crença de que algo mudou desde o jogo com o Zenit. O Sporting é que, como a esmagadora maioria das equipas portuguesas, é tão débil que a vitória do FCP em casa não deixa de ser uma obrigação.

O jogo voltou a ser mal jogado nos momentos em que se exigia calma, controlo e atenção. Demasiadas perdas de bola, demasiada atitude especulativa, incapacidade de vincar a superioridade inegavel de uma equipa sobre a outra que permitiu o empate. Felizmente as dúvidas duraram pouco mas como disse o DC e o Zé Correia, tanto o 1º como o 2º golo são mais fruto de iniciativas individuais dos laterais (que entre ambos devem valer mais que todo o plantel de meninos do Sporting) do que fruto da superioridade colectiva de jogo.

Somos muito melhores que o Sporting mas também temos de ser muito melhores do que estamos a jogar. O Herrara - que tem muito potencial - falhou passes sem sentido a torto e a direito, o Jackson foi incapaz de criar perigo e só a passagem do Josué para o interior permitiu criar jogo porque Lucho esteve quase sempre fora de acção.

Como já li aqui, concordo que esta equipa (e este treinador) para os serviços minimos como ganhar a liga (que são serviços minimos, principalmente numa liga nivelada tão por baixo) chegue. Mas com o orçamento disponível, os gastos feitos no plantel e a ausência de vendas de última hora, em Novembro já se exige algo mais do que brincar a derbys que já não existem na realidade e sacar bandeirinhas como se o triunfo fosse mais importante do que ganhar ao Estoril, na circunstância actual!

Nuno Queiroz disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Tiago Silva disse...

Estou de acordo com o DC e com o Miguel.
Eu, pessoalmente, apenas gostei do Porto após a entrada do Defour.
A primeira parte foi enfadonha. Centrais, quase sempre, sem linhas de passe e obrigados e meter a bola em profundidade para zonas de ninguém, médios (Herrera e Fernando) a não assumirem o jogo na fase da construção e a esconderem-se, literalmente, da bola, muitos passes errados de Herrera, equipa sem ligação entre sectores e sem fornecer apoios ao portador da bola, pressing inexistente na primeira fase de construção do Sporting, enfim, mais do mesmo. Na segunda parte, e até ao golo do Sporting, assistimos, para além do que já tínhamos visto na primeira parte, a um recuar das linhas do Porto inexplicável. Equipa passiva e recuada, mais passes errados e o Sporting a chegar ao empate. Depois disso, voltamos a chegar à vantagem à conta da qualidade individual de Josué e Danilo. Após o golo, com a entrada de Defour e com os níveis de confiança em alta a equipa conseguiu, finalmente, fazer posse com qualidade, jogou mais ligada e com mais apoios, a que não será estranho o ligeiro recuo de Lucho que apareceu (pareceu-me, visto de lá) a jogar mais próximo de Defour e Fernando. Com um pouco mais de qualidade na frente, tínhamos facilmente construído um resultado mais gordo pois aquela defesa do Sporting é uma brincadeira de criança (uma equipa que tem como centrais aquele brasileiro e Rojo, só por utopia é que pode aspirar a mais do que a Liga Europa). Após o jogo, coloquei o seguinte post no meu facebook que resume tudo aquilo que penso.
"Vou falar agora para depois não dizerem que jogar no Totobola à segunda feira é fácil: este Porto, neste modelo de jogo de Paulo Fonseca (futebol de transições, vertical, pouco apoiado, com linhas mais recuadas e sem pressão na fase de construção do adversário), vai ser afastado da Liga dos Campeões, vai perder jogos para o campeonato e vai, seguramente, perder mais do dobro dos pontos que perdeu no ano passado. Ouço criticarem muito o jogador A, o jogador B, mas o problema está no modelo de jogo. Não há apoios ao portador da bola, não se oferecem linhas de passe, não há posse de bola com qualidade, não há pressão alta nem ligação entre sectores. Ganhamos, é verdade, mas porque as nossas individualidades decidiram o jogo (Danilo, no segundo golo e Helton na defesa que nega o empate).
PS: já não é o primeiro nem o segundo jogo em que vejo o Herrera a denotar gritantes carências em termos de qualidade de passe. Falha passes fáceis em números inadmissíveis na alta roda do futebol; não me venham dizer que isso decorre da sua (falta) de adaptação ao futebol europeu. Estamos a falar de passes sem grau de dificuldade. Isso preocupa-me pois vejo o jogador a não assumir o jogo nem a oferecer linhas de passe, para fugir ao erro. Que me interessa a mim que, em bola corrida, tenha duas ou três jogadas em que consiga criar desequilíbrios no meio campo adversário, se perde 4 ou 5 bolas no meio campo, deixando a equipa completamente desequilibrada?? Tenho para mim que ou melhora muito e rapidamente a sua qualidade de passe, e, por arrasto, a sua capacidade em oferecer linhas de passe e assumir o jogo na fase de construção, ou então vamos ter um jogador que nunca se conseguirá impor neste Porto.

Nuno Queiroz disse...

Jogo interessante com uma intensidade bastante grande que não é normal ver-se no campeonato português. Aliás esse foi, para mim, a parte do jogo em que o Sporting evoluiu mais relativamente a anos anteriores. E o Porto como de costume dá-se melhor com jogos de alta intensidade e contra adversários que não jogam só para o empate.

A equipa teve altos e baixos com alguns jogadores bastante inconstantes ao longo do jogo. E a verdade é que a equipa a partir do momento em que começou a ganhar imediatamente baixou as linhas embora tenha mantido uma intensidade que nunca deu veleidades ao adversário. Sofremos um golo (mais um) de bola parada com os jogadores mal posicionados mas tivemos o mérito (e a sorte) de reagir e voltar a marcar rapiadmente e a partir daí (embora o Sporting tenha subido um pouco e criado a verdadeira única oportunidade) dominamos amplamente e com o terceiro matamos o jogo.

Gostei de alguns jogadores apesar de muitos passes errados especialmente na primeira parte, mas quero deixar uma palavra muito especial para Lucho Gonzalez que mostrou ser o verdadeiro comandante e o capitão. Acho que cada vez mais se percebe porque Lucho joga sempre e é fundamental nesta equipa. Ele é a voz que comanda dentro do campo.

Uma palavra para os incidentes fora do campo: imaginam o que seria se tivessem sido adeptos do Porto a fazer o que os energúmenos verdes vestidos de preto fizeram? Aquilo foi uma atitude premeditada e só é pena se não forem divulgadas as identidades dos responsáveis. E que dizer do subtítulo do rascord: "adeptos leoninos recebidos à pedrada"? deve ter sido quando regressaram à aldeia deles. VERGONHA!

José Lopes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Pedro disse...

Extra jogo, fiquei a saber através do respeitável Record que os adeptos do Sporting foram recebidos à pedrada... Creio que nem as imagens valem de nada hoje em dia. Mente-se conforme s erespira por aqueles lados.

José Lopes disse...

Concordo inteiramente com o Tiago Silva, Miguel e DC. Ganhar e lutar, sim, convencer nem por sombras... Por muito que o Sporting nao tivesse criado oportunidades de golo ate ao empate (nos tambem nao ate ao 1-0), o 1-1 nao surpreendeu, porque eles subiram, nos recuamos e nao conseguiamos sair a jogar, coisa frequente nesta equipa e que obviamente deriva de falta de apoios, muito mais que as falhas do Otamendi. Ganhamos porque temos muito melhor jogadores, na defesa entao nem se fala. Os equivocos desta equipa continuam os mesmos, safou-nos o golaco do Danilo naquela altura e a fragilidade dos centrais do Sporting o jogo todo. Se a bola do Danilo fosse a barra como foram ao ferro a do Varela e Lucho contra o Zenit, provavelmente a analise ao jogo feita por muita gente seria muito diferente. O Lucho continua demasiado afastado do Fernando e Herrera e sem duvida que o Josue e' muito mais util no meio do que na ala, onde nao desequilibra nem tem velocidade. O Herrera falhou bastante, mas tem potencial e tem de ter continudade pelo menos para ja. Esta equipa preocupa-me e nao e' tendo ganho um jogo contra um Sporting debil e que poderia ter tido fim diferente (lembrar a oportunidade do Montero) que me convence que vai melhorar.

Pedro disse...

E andam os benfiquistas indignados na blogosfera a defender os meninos do Sporting agredidos, e anda o Record em propaganda, a defender e mascarar a acção dum grupo de extrema-direita. http://www.maisfutebol.iol.pt/sporting-fc-porto-liga-classico-disturbios/526ea1ece4b03eb1dfb09edc.html

miguel87 disse...

Exactamente! a construção ofensiva da equipa é uma nulidade, os sectores estão distantes, os laterais não combinam com os extremos, os médios são incapazes de construir jogo - com Herrera em jogo acho que isto vai ser atenuado, porque é jogador para verticalizar o jogo e ser capaz de fazer chegar a bola ao ataque. Para mim tem que jogar sempre.

miguel87 disse...

Para os que têm andado a falar do Fernando como "um dos melhores do mundo" na sua posição, gostava de saber qual a opinião que têm sobre o William Carvalho.
O puto tem 21 anos e joga que se farta! E isto numa equipa como o Sporting, que continuo a achar que está a ser menosprezada por muito boa gente. Imaginem o chavalo a jogar numa equipa como o Porto...

zzzzz disse...

"Depois disso, voltamos a chegar à vantagem à conta da qualidade individual de Josué e Danilo."

Josué praticamente não participou no lance que colocou o FC Porto novamente em vantagem. É verdade que faz o passe para Danilo, mas o mérito vai para o Lucho que ao movimentar-se para a direita, arrastou consigo William e abriu o buraco na defesa do Sporting que permitiu a Danilo concluir a jogada com um remate espectacular. Mérito, portanto, para Danilo e Lucho. Josué assistiu ao lance.

Diogo Roque disse...

Vejam o comunicado que o Sporting emitiu, é frustrante e ridículo. O Bruno nem depois de sair de barriga cheia do dragão se cala...

Joaquim Lima disse...

Ele entrou mudo no Dragão e saiu calado. Nem lhe vi os dentes! Agora vai começar a moda dos comunicados...