sábado, 5 de outubro de 2013

O nosso treinador estuda os adversários?

É uma pergunta legitima tendo em conta o desnorte táctico com que muitas vezes a equipa do FC Porto se encontra. Uma realidade nova para muitos adeptos azuis-e-brancos, habituados a uma análise metódica que começou (em tempos recentes) com André Villas-Boas e prosseguiu com Vitor Pereira.

Paulo Fonseca tem demonstrado poucas virtudes (as sufragadas pelos resultados, enganosos a meu ver pelo abismo competitivo que separa o FC Porto de todos os seus rivais até agora...salvo o Atlético) e alguns defeitos. A maior parte deles podem-se corrigir com os anos, é o processo evolutivo de um treinador jovem. Ele não tem culpa que a SAD do FC Porto procure técnicos sem curriculum a homens experimentados. Quem sonha com Pellegrinis e acaba com Fonsecas às vezes tem o que merece.

Um dos defeitos que tenho observado em PF é a falta de estudo aprofundado do rival.
O FK Austria - uma equipa outrora gloriosa e há largos anos de terceira linha europeia, digam o que disserem do empate em São Petersburgo - jogou como quis contra o FCP. Deixou a iniciativa aos dragões, explorou perfeitamente todos os problemas tácticos do 4-2-3-1 e a falta de garra e sagacidade na marcação do homem da bola por parte dos médios e defesas da equipa portista. Causou mais perigo do que seria suposto entre duas equipas tão diferentes. Ao contrário, foram poucas as ocasiões que deu para perceber que nós sabíamos quais os seus pontos fracos. O golo de Lucho, numa jogada de livro, rompeu uma noite muito cinzenta. Não foi a única. Contra o Vitória de Guimarães (quem, por certo, o nosso treinador deve ter achado que ia jogar da mesma forma, infantil, que na Supertaça) ou o Vitória de Setúbal, tivemos sempre problemas em controlar o adversário e dificuldades em impor o nosso modelo. Faltavam jogadas de laboratório, momentos do jogo em que, ou a equipa convidava o rival a subir para explorar os espaços deixados atrás ou, pura e simplesmente, mudava de modelo para asfixiar o autocarro colocado à frente da baliza. Não se viu nem uma nem outra coisa.

Mas o que me tira verdadeiramente do sério quanto a esta incapacidade de saber ler o jogo e estudar o rival até ao mais pequeno detalhe ocorreu no final do jogo contra o Atlético de Madrid. A equipa espanhola marcou um golo num livre muito bem planeado e estudado pelos seus jogadores.
Poderia ser uma coincidência, um fruto do acaso que esse livre tenha sucedido no Dragão. Mas não foi. Não só porque Diego Simeone é conhecido, desde que começou a sua carreira como treinador, pelos seus lances de bola parada estudados ao mais mínimo detalhe entre livres e cantos, como esse mesmo remate tinha sido posto em prática no passado. Não uma, não duas, mas três vezes.

Poucas jornadas antes, com o Almeria, num lance bastante parecido, Tiago marcou o terceiro golo dos espanhóis. Um livre ensaiado, que explora a presença de um jogador sem marcação no meio da terra de ninguém, livre para rematar. PF viu esse lance? Não me parece!



Os jornais e sites foram rápidos a lembrar outro golo, mítico, este com Diego Simeone como jogador. Nos Oitavos-de-Final do Mundial de França, em 1998, "El Chollo" esteve envolvido na concepção do golo que permitiu à Argentina marcar contra a Inglaterra. Os "ches" acabaram por vencer o encontro em penalties mas este é um lance que fica para a história. Seguramente que, como amante do futebol que é, PF se deve lembrar disso.

Mas se não fosse pouco, a equipa de Simeone marcou um terceiro golo calcado ao que foi apontado no Dragão. Aconteceu no fim da primeira época de Simeone com o clube, em Mallorca, numa derrota dos colchoneros na ilha balear. Gabi, como no Dragão, enganou toda a gente e Adrián (e não Arda) disparou para as redes, com Falcao a desviar a bola. O árbitro acabou por marcar penalty mas o precedente estava estabelecido. O video está online, qualquer um o pode ver. Não é nem o primeiro nem o segundo caso. E depois da falta inútil e perigosa de Mangala não devia haver um só jogador do plantel do FCP que não estivesse avisado para a possibilidade de um coelho sacado da cartola directamente do livro de ideias originais do treinador argentino. O que se viu em campo?
PS: Peço desculpa pela má qualidade, mas fica a ideia!

Um desnorte total e absoluto dos jogadores, um golo a consumar uma reviravolta que parecia impossível na primeira meia-hora e a prova de que Paulo Fonseca tem muito trabalho pela frente como treinador principal.

Começar a estudar a fundo os seus rivais, saber alterar os destinos do jogo desde o banco e saber antever estes pequenos detalhes que na alta roda fazem toda a diferença são passos fundamentais para que, no futuro mais imediato, se transforme num treinador que valha a pena seguir e não apenas no homem que levou o Paços de Ferreira ao melhor posto da sua história.

21 comentários:

Saci Pererê disse...

Assino por baixo, mas não concordo que o PF venha a ser um treinador a seguir. No ultimo jogo do campeonato do ano passado em que nos consagrámos campeões comecei a ver o real valor do treinador, e sinceramente para mim está muitos furos abaixo do VP ou do AVB e não tem unhas para esta guitarra, mas agora é o que temos e até final da temporada vai ter o meu apoio. Saudações portistas

Anónimo disse...

eu julgo que nem o PF sabe muito bem como veio parar ao FCPorto... existe uma estrutura que segura as pontas soltas e que nao deixa ninguém esticar a corda... o PF tem muito para aprender como treinador mas tambem já deu provas que tem grande margem de progressão falta-lhe autoconfiança, a mesma que o Vilas-Boas transbordava cada vez que falava em publico.... por outro lado o PF é um treinador que subiu sozinho e a pulso no futebol, o Vilas-Boas e o Vitor Pereira tiveram bons trampolins...

reine margot disse...

Estou sem pensamentos e consequentemente sem palavras...
Pois ao fim de estes anos todos, o FCP claudica...
o departamento de futebol ficou sem dinheiro para comprar um leitor de dvd, sem acesso à internet, sem comunicar com os olheiros, sem saber o que fazer...
o treinador vem lá da província caída na negra idade média e, obviamente , não pode dar uma para a caixa...

Enfim...

Anónimo disse...

Acho que o GRANDE FCPORTO precisa do Domingos a treinador.

Miguel Lourenço Pereira disse...

Reine,

qual é a explicação, futebolistica, para que uma equipa conhecida, reconhecida, elogiada e repetitiva na decisão de jogos por lances de bola parada estudados marque dois golos e opere uma reviravolta com esses lances perante o olhar atónito do treinador que, devia conhecer de memória todos esses lances e nunca ter permitido que o Godin fosse marcado pelo Otamendi ou que o Arda estivesse só frente ao Helton naquele lance.

Leitores de dvd e internet haverá muitos, mas alguém que os analise, que os estude e os coloque em prática nos treinos isso já duvido!

Mário Faria disse...

Não gosto do penteado do PF, acho que nas conferências de imprensa ainda não encontrou o ritmo certo, detestei o facto de não integrar o Kelvin na lista dos convocáveis para a CL e de não insistir no seu aproveitamento na equipa principal, mas ainda não encontrei provas para o condenar e/ou estabelecer juízos definitivos sobre a sua capacidade como treinador do e para o FCP.
Essa do Domingos é boa. Haja Paciência para tanto despropósito.

Costa disse...

Deja vu
O ano passado era o VP, este é o PF e no futuro será o que lá estiver...

Mas (não) estudar o adversário ?! O que é isso ?!
Por acaso quem joga contra o Messi ou Ronaldo não os estuda e sabe perfeitamente o que fazem e quais os seus movimentos mais fortes ?! E o que é que acontece jogo após jogo de à 4/5 anos a esta parte ?!

Esse pormenor
A tua análise esta quase perfeita não fosse um pormenor - A REALIDADE:
- Somos lideres da Liga e
- Estamos em lugar de passagem na CL

Por isso...
Guarda os teus escrito até Maio e se tudo correr como desejas, então aí poderás ter o teu momento de glória, até lá 'sossega a passarinha'.

meirelesportuense disse...

A grande diferença é que neste golo de 3ª feira houve off-side claro do marcador...Mas mesmo assim compreendo que deveríamos estar avisados para este tipo de "malandrices", é assim que se ganham muitos jogos.
Recordo que o Porto numa determinada época -por exemplo com Artur Jorge- marcava muito na execução de lances de bola parada e os nossos adversários até desvalorizavam esses trunfos como se fossem de categoria menor...
Lembro-me que nos Regionais um determinado Treinador obrigava os seus jogadores a rematarem para o molho dentro da área, o mais forte que pudessem para tirar partido dos ressaltos e muitas vezes resultava em pleno...

RBN disse...

Na minha opinião, penso que Marco Silva do Estoril tem mais perfil à Porto, lembra-me um pouco o Mourinho quando veio pro FCP.

É mais agressivo, mais ousado, mais estudioso e tendo um plantel limitado e com 4 perdas(Licá, Jefferson, Steven Vitória e Carlos Eduardo), ainda assim a equipa dele continua bastante equilibrada, combativa, atrevida, com modelo de jogo bem definido e futebol atraente.
Penso que se o "catedrático" perder pontos na Amoreira amanhã, Marco Silva se muda de mala e cuia pro galinheiro no dia seguinte.
Sobre o nosso mister, ainda não definiu em quase 3 meses qual o padrão de jogo.

É muito tempo, mas pergunto:
-Onde está aquele FCP que jogou muitíssimo bem os 90 minutos de cada jogo na emirates cup, contra Nápoles e Gala?Desaprendeu tudo em quase 3 meses depois?

Bibiano Baldé disse...

"Não sou cópia de ninguém", sentenciou o técnico, que no entanto admitiu que os trabalhos de ambos e, especialmente, o do atual treinador do Benfica, Jorge Jesus, lhe serviram de inspiração.

Está tudo explicado, a escola "Jesúita" não dá grande enfâse à observação dos adversários. Se atendermos a que o pastilhas não conhecia as movimentações do Zlatan e o Paulo desconhecia as bolas paradas do Atlético.

Miguel Lourenço Pereira disse...

Costa,

Um pouco de educação, para começar.

Eu, como qualquer cronista (e comentador neste espaço) escrevo o que quiser, quando quiser e como quiser sobre a minha opinião relativa ao clube e todos os seus empregados. Incluindo o treinador. Não é preciso esperar até Maio. Ah, claro, esqueci-me. Para o Costa o futebol resume-se a resultados. Tudo o resto, que habitualmente é o mais importante, não conta. Ok, força nisso.

O FC Porto é lider da liga mais fraca possível, sem rival e a jogar mal. Mas o Costa é feliz.
O FC Porto é cabeça de série do grupo da UCL, ganha a sofrer em Viena, perde em casa pela primeira vez em cinco anos na prova e está em segundo lugar. Mas o Costa é feliz.
O treinador do FCP é incapaz de adivinhar que o rival lhe vai marcar um golo de uma forma que já marcou no passado quando sabia desde o inicio de Setembro que ia jogar contra ele. Não estuda ou não passa bem a mensagem (não sei qual é o pior) mas o Costa está feliz.

Se o Costa está feliz, o portismo pode dormir tranquilo!

Miguel Lourenço Pereira disse...

Meireles,

O golo é fora-de-jogo mas não é claro. Devia ter sido assinalado, mas o facto é que o Arda estava só. Tal como no primeiro lance, em que o Godin aparece sozinho. Esses lances decidem Mundiais, Europeus, Champions e apuramentos para as fases importantes dos torneios. Para o nosso treinador são perda de tempo. Ou isso ou há um problema de comunicação sério com os jogadores!

Maniche disse...

Agora não só o Paulo Fonseca é fraco, como também as outras equipas da Liga são fracas. Fantástico!.. Estes comentadores devem ser os maiores na sua profissão, seja ela qual for. Ah, e ainda percebem à brava de bola!
Se falassem menos e apoiassem mais...

Costa disse...

Só fiquei com dúvidas sobre o "Um pouco de educação, para começar."

A não ser que para além de ensinar futebol ao Paulo Fonseca, também me queiras dar aulas sobre 'boa educação'.

Anónimo disse...

quando as coisas não correm assim tão bem estão logo prontos a bater. O Paulo Fonseca empatou um jogo e empatou outro, o resto são vitórias. Já conquistou mais títulos (Supertaça) que 90%, ou mais, dos treinadores portugueses.
Amanhã, ele e a equipa darão a resposta em Arouca.

Miguel Lourenço Pereira disse...

Maniche,

Não, as equipas da liga portuguesa são tremendamente fortes. Potências continentais. Se competissem numa das cinco principais ligas lutavam todas pela Europa. Por favor, uma coisa é ser adepto outra é ser cego. Mas cada um com o seu!

Apoiar? Apontar os problemas para que sejam resolvidos é para mim muito mais importante que gritar no Dragão "slb, slb, slb, fdp slb", mas há quem confunda formas de apoiar!

Anónimo disse...

Treinadores de bancada ainda vou tolerando, agora gente que tem por obrigação de saber mais um bocadinho o que é ser-se treinador de campo, é que eu não tolero tanta "sabedoria".


Aguardo pelo dia em que passe pelo "Reflexão Portista" e esteja algo postado, pelo Miguel Lourenço Pereira, pela positiva.

Miguel Lourenço Pereira disse...

Costa,

"'sossega a passarinha".

Nada a acrescentar. Seguramente que fala assim ao seu pai todos os dias!

Miguel Lourenço Pereira disse...

Se a equipa com maior orçamento, melhor plantel e hegemónica de uma liga nos últimos 30 anos não dá uma resposta em Arouca é que seria de surpreender.

Continuo a espantar-me com adeptos que acham que são com os resultados na liga portuguesa, com as suas maravilhosas formação, que se formam equipas competitivas. Boa sorte com isso!

Costa disse...

...habituados a uma análise metódica que começou (em tempos recentes) com André Villas-Boas

Parece que hoje o nosso amigo Libras Boas se esqueceu de estudar o West Ham, pois levou 3-0 em casa...

Costa disse...

Não quis ofender ninguém com essa expressão, muito menos quem não conheço.
Apenas quis passar a idéia de que o post é (muito) precipitado, e nesta altura da época, com uma dezena de jogos não há motivo absolutamente nenhum para este tipo de críticas, para além de que isso de 'estudar o adversário' e muito subjetivo...

No final da época talvez se pudesse dizer o que aqui foi escrito, talvez...

Peço desculpa se alguém percebeu aquilo que não quis dizer.