terça-feira, 29 de outubro de 2013

O pirómano, o manhoso e os homens de preto

Cerca de duas horas antes do início do último FC Porto x Sporting, um grupo de 94 indivíduos, maioritariamente vestidos de preto, juntaram-se na Avenida Fernão Magalhães, a partir de onde iniciaram uma onda de provocações e violência tendo como alvo adeptos do FC Porto que apanharam pela frente.
Este grupo dirigiu-se ao Estádio do Dragão, irrompendo pela Alameda das Antas, provocando o pânico e arremessando garrafas de cerveja e pedras, que atingiram, pelo menos, quatro pessoas.
Perante a natural reação de adeptos do FC Porto, incluindo alguns elementos das claques portistas, os “corajosos” indivíduos vestidos de preto correram em direção ao perímetro de segurança, saltaram os torniquetes (na zona da Entrada 25 do Estádio do Dragão) e fugiram para dentro do estádio.

Estes são os factos que foram vistos por muita gente, relatados pelos jornalistas presentes, confirmados pela polícia e dos quais há imensas fotos, filmagens e testemunhas.

Sobre estes tristes acontecimentos, a PSP emitiu no domingo à noite um comunicado com o seguinte teor:

«A PSP faz saber que um grupo com 100 indivíduos, vestidos de negro e sem qualquer identificação clubística, de forma organizada e muito coesa, provocou desacatos e forçou a entrada junto da porta 25 do Estádio. O referido grupo envolveu-se em agressões com adeptos do FC Porto, situação que foi prontamente sanada através de intervenção policial, que repôs a ordem pública.
Os indivíduos que provocaram os desacatos, foram intercetados no interior do Estádio, tendo sido dali retirados e conduzidos junto de departamento policial de forma a serem devidamente identificados (100 indivíduos) e averiguadas as circunstâncias em que cometeram aqueles factos.
São suspeitos da prática dos crimes de participação em rixa, assim como introdução em local vedado ao público, dando-se assim cumprimento aos procedimentos policiais adequados».


Mais tarde, soube-se, através de fontes policiais, que estes indivíduos fazem parte de um grupo denominado Sporting Casuals (estão referenciados pela Unidade Metropolitana de Informações Desportivas), não utilizam cachecóis, camisolas ou quaisquer adereços do seu clube (embora vários deles tenham tatuagens e outros símbolos do Sporting), não acompanham as tradicionais claques leoninas e vão ao futebol, sem bilhete, com um único objetivo: causar distúrbios.

Perante todos estes factos, a maior parte dos quais devidamente comprovados e outros sustentados em evidências, seria de esperar alguma contenção dos dirigentes, particularmente dos dirigentes do clube de que estes indivíduos são adeptos. Mas não, com a arrogância que caracteriza os “viscondes de Alvalade”, na segunda-feira à noite, a Direção do Sporting, liderada por um individuo provocador, que nas semanas que antecederam o clássico tudo fez para incendiar os ânimos, teve a desfaçatez de emitir um comunicado onde consta o seguinte:

«Vários Sportinguistas foram agredidos nas imediações do estádio do dragão. Ao invés do clube da casa repudiar totalmente estas atitudes, como esta Direcção já o fez em situações similares, começou a circular um rumor de que um grupo de Sportinguistas teria provocado desacatos, facto ainda não confirmado, que “justificaria” tais atitudes bárbaras e inqualificáveis. Até ao momento, ao serem vistas as imagens televisivas e fotográficas disponibilizadas, verificou tratar-se de um conjunto de pessoas onde as únicas que se conseguem identificar são do clube da casa.»

Mas nesta estratégia de “lavagem” e sacudir a água do capote, Bruno Carvalho e seus muchachos não estão sozinhos.

Nos dois dias seguintes a estes graves incidentes, o jornal dirigido pelo Querido Manha, fez duas capas (na 2ª e 3ª feira) que dizem quase tudo acerca da pouca vergonha e ética profissional que o caracteriza.

No meio disto tudo, não posso deixar de elogiar o comportamento que a Direção do FC Porto assumiu até agora. Primeiro deixou o Bruno a falar sozinho e, perante as cenas de violência provocadas pelo grupo Sporting Casuals, adoptou uma postura de contenção para não deitar mais achas para a fogueira. Impecável!

18 comentários:

aquele disse...

Quanto à opinião sobre a postura da nossa direcção, isso é sentido ou ironia?
É que partilho 2 pontos de vista: por um lado, não caimos na tentação de responder desta maneira populista, por outro, deixamos que andem a lavar o nosso nome e a culpar os nossos adeptos. Ainda assim, prefiro desta forma, arriscam-se menos a dizer asneiras...

Vale a bluegosfera para, no sítio certo, nos defender.

Abraço,
Fábio

Hugo disse...

Nem tenho palavras para descrever o comportamento do Rascord nestes últimos dias.
Quanto aos viscondes falidos, é mais do mesmo. O que vale é que provavelmente são eliminados da Taça e começam a perder o pio

Joaquim Lima disse...

A direcção do Porto teve a atitude que se espera por quem quer ser notícia à custa dos outros: indiferença. Estamos a falar do sétimo classificado do último campeonato, não do segundo, terceiro ou quarto. Sétimo!

Acho um nojo a capa do rascord, jornal que nunca mas nunca vai ter um cêntimo meu. E como eu muitos adeptos, do Porto e os mais inteligentes dos outros clubes, que virão os factos e não se deixam iludir por um jornal sensacionalista que vive das mentiras e difamações ao FC Porto.

Nuno Queiroz disse...

Pessoalmente não posso concordar com a atitude da direcção relativamente ao Rascord. Acho que já ontem deviam ter sido proibidos de entrar em qq instalação do clube e deviam ter-lhes exigido um pedido de desculpas. Sei que é um jornal de Lx mas que tem bastante visibilidade e o q está a fazer de uma forma propositada é achincalhar, dizer mal e provocar tdos os adeptos do Porto até porque isto não tem a ver com o jogo de domingo. Lembram-se do Estoril? E do Guimarães? Não, meus caros, quem não se sente não é filho de boa gente.

E que dizer do comunicado dos viscondes falidos? Mais uma vez acho que o clube tem de reagir e mandar aquela gente passear. E como é possível que o Director do Porto Canal continue a colaborar com aqueles facínoras do rascord? Também não posso aceitar que alguém com as responsabilidades de Júlio Magalhães continue como se nada fosse.

Achei muito bem que o clube não reagisse às provocações do presidente dos lagartos e de alguns mouros que acharam que vinham cá e faziam de nós o que queriam. Mas perante estes acontecimentos violentos gravíssimos e uma falta de respeito e de ética para com o nosso clube por parte da comunicação social exige-se uma resposta forte, objectiva e sem margem para dúvidas.

Zemis disse...

o FCPorto lançou ontem um comunicado simples e que responde exactamente ao nojo jornalístico do record e às nojentas declarações do bruno de carvalho. para mim não é preciso dizer mais nada e deixar a polícia fazer o seu trabalho. quanto ao presidente do sporting, ele que continue a falar sozinho!

"O arrastão infame

Certamente desagradado com o que se passou nas quatro linhas, que é o que a nós verdadeiramente interessa, o jornal Record titula hoje na primeira página "Adeptos leoninos recebidos à pedrada". É mentira que os adeptos do Sporting tenham sido recebidos à pedrada ou com qualquer outra forma de violência.

Como já todos puderam ver pelas imagens difundidas por praticamente todas as televisões, o que se passou foi que um grupo de cerca de 100 adeptos alegadamente do Sporting causou graves incidentes num cobarde arrastão e agrediu pacíficos e indefesos adeptos do FC Porto, muitos deles de idade avançada.

Adulterar a verdade dos factos é uma estratégia antiga do jornal Record, mas o despudor de procurar reescrever os acontecimentos ultrapassa as mais elementares regras do jornalismo.

É contra a manha desta gente que a nossa equipa trabalha, unicamente com o objectivo de mostrar dentro de campo quem é melhor. Aos nossos adeptos, vítimas da infâmia do jornal Record, agradecemos o apoio incondicional que muito ajudou ao sucesso da equipa, bem como o comportamento de todos, que nunca confundiram rivalidade com a violência. "

JON disse...

Meus senhores, há muito que deixei de entrar nos sites da Bola e do Record. Evidentemente que igualmente nunca comprarei um jornal em formato físico.
Portistas que somos, devíamos fazer o mesmo... É que, para quem não sabe, as grandes receitas dos jornais vêm das "page views" e da consequente receita publicitária.

Pedro disse...

Por lei o FC Porto não pode impedir o acesso dos jornalistas do Record ao estádio. A lei da imprensa e acesso à informação é apesar de tudo para cumprir.

Quanto às acusações ao Fernando Madureira devo dizer, factos que assisti, sendo verdade que distribuiu uma boa estalada e gamou um casaco, também é verdade que é ele que depois pede calma aos adeptos do porto que se começaram ali a juntar. Aliás essa foi a sorte, foi o anti-Eisel de toda a situação. 15 minutos mais tarde e o grosso das claques estariam por ali, e teriamos uma tragédia.

A atitude do Sporting é mais do que esperada. É esta a estratégia de BdC. Vamos ver o que dirá sendo eliminado na Luz para a taça, contra os seus maiores admiradores.

Abel Pereira disse...

Também me custa um pouco aceitar que portistas colaborem com os jornais A Bola e Record. Mas o mais gritante é a participação de Guilherme Aguiar num programa em que o FCP é sistematicamente vilipendiado.

José Correia disse...

Relativamente ao Record (e ao jornal A BOLA), a atitude certa é denunciá-los e expô-los publicamente, com base em factos indiscutíveis. E isso o FC Porto fez e tem feito, com alguma regularidade.

Em paralelo, nenhum profissional do FC Porto (jogador, treinador, médico, funcionário, dirigente) deverá dar entrevistas ou participar em iniciativas do Record (e do jornal A BOLA). E isso, segundo julgo saber, também tem sido feito.

José Correia disse...

Para mim é mais do que óbvio, que nenhum portista que se preze deveria comprar o jornal Record, o jornal A BOLA ou o jornal Correio da Manhã.

Mefistófeles disse...

O palhaço verde BdC, o que quer é aparecer, como diz o outro. Por isso mesmo mesmo o melhor é deixá-lo a falar sozinho, como muito bem tem feito o FCP.
Quanto ao Querido Manha, enfim...deve ser triste, mas mesmo muito triste a sua existência (?). Pouco menos que rastejante, diria.

José Rodrigues disse...

... Ou sequer ir ao site deles.

Nuno Queiroz disse...

José Correia:
Pessoalmente acho que o clube (que não o presidente) devia reagir com mais intensidade uma vez que os comunicados não chegam. Devia apresentar uma queixa na ERC, por exemplo, contra esta notícia desses jornais porque são a mentira mais descarada de que há memória. Além de que ainda houve um outro palhaço que disse basicamente o mesmo num programa da TVI24. E esse denegrir a imagem de toda a gente ligada ao maior clube português não pode ser combatido só com um comunicado tão simples.

Além disso, o Porto Canal devia ser mais incisivo e continuo a dizer: Como é possível que o Júlio Magalhães continue a colaborar com aquela coisa q chamam jornal. O Porto Canal faz parte do Universo F.C.Porto.

José Correia disse...

Eu acedo aos sites e continuarei a aceder, porque quero saber o que esta corja diz e até que ponto vai a propaganda, desinformação e manipulação jornalística da comunicação social ao serviço dos clubes da capital.

Como escreveu Sun Tzu, “Conhece o teu inimigo e conhece-te a ti mesmo; se tiveres cem combates a travar, cem vezes serás vitorioso. Se ignoras o teu inimigo e conheces-te a ti mesmo, as tuas hipóteses de perder e de ganhar serão idênticas”.

José Correia disse...

Do ponto de vista financeiro (que é onde lhes dói mais) é muito diferente aceder a um site ou comprar um jornal.

Um page view deve valer menos do que 0,001 do custo de um jornal (já para não falar na publicidade inserida no próprio jornal e cujo valor depende da tiragem do jornal).

José Correia disse...

Como é possível que o Júlio Magalhães continue a colaborar com aquela coisa q chamam jornal. O Porto Canal faz parte do Universo F.C.Porto.

É uma questão pertinente.

De facto, o caso do Júlio Magalhães é diferente dos casos do Miguel Sousa Tavares, Rui Moreira e Pedro Marques Lopes (todos colaboradores de A BOLA), porque nenhum destes três é funcionário de uma empresa do Grupo FC Porto.

Bernardino Moreira disse...

Já se sabe que o que vende é bater na malta azul-e-branca. Seja clube, seja dirigentes, seja jogadores, seja claques, seja adeptos. Ainda me admira como ainda não disseram mal do estádio, que está a cair, ou coisa que o valha. É o que falta, de facto...

É dar-lhes indiferença. Estes senhores dos media já sabem o que vende, já sabem o que a maior parte do país come regalado. Para quê mudar a receita?

É fazer como fizemos ao Bruno, deixem-nos estrebuchar. Acreditando que há pessoas sérias, com dois dedos de testa, elas também saber olhar para o que se diz por aí e tirar as suas conclusões. Não havendo seriedade, também não vamos ser nós a conseguir convencê-los.

Filipe Sousa disse...

É mais fácil só ver as capas, e para isso nem é preciso aceder directamente aos sites.