domingo, 19 de janeiro de 2014

As mensagens de Pinto da Costa


O FC Porto foi eliminado da Liga dos Campeões. No campeonato, no final da 1ª volta, a equipa está no 3º lugar. Num cenário destes, qual o objetivo de uma entrevista de Pinto da Costa ao Porto Canal, imediatamente após uma derrota em casa do principal rival?

Se Pinto da Costa, um reconhecido expert em futebol, fosse um mero comentador, ou adepto portista (ele teve o cuidado de distinguir adeptos de sócios), talvez fosse de esperar uma análise fria, rigorosa e coerente ao momento atual da equipa portista, quiçá com a identificação de alguns erros cometidos. Mas Pinto da Costa é o máximo responsável do clube e da SAD e, por isso, optou por jogar ao ataque e usar o tempo de antena que teve à sua disposição para disparar em várias direções.

O que eu interpretei de algumas das mensagens que Pinto da Costa quis transmitir:

Paulo Fonseca – 100% de apoio ao treinador atual. Sinceramente, alguém esperava que, a meio do campeonato, Pinto da Costa dissesse outra coisa?

Nomeações / Rui Silva (árbitro do Estoril x FC Porto) – “fez lembrar os tempos do Inocêncio Calabote...”. Seria uma surpresa se, esta época, o árbitro de Vila Real voltasse a ser nomeado para jogos do FC Porto.

Nomeações / Artur Soares Dias (árbitro do slb x FC Porto) – Para além das fortes críticas, que deverão garantir um período de nojo na nomeação deste árbitro internacional para jogos do FC Porto, pareceu-me relevante Pinto da Costa dizer que a arbitragem do jogo da Luz foi para agradar a quem o pode projetar para a elite da arbitragem internacional (“pode ser por ter ficado deslumbrado com promessas da FIFA...”). Seria interessante que a comunicação social explorasse esta deixa.

Arbitragem em geral – Pela primeira vez, ouvi Pinto da Costa dizer que defende um lote de árbitros profissionais, mas a nível europeu e arbitrando em diferentes países, para não serem sujeitos a pressões. Desse lote de árbitros de elite (Pinto da Costa falou em cerca de 50 árbitros), sairiam os árbitros nomeados para diferentes campeonatos de países geograficamente perto (por exemplo, Portugal, Espanha, França, Itália, …).

Liga – A Liga de Clubes perdeu poder, perdeu credibilidade, perdeu patrocinadores e deixou de ter os clubes na Direção (“no executivo da associação que os clubes criaram não há presidentes de futebol, só há advogados…”). A Liga, com sede no Porto e “motor” do futebol português, morreu. Ou seja, o poder do futebol português regressou a Lisboa e está novamente centralizado na FPF. Outra deixa interessante para a comunicação social explorar.

Fernando Gomes – Tem muito boa imprensa, mas não é alguém que esteja na FPF com o apoio de Pinto da Costa (isso já sabíamos), bem pelo contrário. Fernando Gomes tem uma estratégia pessoal de poder e, para alcançar os seus objetivos, faz as alianças que forem necessárias (incluindo com Luís Filipe Vieira e Bruno Carvalho). Ex-atleta, ex-vice-presidente do clube e ex-administrador da SAD, cortou o cordão umbilical e não terá o apoio de Pinto da Costa para a sua sucessão.

António Oliveira – O maior acionista individual da FC Porto SAD, ex-jogador e ex-treinador do FC Porto, não está nas boas graças de Pinto da Costa. E, em termos de sucessão na presidência do clube, se António Oliveira avançar, Pinto da Costa deverá fazer-lhe o mesmo que Rui Rio fez a Luís Filipe Menezes, isto é, lançar e apoiar (implicitamente) outro candidato (tudo indica que será Antero) e dar as entrevistas necessárias, para que os sócios do FC Porto fiquem convencidos que o irmão de Joaquim Oliveira não serve para ocupar a cadeira do poder.

P.S. Claro que não é só por causa das arbitragens que o FC Porto passou de uma vantagem de 5 pontos para uma desvantagem de três. Contudo, quer no Estoril x FC Porto, quer no slb x FC Porto, as arbitragens prejudicaram objectivamente o FC Porto e Pinto da Costa teve razão nos cinco lances/erros desses jogos que referiu.

16 comentários:

reine margot disse...

O interessante é que há tempos atrás diziam que não reconheciam o presidente, que se calava com as arbitragens; agora falou, e com razão, porque no jogo contra os eusébios jogamos mal, mas sempre que quisemos jogar qualquer coisinha fomos comidos, toda a gente diz que não se revê...
Quanto à Liga, infelizmente não é a única coisa do Norte esvaziada de poder, numa sangria terrível que tem vindo a acontecer. É bom que os adeptos que não se revêm abram os olhos, e percebam que não é preciso dizer amén e ser acólito, para se saber distinguir o trigo do joio... Adormecer ao som do somos exigentes não vai trazer frutos!
Em relação à sucessão: foram dois sustos, talvez o terceiro seja mais que um susto.
Nessa altura, "haverá choro e ranger de dentes"...
E, o Sr PdC pode parecer fanfarrão quando lhe dá jeito, mas não tem nada de parvo. Melhor do que ninguém ele tem percebido os sinais... Mais do que dizer que não vai apoiar este ou aquele, tem de dizer aos de dentro que os recompensará...

PS:
Gostávamos todos de ter sempre uma equipe excecional a jogar um futebol fantástico... Claro.
Mas não dá para tanto. Para mim, desde o início do ano que percebi que temos o que podemos ter.
E, mais vale puxar por estes...
Agora rever-se no presidente quando ganhámos e não se rever quando as coisas correm mal, é que não está com nada ...
Desses adeptos (e/ou sócios) não necessitamos, penso eu de quê...

Mário Faria disse...

1)Quanto à arbitragem, JNPC esteve bem. Os erros cometidos que poderiam ter prejudicado o SLB não deixaram de ser erros, mas não influenciaram o resultado, e é bom que esse “pequeno detalhe” seja relevado. Duas grandes penalidades, o corte de um lance em que Martinez se isolava e a expulsão de Danilo, são prejuízos difíceis de contabilizar e o presidente do FCP tem o direito e o dever de explorar que o prejuízo foi máximo. Não gostei da forma como entendeu condenar o árbitro e do direito de continuar a apitar.
2)Quanto à Liga, embora entendendo o combate à centralização, diga-se que Hermínio Loureiro e Fernando Gomes são nortenhos e, ao que ouvi, o FCP votou favoravelmente o novo quadro de funcionamento da Liga. Se os clubes a norte do Mondego são maioritários, de que nos queixámos? E a crítica a Fernando Gomes, pareceu-me despropositada. JNPC é “feroz” quando não lhe agrada o que é dito ou feito, ainda que seja coisa de somenos, como aconteceu comigo numa AG. Com o FG deve ter sido coisa de maior, pois eram companheiros de direcção há largos anos. Não sei o que se passou, mas o nosso presidente terá entrado em rota de colisão com o seu director financeiro por divergências na gestão da coisa, penso eu de que... Tão amigos que eram!?
3)Sobre a TV, a Liga e o Joaquim Oliveira, preferia o monopólio anterior a este deboche da Benfica TV e gostava que o nosso Presidente tivesse falado mais disso.
4)Percebo a defesa do treinador e do grupo. Claro que há sinais preocupantes e o treinador tem razão quando dita que o FCP tem um tratamento discriminatório, por parte da CSocial. Mas, as críticas maiores, relativamente à equipa, vêm dos sócios e adeptos que têm sido bem mais implacáveis que os verdes e encarnados que pululam pelas redacções e falam como fossem comentadores independentes. A palhaçada de Serrão é prova disso.
5)Tenho simpatia por António Oliveira. Não sei o que pensa dele o nosso presidente. Sei que AL tem um enorme respeito pelo JNPC, tanto quanto detesta os restantes que fazem parte do elenco directivo e demais satélites. Tem as qualidades e os defeitos para ser um bom candidato pós JNPC.

De resto, a bola ainda é o valor maior. As vitórias são o motor que apaziguam a tristeza, as derrotas as que extremam a cólera. Só há interesseiros no processo, mas há uns que são bem mais que outros.

Nuno Queiroz disse...

O presidente tem todo o crédito do mundo junto dos sócios/adeptos apesar de algumas vozes (muito poucas em q este blog é o maior ponto de encontro) contra. A entrevista não me pareceu a melhor apesar da aparente excelente forma física e do sei discurso fluido. Não gostei de o ouvir desculpar o terceiro lugar com as arbitragens nem a eliminação da champions com o azar e não dizer nada acerca das exibições e sobre as contratações mais caras do plantel jogarem na equipa B. Agora, não podíamos esperar críticas acentuadas ao treinador sendo ele o responsável pela sua.contratação nem aos jogadores que são os que fazem parte do plantel neste momento. No entanto, entendi que os elogios são também uma forma de responsabilização de treinador e jogadores e fazê-los ver que as coisas não podem continuar na mesma.

O assunto da Liga é mais natural. Mário Figueiredo é genro do guardanapo da madeira e tudo tem feito contra a Olivedesportos sem conseguir benefícios para os clubes, bem pelo contrário. Por isso PC apenas usa esta onda de descontentamento para aproveitar e mandar o Figueiredo embora. Além disso a Liga hoje está ainda mais ao serviço dos de Lisboa e os clubes do Norte só têm a perder com isso.

Resumindo: não foi uma das melhores entrevistas de PC até porque as perguntas não foram, quanto a mim, as mais felizes. Foram apenas as que lhe interessaram para fazer passar algumas mensagens. Mas não acredito que PF tenha assim tanta margem de manobra como pareceu.

José Correia disse...

...há tempos atrás diziam que não reconheciam o presidente...

Quem é que dizia?
Eu?
Alguns dos co-autores do Reflexão Portista?
Todos os co-autores do Reflexão Portista?
Onde? Quando? Em que contexto?

Não sei se o(a) reine margot se refere a algum artigo/comentário de um dos co-autores do Reflexão Portista mas, se for o caso, essa pessoa assinou com o seu nome o que publicou.

José Correia disse...

Os erros cometidos que poderiam ter prejudicado o SLB não deixaram de ser erros, mas não influenciaram o resultado, e é bom que esse “pequeno detalhe” seja relevado. Duas grandes penalidades, o corte de um lance em que Martinez se isolava e a expulsão de Danilo, são prejuízos difíceis de contabilizar e o presidente do FCP tem o direito e o dever de explorar que o prejuízo foi máximo.

Exactamente.
Era o que faltava, o FC Porto ser fortemente prejudicado por erros (vamos chamar-lhes assim) de arbitragem e a estrutura do FC Porto ficar caladinha.
Se até em Inglaterra, Sir Alex Ferguson se queixava quando se sentia prejudicado, que fará em Portugal.

José Correia disse...

não foi uma das melhores entrevistas de PC até porque as perguntas não foram, quanto a mim, as mais felizes. Foram apenas as que lhe interessaram para fazer passar algumas mensagens

Esta entrevista de Pinto da Costa ao Porto Canal tem de ser analisada como fazendo parte da estratégia de comunicação do FC Porto, quer no timing, quer no conteúdo.

Ou seja, do ponto de vista do FC Porto (da estrutura do FC Porto), as mensagens passadas foram, ou não, as mais adequadas?

António Vieira de Castro disse...

Má estratégia de comunicação. Não pelo conteúdo, mas pelo timing.
Péssima desculpa, aquela que garante que foi um teste à CS. A ser verdade, estamos muito mal. Nunca nada se provaria e, pior, seria de esperar os comportamentos de lume brando por parte dos órgão informativos existentes.

A defesa do grupo foi coerente e exigível, simplesmente porque apenas há duas hipóteses: ou tinha mandado PF embora há um mês, ou, ficando, teria de reforçar a confiança, até para o interior do balneário.

Quanto à Liga, pareceu-me a única coisa bem conseguida.
PC esteve em boa forma, mas no timing errado. Enquanto esta semana PdC falou tarde demais, Bruno de Carvalho quase que tinha falado cedo demais (para não variar...) - não fosse a "sortinha" de ontem à noite.

Apenas lamento a parte em que se desculpa as derrotas com falta de sorte e bolinhas ao poste. Lamento, sinceramente, porque sempre fomos maiores do que isso. Mais valia terem pedido ao jornalista para nem dar a deixa para o assunto a ter assistido à "benfiquização" do fado e do infortúnio...

Por último, não me agrada, por muito que admire PdC, que se tenha transformado a direcção numa espécie de feudo, onde se preparam terrenos e afastam inimizades pessoais. Começaram, portanto, as campanhas e as despedidas, para mal dos pecados dos adeptos do FCP.

Junho é outro ano ;)

Abraço

Nuno Queiroz disse...

" Ou seja, do ponto de vista do FC Porto (da estrutura do FC Porto), as mensagens passadas foram, ou não, as mais adequadas?"

Para mim não foram até porque os sócios/adeptos mereciam outras explicações sobre uma série de assuntos que nem sequer foram abordados especialmente relacionados com a SAD. E tal como disse antes acho que toda a gente ficou com a sensação que faltou serem mais incisivos nas perguntas. Aliás outro assunto que faltou foi perguntar ao presidente se acha que o Porto Canal tem a qualidade que estava à espera e se acha bem que o Director Geral escreva para um jornal que faz um jornalismo rasca contra o clube (mesmo q já o tenha deixado de ser)?
Não é de agora mas de há muito tempo que a política de comunicação é absurda pois permite que a nossa pseudo-CS imparcial diga o que lhes apetece sem a devida resposta. Pessoalmente não me revejo nessa forma de estar. Acho que se esses pseudo-jornalistas deviam ser proibida de entrar em nossa casa enquanto a postura deles não for minimamente isenta. Não tem a ver com liberdade de expressão, tem a ver com as mentiras que eles tentam passar. Foi com esta forma que PC e Pedroto construíram o Porto vencedor.

Luís Vieira disse...

Do ponto de vista estratégico, a entrevista foi irrepreensível. Pinto da Costa não disse mais nem menos do que aquilo que costuma dizer. Em belo jargão futebolístico, foi igual a si próprio, visando e repisando alvos comuns aos 31 anos de presidência (arbitragem, comunicação social, personas non gratas, Liga, FPF), numa estratégia de "nós contra o mundo", que, goste-se ou não do estilo, nos tem valido imensas alegrias. Por isso, muito me surpreende alguma reacção estupefacta dos portistas. Este é Pinto da Costa, sem tirar nem pôr. Se calhar estão esquecidos por ele ter diminuído a frequência das intervenções, mas a matriz mantém-se: incendiário, provocador, beligerante, indomável. Foi o chamado toque a reunir que, atendendo às circunstâncias, é natural e desejável.

António C. disse...

Como diz o adágio: “quem não se sente não é filho de boa gente”…, e como tal deixo a minha réplica.

Presumo que o “reine margot” seja uma “espécie” de inquisidor futebolístico…e talvez até seja “membro” de algum lobby…com interesse no FCP?...
Presumo que reine margot seja um adepto indefectível do elogio fácil e sem limites?...
Presumo que também seja um acérrimo inimigo do direito ao livre pensamento ou opinião contrária?...
Presumo que esteja muito satisfeito com o actual FCP – onde se inclui aqui os negócios fantásticos dos comissionistas…; treinador sem ambição; desculpas dos erros próprios julgados em cima da arbitragem e jornalismo; etc. - ?...
Etc, etc, etc,!
Apenas presumo…

Só não sei é presumir o seu último parágrafo – «não necessitamos» -, pois não consigo decifrar se se trata da opinião de “simples” adepto, sócio ou algo mais…

Posso-lhe apenas – com a sua licença…e a dos administradores deste blogue – advertir o seguinte: já conheço este blogue à muito tempo, e SEGUIDISMO não é de certeza uma das suas facetas ou normas. Procure um pouco na blogosfera que rapidamente encontrará um ou outro…blogue do seu agrado (“Os Seguidistas”). Não estou com isto a “mandá-lo” embora daqui, pois aqui não mando nada, apenas a sugerir onde encontrará felicidade e palavras maravilhosas para os seus olhos lerem…

Quanto a mim, como adepto de paixão pelo FCP, vou continuar a opinar sobre o “meu clube”, as alegrias e as tristezas, ou frustrações, doa a quem doer – penso eu de que!...

meirelesportuense disse...

Houve nesse discurso uma crítica precisa a António Oliveira quando PdC refere "comentadores que não sabe serem Portistas ou Sportinguistas"...E tem razão, muitas vezes fica-me essa dúvida relativamente a António Oliveira, sempre que fala do Sporting fala com uma tal "compreensão e carinho" que me surpreende...Ainda há pouco tempo elogiou Bruno de Carvalho com um calor que achei esquisito...Eu sei que ele passou por lá, mas isso não é suficiente para se mudar de côr e muito menos elogiar um brutinho daqueles.

Sansoni7 disse...

Olá
" Mudar de cor"?

Já li algures que António Oliveira é um Sportinguista «dos quatro costados»; portista é o irmão Joaquim.
Cumprs
Augusto

meirelesportuense disse...

Pois será sportinguista, mas não é aquilo que ele divulga a quem o queira conhecer...Também é verdade que nunca esquecerei aquela célebre exultação num 2-2 com o Penafiel nas Antas há para aí, meio século!
Foi demais para quem tanto amava aquele símbolo que ostentou desde as camadas jovens.

Alexandre Burmester disse...

O Oliveira é portista e o resto é conversa. Também muita gente tentou, duramte muito tempo, acusar o Artur Jorge de ser benfiquista. Reparem que o Futre nutre pelo Porto o mesmo respeito que o Oliveira nutre pelo Sporting. Acho que é natural. Abaixo a Inquisição!

meirelesportuense disse...

Alexandre:
Pois então será Portista, ele que se recorde que foi na SIC, com estes ou outros protagonistas, que foi vítima de uma tentativa de assassínio de personalidade, em directo televisivo...Era na época, recente ex-Seleccionador Nacional ou já se esqueceu? Eu não.
Agora comer à mesma mesa e ser simpático com alguns que o tentaram escarnecer o mais ferozmente possível, não é nada fácil de compreender.

bruno cláudio disse...

O Presidente fez o que lhe compete, enviar uma mensagem para dentro do clube e para fora, defender o treinador e dar um par de golpes onde de direito, arbitragem, liga, etc. o normal!
E vamos ser campeões!
Isto não é como começa, é como acaba, os papagaios da 2a circular já andam a falar demais, como é normal, e nós vamos trabalhando, o que tambem é normal!
O PF é o treinador que temos e há que defender o mister, e ponto final! concordar ou não com as suas decisões é outra coisa, no final da época faz-se o balanço. ele tem tanta vontade de vencer como qualquer um de nós, se lhe falta talento ou tem menos sorte que os anteriores, é outra conversa, o certo é que o paços de ferreira terminou em 3º (?) na época passada..
a mim não me convence, sou frontal, mas o VP muito menos, o jesualdo tambem, etc, e nem sempre podemos ter mourinho, villas boas ou adriense.
(o mister que queria, está no city, o outro foi despedido do milan.. o tipo que treina o villareal tambem encaixava bem no perfil, bem como os do sevilha e bilbao)