domingo, 19 de janeiro de 2014

Boa vitória, goleada desperdiçada

FC Porto x Vitória Setúbal (foto: REUTERS)

Um bom Porto, um mau Vitória, uma boa vitória e uma goleada desperdiçada.

1-0 aos 10 minutos.
2-0 aos 35 minutos.
Com o golo da tranquilidade (e que golo!) alcançado, por Silvestre Varela, a cerca de uma hora do final do jogo; com um trio de ataque azul-e-branco inspirado e uma defesa cor de laranja atarantada (ficou ainda pior depois da lesão de Javier Cohene), pensei que o resultado só ia parar nos cinco ou seis a zero.

Assim não aconteceu, essencialmente porque os jogadores do FC Porto não quiseram. Abrandaram, reduziram a intensidade, diminuíram o número de metros percorridos (nenhum jogador do FC Porto atingiu os 9 quilómetros percorridos) e passaram a "gerir" tranquilamente o jogo.

Após a entrada de Josué, para substituir um Lucho que me pareceu cansado, a equipa portista, que estava meio adormecida, ganhou uma injecção de ânimo, voltou a criar oportunidades e chegou naturalmente ao terceiro golo (mais um golaço de Carlos Eduardo).

Para além dos golos de Varela e de Carlos Eduardo, que deverão entrar para o top 10 do campeonato e que, por si só, valeram o preço do bilhete, este jogo confirmou que o trio de ataque para a 2ª volta do campeonato está encontrado.
Jackson marcou o seu 13º golo no campeonato e o 19º em jogos oficiais esta época; Varela (um habitual patinho feio) está ao seu melhor nível; falta Quaresma atingir uma boa forma física e começar a entender-se melhor com Danilo e... Jackson.

Com Maicon de novo titular (ainda não percebi por que razão Paulo Fonseca preferiu Otamendi no jogo da Luz), deste jogo sobra a dúvida do meio-campo.
Lucho vai continuar a ser titular indiscutível?
Herrera, Defour, Josué e Quintero, não serão médios a mais no plantel para, em condições normais, jogarem um total de 20-25 minutos por jogo?

7 comentários:

Nuno Queiroz disse...

Não me parece que a exibição tenha sido brilhante, apenas o necessário suficiente. Custa-me muito que esta equipa a partir do momento em que se apanha a ganhar baixa o ritmo e deixa o tempo andar. Valeram os grandes golos de Varela e Carlos Eduardo. A segunda parte foi um enorme bocejo exceptuando o grande golo. Uma palavra para Fernando que joga sempre a um ritmo diferente dos colegas. Jackson perdeu inúmeras bolas por querer fintar 2/3 adversários. Quaresma perdeu bolas em excessos, mas isso nós já sabíamos, mas traz magia ao jogo de uma equipa cinzenta. A verdade é que estes primeiros jogos de Quaresma me surpreenderam. Espero que seja para continuar. A entrada de Quintero aos 85 é mais um dos enormes disparates do nosso treinador.

Koizox disse...

Quintero aqueceu 20 min para jogar 5. Mas pior foi o Defour aquecer a segunda parte toda para ir tomar banho.

Luís Vieira disse...

Foi uma boa exibição, em resposta ao desaire da Luz, no seguimento da goleada ao Penafiel e com a ajuda de um inofensivo Vitória de Setúbal. Houve bons momentos de futebol e, mais uma vez, confirmou-se a ideia de que o Quaresma é outra loiça, mesmo em défice físico. Basta atentar que até à sua saída grande parte dos lances de perigo do Porto tinham partido dos seus pés. Mais do que o tridente ofensivo, penso que, finalmente, ao fim de 6 meses, está encontrado o 11 base, que jogará a maioria das partidas até ao final da época, salvo imponderáveis e alterações de circunstância. Espero que tenha sido a primeira de 15 vitórias consecutivas no campeonato! (Sonhar não custa).

Nuno Fonseca disse...

Boa vitória. Grandes golos. Parabéns ao Lucho que fez anos, mas depois desta prendinha, tem de sair do 11 base. É perfeito se entrar aos 65 cheio de vontade e fresco para os ultimos minutos. Para além do défice físico tem decidido muitas vezes mal os lances. Josué ou Defour cumpririam melhor.
Continuo a achar que para jogos mais difíceis, jogos fora em que é preciso mais vigor e raça, que ghillas entraria perfeito na posição de Quaresma ou Varela. Porque apesar de muito diferentes Quaresma e Varela são o mesmo tipo de jogador, jogador que arrisca mais no um para um. Aqueles minutos com o Penafiel naquela posição convenceram-me dessa oportunidade de o aproveitar ali, sugestão que confesso vi aqui no reflexão portista sugerida por alguns membros do blog.

Pedro ramos disse...

Jogo apenas qb contra uma das equipas mais suaves e débeis que vi jogar esta época no dragao. O Penafiel conseguiu impressionar-me mais do que este Vitória.
Fico convencido que PF acredita verdadeiramente no que diz, quando refere que o Porto fez uma 1º parte de grande intensidade e que já esta mais perto do que pretende e isso é preocupante.
Continua a impressionar-me esta normalizaçao das substituiçoes depois dos 85 min, apenas interrompida no último jogo. Nao consigo compreender porque nao se aproveita estes jogos para dar minutos a jogadores como Ghilas ou Quintero, da mesma forma que nao compreendo o porquê de Kelvin ser hoje 1º opçao para entrar neste jogos, só o podendo explicar como uma tentativa para cair nas graças dos adeptos.

Nao há muito para esperar no futuro próximo, treinador ficou contente a proclamar que estamos próximos do que ele deseja...

Pedro Albuquerque disse...

O que me mete nojo e não é só com este treinador, é com todos os treinador que o fazem:
- Substituições com jogos resolvidos aos 88 minutos. Fonseca e Jesus ontem fizeram a mesma coisa. Para que?
Mas que jogador é que se vai mostrar em 5 minutos de jogo com uma equipa que está a gerir esforço e não quer cansar-se e joga a bola para trás à espera que o jogo termine?

bruno cláudio disse...

o quaresma vai calar a boquinha a muitos idiotas!
e vamos ser campeões!
já o fomos com maus treinadores (como este) no passado e bem recente diga-se. este não é pior que VP, jesualdos, antonios oliveiras, etc as excepções foram Mourinho, Villas Boas e Adriense!