sábado, 4 de janeiro de 2014

Mais um lateral?

O FC Porto tem dois defesas laterais que, em conjunto, custaram à FCP SAD cerca de 28 milhões de euros.

Relatório e Contas Consolidado do 1º Trimestre 2011/2012

Apesar de Danilo e Alex Sandro serem dois titulares indiscutíveis, não só pelo seu valor futebolístico, mas também por aquilo que representam em termos do enorme investimento feito pela SAD (que terá de ser rentabilizado), é necessário existirem alternativas para eventuais lesões, castigos ou abaixamentos significativos de forma destes dois internacionais brasileiros.

Quais são, então, as alternativas à disposição de Paulo Fonseca?

Defesa/Lateral direito

Víctor García – internacional Sub-20 da Venezuela, chegou a meio da época passada, tendo feito alguns jogos pelos juniores do FC Porto; esta época agarrou a titularidade da equipa B e já foi chamado por Paulo Fonseca para um jogo da Taça de Portugal.

Ricardo – extremo direito; desde a pré-temporada foi testado várias vezes por Paulo Fonseca também na posição de lateral direito.

Maicon – defesa central; na época 2011/2012 foi adaptado e utilizado durante vários meses, com relativo sucesso, como defesa direito.

Defesa/Lateral esquerdo

Mangala – defesa central; na época 2012/2013 foi adaptado e utilizado várias vezes por Vítor Pereira como defesa esquerdo; nesta época Paulo Fonseca já fez o mesmo.

Quiñones – titular da equipa B; internacional Sub-20 da Colômbia, foi cinco vezes convocado por Vítor Pereira para jogos do campeonato 2012/13 e uma vez utilizado durante os 90 minutos (no FC Porto x Rio Ave, disputado em 23 Fevereiro 2013).


O JOGO, 01-01-2014

Havendo este conjunto de alternativas para as laterais, todas elas já testadas, quer nesta época, quer em épocas anteriores, para quê gastar mais dinheiro na contratação de um novo defesa lateral, ainda por cima para ser suplente de Danilo ou Alex Sandro?

13 comentários:

Samuel Almeida disse...

Se por um lado não se ouve muito falar de interessados no Danilo, com o Alex Sandro a história é outra. Mesmo não estando ao nível da época passada, é provável que qualquer dia o Manchester United, por exemplo, coloque uma proposta em cima da mesa (se acreditarmos no que vem na imprensa).

Parece-me evidente que normalmente o FCP gosta de preparar as saídas com alguma antecedência. Se assim não fosse, não teriam investido 11 ME no Alex para ser suplente do Álvaro Pereira durante quase um ano.

A acreditar no que vem na imprensa, o Víctor Garcia daqui a uns tempos até pode ser uma solução interessante, mas não sei se o mesmo se aplica a Quiñones. Portanto, até faz sentido que se pense numa outra solução para a esquerda, para picar o Alex Sandro e estar pronto caso um dia ele saia do clube.

Miguel Lourenço Pereira disse...

Não faz nenhum sentido a petição do Paulo Fonseca.

Um treinador que se tem gabado de ser capaz de fazer a ponte com a equipa B quando lhe convém, deve entender que um clube com o orçamento do FCP e - como o Zé apontou - que já gastou quase 30 milhões de euros em laterais com contrato não pode ir ao mercado a correr à procura de uma alternativa de recurso.

O FCP tem dois titulares estáveis e dois centrais (num plantel com cinco) que podem actuar perfeitamente em momentos de lesões ou suspensões pontuais tanto à direita (Maicon) como à esquerda (Mangala) sem que isso significa uma perda evidente para a equipa. Mais ainda, o clube investiu no ano passado na chegada de Quiñones, um dos laterais mais promissores do futebol sul-americano, para a esquerda e tem em Rafa um dos juniores com maior margem de progressão dentro da equipa de Capucho. Para a direita acho que o Victor Garcia já deu provas este ano que é um óptimo recurso e que tem madeira para agarrar a titularidade com o tempo. E é precisamente neste modelo de jogador - formado em casa, português, barato e com projecção - que convém começar a apostar para sanear gastos com orçamentos de salários e transferências. Ricardo, ainda que extremo, é outra opção, particularmente para os jogos em casa.

Portanto, tendo uma lista tão grande de nomes à sua disposição a petição de Paulo Fonseca parece-me não só alheada de qualquer realidade como desculpa esfarrapada. Se há linha em campo com opções para dar e vender em todas as suas vertentes, é a linha defensiva!

PepAlves disse...

E para o lugar de lateral esquerdo ainda se pode juntar o Rafa. sub-19.

JOSE LIMA disse...

Amigos
Perfeitamente de acordo, quer com as dúvidas apontadas por José Correia, como com o raciocínio do Miguel Esteves Pereira.
Só há um pormenor que eu gostava que o treinador tivesse experimentado. Fucile a defesa-direito e Danilo mais à frente como joga na seleção brasileira. Há um subaproveitamento de Danilo, (repare-se que raramente vai à linha de fundo centrar) quando penso que podia ser uma solução para essa ala, substituindo Josué que não confirmou a boa promessa que parecia ser.
E não me venham com a história dos “desentendimentos” do treinador com Fucile, como foi com Iturbe e agora parecem começar com Quintero e Défour. Como se já não bastasse a comédia em reprise da saída de Fernando ou Otamendi, compreendo que todos lutem por melhores caminhos mas, como dizia a minha Avó, “o que é demais é moléstia”. Alguém da Sad que diga rapidamente aos jogadores que “isto aqui” não é o clube da treta!
Abraço

Ricardo Rocha disse...

Para substituir um deles caso sejam negociados? Nem que seja para o integrar para a proxima epoca. E as 'alternativas' deixam muito a desejar... desde que a B da' na televisao ja' tudo e' alternativa.

De alguma forma relacionado, na equipa actual ha' Helton e Lucho com estatuto e capacidade para liderar a equipa no campo, e passar alguns valores do clube aos que ca' estao a pensar acima de tudo para onde vao depois do mundial - mistica, nao era? Fernando e Varela sao os outros candidatos, mas o primeiro e' irregular quanto baste no relacionamento com o clube para nao ser exemplo para ninguem, e o segundo nao parece ter esse perfil. Mas parece que o Fabiano e' que e' bom, e que o Lucho so' la' anda por ser uma vaca sagrada.

A ir ao mercado, eu pegava por ai...

Pedro ramos disse...

Acerca das alternativas, quer a laterais quer a outra posiçao qualquer, eu continuo a pensar que a equipa b continua a ser uma completa inutilidade. Aliás eu questiono para quê existirem ou se contratarem jogadores para a equipa b, bastava requisitar todos os jogos alguns juniores e alguns da equipa principal para podermos poupar mais uns trocos. Até hoje continuamos a ser a mais inutil equipa b em Portugal.
Retratar-me-ei quando um só jogador da equipa b passe a ser uma opçao regular na equipa principal.

Miguel Lourenço Pereira disse...

Pedro,

"Retratar-me-ei quando um só jogador da equipa b passe a ser uma opçao regular na equipa principal."

Isso não significa que tenhamos uma equipa B inútil. Pode igualmente significar que tenhamos uma gestão inútil na equipa A que não encontra soluções na equipa B. Além do Carlos Eduardo - que foi basicamente jogador da B durante 4 meses - há ali jogadores suficientes para formar parte do plantel.

Pedro ramos disse...

Caro Miguel, a realidade é que em época e meia sairam zero jogadores para a equipa principal, nem que seja para preencher buracos. Depois eu nao nego que uma equipa secundária seja importante para suprimir as lacunas competitivas de alguns jogadores da equipa principal, mas este sistema deveria ser uma rua de dois sentidos, se nao o é volto a frisar, para quê formar um plantel para a equipa b?

Só 3 exemplos de apostas para a equipa b:
Caballero 9 jogos, 384 min. Pavlovski 3 jogos, 108 min. Kayembe 8 jogos 541 min.
A equipa b tem até ao momento 23 jogos.
Poderia falar ainda no Kadu que é quase sempre preterido por Fabiano or Bolat nos jogos mais dificeis.


Já agora mais uma pequena questao: a equipa b nao deveria seguir os principios da principal? Se sim esta última tendencia em jogar com 3 médios defensivos nos jogos em que Luis Castro entende como mais dificeis é uma aberraçao ou é seguidismo das tacticas de PF?

Ficarei contente se o único utilizado e chamado à equipa principal até agora possa dentro de 1 ou 2 anos fazer nº no plantel principal.

Miguel Lourenço Pereira disse...

Pedro,

Repito, essa realidade não tem necessariamente a ver com a falta de qualidade dos jogadores da B mas sim com as opções da A. A equipa B de este ano, repito, tem meia dúzia de jogadores que podiam perfeitamente pertencer ao plantel da A.
A questão dos laterais é um bom exemplo mas há mais. Se não são promovidos - ora por decisão técnica ora por overbooking da gestão da direcção desportiva - esse é outro tema!

Miguel Lourenço Pereira disse...

Eu entendo que uma equipa B que não luta por subir ou títulos seja uma base de trabalho para a A e que o modelo a seguir seja o mesmo. No entanto, o desnorte de gestão e organização do plantel principal este ano parece-me estar a abrir a porta a essas variações!

Pedro ramos disse...

Eu compreendo a sua explicaçao, apenas penso que esse desnorte vai muito além de PF nem é ele a principal razao. Penso que o desnorte está bem enraizado no funcionamento e organizaçao da própria equipa b.

meirelesportuense disse...

Se não fossem alguns jogadores A que jogaram na B durante muitos jogos, estou convencido que a classificação desta não seria a que é neste momento.
-Fabiano, Reyes, Herrera, Kelvin, Carlos Eduardo foram cruciais para este apuro classificativo.
Depois confesso que Vítor Garcia foi uma revelação e José António uma referência importante em muitos momentos.Tozé está também entre os melhores.
Rafa é também um elemento a reter, já nos júniores A se evidenciara.

Luís Vieira disse...

As alternativas nas laterais, face ao desenrolar da época, são, actualmente, o Ricardo para a direita e o Mangala para a esquerda. Os laterais da equipa B, ao que parece, não contam para a equipa principal. O Quiñones, inclusive, foi dispensado da pré-epoca com a equipa A. Se o Ricardo ainda consegue fazer alguma concorrência ao Danilo, que se tem exibido em bom plano nesta temporada, o Mangala constitui apenas um remendo no lado oposto. Com isto quero dizer que o Alex Sandro sabe que só não jogará se estiver castigado ou lesionado, porque pura e simplesmente não existe concorrência. E o brasileiro, manifestamente, tem estado longe do que lhe vimos fazer no passado. Deste ponto de vista, parece-me natural o pedido de Paulo Fonseca. Se o Victor Garcia e o Quiñones não têm qualidade para envergar a camisola da primeira equipa (é esta a mensagem que tem passado, mas não se trata de uma evidência porque não tivemos oportunidade de vê-los a jogar ao mais alto nível), então que se arranje uma alternativa séria, que faça sombra aos titulares, principalmente ao Alex "sobranceiro" Sandro.