sábado, 22 de março de 2014

A “fruta” de Lisboa

A BOLA, 28-12-1995
No dia 28 de Dezembro de 1995, o jornal “A Bola” reproduziu uma entrevista dada ao News of the World pelo ex-árbitro internacional inglês Howard King, onde o mesmo revelou ter recebido favores sexuais em Lisboa, oferecidos por Sporting e Benfica nos dias que antecederam jogos destas equipas para as competições europeias.

O primeiro caso passou-se em 1984, num jogo entre o Sporting e o Dínamo de Minsk. Na noite anterior, afirmou King, foi levado a um clube, em Lisboa onde, segundo o próprio, “se encontravam muitas raparigas das mais belas e bonitas”, tendo-lhe sido dada a possibilidade de escolher a que ele desejasse (o que veio a suceder).

O segundo caso ocorreu em 1992, para um jogo entre o Benfica e o Sparta de Praga. Segundo o próprio Howard King, dessa vez, para além da rapariga que esteve com ele, “o valor dos presentes que me enviaram excedeu em muito o limite de 40 libras a que estamos autorizados”.



António Boronha, 1991
«a propósito da partida desta noite [11-03-2010] entre o ‘benfica’ e o ‘marselha’ estou farto de ouvir gente, alguns nem nascidos eram, falar de uma outra, entre os mesmos intervenientes realizada na primavera de 1990.
ora acontece que eu, na altura ‘presidente’ de um clube que (já) liderava isolado a ‘zona sul’ da 2ª. divisão, o ‘farense’, acabei por ter tido uma relação um pouco estranha e absolutamente casual com tudo o que se passou nessa noite, no velho ‘estádio da luz’.
várias peças soltas e desirmanadas que se juntaram, num espaço de horas entre o início da noite e as 4 da manhã, acabando por formar um mosaico, para mim, inesquecível.

primeiros os elementos isolados:
Marcel Van Langenhove
- por intermédio de álvaro braga júnior, hoje presidente do ‘boavista’ e à época ‘director desportivo’ do ‘farense’ - sim! a partir de finais de ‘80’ o ‘farense’ tinha na sua orgânica o cargo de ‘dd’! - eu era talvez uma das poucas pessoas no país que já tinha chegado à fala com o árbitro indicado para a partida, o belga marcel langenhove;
- fui convidado para assistir ao prélio, acompanhado de um v/p do meu clube, luís baptista mais tarde presidente da ‘arbitragem’, no camarote presidencial do ‘benfica’. remeteram-nos para a zona dos não afectos às cores da casa onde desfrutei da companhia do então presidente do ‘sporting’, josé de sousa cintra, e meia dúzia de pessoas ligadas ao ‘marselha’, elementos da embaixada de ‘frança’, julgo;
- festejei, moderadamente, o golo de vata no meio da enorme euforia que se vivia naquelas paragens, excepção feita aos ‘franciús’ e...ao zé sousa cintra que arrepanhava os (poucos) cabelos que tinha, perguntando-se, ‘como é que tinha sido possível tamanha injustiça?...a do ‘benfica’ ir à final da ‘champions’!!!;
- terminado o jogo, eu e o luís, resolvemos ir à ‘baixa’ comer qualquer coisa tendo durante o percurso ouvido no rádio do carro que o golo do ‘benfica’ tinha sido marcado com a mão, como, diziam, as imagens televisivas mostravam. foi a primeira vez que tomámos conhecimento de tal possibilidade!
- a euforia encarnada - e o paraíso cavaquista que então se vivia à custa dos dinheiros de bruxelas - tinham enchido por completo a maioria dos restaurantes da ‘baixa’ lisboeta. arrajámos lugar na ‘lagosta real’ onde quem lá estava(?) era sousa cintra (de novo) em animado convívio com o autarca mor de ‘aljezur’, na costa vicentina. (sousa cintra nunca brincava em serviço!);

juntemos agora estes elementos soltos, num só.
terminado o repasto e tendo jsc tratado dos ‘negócios’ que tinha a tratar zarpámos, os três, para ‘lavar a vista’ e beber um ‘whisquinho’ no, onde é que poderia ser?, ‘elefante branco’.
Alder Dante
quem lá estava, para além de uma enorme multidão? a equipa de arbitragem chefiada por langenhove, césar correia e alder dante
, que os acompanhavam, e dois funcionários do ‘benfica’, sendo um deles...loura e bonitinha...
quando me dirigi à mesa para os cumprimentar, marcel puxou-me de lado e perguntou-me:
- oiça lá, o golo foi com a mão?...
- tentando meter água na fervura, respondi-lhe que estivesse tranquilo, pois só muito depois de ter saído do estádio e ter tido conhecimento do que as imagens revelavam é que eu próprio me apercebera de tal possibilidade. daí ele poder ficar sem qualquer peso na consciência pois se algo de irregular houvera tinha sido algo que humanamente lhe escapara, como a milhares que assistiam ao jogo no estádio.
aproveitei ainda o momento para lhe apresentar o presidente do ‘sporting’, pessoa com quem se poderia vir a cruzar no futuro, o qual não perdeu a oportunidade para enquanto lhe apertava a mão dizer em português: ' vocês (árbitros) são todos iguais! sempre a gamar para o lado do ‘benfica’!
depois desta tirada resolvi sair pela esquerda baixa e...ir para a cama. sozinho.»
Antonio Boronha, 11-03-2010



O Benfica, à semelhança daquilo que faziam a maioria, a generalidade dos clubes, ao receber as equipas de arbitragem, naquele tempo, cá em Lisboa, as equipas de Lisboa levavam as equipas de arbitragem para um estabelecimento nocturno muito conhecido. E uma equipa de arbitragem, chefiada por um árbitro francês muito conhecido, foi para esse estabelecimento e quando estava lá dentro o árbitro tinha umas senhoras na mesa, a acompanhar a equipa de arbitragem...

Estas afirmações de Jorge Coroado (ex-árbitro internacional da AF Lisboa), feitas esta semana no programa “Liga Futre” da CM TV, só vieram surpreender quem, nos últimos anos, andou muito distraído, ou então entretido com a propaganda anti-Porto, que pretendeu (pretende!) convencer os papalvos de que “fruta” só existia no Norte.

Gaspar Ramos
Pois apesar de nunca ter sido feita qualquer investigação aos clubes de Lisboa (porquê?), foi possível tudo isto ser conhecido através do testemunho directo de vários intervenientes (ex-árbitros e ex-dirigentes).

Agora, imaginem por um instante, que indivíduos como Alder Dante, César Correia, Porfírio Alves, António Rola, Gaspar Ramos, João Rodrigues, Luís Filipe Vieira, José Veiga, etc., etc., tivessem sido colocados sob escuta durante uns meses...

Ai se as paredes do ‘Elefante Branco’ falassem...

Nota: Os destaques no texto a negrito são da minha responsabilidade.

12 comentários:

Miguel Lourenço Pereira disse...

Nos anos 70, quando o Ajax conquistava a Europa do futebol graças ao seu novo paradigma de Futebol Total, um empresário judeu que era também um dos maiores financiadores privados do clube recebia habitualmente as equipas de arbitragem europeias que visitavam Amesterdão para os encontros da UEFA. Passavam a noite num conhecido bar de alterne da cidade. Tinham bar aberto, entre outras coisas.

Esse empresário - milionário por certo - podia fazê-lo, entre outras coisas, porque tinha sido um célebre árbitro nos anos 40-60, um dos poucos a arbitrar duas finais da Taça dos Campeões Europeus. Chamava-se Leo Horn e era uma autêntica celebridade na Holanda. Também era um pesadelo para os rivais do Ajax que sabiam que, quando era ele a arbitrar um jogo dos ajaccied, este estava perdido desde o principio. Um dia, depois de Piet Keizer ter dado um soco na cara de um jogador do Sparta Roterdam, Horn não só não o expulsou como lhe deu uma palmada no cu e um piscar de olhos. Ninguém fez nada.

Horn apitou a final da Taça dos Campeões Europeus em duas ocasiões. Em 1962, os jogadores do Real Madrid reclamaram uma falta de Coluna sobre Gento na área. Era penalty e provável expulsão para Coluna. Horn não apitou. Os jogadores do Real cercaram o holandês e no meio da confusão, Horn atirou o apito á cara de Puskas. O Benfica ganhou a final por 5-3!

Porto Sempre disse...

Otimo post!!!
Como gostava de ver isto mais falado e debatido.

oportosempre.blogspot.com

Miguel Ângelo VR disse...

Isso nunca acontecerá, infelizmente. Os feios, porcos e maus somos só nós...

meirelesportuense disse...

Não tenho dúvidas nenhumas, como nunca tive que isso era frequente em Lisboa e penso que continua a ser habitual...Não me surpreendem as arbitragens Internacionais sempre tolerantes e favoráveis ao Benfica nas eliminatórias a que tenho assistido...Lisboa é uma cidade grande e muito solidária neste aspecto...O Porto é diferente, nesta cidade, existem muitos Anti-Portistas -Benfiquistas, Sportinguistas, Salgueiristas e Boavisteiros ferrenhos- sempre dispostos a "bufar" ao mínimo sinal de suspeição...Reaparem que o Boavista foi condenado pela acção tenaz do Benfica no Processo Apito Dourado, mas o Benfica continua a treinar no Bessa sempre que vem ao Porto e muitas vezes quando vem jogar a outros locais próximos...Hospeda-se de preferência na Avenida da Boavista.
O Benfica tem o "hit" de ter sido -para já- o único Clube Português apurado para uma final com um golo marcado com a mão e ainda pior, a sua massa adepta ter assassinado um adversário em pleno Estádio do Jamor, Estádio tão amado por tantos e tantos Lisboetas e Portugueses...Piores exemplos não conheço.

meirelesportuense disse...

Se eles tivessem vergonha...Mas não têm, porque não agem regidos por princípios morais autênticos e apenas pensam em passar essa imagem distorcida do Porto para aí se basearem e desculparem dos seus insucessos internos.Isso é um erro tremendo.Mas com isso nós podemos bem.Temos de estar é muito atentos aos seus movimentos "subterrâneos" e denunciá-los de imediato.

José Correia disse...

«recordo, até, um jogo na luz, por alturas da páscoa de 1992, em que o benfica conseguiu empatar com o farense (1-1) depois da hora, com um golo em fora-de-jogo. o árbitro foi um 'artista' de leiria chamado lourenço ferreira.
a saída do estádio da luz, acompanhado pelo álvaro braga jr., ainda tivémos a oportunidade de sofrer a intimidação e a ameaça de um 'figurinha' que defendia a actuação do árbitro com unhas e dentes. o então 'isento', 'insuspeito' e muito 'competente' membro do conselho de arbitragem da federação portuguesa de futebol, porfírio alves.
creio que continua na folha de pagamentos do benfica. agora oficialmente, é claro.»
António Boronha, 28-03-2007

José Correia disse...

«quem a 'benfica tv' poderia também entrevistar sobre o sempre momentoso tema da arbitragem - seria muito fácil porque ele está lá em casa ou esteve até há bem pouco tempo - é o ex-dirigente porfírio alves.
calculo que deverá ter bastantes histórias interessantes passadas nos anos 80, 90...»
António Boronha, 14-12-2010

José Correia disse...

«Em 87 ou 88, Porfírio Alves, do Conselho de Arbitragem, disse-me que na parte final dos campeonatos certos clubes não me queriam a arbitrar nos jogos em casa. Foi claro que se tratou de uma tentativa de me explicar que se fosse mais flexível poderia apitar mais jogos.»
Jorge Coroado, 2006
em entrevista à revista Correio Sport, do jornal Correio da Manhã

José Correia disse...

«Correio Sport: Foi ameaçado?
Jorge Coroado: Fui, no Estádio da Luz, em 1991, no final de um Benfica-Torreense, pelo sr. Gaspar Ramos. Em 1995 o mesmo dirigente disse aos berros que iria fazer de tudo para acabar com a minha carreira.»
Jorge Coroado, 2006
em entrevista à revista Correio Sport, do jornal Correio da Manhã

José Correia disse...

«Correio Sport: De que clube recebeu mais pressões?
Jorge Coroado: Do Benfica e dos seus dirigentes. Inquestionavelmente. Estou convicto de que se mais carreira não tive foi por influência de gente do Benfica. De Gaspar Ramos a Luís Filipe Vieira, que vetou o meu nome, em 2002, para vice-presidente do Conselho de Arbitragem.»
Jorge Coroado, 2006
em entrevista à revista Correio Sport, do jornal Correio da Manhã

José Correia disse...

«Correio Sport: Tem apitos dourados?
Jorge Coroado: Seis. Um que recebi do Sporting, no tempo de Sousa Cintra, e os outros foram-me dados por jornais.»
Jorge Coroado, 2006
em entrevista à revista Correio Sport, do jornal Correio da Manhã

meirelesportuense disse...

Pois, mas apesar de todas estas histórias o Coroado continua firme no seu posto como Anti-Portista primário!...Nunca mais esquecerei aquela expulsão do Jorge Costa!
Contra quem?Não me lembro, o Jorge Costa ou alguém por ele que mo recorde.
Mas apostaria que foi contra o Farense!