segunda-feira, 17 de março de 2014

Si vis pacem, para bellum


Em declarações feitas hoje à Antena 1, Dias Ferreira, conhecido sportinguista e ex-dirigente do SCP, quando questionado se admitia que a contestação promovida pelo “Movimento Basta”, nas horas que antecederam o Sporting x FC Porto, tenha surtido efeito nas incidências do jogo, respondeu:

Não posso deixar de admitir que sim. Quando as pessoas dizem que basta, os outros têm de ficar alertados. Admito todas as hipóteses. Admito, sobretudo, que não podemos deixar de protestar.

E, para que não ficassem dúvidas, rematou a conversa com a seguinte frase:

Jogámos à Sporting, ganhámos à Porto”.


Portistas, chegou a altura de dizermos BASTA!

Basta deste silêncio ensurdecedor da FC Porto SAD, perante tantos desaforos, insinuações, mentiras, provocações e até insultos.

Basta de inoperância da FC Porto SAD perante tantas manobras de bastidores, cozinhadas nos corredores do poder, e que têm como consequência autênticas ROUBALHEIRAS como as que ocorreram esta época em deslocações do FC Porto à capital - Estoril, Luz e Alvalade.

Sinceramente, não me revejo na postura atual dos dirigentes do Futebol Clube do Porto.

O Futebol Clube do Porto é, por definição, um clube anti-sistema, um clube anti poder central e, por isso, os seus dirigentes não podem ser mansos.

Esta gente da capital quer guerra?
Pois vamos para a guerra (futebolisticamente falando), com todas as armas (desportivas, politico-desportivas e mediáticas) à nossa disposição, dentro e fora dos relvados.

A época 2013/2014 está perdida, mas a próxima só estará se os dirigentes da FC Porto SAD quiserem e nada fizerem.


(*) Si vis pacem, para bellum é um provérbio latino, que pode ser traduzido como: “se queres a paz, prepara-te para a guerra”

30 comentários:

siulloureiro disse...

Nem mais... vamos a ela e podemos e devemos começar por marcar já presença massiva na recepção ao Belenenses.

Saudações desPortistas!!!

miguel disse...

Esse tipo sabe lá o que é ganhar à PORTO.....mais do que nunca precisámos de nos unir e combater todos aqueles que não nos reconhecem mérito, que não reconhecem que fomos melhores.

Mefistófeles disse...

Eu estou nessa, mas José Correia: isto não tem nada a ver com a gente da capital. Da capital sou eu e garanto que os piores javardos são de fora. Veja os exemplos de Gomes da Selva, Ricardos Costas, Cervans e tantos outros...E todos estes mentecaptos sofrem do mesmo: deitam-se a pensar no FCP e acordam a pensar no FCP. E em como vão atacar o FCP. E sentem uma necessidade terrivel até de pronunciar o nome do nosso clube, não sei bem em que tipo de exercício. Se para terem fácil leitura de mentecaptos iguais a eles ou porque no fundo gostariam era que os clubes deles fossem como o nosso. Não é fácil ser perdedor assumido.

Luís Vieira disse...

Sem tirar nem pôr. O Porto, este ano, não foi apenas suplantado em termos desportivos; houve uma inclinação para Lisboa na órbita de influências, consubstanciada numa santa aliança entre sporting e benfica, com o beneplácito da AFL, encabeçada pelo repugnante nuno lobo. O presidente da Liga é outro dos fautores do estado actual de coisas, mas está a prazo. Com o Fernando Gomes (FPF) de costas voltadas para o clube, o cenário fica completo, desempenhando o Porto o papel de figurante. A rábula do Conselho de Presidentes foi positiva, uma vez que saímos por cima, mas é muito pouco. É preciso ser mais activo nos bastidores e no combate frontal através de (e contra) a comunicação social. Exige-se um Porto reivindicativo, lutador, activo, ao invés de passivo, silencioso e acomodado, como se tem assistido.

Nuno Fonseca disse...

Não entre nessa. Há uma frase que gosto muito que pode ser aplicada neste caso de uma forma análoga.

“Nunca discutas com um idiota. Ele arrasta-te até ao nível dele, e depois vence-te em experiência”.

À hora que escrevo isto, Bruninho de Carvalho começa mais uma conferência de imprensa. Sempre estou para ver o que esse palerma tem para dizer.

Paulo Barroso disse...

Eu, depois disto tudo, ainda ouvir a empressa falada( a dos mouros) dizer que o Sporting merceu ganhar, porque jogou melhor, uma equipa que fez um remate perigoso a balisa um golo em fora de jogo, que teve menos posse de bola,ainda a sim são os maiores, temos que estarmesmo preocupados

Mefistófeles disse...

E este Dias Ferreira, coitado...é apenas um cão raivoso...Freud deve explicar.

Miguel Lima disse...



no fundo, o "shótôr" dias ferreira rugiu um enorme "miau..."

DC disse...

A próxima época só tem que ser preparada como foi a de 2010/2011, contra um "inimigo" bem definido (neste caso dois), com um objectivo claro: Ganhar tudo e além de ganhar, humilhar, massacrar, esmagar!
A palavra está do lado da direcção agora.

Guedesnet disse...

A época pode não estar perdida, se ganhar-mos a taça da liga, a taça de Portugal e a Liga Europa!!!

Guedesnet disse...

Se ganharmos as três taças, a época não está perdida!!!

Pedro disse...

Absolutamente de acordo. Estamos demasiado acomodados e éticos...
Eu responderia com uma pergunta aos calimeros. E que fica também aos portistas deste blog.

Qual a última vitório do Sporting sobre o FCP sem erros grosseiros de arbitragem. alguém se lembra?

Pedro ramos disse...

Finalmente é colocada a questao certa. Os adeptos estao insatisfeitos sobretudo pela ausencia de uma direcçao. Os dirigentes parecem se-lo apenas no papel, tal e qual o suposto canal do clube. Nao existe neste momento qualquer comunicaçao entre clube e adeptos e estes sentem-se abandonados num país que faz do clube a origem de todo o mal.
Existe uma paralizaçao completa por parte dos responsáveis do clube que até para mudar um treinador deixaram apodrecer a relaçao entre a equipa e os adeptos para niveis intoleráveis.

Infelizmente parece que quanto pior for a época melhor pode ser o futuro próximo, porque só assim parece haver força para algumas mudanças.

Miguel Lourenço Pereira disse...

O FC Porto foi um clube anti-sistema até 1994,

Durante 12 anos (e no periodo anterior com Pedroto) lutou-se contra todas as injustiças possiveis e imagináveis contra o Porto clube e o Porto cidade. Foram os anos de luta a sério que fizeram de PdC o mito que ele é. Mas essa batalha foi ganha. Afastou-se o Sporting das esferas de poder e ganhou-se o duopolio com o Benfica depois de um mano-a-mano intenso de dez anos. Depois o Benfica entrou em auto-combustão financeira, perdeu gasolina. Esse foi o momento em que nos tornamos nós no elemento central, não no periférico. Coincide perfeitamente com um periodo de 20 anos e 5 titulos perdidos. Não se pode ganhar tanto sendo sempre "anti-sistema".

Evidentemente que a FCP SAD quis perpetuar o mito, era uma opção muito mais cómoda para o adepto e vinha de encontrar com o problema (real) do centralismo. O FC Porto não controlava totalmente o "sistema" mas tinha uma palavra muito importante a dizer e até à cinco ou seis anos ninguém lhe fazia sombra. Desde então o Benfica rearmou-se ao nivel de várias pressões institucionais, o Sporting quer voltar a comer uma fatia maior do bolo. O problema é que no FC Porto desde o Apito Dourado há demasiada gente demasiada preocupada com a sua posição no futuro e demasiada gente preocupada com meter de lado tudo o que pode enquanto estamos na mó de cima. Descuidou-se o papel politico e institucional do clube, como bem aponta o Zé Correia, e a equipa tornou-se mais permeável a situações como esta, como a dos tuneis da Luz. Um desleixo da politica interna com consequências evidentes.

Antes de dar importancia ao choradinho de Bruno de Carvalho ou aos bitaites de LF Vieira, importa muito mais olhar para dentro, ver o que se está a fazer mal e fazer-se bem. Resta saber se o Presidente tem força para isso e se os que ele escolheu como companhia sabem como ou querem lutar pelo clube ou por eles!

reine margot disse...

Reagir contra o que está mal e que nos prejudica deve ser uma atitude única; para dentro e para fora. Não há antes, nem depois... Por esse tipo de teoria todas as equipes abaixo do 6º lugar tinham de aguentar e calar...

José Correia disse...

"José Correia: isto não tem nada a ver com a gente da capital. Da capital sou eu e garanto que os piores javardos são de fora. Veja os exemplos de Gomes da Selva, Ricardos Costas, Cervans e tantos outros..."

Quando digo que esta gente da capital quer guerra, evidentemente não me estou a referir a todas as pessoas que vivem na capital e muito menos aos Dragões de Lisboa.

A gente a que eu me refiro são os indivíduos que fazem do FC Porto o alvo a abater e que manobram nos bastidores para esse fim.

Esses indivíduos não são nossos adversários, são nossos inimigos e devem ser tratados como tal, sem hesitações e sem contemplações.

José Correia disse...

Era bom que assim fosse mas, infelizmente, isso será impossível.

Não vejo que haja um sentimento de injustiça, um sentimento de revolta que alimente a raiva do Dragão na próxima época.

E se o próximo treinador for o pré-anunciado Marco Silva, o discurso será muito politicamente correcto.

Miguel Ângelo disse...

Acho que vale a pena partilhar isto: https://www.facebook.com/photo.php?v=275702735931360&set=vb.123507424484226&type=2&theater

Daniel Gonçalves disse...

Vamos ver se o movimento "Basta" é para continuar ou se vai findar esta semana, porque se acabar hoje, ou amanhã, é sinal inequívoco de que não passou de uma fantochada da direcção sportinguista para pressionar a arbitragem do clássico, e serviu unicamente para, indirectamente, lançar insinuações infundadas sobre o mérito das vitórias alcançadas pelo FC Porto dentro do campo de jogo. Se este patético movimento acabar é sinal de profunda incoerência da direcção sportinguista, gostaria ainda de saber - embora no meu íntimo já tenha uma resposta - se na eventualidade do clássico ter sido contra o benfica, o Bruno de Carvalho também lançaria este ridículo movimento "Basta".

Toda esta - até agora - decepcionante época foi originada pela má escolha de um treinador, é esse o principal problema, de onde deriva a actual "crise", os restantes problemas são secundários e derivam do principal. Considero que não passa de uma fase conjuntural, como tivemos outras no passado, saibamos reflectir no que é necessário corrigir, analisar onde podemos melhorar para voltarmos aos triunfos que nos caracterizam.

Mário Faria disse...

Muito do que é escrito pelo José Correia merece reflexão. Porém, a questão maior radica de um divórcio crescente entre os sócios e a nossa equipa principal. Ou seja: os sócios e adeptos estão desmotivados por variadíssimas razões: preços, resultados, ausência de qualidade, comodismo e intolerância. Habituamo-nos a ganhar e não suportamos conviver com a derrota. Relativamente a esta época, os dois principais rivais apresentam um modelo de jogo bem melhor sustentado e o SLB tem um plantel mais extenso e qualitativamente bastante melhor. A "vingança" relativamente aos detratores só produz reais efeitos se for construída no campo, com vitórias indiscutíveis e boas exibições que todos nós sabemos não foi prática corrente nesta época. Porém, mais do que as guerras palacianas, ainda que sejam úteis e oportunas, interessa não desviar treinadores, jogadores e a estrutura da questão principal: o FCP está no lugar que merece e por clara incompetência própria. E isso é que incomoda e desmobiliza. O chamamento tem de partir do campo para a bancada e não dos palácios onde se fabrica a intriga.

Hugo disse...

É mesmo isso. Já chega de falinhas mansas.

nonameslb disse...

So faco uma pergunta, sera que a vossa politica de ignorar o tio bruno resultou? E que o choro resultou em cheio. Em relacao ao titulo este ano para voces ja acabou mas eu nao me iludo, espero uma resposta forte da vossa parte mas esta epoca foram muitos erros,por isso e que perderam.

Sansoni7 disse...

Olá
Quem me dera que este silêncio da Sad do FCPorto se traduzisse, a curto prazo, numa «bomba» neste mundo do Futebol Luso!
Vou continuar a sonhar...mas de olhos bem abertos!
Cumprs
Augusto

Luís Vieira disse...

Embora não defenda a contratação do Marco Silva, não me parece que seja bem assim. O Jesus já tinha dado um lamiré nas declarações pós-jogo frente ao Estoril de que algo não estava bem nas relações com o Marco Silva, confirmado agora na antevisão do jogo com o Nacional, em que menosprezou os estorilistas, dizendo que a 4ª melhor equipa em Portugal é a da Madeira. Mais uma demonstração de desprezo típica do JJ, absolutamente injustificada, uma vez que o Estoril tem mais 8 pontos do que o Nacional, mais vitórias, mais golos marcados e menos golos sofridos. O Marco Silva, questionado, deixou-o a falar sozinho. Por isso, há aqui um germe de animosidade a explorar no futuro, caso a SAD opte pelo treinador dos canários.

Madureira disse...

Se as contratações passarem por Sami e Evandro por exemplo, como tem sido noticiado então não esperem nada de melhor na próxima época!

Luís Santos disse...

O seu artigo, José Correia, coloca o dedo na ferida. A verdade é que a nossa imagem de clube anti-sistema, lutando contra os diversos poderes, e tornado-se um clube competente, rigoroso, ambicioso, lutando pela excelência vai-se apagando .A SAD do clube não age nem reage, parecendo contaminada pela mediocridade reinante no país.
Saudações portistas - Luís Santos

Nightwish disse...

O erro foi só um, não despachar o PF em Outubro, mais tardar Novembro, quando já bem se percebia que não sabia resolver os problemas de jogo da equipa.

Pedro Albuquerque disse...

Eu estou a fazer a minha parte. Ir ao Estádio apoiar a minha equipa. Mas tem que haver sentimento de revolta, não só nos adeptos (esses quando não ganham já o sentem), mas também por parte da direcção (e o único que sinto que esteja revoltado é o presidente) e os jogadores (mas eles não sentem a camisola, tirando uma ou outra excepção como o caso do Helton, Josue, Licá e Ricardo, portistas declarados).

A propósito, já comprei o meu bilhete para a Taça de Portugal frente aos magrebinos!

Pedro Jesus disse...

Benfica Porto,golo Maicon fora de jogo-ver capa da Bola
Sporting Porto Golo precedido de off side... Ver capa da Bola...
Ainda haverá duvidas?Tudo do mesmo saco....

Carlos disse...

Qual foi a época em que também perdemos em alvalade com um golo em fdj