terça-feira, 22 de abril de 2014

Divórcio com os adeptos

De acordo com os números divulgados pelo FC Porto, ontem estiveram 17509 pessoas a assistir ao FC Porto x Rio Ave. Mais 202 pessoas do que no FC Porto x Paços Ferreira da 18ª jornada, que continua a ser, oficialmente, a pior assistência em jogos do campeonato nacional desde que o Estádio do Dragão foi inaugurado (em 16 de Novembro de 2003).

Mas não é só no campeonato que esta época foram batidos os recordes negativos de assistências no Estádio do Dragão. O mesmo aconteceu na Liga dos Campeões – FC Porto x Áustria de Viena, com apenas 24809 espectadores – bem como o FC Porto x Estoril para a Taça de Portugal, cujos 10507 espectadores representam a pior assistência de sempre em todas as competições.

E tudo isto numa época em que existiram inúmeras iniciativas, promovidas pelo FC Porto e por alguns dos seus parceiros comerciais, com o objetivo de encher os 50 mil lugares do Estádio do Dragão.

O JOGO, 06-04-2014

Depois de uma época que se revelou horribilis, a próxima época está repleta de desafios para Pinto da Costa, Antero Henrique e restante administração da FC Porto SAD.
Na minha opinião, um dos principais desafios é recuperar do evidente divórcio existente entre os adeptos portistas e a equipa de futebol, de modo a que o Estádio do Dragão volte a ter, regularmente, assistências acima dos 30 mil espectadores (vale a pena lembrar que há apenas três anos atrás, na época 2010/2011, a média foi de 36987 espectadores).

24 comentários:

Jaime Guedes Jagger disse...

normal,quem quer futebol daqueles....ver jogadores que parece que andam a jogar por fabor,na Luz e contra um rival e a valer só o 2 melhor troféu do nosso futebol e foi o que se viu....não merecem mais assistência.

Nuno Fonseca disse...

Basta jogar bem à bola e ganhar que isso muda. Essa do Estoril pra taça é quase inacreditável pois teve bilhetes a 3 e 5 euros para público se não estou em erro. Para além disso continuo a achar que o Outono e Inverno rigorosos acabam por ter um peso considerável também. Pra finalizar, as claques estiveram bem praticamente ao longo de todo o ano, portanto não se pode pegar por aí na tentativa de entusiasmar a equipa e o resto do público.

José Correia disse...

"Basta jogar bem à bola e ganhar que isso muda"

Não estou certo que assim seja.

Na época passada, o FC Porto concluiu o campeonato com 24 vitórias, 6 empates e 0 derrotas, 70-14 em golos, e havia muitos portistas que se diziam enfadados com o futebol praticado.

Miguel disse...

A resposta é simples basta não ganhar nada nos próximos anos e vão ver que fome de vitorias volta e o estádio enche se a época for razoável mesmo que o futebol praticado não seja nada de especial. Eu não digo a melhoria do futebol praticado também não seja útil para aumentar assistência, mas a verdade é que um adepto de barriga cheia pode dar-se ao luxo de ser exigente, eu contra mim falo prefiro o estádio meio cheio mas a prateleira de títulos recheada do que a sofreguidão de títulos dos nossos rivais que os leva ao estádio independentemente de o futebol, praticado ser bom ou não.

Joao disse...

Desde a saída de Villas Boas que o jogo jogado tem sido muito fraquinho...

Vítor Pereira ganhou dois campeonatos mas foram muito poucos os jogos que entusiasmaram os adeptos...

Depois há questão do valor pedido para ir ao futebol, não nos podemos esquecer que não pagamos apenas o bilhete (que já de si é muito caro...).

Os horários também não ajudam...

A péssima imagem de violência que as claques transmitem de tempos a tempos... Podem ser inexcedíveis no apoio ao clube mas a forma como muitas vezes o fazem não caem bem na maioria dos adeptos portistas.

Eventualmente há muitas outras razões para o afastamento dos adeptos do estádio...

DC disse...

Eu desconfio que se VP voltasse, havia muita gente "enfadada" que agora ia para o estádio toda contente.
Tiveram que levar tratamento de choque, mas alguns (ainda há muito a falar mal dele) já compreenderam.

DC disse...

Mais do que divórcio com os treinadores, acho que há divórcio com a direcção e a equipa. Já não há ídolos no Porto.
Quem são as estrelas da equipa este ano? Jackson talvez. E quem vai sair quem é? Jackson, naturalmente.
Vamos ao estádio com o nome de que jogador na camisola? Eu tenho uma do Deco e outra do Hulk. Há muitos com a do Moutinho, outros do Falcao. E este ano? São camisolas do Quintero que mal joga? Ou do Defour e do Herrera?

Querem adeptos? Criem ídolos, referências, estabilizem a equipa. Enquanto continuarmos a ser um estaleiro os adeptos continuarão a desaparecer.
E nem quero imaginar o que aconteceria se sofrêssemos um ciclo "à 5LB". Com um bocadinho de sorte passávamos para números a rondar os 10000, 15000 por jogo.

Nuno Fonseca disse...

Realmente esses adeptos merecem bem esta época. Não têm honestidade. todas as épocas têm de ser à la Villas-boas. Penso que depois do desastre desta época, a próxima vai ter bastantes adeptos desde que o futebol seja razoável. Uma coisa que me irrita é o número impressionante de pessoas que tem o lugar pago no estádio e mesmo assim não aparece.

DC disse...

Valores? Lugares anuais a 150€? Mais barato eram dados...
Horários? Houve assim tanta variação de jogos à 6a para os de sábado ou domingo? Não me parece...

Violência? No Dragão? Quando???? Este ano até abdicamos de revistas nos jogos do campeonato.

Luís Vieira disse...

Há uma franja de adeptos indefectível que apoia a equipa em todas as circunstâncias. Depois há os adeptos voláteis que apoiam quando lhes convém. Não obstante este princípio, secular e transversal à maioria das equipas, ao Porto não basta ganhar para convencer/arrastar adeptos, tem de jogar manifestamente bem (num passado recente, é aqui que se traça a diferença entre AVB e Vítor Pereira). É pena que assim seja, mas é o que temos.

Joao disse...

Se vives a mais de 30 kms do Porto como eu tens de contar com o custo da viagem, lanche/jantar, horários (e jogar a um Domingo à noite pelas 21h já pesa um bocado para quem tem de acordar cedo no dia a seguir...)

Violência no dragão? Basta um jogo com os de Lisboa... Aqui a questão até nem é dentro do estádio mas sim todo o ambiente que o rodeia...

Joao disse...

Já agora uma solução para criar novos públicos para o Dragão e para o FC Porto:

Preços reduzidos para os estudantes Erasmus da Universidade do Porto e para os milhares de turistas que nos visitam...

HULK ONZE MILHAS disse...

Acho piada que a maior parte dos "comentadores" pensa que a culpa é dos adeptos "faltosos"...
Esses estão em sintonia com o que pensa a Administração da SAD. Basta recordar a entrevista do NGP ao Porto Canal em que este acusa de benfiquistas os adeptos que no Dragão assobiam a equipa...
Continuem por aí que vão bem e a caminho do abismo!
O título é esclarecedor e fala em "divócio com ao adeptos". E o divórcio não é necessaária e exclusivamente com os jogadores actuais nem com treinadores. É também, e muito mais, com políticas dos nossos dirigentes que acham que teem o rei na barriga e se estão maribando para a opinião dos adeptos. E digo adeptos e não sócios, porque segundo o NGP os adeptos é que são genuinamente portistas: Os sócios não passam de benfiquistas e sportinguistas encapotados
HAJA PACIÊNCIA!

ALBINO disse...

Pela parte que me toca, acho que nunca vi o FCP jogar tanto futebol como no ano passado. Era um Barcelona "em ponto pequeno", como disse várias vezes. Mas havia muita gente que não gostava, como há quem não goste do Barcelona. Gostos! Do que eu não gosto é de épocas como a presente: nem bom jogo, nem bons resultados, nem títulos... Nada de nada.

Dias Salvador disse...

O divórcio evidente entre os adeptos e a equipa é devido ao facto de jogarmos com Licá e dispensarmos Iturbe, jogarmos com Herrera e dispensarmos Castro, Jogarmos com Carlos Eduardo e vermos Quintero no Banco ou na bancada. O adepto não compreende porque é que Izmailov joga 20 minutos muito bons na Russia e no jogo seguinte nem convocado é, não compreendem como é que se dispensa Rolando para ficar com um Reyes e ainda pagar uns largos milhões, não compreendem porque é que Lucho mandou à merda Paulo Fonseca e ninguém se apercebeu que Paulo Fonseca percebia tanto de futebol como eu de Focas Australianas. Os adeptos já não são parvos, vêm, sentem, sabem quem é competente e quem não é. Sabem que há interesses inconfessáveis para se dispensar jogadores e ficar com Licás. Os adeptos são como o povo, sabem quem destroça este país e deixam de ir votar, mesmo sabendo que quem decide são aquela pequena minoria de gente dos partidos e das televisões que colocam lá quem querem pura e simplesmente para se governarem e não em prol do colectivo.

Madureira disse...

Para se levantar gente ao estadio é preciso criar entusiasmo nos adeptos, paixão, é preciso ter jogadores de qualidade que cativem as pessoas, ora, nós não temos nada disso! Á anos que não se cria empatia com os sócios, com uma equipa que crie expectativas de grande futebol... tudo isso afasta as pessoas... tantos milhões em vendas, onde nos "livra-mos" dos nossos melhores jogadores que levou a isso! É perfeitamente normal o que está a acontecer... peguem nos 15M do Iturbe que já não volta e invistam num jogador, mas SÓ num, de verdadeira qualidade e não em 4 ou 5 para depois andarem emprestados que já é um principio para cativar os sócios e adeptos!

Madureira disse...

Não podia estar mais de acordo!

Mário Faria disse...

Podemos elencar um conjunto muito alargado de razões porque o Dragão não anda cheio. Tudo serve para o justificar, mas o que mais ordena na nova ordem é a comodidade (ou o comodismo). É uma tendência: o Estádio das Antas chegou a receber cerca de 80.000 adeptos, antes da cadeirização geral das bancadas. Os actuais estádios provavelmente serão enormes, num próximo futuro. As novas tecnologias porão ao dispor dos espectadores um conjunto de aplicações que mudará a interacção do adepto com o espectáculo e provavelmente o jogo será servido de modo que os adeptos possam intervir para tentar influenciar o seu desenrolar, com todos os bitaites informáticos que tiverem à mão. O público que assistir, será selccionado e receberá pelo sacrifício sandes e confettis e baterá palmas ou assobiará ao ritmo comandado pelo realizador.
Felizmente ainda não é assim. Vou ao Dragão como outros ainda vão à missa. É uma questão de paixão, fé e uma obrigação. Sabemos que as pessoas se zangam quando a coisa não corre bem e nesses momentos tendem a não comparecer porque custa sempre mais partilhar as derrotas. Mas voltam sempre porque o amor supera o amuo.
Salvo a quebra de receitas, não me preocupa nada com esta perda de público. É natural.

Pedro Albuquerque disse...

Com bilhetes a 12 euros para Domingo esta-se a prever mais uma meia casa!

José Correia disse...

"Lugares anuais a 150€? Mais barato eram dados..."

Nesta época, era possível comprar um lugar anual para assistir aos 15 jogos do campeonato por 100 euros.

Podem rever neste artigo:
http://www.reflexaoportista.pt/2013/06/arquibancada-e-superior.html

José Correia disse...

Felizmente, os últimos dois jogos em casa são contra o SLB, o que, previsivelmente, irá garantir assistências acima dos 30 mil.

Se assim não fosse, se estes dois últimos jogos fossem contra adversários como o Olhanense, Estoril ou Paços Ferreira, entre outros, o risco de continuarem a ser batidos recordes negativos de assistências era elevadíssimo.

Costa disse...

Gostava de saber quem é que vê os jogos todos no Dragão por 150€...

Só se for um sócio infantil, que não pague quotas...

DC disse...

As quotas pagam se indo ou não aos jogos.

José Correia disse...

Os sócios com menos de 25 anos e os sócios da categoria de Reformado, tinham um desconto de 30% se optassem por um Dragon Seat Liga + UEFA.

Volto a dizer que podem rever a tabela 2013/2014 neste artigo:
http://www.reflexaoportista.pt/2013/06/arquibancada-e-superior.html