quinta-feira, 15 de maio de 2014

Eu, emigrante, me confesso

Existe um mito que diz que os emigrantes estão muitíssimo mais inclinados a apoiar o clube rival na Europa do que os portugueses que vivem em Portugal. Em algumas cabeças «bem pensantes», quando tal não acontece chega-se ao ponto disso ser visto como um crime de lesa-pátria .

Ora, pela minha experiência (de 18 anos como emigrante, conhecendo imensos portugueses não só em Bruxelas como por esse mundo fora) isso nao é verdade. De todo. É, portanto, isso mesmo: um mito.

Colocando as coisas numa linguagem científica: nao vejo uma correlacão minimamente significativa entre esses 2 factores. A maioria dos emigrantes que conheço são tão «facciosos» como a maioria dos portugueses que conheço em Portugal. A haver uma diferença, é marginal.

Acredito piamente que isso até fosse verdade até aos anos 80. Mas o mundo mudou, e muito.

O contexto mudou imenso nas ultimas 2 decadas: 

1) o perfil do emigrante típico (deixou de ser um gajo da aldeia sem educacão, mal informado, alvo de chacota dos estrangeiros por ser português, e com um saudosismo bacoco).

2) as ligacões a Portugal são hoje em dia constantes (internet, emails, TV satélite, Skype etc) e não raras como no passado. Um emigrante passou portanto a ser muito menos diferente de um português que viva em Portugal (e menos saudosista), está muito melhor informado do q se passa no país e participa regularmente em discussões sobre futebol com outros adeptos do mesmo clube - estejam eles em Portugal ou no estrangeiro.

Repare-se no seguinte: vivo na Bélgica e tenho os mesmos canais de TV em casa que o pessoal em Portugal, tenho acesso aos mesmos jornais (via Net) que o pessoal em Portugal, troco opiniões diariamente com pessoal em Portugal (e portugueses na Bélgica), consigo ver o FCP ao vivo no estádio pelo menos meia dúzia de vezes por ano. A única diferença em relação a quem vive aí é apenas e só o número de portugueses que fisicamente me rodeiam...

3) Portugal evoluiu muito e a auto-estima dos portugueses aumentou imenso em consequência. Não precisamos hoje em dia de nos agarrar aos clubes de futebol como sendo praticamente o único factor corrente de orgulho em sermos portugueses.

4) a inimizade entre portistas e lamps aumentou em flecha desde os anos 80, nomeadamente a partir do momento que o FCP ultrapassou o slb como o clube português de mais sucesso: o que criou muitos anti-corpos (como bem sabemos), tanto em Portugal como entre os emigrantes

5) Até aos anos 90 havia uma maior identidade nacional nos clubes: hoje em dia a maioria dos jogadores são estrangeiros...

No que me diz respeito, vivo a rivalidade FCP - slb de forma tão acentuada como quando vivia em Portugal - provavelmente ainda mais, fruto das campanhas anti-FCP a que assistimos nos últimos 20 anos. 

E como disse anteriormente, sou muitas coisas (portista, portuense, nortenho, engenheiro, emigrante, anglófilo, etc etc) e «português» é apenas uma dessas muitas características - característica que está longe de ser a mais importante: ser portista e portuense é para mim muito mais importante.

Portanto: não me peçam para apoiar um clube anti-portista (seja ele belga, chinês, ou português), ainda por cima quando joga contra clubes que nunca fizeram mal nenhum ao meu clube ou à minha cidade. 

Se outros têm como prioridade máxima a nacionalidade do clube, fixe para eles, estão no seu direito: mas certamente não estão no direito de me impôr as suas prioridades e querer dar lições. Era só o que faltava!

32 comentários:

Soren disse...

Boas Zé, nao sabia que também eras emigrante.
Eu também, já vai para 10 anos, em 4 paises diferentes fruto da minha profissao e do que quero para a minha vida.

Sem duvida, hoje vou dormir como um anjo depois da derrota do clube que representa um centralismo profundamente castrador do desenvolvimento do pais. Tenho a ideia que os portistas do Norte sao ainda piores que os do Sul. E que os benfiquistas emigrantes, da geraçao dos meus pais, sao ainda mais fanáticos que os que ficaram em Portugal. E quanto mais baixo o nivel de literacia, maior o fanatismo.
Sao de facto, na sua génese corrupta e clientelista, um dos maiores cancros de Portugal.

Pena que depois da lei Bosman o futebol se tenha transformado naquilo que é hoje; uma industria sem pátria, nem lei, à imagem do capitalismo sem regras com que temos de viver todos os dias.

A forma como o Porto cidade e clube sao tratados dentro de portas, é absolutamente vergonhosa. Muita culpa disto têm as gentes do Porto e do Norte em geral. Dao tiros nos pés uns atrás dos outros. Basta ver os "Rios" e companhias a brincar com os seus carrinhos de fazer de conta enquanto o centro histórico da 2a maior cidade do pais, cai aos bocados. O fascismo deixou marcas muito profundas que só serao apagadas daqui a muitas décadas.

E enquanto o povo é roubado pelas familiazinhas ricas do nosso Portugal, servidas por uma trupe de trapaceiros incompetentes que se dedicaram à politica visto nao servirem para mais nada, a palha para burros vai sendo servida na forma de benfiquismo bafiento. E agora que se acabou a orgia do Carlinhos de Paredes, e iamos começar a falar de desemprego e roubo dos bancos aos pensionistas, eis que vêm ai mais uma orgia com a "selecçao de todos nós".

José Lopes disse...

Eu, emigrante somente ha 3 anos e do outro lado do Atlantico, concordo. Seja em relacao aos emigrantes, seja sobre quem vive em Portugal, os que acham que torcer contra clubes portugueses e' um crime lesa-patria sao uma de tres coisas: 1) excepcoes, que normalmente confundem patriotismo com futebois; 2) (falsos) moralistas; 3) adeptos que nao seguem o seu clube com demasiada paixao. Sobre este ultimo ponto, penso que quem e' portista e vibra com o clube, identificando-se com o mesmo e com a cidade, nao pode deixar de ter aversao ao Benfica. Seja pela imensa rivalidade, seja, sobretudo, pelas campanhas enjoativas da comunicacao social portuguesa, em que uns representam o pais e os outros sao "uma nota a margem de um texto apagado de todo", para citar Bernardo Soares. :)

So nao me revejo inteiramente na ordem do que sou. Tambem sou portista e portuense e tenho isso como coisas centrais na minha vida, mas portugues nao o sou menos , embora muitas vezes tenha maior afinidade com um galego do que com um portugues de outras paragens.

Milesh disse...

Spot on. Tb vivo em Bruxelas e tb sinto o mesmo. De facto, apoio muito mais a Selecção " ca fora " do que " lá em baixo" principalmente quando vivia em Londres antes mas a nível de clubes, nem pensar! Porto acima de tudo, tb gosto quando as nossas equipas mais pequenas fazem boa campanha na Liga Europa mas o slb, who cares.

Pedro disse...

Para mim esta é apenas uma questão que a nossa imprensa lisboeta criou e exultou. Em mais nenhum país se vê esta febre bacoca de nacionalismo parvo. O meu patriotismo está em puxar pela selecção. De resto apoio apenas os clubes que gosto e respeito.

Como apoiar um clube no qual 99% dos seus apoiantes são anti-porto primários? Aliás basta perder 5 minutos da nossa vida e ler alguns blogs "encarnados" hoje e ver que todos os posts falam de conspirações e culpa do Porto e afins. Não gosto do Benfica, da sua cultura, das suas gentes, do que representa e do que apregoa. Quero que o Benfica perca sempre. E isso não me torna menos Português!

Apenas me torna um Português inteligente!

Carrela disse...

Nem mais!
Esta é a verdade sem hipocrisia ou vergonha escondida!
Como disse num comentário anterior, só quem é "inocente" ou ignora por completo o que se passa neste país em relação ao FCP, pode torcer pelos clubes de Lisboa!

Joao Goncalves disse...

100% de acordo!

Eu sou "só" imigrante interno, pois vivo no Algarve e nem sequer sou do Porto, pois nasci em Coimbra, mas se existe uma coisa que me tornou "doente" e sofredor pelo Porto foi o total clima adverso que se viveu aqui no Algarve, principalmente dos anos 80 a 2000.

E claro... Portista que é Portista, nuca apoiará as galinhas... nem ao Berlinde quanto mais! (sendo que o jogo ontem foi-me completamente indiferente mas que a vitória assentou à melhor equipa... a que realmente estava representada por Portugueses).

Francisco disse...

Jamais poderei apoiar um clube que não é capaz de reconhecer o mérito de um adversário nem de o felicitar quando ganha.

Cochise disse...

Apoiado. Sou um PORTISTA alentejano e nunca, mas mesmo nunca, apoiarei o benfas em qualquer jogo, joguem em Portugal ou no estrangeiro. Quem vive no sul consegue perceber porquê. Nunca vi qualquer dos meus amigos benfiquistas (e são a maioria) alguma vez admitir que o FCP ganhou com justiça. Segundo eles, mesmo as troféus internacionais do FCP foram ganhos com recurso à corrupção ou ao doping, Todos eles, sem excepção, torcem sempre contra o Porto nas provas europeias. Venham agora com a hipocrisia do patriotismo. Volto a afirmar: ontem tive uma ENORME alegria

Joao Pedro De Magalhaes disse...

Viva, Sou recem emigrante (no Chile!) e para ja comecou tudo muito bem.... 2 derrotas seguidas do Benfica!!!!

Pedro Gomes disse...

Eu também sou portista e portuense, estudo na Suíça e partilho absolutamente todos os pontos deste texto. Desde as conversas Skype e os canais de televisão até a ver meia-dúzia de jogos no Dragão por ano.

Gostaria apenas de acrescentar o imenso orgulho que se sente quando no estrangeiro se vê que o FCPorto é respeitado e admirado, onde se escrevem artigos sobre o seu sucesso, onde se fazem reportagens sobre a sua organização. Que diferença abismal comparada à Comunicação Social demagoga, facciosa e centralista portuguesa!
Confirmo igualmente o mito aqui exposto e observo que grande parte de quem alinha nessas coisas do patriotismo entre clubes não é de certeza do FCPorto.

Nós somos diferentes, sabemos o que é o sucesso, estamos habituados a ganhar, não precisamos de o sentir por clubes rivais ou pela selecção.
Falo por mim, acho engraçado apoiar Portugal nas competições internacionais mas não troco o Mundial por um título europeu do meu clube. Estou mais preocupado com um FCPorto- Olhanense ou com o Varela e o Quaresma não se magoarem que com o apuramento da selecção.

Apoiar o rival é simplesmente inconcebível para mim e qualquer adepto que se preze porque isto nada tem a ver com patriotismo mas sim com rivalidade!

meirelesportuense disse...

O facto de se estar longe do País não apaga a rivalidade entre adeptos de Clubes diferentes e nalguns casos até o espicaça, porque ficam menos coisas para se "brincar" uns com os outros...Mas a verdade é que se eu fosse para outro País trabalhar ou simplesmente viver, não poderia nunca esquecer todos os insultos que nos são dirigidos pelos adeptos e ou apoiantes do Clube encarnado...Ainda agora num dos programas transmitidos pela SportTV vi e ouvi o exjogador do Benfica e curiosamente também passou pelo Porto -Pedro Henriques- a dizer a barbaridade de que nos anos oitenta com o afastamento dos Clubes Ingleses das Competições Europeias por causa da Final de Heisel em que morreram dezenas de pessoas dentro do Estádio ainda antes do jogo entre a Juventus e o Liverpool se realizar houve um aproveitamento de Clubes terceiros como o FCdoPorto para conquistar algumas dessas Competições...Isto é um argumento que só tem um objectivo, denegrir o que o FCdoPorto conquistou e essa verdadeira maldade e adulteramento da honestidade intelectual até está longe de se ajustar à realidade da época, pois ainda os Clubes Ingleses jogavam na Europa em 1984 o FCdoPorto disputou a final da Taça das Taças precisamente frente à Juventus de Platini, Boniek, etc e perdeu-a injustamente!...

David Duarte disse...

José Rodrigues,

penso que comete o erro na sua argumentação que é o mesmo que os media cometem : o da generalização.

Concordo com o que diz num ponto. A realidade mudou. Fala dos anos 80 mas mesmo nos anos 90 havia um apoio que era "plutôt" consensual dos emigrantes aos clubes portugueses quando jogavam no estrangeiro. Dois bons exemplos me vêm à memoria : o do Leverkusen-Benfica (muito azul e verde entre os adeptos portugueses) ou ainda o do Salzburgo-Sporting no mesmo ano. Do W.Bremen-Porto, apesar de me lembrar bem dos golos, não tenho imagem da bancada por isso não falo.

Qual o erro da generalização que comete? é que não tem em conta as especificidades dos paises onde os portugueses se encontram. Dou o exemplo que conheço que é o da França (sem a pretensão do argumento de autoridade). Em termos de futebol é um facto que existe uma constante desvalorização da parte dos franceses sobre o resultado das equipas portuguesas na Europa. Desvalorização essa manifestada a cada vez que equipas portuguesas e francesas se encontram, os franceses tomando quase sempre como adquirida a qualificação quando na maioria das vezes são os portugueses que se qualificam. Assisti a isso em 2003/2004 não apenas nos quartos da Champions com o Lyon (onde vivo) mas também nos vàrios artigos sobre a final com o Monaco. Voltei a assistir com o Benfica quando jogou para a Liga Europa com o PSG ou com o Marselha.

Essa desvalorização faz com que uma grande parte dos emigrantes em França (devo dizer, daqueles que conheço e do que leio nos comentàrios online nos jornais) apoiem os clubes portugueses independentemente das cores. Basta ir ler os comentàrios no L'Equipe ou no SoFoot antes da final contra o Sevilha : muitos portistas a dizerem que iam apoiar o Benfica. Agora, como é obvio, se forem ler os comentàrios de hoje verão esses mesmos portistas a mandarem bocas (elas não existirem depois da derrota do Benfica é que jà seria "anti-natural").

Por esta razão hà que ter em conta na sua argumentação as especificidades do quadro nacional em que cada emigrante se encontra e não generalizar.

Jà sobre o argumento "ganha o clube ganha Portugal", esse foi sempre apresentado independentemente do clube. Quantas vezes eu ouvi esse mesmo argumento quando era o Porto a jogar as finais europeias. Aqui não hà centralismo nenhum : é mesmo nacionalismo que, como todo o nacionalismo, é a virtude dos brutos (como dizia o Joyce).

E o que é mais ridiculo neste argumento é que se tenta passar a imagem de que "là fora" existe união em volta dos clubes. Tenho a certeza absoluta que um bético não gostou nada da vitoria do Sevilha ontem. Tal como napolitanos e torinos adoraram a eliminação da Juventus e tal como os marselheses sorriram muito com a eliminação do PSG frente ao Chelsea.

A posição que cada um toma depende de cada um e é ridiculo querer impôr um comportamento que teria um valor moral. O José Rodrigues não apoiou o Benfica? està no seu perfeito direito e não compreender a sua posição é não compreender nada do que é a rivalidade clubistica. No meu caso, dei por mim em 2003 a vibrar com a final de Sevilha (contudo tratou-se de um grande jogo de futebol), ou ainda a gritar pénalty em 2004 sobre o Deco... mas a verdade é que este ano dei por mim a sorri quando, ao consultar o resultado do Porto em Sevilha, vi 4-1.

David Duarte disse...

Neste artigo podemos ver 4 portistas a afirmar que vão apoiar o Benfica e apenas 1 que manifestamente não teve a mesma atitude.

http://www.lequipe.fr/Football/Actualites/Luisao-l-aigle-royal/464840#xtor=RSS-1

José Rodrigues disse...

Conheço muitos emigrantes em França e acredito q aí haja um bocadinho mais de nuance, que facilmente se explica: a maioria dos portugueses nesse país chegou lá nos anos 80 ou antes, sendo mais "old school".

Mas uma andorinha nao faz a Primavera...

David Duarte disse...

Se existe pais onde o argumento "old school" tem mais peso, esse pais é claramente a França. Foi sobretudo na população emigrante em França que foi criado todo um imaginàrio sobre Portugal que ainda hoje està bem presente.

Contudo, tão importante como esse imaginàrio, é, repito, a desvalorização constante, permanente dos feitos do futebol português. Feitos que, em termos de clubes, são muito mais significativos que os dos franceses e isto com meios muito inferiores (basta dizer que o Braga chegou à final em 2011 com um orçamento mais baixo do que... o ultimo classificado da Liga francesa dessa época. Isto é importante porque os repetidos fracassos europeus dos clubes franceses são justificados pela falta de dinheiro em comparação com Inglaterra, Alemanha ou Espanha).

Por este motivo falo da especificidade nacional. Duvido que esta desvalorização, no que toca ao futebol, exista na Bélgica (o José Rodrigues saberà melhor do que eu) ou na Suiça.

meirelesportuense disse...

" Tacuara falhou o 12.º penálti (em 54) ao serviço do Benfica em todas as provas"

-54 penalties ao serviço do Benfica?...Daaaassssssseeeeeeeeeeeee!...É pouco, muito pouco para quem é tão roubado pelos árbitros...A ser assim, no Porto o Jakson era o melhor marcador de Portugal durante anos seguidos!...Dava para 3 épocas!...

Joao Goncalves disse...

Caro David Duarte,

A Culpa de os Portistas não apoiarem minimamente o Benfica é dos... Benfiquistas... Ou melhor dos seus dirigentes que destilaram ódio e suspeições e mais suspeições para incumbir a constante incapacidade e o constante fracasso.

Chama-se a isso "tapar o sol com a peneira" e os adeptos Benfiquistas, anjinhos todos eles sem qualquer ponta de cérebro, foram caindo até se tornarem numa ridícula e idiota voz comum que deixaria orgulhoso Hitler!

Obviamente que isso levantou todo o tipo de anti-corpos portistas e não só, que os sportinguistas também poucos querem ver o Benfica a ganhar o que seja.

E bom exemplo disso mesmo era se fosse o Sporting-Sevilha, a mim e a muitos Portistas, tinha-me sido um jogo normalissimo, em que até o teria visto provavelmente e até ficaria satisfeito se a equipa portuguesa ganha-se (apesar que o Idiota de Carvalho está a começar a criar anti-corpos Portistas contra o Sporting e já começo a sentir aquela "comichão" para começar a apoiar os adversários).

Portanto a culpa dos Portistas apoiarem o Sevilha é única e exclusiva dos Benfiquistas!!

Mas mais ainda acrescento... eu tenho um grande amigo meu Benfiquista... uma pessoa inteligente, com uma culta fora da média e um conhecimento global fantástico... contudo e para não nós chatearmos a sério, eu o obriguei a deixar de depreciar nos seus comentários do FB o FCP, que apesar de tanta inteligência a parvoeira lá aparecia de quando em vez...

Isto já faz 2 ou 3 anos que nos chateamos a sério por causa disso e eu tenho por politica não comentar situações de futebol não afectos a apoiantes do FCP, mas este rapaz teve o desplante de se insurgir contra os adeptos adversários por andarem a comemorar a vitoria do Sevilha... Tanta inteligência e tão pouca esperteza e de uma pessoa acima da média, quando o adepto Benfiquista normal é bastante abaixo da média, pois a sua maior falange de apoio vem das classes sociais mais baixas, como vários estudos o comprovam...

Portanto é fácil apoiar todos os adversários do Benfica, pois os Benfiquistas tornam isso tão fácil que quase é obrigatório o fazer

Pés-Juntos disse...

Devo dizer que sinto alguma ambiguidade neste departamento. Quero que o Porto ganhe e gosto de gozar alegremente com os meus amigos adeptos do galinheiro, mas se estiver a ver um jogo deles em que eles jogam futebol de grande qualidade e merecem ganhar então eu apoio.

E isto também se aplica/aplicou a outros clubes como o Sportem ou o Braga ou o Boavista.

Acho que a questão de ser emigrante não tem nada a ver (no meu caso) com a situação: independentemente de amar o FC Porto eu também gosto de ver bom futebol.

Claro que se for contra o Porto prefiro ver o pior jogo de sempre desde que o Porto ganhe, mas tirando isso, para mim é muito mais interessante ver um jogo bem jogado, de preferência onde os artistas (leia-se jogadores talentosos, criativos e técnicamente mais evoluidos) sobressaem.

Para mim as mesquinhices dos outros não ditam se eu gosto ou deixo de gostar de futebol.

Sacaio disse...

Sou um emigrante orgulhoso. Eu também não gosto do slb e não os apoio nem ao berlinde contra uma equipa da Coreia do Norte... mas leio no texto e em vários comentários que eles nos últimos 20 ou 30 anos têm "campanhas contra nós", "estratégias", "esquemas", "conspirações", etc. Mas estarei eu a ler bem? Nós (o nosso presidente) somos anjinhos? Não fomos nós que começamos para ganhar o nosso espaço? O único denominador comum nos últimos 30 anos foi apenas um... Eles crise após criste vão rodando de direcções... Digamos que puxamos sempre contra eles simplesmente porque não gostamos deles (como eles não gostam de nós) e deixemo-nos de desculpas conspirativas pois ficamos mal na fotografia!

ZePs disse...

Excelente texto, 100% de acordo!

bruno cláudio disse...

de quem já viveu em 6 paises da europa, um abraço desde barcelona! e outro ao bella gutmann!

ps - emigrantes há muitos e de muitas partes, mas apenas conheço uns parolos que cometeram a proeza de perder a final de um europeu em casa, contra a poderosa grecia! assim que essa coisa de orgulho na naçao, nenhum! cada vez que vou a portugal, de 2 em dois anos ou mais e por razoes puramente familiares, há duas palavras que me deixam extremamente satisfeito: partidas (no aeroporto) e espana (quando vou a conduzir)
que é como quem diz, que se foda a seleçao dos cristianos reinaldos!

Antonio Silva disse...

Podemos ver 4 portistas que foram mencionados no artigo, Sabemos lá se o jornalista não entrevistou 20 e só esses 4 é que disseram que iam apoiar o clube da cueca suja.

Antonio Silva disse...

A distância de Portugal não me faz esquecer o que o Clube do Palito na boca fez ao meu Porto. Lá por estar emigrado (vai fazer 15 anos para a semana) no Canadá a minha antipatia por tudo que é papoila não diminuíu, aliás, aumentou.

Daniel disse...

na mouche!! subscrevo inteiramente sendo também eu um PORTISTA no sul, mais concretamente na Caparica.

Hugo disse...

Eu emigrante me confesso: voltar para casa depois do trabalho e ver os lamps todos tristinhos à porta da casa da merda de Toronto fez-me rir... foi lindo demais ver aquilo.

PortoMaravilha disse...

Viva,

Não me parece que a imprensa Francesa desvalorize os clubes Portugueses. A revista "So Foot" estudou e analisou elogiosamente o Porto. O primeiro nu'mero da revista "So Foot Junior" coloca o Porto entre os grandes da Europa (ver cosmeticas org) o u'nico clube Português a ser citado. O dia'rio l'Equipe tem dificuldades e não consegue encontrar um equili'brio (mas talvez me engane) na cobertura das va'rias modalidades. Mas é preciso não esquecer que foi um homem do Porto, Artur Jorge, que autorizou, metaforicamente, a leitura deste dia'rio em salas de profs, ja' que o futebol era para incultos: mas a anedota de que os amantes de futebol não gostam de ruguebi porque não entendem as regras continua. E depois ha' também Madjer etc, etc... O Porto tem uma imagem positiva. Os outros não sei nem me interessam.
Entre 1961 e 1970 chegam a França mais de um milhão (leram bem) de Portugueses: São essencialmente rurais e analfabetos: apoiam o Benfica ou o Sporting porque ouvem falar e porque no pai's deles todos os clubes são filiais do sporting e do benfica. O pai's é a terra e não Lisboa.

A democracia, o fim da guerra vai permitir a circulação da informação e a vito'ria do Porto em Viena. Três continentes representados - o Brasil e o fasci'nio cultural que sempre exerceu em França e, também, a A'frica, a Argélia e todos os jovens dos subu'rbios que se vão identificar com Madjer.

O Porto é reconhecido como um grande clube. Quanto ao resto, salvo erro meu: Portugal nunca ganhou qualquer competição - talvez com CR7 e 21 Brasileiros naturalizados (é brincadeira) - e a ni'vel clubes so' o Porto ganha. Mas penso que as vito'rias não fazem so' a dimensão dum clube, a sua histo'ria e as suas implicações culturais, etc também. Deste ponto de vista, o Porto é marco na Histo'ria do futebol.

E os Franceses de origem Portuguesa são cada vez menos a acompanharem a modalidade futebol e o Porto é o clube Português mais conhecido no âmbito daqueles que não gostam ou não vêem futebol. Até a lesão de Falcão, provocada por um prof de Histo'ria-Geo, levou a que o nome do Porto fosse citado em foruns pedagogicos de profs da dita matéria.

Havia mais coisas pra dizer. mas quis deixar claro que não descortino desprezo ou algo assim, em relação ao Porto, na imprensa Francesa.

E Viva o Porto

Viper disse...

Oh meus caros portistas da diáspora. Os clubes desportivos vivem da rivalidade. E é óbvio que essa rivalidade, cada vez mais é acicatada pelas tricas e polémicas intra e extra 4 linhas, dentro e fora do relvado; explorada e empolada té pelos Media para vender e ganhar audiências.

Em Portugal há cerca de 4,2 milhões de pessoas que são adeptos do Glorigozo Nacional. E, mais de metade desses 4,2 milhões, são pessoas de bem, pessoas normais, comuns, homens, mulheres como nós, que sem dúvida já mereciam festejar uma conquista internacional... Mas, quando nos lembramos da outra metade, de esbirros, fanáticos, embusteiros, facciosos, batoteiros, salafrarios, hipócritas, nojentos, crápulas... é claro que queremos e desejamos sempre que percam, que sejam derrotados, humilhados, gozados. Qual é a dúvida?! E nem vale a pena invocar a psicologia, a sociologia.

O FCP tem 74 Títulos, o SLB tem 71. É lógico que não queríamos que eles ganhassem. E o inverso também é verdadeiro. Eles, a tal metade dos tais 4,2 milhões, esses até nos desejam a morte!!!

Louro disse...

Quem tem João Goberns , Rui Gomes da Silva, Silvio Cervans entre outros como adeptos, só têm o que merecem.
Para quem não tem memoria curta; em 2004 e antes de defrontarmos o Monaco na final da liga dos campeões, jogou-se uma final da Taça entre o Porto e o 5LB, e em pleno Jamor deixaram por uma tarja a apoiar os franceses.
Portanto...Obrigado Sevilha!

David Duarte disse...

O jornalista não entrevistou ninguém, António Silva...

meirelesportuense disse...

Vítor Baia tem sózinho 33 títulos conquistados, número igual aos 33 campeonatos conquistados pelo Malfica.

Pés-Juntos disse...

Sentir antipatia pela mentalidade galinácea ou calimera não impede ou invalida que se possa apreciar futebol bem jogado pelas suas equipas contra outros clubes estrangeiros.

Nightwish disse...

Estou atrasado, mas sem tirar nem pôr, Soren.