domingo, 18 de maio de 2014

FC Porto, o verdadeiro primeiro vencedor da Taça de Portugal

"Num país onde o futebol era já um fenómeno de popularidade mas onde não havia infra-estruturas, profissionalismo e capacidade de organização, era complicado dar forma a um torneio destas caracteristicas que emulasse a FA Cup ou a Copa del Rey. Talvez por isso a primeira edição tivesse sido apenas disputada pelos clubes campeões dos distritos de Lisboa e Porto, Sporting e FC Porto. Era a grande rivalidade desportiva da década de vinte, a das duas equipas que dominavam com maior autoridade a sua competição distrital. Disputado a duas mãos, o torneio terminou com uma vitória para cada lado que levou à realização de um terceiro jogo, em campo neutral, no estádio do Bessa. Os leões protestaram que o jogo decisivo fosse disputado na cidade do Porto e os azuis-e-brancos acabaram por sair vencedores por 3-1 já no prolongamento. O clube da Cidade Invicta tornava-se então, ao contrário da fórmula que credita a Académica, no primeiro vencedor do Campeonato/Taça de Portugal."
Futebol Magazine

Os adeptos do Futebol Clube do Porto estão habituados a ganhar.
Vamos a finais, ganhamo-las. Nos últimos 30 anos somos a potência hegemónica - HEGEMÓNICA - do futebol português. De cinco em cinco anos perdemos um título, uma média irrepetível e que nem o Benfica foi capaz de reproduzir nos seus mais famosos anos. O que Pinto da Costa conseguiu é algo que nenhuma história falseada será capaz de obviar. O FC Porto idealizado por José Maria Pedroto, organizado por Pinto da Costa e executado por gente do nível de Artur Jorge, Bobby Robson, José Mourinho e André Villas-Boas deu aos adeptos um novo ADN. Estamos nas derrotas, estamos nas vitórias. E estamos mais habituados ás segundas do que ás primeiras. E talvez por isso deixemos passar detalhes a que outros clubes dão mais importância. Quem tem tempo livre pode fazê-lo. Mas nem sempre foi assim. O FC Porto já foi o maior clube português antes desta interminável saga de glória. Era um espinho cravado no costado do centralismo absoluto do futebol orquestrado desde Lisboa. Antes do primeiro grande deserto de títulos - entre 1940 e 1956 - o clube azul-e-branco era uma formação formídavel e dificilima de bater. Era também uma equipa de registos históricos. Entre os anos 20 e 40 o FC Porto ganhou a primeira edição de todos os torneios criados em Portugal. Mais tarde vencia a primeira Supertaça. Mas um truque idealizado desde o centralismo lisboeta e perpetuado pela imprensa e pela falta de acção das autoridades nortenhas ajudaram a perpetuar uma das maiores mentiras do nosso futebol. A de que o FC Porto é o primeiro vencedor do que hoje é a Taça de Portugal.


A questão é simples e fácil de entender.
Entre 1922 e 1938 realizou-se o Campeonato de Portugal. Era um torneio inspirado na Copa del Rey espanhola, uma primeira ronda preliminar nos distritais - a organização básica do futebol português á época - e depois uma série de rondas a eliminar que culminavam numa final em território neutro. Era a "Taça". Só anos mais tarde, depois do sucesso da campanha da selecção portuguesa nos Jogos Olímpicos de Amesterdão se deu a vontade de criar uma liga regular que seria restrita a equipas de quatro distritos (Braga, Lisboa, Coimbra e Porto e mais tarde aberta a Setúbal, Évora, Algarve e Aveiro) no que se baptizou como Campeonato da Liga. Essa competição durou quatro épocas, entre 1934 e 1938. O FC Porto, inevitavelmente, venceu a primeira edição. Em 1938 o governo salazarista decidiu mudar o organigrama desportivo do país e decidiu dar uma lavagem de imagem com dois novos nomes para as respectivas provas. O Campeonato de Liga passou a Campeonato Nacional de 1º Divisão e o Campeonato de Portugal a Taça de Portugal. O formato permanecia o mesmo.
No caso do Campeonato Nacional, ampliaram-se os clubes mas manteve-se a politica de quotas que se manteve mais uma década até que se aboliu o apuramento via Distritais e se abriu caminho a que os clubes subissem e descessem de divisão. Na Taça de Portugal os Distritais deixaram de servir como ronda preliminar e as eliminatórias entre equipas começaram desde o principio, mas sem a participação na primeira ronda dos clubes da 1º Divisão. Com o passar dos anos, parte da imprensa desportiva começou a tratar o Campeonato da Liga como parte própria do historial da 1º Divisão. Era uma decisão que alegrava, sobretudo, os benfiquistas que assim juntavam mais 3 títulos ao seu historial. O jornal A Bola era o principal apologista desta inclusão que favorecia o "seu" clube. O Record, por outro lado, não o reconhecia. A finais dos anos oitenta e principio dos noventa a pressão nas instituição da Federação Portuguesa de Futebol e o circo mediático montado à volta do clube vermelho de Lisboa levou a FPF a dar como válidos esses três títulos (o do FC Porto também) no palmarés oficial. Por isso os benfiquistas celebram hoje o 33º titulo que podia, perfeitamente, ser o 30º.
Ora, se essa vara de medir foi aplicada ao Campeonato da Liga-Primeira Divisão, porque não o foi aplicada com o Campeonato-Taça?



Talvez o principal motiva seja o facto de que neste Campeonato de Portugal o Benfica foi superado em títulos pelo Sporting e pelo FC Porto. Os Dragões, como mandava a tradição não escrita, tinham ganho a primeira edição do Campeonato de Portugal contra os leões. Ganharam mais três edições contra quatro dos leões. Quando a Taça de Portugal começou, a Académica foi proclamada campeã depois de um jogo épico contra o próprio Benfica, clube que nem sequer fazia parte da equação nas primeiras edições do Campeonato de Portugal. A imprensa da época, ciente do facto, calou-se e não exigiu o mesmo trato aos vencedores do Campeonato de Portugal. O Sporting, que por então em títulos nacionais seguia com uma vantagem considerável sobre o FC Porto, também preferiu não fazer ruido. E o provincianismo a que o FC Porto tinha sido empurrado pelo país impedia o clube de exigir um tratamento condigno a esses anos míticos da sua história. Quando Pinto da Costa chegou ao poder, fê-lo com novos titulos, novas celebrações e uma nova cultura de vitória e também ficou esquecido esse "roubo" histórico. O FC Porto, no fundo, não é só o primeiro clube a vencer o Campeonato 1º Divisão e a Supertaça. É também o primeiro clube a vencer a Taça de Portugal, via Campeonato de Portugal. Ou seja, o primeiro clube em todas as competições do país. Uma espinha demasiado gorda para engolir, seguramente.

O resto do futebol português pode preferir esquecer. Muitos adeptos portistas, focados no presente e preparados para o futuro também. Compreendo-os. Mas para mim, para a grandeza de um clube que já foi a maior força nacional noutros tempos distantes, o FC Porto será sempre o primeiro campeão da Taça, contem o que quiserem contar. E nunca está demais relembrar antes que alguém se esqueça que essas tardes de glória aconteceram e foram pintadas de azul e branco!

33 comentários:

John Belfort disse...

Boa Tarde Caros Portistas,

https://scontent-a-ams.xx.fbcdn.net/hphotos-ash3/t1.0-9/10155216_729154953771677_2363994448547765691_n.jpg

Cá está. Em 94 tinham 27. Depois disso ganharam 3. O que prefaz 30!! Mas eles contam 33. Quando é para somar vale tudo!!!

Cumprimentos.

Miguel Ângelo VR disse...

Epá... Alguém que explique isso aí dos 27 títulos em 93/94. Já no youtube tinha ouvido, numa peça jornalística, dizer que eles tinham um determinado nº de títulos nessa época de 93/94... Pensei que fosse erro do jornalista (se bem que aquela gravação era de uma daquelas k7 de vídeo que saiam no final do campeonato, em que faziam a retrospectiva da época desportiva de todos os clubes, incluindo o campeão).

José Correia disse...

Muito bom e esclarecedor este artigo do Miguel.
Isto sim, é jornalismo a sério.

José Correia disse...

Já agora, para além das explicações e factos históricos que constam do artigo do Miguel, há um outro "pequeno pormenor" que inviabiliza que as vitórias no Campeonato de Portugal possam ser somadas aos títulos de campeões nacionais.

Durante 4 temporadas - de 1934/35 a 1937/38 - disputou-se, simultaneamente, o Campeonato de Portugal e o Campeonato da Liga.

Ora, se os vencedores dessas 4 edições do Campeonato da Liga contam como campeões nacionais, os do Campeonato de Portugal não podem contar.

Costa disse...

Essa questão dos títulos é muito fácil de explicar:
Contabilidade CRIATIVA...

RS disse...

Já agora, ficámos ontem a saber que o benfica conseguiu mais um feito "histórico" ao alcançar um "inédito triplete" (de repente até a palavra "triplete" ganhou honras de entrar directamente para o léxico portugues, sem passar pela casa da partida). Chamem-lhe o que quiser, mas quantos "tripletes" já conquistou o FCP? Ahhh... esperem lá... dizem os entendidos que a Supertaça "não conta"! Ah pois, desculpem, claro que não... que parvoice a minha... Presumo então que a Taça UEFA/Liga Europa/Champions também não devem contar...

José Rodrigues disse...

Nao percebi o comentario...

Acho q ninguem disse q as vitorias no Campeonato de Portugal deviam contar como «campeoes nacionais», mas sim como «vencedor da Taça» (em que nao há «clash» com o Campeonato da Liga).

Franco Baresi disse...

O que José Correia quer dizer é que não pode haver duas competições NA MESMA ÉPOCA a contar para os títulos de "campeonato".

Thor disse...

isto é muito simples: como o John Belfort demonstrou, o clube do regime tem 30 campeonatos nacionais e não 33 nem outro número qualquer.
o campeonato nacional começou em 1938-39. ponto final parágrafo. não há qualquer discussão para lá disto.
o clube do regime tem 30 CN e o FC Porto tem 26.

na contabilidade do CN não entram, nem Ligas Experimentais (1934-38) nem Campeonatos de Portugal, nem coisa nenhuma.
e a contabilidade SEMPRE se fez assim, o Rascord TAMBÉM contabilizava assim, como provou o Belfort.
e a televisão TAMBÉM contabilizava assim, como se prova no youtube, ao referirem-se ao título encornado de 93/94 como o 27º.
só a partir do jejum encornado, acho que em finais dos anos 90 (não sei precisar o ano, talvez 1997?) é que o Rascord, por pressão de leitores encornados, começou a atribuir títulos experimentais a esse clube para chegarem ao número de 30 campeonatos, mais tarde 31, 32 e 33.

campeões nacionais só a partir de 1938/39 e não há cá mais conversas. o resto são revisionismos.
Ligas Experimentais ou Campeonatos de Portugal CONTAM para o palmarés, mas são competições diferentes.
além disso, a Liga Experimental foi uma competição de teste, semi-oficiosa.
quem disser o contrário disto é manipulador, mentiroso e/ou revisionista.

o Carnide tem 30 campeonatos, o FCP tem 26 e ponto final.

Taça de Portugal também só a partir de 1938-39 e não antes.
Campeonatos de Portugal entram obviamente no palmarés mas são uma competição separada e diferente das Taças de Portugal.

Hélder disse...

Ainda assim tem mais melões do que campeonatos...

Miguel Lourenço Pereira disse...

Caro John,

Desde os anos cinquenta que há uma corrente que defende a integração dos quatro anos do Campeonato da Liga na 1º Divisão. A Bola foi um dos jornais que sempre o defendeu. O Record era contra. Nos anos 90 aprovou-se, quase por unanimidade, que esses quatro anos eram, de facto, parte do histórico da 1º Divisão. O FC Porto teria um titulo mais (o primeiro) e o SL Benfica outros três. Para mim faz todo o sentido!

Miguel Lourenço Pereira disse...

Há uma corrente, com a qual não estou de acordo, que defende que o Campeonato de Portugal é o antecessor da 1º Divisão e não o Campeonato de Liga.

Quem conhece como começaram as ligas de todos os paises europeus sabe que foram precedidas por provas em formato de eliminatória. Em todos esses paises essa prova desembocou no que depois se conheceu por a "Taça". Em Portugal faz todo sentido que assim seja, especialmente quando se reconheceram os 4 anos do Campeonato da Liga como parte do histórico da 1º Divisão!

Miguel Lourenço Pereira disse...

RS,

O Benfica ontem não conseguiu nada de novo. Uma conquista tripla das três provas nacionais que o FC Porto - em ano de deter Taça, Supertaça e Liga - tem feito com alguma regularidade. Já nem meto as provas europeias ao barulho porque aí em 2003 e em 2011 teria sido maior ainda a diferença!

Miguel Lourenço Pereira disse...

Thor,

Chamar mentiroso a um autor do Reflexão Portista - ou qualquer outro blog de qualquer outra esfera - parece-me não só estupidez como um claro acto de má fé. Denuncia, sobretudo, a incapacidade crónica que alguns, como é o seu caso, possuem de analisar e debater datos que estão aí, para o debate de todos.

Eu aceito perfeitamente os 33 campeonatos do SL Benfica e os 27 campeonatos do FC Porto porque o Campeonato da Liga - cujo inicio foi defendido, sobretudo, pela AF Porto e pelo FC Porto indirectamente - é uma competição em tudo igual aos 1ºs dez anos de Campeonato da 1º Divisão. As primeiras edições da Taça dos Campeões Europeus e Taça dos Vencedores das Taças também foram experimentais. Vamos tirar os titulos ao Real Madrid, Fiorentina e Atlético de Madrid para não ofender o amigo Thor.

O Campeonato de Portugal equivale, no calendário histórico portugues, ás competições em que se inspirou directamente, a Copa del Rey, a FA Cup, a Copa Itallia e a Coupe Simon em França. Todas elas a "taça" actual dos seus paises ainda que, todas elas, unica prova nacional na altura da sua concepção. Em nenhum desses paises nem sequer há debate. Em Portugal, para não ofender, sobretudo o SL Benfica - que sai a perder no Campeonato de Portugal face a FC Porto e Sporting - manteve-se a competição num limbo que não é real.

Portanto, eu acredito que tudo é debativel até porque não há registos oficiais que ditem o contrário. O que não há é o hermetismo que defende e que parece sair mais de um complexo brutal de inferioridade pelo clube de Carnide ter ampliado assim em dois a diferença de titulos com o FC Porto do que por racionalismo histórico!

Thor disse...

não chamei mentiroso ao autor do RP, mas sim à corja jornalística que manipulou os dados no final dos anos 90, para "aumentar" o número de campeonatos nacionais do seu clubezinho predilecto para agradar aos seus adeptos.

não tem a ver com nenhum complexo, mas sim com verdade histórica como o John Belfort já provou.

se o autor do RP acredita nessa contabilidade, tal como muitos outros portistas, isso não faz dele mentiroso, mas sim ingénuo ou com memória fraca.

as primeiras edições da Taça dos Campeões NÃO foram experimentais. quanto muito, a PRIMEIRA edição foi jogada por convite, mas só a primeira.
e não foi experimental, foi oficial e organizada pela UEFA.

Pueertô disse...

É para lá de ridículo o branqueamento que a CS portuguesa faz da realidade.
Mas porque é que não há nenhum órgão da CS que faça o contraponto e chame os bois pelos nomes?
Estamos na clandestinidade? Remetidos a meia dúzia de blogs (no disrespect) , onde falamos só de uns para os outros?

meirelesportuense disse...

Como podem ver o Paulo Bento fez a vontade aos Lisboetas e não convocou Quaresma, fez bem e até faria melhor que não convocasse nenhum jogador do Porto, eu pelo meu lado não quereria representar uma selecção de Portugal eleita pelos Lisboetas...Mas outra coisa me chamou a atenção hoje, a tão reclamada distanciação entre a Política e o Futebol só tem efeitos na cidade do Porto!...Como vêm os corruptos e os promíscuos somos nós!...Pois claro!
Os outros são apenas camaradas e amigos...

Ricardo disse...

O que diz, Thor, não é verdade. E parece-me que só o diz porque quer que o Benfica fique com menos 3 títulos, não se importando com isso que o FC Porto fique com menos um.
Por acaso ainda hoje estive a ler sobre o assunto:

«Vai, no domingo próximo, dar-se início ao Campeonato Nacional - nova denominação do antigo Campeonato das Ligas - a disputar em moldes semelhantes ao seu antecessor. Como aquele, terá duas categorias, agora chamadas I e II Divisão, a substituir a nomenclatura que durante 4 anos tiveram de I e II Liga. Para a mais importante Divisão, a mecânica do torneio é absolutamente igual à anterior.» (Norte Desportivo, 5 de Janeiro de 1938)

Ou seja, a única coisa que mudou foi o nome. Durante 4 anos, chamou-se Campeonato da I Liga e depois passou a chamar-se Campeonato Nacional da I Divisão.
Como o próprio artigo que citei refere, «a mecânica do torneio é absolutamente igual à anterior».
Eram provas exactamente iguais e até os 8 clubes participantes eram praticamente os mesmos - os 4 primeiros classificados do Campeonato Regional de Lisboa (Benfica, Sporting, Belenenses e União de Lisboa ou Carcavelinhos ou Casa Pia); os 2 primeiros do Campeonato Regional do Porto (FC do Porto e Académico ou Boavista ou Leixões); o 1.º do Campeonato Regional de Coimbra (a Académica); e o 1.º do Campeonato Regional de Setúbal (Vitória ou Barreirense).
Distinguir os 4 Campeonatos da I Liga dos restantes Campeonatos Nacionais seria a mesma coisa que querer distinguir entre os Campeonatos Nacionais da I Divisão e o Campeonato da Liga actual - sim, agora não se chama Campeonato da I Divisão, agora chama-se Liga. É diferente? Não, não é.
Se se quiser fazer alguma distinção, que se faça a partir do momento em que o apuramento para o Campeonato deixou de se fazer através dos Campeonatos Regionais e passou a ser feito através de subidas à I Divisão e descidas à II Divisão. E isso foi em 1947. Até lá, chamando-se Campeonato da Liga ou Campeonato da I Divisão, foi exactamente a mesma coisa.
Nesta linha de raciocínio, não posso deixar de concordar com o post. O antigo Campeonato de Portugal era, no fundo, a Taça de Portugal - nada mudou entre uma competição e outra a não ser o nome.
E a isto não se chama manipulação nem ingenuidade. Chama-se História.

Thor disse...

https://www.youtube.com/watch?v=6QGhQMmf3kM#t=105

https://scontent-a-ams.xx.fbcdn.net/hphotos-ash3/t1.0-9/10155216_729154953771677_2363994448547765691_n.jpg


chama-se mesmo manipulação e revisionismo. não se chama história.

A Rocha disse...

Não manipulem o passado... não alinhem pela desonestidade intelectual característica dos benfiquistas...

Campeonato de Portugal e Taça de Portugal são competições diferentes. Diferentes nos seus respectivos regulamentos, diferentes na época e no contexto em que foram disputadas. E não é pelo facto de a Taça de Portugal ter substituído o Campeonato de Portugal em 1939 que se pode extrapolar uma alarvidade como o título deste post...

Chamem as competições pelos seus nomes, não vulgarizem a História!
Isso é um desrespeito até pelas conquistas do Futebol Clube do Porto.

Thor disse...

óbvio...

aweasd disse...

http://3.bp.blogspot.com/-cCeqhuBcPTc/U3ZLxoR28_I/AAAAAAAAODs/UYgDeAldx34/s1600/RFPF.png

Para o Thor ler melhor:

http://2.bp.blogspot.com/-ynEOj1ywx8o/U3TRXOO_2iI/AAAAAAAAOAo/NMaFAGHaAsE/s1600/edbp.jpg

Como não sabes o que isso é, eu explico-te é o texto completo das páginas 6 e 7 do Relatório da FPF de 1938/39 ! Podes-me dizer o que mudou de um ano para o outro ? O nome. e mais alguma coisa ? Não

Parabéns joãozinho acertaste.

Podes-me dizer o que já mudou na Taça Uefa, desculpa Liga Europa e na Taça dos Clubes Campeões desculpa Liga dos Campeões além do formato, número de equipas, maneira de apurar os participantes etc ?

Este ano é a Liga Zon Sagres e para o ano será que haverá nova competição ?

AH espera o melhor é ir ver a capa do jornal Recordo, para ver se era a mesma competição ou não. Um jornal lol é que conta :) A partir de agora tudo o que aperecer no recordo é oficial, esqueçam a FPF e o que ficou decidido em 1938/1939.

Respeite a história e não faça você revisionismo. A FPF é bastante esclarecedora nesse aspecto e não são blogues ou jornais que tomam decisões. Se está chateado com a decisões dos dirigentes portugueses dos anos 30 envie uma carta à FPF a reclamar.

Quanto ao A Rocha você é que está a desrespeitar a história do FC Porto. Anda para aqui em revisionismo e a retirar o primeiro campeonato nacional ao clube. Criancice...E se fosse o SL Benfica a a ganhar o primeiro campeonato e o FC Porto a ganhar os três seguintes ? E se fosse o Carcavelinhos a ganhar os 4 ? Isso são fait-divers e em nada altera. o que conta é disse a decisão tomada pela FPF, coisa óbvia que o Thor não foi capaz de apresentar como FACTO !

Parabéns ao senhor Miguel Lourenço Pereira que tem a sensatez de não se levado pelas multidões facciosas. Em também sou apologista que o Campeonato de Portugal devia ser tido em conta no palmarés da Taça de Portugal, porque era o mesmo estilo de competição, ou seja apuramento do vencedor através de eliminatórias e tal como diz o documento apenas foi alterado o nome!


Cumps

Daniel Gonçalves disse...

Aweasd às 00:10,

Totalmente errada a sua argumentação, para além de ser demagógica e muito pouco honesta.

O "diploma" que aparece no blog que o Sr. mencionou emprega a palavra «reforma» o que implica sempre uma mudança, alteração ou aperfeiçoamento do que existia antes, consequentemente - e logicamente - uma nova prova desportiva pode ser diferente da anterior, senão porque é que durante décadas se estabeleceu a distinção entre as duas provas? Só agora no século XXI é que se lembraram que as provas eram a mesma coisa e durante anos estiveram enganados.

"Podes-me dizer o que mudou de um ano para o outro ? O nome. e mais alguma coisa ?" Sim, mudou a selecção e cooptação das equipas a participar na prova, com novos estatutos, e sobretudo existiu a vontade humana de fazer uma nova prova com um nome diferente.

"Podes-me dizer o que já mudou na Taça Uefa, desculpa Liga Europa e na Taça dos Clubes Campeões desculpa Liga dos Campeões além do formato, número de equipas, maneira de apurar os participantes etc ?" Obviamente os estatutos e as regras. E uma pergunta lógica: o nº de equipas, o formato, a maneira de apuramento não implicam necessariamente uma prova/torneio diferente, portanto com novos estatutos, novas regras totalmente diferente da prova anterior? Como é óbvio são 2 provas diferentes.

"Respeite a história e não faça você revisionismo. A FPF é bastante esclarecedora nesse aspecto e não são blogues ou jornais que tomam decisões…” Revisionismo foi esta “incorporação” de 2 provas diferentes, que o Aweasd defende. Ninguém está a fundamentar a sua argumentação em blogs ou em jornais, mas o facto de a imprensa não incorporar as duas provas, e as distinguir, não significa alguma coisa? Talvez porque as instituições desportivas vigentes não reconheciam as provas de 1934 a 1938 como campeonatos nacionais. Ninguém está a desrespeitar a história pelo facto de não reconhecer as 4 provas de 1934/38 como campeonatos nacionais, já o inverso pode ser desrespeito pela história (que estabeleceu o nascimento do campeonato nacional em 1938/39), é totalmente demagógico o seu argumento.

Daniel Gonçalves disse...

Aweasd às 00:10

"Quanto ao A Rocha você é que está a desrespeitar a história do FC Porto. Anda para aqui em revisionismo e a retirar o primeiro campeonato nacional ao clube." Mais demagogia e desonestidade intelectual da sua parte... mas alguém está a desrespeitar a história do FC Porto pelo facto de só se reconhecer o 1º campeonato nacional em 1938/39 quando foram as próprias instituições desportivas da altura que assim estabeleceram. Os próprios órgãos sociais do FC Porto, o Presidente na altura, os jogadores, adeptos portistas não reconheceram o título de 1938/39 como o 1º título conquistado? Alguém do FC Porto na altura protestou pelo facto de não se ter reconhecido a conquista da Liga 1934/35 como o 1º título nacional? Os órgãos sociais do slb aceitaram durante tantos anos a não incorporação das 3 Ligas ganhas em 35/38 sem protesto? Porquê? Pense um pouco, e não brinque com o juízo dos outros, já que classifica de criancice a argumentação dos outros.

"E se fosse o SL Benfica a a ganhar o primeiro campeonato e o FC Porto a ganhar os três seguintes ? E se fosse o Carcavelinhos a ganhar os 4 ?" Era a mesma coisa. Mas aqui - na minha interpretação das suas palavras - chegamos ao âmago do seu comentário, aqui o Aweasd revela a verdadeira intenção do seu comentário: defender o seu clube, o slb. Para si isto é o fundamental neste processo: acrescentar mais 3 títulos ao benfica.

O processo que levou a FPF a esta incorporação tem um nome: deturpação, em que se interpretam de forma diferente da original (revisionismo) os factos (não é preciso maiúscula), e se dá um novo significado à História, ao passado, à tradição.

"o que conta é disse a decisão tomada pela FPF..." Sim, já vimos que, para a sua argumentção, a história, o passado só importam quando nos dá jeito ou são favoráveis à nossa facção. Se amanhã a FPF ou outra instituição mudar o passado o que conta é a vontade actual, mesma que ela não seja conforme aos ditames ou estatutos até vigentes. Se amanhã o Governo de Portugal decidir que a Restauração de 1640 não era legítima e que portanto somos uma província espanhola, os campeonatos nacionais deixam de ter validade porque não estavam incorporados com os clubes espanhóis? Não, nunca é exclusivamente a vontade dos homens actuais que conta, porque senão estavamos a mudar constantemente o passado - a interpretação deste e os factos passados - a nosso bel prazer. O que hoje é verdade amanhã pode ser mentira apenas porque os dirigentes do futuro assim o querem?

Ricardo disse...

«Ao fim de 4 anos de existência, o Campeonato das Ligas mudou de título e entra no quinto ano com o pomposo nome de Campeonato Nacional.» (Jornal «Sporting», 02/01/1939)

«Vai, no domingo próximo, dar-se início ao Campeonato Nacional - nova denominação do antigo Campeonato das Ligas - a disputar em moldes semelhantes ao seu antecessor. Como aquele, terá duas categorias, agora chamadas I e II Divisão, a substituir a nomenclatura que durante 4 anos tiveram de I e II Liga. Para a mais importante Divisão, a mecânica do torneio é absolutamente igual à anterior.» (Norte Desportivo, 05/01/1939)

Não houve qualquer mudança entre o Campeonato da Liga e o Campeonato Nacional a não ser o nome. Porque a Federação queria aportuguesar o nome da competição e Liga vinha do inglês League. Aliás, na mesma data a Federação mudou o seu nome de FPFA (Federação Portuguesa de Futebol Association) para FPF (Federação Portuguesa de Futebol) exactamente pelo mesmo motivo. Será que era outra instituição por ter mudado o nome?
No Campeonato Nacional, não houve uma única alteração relativamente ao Campeonato da Liga.
Do Campeonato de Portugal para a Taça de Portugal, ainda se alterou o local da Final, que passava a ser obrigatoriamente em Lisboa (daí os jornais do Porto chamarem à Taça de Portugal a «Taça Lisboa»). Mas no Campeonato Nacional não houve alterações. Nem uma.
A selecção e cooptação dos participantes continuou a ser feita exactamente da mesma forma. Eram apurados para o Campeonato Nacional os 4 primeiros do Campeonato Regional de Lisboa, os 2 primeiros do Campeonato do Porto, o 1º de Coimbra e o 1.º de Setúbal. Tal como no Campeonato da Liga.
Só em 1946/47 é que passou a haver subidas e descidas de Divisão e só nessa altura é que passou realmente a ser um Campeonato Nacional. É nessa época que faz sentido estabelecer uma divisão e considerar o antes e o depois. Não em 1938, onde nada mudou a não ser o nome de uma competição.
Ia haver uma alteração, o último da I Divisão disputaria com o primeiro da II Divisão a participação na prova no ano seguinte, mas nem essa alteração conseguiram fazer. Ficou tudo igualzinho.
Participantes no último Campeonato da Liga: FC Porto, Benfica, Sporting, Belenenses, Carcavelinhos, Barreirense, Académico do Porto e Académica de Coimbra.
Participante no primeiro Campeonato Nacional: FC Porto, Benfica, Sporting, Belenenses, Casa Pia, Barreirense, Académico do Porto e Académica de Coimbra.
Só não percebo uma coisa: se consideram que Campeonato da Liga e Campeonato Nacional são provas diferentes (e que portanto o primeiro não confere o título de Campeão Nacional), então por que razão consideram provas iguais Campeonato Nacional e a actual Liga? Por essa ordem de ideias, como mudou de nome, também seria uma prova diferente.
Esta é a minha visão histórica depois de ler TODAS as páginas de TODOS os jornais desportivos entre 1934 e 1940 (Norte Desportivo, Sporting, Os Sports e Stadium), embora admita que possa haver outras opiniões - mas que sejam baseados em factos históricos.
Isso de dizerem que eles festejaram o 27.º campeonato e agora, com mais 3, festejaram o 33.º, faz-me lembrar o que alguém me respondeu quando escrevi no Bitri que o FC Porto nasceu em 1893. «Vocês em 1986 festejaram os 80 anos e em 1987 festejaram os 94 anos».
Como portista, claro que também me interessa que o FC Porto tenha 27 títulos de Campeão Nacional e não apenas 26. Estou-me a marimbar para o Benfica e para o número de títulos que eles têm. O que me interessa são os nossos. E quantos mais tivermos, melhor.

aweasd disse...

Agradeço o seu comentário e peço desculpa se ofendi alguém quando mencionei criancice (apesar de ser a verdade), porque achei que meteram-se a falar sem conhecimento de causa, sem apresentação de factos e sem a mínima argumentação sensata.

Ao menos devo admitir que o senhor Daniel Gonçalves trás uma lógica, uma opinião sua e não de outros . Respeito isso apesar de não poder concordar com a sua opinião. O processo que o senhor chama de deturpação é completamente falso, pois o documento que mostrei das páginas 6 e 7 do relatório da FPF de 1938/39 dizem o contrário. Está tudo explícito aí. Não houve deturpação, se houve, foi da comunicação social. Do record, porque antes contava-se com esses títulos, como os jornais que o Ricardo falou(escreveu).

“Mais demagogia e desonestidade intelectual da sua parte”

Por amor de Deus o que tem isso a ver com demagogia ? O senhor deve andar a ver as entrevistas políticas em que mandam essa boca a toda a hora para acusar o outro candidtado, sem saber do que falam. Eu não ando com um discurso a manipular os outros para conquista poder ou opiniões. Eu apresentei factos e não ando a fazer o que o Thor faz. Demagogo ok seja...não me afecta
Quando à desonestidade aqui é que não me apanha, não percebo como sou desonesto quando mostro que a FPF decidiu apenas mudar o nome da competição e nada mais como o Ricardo diz (os moldes são os mesmos) e portanto a competição é a mesma e os títulos também.

Para concluir vou-lhe pedir um favor vá ao museu do FC Porto e tire uma foto do Campeonato da 1 Liga de 1934-1935 e depois tire outra do troféu correspondente ao Campeonato da 1 Divisão de 1938-1939 ou das décadas seguintes.
E já agora faça-me outro favor e confirme-me se na base do troféu da Taça de Portugal aparecem as placas dos vencedores das épocas em que se chamava Campeonato de Portugal. Enfim eu como não sou demagogo e desonesto :) até lhe poupo ao trabalho

http://2.bp.blogspot.com/-Ve_8mJPUlCU/Umb_6_B3ptI/AAAAAAAAKaY/xhyKCYIrk18/s1600/IMG_5990.JPG

Espantado ? Eu não ! Lá está a vitória do FC Porto em 1936/1937 assim como a vitória em 1983/1984 e o mesmo pode-se dizer do Sporting CP logo ao lado com vitórias também na década de 30 e depois em 60.


Com todo o respeito não seja insensato ou néscio, aprenda que nem sempre temos razão e que devemos ser humildes quando nos são apresentados factos e não argumentos.

PS: Depois disto tudo tenho a certeza que não ficará espantado em ver os Troféus de 1934-1935 e 1938-1939.

PS2 : ‘O que hoje é verdade amanhã pode ser mentira apenas porque os dirigentes do futuro assim o querem? ‘ Mas espere lá isso, não se passou já por exemplo com a fundação do FC Porto ? Está a ver são terrenos pantanosos os que pisa, mas não me quero alongar porque o que interessa para um historiador, são os factos que se apresentam sobre o que é e era o Campeonato Nacional da 1 Divisião Portuguesa e o que é e era a Taça de Portugal. Competições que em lado nenhum aparecem como extintas.


Com os melhores cumprimentos!

Thor disse...

na mudança de Taça Uefa para Liga Europa, além do nome mudaram os prémios, que aumentaram bastante.
mas eu considero que a competição é a mesma e nem há comparação com a Liga Experimental e o Campeonato Nacional.

na mudança de Liga Experimental para Campeonato Nacional, mudou, além do nome, que o Campeonato Nacional a partir de 1938-39, já não era uma competição de teste, além do número de equipas e também a partir de 1938-39 deixou de haver Campeonato de Portugal e começou a haver Taça de Portugal


"E se fosse o SL Benfica a a ganhar o primeiro campeonato e o FC Porto a ganhar os três seguintes ?"

o FC Porto ganhou mais Campeonatos de Portugal que o Benfica, mas nem por isso eu deixo de considerar essa prova como uma prova completamente àparte, separada quer do Campeonato Nacional quer da Taça de Portugal.
alguns revisionistas é que querem inclui-lo na Taça de Portugal.
portanto não tem sentido o que diz, ao acusar-nos de sectarismo ou complexo de inferioridade em relação ao Benfica.


"http://2.bp.blogspot.com/-ynEOj1ywx8o/U3TRXOO_2iI/AAAAAAAAOAo/NMaFAGHaAsE/s1600/edbp.jpg"

quanto a isto, mas eu não neguei que o Campeonato Nacional derivou da I Liga Experimental, até o confirmei.
simplesmente são duas provas diferentes. desde logo, a Liga Experimental era de TESTE, semi-oficiosa. e o Campeonato Nacional NÃO.
logo que o TESTE ficou concluído, a competição mudou de nome e oficializou-se completamente, tornando-se portanto, noutra competição.
ainda hoje a Panini contabiliza os Campeonatos Nacionais somente a partir de 1938-39, sem Ligas Experimentais.
e o Rascord fazia o mesmo antigamente, até que mudou...
espero que esteja esclarecido.
esse relatório da FPF não altera nem acrescenta nada ao que eu disse.

Ricardo disse...

A Panini?! A sério?!
Quer dizer: A Taça UEFA/Liga Europa muda de nome, muda de figurino, passa a ter prémios, passa a ter fase de grupos, passa a ter clubes que vêm da Champions e para ti é a mesma competição.
O Campeonato da I Liga muda de nome e não muda absolutamente mais NADA e para ti é uma competição diferente. Porque.. a Panini diz! E porque a Wikipedia diz!
Para que saibas, esse artigo da Wikipedia está errado da primeira à última linha. A I Liga não era experimental, era uma prova oficial da FPF. Ninguém subiu e ninguém desceu, porque não havia subidas nem descidas.
Ainda por cima, pões-te a inventar, dizendo que mudou o número de clubes. Não mudou, continuaram a ser 8 clubes e, como já te disse noutro comentário, eram praticamente os mesmos clubes. Para além do nome, nada mudou. Para além dos Regulamentos, dos inúmeros Congressos da Federação que se realizaram nessa altura (sabes o que se passou nesses Congressos?), os jornais da época são elucidativos. Li milhares de páginas desses jornais desportivos.

«O FC do Porto fortaleceu as suas já fortes probabilidades de ser o primeiro vencedor da "nova" competição - "nova" apenas em obediência à nomenclatura que este ano lhe foi dada, pois estruturalmente é o antigo torneio da I Liga». (Norte Desportivo, 16 de Março de 1939)

Será que os jornalistas da época também estavam enganados?
Será que Pinga estava enganado quando dizia aos jornais, em 38/39, que «fomos campeões pela segunda vez».
Se queres fazer História, levantas-te do sofá e vais para a Biblioteca Municipal do Porto ler com os teus olhos em vez de aceitares o que te impingem na Wikipedia e na... Panini!
Estou lá todos os dias, teria um enorme prazer em consultar contigo esses jornais. Como os de um célebre Porto-Belenenses que o Porto ganhou por 5-4, no Campeonato de 1935, em que a Federação mandou repetir o jogo porque o árbitro marcara penalty contra o Porto e depois voltou atrás na decisão. Ou o célebre Ribeiro dos Reis, que era dirigente do Benfica e, ao mesmo tempo, era ele que nomeava os árbitros para os jogos e era ele que decidia dos protestos dos clubes? Ou da Taça 38/39, em que um jogador do Benfica viu a sua pena por agressão reduzida a metade para poder jogar a eliminatória contra o Porto (ganhámos 6-1 na Constituição na primeira mão, levámos 6-0 em Lisboa em condições que nem imaginas). E por aí fora.

Queres um exemplo?
É incrível como em todo o lado aparece que o FC Porto não se qualificou para o Campeonato de 39/40 porque ficou em 3.º no Campeonato Regional, que houve um alargamento por causa disso e que no fim o FC Porto foi Campeão. É uma mentira completa. Houve um alargamento, sim, mas para beneficiar o Académico do Porto, que tinha ficado em 3.º no Regional e não se tinha qualificado para o Campeonato. Académico do Porto cujos adeptos, saliente-se, odiavam o FC do Porto e batiam palmas quando se anunciava nos altifalantes do Lima que o FC do Porto estava a perder contra o Benfica. Uns queridos!
Seja como for, a mentira vai sendo reproduzida porque ninguém questiona, as pessoas limitam-se a copiar o que vêem nas Wikipedias desta vida. Até em blogues do FC do Porto aparece essa mentira. Não podemos acreditar em tudo o que lemos.
E por aqui me fico.

Daniel Gonçalves disse...

Aweasd às 9:41

Também tenho de pedir desculpa se ofendi quando apelidei de demagogo ou desonesto intelectualmente, mas referia-me exclusivamente ao comentário, e argumentação subjacente, e não à pessoa em si, porque uma pessoa pode não ser demagoga ou desonesta e utilizar, não-intencionalmente, argumentação pouco honesta ou demagógica.

"Com todo o respeito não seja insensato ou néscio, aprenda que nem sempre temos razão..."
Compreendo as suas palavras, afinal surgem em resposta às minhas invectivas. Não tenho problemas em reconhecer que sou ignorante e néscio em muitas coisas, talvez mais do que aquelas em que sou entendedor. Não tenho pretensões a ter sempre razão, reconheço os meus limites, mas procuro fundamentar a minha argumentação em factos verídicos - não manipulados nem inventados – e em raciocínio lógico.


"Mas espere lá isso, não se passou já por exemplo com a fundação do FC Porto ? Está a ver são terrenos pantanosos os que pisa..."
Estava eu a escrever o meu comentário anterior e imaginei que fossem comparar, e efectuar uma analogia, com este processo de incorporação da Liga 1934-1938 com a fundação do FC Porto. Tenho a interpretação de que são coisas e processos distintos: António Nicolau de Almeida reconheceu, e deu assentimento, à Instituição surgida em 1906 como o continuador directo e legítimo do Clube por ele fundado em 1893, o símbolo manteve-se o mesmo apesar das alterações que o tempo determinou para acompanhar a evolução da história desportiva, social e mental. Portanto, não foram dirigentes num futuro longínquo que impuseram, sem conhecimento do fundador original, uma continuidade abastardada. No entanto compreendo e respeito os argumentos contrários a esta interpretação.

Daniel Gonçalves disse...

Aweasd às 9:41,

No meu comentário das 21:24 de ontem quis reforçar a ideia de que não podem ser apenas a vontade dos homens actuais a alterar o passado e a história, como as suas palavras davam a entender "o que conta é disse a decisão tomada pela FPF..." , senão amanhã a Academia Portuguesa de História decretava que o 1º Rei de Portugal era D. Dinis ou D. Sancho ou outro qualquer e não D. Afonso Henriques. Assim como não é legítimo ou exequível que amanhã as instituições políticas europeias decretem que afinal foi a Alemanha que triunfou na I Guerra Mundial.

A fundação do FC Porto em 1893 não se baseia em factos inventados, falseados ou adulterados, decidiu-se que o Clube surgido em 1906 era percursor directo e a continuação do Clube de 1893, aqueles que criticam esta tese podem apontar uma interpretação diferente para os factos mas não a invenção dos mesmos, ou a sua inexistência. Também podemos perguntar - numa comparação inadequada mas com um raciocínio semelhante – Portugal que reconquistou a independência em 1640 era o mesmo País antes de se tornar uma província espanhola? O hiato entre a perda de soberania nacional e 1640 implicam a fundação de um novo País e portanto Portugal nasce, não no século XII, mas sim em 1640?

Daniel Gonçalves disse...

Aweas, e outros

não me tratem por "senhor", apenas Daniel.

Com os melhores cumprimentos.

Thor disse...

Ricardo, vai-te informar. a Taça UEFA já tinha grupos.
a Liga Europa nasceu em 2009-10 e a Taça UEFA já tinha grupos antes disso. salvo erro desde 2004-05.
clubes que vêm da Champions, outra falácia. isso começou em 1999-2000 (extinção da Taça das Taças) e não quando a Liga Europa nasceu. que grande confusão vai nessa cabeça.

não era Campeonato da I Liga e sim I Liga Experimental, que era uma competição de TESTE.

além disso, mudou o número de clubes, subiu de 8 para 10. não na edição inaugural de 1938-39, mas na segunda de 1939-40.

mudou a forma de apuramento, e mudou o número de clubes que desciam de divisão (subiu de 1 para 4), não logo em 1938-39, porque era impossível. mas imediatamente depois em 1939-40. e mudaram também os regulamentos.
dizer que não mudou nada e que a competição é igual, é ridículo.

Wikipédia? eu nem tinha citado a Wikipédia. meti uma capa de uma revista do Record com o balanço da época 93-94, meti um video do youtube em que a televisão contabilizava 27 CN para o SLB, mais nada.
onde é que viste artigo da Wikipédia?
citei as cadernetas da Panini como um complemento, não como A prova.

mudou o número de clubes sim. não mudou logo no 1ºano porque era impossível, mas mudou no 2º ano 1939-40. subiram de 8 para 10 clubes e outras coisas também mudaram.


"
«O FC do Porto fortaleceu as suas já fortes probabilidades de ser o primeiro vencedor da "nova" competição - "nova" apenas em obediência à nomenclatura que este ano lhe foi dada, pois estruturalmente é o antigo torneio da I Liga». (Norte Desportivo, 16 de Março de 1939)

Será que os jornalistas da época também estavam enganados?"

os jornalistas do Norte Desportivo escreveram "nova" entre aspas porque lhes apeteceu. aí não há nenhuma matéria de facto. é algo subjectivo.
se escreveram "nova", é porque o assunto é polémico. porque se não houvesse polémica nem escreviam "nova", pois todos teriam como adquirido que a competição era a mesma. nem sei como isto não é claro para ti.

"Será que Pinga estava enganado quando dizia aos jornais, em 38/39, que «fomos campeões pela segunda vez». "

o Pinga era apenas um jogador de futebol. não era a FPF nem o organizador das provas.
eu não neguei que o CN deriva estruturalmente da Liga Experimental. o que neguei é que fossem a mesma competição.
e não é por um jogador de futebol o dizer, que passa a ser verdade.



"Queres um exemplo?
É incrível como em todo o lado aparece que o FC Porto não se qualificou para o Campeonato de 39/40 porque ficou em 3.º no Campeonato Regional, que houve um alargamento por causa disso e que no fim o FC Porto foi Campeão. É uma mentira completa. Houve um alargamento, sim, mas para beneficiar o Académico do Porto, que tinha ficado em 3.º no Regional e não se tinha qualificado para o Campeonato. Académico do Porto cujos adeptos, saliente-se, odiavam o FC do Porto e batiam palmas quando se anunciava nos altifalantes do Lima que o FC do Porto estava a perder contra o Benfica. Uns queridos!
Seja como for, a mentira vai sendo reproduzida porque ninguém questiona, as pessoas limitam-se a copiar o que vêem nas Wikipedias desta vida. Até em blogues do FC do Porto aparece essa mentira. Não podemos acreditar em tudo o que lemos."


sim, e além disso, foram os próprios clubes de Lisboa que pediram esse alargamento, e também é verdade que em Lisboa apuravam-se 4 equipas e no Porto só 2.
e essa forma de apuramento terminou nesse ano. portanto, é mais uma evidência de que a competição mudou e muito, ao contrário do que diz.
pode não ter mudado logo no 1ºano porque era impossível, da mesma forma que o Boavista só subirá este ano e não o ano passado, porque era impossível (mudança de regras a meio da época, etc) mas que a competição mudou e muito. mudou.
regulamentos, nome da prova, número de equipas, número de equipas despromovidas, apuramento, oficialidade, etc, etc
NÃO é a mesma competição.

e quanto a acreditar na Wikipédia, há-de me dizer onde eu falei em Wikipédia? estará a confundir-me com outro?

Quid Pro Quo disse...

Resumindo e concluindo. Chamem-lhes os nomes que quiserem, façam as designações que vos aprouver.


Em 1893 era o Football Clube do Porto.
Em 1906 passou a ser o Futebol Clube do Porto

Em 1904 era o Sport Lisboa
Em 1908 passou a ser o Sport Lisboa e Benfica

Em 1914 era a UFP
Em 1934 passou a ser FPF

Ou seja, mudam os nomes, as nomenclaturas, os tempos, as moscas... o que quiserem, mas os Títulos estão lá. E se quiserem abreviar, é assim:


Troféus de Campeões:

SLB - 33 /// FCP - 27

Troféus de Taças de Portugal

SLB - 28 /// FCP - 20

Troféus de Supertaças

SLB 3 /// FCP 20

Troféus de Canecos da Cerveja Lucília

SLB - 7 /// FCP - 0

TOTAL:

SLB - 71 /// FCP - 67

Títulos Europeus:

SLB - 2 /// FCP - 5

Títulos Intercontinentais:

SLB - 0 /// FCP - 2

TOTAL:

SLB - 73 /// FCP - 74

Eh pá, e chamem-lhes os nomes que quiserem.