sábado, 10 de maio de 2014

Julen quem?

Quantas vezes imaginei que o presidente mais titulado da história e um dos meus ídolos de adolescência iria apresentar um  novo treinador como “primeira, segunda e terceira” opção que nunca treinou um clube de primeira divisão? Nunca.

Pinto da Costa sempre gostou de apostas arriscadas. 
Ao contrário do mito urbano instalado, saiu-lhe tantas vezes mal como bem. Por cada Artur Jorge, José Mourinho e André Vilas-Boas houve um Quinito, um Fernando Santos, um Del Neri, um Co Adriaanse ou um Paulo Fonseca. Mas pronto, o pessoal gosta do copo meio cheio, que se pode dizer. Só que ao contrario do novo “Mister” – a quem desejo o melhor, como desejei  aos anteriores detentores da cadeira de sonho por muito que pudesse ter considerado a escolha errada – todas essas apostas partiam de uma ideia estabelecida nos anos anterior pelo trabalho desses treinadores em clubes pequenos. Também se esquece muito facilmente que de todas as apostas de risco, as poucas que funcionaram, foram feitas em homens com cultura de casa FCP, que tinham trabalho directamente com grandes treinadores na história de clube como auxiliares e que tinham uma bagagem de alta roda maior do que o CV aparentava. Isso é válido para Artur Jorge, para José Mourinho e para André Vilas-Boas. Não o é para Julen Lopetegui.

O novo treinador do FCP nunca passou por uma primeira divisão na vida. E isso parece-me ser importante de recordar, não vá agora qualquer tipo com meia dúzia de horas de Football Manager achar que pode chegar ao FC Porto directamente do Tourizense.
Treinou dois clubes, o modesto Rayo Vallecano (do qual foi despedido sem impedir que a equipa caísse para a 2 Divisão B) e o Real Madrid Castilla, filial do clube da capital espanhola com quem também não teve grandes exigências. De aí, graças à sua velha amizade com Fernando Hierro e Vicente del Bosque, com quem trabalhou no Real Madrid, foi incorporado ao staff técnico de formação da selecção espanhola como seleccionador sub-19. De aí passou aos sub-21 com quem ganhou um titulo europeu em Israel de forma categórica e com uma equipa que deixou uma excelente imagem. Uma equipa com Thiago, Isco, Illarramendi, Rodrigo, De Gea e afins. Com a mesma geração (e uma outra, mais tarde, composta por Jesé, Deulofeu, Oliver Torres, Paco Alcacer e Suso), falhou por duas vezes chegar às meias-finais do Mundial de sub-20, o objectivo mínimo para a melhor geração jovem do futebol mundial. Um dado para ter na cabeça. De aí ao Porto foi um salto de pardal, com uma ajuda pelo caminho de um celebre empresário cuja sombra se vai estendendo, cada vez mais sobre o Dragão, e também de um velho colega seu no Barcelona, o putativo candidato presidencial (para alguns) Vitor Baia. Aposta pessoal de Antero Henriques (ao parecer ao contrario do “defunto” Paulo Fonseca), Lopetegui é a maior incógnita da história do FC Porto. De longe. Perigosamente.



O FCP está diante de um dos anos mais importantes da sua história.
Não é preciso dar muitas voltas. O Benfica está melhor, pode fazer o que o FCP nunca conseguiu fazer (sem detentor de todas as provas nacionais num mesmo ano e ainda juntar isso a um titulo europeu) e não dá impressão de que vá implodir brevemente. Tem crédito ilimitado, tem imprensa a bajular-lhes os pés, tem a sua influência nos corredores de poder assegurado e pela primeira vez em trinta anos está em legitimas condições de sonhar com o Bicampeonato. Não seria o fim do mundo mas seria um inicio de um novo mundo no futebol português. O equilíbrio seria maior do que nunca foi desde os anos oitenta. E chegaria num momento extremamente delicado para nós. Entre os duelos intestinais pelos que aspiram a liderar o clube no futuro, os problemas de solvência financeira com um passivo descontrolado que obriga a vender e vender, não estamos em condições, à priori, de dar o murro na mesa que se deu em 2010 com a chegada (por 12 milhões de euros) de um jogador fundamental como Moutinho e a manutenção de peças como Hulk e Falcao na frente de ataque. Este ano é altamente previsível que saiam Fernando, Mangala e Jackson Martinez, talvez num negócio conjunto como sucedeu no ano anterior. Ninguém descarte que também saiam jogadores como Varela, Defour ou Maicon. Helton tem o futuro profissional por um fio e Alex Sandro e Danilo são futebolistas que – não nos enganemos – foram contratados com a promessa que não ficariam aqui muito tempo. Não estarão satisfeitos.
Sem dinheiro para investir (e os últimos investimentos têm corrido bastante mal) e com muitos jogadores que foram mais cinzentos que luminosos este ano (Quintero, Herrera, Reyes, Quaresma) que agora terão de assumir outro protagonismo, o FCP precisava, mais do que nunca, de um treinador com um perfil de liderança, de elevada cultura táctica, de experiência a lidar com conflitos quotidianos, com ambições desmedidas de muitos meninos-mimados. Lopetegui pode ser o que Pinto da Costa (ou Antero) quiser. Mas não é nada disso. Durante 4 anos (quatro!!!) treinou duas semanas de três em três meses jogadores cujas preocupações eram nulas porque as deixavam para os clubes. Cada jogo era tão desequilibrado (ver historial fases apuramento Europeus) que dava para gerir egos com comodidade. Exigência táctica? Muito pouca. Experiência em manobrar um balneário todos os dias? Nenhuma. Liderança em momentos de crise? Impossível de saber, nunca foi testada.

Lopetegui tem 47 anos. Não é uma jovem promessa do futebol mundial que passou debaixo do radar do mundo. É um homem que foi tantos anos comentador televisivo como treinador de futebol. Um homem com o CV que eu – se fosse adepto de um Vitoria de Guimarães – torceria o nariz. Até porque todos sabemos de cor seleccionadores de futebol juvenil que se transformam em grandes treinadores seniores com os anos, não é Carlos Queiroz?
O que é Lopetegui? 
Uma escolha fácil, imposta por agente influente que se adequa à falta de liderança da estrutura do FCP, incapaz de contratar um treinador de perfil elevado (habitualmente incapaz de aturar o regime de imposição desta direcção na área desportiva) e com medo para apostar num novo treinador jovem português como Marco Silva depois do flop Paulo Fonseca e do despedimento de um bicampeão em titulo chamado Vitor Pereira. 
O que é Lopetegui? 
Um treinador que só trabalhou com jovens como era Jesualdo Ferreira, um homem que desperdiçou uma geração inteira de jovens promessas. Um treinador que vai ter a exigência de bater o pé ao Benfica enquanto as armas que tem na mão (salvo se Pinto da Costa tiver encontrado um bau de ouro) serão Quintero, Reyes, Herrera, Carlos Eduardo, Kayembe, Toze, Vitor Garcia, André Silva, Ghilas, Rafa e companhia. Por muito potencial que tenham, todos eles, não são nem Falcao, Hulk e Moutinho nem Isco, Thiago ou Jesé.
O que é Lopetegui? 
Um homem de quem ninguém sabe nada (a começar por quem manda no FCP que terá acesso aos mesmos – escassos – vídeos que qualquer um de nós tem) e que herda um lugar onde Pinto da Costa quer ver à viva força Jorge Jesus ou André Vilas Boas mas que nenhum dos dois quer ocupar, deixando-o de mãos a abanar.


O presidente do FCP diz que o novo técnico é a sua primeira, segunda e terceira escolha e um exemplo da melhor liga do mundo. É pena que Lopetegui nunca tenha treinado na melhor liga do mundo (a mesma onde coabitam estilos tão variados como Paco Jemez, Diego Simeone, Tata Martino, Unai Emery, Ernesto Valverde, Carlo Ancelloti, Marcelino Toral, todos eles iguais como duas gotas de água presidente) e seja claramente o nome mais obscuro de uma lista que deveria ter sido elaborada a pensar na exigência do desafio que nos espera. Julen Lopetegui pode ser campeão europeu com o FC Porto. Nada me faria mais feliz. Com que ganhe o campeonato já me dou por satisfeito depois do ano que vivemos. Mas é a aposta mais arriscada de que eu me lembro num clube que considero de topo do futebol europeu. Se funcionar, Pinto da Costa terá acertado e recuperado a sua estrela. Honra lhe seja feita. Mas se falhar, será o segundo tiro consecutivo nos pés. Consciente, propositado. Um erro perfeitamente evitável (com Paulo Fonseca ainda podia haver duvidas) com olhar para o que este treinador logrou em dez anos de carreira profissional. Se nos sai um novo Del Neri não se esqueçam de quem preferiu voltar a colocar o seu ego pessoal à frente das necessidades do clube. Largos dias têm…      

PS 1: O facto do treinador ter deixado cair a um jornalista seu amigo (da Radio Marca) a noticia de que seria o novo treinador do FC Porto antes do anuncio oficial (algo que a sua familia, alias, já o sabia há uma semana contrariando as graçolas de Pinto da Costa na apresentação) deixa muito a desejar como cartão de visita e contraria tudo aquilo que o FC Porto antes valorizava no sigilo e profissionalismo dos contratos assinados com técnicos. Del Neri fez o mesmo e sabemos quanto tempo durou...

PS 2: As caixas de comentários deste e doutros blogs da bluegosfera (e alguns artigos) alinham pelo discurso de que "se este é o homem elegido pelo NGP então é o melhor que podemos ter". Cada um é livre de pensar o que quiser, está claro, mas Pinto da Costa - o maior presidente da história de um clube em Portugal e alguém que nunca conseguiremos substituir à altura - não é infalível. A história já nos devia ter ensinado isso e ainda que todos - críticos e não críticos - queiramos o sucesso absoluto deste projecto porque somos todos portistas, um pouco de perspectiva não faz mal a ninguém...

70 comentários:

DC disse...

A mim, ter sido escolhido pelo presidente não me acalma nada.
Já ler algumas entrevistas e o blog dele acalmou-me um pouco. Sabe muito sobre o jogo e, na minha opinião, tem as ideias correctas para um clube de topo. Posse, domínio, fidelidade ao estilo.
Obviamente, pode ser muito bom no discurso e péssimo na operacionalização.

De qualquer forma, o título do próximo ano depende essencialmente duma coisa - saída ou manutenção de JJ. Não tenho dúvidas que, ao nosso alcance, o único treinador que venceria JJ se ele ficar é VP.
Saíndo, acredito que o 5LB voltará a passar por um período conturbado que poderemos aproveitar.

Quanto ao plantel, não sou tão apocalíptico. Acho que com 2 médios, 2 alas e um central aliados à promoção de Tozé, Paciência, Garcia e Kadu, pelo menos, podemos ficar com um bom plantel. Mas esses jogadores têm que ser escolhidos a dedo.

João Pinto disse...

Excelente texto. De longe o que melhor li sobre o assunto e oq ue mais vai ao encontro daquilo que penso.

De facto, para tiro de partida para a próxima época, julgo que este foi no pé.

JB disse...

Ter o Co Adriaanse na lista dos fracassos das escolhas do Pinto da Costa não deixa de ter a sua piada... Agora só tem sucesso quem ganha uma prova europeia? Acrescente aí o Vitor Fernandez, que ganhou uma Intercontinental. Quanto ao novo técnico gostei da escolha e estou convencido que muitos se vão surpreender com o seu trabalho. Abraço

César Santos disse...

Viva,

Em texto interessante, sem qualquer dúvida, ainda assim não posso deixar de discordar de algumas ideias apresentadas. Primeiro, não posso deixar de estranhar essa obsessão da maioria dos adeptos por um "nome sonante", sabendo-se, à priori, que, à excepção de Robson, nunca Pinto da Costa foi por esse caminho no que à escolha de treinadores diz respeito. Já no que concerne ao treinador agora escolhido, que tratarei carinhosamente por Lope, é preciso olhar para além do nome, para além daquilo que é exposto na comunicação social sempre pronta para enumerar as "qualidades" de toda e qualquer pessoa associada ao FC Porto. O espanhol, muito sinceramente, está dentro do perfil que imaginava para treinador da equipa principal, muito mais que Paulo Fonseca, mas, como é natural, é um nome longe daquilo que poderia imaginar. Pessoalmente, tinha pensado em alguém como Bielsa ou Laudrup, também eles defensores de uma ideia de jogo muito próxima daquilo que foi preconizado pelo Mestre Pedroto para o nosso FC Porto. Ainda assim, lembrei-me que seria quase impossível suportar o vencimento de alguém com este perfil. Quanto a soluções nacionais, não me parece que Pinto da Costa olhe para Jesus ou AVB como hipóteses, pelo menos, não neste momento, precisamente pelo mesmo motivo que não consegue contratar alguém como Bielsa e Laudrup, i.e., falta de capacidade financeira. Simples. E quanto mais cedo as pessoas se habituarem que o FC Porto não pode neste momento competir financeiramente com o Benfica, melhor será. O grande erro de Pinto Costa foi na época passada não ter percebido que Vítor Pereira era para segurar, sem qualquer dúvida, uma vez que ganhou dois campeonatos a uma equipa com muito mias soluções que a sua. O FC Porto de Vítor Pereira era uma equipa de top europeu, que teve o azar de lhe correr mal um jogo no La Rosadela em Espanha, ditando o destino do treinador. As pessoas que continuam a achar que o título do FC Porto na temporada passada foi fruto do acaso e da sorte de um remate de um jogador que, devido a esse golo, nunca mais fará nada de jeito no clube, não percebem nada de futebol. O presidente deixou-se ir pela opinião pública, formada na comunicação social lisboeta e suportada por quase todos os adeptos do clube, apostando num treinador sem capacidade e aptidão para treinar o FC Porto. Apesar de tudo, que passa muito pelo que o autor foi enumerando ao longo do seu texto, Lope tem algumas coisas interessantes, ainda para mais sabendo-se que não haverá dinheiro para grandes contratações e haverá necessidade de vender 3/4 jogadores titulares. Já agora, no que respeita a Marco Silva, que me parecia ser o favorito de muitos, sobretudo, porque a imprensa foi fazendo propaganda em prol do mesmo, chamo à atenção para aquilo que é a ideia de jogo do jovem treinador , que tem pouco haver com aquilo que é defendido pelo nosso FC Porto. Além do mais, toda a gente sabe que o treinador do Estoril é benfiquista até ao tutano e antiportista primário, como bem se viu no jogo da Amoreira da corrente época. Por isso, não obrigado. Sem esquecer que o mesmo treinador vai suceder a Jesus no Lumiar, quase de certeza, a partir da próxima época.

Cumprimentos,
César Santos

lee disse...

Concordo em absoluto, não vejo nenhum fundamento na escolha deste treinador, o que ele fez na SELEÇÃO de ESPANHA oferece ZERO garantias, e em clubes enterrou o rayo e treinou o castilla ???? Nem chega a ter 2 épocas completas de experiência em clubes.. O próprio Lopetegui ainda deve estar a perceber como veio aqui parar e a agradecer ao Jorge Mendes. Não é admirar que se tenha descaído e comentado com o amigo, deve ter ficado completamente eufórico. Acho que a continuidade do Luís Castro tinha sido uma aposta mais segura....

O nosso Porto está irreconhecível, espero muito bem estar enganado mas este treinador vai ser um desastre total ainda por cima com o plantel que irá ter ao seu dispor que provavelmente vai ser mais fraco que o da presente época.

Pedro disse...

"Uma escolha fácil, imposta por agente influente que se adequa à falta de liderança da estrutura do FCP, incapaz de contratar um treinador de perfil elevado"

Ainda bem que o Miguel sabe de coisas, com tanta certeza, do interior da SAD. Sabe que esta interfere na área desportiva, seja lá o que isso for, sabe que foi incapaz de contratar um técnico de renome. Sim porque de facto grandes treinadores não querem vir para o FC Porto. O Miguel tem essa informação, provavelmente por ser amigo próximo deles, ou quem sabe teve acesso a emails ou telefonemas. Sabe tudo isso.

O discurso, mais ou menos inflamado, não é muito diferente do de outras alturas e outros treinadores. Carrega-se mais ou menos em algumas dúvidas e valências e está lançada a teoria das certezas. A questão não é, nem nunca foi de apoiar ou concordar com as decisões de PC só porque são dele. A questão é, e sempre será, de dar o beneficio da dúvida a quem entra. Seja Lopetegui, seja Marco Silva, seja Domingos, seja Bielsa. O passado não garante nada. Se assim fosse Mourinho seria eterno campeão. A qualidade do plantel, técnica e humana, e a qualidade da relação SAD-Treinador-Adeptos são sempre aspectos determinantes. Se calhar mais do que o passado dum treinador.

Isto porque é possível ser um observador, treinar uma selecção no 7º cú de judas e falhar, treinar uma Académica sem nada de realce, e ainda assim vencer tudo num ano de glória. Não é caro Miguel?

Luis Pereira disse...

Parabéns por mais este post muito bom!
Concordo com grande parte das opiniões expressas e, no fundo, estamos todos com um grande ponto de interrogação na testa relativamente à escolha e valia de Lopetegui.
Menos de acordo ao colocar Co Adrianse (e Fernando Santos) no rol dos menos bem-sucedidos. Aliás, Co Adrianse (serei o único portista que gostou do tipo de futebol que aplicou no FCP!!) esteve uma época como treinador (2005/06) e foi campeão nacional e vencedor da taça de Portugal: É pouco?
Vitor Pereira tinha experiência de primeira divisão como adjunto e portou-se muito bem.
Lopetegui vem de um país em que a exigência e o rigor no desporto é muito, mas muito, elevada. Depois dos J.O. de Barcelona começou a ver-se os resultados da aposta que Espanha fez no desporto ao nível das infraestruturas, formação e metodologia. Têm campeões do mundo em muitos desportos coletivos e individuais (além do hóquei, passaram a ser campeões mundiais no futebol, futsal, basquetebol, andebol, ciclismo, golfe, ténis, F1, …). E, para se manterem no topo, continuam a absorver os melhores dos outros países, quer ao nível de treinadores, quer de jogadores. São pragmáticos.
Além disso (e por isso) sabemos que parte dos nossos melhores desportistas individuais passaram a treinar-se em Espanha (Por ex. Francis Obikwelu e João Sousa).
Daí a acreditar que Lopetegui tenha sido convidado para selecionador de Espanha por competência e não apenas por amizade de Hierro. É, apenas, uma crença!
Pode ser que Lopetegui traga maior rigor e faça subir o clube a outro patamar nesse aspeto particular (que pode sempre ser melhorado).
Mas admito que um treinador com maior experiência de “champions” fosse uma aposta menos arriscada.
Neste momento, resta-nos alertar, pressionar, exigir e… esperar!
Um abraço!

João disse...

Co Adriaanse? Tomara eu que o Lopetegui ganhasse o que o Co Adriaanse ganhou na sua única época cá, mais que VP por exemplo.

Luís Pires disse...

esta época tem sido tão frustrante que até tento esquecer alguns momentos, mas não ganhámos a Supertaça logo de entrada? é poucochinho sim, mas pronto, se assim foi pelo menos podemos dizer que não ficámos a zero :)

Pedro ramos disse...

A minha reacçao à contrataçao deste treinador foi de profunda desilusao porque nao penso que o clube tem de estar confinado a este perfil (perfil à moda de um Gil Vicente ou Académica, sem menosprezo para esses clubes), bem pelo contrário e aí estou de acordo consigo, mas depois parece-me que cai para um discurso quase catastrofista à semelhança de muitos portistas que conheço, que sempre que perdem o campeonato anunciam o fim do mundo, quase em oposiçao aos benfiquistas que quando ganham 1, já anunciam aos quatro ventos que ninguém os pára e que os próximos 20 já estao no papo.

Já agora aparentemente houve necessidade de num determinado pasquim anunciarem que é totalmente mentira que um determinado empresário tenha tido qualquer influencia na escolha deste treinador...

Nao conheço Lope, mas curiosamente as suas ideias vao totalmente contra esse perfil de imposiçao da direcçao na área desportiva.

Já agora a sua lista de fracassos tem algo que se lhe diga.

Depois custa-me muito que se especule sobre meninos mimados, lutas intestinais, influencias de Baia na própria contrataçao colocando até em causa a sua elevaçao a selecionador acusando-o de apenas ser troca de favor...
Lembro-me de um portista que na época passada nao queria PF porque nao estava habituado a lidar com estrelas e este ano nao gosta de Lupe porque só está habituado a lidar com estrelas e por isso ganha facilmente.

Filipa Ribeiro disse...

mitrovic, l.damiao ou sibgurbsson 1 deles para lugar do jaksson..
m.fernades para vaga de defour...
ayoze para vaga de lica
dos santos(celta vigo) para vaga de c.eduardo...
Fica faltar 1 medio defensivo 1 defesa central 1 extremo no minimo...

Jogadores portugueses ou da cantera do porto a treinar e jogar na taça da liga e t.portugal como ivo rodrigues,toze,rafa,garcia,mikel,gonçalo paicencia andre silva kadú maciel r.horta....

Nuno de Campos disse...

Concordo com este post, mais uma aposta de muito risco. É verdade que outras apostas semelhantes correram bem, mas também há exemplos contrários.

Nesta situação, preferia um treinador mais experiente e/ou com raízes na casa, visto que subsistem muitas dúvidas quanto à saúde mental do balneário, e a tesouraria não deveria permitir contratações de relevo.

Um treinador pos si só, mesmo que uma figura de topo, não garante nada sem um grupo de trabalho são. Ao Porto falta a espinha dorsal de veteranos que em tempos não muito distantes assegurava a integração dos jovens e estrangeiros sem problemas disciplinares e de motivação.

Não vejo como se possa re-encontrar facilmente esse núcleo de veteranos sem Helton, Lucho, Fernando e Castro - este último uma enorme perda de carácter e portismo por uma ninharia.

Luís Vieira disse...

Não vou repetir a minha opinião sobre esta escolha, uma vez que já a emiti anteriormente, mas ficam alguns apontamentos à prosa acima enunciada: 1. É deturpador pôr no mesmo saco, por um lado, Quinito, Del Neri e Paulo Fonseca (treinadores que falharam rotundamente), e, por outro, Fernando Santos e Co Adriaanse (treinadores titulados, que, sem deslumbrar, cumpriram com algum sucesso as suas funções); ninguém estará à espera que o Presidente escolha sempre um treinador capaz de alcançar um êxito estrondoso, por isso, como ponto de partida para desmitificar um mito urbano, parece-me um passo em falso. 2. Assinala-se prontamente a queda nos quartos-de-final nos Mundiais de sub-20 (no primeiro frente ao campeão Brasil, nos penáltis, no segundo frente ao finalista Uruguai, no prolongamento), mas faz-se tábua rasa da vitória no campeonato da Europa de sub-19; pelo menos, que se recorra aos dados todos. 3. Em 2010/2011, o Benfica também partia como favorito e o bicampeonato era dado como certo; todos conhecemos como acabou a história, por isso não se trata, decididamente, da primeira vez em trinta anos que tal acontece. 4. É temerário afirmar que o Lopetegui não tem perfil de liderança e elevada cultura táctica - é um salto de fé tão grande como aquele que se aponta à Direcção, principalmente quando há declarações e evidências em sentido contrário; concedo que não tem experiência em lidar com vedetas, enquanto treinador, mas tem conhecimento da mentalidade de jogadores desse calibre - passou por grandes clubes e foi treinado por treinadores muito capazes; alguma coisa deve ter retido. 5. De cor, aponto o Jesualdo, que treinou a selecção de sub-21 e foi o primeiro treinador português tricampeão, amealhando outros títulos e conquistando objectivos europeus no trajecto; se o Lopetegui fizer o mesmo, já me daria por satisfeito. 6. Não me acredito que o Jorge Mendes tenha capacidade para impor um treinador no Porto, o vazio de liderança (?) não chegou a esse ponto. 7. Arrisca-se na futurologia da constituição do plantel, sem se saber o que nos está reservado; as armas podem ser bem diferentes das elencadas, pelo que resta aguardar serenamente para não cair em precipitações desnecessárias. Concluindo: na ânsia de descredibilizar a escolha, comete-se excessos evitáveis. Também não queria/esperava um treinador com estas características, mas não me parece justo elaborar uma cantiga de escárnio e maldizer, obliterando todo e qualquer aspecto positivo do Julen "quem" Lopetegui e realçando fastidiosamente as questões negativas. Haja equilíbrio.

Miguel Lourenço Pereira disse...

Vejo muitos portistas satisfeitos com o mandato de Adriaanse e de Fernando Santos. Parece-me muito bem.

Eu lembro-me que com Co Adriaanse o FC Porto teve um primeiro terço de época penoso - com uma participação absolutamente vergonhosa na Champions League - e que nos duelos directos com o Benfica a coisa não correu lá muito bem. Foi campeão com o mérito que têm os campeões mas a forma como o foi não augurava nada de bom para um ano de maior exigência. Fico feliz que tenha durado o que durou. Relativamente a Fernando Santos acho que não é preciso dizer muito. Um treinador que perde uma liga com Mário Jardel, que em três anos de FCP venceu um titulo de liga e deixou alguns dos jogos mais aborrecidos que as saudosas Antas testemunharam, e colocá-lo numa lista de sucessos para mim é quase criminal.

Pinto da Costa teve mérito em muitissimas decisões (se não não estavamos onde estamos) mas Adriaanse e Fernando Santos, por muito que tenham ganho dois titulos, não me parece que estejam entre elas.

Miguel Lourenço Pereira disse...

Luis,

"6. Não me acredito que o Jorge Mendes tenha capacidade para impor um treinador no Porto, o vazio de liderança (?) não chegou a esse ponto. "

Pense outra vez, já vamos no segundo treinador consecutivo!

"7. Arrisca-se na futurologia da constituição do plantel, sem se saber o que nos está reservado; as armas podem ser bem diferentes das elencadas, pelo que resta aguardar serenamente para não cair em precipitações desnecessárias. "

O FC Porto não tem dinheiro para investir. Não é futurologia. Chama-se Relatório de Contas. Outra coisa é que se hipoteque (ainda mais) o futuro ou alguém consiga contratar 3 ou 4 jogadores top para colmatar os que vão embora e os que faltavam já a preço de saldo. Não é com Carlos Eduardos ou Kayembes que se vai ganhar a próxima liga.

"mas faz-se tábua rasa da vitória no campeonato da Europa de sub-19; pelo menos, que se recorra aos dados todos."

Ser ser campeão de Europa sub19 é motivo para o FCP contratar treinadores não sei como andamos todos estes anos a perder génios do futebol que tiveram grandes carreiras ao mais alto nivel depois de ganhar eurossub19 (ou 21). Ah, pois não, não houve nenhum...



Miguel Lourenço Pereira disse...

"Depois custa-me muito que se especule sobre meninos mimados, lutas intestinais, influencias de Baia na própria contrataçao colocando até em causa a sua elevaçao a selecionador acusando-o de apenas ser troca de favor...
Lembro-me de um portista que na época passada nao queria PF porque nao estava habituado a lidar com estrelas e este ano nao gosta de Lupe porque só está habituado a lidar com estrelas e por isso ganha facilmente."

Eu não estou a especular. Estou a afirmar que dentro do clube há lutas de influência, que o Baía teve um papel importante nesta contratação (não vem mal ao mundo por isso), que Lopetegui entrou no quadro profissional da RFEF graças á excelente relação pessoal com o director desportivo e que as estrelas com quem lidou, e foram muitas, não foram dificeis de lidar com porque só as treinava de tres em tres meses, durante semana e meia. Esse foi trabalho do treinador dos seus clubes!

Miguel Lourenço Pereira disse...

João,

Há adeptos que servem para ir aos Aliados no fim do ano. Se um macaco ganhar um titulo a comandar a equipa, serve-lhes. Há outros que procuram algo mais.

Miguel Lourenço Pereira disse...

Pedro,

Se fosse uma pessoa informada teria aproveitado o tempo que perdeu a comentar e lido vários artigos da imprensa espanhola que referem o papel decisivo que teve esse agente na negociação ;-)

Quanto ao excelente ano de AVB, continuo à espera da reprise. Desde então esse grandissimo treinador (e maior portista) tem estado à altura de todas expectativas, liderado projectos fascinantes e ganho a admiração do mundo pelos seus titulos e modelos de jogo. Sem dúvida!

Miguel Lourenço Pereira disse...

DC,

É normal que, na teoria, o Julen Lopetegui partilhe conceitos e ideiais tácticas que são a base do futebol espanhol desde há vários anos. Mas isso não implica que a) seja capaz de a implementar b) que o modelo que preconiza seja viável com um plantel como o nosso. Sobretudo quando estamos a falar de um homem que teoriza bem mas tem zero impacto prático no que diz. Se queriam alguém que predica com o que defende podiam perfeitamente ter ido atrás de um Paco Jemez ou Pep Mel que não só seguem o modelo de jogo espanhol como há anos que superam as expectativas que criaram no inicio das suas carreiras sem a necessidade de lidar com estrelas do tiki-taka!

DC disse...

Também tenho gostado muito do trabalho do Paco Jemez. Que prova aliás não ser preciso ter grandes craques para jogar futebol de posse, ofensivo, com tentativa de domínio de todos os adversários. Espero vê-lo num clube mais forte para o ano.

Deco disse...

pior que o Lopetegui era o Villas-Boas que era um rapazito que treinou muitos clubes... no Football Manager e foi o que foi

Nicolau T disse...

Boas...

Devo dizer que não subscrevo, de todo, o pessimismo que está subjacente a este artigo...Penso que Lopetegui tem as mesmas possibilidades de vingar no FCP, tal como o AVB ou até mesmo o Mourinho... São todos apostas arriscadas e como tal tem 50% de hipóteses...

Penso que o segredo será porventura a constituição do plantel e aí acho que o FCP tem duplamente a ganhar. Primeiro porque voltou a "chamar" o Jorge Mendes como aliado e isso poderá trazer bons jogadores (novos e menos novos) ao Dragão. Segundo porque o Lopetegui tem alguma experiência em trabalhar com jovens jogadores e esse deverá ser o novo paradigma do FCP, isto é, voltar a ser o clube que faz a rodagem competitiva a jogadores jovens e com potencial.

Parece-me também que o FCP estará de malas feitas do mercado Sul Americano e irá voltar-se para o mercado europeu de jovens promessas, onde o Jorge Mendes é rei e senhor... O FCP não tem o hábito de formação como o Sporting e o Benfica, e portanto deve-se concentrar naquilo em que é bom e deixar-se de tretas...

Portanto acho que devemos ter calma e esperar para ver quem sai e quem entra no Dragão... E também convém despachar rapidamente o Fernando e o Jackson, porque dá-me a sensação que estão a "estragar" o balneário com as suas birras de meninos...

Cumprimentos

Miguel Lourenço Pereira disse...

Sobretudo, um pequeno grande detalhe - que aliás, está no texto.

O facto de se questionar a escolha de Lopetegui (por perfil, por valor, por necessidade de dar a volta a um ciclo extremamente negativo) naturalmente que todos os portistas, eu o primeiro, desejam que tenha, uma época de liga tão boa como a de Vitor Pereira no seu último ano e uma época europeia ao nível de Villas-Boas!

bruno cláudio disse...

Está contratado e ponto! Deixemos o homem trabalhar!

Cada vez mais parece que alguns adeptos do fcp viraram burgueses, treinadores de renome? quem o ancelloti, lippi, van gaal, capelo, guardiola? fazemos uma vaquinha entre todos? uma "operacao coraçao" versao fcp?
Há aqui cada vez mais portitas avermelhados!
Até barbaridades como bielsa, pep mel ou fernando santos? que tal o manuel josé, tambem se fartou de ganhar titulos. o cajuda já agora..

Já se anda a queimar o mister, baseado em teorias da conspiraçao, que soa a deja vu de 2a circular.

Com experiencia ou nao, de futebol tem de saber, passou pelo madrid, barcelona e seleçao espanhola!

naturalmente a escolha de determinado jogador ou treinador nunca vai agradar a todos. no entanto, compete-nos, como adeptos, receber bem, apoiar e dar condiçoes para que faça o seu trabalho sem pressoes, para que responda com dedicaçao, empenho e titulos.

o resto, se é amigo deste ou daquele, é conversa da treta.



AB disse...

AVB ganhou a taça da liga?

reine margot disse...

Deseja nada , MLP !
Pelo menos seja sincero; ia-lhe custar muito ter de engolir toda esta crónica de morte anunciada!!!

Pedro disse...

Creio que não estarás a recordar-te muito bem da forma como a equipa de Adriaanse fechou a época, com os últimos 3 meses a praticar um futebol excelente, ofensivo e tacticamente rotinado. Inclusive ganhando o titulo, não matematicamente, em Alvalade perante um bom Sporting de Paulo Bento, e conseguindo a dobradinha semanas mais tarde.

Um caso evidente dum treinador que precisou de tempo. Dizer que não teve sucesso... é apenas uma hérnia mental que serve para reforçar uma ideia que à força se tenta passar.

Pedro disse...

Suponho que tenhas provas de jorge mendes "imponha" treinadores? Ou é tudo fruto da tua fabulosa sapiência à distãncia?

E já que falas de RC's, creio que também já sabes quanto dinheiro o Porto vai encaixar no defeso, e quanto vai gastar certo? Pareces saber tudo, falta apenas divulgares o que comeu Lopetegui hoje ao almoço.

João Martins disse...

Meus amigos há aqui um detalhe fundamental que parece que se estão a esquecer dado o burburinho criado em volta do nome do Treinador...a equipa!!
Não se conseguem vitórias sem mão de obra que neste caso são os jogadores...não é preciso voltar muito tempo atrás para se perceber o que está a falhar..AVB ganhou tudo mas comparem o 11 com o digamos melhor 11 desta época...Falcao,James,Hulk,Moutinho,Alvaro Pereira,Otamendi,Belluschi..quer dizer...se calhar com 2 destes limpavamos o Campeonato sem problemas...

Não vejo assim tão assustadoramente J.Mendes ter influência no Treinador senão vejamos...quem é que meteu 45milhões nos lampiões em Janeiro sem tirar de lá jogadores??será que vão sair no fim da época...talvez fiquem mais um ano até...

E quem é que mete as vedetas a jogar no clube que quer?quem é que tirou Falcao,James e tantos outros aos lampiões???talvez este ano tenha sido um abre-olhos do J Mendes à administração...ou vencem comigo ou dou o braço ao Orelhas e ficam a ver navios...

Não me importo nada que o J.Mendes seja aliado...tira força aos lampiões e queiramos ou não...é ele quem decide o destino dos bons jogadores..ele que os aponte de novo ao Dragão porque sabe que o retorno é garantido...e a nossa senda de Títulos continuará...

Miguel Lourenço Pereira disse...

Reine,

Só aos idiotas lhes custa engolir coisas que beneficiam os seus interesses. Eu tenho zero interesse em que as coisas vão mal ao Lopetegui porque sou adepto, sócio e fanático do FCP. Não ganho absolutamente nada em ter razão. Portanto espero que não me esteja a chamar idiota!

Pedro Jesus disse...

Apenas digo.Lembrem se do ano 2002...
sem dinheiro,ano horribilis...sem perspectivas... depois foi o que foi.Meras coincidências...

Daniel Gonçalves disse...

Reconheço que também não era um treinador com um perfil como o de Julen Lopetegui que eu tinha idealizado para liderar a equipa técnica para a próxima temporada, mas aceito, e compreendo os pressupostos, da decisão.
Pinto da Costa procurou alguém ambicioso, com ganas de mostrar valor e competência em vez de optar por alguém experiente mas que poderia – numa mera hipótese teórica – ter como contra o inconveniente de considerar já não ter nada a provar a ninguém, e que poderia encarar o projecto do FC Porto como um mero emprego significando um salário mensal, reflectindo-se na - pouca - ambição que eventualmente deixaria no balneário e na mentalidade dos jogadores.
Julen não tem experiência nas competições europeias – Champions -, nem experiência a líder com jogadores “já feitos”, mas já passou por balneários recheados de vedetas e sabe - por vivência in loco - como os treinadores lidavam com esses egos. O facto de não ter sido um grande jogador também não pré-determina o valor, seja pela positiva ou pela negativa, como treinador. Arrigo Sacchi nunca conseguiu singrar como jogador profissional e depois como treinador foi o que se viu; Marcelo Lippi foi um jogador mediano, e acabou como um dos melhores treinadores no seu tempo, idem para Rinus Michels, e muitos outros exemplos; Bobby Robson foi um jogador banal, o total oposto enquanto treinador; quem foi José Mourinho como futebolista? Assim como existem jogadores geniais que nunca se conseguiram impor como treinadores de topo. O facto de se passar muito tempo no banco de suplentes até tem as suas vantagens, apreendemos as reacções do treinador ao desenrolar de um jogo, vemos o teste da experiência das ideias dos treinadores, dá-nos oportunidade de aprender. Talvez seja este o perfil de Julen.

"Experiência em manobrar um balneário todos os dias? Nenhuma. Liderança em momentos de crise? Impossível de saber, nunca foi testada." Sim, Julen nunca teve um teste ou uma prova de fogo a valer, num clube de futebol. Como ninguém nasce ensinado ou já com experiência, e todos têm de adquirir de alguma forma experiência, não considero este factor como eliminatório na aprovação de um treinador. Obviamente que para o nosso Clube, que vai lutar pelo título nacional e para ir o mais longe possível numa competição como a Champions, era importante - mas não decisivo - ter alguém com experiência nesta área, mas também era importante termos alguém a treinar que fosse ambicioso, a que não falte vontade de mostrar valor.

Daniel Gonçalves disse...

"Uma escolha fácil, imposta por agente influente que se adequa à falta de liderança da estrutura do FCP..."

Totalmente em desacordo e considerando esta “tese” errada. Pelo facto de Julen ser um desconhecido enquanto treinador de clubes de topo ou do nível do FC Porto não significa que fosse uma escolha fácil, acredito - e todos os sinais exteriores para aí apontam - que foi uma decisão ponderada, fruto de algum trabalho de reflexão, mas não deixando de ter uma grande dose de risco. Também não me parece que fosse uma decisão imposta do exterior - de “gente influente” - como o Miguel conjectura mas sem mencionar quem é essa gente influente. Nem considero que exista - nem esta contratação significa tal coisa - alguma falta de liderança na Administração, nem se sabe, pois o Miguel não explica, qual a causalidade que leva a esta conclusão, pois a contratação de Julen é mais um “capricho”, feito de muita vontade interior e não imposto por outros, de Pinto da Costa. Que ele tenha ouvido a opinião de terceiros acredito, agora que ele se deixe levar, contrariado, pela vontade de outros, isso já não se coaduna com a personalidade de Pinto da Costa. No passado, na escolha de treinadores, teve em conta a opinião de Teles Roxo e Pedroto, passado este tempo já não existem “conselheiros” deste nível.

Daniel Gonçalves disse...

"Estou a afirmar que dentro do clube há lutas de influência, que o Baía teve um papel importante nesta contratação..."

Tens inside information ou é mera especulação sem qualquer fundamento? Não acredito que Vítor Baía tivesse qualquer papel na contratação de Julen, que Baía fosse ouvido - a meio ou no fim do processo - para se averiguar a personalidade e carácter de Julen não significa que ele tenha tido um papel fulcral na escolha do actual treinador.
O facto de Julen ter como agente Jorge Mendes, também não significa que existam pressões, ou predomínios exteriores de “gente influente”, na Administração ou em Pinto da Costa, isto é pura teoria da suspeição. Que este facto tenha facilitado a contratação, e possibilitado a Pinto a Costa conhecer a existência de Julen também não significa pressões, se o Presidente não o desejasse contratar não o contratava. Considero que o Miguel sabe bastante de futebol mas de natureza humana não saiba assim tanto.

Miguel Lourenço Pereira disse...

Daniel,

""Experiência em manobrar um balneário todos os dias? Nenhuma. Liderança em momentos de crise? Impossível de saber, nunca foi testada." Sim, Julen nunca teve um teste ou uma prova de fogo a valer, num clube de futebol. Como ninguém nasce ensinado ou já com experiência, e todos têm de adquirir de alguma forma experiência, não considero este factor como eliminatório na aprovação de um treinador. Obviamente que para o nosso Clube, que vai lutar pelo título nacional e para ir o mais longe possível numa competição como a Champions, era importante - mas não decisivo - ter alguém com experiência nesta área, mas também era importante termos alguém a treinar que fosse ambicioso, a que não falte vontade de mostrar valor."

Desculpa lá, mas eu sou adepto do FCP, o maior clube de Portugal, bicampeão europeu e mundial. Não sou o Tourizense para que venham para o Dragão treinadores ganharem quilometragem e experiência quando não a têm noutro lado. Começa a ser irrisório que qualquer um chegue ao Dragão sem ter o minimo de trabalho demonstrado. AVB trabalhou ao mais alto nivel durante seis anos, Mourinho idem, Artur Jorge idem. Nenhum deles desceu um clube á 2º Divisão B, passou 2 anos por uma equipa B sem que se tivesse notado o mais minimo (resultado e potencialização de jogadores) e na seleção jovem mais forte do Mundo ganhou tanto como perdeu (2 de 4).

Joao Goncalves disse...

Não é um nome que me entusiasme nem sequer andava no meu radar futebolístico e por muitos pontos que o Miguel expôs acima apesar de tudo o que escreveu é uma incógnita... como já disse noutras ocasiões... comprou-se um melão, agora vamos ver.

Contudo e tendo em conta a média de idades da equipa e a média de idades dos "bebés" armados em vedetas vide, Danilo, Alex Sandro, Reyes, Quintero, etc..., até pode ser que resulte... Who knows?

Agora, eu como presidente nunca na vida faria uma aposta destas depois de uma época tão tragicamente péssima!!

Paulo Moreira disse...

Não consigo perceber o Sr. Miguel Pereira, começa por traçar um cenário dantesco para a próxima época - não temos plantel, não temos dinheiro e não temos treinador, mas pelos vistos, para ter sucesso, o Sr. Lopetegui vai ter que ganhar a Champions porque ganhar a Taça e o Campeonato é para «macacos». Bem eu sou daqueles, que para o ano, não me importo de voltar aos Aliados, no fim do campeonato, para comemorar.
E já agora tenho pena que o FCP na tenha contratado um «Co Adriaanse» para meter na ordem aquele balneário e acabar com "egos e os super egos" quer dos jogadores quer dos abutres que rodeiam a equipa.

Amphy disse...

Quando um clube do top 10 europeu apenas consegue contratar treinadores pouco mais que absolutamente desconhecidos, quer dizer muita coisa do nível para onde vai. Que se jogue no escuro uma vez ainda é como o outro, mas duas vezes seguidas, incluindo um ano horrível, é demais.

Relembro que se trata de um dos melhores 10 clubes europeus! Fazia mal encomendar alguém com mais experiência de treino? Até o VP tinha mais treino no curriculo. Ou o Luis Castro.

Para além da liderança fora das 4 linhas é urgente criar bases para que possamos ter liderança dentro delas. As referências são poucas, sendo que a relação com os próprios adeptos fica afetada por isso mesmo. Parece-me que a remodelação na direção deveria ser o primeiro passo da próxima época.

OAutor disse...

Um post vergonhoso na linha de muitos comentários que vou lendo pela blogosfera portista! Respeito a tua opinião, mas não consigo aceita-la!

Nos últimos tempos parece que este blog tem-se dedicado ao "benfiquismo", desde pedir para ninguém aparecer ao estádio no jogo de hoje («Deixo aqui o meu apelo sincero, para que ninguém, absolutamente ninguém, afecto ao FC Porto, marque presença no próximo jogo, frente ao SLB, no Estádio do Dragão» «Se acreditam que devem estar presentes, façam-no. Mas quem lá estiver, mesmo que com o exclusivo propósito de apoiar a equipa, deve estar ciente que está a ser conivente com a incompetência», até à critica fácil sem apresentar soluções!

Estes dois sintomas são típicos da mentalidade benfiquista e isso começa a preocupar-me profundamente! Começa a ficar enraizada uma certa "benfiquisação" dos adeptos portistas!

Respondendo mais directamente ao post, deixo uma pergunta...qual o nome do treinador que querias no FCPorto?? Isto de criticar escolhas é fácil, fazer escolhas é que é do caraças!!

Na minha opinião quando se escolhe um treinador, além da pessoa está a ser escolhida uma ideia de jogo, um sistema, uma forma de pensar a equipa! E se olharem para o que era Paulo Fonseca...estas premissas que eu falei, estavam todas completamente erradas para a realidade FCPorto! Olhando para Julen Lopetegui, parece-me que estão todas encaixadas naquilo que é a nossa forma de jogar e pensar o jogo!

A próxima época é essencial, e além de um treinador necessitamos de bons jogadores. É aquela velha frase, sem ovos não se faz omeletes! Acham que se o Jorge Jesus tivesse apenas os mesmos jogadores da época passada era campeão? Na minha opinião, até Paulo Fonseca era campeão com o plantel que o benfica tem este ano! Essa é que é a grande realidade deste campeonato!

Portanto, antes de fazer criticas a torto e a direito, pelo menos não peças a adeptos do FCPorto para abandonar o clube quando mais o clube necessita dos seus adeptos!! Se fizeres isso, se este blog voltar a ser o que era no passado recente, é sinal que vamos entrar na nova época com o pé direito!

Abraço portista!

João disse...

E o Prémio Ironia Apoiantes do VP 2014 vai para Miguel Lourenço Pereira, pela falta de noção quase épica da coisa!

Dobradinha. Coisas que não se conseguem a ser arrumados por Bragas e Académicas.

João disse...

Não, o Miguel Lourenço Pereira está mesmo apostado em conseguir o Prémio Carreira da Ironia.

Primeiros 3 meses (ou 6, ou uma época inteira para ser mais preciso) penosos, uma Champions vergonhosa, ao Adriaanse só lhe faltava a capacidade inédita de perder todos os títulos cujo nome metesse "Taça" lá pelo meio para ser tal e qual outro treinador qualquer que o nome não me ocorre porque só consigo pensar nas loas que o Miguel lhe canta até à náusea.

Tone da Eira disse...

Os adeptos agarram-se às tábuas de salvação possíveis e imaginárias. Parece que muitos estão satisfeitíssimos com o "regresso" de Jorge Mendes-Gestifute (entre « « pois me parece nunca se ter afastado completamente). Já que esperam que esta entidade seja tão determinante na reviravolta de que o Porto necessita, não seria melhor sub-contractar a gestão da Porto SAD à Gestifute? É que sempre poupavamos nos milhões por ano que gastamos com os gestores actuais, podiam-se contratar todas as esperanças espanholas (e descartar as portuguesas) e o problema da substituição de JNPC estava revolvido (sarcasm). Meus amigos a Gestifute é uma empresa - trabalha com o Porto e/ou com o Benfica, com o Rio Ave, Paços, Atlético de Madrid, etc num modelo e forma conforme aos seus interesses comerciais - não esperem benesses sem poder dar contrapartidas equivalentes. E sabem o que isso pode significar – vender a alma ao diabo. Quanto ao treinador a opinião do Miguel é (como habitualmente) muito racional o que neste caso significa básicamente negativa mas estou como a maioria - veremos. Um ponto importante é que o JL parece muito mais novo mas já tem 47 anos e essa é a minha dúvida principal quanto ao seu potencial. É óbvio que por isso a sua escolha não pode ser comparada à das (entretanto sensacionais) descobertas do A Jorge, do J Mourinho, do AVB. O que fez o JL nestes anos todos desde que deixou de jogar, o que fez com que nenhum outro clube em Espanha para além dos citados Bs dos grandes e dos dois da 2a divisão tivesse visto o que o Porto viu agora? Mesmo as suas recentes boas prestações na selecção estavam visíveis para todos, será que o JL também era 1a/2a/3a escolha para outros clubes do mesmo nível que o Porto mas preferiu o Porto? Porquê? Nunca saberemos as respostas a isto. Último ponto que não vejo nos comentários sobre a apresentação - a esmagadora maioria diz que o JNPC esteve muito bem. Eu acho que fez o mínimo para quem tem um salário de 400 k por ano + prémios substanciais e não está de baixa médica. A idade, o passado, etc só contam para o museu. É cruel lembrar mas o célebre "Hoje ainda não ganhamos nada hoje" já se aplica à muitos meses. Também como stakeholder (no fim pago a minha quota à Sport TV - se corto a ligação emocional com o clube o se este deixa de ser competitivo, etc. deixo de ter Sport TV e isso vai-se reflectir nas receitas do clube) não fico satisfeito com a resposta "o que correu mal foi não ter ganho". No mundo actual em que todos podem pensar e dar os seus bitaites este tipo de argumentação é fraco. É óbvio que ninguém pode esperar muitos detalhes mas se JNPC dissesse mesmo na defensiva "não ganhámos por isso compreendo que os adeptos achem que tudo que correu mal mas posso garantir que tirámos a lições devidas e que ....." teria sido muito melhor mensagem. É preciso mudar o chip, no Benfica depois de terem por lá umas personagens folclóricas o J Eduardo Moniz é agora VP e penso que é muito competente (e maquiavélico) não só para contribuir para a gestão actual mas também para se tornar presidente no futuro. Para mim a história de que "não me interessa o que fazem os outros clubes" é uma idiotice ao nível do "é preciso levantar a cabeça ..".

Rui Pedro Santos Furtado disse...

Concordo ctg , o Co ganhou mais que muitos que por ca passaram !

Em relação ao Jullen , há que esperar para ver , ele tem algum curriculum e tem toda uma equipa ( de verdadeiros portistas) que o ajudará . Agr não esperemos que ele faça milagres sem ter jogadores para isso . Este ano , mesmo quando as coisas correram bem no inicio , nunca vi o FCP tem uma percentagem de passes falhados tão elevada ! Até aqui nos regionais esse valor em média é superior ! Antes de atirarem tudo ao Mister , há que ver que os jogadores têm que sentir PORTO e dar tudo . Danilo e Alex Sandro , este ano nem pareciam os mesmos de até há 2 épocas . Como é que um jogador "desaprende" de uma epoca para a outra? Há muita outra coisa antes de Jullen .

D. Pedro IV disse...

Poderias explicar porque o Bielsa (teria sido a minha escolha) e o Fernando Santos ( julgo que seria o perfil ideal nesta momento) seriam barbaridades? Obrigado

Miguel Lourenço Pereira disse...

Pedro,

Aceito que discordem da minha perspectiva sobre o que foi o mandato de Adriaanse ao leme do FCP. Tenho excelente memória sobre o que foi o FCP nesse ano.

Quanto à "hérnia mental", são imbecilidades que ficam com quem as pronuncia!

Jorge Vassalo disse...

Deixa ver se eu percebo:

Depois de uma época desastrosa, Pinto da Costa chegou ao primeiro nome que lhe deram e disse "tá bem pode ser." Depois de umas grandes vergonhas , o maior Presidente de sempre do futebol mundial, que sabe que tinha que reformular tudo disse - neps, venha o primeiro gajo e pronto.

Ou então: Vamos tratar de tudo com um treinador merdoso que não vale um chavo em absoluto segredo durante meses. E depois, vamos pegar nele e pô-lo a treinar desde cedo, para o desastre ser total.

Faz todo o sentido.

Deixem os cogumelos, essa coisa faz mal.

Daniel Gonçalves disse...

Miguel Lourenço Pereira às 17:18 disse "Relativamente a Fernando Santos acho que não é preciso dizer muito. Um treinador que perde uma liga com Mário Jardel..."

Pelo facto se ter na equipa um Mário Jardel é sinónimo de sucesso garantido? Ter Mário Jardel no plantel garante, contra todas as adversidades, que todos os jogos estão talhados para serem vitórias? Existia alguma relação causal, e inevitável, entre Mário Jardel e vitória?
Também eu não desejaria um regresso de Fernando Santos ao comando técnico do FC Porto, e sinto mais confiança nesta aposta de risco do Julen do que num hipotético retorno do Engenheiro, mas procuro analisar e avaliar as condicionantes exteriores a um jogo de futebol, e tenho boa memória. Não fomos hexacampeões em 2000 em grande parte (50% ou mais) devido à arbitragem, pois fomos escandalosamente e intencionalmente prejudicados em Campo Maior, onde o Mário Jardel foi agredido, sem que o perpetrador de tal agressão fosse punido pelo árbitro (Paixão), e não assinalaram a nosso favor 2 penaltys mais do que evidentes; fomos novamente prejudicados na Luz onde um remate do Clayton passou a linha de baliza, sendo portanto golo, e o árbitro ignorou. Foi com esses pontos perdidos, devido a arbitragens tendenciosas a nosso desfavor, que chegamos ao jogo de Alvalade e não fosse um mau passe do Secretário a história do jogo teria completamente diferente; mas novamente em Alvalade a arbitragem voltou a ser tendenciosa em nosso desfavor, pois inventou uma falta a favor do sporting para que um especialista em livres, André Cruz, fizesse o segundo golo sportinguista e nos complicasse ainda mais a vida, o mesmo árbitro que na segunda parte ignorou uma falta sobre o Chaínho na grande área sportinguista, que daria origem a uma grande penalidade que, a ser convertida, poderia dar outro alento à nossa equipa, isto num jogo onde fomos superiores ao nosso adversário. Convêm ainda recordar que nessa temporada, apesar de termos ficado em 2º lugar, tivemos mais pontos e melhor goal-average do que quando fomos tetracampeões com o António Oliveira.
Nas competições europeias, nessa mesma temporada, quando a Champions ainda estava à procura do melhor modelo e ainda não era neste formato, convêm realçar que passamos por duas fases de grupos, onde numa o cabeça de série era o Barça e noutra era o Real Madrid, passamos à fase seguinte, ou seja, aos quartos-de-final, onde defrontamos o Bayern Munich, onde voltamos ser prejudicados pela arbitragem, quer nas Antas, quer na Baviera, o célebre Hugh Dallas.
Tudo isto para esclarecer que apesar de não sermos hexacampeões, a culpa não foi de todo do treinador da altura, apesar de termos de reconhecer que este tinha as suas limitações táctico/estratégicas.

Cristina Pereira disse...

Pois foi e pois é,

Na Rússia que o digam. Terceiro clube, terceiro plantel pago a peso de ouro (muito mais que o do FCP) e terceiro tiro nos pés. Curiosamente o que ficou depois do AVB sair, que até lá estava nesse ano, no mesmo periodo de tempo foi bicampeão nacional e perdeu 1 de 60 jogos. Claro!

Miguel Lourenço Pereira disse...

"Respondendo mais directamente ao post, deixo uma pergunta...qual o nome do treinador que querias no FCPorto?? Isto de criticar escolhas é fácil, fazer escolhas é que é do caraças!! "

Fazer escolhas é, realmente, do caraças. Quando se trata de escolher entre o bom e o muito bom. Escolher um Lopetegui deve ser, realmente, muito complicado. Imagino as horas sem sono de AH, PdC e companhia a pesar os prós e os contras de trazer alguém tão experiente, tão vitorioso e a ganhar tanto dinheiro.

Há um sentimento de pequenez crónico na questão das escolhas de treinadores que resulta da inevitável positiva lembrança de que os ciclos de 3 titulos europeus foram conquistados por homens que quase - quase - começaram a carreira no Dragão. Parece que, para muitos adeptos, isso dá carta branca para meter sempre gente de um perfil similiar que, tarde ou cedo, se voltará a acertar. E que alguém com um pouco mais de pedigree não encaixaria.

A minha função não é propor nem sequer eleger o novo treinador do FC Porto. Para isso já pagam -e muito bem - a pessoas como Antero Henriques mesmo não sendo adeptos do clube desde pequeninos como eu. Já disse aqui publicamente que o que me preocupa é o perfil e não tanto o homem sobretudo porque ninguém, PdC e AH para começar, podem dizer sem se rirem que sabem o que Lopetegui vale. Pode valer pouco, nada, algo ou muito. A questão é o timing de voltar a uma escolha deste perfil. Queriam um espanhol barato? Vão buscar o Paco Jemez. Quem consegue, com o orçamento mais pequeno de uma liga de 20 clubes, acabar duas épocas sucessivas a rondar o meio da tabela e com um futebol espectacular, seguramente tem mais demonstrado que um Lopetegui. Não sei é quem é o agente do Paco.

Alexandre Burmester disse...

Daniel,

O facto de ter ou não sido um grande jogador é o que menos importa, nem o Miguel valoriza isso. Mas deixe-me que lhe diga que caracterizar Bobby Robson de "jogador banal" é arrojado. Era um interior de grande categoria, 20 vezes internacional pela Inglaterra (numa altura em que as selecções disputavam muito menos jogos que agora).

E aos seus exemplos de jogadores banais ou nem sequer isso que deram grandes treinadores, eu juntaria o de três grandes jogadores - além de Robson - que foram treinadores de sucesso no F.C. Porto: José Maria Pedroto, Artur Jorge e António Oliveira.

Como vê, pode arranjar-se exemplos para todos os gostos.

Alexandre Burmester disse...

Pois, de facto, se as coisas se não passaram como descreve, pelo menos dá toda a aparência. Se calhar por influência de cogumelos, sentieiros ou setas.

Alexandre Burmester disse...

Se você, como diz, respeita a opinião do Miguel, não qualificava o artigo de vergonhoso.

Diogo Machado disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Diogo Machado disse...

o texto explica muito bem as minhas duvidas sobre o novo Treinador.sendo q a maior delas é:ESTE SR NUNCA TRABALHOU COM HOMENS.trabalhou so com miudos com o max de 21anos.passo a explicar Julen treinou o rayo mas isso foi com uma diferença de 8ANOS entre ser despedido e voltar para o Castilla.ou seja a primeira experiencia dele foi um deus q me ajude q nao sei o q estou a fazer.dps foi SÓ trabalho de formaçao.

mas em duas coisas nao concordo.
Co Adriaanse foi um treinador vencedor.ganhou e fez mais...para as memorias mais curtas aconçelho e verem jogos do Bruno Alves e do Pepe antes do Co e depois do Co.devem perceber o que quero dizer.era um treinador disciplinador (mais ou menos o q precisamos agora) e teve problemas depois de ter limpo o plantel.
ja Victor Fernandez era muito fraco e nao consta da lista de falhanços.

outra coisa q nao concordo foi o q li num comentario.
"É normal que, na teoria, o Julen Lopetegui partilhe conceitos e ideiais tácticas que são a base do futebol espanhol desde há vários anos. Mas isso não implica que a) seja capaz de a implementar b) que o modelo que preconiza seja viável com um plantel como o nosso. "

sendo q apenas discordo claramente do ponto b)

explico: Julen na apresentaçao defendeu extamente isso.o modelo de jogo vai depender sempre das caracteristicas dos jogadores.logo se ele sabe isso o ponto b) é invalido.

de toda a forma Obrigado por um texto bem escrito e uma OPINIAO muito valida e que é provavelmente a de muitos PORTISTAS.

Bardock99 disse...

O problema não é o treinador mas sim a qualidade do plantel. Quando o adversario tem o melhor plantel e um treinador capacitado, só um milagre o impedirá de ser o ganhador.

Quero é ver qualidade nos jogadores, raça, tecnica, velocidade, capacidade de remate, fazer golos,etc. Isso é que faz a diferença.

Agora nem passado 7dias após ser anunciado, andar se a fazer mil e umas istorias sobre o treinador é ridiculo. A preocupaçao é só uma : QUALIDADE DO PLANTEL

O resto sao istorias da caroxa que nesta fase nao importam para nada!

Daniel Gonçalves disse...

Alexandre Burmester, às 16:04

Reconheço que quando classifiquei o Bobby Robson de jogador “banal” possa ter sido precipitado ou injusto. Nunca o vi jogar, e baseei-me exclusivamente na opinião de terceiros, ainda que ingleses. Provavelmente essas opiniões vieram de alguém que era adepto de um clube rival do de Robson, ou de alguém que conservou algum azedume pela eliminação inglesa – quando Robson era seleccionador - nos penaltys, nas meias-finais do Mundial de Itália, face à Alemanha.
Como o Alexandre Burmester percebe mais do futebol britânico do que eu aceito como correcta a sua avaliação de Robson.

Nuno Fonseca disse...

Há adeptos que vão aos aliados festejar. Há outros que ficam em casa porque apesar de vencer não gostaram do futebol apresentado. É isto que a hegemonia do FCPorto trouxe de mau. Esta arrogância, esta altivez, este ego inchado que até aos próprios portistas irrita.
Co Adrianse para além de vencer a dobradinha, fê-lo colocando a equipa a jogar um futebol espetacular, com 3 centrais e tudo para o ataque. Se calhar é isso que irrita muita gente, porque acham que o porto tem de jogar sempre no mesmo sistema. está nos genes dizem alguns, como se os jogadores que jogam hoje também tivessem jogado nos anos 80. bah!

Nuno Fonseca disse...

o fernando santos tem o mundial. e depois do mundial vai de férias. já não vinha a tempo.

Nuno Leal disse...

Se reflectirmos um pouco, Lopetegui tem algumas coisas do perfil pretendido para 2013-2014: tal como o miúdo villa-boas podia dizer aos jogadores que "pá, lá no chelsea era assim... uma vez, num jogo chelsea-xxxx, vi o mourinho fazer…", Lopetequi também já tem algum cabedal. Esta atitude dá traquejo e respeito a um treinador aos jogadores. Malta que vem da Colombia, do Brasil, que nunca viu nada mais do que os juniores do Porto ou a equipa B, precisa de referências, de estatuto, de boas histórias fidedignas que os inspirem. Villa-boas tinha e Lopetegui tb. Já foi campeão da Europa, treinou estrelas como Isco, foi jogador do barcelona, já viu e viveu mt coisa, e isso é uma experiência de vida diferente de Paulo Fonseca, Marco Silva ou até mesmo Fernando Santos - Grécia não é o Barcelona, nm a seleção sub-21 do país campeão do mundo de séniores. Nesse âmbito a ambição nas mãos deste espanhol para os jogadores do FCPorto que não viam respeito num Paulo Fonseca, acho que lopetegui pode funcionar. E com sorte, Jardim vai para o Mónaco e o JJ vai para Milão.

Pés-Juntos disse...

Caro Miguel,

Tinha muita curiosidade para ler o que tinhas para dizer acerca do Julen Lopetegui. De facto, após o anúncio e a apresentação do novo treinador vim repetidas vezes aqui ao RP ver se já tinhas publicado um texto acerca do assunto.

Como estava cheio da ilusão criada pela desilusão do que foi a época finda e pela ideia ingénua de que a próxima época teria de ser completamente diferente, o teu texto caiu-me como um balde de água gelada pela espinha abaixo...

No entanto não posso deixar de concordar com o Nicolau T quando ele diz que existe um pessimismo exagerado nas tuas palavras. Compreendo o porquê mas não subscrevo.

Tal como eu me iludi com a ideia / fantasia de que a próxima época será necessariamente melhor do que esta que acabou ontem, também acredito que a tua desilusão ultrapassa o racional na medida em que não te permite dar o benefício da dúvida a quem no passado longínquo e num mais recente também fez escolhas semelhantes que resultaram em pleno.

Tens toda a razão quando afirmas que Julen não tem o perfil adequado para quem, como tu ou eu, assistiu às ultimas 3 épocas de continuo desinvestimento na equipa de futebol, em oposição ao investimento na "montra de futebolistas" em que aparentemente nos tornámos.

Eu teria oferecido um bom contrato a um treinador como Tony Pulis, isto na impossibilidade de poder contratar Van Gaal ou Muricy Ramalho. Porquê? Porque precisamos de um treinador de campo e não de gabinete. Precisamos de alguém que modifique os comportamentos naturais dos jogadores diariamente nos treinos e não de caderninho na mão 5 segundos antes destes entrarem em campo.

Portanto eu não me revejo na escolha da SAD em termos do perfil desejado.

Agora Miguel, e sendo "um passo de fé", tenho que dar ao Julen Lopetegui, quer por via de não ser propriamente um completo paraquedista (ao contrario do que pareces querer fazer passar como facto), quer por via de ser escolhido por alguém com mais experiência de dirigismo de futebol do que todos nós juntos ou mesmo todos os outros dirigentes de clubes da primeira liga juntos, o benefício da dúvida.

Sem cair em extremismos, o teu texto é muito bom porque é uma chamada de atenção para sonhadores como eu, mas acaba por perder porque assumes desde já que a tragédia está consumada ainda antes do guião estar escrito.

Claro que como tu espero sinceramente que estejas enganado e que todos juntos aqui neste e noutros espaços da "Bluegosfera" possamos celebrar muitas vitórias e lamentar poucas derrotas/empates do "novo" Porto.

Abraços!

Luís Negroni disse...

Por mais argumentação ressabiada (vá-se lá saber porquê, em 12 épocas, 9 campeonatos, 4 troféus internacionais, fora a chusma de taças e supertaças, é capaz de ser pouco) que a eminência parda MLP debite, o que é FACTO é que, um rapazola que tinha como cartão de visita, observar jogos + treinar a selecção de um país minúsculo que eu e presumo que 99% dos mortais nem sequer sabiam que existia + salvar a Académica da descida de divisão por uma unha negra, conseguiu ao serviço do FCPorto a mais retumbante época de que há memória. Também deverá saber, MLP, que um rapaz que nunca tinha treinado mais que os juniores do Barcelona, fez o que fez depois ao serviço do Barcelona A, criando aquela que eu e muitos outros consideramos ser (ou ter sido) a melhor equipa de sempre do futebol mundial. Portanto, devia MLP conter-se um bocadinho, esperar pelos eventuais desaires do FCPorto de Lopetegui ( que estou certo, deixarão MLP contentíssimo, a verificarem-se) e só depois vir com o palavreado vermelhusco do costume.

PS1 Mas talvez Lopetegui, para triunfar, precise de um treinador de campo como o que teve Vilas-Boas, um tal de Vítor Pereira.

PS2 Piada da semana, quiçá do mês, talvez mesmo do ano: Sou portista fanático, disse MLP.

Luís Vieira disse...

O facto de o Lopetegui ser o segundo treinador consecutivo agenciado pelo Jorge Mendes não significa ipso facto que este impõe treinadores à SAD do FCP, que os aceita acriticamente, subjugada pelo poder ilimitado do agente milionário. A cantiga de que o Porto não tem dinheiro para investir tem barbas e todos os anos se observa compras a rodos: só no ano passado investiu-se quase 30M em 4 jogadores (Herrera, Reyes, Quintero e Ghilas). Havendo vendas vultosas, como parece que mais uma vez vai acontecer, haverá certamente reinvestimento. E permito-me discordar: o Carlos Eduardo pode bem ser um jogador útil para ganhar um campeonato, bastando haver quem o potencie. Ser campeão da Europa de sub-19 não é garantia de coisa nenhuma, mas é um dado que deve ser relevado quando se faz uma análise ao perfil/palmarés de um treinador recém-chegado, a não ser que haja uma agenda escondida...

Luís Vieira disse...

Treinadores titulados (no que respeita ao campeonato) são sempre treinadores bem sucedidos. Como é público e manifesto, não nutro grande simpatia pelo Vítor Pereira, mas considero-o um treinador bem sucedido. Por isso, estes 3 treinadores são casos de sucesso, ainda que temperado.

bruno cláudio disse...

fernando santos, o mesmo que perdeu um campeonato com o jardel? o bielsa conquistou o que e onde e porque seria uma boa escolha? a alcunha de 'el loco' provavelmente diz muita coisa. confesso que nao ficaria desgostoso de o ver no fcp, quanto muito para agitar as conferencias de imprensa ao aborrecimento pasmacento campeonato portugues.

bruno cláudio disse...

o OAutor, bem dito!

bruno cláudio disse...

nem mais deco, golo! alias, o villas boas tinha cv, selecionador das maldivas ou parecido! mas dos AA, o lopetegui como vem dos sub 21 ja tem de ser considerado um disparate! santa paciencia!

bruno cláudio disse...

espero bem que estejamos de malas aviadas do mercado sul americano!

José Rodrigues disse...

Excelente comentário!

José Lopes disse...

A partir do momento em que se qualifica a epoca do Adriaanse como fracasso por ter feito uma miseravel Liga dos Campeoes (verdade), mas nao se faz o mesmo com o Vitor Pereira que nao conseguiu a dobradinha, nao se pode esperar mais que argumentos incoerentes apaixonados pela propria inteligencia e presumindo coisas que nao se pode provar.

Marques disse...

Engole