sábado, 17 de maio de 2014

Um treinador que faz a diferença

Atlético Madrid campeão de Espanha (fonte: Maisfutebol)

17 de Maio de 2013. Final da Taça do Rei 2012/2013, entre as duas equipas de Madrid. O jogo foi disputado no Santiago Bernabéu e, também por isso, a constelação de estrelas sob a orientação técnica de José Mourinho era super favorita. Contudo, o Atlético não se deixou intimidar e, após 120 minutos, foram os jogadores superiormente comandados por Diego Simeone a vencer (2-1) e a erguer o troféu na casa do Real.

30 de Abril de 2014. 2ª mão das Meias-finais da Liga dos Campeões 2013/2014. Após um empate a zero no jogo da 1ª mão, Mourinho e Simeone voltam a encontrar-se. Apesar do jogo ser em Londres e do Chelsea precisar de ganhar, Mourinho adoptou novamente a "táctica do autocarro" e iniciou o jogo deixando no banco de suplentes Oscar, André Schürrle, Demba Ba e Samuel Eto’o. Contra a corrente do jogo, o Chelsea marcou primeiro, mas nem isso valeu aos comandados de Mourinho, porque a equipa de Simeone (a quem bastava um empate com golos), deu a volta ao resultado e venceu em pleno Stamford Bridge por categóricos 3-1.

17 de Maio de 2014. 38ª e última jornada do campeonato espanhol 2013/2014. Depois de várias vicissitudes, o FC Barcelona (2º classificado) recebia o líder Atlético Madrid no Camp Nou estando a apenas três pontos de distância e, por isso, bastava-lhe uma vitória para se sagrar bi-campeão de Espanha.
Os deuses da fortuna parecia estarem do lado da equipa catalã e, com apenas 22 minutos de jogo, já Diego Simeone tinha sido obrigado a queimar duas substituições, devido a lesões de Diego Costa e Arda Turan.
Sem praticamente nada ter feito para marcar, o Barça chegou à vantagem no marcador aos 34', através de um "remate impossível" de Alexis Sánchez.
Mas, mais uma vez, veio ao de cima a atitude competitiva, a garra, a raça, a alma deste Atlético de Simeone e os últimos 10 minutos da 1ª parte e os primeiros 15 minutos da 2ª parte foram impressionantes. Sinceramente, não me lembro de ver o Barcelona ser subjugado desta forma em pleno Camp Nou. No início da 2ª parte foi de tal maneira sufocado, que só conseguiu passar do meio campo aos 57 minutos!

O Atlético Madrid de Simeone fez hoje história no Camp Nou como, nos últimos 12 meses, já tinha feito no Santiago Bernabéu e em Stamford Bridge. Ou seja, nada disto foi sorte, nem foi por acaso.

18 anos depois, o argentino (*) Diego Simeone voltou a conquistar a Liga espanhola para o Atlético Madrid, clube que, 40 anos depois, volta a estar na final da principal competição europeia de clubes.

E Diego Simeone fez tudo isto tendo à sua disposição um plantel sem vedetas (não me consta que se tenha queixado de egos ou super-egos...), tendo ficado sem o seu jogador de referência – Radamel Falcao – transferido para o AS Monaco no Verão passado, o qual foi “substituído”, na missão de marcar golos, por um ex-jogador do SC Braga – Diego Costa – e com um plantel que inclui vários jogadores – Courtois (emprestado pelo Chelsea), Tiago (ex-Chelsea) e David Villa (ex-Barcelona) – que foram descartados por clubes que o Atlético Madrid derrotou ao longo da época.

A transformação do “Patético de Madrid” (um clube em pré-falência) numa das melhores equipas da Europa é obra de Diego Simeone e vem, mais uma vez, mostrar a importância decisiva de se escolher um treinador que, dentro de um determinado modelo de jogo, saiba potenciar as características dos jogadores que são colocados à sua disposição.

Não sei se este estrondoso sucesso será replicável noutros clubes, com outra cultura clubística, mas em Madrid, ao serviço dos colchoneros e com estes jogadores, Diego Simeone construiu uma EQUIPA com uma atitude e garra impressionantes e fez a diferença. E que diferença!


Os aplausos dos adeptos [do Barcelona] coroaram um ano de campeonato grandioso de uma equipa [o Atlético Madrid] que sabe quais são os seus defeitos, que conhece as suas virtudes e que nunca deixou de lutar
Diego Simeone, no final do FC Barcelona x Atlético Madrid


(*) Os três primeiros classificados do campeonato espanhol 2013/2014 - Atlético Madrid, FC Barcelona e Real Madrid - tinham treinadores estrangeiros (dois argentinos e um italiano).

41 comentários:

Jorge Vassalo disse...

Ver Lopetegui a assistir ao Hoquei, para mim, foi um sinal muito muito bom!

Pedro disse...

A exibição de hoje do Atlético é também a prova que a garra e entrega ao jogo é 50% do necessário para ter uma equipa de sucesso. Mas essa garra e entrega tem de partir do treinador.... Parabens a Simeone, titulo justissimo.

Luís Vieira disse...

Sem tirar, nem pôr. Justíssimo e uma machadada bem desferida no duopólio fastidioso que durava há 10 longos anos (o último campeão outsider foi o Valência em 2003/2004).

RS disse...

Quando vejo este Atlético jogar só me ocorre ao pensamento o FCP do Mourinho.

Nuno de Campos disse...

É interessante verificar as múltiplas vezes que Porto e Atlético se cruzaram nos últimos anos, e as trajetórias opostas dos resultados recentes dos dois clubes.

O nosso clube eliminou o Atlético na última vez que passou aos oitavos de final da Liga dos Campeões. Foi em 2008-2009, com dois empates; 2-2 em Madrid, 0-0 em casa. No ano seguinte eliminou o Atlético na fase de grupos com duas vitórias; 3-0 em casa e 0-2 fora. O Atlético com Quique Flores acabaria por ganhar a Liga Europa. Em 2010 - 2011, ambos na Liga Europa, foi a vez do nosso clube ganhar. O Atlético não chegou à fase a eliminar, batido por Leverkusen e Aris. Foi despedido Quique Flores. Gregorio Manzano foi o substituto, mas só durou até Dezembro de 2011, sendo o novo treinador Diego Simeone. Trocar de treinador a meio da época pode ser muito bom, desde que seja o treinador certo.

O Atlético viria a ganhar novamente a Lige Europa em 2012 com Simeone e Falcao, vindo do nosso clube, invertendo-se a tendência descendente que marcava o clube desde 2010. Em 2012-2013, Simeone levo o Atlético a vitórias na Supertaça Europeia e Taça del Rei, chegando ao Campeonato espanhol e à final da Liga dos Campeões este ano, eliminando o Porto (na fase de grupos com duas vitórias), Chelsea e Barcelona.

Ficou aqui muito claro que as trajetórias dos dois clubes se inverteram. O Atlético melhorando de época para época com Simeone. O Porto tem vindo a ter campanhas europeias cada vez piores desde 2009, não atingindo os quartos de final da LC desde a derrota com o Manchester no Dragão. Essa eliminatória jogamos dois jogos muito equilibrados com o campeão Inglês, fomos melhores em Old Trafford e só fomos eliminados por um erro de Bruno Alves e um lance genial de Ronaldo. Desde esse jogo nunca mais se viu o nosso clube competir de igual para igual com um dos grandes da Europa.

Deve-se este declínio fundamentalmente à gradual delapidação do plantel, cada vez mais impossível de esconder e superar sem continuidade de um treinador muito acima da média. O Atlético também teve que vender Falcao.

José Correia disse...

Eu também vejo semelhanças entre o FC Porto de Mourinho e este Atlético de Simeone, não só na atitude em campo, mas também na lógica de construção destas duas equipas.

E essa é uma das razoes para eu simpatizar com este Atlético de Simeone.

meirelesportuense disse...

Não sou muito adepto do futebol do Atlético de Madrid embora goste da entrega total das equipas nos seus jogos, considero no entanto que este Atlético exagera no "empenho" que coloca em jogo e os árbitros fecham bastante os olhos a esse tipo de futebol intimidativo.Não fora esssa indiferença creio que o Atlético não iria ser Campeão. Ainda ontem assim sucedeu, embora o Barcelona actual esteja muito em baixo e fragilizado pela perda de jogadores nucleares em boa parte do seu percurso no Campeonato.
Por isso, penso que necessita de jogadores superiores para equilibrar o seu plantel, especialmente na defesa no seu eixo central -Piqué e Mascherano são manifestamente insuficientes- e na baliza Pinto está muitos furos abaixo de Victor Valdés.
Para além de não ter um verdadeiro ponta-de-lança no plantel -pelo menos que eu conheça- também necessita de alguém que cumpra à altura na ausência de Sérgio Busquets.

José Correia disse...

"...considero no entanto que este Atlético exagera no "empenho" que coloca em jogo e os árbitros fecham bastante os olhos a esse tipo de futebol intimidativo"

Não concordo.
Aliás, neste último FC Barcelona x Atlético Madrid, à 3ª falta os jogadores do Atlético já tinham visto dois cartões amarelos.

A pressão deste Atlético do Simeone é muitíssimo mais uma pressão táctica (bem feita) do que um jogo violento/intimidatório.

DC disse...

A grande diferença fez o tata martino. 90pc da vitória do atlético é demérito dele. O atlético tem muita vontade, muita entrega mas é praticamente só isso. Quando se diz que o Barcelona marca sem saber bem como, tem que se dizer que o atlético só rematou de bola parada.
Mas é um castigo justo ao Barcelona pela péssima escolha de treinador.
Agora não queiram transformar o atlético no que não é. Ganhou o campeonato como o Boavista o ganhou. Aproveitando os deslizes dos rivais e batendo em tudo o que mexe até chegar à baliza. Até no dragao este ano se viu que não têm grande futebol, não fosse o idiota do treinador e tínhamos ganho de forma mais ou menos tranquila.

José Correia disse...

«A grande diferença fez o tata martino. 90pc da vitória do atlético é demérito dele. O atlético tem muita vontade, muita entrega mas é praticamente só isso.»

Nos últimos 12 meses, para além dos três jogos históricos que eu refiro no artigo – disputados no Santiago Bernabéu, Stamford Bridge e Camp Nou (tudo estádios onde é facílimo ganhar…) – o Atlético também foi ganhar a San Siro (e na 2ª mão goleou o AC Milan em Madrid).

Nos 12 jogos disputados na Liga dos Campeões até à Final de Lisboa, que vai disputar no próximo Sábado, o Atlético tem 9 vitórias, 3 empates e 0 derrotas, 25 golos marcados e apenas 6 sofridos!

Como é bom de ver, este Atlético é praticamente só vontade e entrega…

José Correia disse...

«Quando se diz que o Barcelona marca sem saber bem como, tem que se dizer que o atlético só rematou de bola parada.»

O DC viu o jogo?
Viu a bola rematada por David Villa ao poste, no início da 2ª parte?
Viu que aos 20 minutos, o Atlético já tinha ficado sem dois jogadores cruciais – Diego Costa e Arda Turan – para as movimentações ofensivas da equipa?

José Correia disse...

«Agora não queiram transformar o atlético no que não é. Ganhou o campeonato como o Boavista o ganhou. Aproveitando os deslizes dos rivais e batendo em tudo o que mexe até chegar à baliza.»

Caro DC, colocar este Atlético de Simeone ao mesmo nível do Boavista de Jaime Pacheco é um dos maiores disparates que li, nos últimos tempos, em comentários no RP.
Sinceramente, nem parece escrito por si.

DC disse...

Cruciais é um ponto de vista. Eu acho que tanto um como outro foram mais que bem substituídos. Do outro lado havia muito mais baixas e bem mais cruciais que essas, a começar pelo guarda-redes.

José, é disparate porquê? quer discutir o modelo de jogo do Simeone. Quer discutir o processo ofensivo? Se quiser discutimos, mas tem que argumentar. Chamar só de disparate é que é bastante pobre para o que o José costuma comentar.

É mentira que o Atlético tem um processo ofensivo medíocre? É mentira que no jogo com o Barcelona usaram e abusaram do chutão para a frente sem qualquer critério? É mentira que várias vezes perto da área atiravam um balão para o ar sem sequer olhar para a área para depois tentar ganhar um ressalto?

Eu sei que é sempre bonito apoiar os "pequeninos" e que toda a gente está contagiada pela simpatia pelo que eles andam a fazer contra equipas milionárias, mas não é por isso que ofensivamente deixam de ser paupérrimos. E se alguém tiver dúvidas sobre isso é uma questão de rever o Atlético-Chelsea, por exemplo, e ver como o processo ofensivo deles é banal.

O facto do Barcelona ser ainda pior não faz com que este Atlético passe a ser muito bom.

Nuno Fonseca disse...

Este comentário foi completamente ao lado DC. Aliás como o José Correia mostrou e bem. É um comentário típico de quem nunca ou quase nunca viu um jogo do atletico de Madrid e tem ideia superficial do que se passa. O Atletico joga bem à bola, bom futebol mesmo. A ajudar há o facto que os jogadores morrem em campo se for preciso.
Talvez tenha sido campeão e chegado à final da champions porque muitos não os levaram a sério como o DC. Mas ninguém lhes tira o mérito.
A ser comparado com alguma equipa portuguesa seria com os guerreiros do Braga de Domingos por exemplo, com as devidas distâncias obviamente.

DC disse...

E se tiver dúvidas sobre o que eu disse, o Atlético tem 3 remates à baliza neste jogo, 2 deles de canto e o tal que falou do Villa. Tem um acerto de passe de 66% e uma posse de bola de 36%.
Defende muito, corre muito, luta muito e tem uma organização defensiva razoável. Além disso, é manifestamente pobre.
Quanto à Champions, o Milan é uma equipa banal actualmente (fora das competições europeias), o Chelsea é uma versão semelhante ao Atlético mas ainda mais pobre ofensivamente e o Barcelona teve o pior treinador da sua história.
O Porto de Paulo Fonseca esmagou na 1a parte contra o Atlético e depois recuou as linhas, porque o treinador quis. Depois em Madrid falhou um penalti e sofreu um golo do Raul Garcia que, se o do Alexis é remate impossível então esse não sei o que é.

Eu não baseio a minha opinião sobre as equipas com base, apenas, nos resultados. Como tal, este atlético a mim não me impressiona. Digo que é um justo vencedor do campeonato espanhol porque o Barça é uma equipa incapaz de vencer um Getafe ou de marcar um golo ao Elche e o Real é incapaz de vencer um Valladolid ou Chelsea. Como tal, merecem perder o campeonato. Tal como Porto, 5LB e Sporting mereciam nos tempos do Boavista.

Simeone é bem melhor que Pacheco, o Atlético é melhor organizado que o Boavista, agora os atributos que são valorizados neste Atlético o Boavista tinha-os todos também. Tal como teve o Real do Mourinho no ano dos 100 pontos (fazendo muito mais ofensivamente que este Atlético). Mas equipas montadas em princípios de raça, entrega, disponibilidade física, têm um prazo de validade curto.

Nuno Fonseca disse...

Então não é o Atletico que joga bem. é o barcelona que joga mal. ganhou no dragão por culpa do Porto. O Milan perdeu porque éo Milan que joga mal. O chelsea este ano é pobre. O Real também esteve mal este ano. Este ano foi incrível, as equipas da europa jogaram todas mal. Que sorte a do atletico.
Se analisa a posse de bola e oportunidades de uma equipa que no inicio da primeira parte fica sem os dois melhores jogadores do ataque, tem que fazer uma comparação com o que fizeram outras equipas em camp nou....

DC disse...

"É um comentário típico de quem nunca ou quase nunca viu um jogo do atletico de Madrid"

Desconfio sinceramente que vi bem mais jogos deles esta época do que o Nuno. O campeonato espanhol é o que mais vejo.

"A ser comparado com alguma equipa portuguesa seria com os guerreiros do Braga de Domingos por exemplo."

O facto de dizer isto só confirma o meu ponto de vista. Não fosse óbvio que o Domingos é um treinador pouco mais que banal e que essa época surgiu graças a muita entrega, muita vontade e pouco mais. Mas o Atlético até é mais organizado defensivamente que esse Braga. Mas ofensivamente eram os dois banais. Muita bola parada, muito chuto para a frente e pouco mais.

DC disse...

Quando disse Chelsea queria dizer Celta de Vigo.

DC disse...

Neste jogo à 3a tinham amarelo (e o Piqué teve logo na 1a). Mas no jogo da Champions no Camp Nou o Gabi podia e devia ter sido expulso duas ou três vezes e não foi.

José Correia disse...

«Cruciais é um ponto de vista. Eu acho que tanto um como outro foram mais que bem substituídos.»

Há uma óbvia e enorme diferença (de qualidade e intensidade de jogo) entre o Diego Costa e o Adrián López.
E o Raúl García é um jogador de características muito diferentes das do Arda Turan.

O DC menospreza o facto do Atlético ter ficado sem o Diego Costa e o Arda Turan logo nos minutos iniciais do jogo mas, para não ir mais longe, recomendo-lhe que reveja o Chelsea x Atlético Madrid e perceberá a importância destes dois jogadores nas movimentações ofensivas do Atlético.

José Correia disse...

“É mentira que o Atlético tem um processo ofensivo medíocre?”

Sim, na minha opinião é mentira.
Uma equipa com um processo ofensivo medíocre não marcaria 25 golos em 12 jogos da Liga dos Campeões, nem marcaria 77 golos em 38 jogos da Liga Espanhola.

O Real e o Barça marcam mais?
Naturalmente, mas o Simeone não tem à sua disposição jogadores como Ronaldo ou Messi, já para não falar em “mancos” como Neymar, Alexis Sánchez, Pedro Rodríguez, Karim Benzema, Di Maria ou Bale.

José Correia disse...

«É mentira que no jogo com o Barcelona usaram e abusaram do chutão para a frente sem qualquer critério?»

Tirando os últimos minutos, sim, é mentira.


«É mentira que várias vezes perto da área atiravam um balão para o ar sem sequer olhar para a área para depois tentar ganhar um ressalto?»

Sim, é mentira.
Após o Alexis Sánchez ter marcado, o que eu vi foi um Atlético a encostar o Barça às cordas em pleno Camp Nou, durante 25 minutos (os 10 minutos finais da 1ª parte e os 15 primeiros da 2ª parte), ao ponto dos jogadores do Barcelona nem sequer conseguirem passar do meio campo.
E isto, obviamente, não se consegue com chutões para a frente, nem com balões para o ar.

Sinceramente, ao ler este tipo de afirmações, custa-me a crer que o DC tenha visto este FC Barcelona x Atlético Madrid.

DC disse...

O Real não esteve necessariamente mal. Mas é uma equipa preparada para jogar em contra-ataque e tem dificuldades contra equipas em bloco baixo. Foi mortífero contra o Bayern e incapaz contra o Valladolid. Sintomático.

E tem alguma dúvida que este ano foi dos anos mais nivelados por baixo ao nível da competência dos treinadores e das equipas?
Barça miserável tanto na planificação do plantel como no treinador;
Bayern em transição e com muito problema de balneário;
Dortmund com a maior onde de lesões da sua história recente;
Milan, Juve e restantes equipas italianas miseráveis (ao nível dum 5LB);
Chelsea com o 1º ano a seco do Mourinho;

Não analiso a posse de bola, não é preciso posse para atacar de forma organizada. O Real sem posse esmagou o Bayern porque tem contra-ataques trabalhados e mortíferos. Analiso o que é a organização da equipa ofensivamente. E este Atlético é péssimo nisso. É bola para o ar e seja o que Deus quiser ou o Diego Costa consiga arranjar depois de empurrar os centrais.

José Correia disse...

Segundo o DC, o Atlético Madrid “defende muito, corre muito, luta muito e tem uma organização defensiva razoável” e, em termos ofensivos, são uma equipa “paupérrima”.

Assim sendo, como é que uma equipa destas consegue ganhar o campeonato espanhol e chegar à Final da Liga dos Campeões (com 9 vitórias, 3 empates e 0 derrotas)?

Bem, a explicação do DC é simples: as outras equipas, que o Atlético teve de superar ao longo desta época, quer na Liga dos Campeões, quer na Liga espanhola são, basicamente, todas uma merda. Ponto.

Perante este tipo de raciocínio, acho que não vale a pena argumentar mais.

Nuno Fonseca disse...

Este é o raciocínio que já ouvi muitos benfiquistas em 2004 sobre a conquista da champions. Acho que isto diz tudo.

DC disse...

"Após o Alexis Sánchez ter marcado, o que eu vi foi um Atlético a encostar o Barça às cordas em pleno Camp Nou, durante 25 minutos (os 10 minutos finais da 1ª parte e os 15 primeiros da 2ª parte), ao ponto dos jogadores do Barcelona nem sequer conseguirem passar do meio campo.
E isto, obviamente, não se consegue com chutões para a frente, nem com balões para o ar."

José, estamos a falar de alhos e responde-me com bugalhos? O que é que uma coisa tem a ver com a outra? O Atlético ter pressionado alto e o Barça ser incompetente na resposta à pressão alta tem alguma coisa a ver com a forma como o Atlético tentou chegar à área?
Mas há alguma dúvida que o Atlético vive de segundas bolas? Que é tentativa-segunda bola, tentativa-segunda bola? São muito, muito melhores que o Barça nessas segundas bolas, daí terem conseguido durante alguns minutos manter o Barça atrás.
Agora, o José diz que é mentira, enfim... Eu podia sacar o jogo, rever, e apontar o número de cruzamentos para a área sem que a jogada fosse trabalhada, mas sinceramente não preciso nem me apetece. Já estou habituado a ouvir as euforias do momento em relação a este tipo de equipas. Já ouvi isto do Inter, do Chelsea, etc...
E o facto do José já estar a extremar posições e tentar colocar palavras na minha boca é outro dos sinais a que já estou habituado. Até agora só o li a dizer que não ao que eu disse e a subverter muito do que eu disse. Quanto ao processo ofensivo limitou-se a dizer que o Barça esteve 12 minutos até passar o meio-campo. Como se isso não tivesse acontecido contra o Getafe ou o Celta de Vigo, também em jogos em casa. Mas essas equipas também devem ter um processo ofensivo fabuloso, certamente.

DC disse...

E, José, falar de números para justificar o processo é um tipo de discussão que eu rejeito. Para isso, tinha alinhado com os que diziam que o PF era bom porque teve 10 vitórias seguidas a marcar mais golos que VP no mesmo período. Eu rejeitei essa discussão na altura e rejeito-a agora da mesma forma.

Hugo disse...

Nao vale a pena discutir com os tiki takas. Fraquissimo este Atletico

DC disse...

Nuno o facto de termos ganho a champions contra deportivo ou Mónaco não nos tira mérito. Mas só um louco pode afirmar que essa champions foi nivelada por cima. Não é a mesma coisa ganhar uma champions contra o Barcelona de guardiola ou o primeiro chelsea de Mourinho ou ganhar contra o Barcelona de tata e o Milan de seedorf ou é?

Nuno Fonseca disse...

Os melhores no seu tempo são os melhores no seu tempo. ponto final. São igualmente estúpidos esses argumentos que uma equipa só venceu porque os adversários não estiveram à altura. Os tempos não podem ser comparados, da mesma forma que não se pode comparar Eusébio com Figo ou Ronaldo.
Mas acho curioso que seja desvalorizada a campanha do atletico de madrid com o argumento que os adversários estão mais fracos.
Não esquecer que estamos num ano em que há um número d super equipas como nunca houve, construídas como se se tivesse a jogar Football Manager com orçamento ilimitado. Falo de Chelsea, PSG, Real Madrid, Bayern Munich, Man utd, Man city. Há ainda equipas como Barcelona, B. Dortmund, Arsenal que não são equipas fracas.
Numa era como estas, você ainda acha que um Atletico de Madrid com Tiagos e diegos costas não é aquilo querem fazer dela porque os outros é que estão abaixo do potencial??

DC disse...

Os tempos podem ser comparados sim. Eu comparo perfeitamente o Porto de Jesualdo com o Porto de VP ou o de Fernando Santos. E o facto dos 3 terem sido campeões não os torna igualmente bons.
Da mesma forma que Trapattoni não é igual a JJ ou Paulo Bento ficando em 2º não é igual a Leonardo Jardim também em 2º.

E sim, acho que praticamente todas essas equipas que referiu estão muito abaixo do potencial. Com excepção talvez do Real Madrid. Olhe só um pequeno facto: TODAS essas equipas que citou no 1º grupo têm um treinador na sua primeira época. Faz alguma diferença, se acreditar por exemplo no que tem dito Mourinho ou Guardiola.

Quanto ao Atlético, repito que tem algumas coisas boas. O que critico essencialmente é o processo ofensivo. Mas se o Nuno gosta, tudo bem. Eu não me satisfaço com tão pouco.
E no futuro veremos onde fica o Atlético e o que ficará Simeone. Veremos a quem o tempo dará razão. Já vi um treinador e uma equipa banal do Chelsea a ganhar a Champions, já vi um treinador meramente razoável a chegar à final da Champions com o Mónaco, já vi Benitez a ganhar duas Uefas, uma Champions e um campeonato espanhol e acho-o um treinador medíocre, já vi Heinckess ganhar a Champions, levar 7 do Celta e voltar a ganhar a Champions, portanto não são os troféus ou as vitórias, por si só, que me levam a tecer opinião sobre um treinador.

Nuno Fonseca disse...

Aguns factos:
->Guardiola no seu primeiro ano foi campeão em Março.
->O Man city também foi campeão com novo treinador.
->PSG também foi campeão com novo treinador.
->Mourinho já esteve no chelsea anteriormente.
->Benitez foi campeão em Espanha pelo Valencia (talvez por isso p ache mediocre, conquistou um campeonato com um outsider em Espanha tal como Simeone. Fora isso, presumo que ache todos esses titulos que ele tem que são um mero acaso)

Pra finalizar:
Voce pode comparar o desempenho de treinadores e jogadores em anos diferentes. Mas não pode por exemplo dizer que o porto de 2004 não venceria a champions este ano. Nunca se saberá, por isso é que digo que não dá pra comparar. Eu acredito que sim, que o Porto venceria na mesma. E não acho descabido dizer que este atletico tb poderia vencer o bayern do ano passado ou o barcelona de guardiola ou o antigo chelsea de mourinho. por isso não compro esse argumento.

provocação final:
Se o Atletico para o ano falhar eu posso dizer que perdeu porque os outros é que estavam muito fortes?

DC disse...

Lá está, para o Nuno o facto de terem sido campeões diz-lhe muito. Eu digo-lhe que uma equipa de Guardiola levar a coça que levou do Real é sinal que está muita coisa por trabalhar, digo-lhe que o City foi banalizado por um Barça miserável portanto tem que melhorar muito, digo-lhe que o PSG continua a não conseguir fazer algo de relevante na Europa apesar do super plantel e digo-lhe que acho o Benitez mau treinador, ganhe ele o que ganhar.

Não posso dizer que o Porto de 2004 não vencia a Champions como não posso dizer se o Arouca a ganhava se lá fosse. Mas posso falar dos modelos de jogo, da qualidade dos jogadores e do treinador.

Quanto ao Atlético perder por os outros serem mais fortes, pode dizer claro. Aliás, não é preciso muito para dizer isso, basta que o campeonato volte à sua "normalidade" já que este foi o campeão com menos pontos nos últimos 6 anos.

David Duarte disse...

Nem tanto ao mar nem tanto à terra! Parece-me claro que o Atl. Madrid não tem a criatividade ofensiva dos seus dois concurrentes directos, mas também, quantas equipas no mundo podem ser comparadas ao Barcelona e ao Real Madrid, cada uma no seu estilo, nesse aspecto?

Agora, a questão é que, claramente, a menos criatividade do Atl. Madrid não pode ser apontada como fraqueza até porque ela é voluntària. O jogador que é possivelmente o mais criativo do plantel não é titular (Diego). Penso que tal facto é sintomàtico do estilo do Atl. Madrid.

Também vi muitos jogos do Atl. Madrid e se, por um lado, é impossivel ficar indiferente à entrega e solidariedade da equipa (penso que é a melhor "equipa" europeia do momento), a verdade é que muitas vezes me deparei com jogos onde ofensivamente via balões para à frente com um "morto de fome" no ataque a lutar contra o mundo. Estou a caricaturar, verdade, mas foi a impressão que me ficou de uma boa parte dos jogos.

David Duarte disse...

"Você pode comparar o desempenho de treinadores e jogadores em anos diferentes. Mas não pode por exemplo dizer que o porto de 2004 não venceria a champions este ano. Nunca se saberá,"

trocando apenas uma ou duas palavras mas mantendo a mesma logica do Nuno :

"Você pode comparar o desempenho de treinadores e jogadores em anos diferentes. Mas não pode por exemplo dizer que o Benfica de 2005 não venceria o campeonato em 2011"

José Correia disse...

"Neste jogo à 3a tinham amarelo (e o Piqué teve logo na 1a)"

Não misturemos alhos com bugalhos.

À 3ª falta de jogadores do Atlético, já dois tinham sido amarelados (ambos na 1ª falta que cometeram).

Ou seja, não é verdade que os árbitros, por sistema, fechem os olhos a "esse tipo de futebol intimidatório".

José Correia disse...

Atlético de Madrid: isto é uma verdadeira equipa
São operários mas também têm classe

«O Barcelona-Atlético de Madrid da última jornada da Liga espanhola decidia o campeão. (...) Quem levou a melhor foi o Atlético.

Um feito que poucos apostariam (e quem o fez ganhou muito dinheiro) perante os colossos Barcelona e Real Madrid. Mas venceu porque foi melhor, consistente e uma verdadeira equipa.

Simeone foi o mestre de uma equipa que demonstrou o que é realmente uma equipa, na verdadeira acepção da palavra. São operários mas também têm classe. Pressionam alto mas também baixam e fecham os caminhos da sua baliza quando têm de o fazer. Gostam de ter a bola e marcar o ritmo mas não têm problemas em chutar para cima quando é preciso. Assumiram desde o início o seu jogo e foram fiéis até ao fim.

Intensidade, agressividade na conquista da bola e uma luta constante foram as imagens de marca desde a chegada de Simeone. Este ano foram excepcionais. Junta-se a isto a qualidade individual e colectiva que apresentaram e demonstraram que foram os melhores.

O último jogo em Barcelona revelou isto mesmo. Apesar de estar a perder ao intervalo por um golo, voltou com uma força tremenda e sufocou o Barcelona até marcar e empatar o jogo. Imagino as palavras de Simeone ao intervalo. Injecção de moral, de confiança e de acreditar que só faltam 45 minutos para fazer história. O resto foi o que vimos. E o que dizer dos aplausos dos adeptos do Barcelona no final saudando os novos campeões?
Extraordinário. Merecem aplausos.»

Pedro Barbosa
in Maisfutebol, 20-05-2014

DC disse...

A si e a mim David e o jogo de sábado foi um deles.

Nuno Fonseca disse...

David Duarte, qual é a conclusão que quer chegar com esse comentário? ou é só "boca pra barulho"? Parece evidente que a equipa de AVB de 2011 é mto superior a essa do benfica. Mas o meu ponto é que se esse benfica jogasse em 2011 não faria o mesmo campeonato, se calhar até fazia mais pontos. O meu ponto é: o mérito de uma equipa campeã ou que faça uma boa campanha numa prova é sempre superior ao demérito que possam ter os adversários. Ou você e o DC também se revêm na "narrativa" dos benfiquistas que o porto só ganhou a champions porque era o monaco e o corunha e também se revêm na "narrativa" de alguns portistas que diziam que VP só venceu dois campeonatos porque o benfica permitiu??

Ser campeão não é tudo DC. Mas ponha todas as "inexperiências" dos treinadores dos tubarões num lado da balança juntamente com o seu plantel e ponha no outro lado a experiencia do Simeone com o seu plantel. Mesmo assim não teve um mérito enorme? Teve. O futebol não era bonito? Pra mim era, houve jogos que dava mesmo gosto ver este atletico jogar porque fazia lembrar de facto o porto de 2004. Misturava garra com classe, com jogadores de 2ª linha. e isso, para mim, é o ponto mais alto onde um treinador pode chegar.

DC disse...

Eu não me revejo nessa narrativa porque o Porto nesse ano eliminou um Man Utd e um Lyon fortíssimo e tanto o Corunha como o Mónaco estavam muito bem.
Mas também não acho que esse Porto fosse superior ao Barça de Pep ou ao Chelsea do Mourinho em 2006. Se podia ganhar-lhes? Isso podia, cada jogo é um jogo. Agora que depois desse período apareceram alguns super jogadores e super treinadores, acho que isso é inegável.

Quanto ao Atlético, teve mérito sim. Nem que seja o de aproveitar o desperdício dos outros (se o Barça tivesse ganho o que iam dizer do facto do Atlético não ter conseguido vencer Levante e Málaga em casa, desperdiçando a hipótese de ser campeão antes de ir a Camp Nou?). Agora todo o mérito é relativo.

E só para que não pense que estou a desvalorizar a Champions do Porto digo-lhe que acho o Porto de 2004 muito superior a este Atlético. Muito mais classe, muito mais toque de bola, muito mais trabalho no processo ofensivo. A exibição que o Porto fez em 2003 com a Lazio é algo que este Atlético nunca poderá almejar com um processo ofensivo tão rudimentar.

David Duarte disse...

Nuno, eu sou benfiquista. E não, o meu comentàrio não tem como objectivo desvalorizar a vitoria do Porto em 2004. Até porque, nessa ordem de ideias, teria que desvalorizar a caminhada do Benfica em 88 (apenas encontrou o St. Bucareste como adversàrio dificil até à final) ou mesmo de 90 (onde apenas encontrou o Marselha).

Não entro nessa logica.O meu ponto é o seguinte. comparações fazem-se sempre. Umas mais objectivas que outras. Contudo essas comparações não retiram em nada o mérito de uma vitoria em particular. Sou da opinião que o Porto de 2004 dificilmente seria campeão europeu em 2013 ou se tivesse pela frente o Barcelona de Guardiola. Mas isto vale o que vale porque o que é um facto é que o Bayern foi a melhor equipa europeia em 2013 (não em 2014 ou 2012, mas em 2013) tal como o Porto foi a melhor equipa europeia em 2004 (não em 2014 ou 2013).