domingo, 29 de junho de 2014

O bom e o mau negócio

Em Maio de 2013, após o FC Porto ter vendido, por um total de 70 milhões de euros, os passes de João Moutinho (25 milhões) e James Rodriguez (45 milhões), um idiota, de voz rouca, fez as seguintes afirmações:

Tivemos [Sporting] o azar do presidente Pinto da Costa não estar a conseguir fazer os negócios que tem feito. Ele sempre disse que os jogadores eram vendidos pela cláusula e sabemos que a [transferência] do João Moutinho era de 40 milhões, infelizmente não foi assim, foi por 25 milhões (…) às vezes as pessoas não vão tendo as mesmas capacidades e as mesmas competências

Normalmente, o FC Porto vende os jogadores pela cláusula de rescisão. Não aconteceu com o João Moutinho, o que é muito mau. Foi um grande negócio, o do James Rodrigues, um mau negócio do João Moutinho

O JOGO, 25-05-2013

Um ano depois, vendo o que foi o desempenho destes dois ex-jogadores do FC Porto na liga francesa e, principalmente, nos jogos que ambos disputaram no Mundial do Brasil, não é credível que houvesse algum clube disposto a pagar 25 milhões de euros pelo passe de Moutinho. Pelo contrário, no caso do James, se Dimitry Rybolovlev quisesse, estou certo que não teria qualquer dificuldade em vender o melhor jogador do Mundial (até agora) por 45, 50 milhões ou mais.

Afinal, qual foi o bom e o mau negócio?

P.S. Com um Radamel Falcao a 100%, até onde iria esta seleção da Colômbia?

10 comentários:

RS disse...

"P.S. Com um Radamel Falcao a 100%, até onde iria esta seleção da Colômbia?"

Eu prefiro ver a questão ao contrário. Mesmo sem Radamel Falcão quem vai parar esta seleção da Colômbia?

reine margot disse...

O burro já se sabe ao que vinha... mas, infelizmente dentro dos nossos adeptos também havia - espero que já não haja - muitos que acham sempre que é só negociata, e que ninguém vê as pérolas portuguesas e enfia barretes nestes jogadores... agora no mundial são os verdadeiramente bons jogadores que sobressaem (os que sabem jogar numa equipe e para o todo e ainda sobressair) e a malta que andou a chorar por termos um plantel de merda, ou por termos vendido este e aquele... incrível é ver o Hulk, o James ,o Jackson, o Herrera,( e, até o Palito e o Cebola) a serem referencias... não sei quem são os olheiros, mas são magníficos !

Quid Pro Quo disse...

A mim, o que me causa um certo pudor... é verificar que mesmo depois de saberem o que se passou com o Vale e Azevedo nada, nada tenham aprendido.


Quid Pro Quo disse...

Por falar em bons negócios, alguém me elucide por quantos milhões é que o Sport do Campo Pequeno vendeu o Ponta de lança titular da Selecção de Portugal?! E o João Pereira?! E o Miguel Lopes?! Tudo bons negócios...

Nuno Fonseca disse...

Agora é fácil falar. A verdade é que acredito que não haja um portista que, podendo regressar a agosto de 2013 e escolher entre james e moutinho para se manter no plantel, não há um que não escolhesse moutinho.
De qalquer das formas, tendo em conta a idade de um e de outro, acredito que o próprio monaco tenha avaliado assim os jogadores. Acho que nem foi necessário um ajuste para dar menos dinheiro ao sporting, ele aconteceu naturalmente.
Este mundial está a ser agridoce para um portista ao ver portistas e futuros portistas a dar cartas (ainda hoje o futuro GR defendeu penalty decisivo), mas ao mesmo tempo ex-portistas trazem-nos aquela nostalgia e a pena de termos de os ver sair.

PS do PS: sem dúvida, com Falcao a Colombia seria íncrivel. Mas Portugal também teve meio Ronaldo, Ribery não jogou, Suarez ferrou um gajo... O que interessa é que sem Falcao se souberam superar e manter-se fortes.

Luís Vieira disse...

Na minha opinião, foram ambos bons negócios. O Moutinho saiu por um preço justo, embora no limite do aceitável. O James saiu muito valorizado, na altura não valeria mais do que 35M. Não obstante, não faço sentenças sobre a valia dos jogadores tendo em conta apenas esta época, uma vez que o Moutinho já mostrou muito mais do que o James a nível de clubes (o que é natural, atendendo à idade). Agora, o que é certo é que o James fez uma época muito boa e está a fazer um extraordinário Mundial, cotando-se como um dos melhores jogadores da prova, senão o melhor. Aos 22 anos, o potencial é tremendo e, a continuar assim, pode chegar ao nível dos melhores do Mundo. O que deixa um amargo de boca aos portistas, uma vez que, à semelhança do Anderson (por outros motivos, é certo), o James não foi capaz de manter uma constância exibicional enquanto cá esteve. Vicissitudes de um processo de crescimento, durante o qual o Porto recebe jogadores recém-formados e transforma-os em craques.

DC disse...

Sem dúvida que temos olheiros magníficos. O que custa é pensar o que poderia ser o Porto se conseguisse manter os jogadores nem que fosse 5 épocas apenas no plantel.
Uma equipa com Danilo, Alex, Nico, Mangala, Fernando, Moutinho, James, Hulk, Falcao devidamente entrusados e potenciados (com 3, 4 épocas a jogar juntos), com um treinador que não PF obviamente, poderia lutar por tudo!

É essa a mágoa que tenho, ver tanto jogador fabuloso a passar por aqui e a seguir para outro lado sem sequer dar tempo praticamente de comprar uma camisola dele.

Luís Vieira disse...

Se não estivéssemos na cauda da Europa, isso seria possível, como acontece nos grandes clubes das melhores ligas europeias (por isso é que ganham mais vezes os troféus importantes). Atente-se no exemplo do Benfica, esta época: fez um esforço financeiro tremendo para manter os seus melhores jogadores (e estamos a falar de um espaço de apenas dois anos), findo o qual, se está a desfazer (por não ter outra hipótese) desses mesmos jogadores (Matic, Rodrigo, André Gomes, Siqueira e Garay, a que acrescerão, quiçá, Enzo Pérez, Gaitán, Oblak, Markovic, etc.).

DC disse...

Não concordo. Por exemplo o investimento em Reyes permitia perfeitamente manter Otamendi. E como esse houve muitos.
Não digo que não seja preciso vender, mas com outro tipo de gestão seria perfeitamente possível vender muito menos. Bastava não haver tanta comissão e tanta partilha de passes.
E acredito que uma política que mantivesse os jogadores mais tempo no clube também contribuíria para aumentar as receitas de bilheteira e merchandising.

Luís Vieira disse...

O investimento no Reyes foi feito para antecipar a saída inesperada do Mangala ou do Otamendi, no final da época passada (caso aparecesse algum tubarão, lá está). Pareceu-me um investimento desnecessário e exorbitante, até porque havia o Maicon, mas a política de recrutamento precoce para prever a saída de jogadores importantes está certa. A este propósito, é bom recordar as dificuldades sentidas após a saída do Falcão e do Hulk, por não haver substitutos. Por outro lado, as transferências têm sido mais ou menos inevitáveis, até pelos valores elevados envolvidos. Também eu gostaria de manter a equipa que o DC descreveu durante alguns anos, mas, atendendo à conjuntura económica e à qualidade/atractividade da nossa liga, é uma utopia.