sábado, 23 de agosto de 2014

No intervalo do Play-off

68 horas e meia após o final do jogo de Lille, teve início o jogo em Paços de Ferreira.

Na próxima terça-feira, às 19h45, 72 horas após o final do jogo de Paços Ferreira, terá início o FC Porto x Lille, da 2ª mão do Play-off da Liga dos Campeões.

Assim, no jogo de hoje, Danilo, Herrera, Brahimi e Óliver Torres não fizeram parte do onze inicial e, em sentido contrário, estrearam-se a titulares Ricardo, Evandro, Tello e Adrian Lopez.

É óbvio que o plantel desta época tem maior qualidade e profundidade do que os planteis dos últimos três anos e, conforme Lopetegui já repetiu várias vezes, para ele não há 11 titulares. Contudo, parece evidente que as escolhas para este Paços Ferreira x FC Porto foram condicionadas pela importantíssima eliminatória frente ao Lille.

Apesar das muitas alterações, a equipa revela já uma organização apreciável para esta fase da época. Aliás, nesse aspecto, faz-me lembrar o que de bom tinha o FC Porto de Vítor Pereira.

Três jogos (dois dos quais fora de casa) e zero golos sofridos é, obviamente, bastante positivo e que tem algum significado.
É um chavão mas é verdade: as boas equipas começam a construir-se de trás para a frente.

Mas, por outro lado, este FC Porto de Lopetegui ainda revela dificuldade em criar oportunidades de golo, incluindo em lances de bola parada.

Há uma estatística no jogo de hoje que me parece relevante. O FC Porto teve 12 cantos a seu favor (contra apenas dois do Paços de Ferreira), mas foi incapaz de criar perigo para a baliza dos castores em qualquer um deles.

É fundamental começar a ter jogadas estudadas para os lances de bola parada, de modo a melhorar o aproveitamento deste tipo de lances.

Sem deslumbrar, foi uma boa e merecida vitória do FC Porto num campo onde, suspeito, não vai ser fácil ganhar.

27 comentários:

Bruno Miguel da Silva Moutinho Guedes disse...

Boa noite Sr.José Correia.
Tinha a noção que hoje era difícil, mas não contava sofrer tanto.
O jogo foi pouco conseguido, uma exibição que não deixa saudades mas por vezes são estas vitórias que trazem outras vitórias trazem confiança e neste momento precisamos disso.
Não esqueço referir que em grande parte do jogo o nosso meio campo foi Quintero, Evandro, Ruben, CAsemiro e Adrian. 5 jogadores que nunca jogaram juntos e que têm 3 semanas de treino juntos.
Não é desculpa para a exibição mas de facto é notório que existiram mudanças profundas desde Junho.
Daqui a um mês já poderemos ter uma análise mais crítica quanto as exibições neste momento peço a presença na fase de grupos e uma vitória frente ao Moreirense antes das selecções.
Relativamente as bolas paradas, não criamos perigo, mas pelo menos as bolas caem na área,penso até que o miúdo marca bem as bolas paradas, muitas das vezes ter bons cabeceadores ajuda, na nossa equipa julgo que só Maicon e Chá Chá se aproveita. Na quarta em Lille se nao tivessem empurrado, agarrado, o chá Chá, teria sido golo.
P.S 1 Existiram 2 coisas no jogo que detestei, a 1 foi a exibição do Adrian, foi uma nodoa, para o valor que foi apostado nele tinha que render mais, e a 2 coisa foi após o golo os insultos ao Paulo Fonseca. O homem não merecia aquilo.

P.S 2. Ontem (sexta ) no Costa Café tive mesmo para o ir cumprimentar após o ter conhecido pessoalmente na bluegosfera. Fica para outra oportunidade.

Bruno Miguel Guedes 28061.



Nuno Fonseca disse...

Eu até não desgostei de Adrian. Sempre que tocou na bola executou bem, mas não desequilibrou como um Tello ou quintero ou um brahimi. Foi muito discreto ainda.
Também detestei os cânticos ao Paulo Fonseca, que sendo um péssimo treinador foi sempre correcto e não merecia certamente um tratamento deste tipo.
Quanto à exibição foi má. Não tivesse este Porto num estado de graça e os assobios iriam-se ouvir até no final do jogo. Pelo que me lembro tivemos uma oportunidade de golo e deu golo. O paços teve mais. Eu sei que o plantel é vasto, mas não sei se se justifica fazer tantas alterações para poupar jogadores. Estamos em Agosto. Só se percebe mesmo pela importância do jogo com o Lille.
O treinador transmite boas sensações. Chegar ao fim do jogo rouco, sem conseguir falar quase nada na flash interview, juntando outras intervenções, mostra que está mais que empenhado e consciente daquilo que tem de fazer.

meirelesportuense disse...

O Adrián até não esteve mal, agarrou bem a bola, tocou bem, mas o Porto jogou muito no passe lateralizado e isso acabou por não resultar em grandes momentos de golo. Mas dominou. Apenas durante 15 minutos o Paços cresceu e criou embaraços. Depois tudo voltou à normalidade. A saída fora de tempo do Tello embaraçou um bocado a estratégia. Brahimi no banco retirou argumentos a Quaresma e a lesão de Tello dá-lhe nova oportunidade para 4ª feira. Falta um segundo avançado rápido que abra espaços para Jackson. Fabiano faz-me tremer de cada vez que a bola lhe vai para os pés...

Jorge Vassalo disse...

Caros Reflexionistas,

Ele há coisas que eu, sinceramente, juro que não sou capaz de entender! Sinceramente!

Eu estava preparado para ver fugir pontos em Paços de Ferreira. Importante era o jogo de terça. E estava à espera que assim fosse na cabeça dos jogadores. Felizmente não foi.

Fico parvo como se espera que o meio campo B esteja completamente entrosado à segunda jornada! As coisas demoram tempo a ser trabalhadas!

Este jogo com Tello 90 min tinha sido diferente, em primeiro lugar. Em segundo, a nossa solidez defensiva é boa. Ricardo respondeu bem à chamada. Casemiro é excelente. Ruben Neves nem se fala.

Evandro ainda tem de se adaptar ao jogo dos colegas. Herrera fez o melhor jogo até agora. Notou-se a diferença quando ele entrou. Está visto que no meio campo tem de existir um Oliver ou um Brahimi.

Jackson esteve magistral. Muito bem na defesa, na recuperação de bola, bem posicionado. Que diferença do ano passado para este ano. Quintero tem um hype extraordinário no Porto que eu não consigo entender, desculpem. Fez um excelente cruzamento para o golo e que mais? Nada. No duelo contra um Óliver ou um Brahimi vai perder a toda a linha. Não marcou um canto bem, não esteve na defesa, evaporou. Tem mesmo de acordar.

E finalmente, carago, o Adrián Lopez. As criticas que se lhe fazem não entendo. Adrián teve apontamentos de velocidade e posicionamento que foram muitos "quase". E esses "quase", com treino e tempo vão ser "Uaus". Eu aposto nele que, recorde-se, teve muito pouco tempo a preparar-se nesta posição. Enquanto Jackson não veio estava a fazer de conta que era PL. A extremo esquerdo vai ser bestial. Esperem e verão.

E quanto ao "faltou o Quaresma", vós que andais por aí a criticar a atitude de Lopetegui ireis ver se o Quaresma não volta mais concentradinho e com a cabeça no jogo. O bom Quaresma faz a falta de um bom Tello, mas o mau pode ficar pelo caminho.

Por ultimo, um treinador que chega ao fim rouco é um treinador que me deixa feliz. Ser inconformado é ser um treinador vencedor.

Uma nota de rodapé: Ireis ver muitos jogos de maratona. Ganhos pela margem mínima, em gestão de esforço, para corresponder nos sítios verdadeiramente importantes. E se o Porto B é assim à primeira chamada, ainda bem. Temos equipa. Não é espectacular? Não. Mas 2 jogos , 2 vitórias, 3 golos marcados, 0 sofridos.

E é isto. Obrigado.

zzzzz disse...

"... um treinador que chega ao fim rouco é um treinador que me deixa feliz."

Feliz? A mim deixa-me preocupado. Os jogadores não atinavam com o posicionamento em campo e Lopetegui viu-se obrigado a corrigir constantemente os erros. Daí a sua rouquidão no fim do jogo.

No melhor dos cenários, os jogadores detectam eles mesmos esses lapsos e corrigem-nos sem a intervenção do treinador. Ontem não foi bem assim. Repare que pela frente estava o Paços de Ferreira, uma equipa simpática, sem dúvida, mas nenhum quebra-cabeças.

De positivo, o facto do treinador não estar com meias-desculpas. Admitiu que a equipa não esteve bem e que há muito trabalho a fazer.

Jorge Vassalo disse...

Caro zzzzz, quando digo feliz digo no sentido em que não fica apático e derrotado como exemplos recentes.

Evidentemente que tem razão, mas eu acho que estamos no caminho do sítio onde deseja, e convirá que a cabeça dos jogadores estaria um bocado na terça feira, no risco de lesão, etc.

E este Paços também foi o que deu muitas dificuldades aos benfas e a quem, no meu entender, dominaram durante muito tempo.

Mas muito bem, sublinhe-se que não fico contente com a exibição da equipa, mas apenas que acho que não é um vale fundo.

Joaquim Lima disse...

Oxalá esteja enganado, mas este Adrian parece-me o maior flop que passou pelo Porto nos últimos anos. Decidiu sempre mal as jogadas, não criou perigo e, a nível de posicionamento, não concordo consigo, vi-o uma série de vezes mal colocado no meio campo...

Joao Goncalves disse...

A mim deixou-me muito feliz ele ter chegado rouco ao final... muitíssimo feliz!

Significa que está ali a fazer aquilo que é pago para fazer e que estava a ver o mesmo que eu e muitos mais, que era a equipa esticar-se muito e ficar partida e que com ou sem pernas, tem de se manter sempre compacta.

Os jogadores não atinavam com os posicionamento? Mas alguma vez jogas.te futebol a sério na vida? Todos os que o fizeram sabem que quando o adversário joga aos repelões e as pernas começam a faltar, se não é o banco a orientar-te e o "comandante" por sector a definir as regras vindas do banco, a equipa fia facilmente partida...

Sim e isso foi mesmo positivo, pois para os discursos de PF estava farto.

Joao Goncalves disse...

No jogo de ontem (e já em Lille e com o Marítimo), parece-me que a equipa tem de trabalhar melhor a fase de estar em vantagem no marcador e trabalhar mentalmente esse factor.

Tem que decidir o que fazer e o que não fazer nessa fase... se vão à procura do 2º golo ou se fazem contensão e tentam atacar apenas e só pela certa.. noto um certo desconforto na equipa nessa fase do jogo, pois alguns estão na 1ª fase e outros na 2ª fase... o treino resolve isto mas tem de ser mental.

Em relação ao jogo de ontem os destaques negativos são:
- Fabiano, que deixa sempre os adeptos inseguros seja em que ponto tenha a bola e está aqui está a perder a baliza... aqueles pontapés para a frente sem nexo... enfim...
- Alex Sandro que está visto que sem pernas fica também se cérebro...
- Ádrian, está explicado à ausência das opções e não é por ser maus jogador mas sim por ainda não estar acostumado aos movimentos dos companheiros.

De positivo:
- Casimiro, muito bem posicionalmente.
- Maicon, foi o patrão da defesa e esteve implacável, mas tem de ter sempre um erro de abordagem por jogo não é Maicon?
- Jackson, vida de PL é isto mesmo... teve 1 oportunidade e enfiou-a lá dentro com grande qualidade e ainda veio cá fora jogar com os companheiros (via eu o Gonçalo a falhar da parte de tarde um mão cheia de oportunidades e só pensava que se este moço marcasse metade do que falha seria um Jackson!)

Miguel Lourenço Pereira disse...

Tenho pena que os "adeptos" do FC Porto que se lembraram de insultar um treinador que passou pelo Clube e que, enquanto cá esteve, não teve uma má palavra, não se tenham lembrado de repetir os mesmos insultos a quem o contratou, aguentou e chegou a dizer que até o renovava. É pena realmente!

Joao Goncalves disse...

100% de acordo! Tristeza completa! Má Educação! Falta de serem agradecidos!

Se o PF não resultou no Porto a culpa não é dele mas sim de quem o contratou sem ele ter mãos para o Avião que estava a pegar...

Um cambada de idiotas sem escrúpulos se queres que te diga.

DragaoMinho disse...

O Paços de simpático não tem nada, tem sim aquela mentalidade pobre e triste de meter autocarros á frente da baliza e de jogar no ferrolho é o típico do nosso campeonato!
E não, os jogadores não se corrigem sozinhos em campo, isso não é verdade, muito menos em sistemas de jogo com grande mobilidade e de pressao alta, dentro do campo não se tem a mesma noção e percepção que se tem fora das 4 linhas, o treinador sai rouco porque o cansaço dos jogadores torna as recuperações defensivas mais lentas e dai o treinador estar sempre a chamar a atenção para jogarem todos mais próximos!


Pedro ramos disse...

Eu apenas me sinto extremamente envergonhado pelos insultos ao ex-treinador.

miguel.ca disse...

Subscrevo inteiramente. Pinto da Costa tem sempre o privilégio de escapar ileso da suas próprias asneiras. O Porto ganhar, "Pinto da Costa allez", não ganhar, treinador e jogadores booooo!

miguel.ca disse...

Quanto so jogo, repito o que disse após o jogo contra o Marítimo. Todo o processo está relativamente bem planeado e executado tendo em conta que a procissão ainda vai no adro mas se há coisa que tem de ser brutalmente trabalhada são os ultimos 30 metros. O nosso poder de fogo é, neste momento, digno de um bacamarte da Guerra civil Americana.

Miguel Ângelo VR disse...

Atenção ao Indi, estou farto de o ver sempre com as mãos nas costas dos adversários, e não o vejo a antecipar-se a eles, nem a ganhar bolas de cabeça. É estranho. Jogando com equipas melhores, com jogadores mais rápidos e técnicos, quero ver.

O ataque parece que tem o problema dos últimos anos, o meio-campo chega pouco às zonas de finalização, e parece que os jogadores só querem passar a bola ao Jackson... Pode ser que isto tudo aconteça pelo facto da equipa ser nova, ter pouco entrosamento, e ainda não estar em boa forma física. Acho que só se pode (e deve) é melhorar.

Miguel Ângelo VR disse...

Quanto aos insultos, é muito triste o que alguns adeptos fizeram ao P. Fonseca. Acho que ele não mereceu esses insultos, foi sempre (e é) simpático e educado.

Jorge Vassalo disse...

Tal como o "FDP SLP" acho qualquer tipo de insulto ao adversário degradante e de mentalidade pequena. A supremacia vê-se dentro de campo.

Jorge Vassalo disse...

O Joaquim desculpe, mas há jogadores com uma curva de adaptação mais prolongada. Se me permite a sugestão, vamos fazer essas avaliações no final da época.

meirelesportuense disse...

Em relação ao "escutado" em Paços, devo dizer que para mim é apenas uma questão de má educação. Paulo Fonseca portou-se bem e foi respeitador, merece ser respeitado. Mas existe sempre um "núcleo duro" que é difícil de moldar, portam-se mal e ponto final...Quem estiver atento saberá que não representam a maioria do pensamento dos portistas. Infelizmente, hoje fazem-no com o Paulo Fonseca e amanhã, sem problemas, vão repeti-lo com outro qualquer, Pinto da Costa que se cuide, aqui mesmo tem inimigos...

Joao Goncalves disse...

Nem mais Jorge e temos que nos lembrar que o futebol é um jogo de família... se queremos que os nossos filhos e as nossas mulheres queiram nos acompanhar nos jogos de futebol, este tipo de comportamento tem de ser banido dos estádios!

Joao Goncalves disse...

O Adrián é um jogador de 4-4-2 como segundo avançado que está a ser adaptado a uma posição de ala interior.

Além de não ter as rotinas da posição (desmarcações com o lateral, momentos de interiorizar a posição e momentos de a esticar, momentos toque e vai vs toque e fica, quando procurar o apoio do médio e quando dar uma linha de passe a esse), também não tem as rotinas com os colegas.

De momento Adrián limita-se a fazer EXACTAMENTE aquilo o treinador lhe pode pois falta-lhe todas as rotinas e o futebol não é um jogo de posicionamentos fixos mas sim de combinações e momentos resultantes de cada um se conhecer bem...

Vamos dar tempo ao Adrián que isto não é o FM.

A mesma coisa é com o Aboubakar que não vai chegar ver e mete-lo lá dentro para jogar... terá de se adaptar a jogar num grande com os autocarros que são colocados à frente das equipas grandes

zzzzz disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
zzzzz disse...

@ DragaoMinho

Discordo da sua opinião. Não acho que o Paços meteu um autocarro à frente da baliza. Jogou com o bloco baixo na primeira-parte, mas foi principalmente a acção do FC Porto que forçou o adversário a jogar no seu meio-campo. Na minha opinião, o FC Porto jogou bem nos primeiros 45 minutos. Na segunda-parte, o Paços conseguiu avançar no terreno e o FC Porto, por erros próprios, nem sempre foi capaz de conter a postura ofensiva do adversário.

Numa equipa entrosada, com processos consolidados, os jogadores conseguem por si próprios fazer os ajustamentos necessários. Uma condição para que isso aconteça é ter jogadores experientes, com boa leitura das diferentes fases e tempos do jogo. Lucho Gonzalez, por exemplo. Moutinho também. Mas é óbvio que o treinador tem um papel determinante. É ele que decide como a equipa deve jogar.

Miguel Lourenço Pereira disse...

O escutado em Paços veio da claque com mais poder dentro de um clube em Portugal. Poder que PdC, com os anos, foi dando a troca de fidelidade absoluta. É a última pessoa que se pode queixar do que grite a claque.

zzzzz disse...

@ João Gonçalves

"Mas alguma vez jogaste futebol a sério na vida?..."

E você? Jogou alguma vez futebol a sério na vida? Onde? Em que clube? A que nível? Foi treinado por quem?

É que dos seus comentários não consigo vislumbrar qualquer conhecimento especial em matéria de futebol que o diferencie do adepto comum. Regra geral, não passam daquilo que Jesualdo Ferreira classificou de "bitaites de quem não assume qualquer responsabilidade".

Ficou felicíssimo pelo treinador do FC Porto - com dois títulos europeus no currículo - ter feito aquilo que qualquer treinador de terceira divisão procuraria fazer numa situação idêntica, isto é, corrigir os comportamentos da equipa? Óptimo, mais vale estar feliz do que triste.

Luís Vieira disse...

Foi o jogo menos bem conseguido do curto reinado do Lopetegui. As ocasiões de golo escassearam e na segunda parte sofremos alguns calafrios, principalmente até à entrada do Herrera e do Óliver (mais uma vez dedo de treinador na estabilização da equipa, que diminuía de capacidades a olhos vistos). Foi suficiente para segurar a vantagem justamente alcançada na primeira parte, mas curto para a exigência dos adeptos. O jogo próximo de terça e as diversas alterações promovidas pelo Lopetegui, bem como a precocidade da época, ajudam a explicar o sucedido, por isso não me parece ajuizado entrar já em alarmismos. No entanto, afigura-se necessário aumentar a capacidade de criação de desequilíbrios/oportunidades e desenvolver o jogo interior, que ainda peca por escasso. Quanto a notas individuais, destaco a exibição do Casemiro, que me encheu o olho (bem a destruir e a construir), do Maicon (que continua o patrão da defesa) e do Jackson, que fez o que lhe competia, garantindo a vitória e os 3 pontos. Por outro lado, o Rúben Neves esteve menos assertivo, desta feita, perdendo algumas bolas, como ainda não lhe tínhamos visto. Nota negativa para o Adrián, que ainda parece um elemento estranho na equipa. Está muito estático e pouco contundente. Precisa de se envolver mais no jogo, ir à luta, ganhar duelos individuais e mostrar o bom futebol que tem nos pés. Receber e passar, qualquer um consegue.