sexta-feira, 29 de agosto de 2014

Podstawski, a próxima aposta de Lopetegui?


"Centro-campista claramente posicional que pode beneficiar-se muito da saída de Fernando para dar o salto á primeira equipa. Extremamente valorizado nas categorias inferiores portugueses, onde é o capitão da selecção de sub 19 e por quem já jogou mais de 50 encontros internacionais desde que se estreou nos sub 16. Ideal para o estilo de Lopetegui."
Axel Torres in Guia Marca 2014

Axel Torres é um dos mais brilhantes jornalistas espanhóis da actualidade. Menino-prodígio, começou a trabalhar para o Grupo Marca ainda quando estudante tendo desenvolvido na última década uma carreira notável tanto na imprensa escrita, radiofónica e televisiva. É o responsável do programa Marcador Internacional da Rádio Marca (o programa líder em relação ao futebol internacional em Espanha), locutor e apresentador do canal pago GolTV (onde conta com um programa próprio, Planeta Axel) e cronista habitual do jornal Marca. A sua popularidade granjeou-se ao facto de, num país excessivamente interessado na sua liga, ter servido como porta de abertura para o que se disputava fora das fronteiras.
Axel é também um expert em futebol de formação. Começou aí a sua carreira e ainda, hoje, com o prestigio acumulado, não perde um torneio de formação in loco. Em Espanha é provavelmente a voz mais autorizada quando se trata de avaliar o potencial de jovens jogadores. O seu pequeno texto sobre Tomas Podstawski não é casualidade. Torres conhece pessoal e profissionalmente o trabalho de Lopetegui como poucos. Seguiu as suas equipas de formação ao detalhe, escreveu longos e interessantes artigos sobre as equipas de sub-20 e 21 espanholas dos últimos cinco anos e entende perfeitamente o que Lopetegui quer das suas equipas. Partindo do principio que o treinador espanhol tem uma ideia de jogo clara – que já deixou antever nos jogos até agora disputados – poderá Podstawski ser, como indica Axel, um jogador a lançar este ano?

Lopetegui chega ao Dragão com uma dupla missão. Ser campeão – o que se exige a todos os treinadores do clube em todas as temporadas desde que Pinto da Costa é presidente – e lançar a base do futuro. Entre cessões (só Oliver não tem opção de compra), jogadores jovens adquiridos e futebolistas da sua confiança pessoal (Jose Angel, Adrian, Marcano), foi dado ao técnico espanhol material suficiente para armar dois bons onzes, algo que outros treinadores na história recente do clube não tiveram. Sobretudo, Lopetegui tem a sorte de contar com um escalão de formação que realmente promete depois de anos de deserto. Na equipa B, Luis Castro conta com oito a nove futebolistas que podem perfeitamente ambicionar com um lugar na A. O técnico espanhol já deu a titularidade a Ruben Neves – um gesto de aplaudir e um sinal de confiança para os restantes continuarem a trabalhar – mas há muitos outros futebolistas que pode ir integrando. Podstawski é seguramente um deles.


Num plantel que carece de um seis com critério a jogar, hábil nas marcações e que pode subir no terreno transformando-se num 8 em situações de posse, o médio de ascendência polaca é uma escolha natural. A tomada de decisão, cada vez o elemento mais diferenciador da qualidade individual de um futebolista numa era onde há pouco tempo e espaço, de Tomás está claramente acima da média e o sentido de jogo posicional é excelente. A sua ausência da pré-época azul-e-branca – devido ao compromisso internacional do Europeu – afastou-o do trabalho diário com o treinador e abriu as portas a Ruben  Neves para ocupar o seu lugar. Á medida que Lopetegui entre em contacte diário com essa fornada de jogadores (onde estão ainda Rafa, Francisco Ramos e André Silva) que já conhece em video ao detalhe, espera-se que estes venham, mais tarde ou mais cedo, fazer parte das suas opções, particularmente em jogos das Taças e algum que outro encontro em casa no lote de convocados.



Se por um lado a contratação (para mim excessiva, mantenho-o, nos casos de Fernandez, Opare, Jose Angel, Marcano, Adrián e Evandro) de meia dúzia de jogadores é um claro tampão à ascensão imediata desses jogadores, por outro a mensagem que Lopetegui deixa à cantera portista com a confiança depositada em Ruben permite pensar que mais caras novas podem ter a sua oportunidade mesmo que isso signifique deixar no banco a jogadores contratados (foi o caso de Casemiro, ainda que por empréstimo mas com um perfil mediático muito superior e que deverá, a médio prazo, ter muitos mais minutos do que Ruben). Tendo em conta a forma como Axel Torres entende, talvez melhor que qualquer um de nós, como é o Lopetegui treinador, convém ter em atenção até que ponto Tomás Podstwaski pode vir a ser uma das boas surpresas da temporada.
O jovem internacional por todas as categorias já treinou varias vezes com o plantel principal nos últimos anos. Falta dar um último passo. Aquele que parece estar mais perto do que nunca para o jovem de 19 anos que pode vir a ser mais uma peça chave do nosso futuro. 

22 comentários:

DC disse...

Esperemos que sim. Depois do Gonçalo e do Vitor Garcia parece-me o mais preparado a dar o salto para a equipa A.

Nuno Fonseca disse...

Bom artigo. Faltou referir Mikel. Mikel estaria (digo eu) na poll position para agarrar uma oportunidade no meio campo,depois de uma época muito boa nos B. A sua lesão abriria portas a Tomas que teve um compromisso europeu. Ruben Neves era o seguinte e aproveitou a oportunidade de forma brilhante, mesmo sendo o meio campo muito reforçado este ano. Pessoalmente, daquilo que conheço destes 3 jogadores e das sensações que me dão, o meu preferido é mesmo o Tomas.

Joao Goncalves disse...

Nem penses nisso... Mikel vai ser dispensado ou emprestado em Janeiro...

Mikel é um Fernando mas muitos furos abaixo... tem um bom sentido posicional e um tem de entrada às bolas razoável, por isso faz algumas faltas desnecessárias e com excesso de agressividade.

No entanto Mikel não sabe fazer um passe de 3m e visão de jogo é igual a Zero. É um puro Médio Defensivo de destruição e acho muito dificil evoluir muito neste capitulo de jogo.

Em Suma, tudo aquilo que Lopetegui não quer para o lugar

Joao Goncalves disse...

O Tomás vai depender muito do Clasie.

Se o Clasie vier, o Tomás não terá espaço esta época, caso ele não venha, então poderá mesmo ser o ano da ascenção do Tomás.

Mas atenção que o Tomás tem erros e falhas ainda graves que tem de ser lapidadas de modo a poder jogar com a responsabilidade de equipa A mas sim, é o jovem que, fruto das necessidades do plantel e do modelo de jogo, pode mais rapidamente ser uma opção e só não o foi secalhar mais cedo, porque as datas do Europeu Sub-19 são completamente ridículas e tiram os jovens das pre-temporadas das suas equipas de raiz, privando-os de ser testados pelos treinadores nessa altura.

Em relação ao resto dos nosso jovens talentos:

Rafa, terá de melhorar a sua qualidade defensiva (mas para isso tem de jogar), mas agora está tapado e tem tempo para evoluir na B.

Ivo, tem de aprender a fechar melhor a ala defensivamente e a melhor o tempo de entrada defensivo.

Fernando Ramos ainda está a kilometros de poder ser sequer considerado.

Gonçalo Paciência e um talento com recepção, bons apoios a jogar de pivot, e com visão de jogo apreciável para um PL mas... sem qualidade de finalização. Deveria ser emprestado a uma equipa da Primeira Liga (a do Pai por exemplo), para poder evoluir e tentar ratificar este aspecto, visto que ele faz muita pontaria ao boneco (GR).

André Silva, um avançado puro à Lisandro, e que precisa de minutos de jogo na posição 9 (daí ser a favor do empréstimo do Gonçalo)... tem a virtude de diambolar muito pela frente dando bons apoios a criar jogadas na completa extensão do campo... É um avançado que aparece no lugar, ao contrário de um Gonçalo ou Jackson, que estão lá.

Estão ambos tapados na A, mas para o ano o Jackson saí e tem de correr para ocupar essa vaga.

Na B temos também Pavlovski que é um prodígio técnico e de visão de jogo... Capacidade técnica parecida com o Óliver e muito melhor na visão de jogo vertical que o espanhol mas... Intensidade muito reduzida de jogo o que o impede de ser competente no processo defensivo e muitas vezes mesmo no ofensivo... tem de ser trabalhado e não é com o treinador actual que vai a algum lado (pff metam o Capucho a treinador dos B's).

DC disse...

"capacidade técnica parecida com o Óliver e muito melhor na visão de jogo vertical que o espanhol"

Lol era bom que fosse verdade, era. Era sinal que tínhamos um dos melhores do mundo na equipa B. Se tiver metade da capacidade técnica e da visão de jogo do Oliver já será um craque mundial no futuro.

Já agora, o Gonçalo tem excelente capacidade de pé esquerdo, cabeça e obviamente de pé direito, o mais forte. É mau na finalização porquê? Avaliar a finalização com base em meia dúzia de jogos em que os guarda-redes estiveram bem, ou até que lhe possam ter corrido mal, parece-me mais que prematuro. Com base nisso o Jackson também era mau finalizador no ano passado e este ano já não é.

Joao Goncalves disse...

Humm... se meia dúzia de jogos forem todos os jogos nos últimos 8 meses em que ele participou então sim, são meia dúzia de jogos do Gonçalo sempre a fazer a mesma asneira.

Pois a pequena diferença é que o Jackson fez 51 Jogos 29 Golos, na Primeira Liga e Europa e o Gonçalo fez 19 Jogos 5 Golos, numa fácil Segunda Liga em que ele tem em média, 3 situações claras de golo.

GR's fazerem boas exibições constantes contra os avançados, é capaz de ser sinal que os Avançados fizeram exibições medíocres na finalização não?

E sim Pavlovski e tudo aquilo que disse, e eu vi todos os poucos jogos que ele fez pelo Porto B... muita visão de jogo e técnica individual e sempre uma visão vertical...agora parece, como de costume, que só lês aquilo que te interessa... pois eu acrescentei, intensidade muito reduzida e sem intensidade não existem jogadores de futebol de primeira linha onde o Sérgio Oliveira é o expoente máximo que uns bons pés não fazem um jogador de futebol, pois os jogadores não jogam parados...

miguel.ca disse...

Às vezes irrita-me a forma demasiadamente àspera com que se discorda neste blog.

Luís Vieira disse...

O Clasie renovou pelo Feyenoord, por isso não me parece que ainda venha. Pode ser uma boa notícia para o Tomás (embora ache que ele este ano deva evoluir na B, como titular), mas ainda se fala na possibilidade de recrutamento do Sergi Darder.

DC disse...

E a diferença entre o Porto e as restantes equipas da I Liga é maior ou menor que a diferença entre Porto B e restantes equipas da II Liga? Não é normal marcar-se menos quando todos os jogos são muito mais equilibrados? Já vamos com 2 derrotas este ano...

O Pavlovski pode ser fantástico mas o Oliver é de topo. Dizer que tem a mesma capacidade técnica é ridículo (não, não leio o que me interessa. Não é uma questão de intensidade, é uma questão de qualidade). O Oliver é só, provavelmente, o puto da idade dele com mais técnica do mundo (não confundir técnica com drible). Repito, se o Pavlovski sequer chegar perto, temos uma mina de ouro na equipa B.

Bluesky disse...

Como alguem disse aqui... por favor mandem o Luis Castro para o Penafiel!!!

Ricardo Rodrigues disse...

O do Málaga que foi expulso hoje?

meirelesportuense disse...

Estive a reapreciar o jogo com o Lille e devo afirmar que o Porto fez um grande jogo, aqui ou ali com intermitências, derivadas de deficits ocasionais de carácter físico. Mas esteve sempre num plano de franca superioridade frente ao adversário e o desespero e impotência do treinador francês era por demais evidente.

meirelesportuense disse...

Quanto ao Óliver é mesmo excepcional, faz lembrar o Frasco dos seus melhores tempos. Gosto muito dos seus improvisos, das suas mudanças de velocidade e direcção.

Pedro ramos disse...

É muitas vezes dificil saber quais irao ser as próximas apostas de um clube, eu nunca imaginei que Ruben pudesse ser aposta à frente de Podstawski por exemplo, e quem diria que W. Carvalho conseguia impor-se no Sporting?
A única coisa que desejo é que continuem a existir apostas nos jogadores de formaçao, mas continuo apreensivo quando continuamos com "Luis Castros" a formar os nossos futuros jogadores.
Pode ser que com Pablo Sanz Iniesta as coisas mudem para melhor (quem conhecer o seu percurso poderá dizer de sua justiça, uma vez que é um desconhecido para mim).

Uma coisa é certa, apesar disso nao fazer de Lopetuegui melhor treinador, impressionou-me a aposta de Ruben a titular para os 2 jogos de apuramento para LC, duvido que algum treinador portugues tivesse coragem para isso com tudo o que estava em causa.

PS. Ainda bem que Óliver saiu da lista excessiva de contrataçoes, ele é mesmo bom :)
Acredito que até ao final da época Evandro também seja excluído, e só nao acrescento Adrián porque os 11m por 60% do passe (que eu continuo a acreditar que sejam tao reais como os 8,5M pelo Roberto) vai-lhe garantir o rótulo de flop do ano em Portugal, a nao ser que ele de repente começe a marcar golos como se nao houvesse amanha, o que nao acredito.

Nuno Fonseca disse...

Em primeiro lugar um trinco é um trinco. Seja em que estilo de jogo for. Não víamos por exemplo o busquets nos tempos de guardiola a fazer coisas geniais com a bola. roubava a bola com agressividade, jogava simples para o lado e para a frente. Trabalho feito. Com Rúben a trinco, até percebo que se fale que lopetegui quer outras características nessa posição. Mas veja-se os jogos que casemiro fez nessa posição. Foi destruir, dar pau quando é preciso e jogar simples.

Depois parece-me muito exagerado dizer que Mikel não sabe fazer um passe de 3 metros. Tem uma passada larga e não cola a bola ao pé (tal como Fernando p.e.) , mas não é nenhum fernando aguiar. Também desenrasca bem a central.
Não tenho dúvidas que será um caso sério no futebol, o que não quer dizer que não possa ser emprestado ou dispensado.

Joao Goncalves disse...

Na minha rua eu tinha um colega meu de equipa que foi dos jogadores com mais técnica (sim técnica! Capacidade de recepção de bola, dribble e passe) que alguma vez vi seja na TV seja ao vivo e com uma visão de jogo muito acima da média mas... eu como se chama na rua um "pastelão"... aquilo para se mexer era uma carga de trabalhos... para trabalho defensivo está quieto e para respeitar tácticas era demasiado bom... resultado... nunca saiu dos distritais como é óbvio.

Portanto o Óliver tecnicamente perde para muitos jogadores, a nível de passe vertical é limitado, a nível de visão de jogo larga é fantástico e a nível de passe muitíssimo bom, mas tem o atributo mais importante... intensidade... que lhe permite responder bem a nível táctico quer seja no plano defensivo posicional quer seja no plano ofensivo movimentacional e ainda acrescenta o bonus de ter uma agressividade positiva na disputa da posse de bola.

O Pavlovski tem uma capacidade técnica semelhante ao Óliver, uma visão vertical muito superior ao espanhol, uma visão larga rudimentar a roçar o medíocre, um bom nível de passe mas não tem intensidade, ou seja, nada daquilo que o Óliver tem... sentido posicional, resposta táctica adequada, movimentação para dar linhas de passe ofensivas, etc...

Em Suma, Pavlovski é actualmente um jogador da bola, Óliver é um jogador de Futebol.

Joao Goncalves disse...

E em relação ao Gonçalo, não podemos estar a dizer que temos 5 ou 6 jovens que poderiam perfeitamente estar a ser segundas linhas na equipa A e depois dizer que o Porto B está ao nível das outras equipas da Segunda Liga... isso é desonestidade intelectual.

Quando defendemos que Vitor Garcia, Rafa, Tomás, Ivo, Gonçalo e André Silva, deveriam fazer parte do lote de opções num futuro bem próximo na equipa A e sabemos que o Lichnovsky, o Pité e mesmo o Kadu são jogadores com qualidade, não podemos estar depois a dizer que esta equipa é igual às outras.

Por alguma razão, no ano passado quase ganhávamos o campeonato da segunda liga e este ano, dessa equipa, perdemos 4 jogadores... Mikel, Pedro Moreira, Tozé e Quinõ, os quais foram substituídos pelos ex.sub-19, que passaram a jogar na B a Full-time, mais o Pité.

Portanto não me venhas com histórias que os jogos são equilibrados... aliás, temos 2 derrotas, mas foi por causa das falhas nas finalizações + as falhas defensivas, pelo menos a Oliverirense, nada fez para ganhar o jogo, sendo massacrada de inicio ao Fim e o União da Madeira foi a mesma coisa, apesar de ter conseguido um empate.

A equipa é jovem e tem muito mais qualidade que os adversários, mas é claro é inexperiente e isso paga-se quando não se consegue marcar as constantes oportunidades que vão aparecendo ( e é o ataque todo e não só o Gonçalo que falha).

Em relação especifico do Gonçalo, eu sou um enorme apreciador das suas qualidades mas ele tem de treinar a finalização como disse acima.

Depois do susto que teve, que o fez parar 1 ano e quase acabar a carreira, ele voltou a fazer remates muito longe do GR, o que levava constantemente a bola a passar por cima da baliza... no final da época passada meteu a mira para baixo para corrigir esse factor, e passou a acertar no boneco com uma irritante insistência... ele só tem de aprender a ler melhor os GR's seniores e fazer a finalização que lhe compete e não estar tão concentrado em responder a uma solicitação do companheiro com o acertar com a bola na baliza... ele precisa de acertar na baliza e ter lido o GR, naquela fracção de segundo e é isso que separa um Jackson de um Gonçalo... a leitura da fracção de segundo que faz a diferença toda

DC disse...

Não é igual, é ligeiramente superior (com um treinador fraquíssimo). Já o Porto, é absurdamente superior a todas as equipas da I Liga com excepção de 2.

Quanto ao que diz do Oliver, nem vou discutir. Para si técnica é optar pelo passe vertical ou não. Nem sei como responder a isso. São conceitos que me ultrapassam. Não faço ideia o que é visão de jogo larga ou uma visão vertical nem faço ideia o que é que a visão de jogo (seja larga ou estreita) tem a ver com técnica.

Luís Vieira disse...

Precisamente.

Luís Vieira disse...

Bem apontado Pedro. De facto, o Lopetegui mostrou ter "cojones" ao manter a titularidade do Rúben no Playoff da Champions. Deu um grande sinal ao grupo e aos adeptos. De se lhe tirar o chapéu.

Joao Goncalves disse...

Nem sei onde leste isso da técnica, visão de jogo erc... mas lê bem as coisas antes de dares respostas disparatadas que eu fui muito claro na definição de todos os momentos que definem os atletas.

Joao Goncalves disse...

E sim o Treinador da B é completamente mirabolante e ali deveria estar alguém que lhes ajudasse a dar aquele ultimo salto para os Seniores e que lhe explicasse as diferenças entre os Juniores e Seniores e como colmatar essas brechas.

Quem lá está não sabe nada disso nem os ajuda em nenhum desses aspectos...