segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Anjinhos à tona de água

Pouco tempo antes da hora prevista (20:15) para o início do FC Porto x Boavista, caiu um dilúvio sobre a cidade do Porto, o qual alagou o relvado do Estádio do Dragão e transformou partes do mesmo em autênticas piscinas.


Perante este facto, na perpectiva do FC Porto, o que seria melhor?

A) Tudo fazer para, em contrarrelógio, colocar o relvado em condições…
ou
B) Aguardar serenamente pelos 30 minutos regulamentares e verificar (constatar!) que a bola continuava a boiar nas duas áreas?

Relativamente à decisão a tomar, há meia dúzia de coisas que me parecem evidentes:

1) Um relvado alagado em nada beneficia o espetáculo;
2) Um relvado alagado prejudica a equipa com jogadores mais tecnicistas;
3) Um relvado alagado prejudica as equipas cujo modelo de jogo é baseado numa elevada posse de bola;
4) Um relvado alagado prejudica as equipas que têm de construir jogadas de ataque;
5) Um relvado alagado beneficia as equipas que colocam o “autocarro” à frente da baliza e cujos jogadores estão mais preocupados em destruir e, se necessário, cortar/aliviar a bola de qualquer maneira.

Ora, tendo o árbitro mostrado predisposição em adiar o jogo (foi várias vezes verificar o estado do relvado) e sabendo-se que um adiamento de 24 horas não traria quaisquer problemas logísticos (ambas as equipas são da cidade do Porto), nem iria causar problemas na preparação do próximo jogo, por que razão o FC Porto não zelou pelos seus interesses?

O JOGO, 22-09-2014

Ou, dito de outra maneira, quem foi o elemento da Estrutura do FC Porto, que decidiu mandar uma “equipa de sapadores” para dentro do relvado, com o objectivo de escoar a água e de o pôr em condições mínimas para se poder disputar o jogo?

17 comentários:

S. disse...

O Boavista joga esta quarta-feira para a Taça da Liga.
Qualquer adiamento nunca seria para esta semana.
Depois metia-se competições europeias, selecções, etc.
Claro que ter jogado ontem beneficiou mais o Boavista do que o Porto; mas tirando o lance de Tello em que a bola ficou presa na água, não acho que foi pelo relvado que o Porto não ganhou.

Saci Pererê disse...

Ridiculo.

Unknown disse...

O maior problema era que o Boavista joga na quarta feira para a taça da liga

meirelesportuense disse...

Adiava-se o jogo, se ao Boavista não interessava adiar, isso sucedia porque jogar ontem o beneficiava com o estado do relvado. A não ser que tenham ambições na Taça da Liga...Ao Porto era-lhe indiferente. Mas ontem não e as coisas estavam bem à vista. O jogo foi adiado por 45 minutos!

Augusto Baptista Ferreira disse...

Chama-se a isso respeito pelos adeptos que se deslocaram ao estádio para ver o jogo. Além disso, tirando aquele lance em que o Tello ia oferecer um golo de baliza aberta ao Brahimi, não foi pelo relvado que as coisas aconteceram. E até aqui a situação podia ter sido contornada, bastava o Tello ter mais um pouquinho de discernimento na hora do passe.

Costa disse...

Acrescento: quem terá sido o visionário que deu indicações ao Jackson para escolher começar a atacar para a grande-área em pior estado ?

Foi aí que o passe do Tello ficou a boiar...

José Correia disse...

Se o relvado não estivesse em condições (por exemplo, se existissem zonas onde a bola boiasse em vez de rolar), o jogo teria mesmo de ser adiado.

Se o jogo tivesse sido adiado 24 horas, o jogo da Taça da Liga também poderia ser adiado de quarta para quinta-feira. Isso não seria problema.

meirelesportuense disse...

Respeito pelos adeptos? Mas então adiar um jogo por falta de condições condignas é falta de respeito?...Falta de respeito pelos adeptos, é fazer como se fez há uns anos atrás depois da morte de dezenas de adeptos, um célebre jogo Liverpool/Juventus, ter sido impreterívelmente realizado!
-Aliás aconteceu o mesmo num também célebre Sporting/Benfica no Jamor.
E muitos na hora aplaudiram!

meirelesportuense disse...

osé Correia:
E havia, na área em que o Boavista jogou na 1ª parte, a bola travava na água -como ao longo de toda a linha que ia da área do Porto à baliza do Boavista, com excepção da zona interior da área do Porto-, aliás a prova foi dada pelo passe do Tello que ficou preso na marca da grande penalidade, quando logo ao lado Brahimi, a esperava para poder concretizar o golo.

Augusto Baptista Ferreira disse...

O que têm essas situações a ver com uma tempestade?

Nuno Fonseca disse...

Pode-se dizer que foram anjinhos sim. Mas prefiro assim, do que os rivais terem argumentos (ainda que estúpidos) para reclamar seja do que for como nos anos passados em que reclamavam do proença ter adiado o jogo de setubal com o porto ou reclamar de um atraso de 2 minutos de entrada em campo na taça da liga.
Bem vistas as coisas, isso não influenciou, o campo não impediu que o porto fizesse o jogo que tanto gosta, conseguindo 82% de posse de bola. Por outro lado, não me parece que o boavista permitisse o adiamento para o dia seguinte devido ao jogo de quarta feira. E isso faria com o Porto tivesse de enfiar este jogo no meio de um calendário que este ano é mais apertado.
Para terminar, não sei se se considerou o respeito pelos adeptos. mas, se não foi, devia. Para que se conste há muitos adeptos que se deslocam com mais de uma hora de viagem até ao porto.

Alberto Silva disse...

Quem viu o Academica X porto há uns anos...quem costuma jogar em vila do conde no inverno...o dragao estava um mimo...o Porto que nos habituou não arranja desculpas ( isso é para outros lados), ultrapassa os obstáculos...

José Correia disse...

"...prefiro assim, do que os rivais terem argumentos (ainda que estúpidos) para reclamar seja do que for como nos anos passados em que reclamavam do proença ter adiado o jogo de setubal com o porto ou reclamar de um atraso de 2 minutos de entrada em campo na taça da liga"

Quero lá saber o que os adeptos ou comentadores dos "rivais" dizem.
A minha preocupação é o FC Porto e em defender (de forma legítima!) os interesses do FC Porto.

José Correia disse...

"... o campo não impediu que o porto fizesse o jogo que tanto gosta, conseguindo 82% de posse de bola..."

Eu não seria tão peremptório.

Para além do passe do Tello para o Brahimi, em que uma oportunidade flagrante de golo foi anulada pelo estado do terreno, eu não sei até que ponto o facto do relvado estar empapado, contribuiu para os falhanços do Tello e do Herrera (recordo que a pior parte do relvado eram, precisamente, as duas áreas).

José Correia disse...

"...não sei se se considerou o respeito pelos adeptos. mas, se não foi, devia..."

De acordo com este raciocínio, deve sempre haver jogo, quaisquer que sejam as condições do relvado.

O relvado pode estar encharcado, enlameado, com a bola a boiar, pode até colocar em risco o estado físico dos atletas que, por respeito aos adeptos que se deslocam ao estádio (eu fui um deles!), o jogo tem de se realizar.

Não concordo.

Nuno Fonseca disse...

"A minha preocupação é o FC Porto e em defender (de forma legítima!) os interesses do FC Porto."

Tendo em conta que já jogamos em relvados muito mais encharcados, tal como outros clubes, seria uma chico-espertice adiar o jogo. Por isso é que digo que muito provavelmente fomos anjinhos. Seria bom para Porto, mas acho que não foi por aí que empatamos.

"O relvado pode estar encharcado, enlameado, com a bola a boiar, pode até colocar em risco o estado físico dos atletas que, por respeito aos adeptos que se deslocam ao estádio (eu fui um deles!), o jogo tem de se realizar."

Não digo que se deva realizar o jogo só porque estão ali os adeptos, mas sim que a presença deles é um factor a ter em conta. deve ser mais um peso a colocar na balança na hora da decisão. não me parece que assim seja, mas devia.

Nuno Fonseca disse...

Mesmo! Nesse jogo da Academica é que ficou provado que nada derrubaria a equipa de villas boas. Uma piscina autêntica e Belushi ainda se deu ao luxo de fazer alguns túneis aos adversários. Não devemos ser anjinhos mas também devemos estar preparados para todo o tipo de contrariedades, senão vamos ser a equipa dos "ses".